clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


trabalhar mata pra essa esquerda vagabunda que adora ser sustentada pelo governo de merda sustentada pelos empresários malvados que criam empregos e produtos.



O texto afirma que o povo é ignorante e que o mais sábio dos governantes não deveria governar, mas uma sabedoria difusa no meio social baseada na lógica de cada escolha. Obviamente, o libertarianismo confunde as escolhas mais lógicas com as melhores escolhas. Sem um padrão de moralidade, não há liberalismo que funcione. Infelizmente, os libertários insistem em substituir a base moral valorativa pela base lógico-econômica como sustentáculo da sociedade, o que pode levar o homem a fazer maus negócios, afinal, o bem é um valor moral e não lógico. Não é à toa que o relativismo moral leva, necessariamente, ao comunismo. Se todas as opiniões são iguais, somente o grupo mais coeso e mais forte se sustentará, e essa coesão terá bases imorais, necessariamente. Libertarianismo e comunismo é o caminho dos maus homens.



Karl Marx também adotou a idiotice de que o VALOR dos bens e serveços deveriam corresponder à quantidade de TEMPO de trabalho dispendida para realiza-los.

Esse tipo de pensamento era muito vingente nos séculos passados, basta ver as idéias de Frederick Taylor para a organização do trabalho produtivo eram fortemente baseadas no tempo.


Atribuir a evolução da qualidade e variedade dos produtos somente à expansão da terceirização é uma visão muito simplificada, pois desconsidera por exemplo o avanço tecnológico que além de melhorar a qualidade e a oferta de produtos, permite também redução de custos, agilidade na produção e aumento da produtividade. O aumento da eficiência das empresas ao longo do tempo foi calcado principalmente no progresso técnico e nas inovações organizacionais. Também associar o desenvolvimento socioeconômico à expansão de divisão internacional do trabalho é também muito simplista, pois não houve um desenvolvimento de maneira geral, pois os impactos da D.I.T são diferentes dependendo do nível de competitividade dos países e de seu papel na economia mundial. Veja por exemplo os países da AL que ao adotar a especialização sem outras reformas estruturais não conseguiram alcançar o desenvolvimento e ainda tinha que lidar com o problema da deterioração dos termos de troca que criava dificuldades no Balanço de Pagamentos, no Saldo em Conta Corrente e na Dívida Externa o que representava para estes países uma restrição ao desenvolvimento e um aumento da dependência. Por fim, afirmar que a terceirização eleva o nível de renda do trabalhador proporcionalmente ao aumento da produtividade não encontra evidências reais e na verdade o contrário, pois por exemplo, nos EUA, os salários reais estão estagnados há décadas ao passo que a produtividade cresceu expressivamente. Se possível para confirmar seu argumento, traga dados de que a expansão da terceirização gerou aumento de salários de maneira proporcional à produtividade. Ficaria mais convencido se observasse números, gráficos ou uma fundamentação matemática que mostre os ganhos monetários reais para os trabalhadores com a terceirização



Não foi selecionado, mas gostaria dizer muito obrigada por lendo meu artigo. Foi uma desafia pra mim (uma estrangeira), mas pelo primeiro artigo escrevi em português, espero que entenderam e gostaram o artigo. :-)

Já soube que o evento será fantástico.





Max Stirner é aquele tipinho que odeia a realidade e adora afetar uma "intelectualidade" que ele não tem.

Com suas frases genéricas e desprovidas de conteúdo, fala sem nada dizer: "O título soa meio doentio"; "O tema é interessante mas vai além de capitalismo x socialismo..."; "Isso aqui não (sic) capitalismo x socialismo... vai muito além disso.", são algumas de suas pérolas.

Max Stirner não se preocupa com como as coisas de fato são, apenas com como elas "soam" aos seus mimosos ouvidos.

Não se pode dizer a verdade e afirmar que o socialismo é ruim, por tudo o que ele implica e tudo o que gerou. E que o capitalismo é bom, comparado com o socialismo. Não se pode dizer que algo ruim é de fato ruim e algo bom é de fato bom, pois isso "soa" incômodo aos ouvidinhos de Max Stirner, muito acostumados a belíssimas histórias da carochinha.

O que contradiz a peculiar subjetividade de Max Stirner deve ser tachado de "doentio". Mesmo que seja real!

É bastante expressivo o fato de Max Stirner não nos esclarecer por que a expressão de um fato real deveria ser caracterizada como "doentia".

Mas esse não é o único ponto que fica sem o devido esclarecimento no discurso de Max Stirner...

Segundo este "sábio": O tema [do artigo] é interessante mas vai além de capitalismo x socialismo..." Porém, é claro, ele se recusa a iluminar com sua sabedoria as questões de "como", "por que" e "de que modo", o tema tratado ultrapassa tal questão.

