clube   |   doar   |   idiomas
O Brasil e a guerra cambial - ganhando e, por isso mesmo, perdendo

Exatamente dois anos atrás, em um relatório sobre mercados emergentes, o analista do Nomura Bank, Tony Volpon, havia identificado o Brasil como sendo o "maior perdedor" da guerra cambial que vinha sendo travada naquele momento.  Com uma combinação de 1) altas taxas de juros, o que incentivava investidores internacionais a se aproveitarem de um fácil carry trade; 2) uma alta inflação de preços, caminhando para mais de 6% já àquela época; e 3) uma taxa de câmbio em rápida apreciação, tendo apreciado mais de 40% ao longo dos dois anos anteriores, o Brasil estava perdendo em todas as áreas.  Pelo menos era isso o que dizia o senso comum.

Quando em julho de 2011 o dólar chegou à cotação de R$1,53, seu menor valor em 12 anos frente ao real, ao mesmo tempo em que o IPCA já estava perto de 7%, senti-me impelido a abordar esta questão na primeira edição de nossa carta da VOGA (em setembro de 2011).  Com o título de "Quão forte está o real?", fizemos uma análise da robustez de nossa moeda em relação a uma cesta formada por várias moedas globais.  "Com o intuito de analisarmos sensatamente a situação do real," escrevemos na ocasião, "utilizaremos um mecanismo similar ao que analisa a situação do dólar americano, o chamado US Dollar Index, ou USDX".  Ato contínuo, criamos dois índices para o real: um que o compara às moedas mais transacionadas do mundo (BRDX1), e outro que o compara às moedas dos maiores parceiros comerciais do Brasil (BRDX2).

Sob o prisma desta análise, em meados de 2011 estava claro que nosso país era de fato o de moeda mais apreciada.  Nosso índice BRXD2 atingira seu valor máximo de 113,1 em julho (gráfico 1), ao passo que o BRDX1 também se apreciara significativamente, mas não tanto quanto.

grafic1.png

Gráfico 1: BRDX1 (linha cinza), BRDX2 (linha vermelha) e BRDX1 sem o dólar (linha pontilhada)

Para Guido Mantega, essa situação era inaceitável.  Segundo ele, "não iríamos apenas ficar sentado, observando o real ganhar valor e afetando nossa balança comercial".  Um ano e meio depois, o que houve com o real?  Como ele se comportou?  O senhor Mantega estava apenas blefando?  Esse é o tópico do momento.

Que diferença um ano pode fazer...

O processo de 'afrouxamento quantitativo 2' (Quantitative Easing 2) de Ben Bernanke foi completado ao final de julho de 2011, tendo acrescentado US$600 bilhões ao balancete do Federal Reserve.  Moedas se apreciando ao redor do mundo era o resultado natural e esperado desta liquidez extra injetada pelo Fed nos mercados financeiros.

Com o real em uma cotação recorde, o Banco Central brasileiro tomou a arriscada decisão de estipular uma meta (informal) para a taxa de câmbio, deixando a inflação de preços em segundo plano.  Por meio de uma série de ousados cortes na taxa básica de juros (a SELIC), em conjunto com a compra contínua de títulos do Tesouro, Alexandre Tombini parecia estar bastante tranquilo com o IPCA bem acima dos 7%.  Em agosto de 2012, as reservas internacionais chagaram a US$378 bilhões, aumento de US$30 bilhões em relação ao ano anterior.

De agosto de 2012 a janeiro de 2013, o dólar passou a ser cotado entre duas bandas informais: R$ 2,00 e R$2,10.  Em fevereiro, após o IPCA de janeiro ter apontado 0,86%, acima do esperado, o Banco Central tem deixado o dólar se aproximar de R$1,95. 

Estamos na era do "câmbio flutuante controlado".  Como o ex-presidente do BACEN Gustavo Franco disse em uma entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, "a taxa de câmbio hoje é tão fixa quanto era durante a minha gestão."  No entanto, a depreciação do real em 2012 não se manteve confinada apenas ao dólar, e foi exatamente isso que tentamos mostrar em nosso gráfico acima.

Contra a moeda controlada por Bernanke, o real perdeu 24% de seu valor entre julho de 2011 e o final de 2012 (gráfico 2).  O índice BRDX1 depreciou-se 21% e o BRDX2, 20%.  Mantega advertiu e Tombini executou.  No final, nosso Ministro da Fazenda realmente não estava blefando.  Para júbilo dos exportadores, o real foi desvalorizado.  Mas não somente em relação ao dólar: considerando a cesta de moedas em BRDX1 e BRDX2, o governo brasileiro conseguiu, em 2012, a impressionante façanha de desvalorizar o real contra todas as principais moedas do mundo.  Até mesmo o tão abusado peso argentino ganhou valor em relação ao real (gráfico 3). 

grafic2.png

Gráfico 2: desvalorização do real em relação às moedas de (da esquerda para a direita): Hong Kong, EUA, Reino Unido, Suécia, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Zona do Euro, Japão e Suíça

 

grafic3.png

Gráfico 3: desvalorização do real em relação às moedas de (da esquerda para a direita): China, EUA, Coréia do Sul, Reino Unido, Chile, Zona do Euro, México, Rússia, Japão, Argentina e Índia.

