clube   |   doar   |   idiomas
Dois tipos de demanda - e por que só uma funciona

O objetivo de uma sociedade civilizada é o progresso.  Para que haja progresso, é necessário haver um aumento na eficiência desta sociedade. 

E tal aumento na eficiência é baseado (1) no aumento da acumulação de capital, (2) no aumento da divisão do trabalho, (3) no aumento da especialização, e (4) em um melhor uso do conhecimento descentralizado. 

À medida que uma sociedade avança, ela aumenta em complexidade.  Esta é a própria essência da ordem social.

Mas a decisiva questão social que atormenta os países de hoje não é esta dicotomia entre "mais complexidade vs. menos complexidade".  A questão é a origem da complexidade.  E por que esta questão é importante?  Por causa daquilo que permite o aumento da complexidade de uma sociedade: o aumento do seu capital

Capital são todos os ativos que ajudam a produzir tanto outros ativos quanto bens de consumo.  Capital também pode ser entendido como o dinheiro que pode ser utilizado para a produção de bens produtivos.  Em ambos os casos, o ativo empregado — o capital — produz um retorno mais do que capaz de cobrir os gastos do proprietário (empreendedores e capitalistas), permitindo que o empreendimento seja autossustentável.  Por outro lado, se a atividade não gera lucros, então ela é consumidora por natureza, e não produtiva. 

Por exemplo, um automóvel nas mãos de um caixeiro viajante é um capital, pois é a ferramenta de trabalho utilizada para obter um retorno financeiro; já um automóvel nas mãos de um universitário que o utiliza para ir ao cinema não é um capital.  Dinheiro, também, pode ser capital ou não, dependendo dos fins para os quais ele é utilizado — para comprar um ativo produtivo ou para comprar um bem de consumo. 

Logo, por definição, capital é aquilo que aumenta a produtividade e, em última instância, o padrão de vida de uma sociedade.  Exemplos de bens de capital são todos os fatores de produção, como ferramentas, maquinários, edificações, meios de transporte etc., que tornam o trabalho humano mais produtivo.

É a acumulação de capital, portanto, o que financia e permite todos os processos de produção.  A acumulação de capital faz isso ao acrescentar complexidade aos arranjos econômicos, o que significa que ela aumenta a especialização.  Este capital utilizado deve ser substituído constantemente por meio de novos investimentos.  Se a reposição do capital é interrompida, a sociedade entra em declínio.

Sendo assim, é preciso fazer uma distinção entre as atividades que realmente estimulam a acumulação de capital e aquelas que levam ao seu esgotamento.  Uma economia em aparente crescimento não irá manter este crescimento caso não haja acúmulo de capital suficiente para sustentar este crescimento.  Neste caso, diz-se que o crescimento é artificial, baseado exclusivamente em um aumento da quantidade de dinheiro e crédito que faz gerar a ilusão de enriquecimento.  Já uma economia em recessão não sairá da recessão enquanto não acumular o capital necessário para tal.

O principal problema econômico enfrentado pelo mundo atual é a ampla difusão do planejamento central de estilo keynesiano sob os auspícios de burocratas dos governos e seus bancos centrais.  O keynesianismo aumentou o nível de subsídios governamentais para praticamente todos os setores da economia.  Isto vem tornando os sistemas econômicos mais frágeis.  Eles estão sendo geridos e controlados nos mínimos detalhes por comitês de "burocratas especialistas".  Neste sentido, podemos prenunciar algo semelhante a um colapso.  O melhor exemplo na história recente ainda é a URSS.  Porém, o sistema keynesiano não possui o mesmo estilo soviético em sua intensidade.  Trata-se de uma política 'de meio termo'.  Ela pode levar a sérias rupturas econômicas, e irá.  Mas falar sobre um total colapso econômico é algo um tanto equivocado.

