clube   |   doar   |   idiomas
Progressistas, reacionários, histeria e a longa marcha gramsciana
O que mais apavora a esquerda é o conservadorismo efetivamente oferecer alguma reação

Por que a esquerda sempre faz uma oposição histérica a toda e qualquer ínfima medida ou iniciativa que seja por ela tida como "antiprogressista" ou, pior ainda, "reacionária" e contrária ao seu "projeto de poder"?

Seja no quesito dos "direitos" dos homossexuais ("direitos", no linguajar esquerdista, nada mais são do que deveres impingidos aos pagadores de impostos), nos privilégios raciais e sindicais, no feminismo, no desarmamento, no aborto financiado pelo estado, e até mesmo em tímidas propostas de reformas assistencialistas, a esquerda progressista sempre reage com um furor frenético contra qualquer pessoa — seja político, comentarista político ou apenas alguém da mídia alternativa — que se atreva a fazer algo que leve a um pequeno recuo destes sagrados esquemas socialistas.

O histórico

O frenesi progressista que vem varrendo o mundo começou realmente no final dos anos 1930.  

Naquela época, vivendo em Nova York, minha família, meus amigos e meus vizinhos, todos esquerdistas, haviam chegado ao paroxismo do medo e da raiva por causa da contra-revolução de Franco e da iminente derrocada do governo espanhol esquerdista durante a Guerra Civil Espanhola.  

Superabundavam denúncias e vituperações lacrimosas contra Franco, além de contínuas exortações para que "alguma coisa fosse feita". Houve a criação de organizações especializadas em enviar de tudo para a Espanha, desde leite até armas e soldados. Era a "Brigada Internacional", criada para defender a esquerda espanhola (alcunhada de "Legalistas" pelo sempre simpatizante The New York Times e por outros veículos da mídia "respeitável").

Vale enfatizar que estas pessoas jamais — nem antes e nem durante — haviam demonstrado qualquer tipo de interesse pela história, cultura ou política espanhola.  Logo, por que repentinamente passaram a se preocupar com o país? 

O historiador esquerdista Allen Guttman chegou até a documentar e celebrar esta histeria em relação à Espanha em seu livro A Ferida no Coração (o título já diz tudo). 

Certa vez perguntei ao meu amigo Frank S. Meyer, que havia sido um proeminente comunista americano, a respeito deste enigma. Ele deu de ombros: "Nós [os comunistas] nunca conseguimos entender o porquê. Mas tiramos proveito do sentimentalismo progressista da questão".

A explicação ortodoxa dos historiadores é que os esquerdistas da época — cujo quartel-general, a fonte de financiamento, estava nos EUA — estavam especialmente temerosos quanto à "ameaça do fascismo", e defendiam freneticamente a esquerda espanhola porque viam a Guerra Civil daquele país como um prenúncio de uma inevitável Segunda Guerra Mundial. 

Mas o problema com esta explicação é que, embora a esquerda progressista houvesse defendido entusiasmadamente a "boa" Guerra contra o Eixo, ela nunca realmente arregimentou a mesma emotividade, a mesma exaltação, o mesmo furor que demonstrava em relação a Franco contra Hitler, por exemplo.

Então, qual a verdadeira explicação para a atual postura da esquerda em relação a temas cultural e economicamente progressistas?

As raízes

Creio que uma pista pode ser encontrada na mini-histeria que a esquerda demonstrou a respeito da contra-revolução ocorrida contra o regime esquerdista da Salvador Allende no Chile, uma contra-revolução que colocou o General Augusto Pinochet no poder.  

A esquerda, até hoje, ainda não perdoou a direita chilena e a CIA por este golpe. Allende ainda é considerado um mártir querido pela esquerda, e sua filha Isabel, um ícone (embora ainda percam para Che Guevara). 

Seria esta raiva tão duradoura só porque um regime comunista foi derrubado? Quase, mas ainda longe. Afinal, a esquerda não demonstrou grandes emoções, não demonstrou nenhum desespero, quando os regimes comunistas entraram em colapso na União Soviética e no Leste Europeu.

Logo, sugiro que 'A Resposta' para este mistério é a seguinte: a esquerda é, em sua essência, "progressista", o que significa que ela acredita, à moda marxista, que a história consiste em uma 'inevitável marcha ascendente' rumo à luz, rumo à utopia socialista. 

A esquerda progressista acredita no mito do progresso inevitável; ela acredita que a história está ao seu lado, sempre conspirando a seu favor. Sendo ela formada por social-democratas (mencheviques), primos dos comunistas (bolcheviques) — com quem vivem entre tapas e beijos —, a esquerda progressista possui um objetivo similar ao dos comunistas, mas não idêntico: um estado socialista igualitário, gerido totalmente por burocratas, intelectuais, tecnocratas, "terapeutas" e pela Nova Classe iluminada, geralmente em colaboração com — e sempre sendo apoiada por — credenciados membros de todos os tipos de grupos vitimológicos, aquela gente que se diz perseguida e que vive lutando por "direitos iguais" — sendo que o 'iguais' significa na verdade 'superiores'.  Estes grupos são formados por negros, mulheres, gays, lésbicas, trans, índios etc. 

A esquerda progressista acredita que a história está marchando inexoravelmente rumo a este objetivo. Uma parte vital deste objetivo é a destruição da família tradicional, "burguesa" e composta de pai e mãe, que deve ser substituída por um sistema em que as crianças são criadas e educadas pelo estado e por sua Nova Classe de orientadores, tutores, terapeutas e demais "cuidadores" infantis.

A utópica marcha da história, objetivo dos social-democratas, também é similar à dos comunistas, mas não exatamente a mesma. Para os comunistas, o objetivo era a estatização dos meios de produção, a erradicação da classe capitalista, e a tomada de poder pelo proletariado. Já os social-democratas entenderam ser muito melhor um arranjo em que o estado socialista mantém os capitalistas e uma truncada economia de mercado sob total controle, regulando, restringindo, controlando e submetendo todos os empreendedores às ordens do estado.  

O objetivo social-democrata não é necessariamente a "guerra de classes", mas sim um tipo de "harmonia de classes", na qual os capitalistas e o mercado são forçados a trabalhar arduamente para o bem da "sociedade" e do parasítico aparato estatal.  

Os comunistas queriam uma ditadura do partido único, com todos os dissidentes sendo enviados para os gulags. Já os social-democratas preferem uma ditadura "branda" — aquilo que Herbert Marcuse e a Escola de Frankfurt, em outro contexto, rotularam de "tolerância repressiva" —, com um sistema bipartidário em que ambos os partidos concordam em relação a todas as questões fundamentais, discordando apenas polidamente acerca de detalhes triviais — "a carga tributária deve ser de 37% ou de 36,2%?".

Liberdade de expressão, de imprensa e de ideias é tolerada pelos social-democratas, mas desde que ela se mantenha dentro de um espectro de opiniões pré-aprovadas. Os social-democratas repelem a brutalidade dos gulags; eles preferem fazer com que os dissidentes padeçam da "suave" e "terapêutica" ditadura do politicamente correto, na qual eles forçosamente têm de aprender as maravilhosas virtudes de ser educado na "dignidade de estilos de vida alternativos", sempre submetidos a um intenso "treinamento de sensibilidade". Em outras palavras, Admirável Mundo Novo em vez de 1984. A "marcha ascendente da democracia" em vez da "ditadura do proletariado".

Também típica é a distinção, nas duas utopias, acerca de como lidar com a religião. Os comunistas, como fanáticos ateístas, tinham o objetivo de abolir por completo a religião. Já os social-democratas preferem uma abordagem mais suave: subverter o cristianismo de modo a fazer com que a religião se torne aliada da social-democracia.

Daí a sagaz cooptação da esquerda cristã pelos social-democratas: enfatizando o modernismo entre os católicos e o evangelicalismo esquerdo-pietista entre os protestantes — este último objetivando criar um Reino de Deus na Terra na forma de uma coerciva e igualitária "comunidade de amor". 

Trata-se de uma estratégia muito mais astuta: cooptar religiosos em vez de assassinar padres e freiras e confiscar igrejas — esta última feita pelo regime republicano espanhol e por seus partidários trotskistas e anarquistas de esquerda, algo que não gerou absolutamente nenhum grito de protesto por parte de seus devotos defensores progressistas e social-democratas ao redor do mundo.

Esta distinção nos objetivos — totalitarismo brando vs. radical — também é refletida na acentuada diferença entre as estratégias e os meios utilizados. Os comunistas, ao menos em sua clássica fase leninista, ansiavam por uma revolução violenta e apocalíptica que destruiria o estado capitalista e levaria à ditadura do proletariado. Já os mencheviques — social-democratas ou neoconservadores —, fieis ao seu ideal "democrático", sempre se sentiram um tanto desconfortáveis com a ideia de revolução, preferindo muito mais a "evolução" gradual produzida pelas eleições democráticas. 

Para os mencheviques, o estado deve ser totalmente aparelhado por intelectuais partidários e simpatizantes, de modo a garantir a continuidade da longa marcha gramsciana da conquista das instituições culturais e sociais do país. Daí a desconsideração pelos gulags e pela revolução armada. Por isso o desaparecimento de seus primos (e concorrentes) bolcheviques não ter sido lamentado pelos social-democratas. Muito pelo contrário: os social-democratas agora detêm o monopólio da marcha "progressista" da história rumo à Utopia.

A Resposta

O que me traz de volta à minha 'Resposta' sobre o porquê da histeria da esquerda progressista: ela se torna histérica sempre que percebe a ameaça de uma pequena reversão na Inevitável Marcha da História.  

Ela se torna histérica quando visualiza alguns empecilhos e, principalmente, retrocessos nesta sua inexorável marcha ao poder total, retrocessos estes que sempre são rotulados, obviamente, de "reações".

Na visão de mundo tanto de comunistas quanto de social-democratas, a mais alta — desde que "progressista" — moralidade é se mostrar não apenas um defensor, mas também, e principalmente, um entusiasmado fomentador da 'inevitável próxima fase da história'. É ser a "parteira" (na famosa expressão de Marx) desta fase. 