Isso nos faz pensar: se, em janeiro de 2011, o Brasil era o "maior perdedor" da guerra cambial, será que agora revertemos o placar e podemos cantar vitória?  Já chego neste ponto.

A balança comercial

O senso comum diz que um país, para restaurar seu crescimento econômico (ao menos em termos de PIB), tem de desvalorizar sua moeda para assim ganhar competitividade no comércio exterior (estimulando suas exportações e desestimulando suas importações).

O primeiro item da receita (desvalorizar a moeda) foi diligentemente implementado pelo BACEN: em 2012, o real despencou frente a todas as moedas estrangeiras.  Isso melhorou a competitividade dos exportadores?  Sim, melhorou.  Mas só por algum tempo.

O volume de exportações aumentou até o primeiro trimestre de 2012.  Desde então, os números foram se arrefecendo.  Em 2011, o total de exportações havia sido de US$256 bilhões.  Em 2012, caiu para US$242 bilhões.  Por outro lado, com uma moeda depreciada, é claro que as importações cairiam ainda mais do que as exportações, certo?  Nem tanto.  As importações caíram apenas 1,5%, chegando a US$223 bilhões no ano passado.  No final, ao contrário do senso comum e dos desejos do governo, em vez aumentar, a balança comercial do Brasil declinou em 2012.  Embora tudo indique que o Brasil tenha "vencido" a guerra cambial no ano passado, os resultados almejados e esperados não se concretizaram. 

O fato difícil de aceitar é que a competitividade da mão-de-obra e da indústria brasileira continua ruim, e isso não pode ser corrigido por meras manipulações cambiais.  O que os mercantilistas parecem ainda não ter entendido — não obstante já tenham tido dois séculos para isso — é que uma taxa de câmbio depreciada pode beneficiar os exportadores apenas temporariamente, pois uma desvalorização da moeda necessariamente significa que os preços domésticos subirão mais acentuadamente ao longo do tempo.  E dado que os produtores domésticos terão de arcar com o aumento em seus custos de produção, todas as supostas bênçãos trazidas pela depreciação cambial rapidamente desaparecem.  Portanto, aos olhos dos mercantilistas e do governo, o Brasil está perdendo, ainda que esteja momentaneamente vencendo a guerra cambial.

Já aos olhos dos economistas pró-livre mercado, o Brasil está perdendo, independentemente de qual seja a perspectiva adotada: temos uma moeda que vale 20% menos do que valia há um ano e meio, a inflação de preços acumulada em 12 meses está acima dos 6%, e quase nada foi feito em termos de melhorar nossa competitividade no mercado internacional.  A boa notícia para os exportadores é que a China parece estar conseguindo evitar seu ciclo econômico mais uma vez, adiando sua recessão.  Temores de um "pouso forçado" da economia chinesa parecem ter se arrefecido por ora, e o crescimento econômico está reaparecendo a um ritmo mais rápido.

Próxima etapa da guerra cambial

Nós economistas jamais nos cansamos de fazer previsões.  Até mesmo economistas seguidores da Escola Austríaca, que sabem que as incertezas deste mundo são inerradicáveis, se sentem tentados a, ocasionalmente, fazerem algumas previsões acerca do futuro.  Embora saibamos que a condição ceteris paribus jamais se materializará, ainda assim somos capazes de antecipar alguns padrões e tendências para a economia.  Especialmente aqueles relacionados às ações tomadas pelos bancos centrais.

Bernanke não teve a intenção de começar uma guerra cambial.  Porém, ao socorrer os bancos e consequentemente o governo americano, os trilhões de dólares magicamente criados pelo Fed tiveram a involuntária (e inevitável) consequência de fazer com que os outros bancos centrais ao redor do mundo também incorressem em desvalorizações cambiais para manterem seu setor exportador competitivo.

Anunciado em setembro de 2012, foi somente em janeiro de 2013 que o QE3 (Quantitative Easing 3) oficialmente começou.  No dia 17 de janeiro, o balancete do Fed (no caso, seus ativos, todos adquiridos por meio da simples criação de dinheiro) chegou à inacreditável quantia de US$3 trilhões, valor mais alto de sua história.  Se Bernanke se mantiver fiel a essa sua política declarada, o Fed irá acumular pelo menos mais US$300 bilhões até o meio do ano.  Logo, pode-se dizer que ainda há espaço para criações adicionais de dinheiro sem sérias consequências no curto prazo.  Mas fica a pergunta: como este revigorado esquema de impressão de dinheiro irá reverberar ao redor do mundo?

