sexta-feira, 7 out 2016
Podcast 239 – Ação empresarial e investimento na perspectiva da Escola Austríaca (Ubiratan Iorio)

selo01.jpg


Mais uma excelente notícia para os estudiosos e interessados na Escola Austríaca: o Instituto Mises Brasil fechou uma parceria com o Ibmec do Rio de Janeiro para realizar a partir de novembro o curso de extensão Ação empresarial e investimento na perspectiva da Escola Austríaca de Economia.

 

Nesta entrevista ao Podcast do Instituto Mises Brasil, o professor Ubiratan Jorge Iorio, diretor acadêmico do IMB, revela qual será o conteúdo do curso, quem serão os professores e qual é a singularidade da EA na abordagem dos temas ação empresarial e investimento. O professor Ubiratan também explica o que representa essa conquista para o IMB e para os estudos da Escola Austríaca no Brasil, além de falar sobre a pós-graduação em parceria com a Unítalo e que abrirá uma nova turma em 2017.

 

***

 

A música da vinheta de abertura é o tema da série Sherlock (BBC) executada pelo guitarrista ? Eric Calderone.

 

***

 

Todos os Podcasts podem ser baixados e ouvidos pelo site, pela iTunes Store e pelo YouTube.

 

E se você gostou deste e/ou dos podcasts anteriores, visite o nosso espaço na  iTunes Store, faça a avaliação e deixe um comentário.





  • mauricio barbosa  06/11/2014 13:52
    Está difícil o dialogo com os bolsistas é preciso uma paciência de Jó para explicar a eles o perigo que ronda nossa terra...
  • Marcos  06/11/2014 14:36
    "Durante os 28 anos da existência do muro, 80 pessoas perderam suas vidas tentando chegar ao lado ocidental do muro.  E mais de 100 outras morreram tentando escapar através de pontos da altamente bem vigiada fronteira da Alemanha Oriental."

    E quantos morreram tentando atravessar o muro indo da Berlim capitalista para a Berlim comunista? Pois é.
  • Diego  06/11/2014 19:31
    Zero, Nenhum, Nada, Nadica, 0.
  • Típico Filósofo  07/11/2014 00:09
    Ainda hoje, o Muro de Berlim remanesce a mim como um fantasma doloroso: uma sagrada medida emergencial da liderança socialista para defender seu povo contra o capitalismo, que permanecia com suas hordas coloridas de bens e serviços acessíveis a espreitar do outro lado da muralha, munido de tanques de pasta de dente, fuzis de papel higiênico e artilharia de rock n'roll; todas futilidades desnecessárias que quase não existiam entre os proletários honestos e bons da Alemanha Oriental.

    Os bárbaros, porém, venceram. Perderam os artistas de todo mundo, os catedráticos de departamentos das humanidades, perdeu a classe política socialista e justa de todo mundo e principalmente, perderam-se as crianças de Berlim Ocidental: não mais escutarão de seus mestres lendas e fábulas sobre o paraíso socialista por trás de sua muralha defensiva e carregarão o fardo de formar-se com apenas uma abstração do que teria sido o grandioso experimento estatal, apenas sonhando cada dia em recriá-lo sem ao menos poder vê-lo e tocá-lo.

    Torçamos para que mais portões sejam erguidos, mesmo que marítimos.
  • Robert Moog  07/11/2014 11:21
    Realmente pasta de dente e papel higiênico são futilidades capitalistas.... Comunista gosta de ficar com dente podre e cú cagado....
  • Ricardo  07/11/2014 12:14
    É verdade. Quantos tentaram pular do lado ocidental para o lado oriental pois deviam estar sendo mau tratados pelos capitalista.

    Vejam só hoje, a maravilhosa ilha de Cuba. É outro exemplo de uma barreira invisível existente naquele país. Se não fosse a elite branca opressora, milhares de americanos estariam indo morar em Cuba.
  • Felipe  06/11/2014 15:07
    Ora, os políticos comunista estavam apenas impedindo que suas ovelhinhas fugissem.

