clube   |   doar   |   idiomas

Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

Como ser Dilma Rousseff - em 13 passos

Primeiro passo: mantenha no Ministério da Fazenda um indivíduo que não sabe a diferença entre câmbio fixo e câmbio flutuante, que acha que a "carestia" se combate manipulando alíquotas de imposto, e que passou toda a sua vida pública defendendo explicitamente a ideia de que "mais inflação gera mais crescimento". 

Segundo passo: dê a este cidadão o controle total da economia, transformando-o em um genuíno czar.

Terceiro passo: coloque na presidência do Banco Central um sujeito completamente submisso, inócuo e apagado, sem nenhum histórico fora da burocracia estatal, sem voz própria e sem nenhuma presença impositiva.  Para garantir que este cidadão não passará aos mercados a "perigosa impressão" de ser um sujeito vigoroso e durão no trato dos juros, escolha um indivíduo de aparência cômica, de rosto rotundo, fala mansa e com uma vultosa protuberância ventral (não, isso não é um ad hominem; pode parecer besteira, mas em um ramo que denota extrema autoridade, como o de estar no controle da moeda do país, a aparência e a postura são fundamentais para se transmitir confiança.  Compare o grandalhão e charuteiro Paul Volcker, de voz firme e gestos decididos, ao delicado e vacilante Ben Bernanke, de voz macia e gestos hesitantes, e veja a diferença entre o respeito que cada um deles impõe.  Ou compare Henrique Meirelles e Gustavo Franco a Alexandre Tombini). 

Quarto passo: ordene a este desmoralizado cidadão que ele seja totalmente submisso às ordens expedidas pelo bufão que ocupa o Ministério da Fazenda, desta forma transformando aquele ministro no real presidente do Banco Central, e o presidente do Banco Central em uma mera marionete que está ali apenas para passar a impressão de que o Banco Central possui alguma independência.

Quinto passo: com grande frequência, coloque esta dupla para dizer aos jornais que o governo não medirá esforços para derrubar os juros bancários, estimular o crédito (leia-se: o endividamento e o consumismo) e desvalorizar o real em relação ao dólar.

Sexto passo: feche os portos aumentando as alíquotas de importação de praticamente todos os produtos estrangeiros: de automóveis a produtos têxteis; de calçados e brinquedos a artefatos de madeira, de palha e de cortiça; de lâmpadas e sapatos chineses a pneus, batata, tijolos, vidros e vários tipos de máquinas; de reatores para lâmpadas a vagões de carga; de triciclos, patinetes, bonecos, trens elétricos e quebra-cabeças a produtos lácteos (leite integral, leite parcialmente desnatado e queijo muçarela) e pêssegos. (Sério, está tudo aqui e aqui). 

Sétimo passo: diga a todas as grandes empresas do país que elas são obrigadas a produzir utilizando uma determinada porcentagem de insumos fabricados no Brasil. 

Oitavo passo: peça encarecidamente aos privilegiados fabricantes destes insumos que não se aproveitem deste monopólio para aumentar seus preços (eles obviamente não atendem ao seu pedido).

Nono passo: para ajudar as grandes empresas a adquirir estes agora mais caros insumos, e simultaneamente para ajudá-las em seus projetos de investimento, libere o BNDES para lhes emprestar dinheiro público a rodo, tudo a juros subsidiados.  E como o BNDES não tem todo esse dinheiro, peça ao Tesouro para arrecadar mais dinheiro emitindo títulos da dívida, fazendo com que a dívida bruta do país chegue a R$ 2,823 trilhões em dezembro de 2012.

Décimo passo: para comprar estes títulos emitidos pelo Tesouro, o sistema bancário cria dinheiro do nada, pois opera com reservas fracionárias.  Essa inflação monetária, somada a toda a expansão do crédito já feita para estimular o consumismo (expansão essa que também é feita por meio da criação de dinheiro pelos bancos), aumenta enormemente a quantidade de dinheiro na economia, aditivando o aumento generalizado dos preços.

Décimo primeiro passo: para conter toda a escalada de preços gerada por estas medidas intervencionistas, pela expansão monetária e pela desvalorização cambial, comece a mexer nas alíquotas de impostos que incidem sobre vários produtos na esperança de mascarar seu encarecimento.  Peça para as empresas de energia elétrica reduzirem suas tarifas e ordene à estatal petrolífera que não suba seus preços (embora ela também seja obrigada a utilizar insumos nacionais mais caros em suas plataformas).

Décimo segundo passo: consiga a façanha de fazer com que essa petrolífera estatal, que detém as melhores jazidas de petróleo do país, produza menos petróleo do que no ano anterior.  E que ela perca 40% do seu valor em três anos. 

Décimo terceiro passo: faça cara de paisagem (mas com muito laquê) para o fato de que, em apenas 2 anos de governo, o índice de preços oficial — cuja metodologia é pra lá de branda — já acumulou um aumento de 14%.  (A título de comparação, a economia suíça precisa de 14 anos para acumular este mesmo aumento inflacionário).


Após tudo isso, diga que tudo de ruim é culpa da crise europeia (ou, quando possível, daquele cidadão que saiu da presidência no final de 2002), e que tudo de bom que continua funcionando é mérito exclusivamente seu.  Desfrute de mais de 80% de aprovação de um povo incapaz de estabelecer uma relação de causa e efeito.



autor

Leandro Roque
é editor e tradutor do site do Instituto Ludwig von Mises Brasil.

  • Ozeas Noronha  07/02/2013 21:06
    Leandro,

    Por favor mande tal artigo para o tendências e debate da folha. Seria muito ilustrativo.

    Em tempo ótimo e engraçado artigo.
  • Lucas Andrade de Araújo  07/02/2013 21:07
    Essa é a esquerda mostrando sempre como ferrar com a nossa vida para continuar com o ideal utópico de uma sociedade igualitária - leia igualmente pobre - como os nossos amigos, bolivianos, cubanos, venezuelanos, equatorianos, reptilianos e afins.

    Esse congelamento de preços na petrobras, e o congelamento geral de preços na Argentina mostra como a esquerda da América do Sul se supera dia-a-dia no quesito burrice econômica, a única coisa que esse pessoal manja mesmo é roubar bancos - seja fora ou dentro do governo, seja armados ou por mensalões - e populismo barato.
  • Pedro  07/02/2013 21:22
    Esse governo está superando e em muito as burradas do governo anterior. E eu achava que isso seria dificil...

    Agora o que me impressiona são os índices de aprovação estratosféricos.

    Quanto a inflação e as taxas de juros, enquanto o governo acreditar que a mesma é necessária para haver emprego, os juros continuarão artificialmente baixos o que fará com que essa bolha creditícia se intensifique. Na hora que explodir e o desemprego disparar, veremos se a aprovação continuará tão alta.
  • Lucas Andrade de Araujo  07/02/2013 21:29
    Muitos economistas estão recomendando comprar um carro, casa, etc, quem está com o dinheiro na poupança vai perder tudo.
  • Leandro  07/02/2013 21:37
    Não há muita escapatória. Os depósitos a prazo tradicionais, como o CDB, que rendem entre 80 e 90% do CDI, estão rendendo pouquíssima coisa acima do rendimento da poupança antiga (aquela em vigência até o dia 3 de maio de 2012).

    E se você levar em conta que a alíquota do imposto sobre essa aplicação varia entre 15% e 22,5%, são razoáveis as chances de você se dar melhor mantendo seu dinheiro na poupança antiga.

    Não há para onde correr no momento -- a menos, é claro, que você tenha estômago para bolsa e outros investimentos de risco.
  • Aline  07/02/2013 21:53
    Investimentos atrelados a ativos imobiliários me parece uma boa.
  • Rafael Hotz  07/02/2013 22:16
    Está muito complicado proteger o dinheiro da Dilma e Mantega/Tombini. CDB referenciados em DI ja rendem menos que a poupança nova por causa da tributação e do descolamento SELIC/DI. A incerteza e o consumo desenfreado gerados por esses elementos deixaram boa parte da bolsa cara e a outra parte deficitária. Imóveis são uma bolha.