O novo primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, deu sua resposta em janeiro.  Pressionando o Banco Central do Japão (BoJ) a "pensar grande", Abe quer que uma nova meta de inflação de preços de 2% seja buscada de agora em diante.  "Trata-se de uma ousada reconsideração sobre nossa política monetária", disse Abe a jornalistas após uma reunião com os dirigentes do BoJ.  A questão é que, durante a última década, o BoJ se tornou famoso por falar muito, mas fazer muito pouco.  Em outras palavras, ele sempre ameaçou inflacionar, mas sempre se mantinha austero.  Não obstante, promessas de estímulos monetários "ilimitados" e "sem data para acabar" foram feitas.  Resta saber se tais ameaças se concretizarão.  Também resta saber como os outros bancos centrais reagirão.

Em um recente artigo para o Project Syndicate, o CEO da PIMCO, Mohamed A. El-Erian, escreveu que "no mundo de hoje, nenhum grupo significativo de países quer ter uma moeda forte.  Alguns resistem ativa e abertamente a uma apreciação; outros o fazem de maneira um pouco menos visível."  Porém, "para que algumas moedas possam se desvalorizar, outras têm de se apreciar.  É aí que as coisas ficam interessantes, complexas e potencialmente perigosas", concluiu.  As consequências de uma guerra cambial intensificada não podem ser facilmente previstas.  Mas quanto mais a fundo formos neste caminho, mais os desequilíbrios e os riscos irão se acumular.

Conclusão

Nesta era em que bancos centrais parecem operar na base do "a qualquer custo", o BACEN de fato fez todo o necessário para desvalorizar o real.  Mas isso veio a um custo.  A inflação de preços se manteve teimosamente acima da meta de 4,50%, e hoje já está próxima do limite superior de 6,50%.

A nova rodada de impressão monetária do Fed irá se espalhar por todo o globo.  Iremos "testemunhar um surto nos fluxos de capital para os mercados emergentes quando os investidores saírem em busca de maiores retornos financeiros", escreveu El-Erian.  Mais ainda: estes influxos "estão cada vez mais desconectados dos fundamentos econômicos e financeiros dos países que os recebem", acrescentou ele.

Sendo um dos beneficiários deste fluxo de capital, as autoridades monetárias do Brasil terão de tomar uma decisão difícil: determinar uma meta para a inflação ou determinar uma meta para a taxa de câmbio?  Minha previsão: eles escolherão a taxa de câmbio.  Em um mundo cada vez mais interconectado, é mais fácil esconder a inflação de preços doméstica do que a taxa de câmbio.

Os exportadores, portanto, continuarão sendo subsidiados à custa de todo o resto da economia.  O mercantilismo está mais vivo e vigoroso do que nunca.  E não somente no Brasil.  Ao redor de todo o globo, o mercantilismo é a regra e não a exceção.

Considerando o fato de que nossa economia é incrivelmente fechada, e que as exportações respondem por apenas um décimo do PIB, é realmente de causar perplexidade a opção do governo de subsidiar uma pequena fatia da economia e socializar os custos para todo o resto da população.

Como mencionado no início deste artigo, na primeira edição de minha carta da VOGA, em setembro de 2011, escrevi que "a momentânea força do real certamente não é a causa da falta de competitividade do Brasil; ela apenas a torna mais evidente".  Ironicamente, a fraqueza do real ao longo de todo o ano de 2012 também não melhorou nossa competitividade.


Não deixe de conferir nossos artigos e blogs sobre economia brasileira.



autor

Fernando Ulrich
é mestre em Economia da Escola Austríaca, com experiência mundial na indústria de elevadores e nos mercados financeiro e imobiliário brasileiros. É conselheiro do Instituto Mises Brasil, estudioso de teoria monetária, entusiasta de moedas digitais, e mantém um blog no portal InfoMoney chamado "Moeda na era digital". Também é autor do livro "Bitcoin - a moeda na era digital".

 

  • Thiago  15/02/2013 10:27
    Prezado,

    eu sou novo, 26 anos de idade, e não vivi a época da superinflação. O que eu sei é que nessa época e antes disso até, a falta de petróleo no Brasil gerava desequilibrio na balança comercial que tinha que ser compensado com exportações. A Petrobras tinha uma área internacional para fazer escambo: buscava saber quais produtos os paises produtores de petróleo precisavam, adquiria essas produtos aqui e os trocava por petróleo. Ouvi isso de um funcionário da própria com mais de 35 anos lá.