Da mesma forma, a mais profunda, se não a única, imoralidade é ser "reacionário", ser alguém dedicado a se opor a este inevitável progresso — ou, pior ainda, alguém dedicado a fazer retroceder a maré, a restaurar costumes enraizados, a "atrasar o relógio". 

Este é o pior pecado de todos, e ele gera todo este frenesi justamente porque qualquer retrocesso bem-sucedido colocaria em dúvida aquele que é o mais profundo e o mais inquestionavelmente aceito mito "religioso" da esquerda progressista: a ideia de que o progresso histórico rumo à sua Utopia é inevitável. 

Trata-se, no mais profundo sentido, de uma guerra não apenas cultural e econômica, mas religiosa. "Religiosa" porque social-democracia/progressismo de esquerda é uma visão de mundo passional, uma "religião" no mais profundo sentido, pois guiada unicamente pela fé: trata-se da ideia de que o inevitável objetivo da história é um mundo perfeito, um mundo socialista igualitário, um Reino de Deus na Terra, seja este deus "panteizado" (sob Hegel e os adeptos do Romantismo) ou ateizado (sob Marx). 

Esta é uma visão de mundo em relação à qual não deve haver concessões ou clemência. Ela deve ser contrariada e combatida veementemente, com cada fibra de nosso ser.

O Brejo

Quem vai vencer essa guerra? Não se sabe. De que lado está a maioria da população? Certamente perdida, disponível para quem chegar primeiro. A maioria está confusa, vagando de um lado para o outro, dividida entre visões de mundo conflitantes. Ela pode pender para qualquer lado. 

Durante suas inúmeras batalhas faccionárias dentro do movimento marxista, Lênin certa vez escreveu que há dois grupos batalhando, cada um formado pela minoria da população, sendo que a maioria está no centro, e é formada justamente pelas pessoas confusas, às quais ele se referiu como O Brejo. A maioria da população hoje está confusa e constitui O Brejo; estas pessoas estão no terreno no qual a maioria das batalhas será disputada. 

E a metáfora é corretamente militar. A batalha iminente é muito mais ampla e profunda do que apenas discutir alíquotas de impostos. Trata-se de uma batalha de vida e morte pelo formato do nosso futuro. Daí se compreende o frenesi que acomete a esquerda sempre que uma medida "reacionária" parece ser favorecida pela sociedade.

A esquerda progressista não se importa muito com — na verdade, ela até gosta de — pequenos revezamentos de poder: uma década de governos abertamente progressistas, nos quais a agenda esquerdista é avançada, seguida de alguns anos de governo "oposicionista" ou "conservador", no qual há apenas uma consolidação ou simplesmente uma redução na velocidade do avanço. O que ela realmente teme é a perspectiva do conservadorismo se tornar reacionário, no sentido de realmente fazer retroceder alguns ganhos "progressistas".  É isso que a apavora.  

Daí a histeria em relação a Franco e a Pinochet; daí o linchamento de Joe McCarthy, que realmente ameaçou ser bem-sucedido em fazer recuar não apenas os comunistas, mas até mesmo os progressistas e social-democratas. Ameace retroceder "direitos" obtidos por grupos de feministas, de gays, de negros, de desarmamentistas, de funcionários públicos, de sindicalistas ou de qualquer outro do ramo vitimológico, e você verá o que é uma fúria progressista.

O que fazer

Portanto, o combate requer, principalmente, coragem e nervos para não ceder e não se dobrar perante as totalmente previsíveis reações caluniosas e difamantes dos oponentes. Acima de tudo, o objetivo não deve ser o de se tornar querido e bem aceito por progressistas ou pela Mídia Respeitável. Tal postura irá gerar apenas mais rendição, mais derrotas.  

Igualmente, o objetivo não é apenas o de fazer retroceder o estado leviatã, sua cultura niilista e estas pessoas que querem se apossar do estado e impor sua agenda sobre nós. O objetivo tem de ser a eliminação completa e irreversível deste monstruoso sonho de um Perfeito Mundo Socializado gerido por "pessoas de bem".

Que a reação ocorra, que os "direitos" sejam retrocedidos, que esta gente recue, entre em órbita e finalmente perceba que, na realidade, sua religião é maléfica.

__________________________________________

Artigo originalmente publicado em 1992


55 votos

autor

Murray N. Rothbard
(1926-1995) foi um decano da Escola Austríaca e o fundador do moderno libertarianismo. Também foi o vice-presidente acadêmico do Ludwig von Mises Institute e do Center for Libertarian Studies.


  • Paulo Sergio  26/04/2012 06:11
    Esse artigo é perfeito, só uma coisa, a maioria do meio não está perdida sem saber qual lado tomar, podia até ser quando ele estava vivo mas hoje a maioria é esquerdista mesmo.
    Eu imagino o que esse pessoal vai falar se a idéia do Patri Friedman der certo
  • anônimo  09/05/2012 03:22
    Eu não diria que a maioria é "esquerdista" mas sim identificada com o "Moderno Principe" que é a personificação de Lula, o mártir do povo brasileiro.

    Nesse sentido, pode-se dizer que a agenda deles claramente avançou, pois as massas já acenam com um futuro fatalista onde os pobres triunfam sobre os ricos, rancor estimulado por anos de masturbação ideológica de esquerda.

    Fosse os anos 60, essa gente humilde e iletrada seguiria à risca a recomendação do padre: não vote em comunistas. Mas hoje eles nem mais frequentam a igreja.

    O futuro do Brasil é mesmo um inevitável desastre, fomentado por gerações de classes subvertidas e contrariadas, pervetidas num marxismo primitivo, acreditando ser possível reverter a atual situação enquanto irão caminhar lentamente para pobreza e a perda de tudo o que conquistaram - as custas do sistema que tanto odiaram.
  • Paulo Sergio  09/05/2012 06:09
    'O futuro do Brasil é mesmo um inevitável desastre, fomentado por gerações de classes subvertidas e contrariadas, pervetidas num marxismo primitivo, acreditando ser possível reverter a atual situação enquanto irão caminhar lentamente para pobreza e a perda de tudo o que conquistaram - as custas do sistema que tanto odiaram. '

    Pois é, eu moro em fortaleza e hoje mesmo de manhã indo comprar pão vejo no caminho três ônibus lotados, levando trabalhadores da construção civil pra um protesto no meio da cidade contra os patrões malditos.
  • Aragão  17/08/2014 17:43
    Muito esclarecedor. Se esse troço fosse bom, por que então fizeram um muro em Berlim para que o povo de lá fosse impedido de sair? Se essa droga é tão boa, por que os cubanos vivem fugindo, quando podem, da "ilha presídio" (Cuba). Isso é uma ideologia de psicopatas que assassinou mais de 100 milhões de gente. É um troço tão bom, tão desenvolvido que Cuba é um país favela há mais 50 anos.
  • Andre Henrique  13/05/2016 16:57
    Aragão, já fiz a mesma pergunta para um socialista e a resposta foi:

    "Porque o ser humano não sabe o que é melhor para ele".

    Depois dessa resposta não existe mais possibilidade de discussão.
    Abç,
    AHR
  • André Ambrosio Abramczuk  10/10/2018 10:34
    É impressionante como esses socialistas se colocam acima dos seres humanos! Como assim, os homens não sabem o que é bom para eles?
  • Bode  28/09/2018 17:10
    Concordo plenamente com o prognóstico reservado. O lulopetismo avançou juito com a agenda de esquerda.
  • anônimo  19/09/2013 14:25
    Padres como Don Helder Camara?
    Como Evaristo Arns? ...Como Frei Beto? ou Frei Leonardo Boff?
    Padres como Paulo VI (papa)?
    Padres como os do CIMI?
    Padres como om pedofilo que saiu ileso apos a denuncia simplesmente acusando o denunciante de te-lo chantageado? ...sendo que o denunciante [e que foi condenado
    Padres como aqueles que escondiam terroristas nas igrejas?

    Padres como Joao Paulo II (papa) que afirmou ter os comunismo muitos pontos excelenrtes? ...alem de recusar-se a receber Pinochet soba alega;'ao de que este era um ditador, para em seguida receber Fidel e fazer-lhe visitas???

    ...?????
  • Testa  06/07/2015 11:20
    Uma das estratégias de Gramsci, que é citada no próprio artigo, é se infiltrar nas Igrejas para promover a causa do Comunismo.
  • André Henrique  13/05/2016 16:48
    Anônimo, discordo...
    Se a esquerda tivesse com todo esse poder:
    1) Não teria perdido o governo na Argentina
    2) Idem acima para o Brasil
    3) Idem acima para maioria no congresso venezuelano
    4) O projeto para reeleição ilimitada proposta pelo Evo Morales teria sido aprovado
    5) O Obama nao teria conseguido visitar Cuba
    Abç,
    AHR
  • Glória   24/03/2018 14:54
    A Venezuela, Hoje! 21/03/2018
  • thomaz  01/10/2018 11:27

    André Henrique 13/05/2016 16:48
    Anônimo, discordo...
    Se a esquerda tivesse com todo esse poder:
    1) Não teria perdido o governo na Argentina
    2) Idem acima para o Brasil
    3) Idem acima para maioria no congresso venezuelano
    4) O projeto para reeleição ilimitada proposta pelo Evo Morales teria sido aprovado
    5) O Obama nao teria conseguido visitar Cuba
    Abç,
    AHR

    Cara, o Ex-Presidente Obama era Burocrata, mesma coisa que comunista, meu deus cara, aprende sobre os políticos antes de dizer algo. kkkkkk

    A Argentina era dominada pela esquerda, eles fu# o pais deles para depois passar para o Presidente atual, que eu acho que é capitalista.

    Durante o governo do PT, o Brasil caiu no abismo, educação, saúde, segurança, economia e entre outros, Henrique Meirelles deves ajudar o Brasil como ele disse, ele fez o Brasil ficar com a inflação alta, ou melhor dizendo ele fez é cag@r mais ainda no Brasil.