O livre mercado sabe como contrabalançar políticas errôneas.  Indivíduos e empreendedores com melhor conhecimento (em busca do lucro) estarão constantemente substituindo indivíduos com pouco conhecimento (burocrático).  Este processo ocorre na margem, "pouco a pouco, linha por linha".  Isto significa que prejuízos econômicos produzem como resposta novas alocações de recursos que beneficiam os consumidores.  O gerenciamento burocrático da economia gera colapsos.  A liberdade não.

Keynes argumentava, e seus discípulos seguem argumentando, que a causa de um baixo crescimento econômico — e, consequentemente, de um alto desemprego — seria uma insuficiente demanda agregada.  Logo, o governo deveria criar vários programas de estímulo e incentivar todo e qualquer tipo de consumismo.  Mas falar que o problema é uma baixa demanda agregada é apenas uma outra maneira de dizer que o problema seria um excesso de oferta agregada.  O fato de os keynesianos jamais colocarem as coisas desta forma não afeta a verdade analítica do argumento.

O keynesiano é metodologicamente um coletivista.  Ele olha apenas para agregados.  Ele recomenda programas governamentais que afetem os agregados.  Já o economista austríaco é um individualista metodológico.  Ele olha para um recurso específico oferecido em um mercado específico em um momento específico. 

O keynesiano culpa a baixa demanda agregada pelo baixo crescimento econômico e, consequentemente, pelo desemprego.  Ele se concentra no lado da demanda.  Logicamente, ele poderia perfeitamente se concentrar também no lado da oferta: a mão-de-obra agregada.  Ele poderia, com a mesma facilidade e paixão, clamar por programas governamentais que reduzissem a oferta de mão-de-obra agregada.  O fato de ele não fazer isso advém de sua preferência inabalável pelo contínuo aumento dos gastos governamentais.  Ele odeia se concentrar em questões do lado da oferta.

Mas qual o problema em se estimular a economia e o emprego por meio de gastos do governo?  Porque gastos do governo, ao contrário de estimular o necessário acúmulo de capital, geram seu consumo e consequente esgotamento.  Apenas gastos gerados por uma genuína demanda de mercado são saudáveis para uma economia.  Apenas uma genuína demanda de mercado pode estimular o acúmulo de capital.  Por quê?

A demanda de mercado é gerada e conduzida por consumidores, isto é, por pessoas que voluntariamente decidem o que comprar e o que não comprar com o dinheiro que ganharam com seu próprio esforço.  As prioridades dos consumidores determinam o que deve ser produzido no mercado, como deve ser produzido e para quando deve ser produzido.  Os financiamentos serão ofertados de acordo com estas preferências.

Já a demanda criada pelos gastos do governo é conduzida por políticos e burocratas.  O que quer que eles determinem ser "bom" para a população será produzido de acordo com decretos governamentais, e não de acordo com a real preferência dos consumidores.  As prioridades e conveniências eleitorais de políticos e burocratas é que irão determinar quem será beneficiado pelos gastos do governo e o que tais empresas deverão produzir.

A demanda de mercado é satisfeita por empreendedores que incorrem em riscos.  Ou eles obtêm êxito em produzir e vender justamente aquilo que os consumidores querem (e, consequentemente, são recompensados por isso), ou eles fracassam e se mostram incapazes de ofertar aquilo que os consumidores queriam (e, consequentemente, pagam o preço por este seu julgamento mal sucedido, incorrendo em prejuízos).  Esta constante necessidade de estar sempre tendo de agradar aos consumidores implica necessariamente prudência e poupança para os contínuos investimentos futuros.

Já a demanda do governo é financiada pelo dinheiro extraído via impostos.  Os cidadãos pagadores de impostos são obrigados a sustentar os desejos e projetos de uma elite de políticos e burocratas coligada aos grandes setores empresariais, que são poderosos lobistas.  Tal demanda, totalmente artificial, gera desperdícios de capital e investimentos insustentáveis, muito embora seja bastante eficiente para encher os bolsos daqueles mais bem conectados politicamente.  Nenhum sacrifício é exigido da parte deste grupo beneficiado — todo o capital é confiscado da sociedade e redistribuído entre eles.