    Esse histórico não distorceu a percepção da realidade que as pessoas tem? Digo isso porque conheço pessoas mais velhas que não confiam em deixar dinheiro na poupança. O quanto as politicas erradas do passado influenciam no apoio dado as politicas erradas de hoje?

    Um abraço.
  • Patrick de Lima Lopes  15/02/2013 11:18
    "A indústria nacional precisa ser protegida através da imposição de uma desvalorização contínua da moeda, que facilita a exportação e dificulta a importação. Para tornar o processo ainda mais eficiente, deve-se empregar juntamente uma pesada taxação sobre todos os bens importados, além de limites burocráticos(...).

    Em contrapartida ao sistema industrial exportador, é preferível que o investimento estrangeiro na extração de nossas riquezas naturais seja minado o mais rápido possível. O capital estrangeiro vem e retira os recursos que seriam utilizados pela indústria brasileira, os consome para seu próprio aproveitamento e depois os lança para cá, estando a preços altíssimos devido majoritariamente à exploração promovida contra os países pobres e, em menor parte, à desvalorização da moeda supramencionada e às tarifas. Para compensar a ausência do capital estrangeiro em nosso cenário de verdadeira independência econômica o e hipotético, seria necessária a existência de uma oferta de capital extremamente barata pelo sistema bancário, de preferência, vinda de bancos estatais. (...) Tal aumento na oferta de crédito, deduz-se, seria iniciada pelo BACEN. Ressalta-se também a ação essencial tida pelo BNDES para a criação de nossa indústria nacional no passado, evidência do sucesso do crédito sendo enviado a setores estratégicos reconhecidos pelo governo. A criação de companhias estatais para a extração de tais matérias primas e seu preparo para ser utilizada pelo setor industrial(Vide metalurgia), se necessária, também é uma medida válida.

    Críticos de tal proposta rapidamente apontariam uma suposta perda no padrão de vida da população devido à menor capacidade de importação. Entretanto, tal revés seria facilmente compensado pela gigantesca criação de empregos que ocorreria por toda a economia nacional, além da independência alcançada por esta do capital estrangeiro. (...) Por tais motivos, é imprescindível que a economia brasileira retorne a seu estado de autonomia da "Era Vargas". Se o que desejamos é uma pátria industrializada, com pleno emprego e unida, deve-se tomar as rédeas do mercado e ofertar condições que permitam tal desenvolvimento através de medidas coordenadas pelo estado."

    Após iniciar o dia, recebo tal pérola nada amigável de um formando em economia enquanto finalizava a leitura de outro preciso artigo do Fernando Ulrich. Tal jovem tão entusiasmado com a política econômica do PT tornou-se também um defensor convicto de Vargas e, principalmente, do BNDES após iniciar seu curso de economia. É também um dos membros ativos do movimento social de sua universidade, um covil de "Típicos Filósofos" dos quais retiro os jargões e as frases que tanto caracterizam o infame personagem.

    Após ler tal texto, senti-me como alguém com o mínimo de bom senso lendo a política de saúde petista ou como um austríaco lendo as insanidades do Paul Krugman:
    - Nem sei por onde começar a responder.
  • Alguém...  15/02/2013 13:10
    Os esquerdistas vivem basicamente no mundo de Poliana. Ele acha que o "capital extremamente barato" vem do ar, de uma fadinha mágica, de um decreto. Mande para ele alguns textos do Bastiat...
  • anônimo  15/02/2013 14:05
    É que para os desenvolvimentistas, até hoje, a expansão do M2 não tem relação direta com os níveis gerais de preços. Eu descobrir recentemente, como eles sustentam essa teoria em uma aula com uma professora de Economia brasileira. Basicamente, eles cruzam as informações do M2 com os índices de preços do atacado, na época da hiperinflação. Mas quem entende de negócios, sabe que nessa época, os varejistas mantinham seus estoques elevados e os seguravam no maior tempo possível para vendê-los pelo valor mais alto do acumulado da inflação, essa pratica afetava o giro das mercadorias no atacado e engessava a capacidade do setor em indexar preços com base na inflação.
  • Lucas Amaro  15/02/2013 12:58
    Seriam Suécia, Noruega e Singapura exceções à este mercantilismo?
  • Leandro  15/02/2013 18:07
    Embora a Suécia seja bem menos histérica que o Brasil nessa questão do câmbio, não vejo por que dizer que o país não pratica de mercantilismo. Se há Banco Central, há mercantilismo. Clique aqui para ver a evolução da taxa de câmbio sueca desde 2000.

    Quanto à Noruega, tanto faz quanto tanto fez. O país tem o mesmo número de habitantes que Salvador, mas está literalmente boiando sobre petróleo e exportando bacalhau para todo o mundo. Em um arranjo como esse, o governo utiliza as fartas receitas de petróleo para prover assistencialismo para todo mundo, e ainda mantém um superávit orçamentário de incríveis 10% do PIB. Ou seja, taxa de câmbio ali é um detalhe quase insignificante. A Noruega vive em outra realidade; é um ponto totalmente fora da curva. Cliquei aqui para ver a evolução da taxa de câmbio norueguesa desde 2000.