    Nada mais justo construir um muro e bota uns lobos para vigiar.
  • Fabio Barbieri  06/11/2014 15:21
    Para seus idealizadores, era conhecido como "muro de contenção antifascista" !! :-)
  • anônimo  06/11/2014 15:35
    offtopic:
    Alguém conhece uns artigos por aqui que expliquem como os EUA criaram os próprios terroristas que eles combatem hoje?
    Obrigado
  • Silvio  07/11/2014 13:38
    Artigo em específico eu não conheço, mas em uma busca na Amazon achei esse livro:

    Blowback: The Costs and Consequences of American Empire (American Empire Project)
    www.amazon.com/Blowback-Consequences-American-Empire-Project/dp/0805075593
  • mauricio barbosa  06/11/2014 17:40
    Hoje conversei com um petista sensato e me deu pena,argumentos vazios e românticos,ele me disse que ficou admirado com meia dúzia de cubanos aplaudindo Fidel Castro em um evento no memorial da América Latina nos anos 90 coisa que rebati veementemente dizendo que tudo não passou de um circo tratava-se de paus mandados para enganar trouxas,enfim que ele fosse morar em Cuba para conhecer a realidade do cidadão comum para só ai ele ter uma opinião formada do caos que é viver na opressão de um estado falido para o povo e faustoso para a elite do partido comunista cubano,ele ficou sem argumentos mas recebeu a crítica educadamente,graças a Deus.
  • Gabriel  07/11/2014 02:14
    Se o seu amigo fosse sensato, não seria petista. Faça uma proposta a ele. Ofereça a ele uma passagem de ida e volta para Cuba para ele ficar por lá durante um mês. Ele só tera direito a tres salarios mínimos cubano para se manter.
  • Silvio  07/11/2014 13:43
    Petista é idiota ou canalha. A única exceção é quando o petista reúne em si ambos os predicados.
  • caboclo do marajó  06/11/2014 19:52
    Talvez muitos discordem disto:"Não há democracia liberal quando um partido apenas substitui um candidatoi por outro.Também é ilegal fingir oposição com partidos que seguem uma mesma doutrina ideológica. Me parece que quando isto acontece, isto é, quando um partido se mantém no poder durante anos seguidos, nos parece estarmos caminhando para um totalitarismo que nasceu sob o regime democratico." E aí, estou certo ou errado?
  • Diones Reis  06/11/2014 20:09
    Estive este ano em Berlim, e mais precisamente, passei quase o dia todo na Bernauer Strasse, aonde eles mantém uma parte do muro, como também algumas instalações que evitavam a fuga dos berlinenses.

    Lá também encontram-se partes de construções que literalmente foram cortados pelo muro.
    Construções estas que permitiram muitos escaparem do comunismo pelas janelas de seus imóveis.

    E também algumas ruínas que pereceram por conta do muro, no caso o sino da "Igreja da Reconciliação", que apesar do irônico nome, ficava ao lado do muro, e foi demolida para dar visão aos guardas da fronteira.

    Estar naquele local, ver de perto aquele memorial, te faz refletir sobre as pessoas que ficaram presas nesta parte da cidade, e o que elas passaram.

    Espiar pelas frestas das muretas do lado comunista, andar pela parte que antes tinha a "Linha da Morte", no qual qualquer travessia a pé era morte certa,
    dá uma vaga idéia do como o alemão oriental deve ter se sentido preso, e sem esperanças.

    Na minha opinião, um memorial que deve ser preservado, para que as gerações futuras lutem e preservem a liberdade.
  • Amarílio Adolfo da Silva de Souza  06/11/2014 21:31
    Comunismo é lixo. Simples.
  • aucidis ito  07/11/2014 07:56
    Porque sera que ninguem comenta os muros que estao sendo erguidos ou que ainda estao intactas?
  • Debora Cristine Rocha  07/11/2014 11:30
    Professor Ebeling, muito obrigada pelo artigo! Excelente.
  • Décio  07/11/2014 13:56
    Meu avô veio da Alemanha fugindo da Guerra.Grande trabalhador e exemplo de empreendedor !Ele pôde voltar à passeio anos depois, várias vezes. E vendo o q foi feito em sua ex-pátria sempre nos ensinou manter distância de qualquer coisa q pudesse levar ao comunismo. Quem experimentou como trabalhador e não mamou nas tetas do governo, passa longe desse regime nojento !
  • Zica  07/11/2014 14:30
    Prezados, invejo a sorte de vocês pois não consegui assistir os vídeos que foram adicionados ao artigo. Como ninguém comentou, isso significa que o problema é só aqui mesmo, então não ia nem adiantar que eu fizesse qualquer questionamento. Mas, encontrei no youtube uma série chamada Cold War, com 24 episósios de aproximadamente 45 minutos cada, dos quais o nono e o vigésimo terceiro são exatamente sobre o Muro de Berlim. Bom, foi tudo o que consegui apurar para assistir, e por isso vou ficar agradecida se alguém puder conferir e confirmar se são os mesmos. De qualquer forma, agradeço também ao tradutor pelo empurrãozinho dado aos não iniciados no idioma.

    Não obstante, gostei demais do artigo, que poderia até ter sido maior. Há muito que se falar sobre por quais razões o Muro de Berlim foi construído e derrubado. Mas que porém, a essência do que ele simbolizava - que vai muito além de privar as pessoas do direito de ir e vir - ainda continua muito presente. E no entanto, o autor conseguiu o autor conseguiu cumprir efetivamente bem esse propósito.