A demanda de mercado é cada vez mais restringida por regras e regulamentações governamentais.  Pense na miríade de agências reguladoras, secretarias e ministérios que são criados supostamente para se "proteger" o consumidor.  Seu único feito é dificultar e obstruir a harmonia dos mercados, sem gerar benefício algum para os consumidores.  Uma enorme e crescente quantia de capital é queimada apenas para se adaptar às regulamentações estatais.

Já a demanda do governo é limitada unicamente pela perspectiva de falência da entidade estatal.  Ocasionalmente, ela pode também ser limitada pela ação de eleitores mais sensatos.  O primeiro cenário é factível apenas na zona do euro.  O segundo, por enquanto, em lugar nenhum.

Em situações extremas, uma demanda de mercado (por comida, por exemplo) pode levar a revoluções contra um governo déspota e suas interferências no mercado.  Já uma demanda de governo (por bens como armamentos) irá apenas perpetuar seu poder e tirania sobre seu povo.

A demanda de mercado cria empreendimentos lucrativos.  Empreendimentos lucrativos geram capital para outros empreendimentos e empregos sustentáveis, que não dependem de estímulos artificiais.

Já a demanda criada por gastos do governo gera apenas empregos improdutivos, isto é, empregos que consomem capital em vez de criar mais capital.  Empregos governamentais são um bom exemplo de empregos integralmente sustentados pelos pagadores de impostos.  Isto significa que o governo deve confiscar capital de empreendimentos lucrativos para poder criar um emprego consumidor de capital (ou ele pode também pegar dinheiro emprestado, desta forma reduzindo a disponibilidade de financiamento para estes empreendimentos).

A demanda de mercado recompensa aqueles indivíduos produtivos e competentes, que tiveram presciência e souberam satisfazer às demandas dos consumidores.  Seus lucros são um sinal de que eles estão sabendo como satisfazer as demandas de seus consumidores.  Lucros são um sinal de que o capital está sendo eficientemente empregado.  Lucros fornecem capital para outros empreendimentos.

Já a demanda do governo recompensa lobistas, políticos corruptos, burocratas e empresas que possuem grande capacidade de subornar reguladores (ou de serem subornadas).  Tudo isso com o capital confiscado dos produtivos.

A demanda de mercado requer apenas uma moeda estável e a menor interferência governamental possível para crescer.  Já a demanda do governo requer a criação cada vez maior de dinheiro (inflação) e um contínuo aumento do endividamento e da carga tributária.  Todos estes três fatores são destruidores de capital.

A demanda de mercado tem de ser livre das demandas do governo para poder funcionar harmoniosamente.  Os consumidores são prioritários em uma economia de mercado.

Já a demanda do governo cresce até o ponto em que a demanda de mercado definhe por completo, pois as demandas de governo — em decorrência do seu monopólio da violência e do poder de polícia — têm prioridade sobre as demandas de mercado.

 

Além das questões puramente econômicas, qual das duas demandas é a mais moralmente defensável?

 


autor

Hans F. Sennholz
(1922-2007) foi o primeiro aluno Ph.D de Mises nos Estados Unidos.  Ele lecionou economia no Grove City College, de 1956 a 1992, tendo sido contratado assim que chegou.  Após ter se aposentado, tornou-se presidente da Foundation for Economic Education, 1992-1997.  Foi um scholar adjunto do Mises Institute e, em outubro de 2004, ganhou prêmio Gary G. Schlarbaum por sua defesa vitalícia da liberdade.


  • Vagner  03/05/2012 08:02
    Muito interessante. Aprendi a interessar em economia, politica aqui no Mises.
  • Nando  03/05/2012 08:28
    Lendo artigos não tenho como não lembrar de um exemplo do meu professor de economia na época de faculdade. Era algo do tipo: "Para estimular a economia o gorveno deveria contratar pessoas para fazer buracos nas ruas e outras para tampar." Também lembro de alguns dizendo que o dinheiro poupado reduzia o consumo e era ruim para a sociedade... Tive sim algumas aulas de livre mercado, porém apenas superficiais.