    Não estou aqui para defender o Temer, mas ele queria diminuir os danos causados pelo PT, mas a população burra só dificultou as coisas. Brasileiro tem que se fud# mesmo! kkkkkk

    Vão estudar política!!! kkkkkk

  • ari  18/05/2012 18:47
    Eu acho que a esquerda, sacando, a lezeira desse "meio" põe o olho nela e conspira a seu favor, achando o tal do "intelectual orgânico" ela rotula os do meio como seus, ganhando-os assim, na lorota. Reparem que, a esquerda é 'amiga" de todos, contanto que não atrasem a revolução em marcha, ela vai aproveitando e reciclando tudo, homossexualismo, antes perseguido por ela, hoje é um reduto do intelectual orgânico, só por exemplo, mas, ... É muito fácil, ainda por cima, militar nesse plano, pois é só deixar a gravidade levar - tudo que vai pra baixo serve. Vejam o sucesso do PT e a identificação dele com as massas - não passa disso.
    A inversão dos valores foi moleza para os progressistas. Vejam como é dificil elevar e conservar valores e como é muito mais fácil demoli-los.
    É até meio louco e incoerente aparentemente - A humanidade passa sua existência se sacrificando para elevar-se e os progressistas conseguem convencer os idiotas que o caminho para o progresso é o inverso. Pode?
  • Eduardo  20/09/2013 03:23
    Comunismo, onde você está, para onde você vai? Quero saber... para eu poder seguir o caminho inverso e nunca mais te ver ou saber que você sequer existiu.
  • Lucas Felipe  08/03/2018 01:18
    eu discordo, a maioria na verdade é apolítico, porém,cada dia mais a massa está acordando para o fato de que estão sendo usadas como massa de manobra, uma prova congruênte disso, é que a maior parte da população votante do Brasil está apoiando o Jair Bolsonaro para a presidência
  • LIVIO LUIZ SOARES DE OLIVEIRA  26/04/2012 06:11
    Simplesmente magistral! O IMB deveria publicar mais textos como este de Rothbard, que tratam não exclusivamente de temas econômicos, mas também sociológicos, axiológicos, epistemológicos, etc.
  • Rodrigo  26/04/2012 11:06
    Exatamente!
  • Marcos Campos  26/04/2012 11:37
    Perfeito, co-ligando alguns de meus pensamentos e me abrindo novas perspectivas...Fantástico texto.
  • W L Guerreiro  12/02/2013 19:12
    Genial e inspirador!
  • Ricardo Chaves  26/04/2012 06:20
    Caramba!!!! Rothbard ressuscitou, veio ao Brasil, ficou aqui uns 3 meses, analisou o governo do PT e escreveu esse artigo!!! Do meio pro final, só faltou ele citar nomes tupiniquins para servir de exemplo!!

    Parabéns ao IMB por mais um artigo sensacional.
  • Nairon de Alencar  28/04/2012 10:47
    Bom esse texto é realmente incrível, como detalha o governo atual que foi se formando ao longo dos anos. Pensava que esse governo não era socialista por estar sendo sustentado pelo capitalismo, mas agora entendo e reforça uma idéia que tive alguns meses:\r
    Que esse governo fará de tudo (pelos grupos vitimológicos) pois o que importa agora é o poder que se tem (centralizado e ditador), por isso não se parece mais com socialismo. O que importa é a poltrona!\r
    Mas agora entendo o que é realmente isso tudo! E pelo que vejo se torna bem mais organizado e parece que atento a qualquer erro ou oportunidade que se pode ter para sempre tirar proveito.\r
    ESTÁ MAIS PERIGOSO DO QUE EU ACHAVA!
  • Rodrigo Mak  26/04/2012 06:31
    Artigo sensacional, realmente.
    Parece que foi escrito na semana passada e aqui no Brasil.
    Aliás, alguém poderia informar em que ano ele foi escrito e publicado?
    E não concordo com Paulo Sergio. Acredito que a maioria do meio até se ache ou se diga esquerdista, já que "direita" virou palavrão. Mas a maioria está perdida, confusa e tem medo, justamente por conta da histeria esquerdista. A maioria é cristã, mas aceita ver crucifixos banidos de tribunais, por exemplo. É contra o aborto, mas aceita que o STF o legalize, e por aí vai.
    Parabéns, mais uma vez.
  • Leandro  26/04/2012 06:37
    Rodrigo, 1992. É um bom testemunho de como importamos tudo que não presta e de como fechamos os portos para tudo que presta. Todas as tendências e modismos estrangeiros nefastos sempre são inevitavelmente importados por nós (embora com um grande atraso), ao passo que as coisas boas são barradas na alfândega.
  • Paulo Sergio  26/04/2012 10:38
    1992!?? Comparado com hoje 1992 era o paraíso!
    Pelo menos na apologia do gayzismo, do feminazismo...
  • Miguel  26/04/2012 07:59
    Um pouco off-topic, mas é engraçado (digo, é triste) ver como "direita" virou um palavrão mesmo. Outro dia, em uma discussão inútil que surgiu na hora do almoço, uma iluminada que trabalha comigo falou "olha, não é que eu seja de direita, mas eu vou muito para a periferia e eles têm muitos filhos mesmo, o Estado deveria restringir o número de filhos por família, pelo bem daquelas próprias crianças". Bom, defendendo isso, nem precisava dizer que não era de direita, mas é risível o fato de que todos se sentem na obrigação de, antes de dizer qualquer coisa, fazer a inevitável ressalva de não ter nada a ver com a direita, já que, para eles, ser de direita implica em dar risada de um pobre que dorme na rua enquanto se fuma um charuto e se planeja a próxima forma de "explorar a mão de obra". Lidar com o Brejo é desanimador...
  • Max  27/04/2012 01:29
    Pois é, a esquerda conseguiu estereotipar o termo, assim como privatização. Até PSDB, que nem direita é, é social-democracia, virou "direita" no imaginário público.
  • Walmor Grade  20/05/2012 10:14
    Max, pelo que sempre entendi, o PSDB 'virou' direita (ou neo-liberal) no imaginário brejeiro, como tática ensinada pelo próprio Lênin, para que o Brejo pense em termos de direita e esquerda, quando se sabe que ambos os partidos são de esquerda.
  • Rafael Moreira  26/04/2012 07:19
    PERFEITO. Dispensa qualquer comentário. A elucidação da oposição mencheviques x bolcheviques é perfeita. Como faço constantemente, publicarei em meu facebook. Não podemos nos curvar. Vivo sendo taxado de reaça, não me importo. Já fui uma dessas "pessoas de bem" na adolescência/juventude, assim como vários leitores do fórum, então conhecemos bem essa doença chamada esquerdopatia.
  • Daniel Marchi  26/04/2012 07:39
    Impressionante. O texto acima, ao ser comparado com um treco chamado REALIDADE, chega a causar uma certa náusea. Estamos vendo esses fenômenos transcorrerem com uma concatenação factual cinematográfica.

    Recupero um trecho de um artigo recente de Jeffrey Tucker (Regulamentações, desespero e o estado):

    "Como já escrevi inúmeras vezes, políticos vêm e vão. A classe política é apenas o verniz do estado; é apenas a sua face pública. Ela não é o estado propriamente dito. Quem de fato comanda o estado, quem estipula as leis e as impinge, é a permanente estrutura burocrática que comanda o estado, estrutura esta formada por pessoas imunes a eleições. São estes, os burocratas e os reguladores, que compõem o verdadeiro aparato controlador do governo."

    Agora imaginem um exército de burocratas totalmente imbuídos da mentalidade do "politicamente correto", que 24h por dia repetem o mantra do "interesse público", da "redução das desigualdades" e movidos por puro ódio à livre iniciativa empresarial. Junte-se a isso o fato de a burocracia estatal (especialmente no plano federal) ter um perfil cada vez mais jovem. Recém formados - na maioria pelas universidades estatais, verdadeiras usinas de progressismo - chegam ávidos para aplicar o que aprenderam. Os economistas vão corrigir as falhas de mercado, os advogados vão reinterpretar todas as leis à luz do direito dos hipossuficientes e assim por diante...

    Partidos, políticos profissionais, isso tudo é uma espécie de show biz. Hoje a revolução caminha silenciosa, tocada pela burocracia iluminada, pelos doutores, pelos especialistas (regiamente pagos, diga-se) que compõem o corpo estatal estável (pensem no caso das agência reguladoras). Enfim, é esse aparelho "sem rosto" que está a imolar todas as liberdades. Tudo em nome do bem e da verdade socialista.
  • Cacatua  26/09/2013 21:59
    Realmente, achei que o texto houvesse sido escrito semana passada.

    Mas agora, que os políticos são fantoches de um poder maior, sempre tive esta crença; somente não consigo entender quem são estas pessoas (nome e cargo) que definem normas que prejudicam o país inteiro; por que os grandes empresários, cuja influência é maior, simplesmente não questionam os governantes sobre suas políticas desastradas, sobre esta "esquerdização" do país? (sei que boa parte gosta, na verdade, de falar a mesma língua dos governantes, em troca de benefícios; mas sempre?).

    Por outro lado, não podemos esquecer que, no Estado atual, tudo funciona com base em grupos de pressão, digamos assim, que o autor inclusive citou no texto, como os gays, índios, os quais sempre "põe a boca no trombone", ganham visibilidade e têm seus direitos, digo privilégios reconhecidos. Até onde sei, inexiste uma direita liberal que faça o mesmo, e, mesmo com boas ideias para o país, acaba no oblívio (lamentável, mas boa parte de nossa política funciona do seguinte modo: 'quem não chora não mama').
  • 5 minutos de ira!!!  01/10/2018 11:28
    Alguém manjador o suficiente para citar nomes!?

    Interesso-me por esse assunto, mas não há NADA, nem mesmo nos cantos mais longínquos da mídia, a respeito.

    Gostaria de saber e denunciar quem são os grandes socialistas do Brasil. Estão na USP? Nos Bispos do Brasil? Nos partidos políticos? No STF? Na mídia?

    Gostaria mesmo de saber quem manda para atacar pessoalmente mesmo, hehe, como fazem do lado de lá.

    PS: não estou falando de facada...antes que me interpretem mal... hehe.
  • Vítor Höher Nunes  26/04/2012 07:46
    Texto magistral! Parabéns ao IMB!
  • Cedric  26/04/2012 07:47
    "Uma parte vital deste objetivo é a destruição da família tradicional, "burguesa" e composta de pai e mãe, que deve ser substituída por um sistema em que as crianças são criadas e educadas pelo estado e por sua Nova Classe de orientadores, tutores, terapeutas e demais "cuidadores" infantis."