    Grande abraço
  • Leandro  07/11/2014 14:57
    De fato, os links estavam inoperantes. Já corrigido.

    Obrigado pelo toque.

    Abraço!
  • Zica  08/11/2014 00:30
    Eu é que agradeço. E aproveito a oportunidade porque agora sim, posso elogiar: ficou muito boa a combinação entre o texto e os vídeos. Apesar de eu estar fortemente tendenciada a achar o nono episódio da série é ainda mais compatível que o último.

    Então, nesse caso, não é sorte e nem azar: é serendipidade.

    Um abraço
  • Leandro  08/11/2014 01:38
    E você tem toda a razão. O episódio 9 é imprescindível e acabou de ser incluído.

    Obrigado e grande abraço!
  • Arthur M M   10/11/2014 01:44
    Farewell Comrades também é um documentário interessante.
  • Juliano  07/11/2014 15:28
    online.wsj.com/articles/after-fall-of-berlin-wall-german-reunification-came-with-a-big-price-tag-1415362635?tesla=y
  • Silvio  09/11/2014 03:17
    Nossa era será tristemente lembrada como a era do apogeu do poder estatal, com menções desonrosas para o nacional e internacional socialismos, sendo o Muro de Berlim uma das conseqüências de ambos os males.
  • Angelo M. Palmeira  13/11/2014 14:11
    Essa semana vi uma reportagem na página da revista Galileu com o título: "Marx venceu a Guerra Fria".

    Fiquei curioso e vi que se tratava de uma entrevista com uma economista italiana chamada Loretta Napoleoni, onde ela divulgava seu livro "Maonomics", que defende, dentre outras coisas, que o crescimento econômico chinês se deve a seu alinhamento político comunista.

    Fiquei estupefato com uma declaração dessas vinda de uma economista de carreira. Qualquer um sabe que o crescimento chinês está ancorado na aproximação econômica entre China e EUA promovida por Deng Xiaoping na década de 1970. Paradoxalmente foi o capitalismo que salvou a ditadura comunista chinesa.

    Os chineses aprenderam com a experiência soviética que com dinheiro não se brinca. Por isso limitaram o comunismo à política, deixando a economia com o maldito capitalismo porque sabiam que se adotassem a planificação econômica, já tinha perdido o poder há muito tempo.

    Se até um ignorante em economia como eu sabe o básico pra derrubar uma afirmação dessas, fico imaginando a surra intelectual que um cabra aqui do Mises daria nela.

    Aqui o link da entrevista: revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2014/11/marx-venceu-guerra-fria-china-comunismo.html

    Pra quem quiser dar uma conferida, o texto que postei no meu blog: minoriadeum.blogspot.com.br/2014/11/marx-venceu-guerra-fria-na-china.html
  • anônimo  23/06/2015 23:43
    Essa revista Galileu é completamente esquerdista. Fingem que absolutamente nada aconteceu com o fracasso econômico soviético (esse sim era inteiramente socialista).
    A China é capitalista na economia e comunista na política, igual você disse. Converse com qualquer socialista, eles te dirão isso e ainda dirão que pelo fato do mundo atual ser "unipolar" por isso devemos defender o socialismo, pois vivemos "sob o império do neo-liberalismo".

    A Revista Galileu não possui nenhuma credibilidade já faz tempo. O UOL está indo para o mesmo caminho.
  • Emerson Luís, um Psicólogo  14/11/2014 00:59

    Enquanto os europeus comemoram a queda do Muro de Berlim, muitos querem reconstruí-lo na América do Sul (metaforicamente falando). E estão conseguindo.

    * * *
  • Silvio  14/11/2014 11:28
    Estão conseguindo? Já conseguiram:

    "Num ranking das 75 maiores economias, que representam quase a integralidade do comércio internacional, o Brasil aparece apenas na 68.ª posição entre os mais abertos. Apenas oito países seriam mais fechados que o Brasil, entre eles Quênia, Paquistão e Venezuela."

    fonte: exame.abril.com.br/economia/noticias/brasil-tem-a-economia-mais-fechada-do-g-20
  • Emerson Luís, um Psicólogo  15/11/2014 12:31

    Pois, é: no índice da Fundação Heritage, o Brasil está na 114ª posição e caindo, literalmente mais próximo da Coreia do Norte do que da Coreia do Sul.

    * * *
  • Gutenberg  09/04/2015 23:55
    No mundo sem estado não haverá liberdade de ir e vir, pois tudo será privado!
  • Hegel  10/04/2015 00:59
    Exato. Igual ocorre nos shopping centers....


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.