    Já Cingapura de fato se destaca. Tem havido uma contínua apreciação de sua moeda. A conferir.
  • Lucas Amaro  15/02/2013 20:41
    Então, assim sendo para a Suécia, Singapura também é relativamente mercantilista, dado que também possui Banco Central? E isso ocorre, justamente, pelo fato do Banco Central, mesmo não forçando desvalorizações cambiais a favor dos exportadores em detrimento do resto, ser um meio do governo para vir a fazer isso em outro momento?
  • Leandro  15/02/2013 21:03
    Correto. O fato de o BC de Cingapura estar mantendo uma determinada postura hoje não significa que ele não irá mudar de curso amanhã. Ele pode fazer isso quando quiser - ou quando algum político poderoso assim ordenar.
  • Eduardo  15/02/2013 13:16
    Fernando,

    e quanto à recente valorização do real? O fato de o BCB tê-la deixado ocorrer indica que (finalmente) há alguma preocupação com a inflação? E você acha que parou por aí?

    Em minha opinião, acho que o BCB irá testar pequenas valorizações esporádicas, para ver como a inflação se comporta, dada a última ata do COPOM onde afirmaram que não iriam mexer nos juros.
  • Leandro  15/02/2013 18:11
    Também acho que ele fará isso, mas ainda não entendi qual será a mágica. Dado que o Brasil é o país mais fechado do mundo, e dado que o governo está fechando ainda mais os portos, como eles querem que a apreciação do câmbio contenha a inflação de preços se é quase proibido importar?

    A única maneira de a inflação de preços ser contida via câmbio é liberando totalmente as importações asiáticas. Mas desconheço um membro do governo que defenda isso.
  • Bruno D  15/02/2013 13:18
    É realmente uma piada, é notório que essa politica esta claramente financiando apenas um pequeno e seleto grupo, isso é um crime não passa de uma propaganda de intenções.

    O governo protege uma minoria alardeando que está protegendo, incentivando e fortalecendo UM segmento economico, uma atividade economica que é a exportação.

    Mesmo assim essa atividade economica não é o carro-chefe da economia brasileira, o brasil não é, e não pode ser competitivo em exportações com a infraestura atual, isso só para citar um dos problemas. Eu me lembro que o lema exportar ou morrer já era pregado pelo FHC.


  • Fabio  15/02/2013 13:34
    Interessante artigo.
    Lendo artigos como esses é que vemos o grau de ignorancia estatal e esquerdista.
    Se um radio custa R$100,00 aqui no Brasil ou U$50,00 no Estados Unidos,o mesmo radio sempre ira custar os mesmos R$100,00 ou U$$50,00,podem aumentar o numero de papel ao ponto do mesmo custar 110,00 e 60,00 respectivamente,pois o que importa para o consumidor ou o varejista é o que o radio oferece para custar R$100,00 ou R$5000,00 e sempre ira existir concorrencia entre as faixas de preço de R$100,00 e de R$5000,00,o publico que compra um radio de R$100,00 é diferente do cara que compra um radio de R$5000,00,o valor que a pessoa da ao produto é diferente,não adianta o governo se meter,e se o governo se meter fechando fabricas e estatitizar tudo,a variedade de marcas,preços,funções cai e o radio ou qualquer item para de progredir,não é uma taxa de importação e cambio que favorece a exportação,e sim,como por exemplo,fabricar radio de R$100,00 igual ou melhor que a da concorrencia,,não adianta fabricar um radio de R$100,00 muito inferior ao do concorrente que ninguem ira aceitar pagar o preço por algo inferior só pelo motivo do produto ser fabricado no Brasil por exemplo. Nem os esquerdistas comunistas lixos aceitam isso..
  • Paulo  15/02/2013 16:56
    Olá companheiros...

    Algum de vcs poderia me indicar um bom livro de introdução para mercado financeiro?
  • Francisco Seixas  15/02/2013 17:46
    Olá Paulo.

    Você é o Paulo Menezes?

    Se for, eu emiti um comentário dirigido a você e ao Leandro Roque no artigo Uma modeda depreciada é boa para a economia.

    Inclusive eu disse ao Leandro que se for de seu interesse ele pode lhe passar meu endereço de e-mail para tratar de mercado financeiro.

    Aproveite e leia lá meu comentário para ver se se enquadra no que você pretende.

    Estou à inteira disposição.