    É incrível como está viva e forte essa idéia de que o estado deve se responsabilizar por todos os cuidados da prole. Na universidade nas aulas do licenciatura, você vê direto tantos os professsores quanto os alunos defendendo isso, como o estado deve pagar os custos de psicologos, pedagogos, médicos, nutricionistas, e todo o resto. Vê-se também cartazes demandando o direito do estado de pagar por creches para que as mulheres exerçam o DIREITO de trabalhar. Ou seja, eu tenho um filho e os outros pagam a conta.
  • LIVIO LUIZ SOARES DE OLIVEIRA  26/04/2012 07:51
    Voltei aqui para dizer que não me satisfiz em ler este artigo apenas uma vez. Li e reli, e o estou "ruminando" até agora. Um choque de realidade tomaria qualquer um esquerdista progressista que tivesse uma momentânea epifania, uma iluminação repentina e compreendesse o alcance, a profundidade e a extensão deste libelo acusatório rothbardiano contra a utopia socialista. Rothbard, nesse caso, seria o agente que tiraria as pobres almas oprimidas perambulando na zona da escuridão da falsa realidade, e as traria à luz, tal qual no mito da caverna de Platão. Equivaleria a soco no estômago e a um chacoalhão de ombros. Uma vacina definitiva contra a defesa hegeliana ou marxista da história. Não dá para ficar sentado após ler um artigo como este. Há que se levantar e, de pé, bater palmas entusiásticas. Sim, palmas e palmas!
  • Rodrigo Mak  26/04/2012 10:36
    Verdade. Já li quatro vezes desde cedo. A cada vez acabo achando um ângulo diferente, uma correspondência com a nossa realidade que não tinha percebido antes.\r
    E já comecei a fazer a disseminação do artigo.
  • mcmoraes  26/04/2012 07:54
    Finalmente entendi o significado do termo "reaçionário".
  • Fellipe  02/05/2012 09:29
    Finalmente entendi o significado do termo "reaçionário". (2)
  • Fabio MS  26/04/2012 08:47
    Texto fenomenal. A maioria de nós, aqui, é reacionária. E é muito bom que seja assim.
  • Laszlo  26/04/2012 08:50
    MAGNIFICO! Esse texto é simplesmente perfeito! Da vontade de imprimir e sair distribuindo na rua!

    Estou até meio extasiado porque esse artigo sintetizou perfeitamente todas as idéias e visões que eu tenho do mundo pós-moderno e não conseguia organiza-las de uma maneira eficaz na cabeça.

    Clap, clap, clap!
  • Guilherme Shibata  26/04/2012 09:43
    Um dos melhores textos que já li no site. Isso foi um artigo ou é de algum livro de Rothbard ?
  • Rodrigo  26/04/2012 11:10
    DE-VAS-TA-DOR!

    Murray Rothbard, senhoras e senhores! Murray Rothbard!
  • Edik  26/04/2012 11:25
    Realmente essa é uma das melhores análises políticas que eu já li. E mais impressionante ainda é saber que foi escrito há 20 anos atrás!!! Quem quiser ver o livro original desse texto, segue o link: library.mises.org/books/Murray%20N%20Rothbard/The%20Irrepressible%20Rothbard.pdf
  • ANDRE LUIS  26/04/2012 11:34
    Muito boa a distinção que Rothbard faz entre os dois tipos de revolucionários. Me fez lembrar da quase indecifrável letra da música "Tempo Perdido" do Legião Urbana.

    A letra é muito confusa, mas fica fácil entende-la se levarmos em conta o notório esquerdismo de Renato Russo, bem como esta diferença entre estratégias revolucionárias.

    Nela Renato Russo encarna o revolucionário a moda gramsciana, tentando convencer um outro revolucionário adepto da luta armada de que seus métodos são bem mais honrados e eficientes. Tenta ainda salvar a sua pele em caso de vitória do outro, pois sabe muito bem o destino que lhe aguarda, bem como o de todos os demais intelectualóides e "companheiros de viagem" como ele.

    Todos os dias, quando acordo
    Não tenho mais o tempo que passou
    Mas tenho muito tempo
    Temos todo o tempo do mundo

    Todos os dias, antes de dormir
    Lembro e esqueço como foi o dia
    Sempre em frente
    Não temos tempo a perder

    Nosso suor sagrado
    É bem mais belo que esse sangue amargo
    E tão sério
    E selvagem
    Selvagem
    Selvagem...

    Veja o sol dessa manhã tão cinza
    A tempestade que chega
    É da cor dos seus olhos
    Castanhos

    Então me abraça forte e...
    Me diz mais uma vez
    Que já estamos distantes de tudo
    Temos nosso próprio tempo
    Temos nosso próprio tempo
    Temos nosso próprio tempo

    Não tenho medo do escuro
    Mas deixe
    As luzes acesas
    Agora

    O que foi escondido
    É o que se escondeu
    E o que foi prometido
    Ninguém prometeu
    Nem foi tempo perdido
    Somos tão jovens
    Tão Jovens
    Tão jovens...
  • charles  24/09/2013 12:38
    é aí que você se engana amigo... ao contrário do que a mídia esquerdista gosta de proclamar, o renato russo não era nem um pouco esquerdista... era capitalista mesmo: www.youtube.com/watch?v=EwCo8bc-A20
    pra você ver como a mídia esquerdista consegue enganar até liberais... hehe

    mas não vou te condenar... já viu o filme novo que saiu sobre a vida dele? fizeram ele esquerdista, chamando até os outros de reaça... penso que ele deve ter se revirado no túmulo depois dessa...
  • Alex_  26/04/2012 11:41
    Muito esclarecedor, veio agregar maiores esclarecimentos sobre este fenômeno cultural. Porém como um amigo já postou a cima, grande parte do que está neste artigo já é de conhecimento de quem se interessa por este assunto. Para quem ficou surpreso eu tbm indico os vídeos do Pe. Paulo Ricardo, estudioso do marxismo cultural a mais de 10 anos, além é claro, de Olavo de Carvalho.

    Há uns dois anos atrás, quando tive contato pela primeira vês com artigo austríaco que refutava a teoria do valor de Marx, o autor escreverá que para acabar com a teoria marxista bastava refutar a teoria do valor trabalho de Marx que tudo cairia como um castelo de cartas em que você retira a base e o reto vem a baixo natural e logicamente. Foi a partir deste artigo que comecei a me interessar pela EAE. Portanto se possível ou quando possível, gostaria de deixar esta sugestão ao IMB, que forma didática e científica, publique um artigo que esclareça (refute)aquilo que eu considero como a maior falácia histórica e intelectual da humanidade.

    IMB - parabéns por existirem =]

  • André Caniné  26/04/2012 12:02
    Acho que esse texto mais importante já publicado no IMB. Simplesmente vale mais do que todas as aulas de história que tive até hoje.
  • Cristiano  26/04/2012 12:24
    Rothbard é a pilula vermelha.
  • Arnaldo  26/04/2012 12:49
    Obrigado ao IMB.
  • Fabio  26/04/2012 13:52
    Como disseram, é como se o Rothbard tivesse vindo ao Brasil e analisado o governo do PT. O difícil é ter essa coragem e gastar o tempo precioso que temos para divulgar a liberdade.
  • Thyago  26/04/2012 15:22
    O texto é razoável. Pelo que deu pra entender, Rothbard conhecia pouco de Gramsci, ou não colocou no texto.

    No Brasil, o maior estudioso de Gramsci (no sentido contra revolucionário, claro) era o general Coutinho, falecido em dezembro de 2011.

    Ele tem publicado um livro famoso, denominado A Revolução Gramscista do Ocidente. Também, e eu tenho aqui, um estudo publicado por ele na revista digesto econômico, da associação comercial de São Paulo... uma edição especial.

    Há algum tempo eu ainda no orkut tive um debate com alguns colegas do grupo sobre a questão do aborto, sendo que a maioria era entusiasta da ideia, achando que lutando por isso estavam defendendo a liberdade. Não se enganem, defender o aborto é fazer o jogo da esquerda.

    Conhecer a obra de Gramsci é fundamental pra entender o que está ocorrendo no BR e no mundo -> e saber para onde podemos chegar.

    O Italiano afirmava que o comunismo só funcionaria se conquistasse antes de tudo a mente das pessoas. Por isso a luta do PT e partidos de esquerda pra acabar com a mentalidade cristã da sociedade.

    Aborto, casamento gay, adoção de crianças por casais gays, eutanásia, e todas essas coisas, não são defendidas porque eles se importam com as pessoas, mas unicamente usam isso como meio pra chegar ao fim deles.

    Bom, sugiro ao pessoal do IMB continuar publicando textos sobre o cara. No campo concreto da coisa, ele é certamente o pensador socialista que mais está destroçando nossa sociedade. Marx é fichinha perto dele, pois é muita teoria e pouca prática. O Italiano é diferente. Pouca teoria, muita prática, e pior, eficaz.



  • Paulo Sergio  27/04/2012 14:05
    'No Brasil, o maior estudioso de Gramsci (no sentido contra revolucionário, claro) era o general Coutinho, falecido em dezembro de 2011.
    Ele tem publicado um livro famoso, denominado A Revolução Gramscista do Ocidente. '

    Esta esgotado?
  • Thyago  27/04/2012 18:43
    Paulo Sérgio, pelo que sei, está esgotado...

    Mas não custa procurar. Se te interessar muito entre em contato comigo, que eu sei quem tem o livro.
  • Beto Iannicelli  25/03/2016 03:54
    "No campo concreto da coisa, ele é certamente o pensador socialista que mais está destroçando nossa sociedade. Marx é fichinha perto dele, pois é muita teoria e pouca prática. O Italiano é diferente. Pouca teoria, muita prática, e pior, eficaz."
    Parabéns pela simples e eficaz síntese!
    Isso resume tudo.
    Parabéns também pela magnífica qualidade do post.
  • Rodrigo Garcês  26/04/2012 15:53
    Mais um texto cheio de erros históricos e de deturpação da realidade. Por isso que vocês fanáticos do livre mercado jamais conseguirão implementar seu utópico "anarco-capitalismo", seja lá o que isso for. Faltou afirmar que Franco derrubou um governo ELEITO DEMOCRATICAMENTE e que recebeu apoio de Hitler e Mussolini para derrubar a República. Qualquer um que tenha recebido ajuda de Hitler, sob qualquer pretexto, merece o mais absoluto desprezo.
  • Luis Almeida  27/04/2012 03:04
    Prezado Rodrigo, o senhor está bem? Essa sua gritaria é completamente desconexa. Poderia o senhor fazer a gentileza de elencar os "erros históricos e de deturpação da realidade"?