    Parabéns por mais um texto excelente para os que, como eu, não são economistas e aprendem muito neste site.
  • Joao  18/02/2014 14:09
    Nando,

    Eu sou economista e ouvi isso a faculdade inteira.
  • José H  19/02/2014 03:58
    Eu sou contador e também ouvi isso durante todo o período acadêmico. Eu também sempre questionei o velho paradigma do indivíduo que "consumia toda sua renda". Perguntava aos professores sobre a parte que o indivíduo poupava e ouvia coisas do tipo "isso é desprezível" "o esperado é a pessoa não guardar nenhuma parte de sua renda", etc. Você, meu amigo, infelizmente, não foi o único e não será o último...
  • Rhyan  03/05/2012 12:53
    "O keynesiano culpa a baixa demanda agregada pelo baixo crescimento econômico e, consequentemente, pelo desemprego. Ele se concentra no lado da demanda. Logicamente, ele poderia perfeitamente se concentrar também no lado da oferta: a mão-de-obra agregada. Ele poderia, com a mesma facilidade e paixão, clamar por programas governamentais que reduzissem a oferta de mão-de-obra agregada. O fato de ele não fazer isso advém de sua preferência inabalável pelo contínuo aumento dos gastos governamentais. Ele odeia se concentrar em questões do lado da oferta."

    Não entendi esse parágrafo. Como um governo rediziria a oferta de mão-de-obra?

    Abraços!
  • Leandro  03/05/2012 12:57
    Restringindo severamente a imigração, por exemplo. Ou pagando as pessoas para não trabalharem (num seguro-desemprego prolongado e generoso). Ou aumentando a idade mínima de trabalho. Ou impondo aposentadoria compulsória a partir de determinada idade.

    Há várias maneiras. Todas elas bizarras, é claro.

    Abraços!
  • Rhyan  03/05/2012 13:07
    Pô, mas ele já faz isso com o bolsa esmola...
  • Miguel  03/05/2012 19:05
    Ou onerando absurdamente as contratações e as demissões, ou aplaudindo sindicatos histéricos. As possibilidades são muitas, seguramente a nossa imaginação não é capaz de acompanhar a dos burocratas.
  • anônimo  18/05/2012 17:20
    Rhyan,

    na verdade ele estava sendo irônico. Ele não estava sugerindo que o governo deveria fazer isso, mas apenas dirigindo a atenção do leitor para o fato de que o problema não está onde os keynesianos crêem. E o governo, por sua vez, não precisa fazer nada para deter o excesso de demanda - nem Sennholz, como libertário que é, iria querer isso. Na verdade, não havendo interferência do governo no mercado a tendência é que o excesso de oferta de mão-de-obra se resolva sozinho, já que as pessoas procurariam outros empregos para si, vindo a atender à demanda real da sociedade.
  • Andre Cavalcante  03/05/2012 15:01
    Leandro,

    Se discute muito no Brasil a dicotomia concentração X distribuição de renda (ou capital). Onde é que entra "acumulação" de capital nesta discussão? Acumulação parece mais com o conceito de concentração, ou não?

  • Leandro  03/05/2012 16:02
    Acumulação de capital nada tem a ver com concentração de renda.

    A enorme concentração de renda no Brasil advém da hiperinflação da década de 1980 e primeira metade da de 1990. As explicações técnicas para isso estão aqui.

    Um país que durante 15 anos (o maior período da história do mundo) apresentou uma inflação de preços anual (média) de incríveis 694% obviamente provocaria uma concentração de renda impar.

    Ou seja, concentração de renda -- em níveis pornográficos -- advém exclusivamente de inflação; não é gerada por nenhuma força de mercado.

    Já acumulação de capital advém de poupança, de abstenção de consumo e de investimentos. Essas três coisas são totalmente solapadas pela inflação. A inflação estimula o consumo imediato, desestimula todo e qualquer tipo de poupança e cria um ambiente de incerteza totalmente avesso a investimentos.

    Acumulação de capital é a antítese da inflação.