    Fica a dica aos leitores. Há uma brecha legal para se tornar investidor qualificado sem ter 300k em ativos. Você tem que passar na prova CNPI da APIMEC e se credenciar na CVM como analista e depois como consultor de valores mobiliários.

    Com isso você pode aplicar em FIDCs, CRA e outros produtos de renda fixa com yield mais alto. Estou fazendo isso.
  • Eleno  07/02/2013 22:25
    Boa, Rafael. Mas e quem não tem grana/tempo para isso, pois tem de trabalhar duro para sustentar a família e dar 40% da sua renda pra sustentar Dilma, Mantega, Calheiros, Marco Maia e toda a funçada? Vai de poupança mesmo, e fica rezando pra TR voltar a subir (tá zerada).
  • Filipe Celeti  08/02/2013 00:12
    Rafael / Leandro,

    E o investimento em metais? Como anda?
  • Leandro  08/02/2013 00:45
    Essa é a especialidade do Helio e dos irmãos Chiocca. Faça o contato.
  • André Luiz S. C. Ramos  08/02/2013 17:39
    Ahhh, os metais dourados... Sempre um porto seguro.
  • Renato Souza  08/02/2013 18:32
    Leandro

    Pretendo investir por pouco tempo em imóvel. Vou tentar ganhar algum antes do fim da bolha. Depois disso, precisarei de algum ativo que não desvalorize, e acho que vou comprar ouro e esperar um oportunidade.
  • Deilton  29/04/2013 18:59
    "Não há para onde correr no momento -- a menos, é claro, que você tenha estômago para bolsa e outros investimentos de risco."

    Leandro, há algum livro onde possamos aprender a usar o conhecimento sobre a economia para investir no mercado de ações?

    Fugindo um pouquinho do tema do texto, qual sua opinião sobre a análise técnica?
    Há alguma correlação entre os movimentos dos gráficos e os ciclos econômicos?

    Entre 2008 e 2010 ganhei uma grana legal investindo na bolsa, hoje lendo o mises vejo que foi pura sorte. Investi em empresas que tiveram uma boa valorização e pagaram bons dividendos.

    Depois que passei a ler os artigos dos mises comecei a ficar mais cauteloso, preciso estudar mais. Hoje estou fora do mercado. Mas não dá pra ficar na RF e poupança não é investimento, apesar de se mostrar atraente.

  • Leandro  29/04/2013 19:08
    Prezado Deilton, recomendo este site criado pelo Helio Beltrão e pelo Fernando Ulrich, totalmente voltado para dicas de investimento sob uma ótica austríaca.

    opontobase.com.br/

    Esses são os feras no assunto.

    Grande abraço!
  • Anônimo  07/02/2013 21:24
    O texto é ótimo e de qualidade, mas o "terceiro passo" é argumentum ad hominem sim; e mais, parece até enfraquecer um pouquinho o brilho do restante do texto!
  • Leandro  07/02/2013 21:28
    Claro, hoje tudo é ofensivo. E o Banco Central é uma instituição desimportante e cuja presidência é de total indiferença. Tanto faz se for um sujeito sério, que seja eloquente contra a inflação, ou um sujeito desleixado, que não tem voz própria, que não se manifesta e que tem uma aparência que denota descuido com a própria saúde.

    O politicamente correto aqui não terá vez.
  • Ari Pereira  10/02/2013 16:51
    Olá Leandro, olá a todos.

    Sinceramente penso que o BC é realmente uma instituição sem nenhum propósito positivo.
    A partir do momento que ele existe, tanto faz quem ocupe a cadeira de "gestor", pois apenas poderá ser mais ou menos divertido, mais ou menos incompetente, ou ainda mais ou menos desastrado... O fato é que o estrago será certo.

    NADA pode ser mais perigoso que a simples existência do BC.
    Existindo, dai pra frente quem será o "Gestor" da bandalheira tanto faz...

    É um problema (em minha opinião) para quem só se locupleta com ele e não para quem só se prejudica com ele.
    No caso, toda a sociedade produtiva brasileira.

    Questionar as competências e capacidades melhores ou piores do "gestor" do BC (novamente, em minha opinião), seria como discutir quem é o Treinador do Elefante numa Loja de Porcelanas.

    Fora já pro Elefante!

    Em tempo: a "The Economainstream" gostaria de trocar o treinador do elefante.
    Será que ele deixou de ser divertido?

    Saudações paquidérmicas,

    Ari
  • Mauricio.  07/02/2013 22:42
    O cara chama "Tombini". Precisa falar algo mais?
  • Arthur  07/02/2013 23:15
    Gostaria de um prospecto vosso quanto a esta matéria.
    criseinternacional.com/brasil/Brasil-afundado-em-dividas.html
  • Leandro  07/02/2013 23:39
    Ele contém erros. E erros curiosos. Trata-se obviamente de um artigo panfletário antipetista, porém, paradoxalmente, ele faz um elogio involuntário ao governo Lula ao dizer que esta pagou a dívida externa. Bom, isso nunca aconteceu. Eis os valores, em dólares:

    2000 -- 215.414,56
    2001 -- 192.720,26
    2002 -- 195.587,15
    2003 -- 200.107,34
    2004 -- 185.383,00
    2005 -- 153.749,26
    2006 -- 156.062,08
    2007 -- 165.605,80
    2008 -- 170.119,85
    2009 -- 176.234,40
    2010 -- 224.475,84
    2011 -- 262.753,65

    O que ocorreu é que as reservas internacionais se tornaram maiores do que a dívida externa. Mas esta continuou crescendo e hoje está em seu maior nível.

    Quanto à acusação de que o Tesouro vendeu títulos para comprar dólares com os quais pagar a dívida com o FMI, aí eu já não sei se foi isso mesmo (ele poderia ter usado as reservas internacionais, ou poderia simplesmente ter colocado o Banco Central para imprimir reais, comprar os dólares e depois recomprar estes reais vendendo títulos em sua posse). Mesmo que seja verdade, não é isso que explica a explosão da dívida interna. Tal valor é relativamente ínfimo.
  • Gustavo BNG  08/02/2013 21:05
    Leandro, em milhões de dólares, correto?
  • Leandro  08/02/2013 21:10
    Correto, em milhões. (O que significa que, em 2011, foi de 262 bilhões)
  • Angelo Viacava  07/02/2013 23:34
    No caso do Tombini, o comentário é ab dominen.
  • anônimo  07/02/2013 23:39
    ^^^ KKKKK Muito boa Angelo!!
  • Angelo Viacava  07/02/2013 23:42
    Já viram que sumiu da internet a foto da Dilma "sorrindo"?
  • Marco  08/02/2013 00:17
    "Não há muita escapatória"

    E o ouro?
  • Felipe  08/02/2013 00:55
    Pra um país que já confiscou toda a poupança de seus cidadãos no passado, qual a diferença de baixar um decreto e confiscar todo o ouro privado também?
  • Tiago RC  08/02/2013 09:24
    É muito mais difícil confiscar ouro guardado em casa. Eles não têm meios pra invadir a casa de todo mundo buscando ouro.

    Mas visto as condições de segurança no Brasil, não duvido que a maioria das pessoas que detenham ouro aí, o estoquem em alguma espécie de banco. Aí você tem razão, eles podem confiscar.