    Poderia o senhor também mostrar onde foi que o autor negou que Franco havia dado um golpe? O senhor ao menos sabe ler? Ou apenas ficou deprimido com as verdade do texto?
  • Luis  27/04/2012 11:34
    Nada mais hilário que um esquerdista fazendo uso do "jus sperniandis" depois de levar um bofetão na cara, como é o caso desse texto primoroso.
  • Flávio  21/09/2013 14:24
    Concordo com o Rodrigo. A verdadeira histeria é a dos conservadores, que enxergam qualquer tentativa de reformas e de melhorias sociais como "socialismo". Para isso, não hesitam em romper a legalidade e utilizar a violência para impor suas ideias. Vimos isso na Espanha e também nos EUA durante o mcarthismo. No Brasil temos esse fenômeno com os puxa-sacos dos militares que derrubaram um governo DEMOCRATICAMENTE eleito e implantaram uma ditadura de 21 anos, cujas nefastas consequências sentimos até hoje. Se as vacilantes democracias ocidentais tivessem agido contra Franco (e consequentemente contra Hitler e Mussolini, o seus apoiadores sempre "esquecidos" pelos conservadores) o ímpeto militarista da Alemanha seria refreado e a 2ª guerra mundial nem teria ocorrido.
  • Malthus  21/09/2013 14:55
    "A verdadeira histeria é a dos conservadores, que enxergam qualquer tentativa de reformas e de melhorias sociais como "socialismo"."

    Ao menos no Brasil, esta "histeria" procede. E muito. Aliás, cite uma reforma contra a qual os conservadores protestaram histericamente e que não era uma medida de cunho socialista?

    "Para isso, não hesitam em romper a legalidade e utilizar a violência para impor suas ideias. Vimos isso na Espanha e também nos EUA durante o mcarthismo."

    Qual foi a ilegalidade do macarthismo? Qual foi a violência? Acho que você está apenas repetindo chavões que ouviu falar no ginásio.

    "No Brasil temos esse fenômeno com os puxa-sacos dos militares que derrubaram um governo DEMOCRATICAMENTE eleito e implantaram uma ditadura de 21 anos, cujas nefastas consequências sentimos até hoje."

    Acho uma delícia essas pessoas que dão uma ênfase erótica ao termo "democraticamente eleito". A impressão que se tem é que, se algo é feito pela vontade de 50,01% da população, então ele é perfeitamente válido. Pouco importa se as leis estejam sendo violadas, e se a propriedade está sendo confiscada. O que importa é a vontade democrática. Fico aqui no aguardo de seu protesto contra a remoção de Hitler, que chegou ao poder DEMOCRATICAMENTE.

    "Se as vacilantes democracias ocidentais tivessem agido contra Franco (e consequentemente contra Hitler e Mussolini, o seus apoiadores sempre "esquecidos" pelos conservadores) o ímpeto militarista da Alemanha seria refreado e a 2ª guerra mundial nem teria ocorrido."

    Entrou em contradição. Hitler e Mussolini chegaram democraticamente ao poder. Não faz sentido você pedir que eles fossem apeados do poder pelas "vacilantes democracias ocidentais".
  • Tory  21/09/2013 16:43
    Ah, as delícias da ocupação de espaços... desculpem-me Flávio e Rodrigo Garcês, se é que esses são seus nomes mesmo, mas pra cima de nós não irão se criar. Não adianta criarem mais alguns alter-egos, que a técnica de "ataque em bando" não cola aqui no IMB. Esse falso consenso de vocês é simplesmente infantil e os expõe como crias de figurinhas esquecíveis como o MEC, Paulo Freire e Gramsci.

    Isso posto, estamos aguardando a refutação dos bons argumentos do Malthus e a explicação das melhorias sociais desfrutadas na Coréia do Norte, Venezuela e Cuba. Aliás, vocês não pensam em se mudar para um desses países, não?
  • william  26/04/2012 17:00
    Na verdade, os governos socialistas, na prática, foram "conservadores".

    Homossexuais foram perseguidos, por serem considerados um produto do imperialismo; os deficientes e incapazes foram desprezados (inclusive Marx pregou a eliminação deles), pois eram considerados um estorvo para o "povo". A família tradicional era incentivada, e o Capitalismo era visto como "destruídor" da família e dos valores.

    Esse negócio de Socialismo defensor da igualdade e direitos das minorias e contra família tradicional é balela. Somente um enfeite dos socialismo moderno para esconder as atrocidades cometidas...
  • Jailton  26/04/2012 17:10
    Acho que, no momento que alguém defende o casamento homossexual, por exemplo, argumentando que o estado não deve se interferir nessa escolha, ela está sendo muito mais liberal do que muito conservador por aí que se diz "liberal"...
  • Renato  27/08/2012 19:27
    Em que a situação atual impede que duas pessoas do mesmo sexo tenham um acordo particular? Porque seria "liberal" obrigar a maioria da sociedade a sancionar tal acordo particular, se a maioria das pessoas não concorda com isso?

    Note que não tem sentido um direito a um tipo particular de acordo sancionado pelo estado. O único motivo porque existe um tipo específico de acordo civil chamado casamento, que tem uma legislação específica é que ele reflete um fato extremamente comum da sociedade anterior à existência dessa legislação. Não há motivo algum para supor que tal tipo de legislação, criada especificamente para atender a esse fato social de ambito bastante geral, tenha qualquer aplicabilidade a um tipo especifico de acordo, inventado recentemente.

    Alguém argumentará que a ausência de um "casamento gay" impede a livre transferência de bens em herança entre duplas gays. Errado, a legislação coercitiva do estado é que impede a livre decisão sobre herança de particulares em geral.

    Alguém objetará que a ausência de um "casamento gay" impede a diminuição de custos de planos de saúde de duplas gays. Eu contra-argumentarei que o estado não tem de impor regras a contratos privados.
  • Erika Gouveia  02/10/2018 20:31
    A resposta é acabar com o Estado. Libertarianismo na veia!
  • Angelo Viacava  27/04/2012 05:43
    Democracia, palavra que de tão usada, perdeu o sentido. Querem dizer liberdade, mas dizem democracia. Não é a mesma coisa. Democracia é democracia, liberdade é liberdade. Uma democracia não é, necessariamente, um sistema livre. É tão somente um sistema político onde pessoas são eleitas para representar cidadãos em suas demandas. Pra mim, uma balela, mas é isso. Não se impede pulhas de se elegerem, aliás é quase inevitável que ocorra. Vivemos em uma democracia, mas se eu morar em uma casa tombada pelo patrimônio histórico, este câncer encravado em nosso meio, não posso sequer mudar a cor das paredes de minha casa nem instalar um ar-condicionado sem pedir a bênção do burocrata. O que seria liberdade, porém não tenho. Sou dono mas não domino, então não sou dono. Sou um caseiro a serviço do governo, que decidiu por seus burocratas bem remunerados, que minha casa não pode ser derrubada, vendida, reformada, qualquer coisa. Democracia é democracia, liberdade é liberdade.
  • anônimo  29/04/2012 16:03
    Artigo formidável! Outros libertários como Mises e Rand já haviam alertado em inúmeros artigos o avanço do Socialismo em diversos campos mesmo não tendo uma luta armada. Os EUA é o maior exemplo e Rand havia comentado entre o final da década de 50 e começo da década de 60 o impreesionante avanço do Socialismo nos EUA.

    Na primeira parte do filme "J.Edgar" mostra muito bem o começo do avanço socialista nos EUA, inclusive, com diversos atos terroristas.

    Tem um livro que descreve também o avanço do Socialismo nos EUA e chama-se: "Fascismo de Esquerda", o autor é: Jonah Goldberg e a editora é a Record.
  • marag  01/05/2012 18:20
    Por onde começar uma batalha, uma luta, citada no primoroso texto sendo que diversas das trincheiras teriam de ser abertas dentro do aparato estatal, legislativo, educacional e cultural, hoje, boa parte nas mãos de esquerdistas, progressistas e "agregados"? Seria necessário "sujar as mãos" fazendo dos meios que o inimigo nos oferta: eleições, democracia, representação politica, tirania, etc ? Se sim, lutaríamos então nos termos deles!
  • Adao J.Sabara  04/05/2012 10:08
    Esse artigo é demais, quanta lucidez. Infelizmente ja fiz campanha para este maldito partido chamado PT. Graças ao bom Deus, acabei saindo desse transe mental e psicótico. Mas hoje quando falo das desgraças dessa esquerda todos ficam me olhando como se fosse um lunático. Ninguém entende mais nada neste país, até os comentáristas, professores são de uma imaturidade pueril. É de doer os ouvidos, chega a dar vontade de vomitar. Jurei para eu mesmo nunca mais voto nesta cambada
  • Gustavo  20/05/2012 11:35
    Realmente muito bom artigo, porém percebo em alguns liberais o erro que Rothbard descreve: "A batalha iminente é muito mais ampla e profunda do que apenas discutir alíquotas de impostos. " Temos que lutar culturalmente também contra esse esquerdistas.
  • Marcone Evaristo A. Paim  05/07/2012 21:51
    O novo Príncipe, o PT, já deixou bem claro que não está disposto a ceder o poder.

    Para esse novo Príncipe e seu numeroso séquito é necessário se infiltrar em todos os setores da sociedade com o objetivo de solidificar a revolução gramsciniana, a qual é cultural, para substituir o pensamento conservador por outro que atenda aos objetivos revolucionários.

    Quando essa substituição estiver amplamente avançada, observar-se-á o completo amálgama entre os interesses do Príncipe e os interesses da sociedade; entre os interesses do partido e os interesses do governo.

    Nesse momento, que no meu entender, não está distante, o processo vai se tornar dificílimo de ser revertido. Dor, caos e lágrimas é o que virá.