    Abraço.
  • Andre Oliva  15/02/2013 17:48
    Vc disse mercado financeiro no sentido derivativos, bolsa etc?
    Acho que o melhor livro (para aplicações práticas) é o do Hull, chama-se "Opções, futuros e outros derivativos". Este não é muito fácil de ler, mas é o mais didádico que conheço.
    Um outro para entender melhor sistema bancário introdutoriamente é do Mishkin, chama-se "Moeda, Bancos e Mercados Financeiros".
    Sobre investimentos em ações (pois acho que sua pergunta foi neste sentido) recomendo estes:
    O Investidor Inteligente - Benjamin Graham
    Warren Buffett e a Análise de Balanços - Mary Buffett




  • Andre Oliva  15/02/2013 19:16
    ah, um site muito bom é o guiainvest.com.br
  • IRC Rocha  15/02/2013 18:10
    Deve-se salientar que essa inflação oficial de quase 6% não é de fato a inflação real que passa fácil dos 15%. Governo brasileiro sendo pior que o argentino em maquiagem economica.

    Enquanto isso empregos formais nas empresas privadas só caem e diretamente proporcional os salarios estão caindo junto. Está dificil arrumar emprego que pague acima de miseros 1k que mal paga o custo vida altissimo que está nesse país.

    g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2013/02/maior-parte-dos-novos-empregos-pagam-ate-dois-salarios-minimos.html

    Mas como diria o governo e seu povo (ovelinhas alienadas): o Brasil está de vento em popa economica prospera, pleno emprego, inflação até alta porem controlada, investimentos em infra estrutura e educação, combate a pobreza. Quem está quebrado são a Europa e os USA. Brasil o país do futuro. (E poe futuro nisso) heheh
  • Marcos Campos  15/02/2013 19:25
    Obrigado por tudo à este fórum e seus idealizadores.

    Gostaria de fazer uma pergunta. Como ficaria a situação do Brasil caso adotasse uma valorização do real, aumentando a capacidade de compra do brasileiro perante o mundo?
    Como isso poderia ser benéfico e quanto tempo duraria?

    Eu não consigo enxergar esse panorama! Estou até combinando com um amigo craque em computação para fazer um curta de ficção; " O verdadeiro Brasil do futuro".
  • Leandro  15/02/2013 19:58
    As pessoas teriam um poder de compra crescente, podendo adquirir importados de qualidade a preços cada vez menores. Isso geraria um substancial aumento no padrão de vida.

    O padrão de vida de um país é determinado pela abundância de bens e serviços. Quanto maior a quantidade de bens e serviços ofertados, e quanto maior a diversidade dessa oferta, maior será o padrão de vida da população. Porém, a quantidade e a diversidade não bastam. A facilidade de acesso a estes bens e serviços -- no caso, quão caros eles são -- também é essencial. Por isso, é de suprema importância ter uma moeda forte, que facilite seu acesso aos bens e serviços vendidos em todos os cantos do globo.

    Artigo recomendado: Uma moeda forte poderia trazer desvantagens para os brasileiros?

    E os empregos industriais?

    Em qualquer situação, a abertura da economia e o fortalecimento da moeda irá acabar com aqueles empregos nas indústrias menos competitivas. E isso é positivo. Ao contrário do que o senso comum apregoa, a função de uma economia capitalista não é gerar empregos. A função de uma economia capitalista é aumentar o padrão de vida as pessoas. Empregos em indústrias ineficientes nada mais são do que um desperdício de recursos escassos. Essa mão-de-obra poderia estar sendo mais bem aproveitada no setor de serviços, e o maquinário imobilizado nessa indústria ineficiente seria mais bem aproveitado em outras linhas de produção. David Ricardo e sua teoria das vantagens comparativas já havia explicado isso ainda no século XVIII.

    Ademais, mesmo que o sujeito seja demitido do setor industrial e vá para o setor de serviços em troca de um salário nominal menor, no longo prazo, por causa da contínua valorização cambial, seu padrão de vida estará maior. Ele terá acesso a bens importados e de qualidade a preços cada vez menores. É essa facilidade de acesso a uma grande oferta de bens e serviços de qualidade que define um padrão de vida.

    Ao passo que ocorreria a perda de emprego nos setores exportadores, todo o resto da população pagaria menos por produtos de maior qualidade. Esta economia possibilitaria a criação de poupança que acaba gerando investimentos. Estes investimentos criariam empregos que não necessitam de dinheiro roubado pelo governo para funcionar.
  • Marcos Campos  18/02/2013 15:00
    Obrigado Leandro
    Sua explicação foi muito sucinta e com outros artigos aqui do Mises, tenho informações suficientes para iniciar os trabalhos.
  • Aline  15/02/2013 21:43
    O senso comum diz que um país, para restaurar seu crescimento econômico (ao menos em termos de PIB), tem de desvalorizar sua moeda para assim ganhar competitividade no comércio exterior (estimulando suas exportações e desestimulando suas importações).