    Acho pouco provável um confisco brutal, porém. Pega muito mal. Seria mais provável inventarem um imposto sobre "recursos ociosos" que no final torne o investimento em ouro não rentável.
  • Natália  08/02/2013 10:52
    Pena que sõa poucos que enxergam essas verdades sobre o PT.
    Agora, até em São Paulo esse partido de BANDIDOS está ganhando...A-B-S-U-R-D-O
  • Ricardo  08/02/2013 13:11
    Não há nenhum sinal de que, se fosse outro partido, as coisas seriam diferentes. O "opositor" que concorreu nas eleições de 2010, por exemplo, aplaude a política monetária.
  • Richard  28/02/2013 19:57
    Isso é lamentável!Não entendo como Sampa chegou a esse ponto, depois de toda a roubalheira do mensalão, o povo me elege o bosta do Haddad?
  • RVG  08/02/2013 10:57
    Caros amigos, o que as pessoas conscientes desta realidade poderiam fazer para se defenderem dos efeitos negativos que ainda vão só piorar?
    Como se proteger disso tudo?
  • Eleno  08/02/2013 13:24
    Paulo Francis canta a resposta para essa sua pergunta no minuto 29:01

    youtu.be/FjAHtX39HQ0?t=29m1s
  • Leandro  08/02/2013 14:29
    Uma pequena dose de sabedoria margarina

    MANTEGA DEFENDE MAIS CRÉDITO PARA INADIMPLÊNCIA CAIR

    "Se aumentar o volume (de crédito), melhora a economia e cai a inadimplência. Esta é que é a questão. Chega uma hora em que a inadimplência, para cair, precisa de mais crédito. O cidadão que pegou um empréstimo, depois ficou sem crédito para poder pagar a conta. Porque é assim: o tomador paga o crédito tomando novo empréstimo, isso se chama rolagem", disse Mantega.


    epocanegocios.globo.com/Informacao/Visao/noticia/2013/02/mantega-defende-mais-credito-para-inadimplencia-cair.html


    A irresponsabilidade e o nível de ignorância deste elemento são avassaladores.
  • Rene  08/02/2013 15:14
    Desde que comecei a prestar mais atenção na economia, já vi o Mantega falar muita besteira. Mas com essa ele realmente se superou. Claro, para um cidadão normal, é tão fácil rolar a dívida como é para o governo. Afinal, existe uma fila de bancos querendo emprestar dinheiro para pessoas endividadas. Se faltar grana, não tem problema. Basta colocar alguns zeros a mais em uma conta bancária, e tudo estará resolvido. Se funciona para a União, por que não vai funcionar para o cidadão?

    Do Mantega, não podemos esperar muita coisa mesmo. Como diria o Forest Gump, idiotas fazem idiotices. O que é imperdoável mesmo é o fato do repórter ter aceitado um argumento deste nipe sem questionar. A reportagem não faz o menor esforço para analisar a veracidade ou as consequências do que ele disse. Se limita a transcrever o que o ministro falou, da mesma forma como faria caso transcrevesse um laudo criminal relatado por um investigador que conhece todos os detalhes do caso. Lamentável.
  • mauricio barbosa  09/02/2013 01:45
    Os jornalistas não são bobos,os redatores de Jornal não são bobos,Mantega não é bobo,são todos uns levianos,sem-vergonhas e enganadores.Pois cada um está defendendo seus interesses mesquinhos(Jornalista e redatores)e o ministro sua ideologia gransciana.Enfim só Deus para nos salvar desses malvados.
  • Marcelo  08/02/2013 19:49
    "A irresponsabilidade e o nível de ignorância deste elemento são avassaladores."


    Eles são só burros ou seguem alguma agenda própria onde entendem o que estão fazendo?

    Há limite para tudo. Quando a burrice é tão grande, eu já começo a duvidar. Penso o mesmo em relação aos EUA. Não posso ter certeza, mas fico com um pé atrás.
  • Ari Pereira  08/02/2013 22:27
    Caros,

    Particularmente, há tempos não acredito em "burrices" do PT.
    De certa forma não posso sequer rotulá-los de pouco inteligentes sob pena de ter que inocentá-los e também a seus atos.
    José Dirceu é um icone neste sentido.

    Todos os seus argumentos e ações seguem claramente uma agenda que não é a nossa. Nem sei se é dele. Pelo menos não é a minha. Porém também não é prerrogativa dele: honestamente penso que toda vez que aludimos a limitada inteligência de Mantega, acabamos por retirar o peso do dano moral e criminal, transferindo a questão para a seara da incompetência e não da leviandade.

    Em tempo, há o adágio popular que reza: " Ninguém é culpado do que não sabe. Errado é quem deixa quem não sabe fazer".
    Seguindo o adágio quem está errado? Mantega?
    Não se for burro, logo seria inocente.

    Aludir as limitações cognitivas de Mantega significa inocência de intenção das ações.
    Não é o caso de Mantega, nem de todos os envolvidos nessa fraude.

    Quem então seria o dono desta agenda? Dilma?
    Ora, façam-me o favor...

    Abraços,


    Ari
  • Maria Cristina Correa  09/02/2013 11:59
    Genial,muito bem colocado, mas o que eu realmente não entendo e não engulo são os 80% de aprovacão. O q acontece nesse país? 80% são burros ou estão tão acostumados a ser um rebanho de carneiros q nem balem mais?
  • Neto  09/02/2013 12:33
    Exatamente. E tem ainda outro pessoal, que acha tudo lindo porque sonha em virar também mais um parasita do estado, aliais esse é o sonho brasileiro: passar num concurso e virar funça.
  • Ari Pereira  09/02/2013 18:18
    Maria Cristina,

    Há uma premissa basilar na Escola Austríaca que eventualmente possa responder a sua questão sobre a aprovação popular ao regime em 80%, como disse.

    Trata-se do pilar da Ação Humana, que juntamente com as questões de Tempo e Incerteza são o tripé do pensamento austríaco.

    Seguindo os princípios da EA, a Ação Humana sempre visa a busca de uma satisfação.
    Essa "satisfação" é crescente e ininterrupta e bastará a satisfação de um "desejo" antigo, que logo nascerá a necessidade de satisfação de um desejo novo. Podemos aí então encontrar a possível solução desse paradoxo.

    Ora, como para uma significativa parte da população os seus desejos vem sendo melhor satisfeitos neste regime do que em períodos imediatamente pretéritos (lembre-se que vivemos até pouco tempo numa nação de miseráveis), há portanto a satisfação pontual de suas necessidades e sua conseqüente aprovação.

    Vejamos:

    A - Se, o governo "me dá" dinheiro acima do que tinha ontem, logo essa nova realidade é boa!
    B - Se, o governo "me dá" subsídios para aquisição de moradias, logo essa nova realidade é boa!
    C - Se, o governo "me dá" mais emprego do que tinha ontem, logo essa nova realidade é boa!
    ....

    E por ai vai... Não importa muito COMO ele faz isso.
    o que importa é que ele FAZ.


    Ou seja enquanto for "novidade" para a população a satisfação de seus desejos mais recentes e imediatos sempre haverá a aprovação. Assim que isso caducar (desejo velho satisfeito) naturalmente surgirão novos desejos, que se NÃO forem satisfeitos, aí sim aumentará a rejeição.

    Logo, ou o regime "se vira nos trinta" em criar mais e mais "pirulitos" adocicados aos infantis e glutões cidadãos - que é como carinhosamente gosto de chamar os Programas de Poder atualmente impetrados pelo regime - ou no médio prazo haverá descontentamento com conseqüente impopularidade. Note que não chamo o sistema atual de "governo", mas sim de regime.

    Mas, se o "governo" conseguir criar níveis sempre crescentes de satisfação de desejos primários, secundários e assim por diante, jamais haverá queda da popularidade. Simples assim...

    Isso é sustentável? Claro que não, mas para a maioria da população é:

    Era miserável? Tome R$ 90,00.
    Não tinha leite? Tome leite.
    Não tem camisinha? Tome camisinha.
    E por ai vai...

    O Programa de "Governo" poderia ser assim definido:
    "Contanto que ME DEIXE NO PODER, procurarei satisfazer as suas mais imediatas necessidades".