  • Pedro  14/08/2012 15:14
    Apenas cuidado para não tornar a Marcha Rumo ao Libertarianismo mais uma Utopia, e tratar os "comunas" da mesma forma como eles tratam os "reaças". Seria apenas uma repetição da mesma coisa, só mudando a Opinião. Todos achamos que a pílula vermelha é a que nós mesmos tomamos.
  • Danielbg  19/09/2013 21:49
    Esse artigo deveria ser espalhado por todos os cantos do Brasil. Deveria ser lido, relido e decorado por todos os indivíduos. Deveria ser colado em nossas paredes, fixado em nossas portas e em nosso trabalho. Deveria ser lecionado em nossas escolas e ensinado aos nossos filhos, de geração em geração. Deveria despertar o mais inerte e evocar a reação que de nós é esperada.
  • Roger  24/09/2013 07:52
    Na minha opinião, o Brasil, e o mundo, ainda vão ter que passar por mais uma fase de socialismo, que, obviamente, será fracassada, antes de dar outra chance ao capitalismo. A história sempre evolui em ciclos. Às vezes pode parecer que estamos involuindo, que é o que ocorre hoje, mas creio que estejamos em uma descendente deste ciclo evolutivo, que trará muita miséria e desgraça, o que é inevitável quando se implanta o socialismo. Mas no próximo ciclo ascendente as pessoas serão mais conscientes da idiotice que é o socialismo, e irão moldar o capitalismo de maneira a não permitir as ingerências do mutualismo entre Estado e corporações que vemos hoje, e que são atribuídas ao cerne do capitalismo.

    Veja o que nos aguarda com os possíveis novos presidentes do PT, que, no mínimo, demonstram a agenda real do partido e seus afiliados. Sinto dizer, mas o Rui Falcão é o mais "reacionário" deles:

    www.youtube.com/watch?v=az466OqcTfo

    O Brasil ruma ao socialismo, e é o que o povo parece querer. Não só aqui, mas no mundo todo, o wallfare-state está ganhando o jogo. O NYT já até considera o Lula como um colunista, pra mim isso descredibiliza qualquer outra notícia que ele possa divulgar, no entanto, ainda é o mais influente nos EUA. O mundo todo precisa de uma reestruturação seríssima. Se eu tivesse chance, sairia desse país enquanto há tempo e me mudaria para algum país onde a onda vermelha ainda vai demorar a chegar.
  • charles  24/09/2013 15:19
    que País que está livre da ameaça social democrata? nem o Chile está... já vi na page do PT no facebook eles dando palestras sobre a ditadura no chile... realmente não engoliram até hoje o pinochet... só se você for para a Europa...rsrs
  • Roger  24/09/2013 16:26
    Europa é o berço do comunismo, sua crise atual é gerada pela utilização desenfreada do wellfare-state e do mutualismo entre Estado e corporações. Eu iria para o Canadá, Nova Zelândia ou Austrália. O Chile, apesar de estar em melhor posição entre nós da América Latina, está bem no olho do furacão.

    Eles não engoliram o Pinochet, assim como nunca vão engolir nada nem ninguém que alguma vez na vida já entrou em conflito com os ideais de instauração de um regime comunista em qualquer lugar do mundo.

    Realmente as opções estão cada vez mais escassas. A maré vermelha vem aí. O negócio é se esconder em terra alta.
  • anônimo  25/09/2013 19:28
    Seasteading! Vamos criar nosso próprio país!
  • Emerson Luis, um Psicologo  25/09/2013 18:41
    Com respeito ao conhecimento e à tecnologia, eu sou "progressista"

    Com respeito a valores elevados e princípios universais e contra ideias e comportamentos corrompidos, eu sou "conservador" e "reacionário" sim.

    * * *
  • Mauricio.  01/10/2013 02:42
    Não tive a oportunidade de verificar a veracidade da redação e nem a nota que o professor atribuiu, mas fiquei feliz de saber querem um grupo destes na UFSC.

    ufscon.wordpress.com/2013/09/29/aluno-se-nega-a-fazer-trabalho-sobre-marx-e-escreve-uma-carta-manifesto-ao-professor/
  • Geraldo  28/09/2018 20:25
    Conhecendo os professores de hoje em dia, esse rapaz deve ter levado um 0 bem redondo...
  • Eduardo R., Rio  30/10/2014 02:49
    "Intelectuais inorganicos", por Gastão Reis Rodrigues Pereira.
  • Marcelo  13/05/2016 14:25
    Exemplo perfeito da histeria progressista relatada neste artigo:

    Artistas e produtores reagem ao fim do Ministério da Cultura

    oglobo.globo.com/cultura/artistas-produtores-reagem-ao-fim-do-minc-19295905#ixzz48VDnzcGT
  • Márcia Alves  13/05/2016 16:58
    Os esquerdistas em geral nem sabem o que estão fazendo, com suas histerias são utilizados e depois serão jogados em uma sociedade que é mais opressora que qualquer capitalismo selvagem. Veja como os esquerdistas matavam sem compaixão até membros de seus partidos que ousassem ter opinião própria. Se entregam, combatem entre si, derrubam pessoas que no passado foram amigos para que uma pequena casta desfrute os benefícios.
  • Emmanuel  13/05/2016 23:24
    Essa eliminação do Ministério da Cultura foi a melhor notícia dos últimos tempos. E a reação histérica da putada a tal feito diz volumes sobre o quão acertada ela foi.
  • Pobre Paulista  14/05/2016 00:09
    Não foi de todo eliminado, foi apenas reincorporado ao MEC (o "C" é de "Cultura"). Mas pelo menos vai acabar com a farra atual. Agora vai ser uma farra comedida.
  • Humberto  13/05/2016 14:29
    Excelente artigo.
  • Renato  13/05/2016 16:21
    Reclamam do estado e não batem naqueles que mantém o estado: A CLASSE POLÍTICA.

    Se queremos ficar livres dessa corja temos que aos poucos alertar a todos sobre como é danoso para o bolso das pessoas e para os cofres do país a existência dessa classe parasitária chamada político.

    Em artigos anteriores eu percebi o aumento dos interessados que gostaram da minha ideia de criar um grupo para essa finalidade: A ELIMINAÇÃO DOS POLÍTICOS COMO CLASSE.

    Eu já expus aqui um principio de como iniciaríamos essa empreitada:

    Criaríamos um empreendimento para a função de alerta aos empreendedores. Sejam eles pequenos, médios ou grandes empreendedores.

    Um grupo poderia ser criado, mostrando o nosso cartão de visita, para fazer o trabalho de divulgação entre os empresários. Assim que contratados, de comum acordo com os mesmos (troca voluntária), estabeleceríamos um preço razoável para começar a imprimir cartilhas explicando as pessoas, dentro do estabelecimento do contratante, se assim esse desejar, mais principalmente nas ruas.

    Poderíamos também criar grupos de associados para que cada vez mais a mensagem de anti-políticos ganhasse mais força através de palestras e encontros.

    Mostraríamos aos poucos para as pessoas que pagar impostos é uma falácia. Só serve para sustentar a classe política...e também mostraríamos a existência de moedas digitais, como o bitcoin, por exemplo, para o empresário e para as pessoas comuns.

    Aos poucos vamos tirar essa mentalidade estatal da cabeça das pessoas.

    Como eu sou da CIDADE do Rio de Janeiro, ficaria melhor que pessoas daqui entrassem em contato comigo.

    Trabalharíamos como se fossemos "fantasmas". O investimento seria feito diretamente com empresários que assim solicitasse nosso serviço.

    É claro que esse grupo crescendo vamos criar e ter contato com pessoas de outros estados e até mesmo em nações estrangeiras.

    Para os interessados meu email NOVO é galenoeu@gmail.com
  • Sin City  13/05/2016 20:11
    Bacana.
  • Gustavo  13/05/2016 16:56
    Minha maior vergonha é ter participado desses movimentos esquerdistas quando adolescente ingênuo ...
  • Andre  13/05/2016 17:31
    Também participei dessas porcarias, protestos, ocupações e greves, mas é muito bom pra pegar mulher dessa laia, elas adoram um barbudo metido a revolucionário tocando violão.
    De resto é pura vergonha.
  • anônimo  14/05/2016 01:10
    Meu passado também me condena! Apesar de sempre ter sido antipetista, fui uma feminista antiamericana fã dessas personalidades vermelhinhas que votou durante 4 eleições em partidos de extrema-esquerda. Tinha ojeriza a ser chamada de "conservadora" e "da direita" e a conhecer gente assim. Na verdade, nem eu mesma entendia a minha posição política dessa época, era só para conseguir ter amigos, sei lá...
  • Geraldo  29/09/2018 17:09
    Quando adolescente eu também tinha simpatia pela agenda da esquerda, assim como muitos dos que hoje frequentam este site também tinham. Entre outras coisas, achava que privatização era dilapidação do patrimônio nacional e que as causas do MST e do MTST eram legítimas (embora não concordasse com seus métodos). Cheguei a apoiar gente do PT, embora já não gostasse do Lula, e Ciro Gomes. Hoje, graças a Deus, sei que da esquerda não vem nada de bom.
  • Pessimista  13/05/2016 18:02
    A queda da Dilma será um desastre para a direita e um alívio para a esquerda.

    Primeiro que transformaram a Dilma em vítima, e toda sua gestão desastrosa será amenizada na memória das pessoas.

    Segundo que logo o oba oba do afastamento da Dilma acabe, as pessoas quebrarão a cara quando vê que o governo Temer será tão ruim quanto o governo Dilma.

    Terceiro, em 2018 o pt voltará fortalecido, e quem prostetou em 2016 entenderá o obvio, era melhor ter deixado a Dilma sangrando do que ter tirado ela.
  • Ragnister  13/05/2016 18:42
    A Dilma provavelmente ficará inelegível por 8 anos, o Lula provavelmente vai ser preso e ficar inelegível também. O cenário mais provável é que banimos o PT por um bom período, mas de qualquer forma, o gramscismo transcende o PT, e a maioria dos partidos brasileiros tem viés esquerdista... Quem saíra fortalecido ninguém sabe
  • Ze  13/05/2016 18:53
    Que conversinha mais trouxa (além de ser um clichê de facebook).