    O primeiro item da receita (desvalorizar a moeda) foi diligentemente implementado pelo BACEN: em 2012, o real despencou frente a todas as moedas estrangeiras. Isso melhorou a competitividade dos exportadores? Sim, melhorou. Mas só por algum tempo.

    O volume de exportações aumentou até o primeiro trimestre de 2012. Desde então, os números foram se arrefecendo. Em 2011, o total de exportações havia sido de US$256 bilhões. Em 2012, caiu para US$242 bilhões. Por outro lado, com uma moeda depreciada, é claro que as importações cairiam ainda mais do que as exportações, certo? Nem tanto. As importações caíram apenas 1,5%, chegando a US$223 bilhões no ano passado. No final, ao contrário do senso comum e dos desejos do governo, em vez aumentar, a balança comercial do Brasil declinou em 2012. Embora tudo indique que o Brasil tenha "vencido" a guerra cambial no ano passado, os resultados almejados e esperados não se concretizaram.


    Esses parágrafos estão redondamente enganados. Eles dizem tacitamente que a desvalorização cambial só funcionou num primeiro momento, até o 1° tri de 2012. A partir daí fez piorar a balança comercial. A balança piorou sim desde então, mas isso não foi porque o remédio cambial virou veneno, e sim porque caiu o preço das commodities, que representam 70% das exportações. O Brasil exportou, por exemplo, em 2011 US$ 41 bi só com minério de ferro. Já em 2012, devido a queda na cotação, exportou US$ 31 bi, US$ 10 bi a menos. Essa e outras perdas de receita com commodities não tinham como ser compensadas pelo ajuste que o governo fez no real. Então foi normal as exportações terem caído mais que importações. No entanto, isso não quer dizer que o ajuste cambial parou de ser eficiente.

    Se a gente excluir commodities da análise, fica claro que a desvalorização continuou funcionando sim para fazer o que se queria, ajudar a indústria. Sobre isso, o que saiu no Valor há pouco tempo é esclarecedor:

    O coeficiente de importação, que mede a representatividade dos importados no consumo interno, caiu de 23,4% no terceiro trimestre de 2011 para 22,3% no mesmo período deste ano (2012). A queda interrompe a trajetória de alta iniciada para o trimestre desde 2010.

    Na mesma comparação, a participação dos importados levando em consideração a indústria de transformação caiu de 22,3% para 21,2%. O cálculo é da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
  • Malthus  15/02/2013 22:03
    "Esses parágrafos estão redondamente enganados. Eles dizem tacitamente que a desvalorização cambial só funcionou num primeiro momento, até o 1° tri de 2012."

    Não. Não diz isso nem tacitamente e nem muito menos explicitamente. Diz apena que, ao contrário do que se prega, desvalorização cambial está longe de ser panacéia. Há vários outros fatores que determinam balança comercial e que são completamente ignorados pelos mercantilistas (como qualidade do produto e facilidade de aquisição, além do próprio preço nominal dele).

    O requisito básico para se comentar um trecho é saber interpretá-lo corretamente -- tarefa impossível para quem se deixa guiar exclusivamente pela ideologia, e não pela ciência econômica.

    "A balança piorou sim desde então, mas isso não foi porque o remédio cambial virou veneno, e sim porque caiu o preço das commodities, que representam 70% das exportações. O Brasil exportou, por exemplo, em 2011 US$ 41 bi só com minério de ferro. Já em 2012, devido a queda na cotação, exportou US$ 31 bi, US$ 10 bi a menos."

    E qual a solução mercantilista para corrigir essa "pavorosa" queda de preços das commodities no mercado mundial? Achei que manipulando o câmbio vocês resolviam tudo.

    "No entanto, isso não quer dizer que o ajuste cambial parou de ser eficiente."

    Por que não? A inflação de preços e a dificuldade de se adquirir bens de capital e outros insumos importados já não bastam?

    É inacreditável como vocês estão "cantando e andando" para a maioria da população empreendedora (que precisa de insumos estrangeiros) e consumidora, pensando apenas na vida fácil do setor exportador. É preciso fazer um estudo de caso para se entender tamanho tesão em detonar a vida do povo.

    "Se a gente excluir commodities da análise, fica claro que a desvalorização continuou funcionando sim para fazer o que se queria, ajudar a indústria."

    Primeiro que "ajudar a indústria" ao mesmo tempo em que se destroça todo o resto da economia -- via inflação de preços e importados caros -- está longe de ser uma política louvável. E segundo, obrigado pela franqueza de se assumir totalmente a favor desta política discriminatória em prol dos poderosos.

    "O coeficiente de importação, que mede a representatividade dos importados no consumo interno, caiu de 23,4% no terceiro trimestre de 2011 para 22,3% no mesmo período deste ano (2012). A queda interrompe a trajetória de alta iniciada para o trimestre desde 2010. Na mesma comparação, a participação dos importados levando em consideração a indústria de transformação caiu de 22,3% para 21,2%. O cálculo é da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)."