    Este é o grande mérito de José Dirceu e seu Programa de Poder.
    Sim, isso não é obra do PT. Poucos no partido tiveram a "visão" de Dirceu com relação a esses temas, e se não fosse por sua mente brilhante provavelmente nunca o PT teria conseguido chegar ao Poder. É o que penso.

    Enquanto advogavam o valor do "Trabalho" - Partido do(s) Trabalho(adores) - a coisa não foi em frente.

    Foi só mudarem de tática e oPTarem por vergarem-se ao "establishment" do sistema financeiro (BMG, RURAL, VISANET, etc) ai sim a coisa foi com tudo!!!

    Simples assim, quem não se verga ao modelo estabelecido de geração de riqueza a partir do nada, NUNCA chegará ao poder.
    Aqueles que se vergarem a esse sistema, tornam-se logo fortes candidatos. Foi assim com Lula e enquanto José Dirceu não chegou nessa conclusão, nada conseguiu...

    Assim, qualquer regime que se "vergue" ao Regime de Reserva Fracionada está automaticamente "desempedido" de maiores problemas eleitorais. É só seguir a cartilha: pinta papel, coloca na economia e preferencialmente invista em Pão e Circo.

    Dessa forma, a questão como sabemos é que é relativamente fácil artificializar uma Economia com a criação de Programas Assistencialistas, "dando" ao povo aquilo que imediatamente ontem ele não tinha. O problema é continuar perpetuamente criando esses subterfúgios aberrativos.

    É importante, urgente e premente que criemos práticas que "desestimulem" o desejo crescente de muitos membros da sociedade em tornarem-se parasitas governamentais.

    Este desejo leniente, altamente permissivo e anti-social é absolutamente nocivo ao contexto de uma "sociedade". É preciso ser imediatamente "esclarecido" aos membros desta sociedade pelos que pagam a conta desse parasitismo, sob pena de em curtíssimo espaço de tempo não terem sequer mais forças de "sustentar" esse sistema de coisas!

    Cada vez mais indivíduos estão acostumando-se a ideia de tornarem-se parasitas sociais.
    Sejam burocratas, políticos, funcionários públicos ou mesmo miseráveis, a cada dia aumenta o "desejo social" de terem outros pagando pela satisfação de suas necessidades e desejos.

    O que será que é tão difícil de se entender nisso?

    O "governo" estimula essa situação com a criação permanente de programas assistencialistas de forma cada mais contumaz, e ao contrário do que possa parecer é um raciocínio bastante esperto (não disse inteligente, e sim esperto): ...porque devo esforçar-me para a satisfação de meus desejos se alguém pode suprir isso para mim?

    Logo, devo não só aprovar esse "estado" de coisas como também incentivar cada vez mais.

    A população não é burra.
    A população é convenientemente muito esperta.
    Agora, "Burros", são os membros dessa mesma população que vão "carregar esse piano" e não demonstram nenhum desconforto com essa realidade de coisas.

    Seguindo a lógica de Mises: até existe desaprovação (desejo) por parte dos "carregadores de piano" da sociedade, mas como o "preço" dessa satisfação é maior que o "valor percebido", logo desistem e no máximo fazem demonstrações com poucos "decibéis" sobre esse desconforto. Vide a Internet e seus milhares de fóruns anti isso, anti-aquilo.

    No máximo, os "carregadores de piano" estão dispostos a pagar apenas esse preço: sentar num computador e regurgitar sua insatisfação. Aliás, exatamente como estou fazendo agora...

    Agora trabalhar ativamente na diminuição da ignomia coletiva através de programas educacionais consistentes, os incomodados não estão muito dispostos. Sorte dos burocratas...

    Sabemos que o "governo" faz isso hoje pintando papel.
    Se acabar a tinta, acaba a popularidade.


    Pelo fim do Sistema de Reservas Fracionárias!
    Saudações,

    Ari


  • RAG  18/02/2013 04:01
    Ari, sua explicação é praticamente perfeita. Não apenas do porque da popularidade atual, como também o ponto principal que é a forma como eles se perpetuam no poder.
    Às vezes tenho a impressão de que a Grécia é o Brasil amanhã.
  • Rafael  09/02/2013 19:24
    Talvez esta notícia seja parte da resposta:

    Metade dos gastos do Brasil vai para programas sociais
    Valor, que chegou a R$ 405,2 bilhões, foi distribuído entre o regime geral de previdência, o amparo ao trabalhador e assistência, segundo Folha de S. Paulo


    exame.abril.com.br/brasil/politica/noticias/metade-dos-gastos-do-brasil-vai-para-programas-sociais
  • Vinicius Costa  09/02/2013 18:47
    Quando vejo os números das dívidas de todos países, depois do susto, sempre fico pensando com quem essas dívidas estão sendo feitas.

    Elas são feitas com outros países ou com os bancos?
  • Marcos  09/02/2013 20:06
    O pior de tudo é que a crise, por pior que seja, não vai ajudar em nada para a queda desse governo. Não há oposição para combatê-los nas eleições e a Argentina nos ensina que o desastre econômico por si só é inútil como instrumento de mudança nas políticas governamentais. Pelo contrário, quanto pior a economia, mais o força o governo parece ter para combater a liberdade dos cidadãos.

    Acho que nossa única coisa que nos resta é aquele prazer um pouco perverso e envergonhado de poder dizer a todos: "eu avisei". E ver a cara de idiota dos entusiastas do modelo tentando explicar porque nada dá certo.

    Mudanças? Depende do trabalho duro e estudo exaustivo de muitos e vai demorar muitos anos, talvez décadas.
  • Pedro  11/02/2013 19:29
    O PT enfrenta mais oposição de quem quer ainda mais estado (esquerda radical) e acha que o que foi feito foi pouco do que quem quer menos. Essa é a triste realidade brasileira.
  • Marcos  13/02/2013 02:53
    Pois é, e é extremamente fácil lidar com essa "oposição", pois concordam com todos os princípios gerais do partido, só discordando de um ou outro ponto relacionado a economia.
  • Thames  11/02/2013 11:27
    Brasil é o país com menor importação no mundo

    Dados do Banco Mundial mostram como a economia brasileira é fechada, apesar das reclamações de empresários sobre a concorrência externa

    O Brasil é o país que menos importa no mundo, como proporção do seu PIB. Os dados são do Banco Mundial, e mostram como a economia brasileira é fechada, apesar das reclamações de empresários sobre a concorrência externa.

    Em 2011, segundo o Banco Mundial, o Brasil teve exportações de bens e serviços equivalentes a 13% do PIB. Numa lista de 179 países, o Brasil é o que tem a menor relação entre importações e PIB. A grande maioria dos dados é de 2011, mas, no caso de alguns países, o dado é de anos anteriores (de 2007 a 2010).

    No grupo dos Brics, por exemplo, a China tem importações de produtos e serviços de 27% do PIB, a Índia de 30% e a Rússia de 21%. Entre as principais economias da América Latina, o México tem importações correspondentes a 32% do PIB, a Argentina a 20% e a Colômbia a 17%. Mesmo os Estados Unidos, que são a maior e mais diversificada economia do mundo, apresentam uma proporção de importações sobre o PIB de 16%, maior do que a brasileira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
  • gladston do rego lages neto  14/02/2013 21:36
    Ótimo artigo!

    É incrível como o povo brasileiro não atenta para o que está acontecendo com a nossa economia. São erros gritantes! Tentar crescer economicamente o País, via aumento do consumo, francamente é rídiculo.

    É um constante "avança e recua". Combatemos fortemente a inflação, e agora o governo toma medidas que estão inflando os preços. A conta movimento do Banco do Brasil foi encerrada, e agora o BNDES utiliza praticamente do mesmo mecanismo. Abrimos um pouco o nosso mercado, e agora tomamos medidas protecionistas etc.

    Assim, não sairemos de onde nos encontramos. Seremos eternamente o "País do Futuro!".