    "transformaram a Dilma em vítima"

    Quem "transformou"? A Carta Capital e a Folha? Ora, só se vê ela própria colocar-se como "vítima" (e a canalhada que a defende, uma minoria).


    "as pessoas quebrarão a cara quando vê que o governo Temer será tão ruim quanto o governo Dilma"

    Em primeiro lugar, isso é papo de jogador de búzios. Em segundo lugar, não se deixa de sancionar crime de responsabilidade por eventual fracasso do governo do substituto do presidente que cometeu crime de responsabilidade. Isso é papo de gente de miolo mole.


    "era melhor ter deixado a Dilma sangrando do que ter tirado ela"

    Comentário clichê e tosco. Não se trata de ser "melhor" ou "pior" - para fins de evitar suposta "nova tomada do poder pelo PT" - deixar no poder um presidente que cometeu crime de responsabilidade; presidente que comete crime deve responder por isso, como qualquer cidadão. Ponto.
  • Amo-PT  15/05/2016 01:10
    Ze, argumentos consistentes e sólidos no contraditório das idéias são fundamentais. Muitas vezes, pela deficiência educacional, falta de tempo para ler livros edificantes, pouco acesso à cultura geral, apresentamos conceitos rasos, poder de objeção bastante superficial, etc... Vejo que você tem grande boa vontade e resolvi ajudá-lo. Vou indicar alguns textos que vão ajudar você a melhorar na sua visão teórica e prática de mundo. O importante é que você parece ser uma pessoa muito esforçada. Isto já um primeiro passo. Não desanime jamais!
  • Anonimo Consistente e sem Superficialidades  16/05/2016 16:11
    Zé, você é um PT puro sangue. Suas considerações são fundamentais para entender a cabeça dos alienados que ainda defendem o PT. Como pode? Por que algumas pessoas perderam o senso crítico? É por que vc tem alguma boquinha no PT? Ou vc é funcionário comissionado do PT? Por favor, nos fale qual a sua ligação com este partido. Deixe claro as suas ligações.
  • Zé, um alienado  16/05/2016 17:37
    Movimentos sociais fazem resistência ao golpe. É uma estrutura financiada pelo PT. Agora é importante vc abrir o jogo sobre como é a estrutura do seu partido, o PT. O que você recebe deles e quanto, para defende-los. Como foi comentado, Zé você é um petista puro sangue. Defende impunemente um partido que foi nefasto para o Brasil e que quer implantar uma ditadura A La Cuba. Zé, sabemos que existem alienados no mundo. Sabemos que são como cegos, surdos e mudos, sem senso crítico algum. Por favor, procure aprimorar-se!!!
  • Andre Cavalcante  13/05/2016 19:07
    Oi

    Sabes eu também acho que seria melhor, do ponto de vista político ter deixado a Dilma e o Lula sangrando até o fim do mandato.

    Mas, do ponto de vista econômico, alguma coisa deveria ser desfeita desde logo pra termos uma crise não tão profunda.

    A propósito, o déficit anunciado pelo governo anterior era contra uma estimativa de receita que foi superdimensionada em 180 bilhões. Imagina o rombo de verdade que temos...



  • Mr. M  28/09/2018 17:10
    Ora, tivemos um profeta aqui...
    Se não houvesse o impeachment, talvez não houvesse Haddad... Mas talvez existisse Lula?
  • marcela  13/05/2016 23:42
    No começo eu achava esse tipo de texto pura"teoria da conspiração" e considerava partidos como PT e PC do B inofensivos como quaisquer outros partidos.Porém de uns tempos para cá, por meio do google e youtube,tive acesso a diversas informações sobre o marxismo cultural,e passei a levar a coisa a sério.Mudei completamente a forma de ver os movimentos feministas,LGBT,ambientalistas,negros etc.Pelo que eu entendi o objetivo é atacar o tripé que sustenta a sociedade capitalista:a cultura judaico-cristã,a família e o patriotismo.Quando a família,o patriotismo e a cultura e religião judaico-cristã estiverem destroçadas,o ambiente estará propício para a revolução socialista global.O golpe final será fazer o capitalismo colapsar no mundo mediante o populismo.Aliás,os socialistas fabianos já estão colocando em prática essa tática,já que o déficit nos EUA é de um trilhão de dólares,muito embora seja notório que lá tem muitas pessoas recebendo indevidamente benefícios do governo.Tempos sombrios nos esperam...
  • É isso  14/05/2016 01:32
    Não existe modelo capitalista para seguir, se quiserem terão que desenvolverem, mas o caminho para o capitalismo é árduo, pois você vive em um país de religiosos (qualquer tipo de religiosidade é socialista), estatistas, paternalistas, escravos da ideia do "Estado de Bem Estar Social", intervencionistas econômicos, o povo apoia, igualitarismo é uma ideia que vem da religiosidade, e passou para tudo. A forma mais antiga na terra de socialismo é a religião; você ainda tem o problema do gigantismo do estado, engenharia social. Se tirarem o socialismo é a religiosidade, e boa parte do restante citados acima, você cria uma forma de progresso humanos em todos os níveis, a humanidade avança significativamente o que não avançou nos últimos 3.500 anos.
  • Juan Domingues  14/05/2016 18:47
    Acabar com a religiosidade não necessariamente acabará com o coletivismo ou a noção de Estado. Na verdade, praticamente todos os partidos e líderes socialistas/comunistas clássicos eram ateus. A frase "a religião é o ópio do povo" foi usada inclusive pelo próprio Karl Marx, a prova viva (ou melhor, morta) de que ser "contra a religião" não garante racionalidade com relação a outros tópicos. Até hoje inclusive, parte significativa dos ateus estão alinhados à esquerda, condenam a religiosidade, mas adoram um Estado gigantesco e intromissor. Ateus libertários parecem ser minoria infelizmente.
  • Wesley  15/05/2016 00:19
    O ateísmo militante (guerra as religiões), ironicamente, causou mais danos, mais socialismo, mais coletivismo e mais mortes do que as religiões em muito menos tempo.

    Ainda hoje a maioria dos ateus estão alinhados com o progressismo, com a esquerda e com o socialismo do que religiosos.

    www.washingtonexaminer.com/majority-of-atheists-are-liberal/article/2510230

    O pessoal não aprende com o passado super recente.
  • Erika Gouveia  02/10/2018 20:40
    Aff, eu sou uma atéia libertária.
  • Claudio De Carvalho  14/05/2016 08:21
    Eu tambem concordo que se o atual governo ficasse até o final com certeza ficaríamos livre definitivamente desse câncer chamado PT, mas é um preço alto a se pagar pela irresponsabilidade absoluta desses senhores. Nem este governo nem qualquer outro irá arrumar a casa a curto prazo mas a arrumação tem que começar, finalizando espero que o povo não esqueça quem provocou tudo isto, o discurso da esquerda é terrível, com certeza vao tentar passar toda culpa desse desmanche do estado para o governo atual.
  • Amo-PT  14/05/2016 12:54
    Os golpistas de plantão além de querer derrubar um governo eleito por mais de 54 milhões de votos, agora querem acabar com o projeto de redução da desigualdade. Um conluio entre mídia golpista, Fiesp, deputados e elite branca querem exterminar com um partido que sempre pensou nos mais pobres. Lançam massivamente que o Brasil está em crise. Divulgam massivamente que houve corrupção no governo do PT quando todos os diretores da Petrobrás foram lá colocados pelo PSDB. Este golpe começou a ser gestado no ínicio do mandato do Presidente Lula. Sabedores do sucesso do governo do PT, a direita articulou uma ampla mobilização para acabar com o projeto do PT. Vislumbraram que depois do PT, nemhum partido conseguiria retornar ao poder. Dessa forma, mobilizaram mídia, banqueiros, empresários, deputados, senadores, elite branca na arquitetação do golpe. Esta é a verdade. Mais devem saber que Fascistas não passarão. Golpistas não passarão.
  • pilates-vila-romana  14/05/2016 13:03
    O estado deve ser totalmente aparelhado por intelectuais partidários e simpatizantes, de modo a garantir a continuidade da longa marcha gramsciana da conquista das instituições culturais e sociais do país. Está foi uma estratégia utilizada nos últimos anos no Brasil. Ainda bem que o projeto deu errado e os pertencentes à esta seita foram colocados fora do poder.
  • Tarantino  15/05/2016 23:38
    Exatamente como descrito no texto:

    www.geledes.org.br/em-brasilia-movimentos-sociais-fazem-resistencia-ao-golpe/
  • pilates-lapa  17/05/2016 20:53
    Acredito que tenha chegado a hora da esquerda fazer uma profunda reflexão. Por que em todos os países do mundo onde foram implantadas as suas políticas, são países em situação pré-falimentar? São vários exemplos: Cuba, Venezuela, Equador, etc... Chegou a hora da esquerda acordar do sonho e viver a realidade.
  • Marcos  20/05/2016 22:10
    A coisa mais acertada deste artigo para minha formação foi a confirmação do que já vinha pensando: de que o marxismo/comunismo/socialismo/progressismo e todos os filhotes e derivados possíveis não passam de religião....
    O grande trunfo destes caras foi vender isso como ciência.
    Não que religião seja ruim, mas tratar esses "ismos" como eles realmente são, como religião levaria o debate para outra arena, desmacararia totalmente o seu caráter normativo e, no caso, impositor.
    É que, em se tratando de religião, eles estariam entre as piores, no mesmo time do credos dogmáticos que se arvoram no direito de impor, com o uso da força, suas posições sobre os outros. Não atoa se identificam com o islamismo.
  • Real-mente  07/05/2017 21:14
    É até injusto pedir esclarecimentos a um autor já morto, mas me impressiona a afirmação final:

    "Que a reação ocorra, que os "direitos" sejam retrocedidos, que esta gente recue, entre em órbita e finalmente perceba que, na realidade, sua religião é maléfica".

    Por que os direitos devem ser retrocedidos, por que incomoda tanto que os direitos sejam pra todos?
    Isso nos leva a pensar quanto a contradição com o próprio texto quando o autor diz "A esquerda progressista não se importa muito com — na verdade, ela até gosta de — pequenos revezamentos de poder".