    Sobre acumulação de capital, recomendo estes dois artigos:
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=487
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=401

    Abraços!
  • Vinícius Marcio  04/05/2012 15:49
    Interessante artigo. Mostra de forma clara e simples a vantagem do sistema liberal em relação ao controlado pelo governo. Vou repassar para os colegas para que possam enxergar por outra vertente.
  • Bernardo Santoro  18/05/2012 07:11
    Sennholz é meu autor libertário favorito. Uma lástima ele ter falecido em 2007, ano em que eu descobri o libertarianismo. Queria muito tê-lo conhecido. Desde já peço que mais textos dele sejam traduzidos. Abraços para todos.
  • anônimo  02/07/2013 07:36
    Gostaria de uma explicação: Quando um aumento da demanda gera um aumento na oferta e quando um aumento na demanda gera aumento nos preços e por quê.

    Obrigado

  • Ricardo  02/07/2013 11:24
    "Quando um aumento da demanda gera um aumento na oferta"

    Quando o aumento na demanda foi precedido de um aumento na poupança. O aumento na poupança -- isto é, na restrição do consumo -- libera recursos escassos, os quais podem agora ser utilizados nos investimentos e na formação de capital, aumentando a oferta de bens. Observe que neste arranjo não há pressão inflacionária nos preços. Ao contrário, a maior oferta de bens em conjunto com o aumento da poupança gera uma pressão baixista nos preços.

    "e quando um aumento na demanda gera aumento nos preços e por quê."

    Quando o aumento da demanda é estimulado unicamente pelo aumento na quantidade de dinheiro na economia.
  • Joao  18/02/2014 14:24
    Me corrijam se eu estiver errado mas acredito que no curto prazo um aumento na demanda por um determinado bem irá gerar aumento de preços porém em um mercado sem barreiras, novos investidores perceberão esse aumento da demanda gerando um aumento da oferta.
  • Mauricio  18/02/2014 14:51
    Corretíssimo.
  • Recruta Zero  19/02/2014 18:33
    O problema é que o governo incentiva a demanda via gastança, e depois impõe às empresas produtoras todo tipo de barreiras para produzir (inclusive, e principalmente, barreiras de entrada de novas concorrentes)...

    Assim, o governo estimula a demanda e depois segura a oferta, dando como resultado preços altos (inflação de demanda).

    Depois, pra gerar mais demanda artificial, pega emprestimos, e isso estimula juros altos no hoje e inflação no amanhã (amanhã imprime ou confisca dinheiro para pagar a divida de ontem).

    Ou pior, imprime ou confisca dinheiro no agora.
  • anônimo  18/02/2014 15:39
    Bastante oportuno. Ontem mesmo estavamos debatendo no outro artigo sobre a necessidade de capital em economias devastadas pelo socialismo, e como isto gera oportunidades para empreendedores.
  • Socialmente justo  18/02/2014 18:31
    A única forma de se chegar aos mais pobres é através da inclusão social, que inclui imprescindivelmente os programas sociais de um governo sensível aos clamores dos necessitados, dos excluídos. Dilma, sem sombra de dúvidas, foi quem mais tirou (após Lula) pessoas da linha de miséria absoluta. A demanda, quando estimulada pelos governantes, invariavelmente aquece o pequeno mercado nos grotões do país.
  • TC  18/02/2014 23:44
    Quem mais tirou pessoas da miséria absoluta tratando-se de Brasil.
    Mundialmente falando, Lula e Dilma ainda estão longe de benfeitores do nível de Pol Pot, Fidel Castro, Hugo Chávez, Mao, Kim Il-Sung...
  • Geleia  19/02/2014 00:57
    Ser Justo,

    Ciente, próximo.
  • Emerson Luis, um Psicologo  18/02/2014 19:54

    O governo da Venezuela fez uma superdemanda e o resultado está aí.

    * * *
  • Tomio  18/02/2014 23:04
    Essas traduções de autores estrangeiros são sensacionais, parabéns a todos os envolvidos. Gostaria de deixar uma sugestão. Junto com a biografia do autor (ou mesmo no começo do texto) colocar a data em que o texto foi escrito (ou o título original para consulta) - facilitaria muito entender o contexto.