    E os nossos políticos? Renan Calheiros novamente comandando? Que absurdo!
  • Francisco Seixas  15/02/2013 23:14
    Leandro, parabéns.

    Artigo irretocável.

    Ou quase; por causa daquele comentário que é realmente um argumentum ad hominem. Não que ele não seja válido e pertinente, muito pelo contrário, mas abre espaço para os detratores "deitarem e rolarem", fazendo uso, eles sim - por falta de argumentos - de armas similares para denegrir seu belo artigo e, pior ainda, o próprio IMB.

    Abraço.
  • Quid  28/02/2013 07:51
    Existem duas formas de argumentos: ad rem (pela coisa) e ad hominem (pelo interlocutor).

    O primeiro, argumentum ad rem, é aquele que se foca na ideia em si, no porquê dela estar errada, etc.

    O segundo, argumentum ad hominem, é aquele, como o próprio nome diz, que se concentra no interlocutor.

    Agora o interessante: nem todo argumentum ad hominem é uma falácia. Por exemplo, a nossa excelentíssima analfabeta-em-chefe acusa países desenvolvidos de serem assassinos enquanto troca afagos com as mais perversas ditaduras. Quem a chama de hipócrita para baixo por isso esta usando um argumentum ad hominem correto e nada falacioso.

    A falácia ad hominem dá-se quando uma conclusão que não se segue suas premissa é mascarada por algum detalhe, seja verdadeiro ou não, do interlocutor.

    A falácia ad hominem comum hoje é feita por advogados defendendo bandidos: dizem que seus crimes não devem ser punidos porque o autor do crime é pobre. Como se houvesse uma ligação lógica entre ser pobre e ser criminoso.

    Portanto, dizer que "um indivíduo de aparência cômica, de rosto rotundo, fala mansa e com uma vultosa protuberância ventral" não é adequado a um cargo que "denota extrema autoridade, como o de estar no controle da moeda do país" no qual "a aparência e a postura são fundamentais para se transmitir confiança." não é uma falácia ad hominem, é um argumentum ad hominem correto e não-falacioso.

    Abraços a todos,
    Quid

  • Leandro  15/02/2013 23:22
    Não estou preocupado com o contorcionismo que algum apologista do governo porventura fará para desviar o foco do principal. Estou interessado em argumentos, e não em distrações ou em ideologias político-partidárias. Se alguém entra em uma discussão já afetando sensibilidade por causa de uma frase, então tal alguém, sinceramente, não tem nada de bom ou interessante para me acrescentar (e um debate só é bom se você puder aprender algo com o seu oponente.)

    P.S.: desnecessário dizer que, antes de gritar "ad hominem!", é preciso mostrar por que se trata de um ad hominem, explicando onde está a falha no argumento apresentado.
  • Estevão Soriano  16/02/2013 04:19
    O negocio ta osso. Ta na hora de eleger um Presidente de outros estados, sair dessa política de café com leite e nescal.
  • Fernando Chiocca  16/02/2013 15:24
    Quem é Dilma Russef?
  • Leandro  27/02/2013 12:48
    Nosso Nikolai Baibakov, com mais de um ano de atraso, dá pinta de que está finalmente começando a fazer algumas ligações de causa e efeito.


    Mantega anuncia corte de tarifas para conter inflação

    Governo monitora preços e pode baixar tarifas de importação


    "Estou avisando. Nós estamos monitorando e algumas tarifas nós já vamos baixar. Tem gente que está abusando", disse ontem o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista ao Valor PRO.

    Os produtos industriais que tiveram alíquotas de importação elevadas no ano passado e depois registraram reajustes de preços exagerados terão as tarifas reduzidas pelo governo.

    No ano passado, o governo elevou as tarifas de importação de mais de cem produtos de setores que sofriam com a entrada de bens de vários países a "preços absurdamente baixos", segundo Mantega. Agora, a ideia é baixar as alíquotas para alguns deles, mas o ministro não citou especificamente nenhum. Ele disse que há casos em que a alta de preços pode ser justificada por movimento internacional das cotações.
  • Eduardo  18/03/2013 15:23
    "Mantega anuncia corte de tarifas para conter inflação"

    Já é uma frase sem sentindo que está sendo repetida nos noticiários.

    "Governo corta tarifas sobre produtos pra conter a expansão monetária" não faz o menor sentido.
    Ao menos o governo ainda está cortando a sua parte nos preços dos produtos (impostos), e ainda não começou a atacar a parte nos preços dos produtos que pertencem ao mercado, como se a inflação fosse culpa de uma onda de ganância que faz todos aumentarem arbitrariamente seus preços, cabendo ao governo controlar.

    Mas essa forma de colocar o governo como controlador da inflação ao reduzir impostos sobre produtos ainda esconde a real natureza da inflação.
  • Melanie Schwartz  18/03/2013 15:48
    É só para o índice de preços, Eduardo. Está chegando a eleição, então um redução nas tarifas poderá reduzir o preço em valor absoluto das mercadorias que fazem parte do IPCA. Fica parecendo que o governo conseguiu reduzir a expansão inflacionária (inflação de preço para vocês).
    Qualquer movimento contra essa estratégia será pura ganância dos empresários. O povo vai querer que o governo apele e congele os preços, posso apostar, rsrsrs.
  • Dúvida  28/02/2013 02:13
    Leandro, eu ouvi rapidamente no jornal nacional que a Dilma está querendo abrir os portos brasileiros para a livre competição.

    Qual a sua opinião a respeito? Você acha que ela está acertando nesse ponto, ou é um truque da mídia mais uma vez? Obrigado.
  • Leandro  28/02/2013 03:40
    É um pequeno avanço. Essas estruturas tiranossauricas finalmente ganharão uma gestão um pouco mais interessada em eficiência. Mas o arranjo ainda está longe do ideal. Não haverá livre concorrência. Haverá apenas uma concessão temporária da prestação de serviços: sai a gestão estatal e entra uma gestão privada totalmente regulada pelo governo, inclusive no que diz respeito ao manejo da mão-de-obra (demissões estão proibidas; ainda não se decidiram quanto a poder terceirizar). Ou seja, os sindicatos de sempre continuarão manando. E o governo, ao escolher as concessões, certamente privilegiará seus empresários favoritos e abrirá gostosamente os cofres do BNDES.

    As coisas irão melhorar simplesmente porque é impossível piorar, mas eu não estou prendendo a respiração. Não teremos portos cingapurianos.

    Há um artigo sobre a concessão de Guarulhos. O tema é idêntico:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1219
  • Julio Heitor  08/04/2013 13:50
    Leandro,

    de fato é impossível piorar pois o pior já aconteceu: Uma multinacional chinesa cancelou um pedido de milhares de toneladas de soja (representando 5% de toda a produção brasileira)feito ao Brasil, de tanto esperar pela entrega.

    Se eu encontrar o link da reportagem eu posto aqui.

    Abraços!

  • Joao Leao  28/02/2013 04:36
    Muito criativo e bem expositivo o artigo. Realmente, o governo manipula os números para uma massa alienada, que não pensa de forma crítica. Com a crise na Europa, erámos para estar abertos a receber Investimentos Estranjeiro Direito que, com certeza, está sobrando nos países desenvolvidos em crise. Entretanto, com este ambiente de desconfiança que o governo criou, parecendo mais uma montanha-russa, nenhum investidor sensato suficiente vai arriscar volumosos investimenos aqui no Brasil, ainda mais quando se trata de investimento com maturação à longo prazo.
  • Valter  08/03/2013 13:45
    Resumindo, enquanto estamos preocupados com o que acontece diariamente com economia e política, o povão está nas Casas Bahia, parcelando, na concessionária, comprando e parcelando, não guarda um tostão e pq vai preocupar-se com juros da economia, quem se f. é quem?