    O autor ao dizer que os direitos devem ser retrocedidos, também afirma que a direita (assim como a esquerda) não aceita os "pequenos revezamentos de poder".
    Lamentável...
  • Lamentavel-mente  07/05/2017 23:23
    E você ignorou as aspas por quê?

    Não são direitos, mas sim "direitos". Os "direitos" que os progressistas defendem nada mais são do que privilégios concedidos a alguns e custeados forçadamente por outros.

    "Direitos", no linguajar progressista, nada mais são do que deveres impingidos aos pagadores de impostos

    Há aquelas "minorias" que têm direito a tudo, principalmente ao bolso dos outros cidadãos, os quais, justamente por não estarem no grupo oficial das vítimas, estão consequentemente no grupo dos criminosos, e são os "vitimadores oficiais".

    Tem gente que acha que pelo fato de ser homossexual, ou negro, ou pobre, ou transexual já lhe automaticamente garante privilégios, os quais devem ser compulsoriamente bancados por terceiros.

    Apresente um argumento ético e moral em favor deste roubo, por favor.

    Lamentável, isso sim, é o seu analfabetismo funcional. Além, é claro, de sua calúnia.

    O vazio da expressão "direitos humanos"

    É economicamente impossível fazer com que os "direitos sociais" sejam mantidos para sempre

  • junior  15/03/2018 11:15
    pra quem saber mais
    www.youtube.com/watch?v=H4FTBG3yFgs
  • Salomão Cunha  28/09/2018 15:37
    Excelente texto. Avante na dissipação desta praga política do nosso Brasil.
  • Lucas Rodrigues  28/09/2018 18:31
    Foi publicado em 1992, mas é tão atual! Excelente Artigo, não perco um!
  • Denis Camurça  28/09/2018 21:20
    Excelente artigo. Leitura indispensável pra compreender a política atual.

    Sempre achei que o conservadorismo inglês apenas conservava o status atual da revoluação gramsciana. Prefiro o rótulo "reacionário" a "conservador"; prefiro o puritanismo ao conservadorismo inglês.
  • Henrique  29/09/2018 14:51
    Não mexam no meu décimo terceiro, por favor.
  • Pérsio   30/09/2018 09:35
    Excelente artigo! Agora ficou mais fácil entender a gritaria dos "movimentos sociais" e das ditas "minorias". Por exemplo, o LGTBS vive dizendo que o maior problema do Brasil é a homofobia. Talvez eles tenham se esquecido da segurança, da educação, da saúde, da previdência social, da corrupção, do déficit público, da reforma política. Cada minoria defende os SEUS próprios interesses e quer mais "direitos" - pagos pelos outros. Este artigo devia ser impresso e distribuído nas escolas de todo o Brasil.
  • thiago  01/10/2018 11:36
  • Funça Capitalista  30/09/2018 17:29
    Boa tarde a todos!

    Assunto fora do tópico. Se alguém puder me responder, eu agradeço.

    Eu vejo muita gente comentando que se um esquerdista for eleito (ex: Ciro, Hadad...), o dolar irá às alturas. Gostaria de entender como uma coisa pode afetar a outra. Na verdade eu não entendo muito bem o mecanismo de valor do dolar. O que define que ele seja 4, 5, 6 reais... Se alguém puder me explicar, gostaria de saber como é este mecanismo.
  • Lucas  30/09/2018 19:21
    Artigo inteiro sobre isso:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2901
  • Dalton Catunda Rocha  01/10/2018 20:01
    Escola pública nunca prestou, nem prestará, no Brasil. Se algum governador ou prefeito deste país quiser mesmo, melhorar a educação, no seu estado ou município; então que faça isto:
    1- Privatize todas as escolas públicas.
    2- Dê o direito aos pais de escolherem em qual escola particular, eles querem matricular seus filhos, por meio de bolsas de estudo.
    O resto é só demagogia eleitoreira. Você acha que as escolas públicas funcionam gratuitamente? Enquanto nas escolas particulares, cerca de 70% dos funcionários são professores, nas escolas públicas esta percentagem não passa nem de 40%. O resto é burocracia; corrupta, incompetente e lenta. Sai mais barato e melhor, se usar dinheiro público, para pagar uma mensalidade numa escola particular, que jogar dinheiro fora em escolas ditas "públicas", mas de fato da CUT, da corrupção e da incompetência.
    Não concordas? Lembra do tempo (governo Sarney) em que telefonia era monopólio estatal no Brasil? Então,menos de 30% dos brasileiros tinham telefone fixo e um telefone fixo custava o preço de um carro usado, em bom estado. Hoje, 100% da telefonia do Brasil é particular. Graças a este fato, uma linha ou um chip de telefone celular custa o preço de uma boa pizza grande e, até um gari pode ter um telefone celular no bolso.

    Somente a privatização plena de todo o ensino básico e médio, junto com a privatização da esmagadora maioria do ensino superior, poderá nos dar a esperança de um futuro melhor, para o Brasil.

    Em resumo. Com escolas sob o controle de marxistas, estaremos fadados a vivermos num país pobre, falido, corrupto e endividado.

    Tornar um país pobre, num país rico é raridade, mas a Coréia do Sul conseguiu tal feito, graças aos governos de dois generais de 1961 a 1988. Peço a você, que veja a palestra que começa aos seis minutos e vários segundos do site www.youtube.com/watch?v=axuxt2Dwe0A

  • Mr. Richards  02/10/2018 02:13
    Eu não sei se minha pergunta foi postada, por isso a farei novamente.

    Leandro e cia, digamos que um governante queria usar reservas internacionais para acumular ouro, ele poderia fazer isso sem violar a lei de responsabilidade fiscal? Ou seja, ele poderia vender parte das reservas internacionais e comprar ouro para estocar no BC?
    Ou ainda, ele poderia vender essas reservas internacionais e colocar esse dinheiro no fundo soberano sem violar a lei de responsabilidade fiscal?
    Se violam, quais as as consequências dessa tomada de decisões?

    Por que motivo o método PPC é o mais acurado para definir o volume representado nas transações?
  • Contador  02/10/2018 02:22
  • Dut  04/10/2018 19:11
    Pessoal, achei o texto realmente sensacional e bem esclarecedor. Tenho algumas reflexões, entretanto:

    "credenciados membros de todos os tipos de grupos vitimológicos, aquela gente que se diz perseguida e que vive lutando por "direitos iguais" — sendo que o 'iguais' significa na verdade 'superiores'. Estes grupos são formados por negros, mulheres, gays, lésbicas, trans, índios etc."
    no trexo acima, senti falta dos (deficientes), o que supus estar implícito no "etc". Eu sou deficiente visual total (cego mesmo) e sou um beneficiado direto das políticas públicas da social democracia. Gosto de muitos projetos, mas outros creio serem desnecessários. Um cego, por exemplo, não necessita exatamente de ter um passe livre para andar de ônibus. pessoalmente acho que isso serve menos para ajudar do que para expor um grande preconceito, mostrando o quão incapazes somos.
    por outro lado, sei que o preconceito existe e muitas coisas não teríamos possibilidade de fazer, visto que muitos de vocês que não possuem deficiência pensam que não servimos para muita coisa. ou melhor, na verdade nem pensam sobre isso, já que não têm um contato direto com deficientes.
    o que tem nos ajudado muito (falo especificamente dos cegos) são as tecnologias assistivas, das quais utilizo para escrever este texto. hoje em dia muitas pessoas se disponibilizam para me ajudar, o que é ótimo, porém as vezes não necessito de determinada ajuda e as pessoas ficam chateadas quando agradeço mas digo que não preciso de auxílio... vejo assim que o politicamente correto está a cada dia mais em alta e concordo quando diz: "sendo que o 'iguais' significa na verdade 'superiores", principalmente se tratando de gays, que nem mais dizer algo contra é permitido.
    estou escrevendo isso porque fico um pouco preocupado, sem saber exatamente como funcionaria a sociedade sem um pouco de "igualdade" (no sentido humanidade)? Isto é, sou contra muitas coisas de hoje, concordo muito com esse artigo! mas o que gostaria de entender é como exatamente eu me encaixaria nesse mundo?
    sei das minhas capacidades, sei que posso ser produtivo, mas nem todo mundo sabe ou acredita nisso. chegando numa empresa qualquer, o dono olhando para mim e para você, sendo que temos hipoteticamente a mesma formação, quem ele escolheria? escolheria você, provavelmente. outro dia numa empresa uma avaliadora me perguntou o que eu achava do sistema de cotas para deficientes e negros, abordando a justiça social. depois que respondi que eu não concordava com as cotas, porque eu preferiria ser contratado pelas minhas capacidades, apesar de entender que talvez para uma conscientização fosse um mal necessário, ela não gostou muito e no final não fui contratado (acho que foi porque eu seria colocado exatamente em uma vaga de cota).
    em fim, o ponto é que apesar de não gostar de toda essa revolução moral, não concordo mesmo, e não gostar de todo esse assistencialismo (acho que deve ser para o realmente necessário), porque caso contrário, como ficaríamos nesse ambiente que muitas vezes não somos vistos?
    aí que entra a parte "vitimização", embora eu não queira estar dentro disso, acredito que já entenderam? não estou me vitimando. o fato é que precisamos sim de alguma forma de suporte para que possamos ser impulsionados para a direção correta. então o meu questionamento:
    o que o liberalismo tem como solução para que tenhamos uma sociedade livre, mas que todos tenham essa condição de liberdade?

    alguém tem algo para que eu possa me informar, como livro ou algo assim?
    porque eu compreendi muito bem o que o artigo quis trazer e concordo, mas não posso deixar de reconhecer que sou alvo de muitos dos projetos sociais, dos quais acho alguns desnecessários, ao passo que outros foram muito importantes para a formação que tenho.

    por que podemos ser livres mas solidários, não podemos?
    podemos ser diferentes mas ajudar o outro na diferença que o prejudica, não podemos?
    podemos ser individuais mas não egoístas, progredir mas manter os bons princípios morais, não podemos?
    podemos não ser esmagados em uma lata até que nos tornemos uma mesma massa vermelha, mas estarmos juntos se quisermos, não podemos?

    abraços e agradeço a atenção e quem puder esclarecer minhas dúvidas.
























Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.