    Abraços a todos
  • Joey  19/02/2014 01:34
    Leandro,

    No trecho abaixo:

    "A demanda de mercado é satisfeita por empreendedores que incorrem em riscos. Ou eles obtêm êxito em produzir e vender justamente aquilo que os consumidores querem (..), ou eles fracassam e se mostram incapazes de ofertar aquilo que os consumidores queriam (..)."

    Eu adorei este texto. Mas tenho uma dúvida: na minha opinião, o Brasil seria um fracasso neste ponto, tendo em vista a quantidade de empreendedores com baixo conhecimento e nenhuma vontade de inovar. Após uma pobreza de quanto tempo que a iniciativa privada ensinaria estas pessoas a inovar e acompanhar um mercado tão concorrido? Tendo em vista que o empreendedor é de baixa renda (exemplo), hoje, em dias de crédito fácil, se reerguer no mercado é muito mais fácil no caso de algum problema de não acompanhamento das vontades do consumidor. Existiria, no caso de um sistema livre de mercado, a alta necessidade de renovação de ideias e acompanhamento de tendências. Mas será que o tempo necessário para as pessoas entenderem isso seria suficiente para que o país não fosse muito prejudicado? Vou até mais longe: com baixa regulação, o que impediria uma pessoa com capital disponível bancar o agiota e emprestar dinheiro a este empreendedor à taxas abusivas (no exemplo de que as pessoas AINDA não poupam muito por falta desta cultura, o que faz a taxa de juros básica ser alta pela escassez de moeda nos bancos)?
  • Leandro  19/02/2014 15:01
    "o Brasil seria um fracasso neste ponto, tendo em vista a quantidade de empreendedores com baixo conhecimento e nenhuma vontade de inovar."

    Isso é preconceito bobo seu. O empreendedor brasileiro, principalmente o pequeno e o médio, sempre foi inovador e criativo; sempre foi um bravo. Agora, milagre ele não pode fazer. Se você vive em um país que a tudo tributa, a tudo regula, e para tudo cria burocracias, de fato é difícil você ser inovador e propenso a satisfazer as demandas dos consumidores.

    No Brasil, os empreendedores preguiçosos e avessos à inovação são justamente aqueles que têm conexões com o governo e que, por isso, operam em ambiente altamente protegido.

    Já suas conjecturas sobre "o tempo necessário para as pessoas entenderem a alta necessidade de renovação de ideias e acompanhamento de tendências" estão bem acima de minhas capacidades.

    Por fim, sobre a ilação de que haverá agiotas porque a moeda será escassa, não entendi. Em primeiro lugar, agiotas já existem hoje aos montes e sempre existiram, principalmente na época da hiperinflação, quando havia uma superabundância de dinheiro.

    De resto, pouca moeda de modo algum implica alta taxa de juros. Pense nos juros como a diferença entre a quantidade de dinheiro que você pega emprestado e a quantidade de dinheiro com o qual você paga o empréstimo. Quanto menor estiver sendo a taxa de crescimento da quantidade de dinheiro, menores terão de ser os juros. No extremo, em uma economia com quantidade de dinheiro fixa, seria irrealista você exigir, por exemplo, juros de 50% ao ano. Sem que tenha havido crescimento na quantidade de dinheiro, o devedor simplesmente não terá como pagar essa quantia. Por outro lado, se a quantidade de dinheiro crescer, por exemplo, 200% em um ano, pagar uma taxa de juros de 50% acaba sendo moleza.
  • Allan Zampoli  19/02/2014 09:40
    Leandro, pode me tirar uma dúvida? Se a demanda agregada diminuísse, mesmo com a redução dos juros resultante de uma maior oferta de fundos para empréstimo, que incentivos os empresários teriam para produzir e embarcar em novos investimentos? Quero dizer, que empresário razoável incorreria em riscos investindo na produção de um bem cujo preço está declinante? Assim, se a população decide reduzir o consumo, o resultado não seriam mais recursos ociosos (mão de obra inclusa) e economia estagnada? Abraços!
  • Leandro  19/02/2014 12:31
    Se a diminuição da demanda está ocorrendo em decorrência de um aumento da poupança, então os empreendedores mais prescientes sabem que a demanda futura será bem maior e irão investir de acordo. Isso ocorreu no Brasil em 2003, ano em que a SELIC foi pra 26,5%, os gastos do governo ficaram praticamente congelados e as vendas no varejo caíram 6% no primeiro semestre. No terceiro trimestre de 2004, os investimentos voltaram com tudo, e o país cresceu até 2010 (com um breve hiato em 2009).