    Envie esse texto para os seus colegas e nenhum vai ler, mande um texto sobre futebol ou novela e veja o tanto de comentários, já fiz esse teste.
  • Getulio Malveira  08/03/2013 17:38
    Bom, não dá pra dizer que seja fácil ser Dilma... é preciso muita criatividade!
  • Rene  14/03/2013 20:22
    Vejam só que legal:

    www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1353573&tit=Justica-multa-Gol-e-manda-reintegrar-funcionarios-da-Webjet

    "A Gol Linhas Aéreas foi condenada em primeira instância ao pagamento de R$ 1 milhão por dano moral coletivo aos cerca de mil funcionários demitidos da Webjet. Na sentença concedida na segunda-feira pela 23ª Vara do Trabalho do Rio, a empresa também foi obrigada a reintegrar todos os funcionários, sob pena de multa diária de R$ 100 por trabalhador.

    (...)

    Na ação civil pública, a Promotoria tentou demonstrar que a empresa não realizou negociação prévia com o sindicato da categoria, conforme determinação do TST (Tribunal Superior do Trabalho), e que descumpriu o acordo firmado com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) na compra da Webjet."
  • Marcio  14/03/2013 21:58
    Achei que seria interessante postar.

    g1.globo.com/brasil/noticia/2013/03/brasil-melhora-idh-mas-mantem-85-posicao-no-ranking-mundial.html
  • Vanderlei Dallagnolo  16/03/2013 20:38
    Excellent!
  • Marcio  16/03/2013 21:23
    Mais uma da Presidenta:

    portalcorreio.uol.com.br/noticias/economia/comercio/2013/03/15/NWS,221183,10,195,NOTICIAS,2190-PROFISSAO-COMERCIARIO-REGULAMENTADA-LEI.aspx
  • Juliano Camargo  18/03/2013 22:40
    A administradora de condomínios colocou uma nota singela no elevador, comunicando o aumento de 20% nos gastos com vigilantes.

    Como agora sou fiscal da Dilma, fiz uma pesquisa para descobrir como isso é possível.

    Encontrei duas leis, uma do Crivella e outra da Vanessa Graziottin que dão 'direitos' a estes trabalhadores, que agora passam a receber adicional de periculosidade de 30%.

    As leis passaram na câmara e não foram vetadas pela Presidanta.

    Controlar o preço da gasolina é fácil perto do que está acontecendo com a economia como um todo.
  • Getulio Malveira  19/03/2013 23:41
    Ora, mas isso é muito pouco! Para resolver esse problema é preciso criar o Ministério dos Produtos Artesanais.
  • Marcio  21/03/2013 16:51
    Vou aproveitar para postar uma excelente pérola:

    "na verdade a ação das agências reguladoras durante o governo Lula e a criação do ministério de minas e energia durante o governo Lula, contribui para a melhoria. Apesar de que particularmente eu não acho que tenha havido tanta evolução assim."

    O povo brasileiro é de fato masoquista...
  • Wagner  21/03/2013 17:27
    CLaro que tem melhoras! Pergunta pros funcionários públicos destas agências e deste ministério se a vida deles não melhorou... o problema é que a do povo fica cada vez pior.
  • Sandro Regueira  25/03/2013 01:23
    "mantenha no Ministério da Fazenda um indivíduo que não sabe a diferença entre câmbio fixo e câmbio flutuante" Sério que acham isso do Guido? A galera realmente tem mania de acreditar naquilo que é mais conveniente.
  • Leandro  25/03/2013 06:22
    Prezado Sandro, qual o seu argumento em defesa do Ministro?

    Uma rápida googlada nas frases do ministro sobre câmbio dá suporte ao que falei. O ministro diariamente repete que o câmbio não é fixo, mas sim flutuante. Ao mesmo tempo, e paradoxalmente, ele afirma que há determinados valores abaixo dos quais o câmbio não pode ficar. Se isso não é um câmbio controlado, então temos um problema de semântica.

    Veja exemplos aqui, aqui, aqui e aqui

    Não há problemas em se adotar um câmbio fixo. O problema é não ser sincero quanto a isso. Ainda mais grave é termos um ministro que acha que somos imbecis incapazes de perceber que ele está fazendo uma coisa ao mesmo tempo em que jura que estar fazendo outra.

    De duas uma: ou ele de fato é sincero no que diz (o que significa que ele realmente não tem a mínima ideia da diferença entre os dois tipos de câmbio), ou ele sabe que está mentindo (e continua mentindo para nos fazer de trouxas). Em ambos os casos, sua demissão é mais do que justificável, pois se trata de alguém completamente desqualificado para o cargo.

    No mais, não precisa confiar em nada do que falo. Veja o gráfico da evolução da taxa de câmbio, que fala por si próprio (observe a extremidade da direita e me diga se aquilo não é câmbio controlado).

    www.tradingeconomics.com/charts/brazil-currency.png?s=usdbrl&d1=19990101&d2=20130331&type=line
  • alex  25/03/2013 07:33
    Todos sabemos da falta de inteligência do nosso Ministro. Agora, falta voces da igrejinha explicarem por que a hiperinflação não chegou?
  • Leandro  25/03/2013 08:02
    Hiperinflação?! Nós do IMB nunca, jamais, em momento algum previmos hiperinflação para o Brasil. Aliás, nunca nem mesmo chegamos a prognosticar IPCA de dois dígitos.

    Particularmente, em meu último artigo sobre a economia brasileira, coloquei um gráfico (gráfico 4) que mostrava que a taxa de crescimento da quantidade de dinheiro na economia estava mostrando sinais de estabilização.

    Vá fazer calúnias em outro site. Ou vá estudar economia.
  • alex  25/03/2013 16:13
    Hmm quem disse que eu falei do Brasil. Eu disse, que quem preve hiperinflação nos EUA faz algum tempo não pode criticar a inteligência de um ministro.

    Ou vai falar que os Austriacos não estavam prevendo hiperinflação com base no preço de ouro (sério, existe algo mais engraçado que isso?)

    Agora o preço de ouro é o nosso guru, hahah.. Introdução à Macroeconomia, G.Mankiw neles..
  • Mauro  25/03/2013 16:23
    Ninguém "previu hiperinflação com base no preço do ouro". Se quiser argumentar, ao menos tenha a decência de falar a verdade. Esse é o nível dos detratores da EA...

    "Onde está a inflação de preços nos EUA?"
  • Moderação  26/03/2013 00:50
    Prezado Alex, caso queira continuar tendo seus comentários publicados (mandar xingamentos em nada ajuda neste objetivo), você deve seguir as regras do debate formal.

    Você mandou uma provocação, e ela foi respondida com fatos, dados e argumentos (pelos leitores Mauro e Tory). Ato contínuo, a sua obrigação é retrucar isso que lhe foi respondido, demonstrando o que está errado e mostrando o que seria certo.

    Ignorar convenientemente tudo o que lhe foi mostrado, mudar o assunto e iniciar outra discussão não configura debate, mas sim baderna e tentativa de mudança de foco.

    Abraço.
  • mauricio barbosa  25/03/2013 13:23
    Gostei do termo igrejinha,para mim esta expressão é um elogio,enquanto você deve achar uma ofensa,use um termo mais apropriado para nos xingar,igreja é elogio.
  • Tory  25/03/2013 16:31
    Oi, alex.

    Sabemos que leitura dá trabalho, então temos um vídeo legal pra você:

    Ou se preferir a versão infantil:

    Viu? Agora você aprendeu o que é inflação e não pode mais falar besteiras.

    De nada.
  • Ali Baba  01/04/2013 21:25
    Faltou "crie ministérios a torto e a direito".

    [link]www.ifnews.com.br/2013/04/novo-ministerio-vai-articular-politicas-para-micro-e-pequenas-empresas/?goback=.gmp_2209043.gde_2209043_member_228146066]Mais um ministério[/link]

    Como se o Brasil precisasse de ainda mais um ministério.
  • Leandro  09/04/2013 23:22
    Queimei alguns neurônios tentando inventar alguma tirada sarcástica, irônica ou bem humorada para comentar a notícia abaixo, mas confesso o fracasso.