    Repito: é absolutamente apavorante o tesão que vocês têm em privar o povo de bens estrangeiros, jogando sua qualidade de vida na latrina ao mesmo tempo em que defendem a vida mansa de barões industriais politicamente conectados. Comemorar o fato de que agora o povo está consumindo menos bens estrangeiros e sendo obrigado a consumir o lixo nacional é de um sadismo ímpar.

    Estou cada vez mais convencido de que mercantilista é pior que funcionário público: os dois roubam seu dinheiro, é fato, mas o funça ao menos não tenta te proibir de comprar as coisas que você quer. A paixão pelo autoritarismo e pelo privilégio ainda vai destruir este país. Um nojo.
  • Pensador de esquerda  15/02/2013 22:07
    O peixe morre pela boca!
    Vejam o que disse o senhor Leandro num comentário acima: "a função de uma economia capitalista não é gerar empregos". Obrigado pela rara sinceridade. O capitalismo, como vemos, é o grande gerador de desigualdades ao longo da História. Esse sistema maquiavélico cria poucas frentes de trabalho com salário justo, ao mesmo tempo em que oferece grandes frentes de trabalho de salário pequenos. Assim os grandes patrões podem barganhar muitos empregos miseráveis numa clara luta entre os trabalhadores. "Você quer trabalhar? Pega essa merreca! Se não quiser, tem muitos outros que querem", esse é o lema do capitalista: fazer leilão humano num mundo de famintos!
  • Leandro  15/02/2013 23:10
    Calma, Pensador. Maneire aí na ironia. Já basta o Típico Filósofo para confundir as pessoas novatas aqui...
  • capivara  17/02/2013 17:10
    hehehe
    Pelo menos um piadista aqui pra me fazer dar umas risadas
  • Marcos Campos  18/02/2013 14:53
    Pensador de Esquerda
    Seja pelo menos elegante e inteligente, mostre que tem o mínimo que conhecimento da do portugues e da semântica.
    Não vale pegar pedacinhos do texto dos outros pra justificar o seu socialismo.

    A frase inteira é: "Ao contrário do que o senso comum apregoa, a função de uma economia capitalista não é gerar empregos. A função de uma economia capitalista é aumentar o padrão de vida as pessoas."

    O que adianta ganhar muito e comprar pouco? E mesmo assim, qual o governo de esquerda que paga muito, me apresente um!?

    Mais vale ganhar R$600/mês e comprar 10 produtos, do que ganhar R$3mil/mês e só poder comprar 3 produtos. E repare, se você passar a ganhar R$3,5mil/mês, vai comprar os mesmos 3 produtos, graças ao nosso inteligente IR.

    Tu que gostas de ser enganado e doutrinado, deveria ter vergonha de vir aqui com tão pouca capacidade intelectual. E não me tenha como fundamentalista, pois já fui de esquerda como você, e graças a minha resiliência pude perceber o erro que vinha cometendo.

    OBRIGADO MISES!!!!!!!!!!!!
  • Marcos  17/02/2013 00:23
    Quantas décadas o Brasil perdeu com o desenvolvimentismo? Várias, até chegar a beira da falência e os governantes chutarem o balde por não terem outra opção.

    E agora, depois de um curto período de uma integração e liberalização mínima voltamos a década de 80.

    Quantas décadas de pobreza teremos que encarar até que apareça alguém com bom senso novamente? O estado vai ter que falir de novo?
  • Roberto  17/02/2013 03:42
    O que os burocratas desconsideram também, é que importadores atentos pressionam os exportadores a reduzirem seus preços na moeda contratada por conta da depreciação da moeda local. Assim, o mercado segue exigindo mais competitividade efetiva. Como foi dito no artigo, o benefício é temporário por todas aquelas razões mencionadas e também por essa.
  • Gil  24/02/2013 01:43
    Câmbio a 1,95 e portos fechados para a importação, ajuda pouco; mas diminui preços dos exportáveis, como soja, milho, carnes, etc. Ajuda a segurar a inflação.
  • Gil  24/02/2013 02:20
    Discordo da Aline, que justifica a quedas das exportações somente baseada nos números de minério de ferro. Milho e soja tiveram aumento de exportações. E mais, o saldo da balança em 2012 foi de US 17 bi, porque a Petrobrás e Receita Federal " esconderam" mais de US 5 bi de importações de petróleo. Quanto ao coeficiente dos importados caiu de 23,4% para 22,3%, segundo a Fiesp. Para diminuir 1% do coeficiente dos importados e não melhorar as exportações em nada, não valeu a pena sacrificar a maioria do povo, em prol de meia duzia.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.