    Por outro lado, se a queda na demanda for em decorrência de um grande endividamento da população, aí a coisa se complica. Sem uma redução no endividamento, de fato não há estímulo para investimentos vultosos. Enquanto não se equacionar este problema, a economia fica estagnada.
  • Allan Zampoli  20/02/2014 15:59
    Valeu, Leandro! Só uma última pergunta: você sabe onde eu posso encontrar a fonte desses dados, com gráficos ou algo do tipo? É que queria muito mostrar a um professor meu (que é keynesiano, claro hehe). Abraços!
  • Leandro  20/02/2014 17:12
    Na página de dados do BACEN

    www.bcb.gov.br/?sgs

    Escolha as séries 1455 (Índice de volume de vendas no varejo) e 7338 (FBCF)
  • cleber lima  19/02/2014 11:44
    Diminuir a oferta agregada é qualquer alteração nos meios de capital fisico, humano, recurso naturais ou tecnologia. Ou seja, um mau tempo nas plantações agrícolas faz com que empresas reduzem sua produção, já que o custo se tornará maior, em relação ao governo diminuir a oferta, ele pode parar de investir em educação, onde afeta o capital humano, deixar de implementar novas tecnologias ou não investir em novos equipamentos, tudo isso deslocará a oferta agregada pelo que me lembro...
  • Sol Moras Segabianze  19/02/2014 11:48
    "O principal problema econômico enfrentado pelo mundo atual é a ampla difusão do planejamento central de estilo keynesiano sob os auspícios de burocratas dos governos e seus bancos centrais."

    Keynesianismo é só uma desculpa teórica (obviamente falha) pro controle governamental.
  • Luciano  04/03/2014 13:55
    -Quanto mais se consome, mais gera-se impostos;
    -Quanto mais filhos fizeres, mais gente consumindo, portanto mais gente gerando imposto;
    -Para o governo é MUITO FEIO POUPAR, ou acha que ele gosta de ver grana parada na poupança? Por que será que paga um juro tão ridículo ?
    -Sociedade moderna tem que ser consumista, se seu vizinho comprou um carro, saque todas as suas economias, e compre um carro melhor que o do dele; A seu colega de trabalho comprou novo celular de mais de R$ 1 mil, compre um muito melhor nem que seja o dobro;
    -Governo não existe para produzir bem estar a sociedade, é para sugar tudo que puderem produzir ($);
    -O Governo é o anjo do miseráveis, é aquele que da todo o tipo de assistencialismo menos educação. E o capeta para daqueles que tiverem o mínimo de formação, aqueles que trabalham mais de 5 meses no ano SOMENTE PARA PAGAR IMPOSTOS; E para sustentar aquela classe que vive do assistencialismo;
  • Maconha Capital  24/07/2015 04:10
    Bom dia amigos,

    Estive eu refletindo, corrijam-me se eu estiver errado: Quando se trata de economia de mercado, a ofertta É a demanda. Não são duas forças separadas e que agem em paralelo; são, isso sim, apenas dois pontos de vista que recaem sobre o mesmo vetor.


    A demanda só é demanda se o demandante ofertar algo em troca. Através da sua oferta, o demandante demanda. Toda oferta é, então, uma demanda; e toda demanda também é oferta.

    Viajei?


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.