    Estadão:

    "As expectativas para o IPCA de março, que será divulgado nesta quarta-feira, 10, pelo instituto apontam para a ultrapassagem nacional da meta. Regionalmente, a inflação acumulada até fevereiro já está neste patamar em Recife (7,44%), Fortaleza (8,31%), Salvador (7,05%) e Belém (8,75%). A causa principal é o encarecimento da mandioca."

    Sério, tá escrito isso lá.

    economia.estadao.com.br/noticias/economia-geral,inflacao-ja-estourou-meta-em-4-das-11-regioes-apuradas-pelo-ibge,150049,0.htm
  • Gustavo BNG  09/04/2013 23:29
    Humor per se!
  • Anarcofóbico  09/04/2013 23:31
    Que absurdo, esqueceram de citar o tomate!
  • Típico Filósofo  09/04/2013 23:58
    É imprescindível o tabelamento do preço da mandioca para o interrompimento de tal crise alimentícia que ameaça a nutrição da população carente brasileira.

    A alta nos preços de todos os bens é uma clara indicação de que a burguesia produtora, sentindo-se no poder após a presidente diminuir impostos sobre seu produto, agora está aumentando o preço para forçar o governo a adotar mais medidas neoliberais.

    É pura luta de classes. Os preços pouco têm a ver com quantidade de dinheiro na economia e com a relação demanda x oferta. Por tal motivo, é necessário sempre regulamentá-los em prol do bem comum, equilibrando a ganância do produtor e o sofrimento dos consumidores.

  • Occam's Razor  09/04/2013 23:59
    A mandioca com a qual o governo estupra sua população está cada vez maior e inflada mesmo
  • Eduardo Bellani  10/04/2013 00:23
    É um caso clássico da mandioca a priori na população. Podemos deduzir logicamente que ela tende a inflar conforme a política monetária ímpar e independente do bacen. E, sendo um item da base da alimentação da população carente, esta apoia cada vez mais a inflação da mandioca.

    Democracia, você vê por aqui.

  • Leandro  10/04/2013 15:59
    O mercado tenta se ajustar, mas aí vem o governo com seu "porrete amoroso". Não pode comprar tomates argentinos porque nossas autoridades não os inspecionaram para se certificar de que eles não contêm bichinhos que farão mal à nossa delicada saúde.


    Ministério da Agricultura apreende quase 500 kg de tomate na fronteira

    Apreensões foram feitas nos últimos 15 dias em Foz do Iguaçu, no Paraná.
    Fiscalização do contrabando é prejudicada pela falta de servidores.


    Em 15 dias, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apreendeu quase meia tonelada de tomate em Foz do Iguaçu, no oeste do estado. A última apreensão, de 100 kg, foi feita na madrugada desta quarta-feira (10), na Ponte Internacional da Amizade, na fronteira com o Paraguai. As outras foram flagradas na Ponte Tancredo Neves, principal via de acesso à Argentina, de onde o produto vem sendo trazido ilegalmente.

    [...]

    Em Foz do Iguaçu, por exemplo, o tomate tem sido vendido nas últimas semanas por cerca de R$ 8 o quilo, mais que o dobro da média praticada nos mercados da vizinha Puerto Iguazú, na Argentina. A diferença tem levado muitos consumidores brasileiros a cruzar a fronteira e esgotar os produtos assim que chegam às prateleiras.

    [...]

    Os fiscais do Ministério da Agricultura reforçam que a prática é ilegal e quem for flagrado tentando entrar no país com o tomate terá o produto apreendido. "Este tipo de mercadoria exige o certificado fitossanitário internacional e precisa cumprir os trâmites de importação. Caso contrário terá que ser apreendido", alerta.

    Quanto à apreensão de tomate argentino na fronteira com o Paraguai, o chefe do escritório explica que para fugir da fiscalização na fronteira com a Argentina, os contrabandistas estão optando por alternativas menos arriscadas. "Na Ponte da Amizade não temos nenhum fiscal. Lá, contamos com a colaboração da Receita Federal, como aconteceu nesta quarta-feira. Na Ponte Tancredo Neves, trabalha apenas um fiscal, que alterna os horários de expediente entre a noite e o dia." Garcez explica ainda que os produtos devem ser destruídos ou devolvidos à origem, de acordo com as condições.

    g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/2013/04/ministerio-da-agricultura-apreende-quase-500-kg-de-tomate-na-fronteira.html

    Ou seja: você comprar um tomate que está sendo vendido do outro lado de uma linha imaginária é "contrabando", uma atividade tida como criminosa. Por quê?

    Veja também o vídeo da reportagem, com a imprensa fazendo diligentemente seu papel de batedora de bumbo para os confiscos do governo.
  • SERGIO  15/04/2013 19:28
    Caro Leandro
    Quase todos os passos estão no meu entender corretos, exceto parte do quinto, onde consta "desvalorização do real em relação ao dólar". Eu não sei como nem onde iniciou esta ideia de que cambio flutuante é o melhor para qualquer economia dita de livre mercado pois, para quem é dono do dólar, não há oscilação nenhuma. Imagina uma empresa americana e uma empresa brasileira, produzindo um mesmo item para exportar para um mesmo país comprador, e no caso o real se valorizar, quem é que sofre com o câmbio flutuante? Está colocada a minha pergunta, gostaria de uma resposta, direta e sem muitos termos ditos técnicos.
    Obrigado!
  • Leandro  15/04/2013 22:40
    Prezado Sergio, concordo com as críticas em relação ao câmbio flutuante. Um sistema de câmbio flexível é, por definição, um sistema de "quase-escambo". Taxas de câmbio flutuantes introduzem incertezas indesejadas nos mercados internacionais, obstruindo o livre comércio, principalmente os investimentos. O investidor torna-se muito mais um especulador do que propriamente um investidor.

    Taxas de câmbio flutuantes são aceitas por economistas simplesmente porque estes têm em mente apenas o conceito de 'nação'. Entretanto, embora 'nação' seja uma importante unidade política, ela não é uma unidade econômica. Imagine se houvesse uma taxa de câmbio flexível entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro? Ou entre Bahia e Santa Catarina? Isso seria um incentivo ao livre comércio entre os estados ou uma barreira?

    Se os estados adotassem câmbios flexíveis entre si, os efeitos seriam desastrosos para o comércio, com cada estado fazendo guerra cambial e impondo várias tarifas protecionistas. Ainda bem que não é assim.

    Não faz sentido -- a menos para protecionistas inveterados, é claro -- defender câmbio flutuante entre países, mas "câmbio fixo" entre estados, cidades e bairros.

    Sendo assim, não entendi sua postura. Você parece criticar o câmbio flutuante, mas é a favor quando ele se desvaloriza, pois isso ajuda os exportadores.

    Sim, os exportadores são beneficiados, mas todo o resto do país é prejudicado. Não apenas as importações ficam mais -- e várias empresas dependem da importação de insumos e de bens de capital para produzir --, como também há o fato de que uma desvalorização cambial representa uma redução instantânea do poder de compra.

    Convido o senhor a ler os seguintes artigos, perfeitamente compreensíveis por qualquer leigo, com explicações diretas e sem nenhum termo técnico:

    A filosofia da miséria e o novo nacional-desenvolvimentismo do governo brasileiro

    Descubra se você é um protecionista mercantilista

    Uma moeda forte poderia trazer desvantagens para os brasileiros?

    "Uma moeda depreciada é boa para a economia"

    Qual o benefício de exportar mais do que importar?

    Quando a sensatez não tem vez

    Abraço!
  • Marcio  23/04/2013 18:03
    Vejam só onde o nosso ex-presidente e mestre de nossa atual mandatária chegou:

    www.estadao.com.br/noticias/nacional,lula-vai-ser-colunista-mensal-do-new-york-times,1024491,0.htm

    Que "orgulho"...
  • Vander  07/05/2013 00:13
    Olha só, a salinha onde a classe media recalcada e golpista conta as suas piadinhas, crentes de que derrubarão a presidente com a ajuda da famigerada rede social. Vocês são a imagem dos aproveitadores que se acostumaram a viver sugando a pobreza do povo, e eu entendo q seja dificil admitir q pobres estejam no seu patamar, ou até acima de voces. Voces que não faziam força pra ganhar dinheiro, viram a concorrencia aumentar e viram a sua incapacidade arreganhada para o mundo. São recalcado, produtos das VEJAs e Folhas de SP, que não conseguem formular um pensamento sem tem uma influencia de algum comentarista superinformado, ou de alguma revista escroque.

    Tenho penas de voces golpistazinhos...
  • anônimo  07/05/2013 21:22
    Hehehe pessoalmente, estou muito preocupado com a sua "penas".

    Ps. Você é alguma ave? Isto deve explicar o português de tão baixo nível...
  • Blah  07/05/2013 21:38
    Realmente, Vander, estou simplesmente pasmo com sua incrível capacidade de argumentação. Você é tão lógico e coerente que eu sinto vergonha de mim mesmo por não saber o que responder.

    Olha só, a salinha onde a classe media recalcada e golpista conta as suas piadinhas, crentes de que derrubarão a presidente com a ajuda da famigerada rede social.

    Realmente, eu estou doidinho para derrubar a presidenta (cuidado, você precisa usar o termo correto segundo a novas normas decretadas pela referência na língua portuguesa, Dilma Roussef!). Faço parte de uma rede golpista muito influente. Dizem que eu sou pago pela CIA. Até hoje não recebi esse dinheiro da CIA, mas espero um dia receber.

    Vocês são a imagem dos aproveitadores que se acostumaram a viver sugando a pobreza do povo, e eu entendo q seja dificil admitir q pobres estejam no seu patamar, ou até acima de voces.

    Realmente, eu odeio pobres. Tenho nojo de pobre. É por isso que eu estou com medo do governo atual. É por isso que esses dias eu usei os dados de entidades golpistas, como o IBGE, para mostrar que o rendimento médio do trabalhador do setor privado, em termos nominais (isso mesmo, nem considerando a inflação), está praticamente estaganada há mais de 10 anos. E eu uso dados do DIEESE, outra entidade golpista: o desemprego superior a 10%. Realmente, percebem-se minhas intenções golpistas quando uso dados somente de entidades que nada têm a ver com o governo.

    Voces que não faziam força pra ganhar dinheiro,

    Como assim? Eu não fazia força para ganhar dinheiro? Pô, eu fazia força sim. Era só eu ir ao banheiro para defecar notas de 100 reais!

    viram a concorrencia aumentar e viram a sua incapacidade arreganhada para o mundo.

    Vejam que primor de argumentação! A concorrência aumentou! Qual concorrência? Sei lá, a concorrência! Minha incapacidade está arreganhada por causa do aumento da concorrência! Entenderam? A concorrência! Ela aumentou!

    São recalcado, produtos das VEJAs e Folhas de SP, que não conseguem formular um pensamento

    Realmente, fico muito triste quando percebo que eu estou tão abaixo de você, que consegue formular pensamentos tão geniais. Perdoe-me pela minha estupidez. Eu espero um dia conseguir ser tão inteligente quanto você.

    sem tem uma influencia de algum comentarista superinformado, ou de alguma revista escroque.

    Poxa, é realmente um crime ter influência de comentaristas superinformados. Isso realmente é cosia de burguês reacionário.

    Tenho penas de voces golpistazinhos...

    Novamente, peço perdão, de joelhos, por ter influência de comentaristas superinformados. Eu prometo que da próxima vez eu vou me basear em Sader, Nassif e PHA, etc.
  • anônimo  07/05/2013 21:53
    Hahahahaha, parodiando o Anarcofóbico:

    Oh, Vander, para ti seria melhor calar-te, pois desta forma produzirias a mais bela de tua harmonia e expressarias em silêncio toda coerência que habita os recônditos de teu intelecto!
  • Típico Filósofo  07/05/2013 22:47
    A mídia golpista denegriu a contribuição magnífica do PT ao Brasil e tamanha contribuição apenas é concebível aqueles cuja mente não fora tomada pela cisma reacionária imposta pela comunidade conservadora neoliberal nas redes sociais.

    Vander está tão correto que a ele toda a literatura da EA e seus pensadores não são nada além de desonestos burgueses, visando apenas retornar a nação ao seu estágio de subdesenvolvimento antes da ascensão petista no país. Não passam de conspiradores almejando a derrubada de um governo do povo, como de volta a '64.

    Vander, tua argumentação, sabedoria e compromisso para com a causa social torna sua presença simplesmente incompreensível à esta comunidade reacionária, conservadora e insensível para com o sofrimento dos pobres.

    Abaixo à mídia golpista! Viva ao governo do Pêtê, quer dizer, do povo!
  • Sérgio  08/05/2013 00:52
    A mídia não denegriu ninguém, a mídia só disse a verdade. O PT só roubou o povo.

    Aliás a mídia até apóia o PT. Mas a sujeira do governo petista é tanta que não tem como esconder.

    E o único golpe que existe é o golpe do governo petista contra as liberdades individuais, contra a economia brasileira, o golpe do gramscismo contra os valores cristãos. Este é o verdadeiro golpe que existe.
  • Defensor do governo  07/05/2013 20:59
    Perfeita a sua argumentação, Vander. Repleta de lógica e racionalidade, sem nenhum arroubo de partidarismo e de emoções baratas. Colocações bastante inteligentes e iluminadas, típicas dos políticos que você defende. Sua argumentação é show, irretorquível. Coisa de gente que mantém todos os quatro membros no chão.
  • Almir Nunes  18/06/2013 20:39
    Muito bom Leandro!
    É com prazer que leio, sempre que posso, seus artigos, pois se encaixam perfeitamente com a nossa realidade atual.
    Se nós brasileiros procurássemos nos informa melhor, tomar conhecimento do que os governantes aprovam ou desaprovam no congresso, teríamos muito mais fundamento para eleger quem iria nos representar no comando do país. Mas, infelizmente, a maioria quer se dar ao "sacrifício do conhecimento", pois desconhecem até o poder que o povo tem na mão.
  • Leandro Clementino  29/06/2013 07:59
    Faltou dizer que antes de tudo você tem que ser um militante comunista sem escrúpulos, disposto a assaltar bancos e furtar armas para abastecer os guerrilheiros. Estou errado? ou esta faltado alguma coisa?
  • Occam's Razor  20/07/2013 21:15
    Parece que alguém dentro do governo andou lendo esse artigo. Olha a cara de mau do tombini na foto dessa notícia

    veja.abril.com.br/noticia/economia/bc-sinaliza-novo-aumento-de-juros-em-ata-do-copom
  • anônimo  05/08/2013 19:08
    Onde está aquele artigo do "48 passos para mudar o Brasil"?
  • Henrique  05/08/2013 19:29
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=285
  • Weiss  28/10/2013 01:12
    Favor nao publicar fots de ladras de banco terrotsias e a assassian do Mario Kozel filho
  • Amanda  24/09/2015 00:27
    faltou os impostos
  • M.S. Batista  24/09/2015 12:17
    Putz, Leandro,

    Quem vem lendo os conteúdos do site há pelo menos 5 anos, conseguiu ver o que estava acontecendo, e o mais importante, enxergou o que estava por vir. Assim, o inteligente canalizou seus investimentos e defendeu seu patrimônio.

    Não sendo entrão, mas gostaria de fazer uma pergunta: você direcionou seus investimentos de forma a defender seu patrimonio após a eleição da rainha inglesa do Brazil?


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.