Justamente interpelado sobre por que, diante dos dados da realidade, não se deveria tratar o socialismo como mau e o capitalismo como bom na comparação entre ambos, ele responde com a seguinte frase: "Se você leu esse artigo, deve ter percebido que o mundo todo está ficando cada vez mais "socialista"(é a constatação desse site a cada dia tbm kkkkk), e até os EUA não estão escapando disso."

Ora, e desde quando o fato de o mundo estar-se tornando (segundo Max Stirner) mais socialista implica que o socialismo é bom? A propósito, se o socialismo é mau, como sugere o artigo (segundo Max Stirner), e o mundo está cada vez mais se tornando socialista de acordo com este site (conforme disse Max Stirner) então está perfeitamente justificada a publicação deste artigo. Pois, quem, em sã consciência, vendo as coisas rumarem para o pior deixaria de reclamar deste fato e de alertar os demais para que o evitem?

Talvez isto "soe" muito "doentio" ao esquisito Max Stirner.

Questionado de maneira ainda mais direta sobre: "Em que situação o socialismo pode ser bom?", ele responde de sua maneira habitualmente evasiva:

"A platéia de universitários no discurso do Obama já respondeu essa pergunta."

E o que isso significa? Que o socialismo pode ser bom na medida em que transforma adultos em crianças mimadas? Significa que ele é bom quando torna as pessoas mais dependentes e frágeis? Ou será que é bom quando um de seus representantes diz algo que "soa" agradável a alguém pouco afeito à realidade?

E prossegue: "O tema vai além de capitalismo x socialismo... " Continuamos sem saber o que isso significa!

E ainda diz:"...assistencialismo não é sinônimo de socialismo assim como independência também não é sinônimo de capitalismo."

Curiosamente, o socialismo propõe o controle das atividades econômicas pelo Estado. Assim, o assistencialismo estatal pode não ser sinônimo de socialismo, mas sem dúvida é um tipo de política socialista, submetendo-se portanto àquela categoria.

Por outro lado, o capitalismo pode não ser sinônimo de independência, mas certamente a favorece. E é precisamente disso que o texto trata. Pelo visto, Max Stirner, além de tudo é analfabeto funcional.

Max Stirner finaliza dizendo a seu interlocutor: "Ta vendo só... é disso que eu to falando. Soa doentio (sic) essa generalização. Parece que fizeram uma lavagem cerebral em vc. Isso aqui não (sic) capitalismo x socialismo... vai muito além disso."

Assim termina o diálogo o sujeito que teve o cérebro tão bem lavado a ponto de deixar suas idéias sem nenhum conteúdo. Talvez isso explique por que ele não consegue dizer nada além de clichês e frases vagas, desprovidas de sentido, além de acusar seu interlocutor daquilo que ele demonstra ter todos os sinais.







"Essa postura de recorrer a caricaturas para então atacar é um sólido indicador de que a visão do oponente foi erroneamente formulada."

Estratégia típica de esquerdistas e manipuladores em geral. E de pentecostais "apologistas".

* * *


O PT e todos os derivados que o apoiam sempre tratou pobre como gado idiota incapaz de raciocinar por conta própria. Espero que um dia o PT seja extinto! Lixo


Esses "vouchers" do Clube Mises têm validade de um ano? Mesmo a categoria "Gold Associated Partner"?


O marxismo é a semente de todo o mal encarnado inicialmente nos genocidas Lênin e Stalin, que deram o tom aos 70 anos de URSS, e que pulverizaram as liberdades e confiscaram vidas e propriedades.
O socialismo, hoje travestido em social-democracia e em vigor na maioria das democracias ocidentais, conserva o gigantismo de Estado exercido na URSS alimentado pela retórica populista de "políticas sociais" e economicamente estabelecido por um sistema fascista.


Só há dois tipos de socialista/esquerdista:
- Intelectualmente desonesto
- burro de dar dó


É por essas e outras que eu considero que os libertários com mais trânsito na esfera acadêmica, e principalmente aqueles que produzem artigos, teses e livros, que reforcem os aspectos imorais e inconsequentes do socialismo, e superem as dificuldades das pessoas comuns de enxergar o capitalismo, pois basicamente ele é invisível.

Aliás outro dia estava conversando com um colega, e ele como socialista involuntário (e é assim que as pessoas devem ser chamadas quando não sabem nem o que é a+b) me alegou que é impossível prever quantos empregos serão gerados com a "reforma" (ou remendo) trabalhista.

Eu argumentei que sim, é impossível prever quantos empregos serão gerados, pois o livre mercado tem como objetivo final o lucro, e é através dele que as pessoas serão contratadas. São milhões de empresas, milhões de vontades e milhões de opções, como prever tudo isso?

Ele se entusiasmou e com todo ânimo me disse: "Tá vendo! O capitalismo não liga para os pobres, só enxerga o lucro, enquanto uma política de inclusão social cria empregos e investimentos, melhorando a vida das pessoas hoje!"

Deixei ele terminar, sorri por um momento e disse: "De certo que sim. Hoje, agora, pra já. Porém você parou para pensar quem paga esses empregos, investimentos e programas sociais? Você mesmo. Eu, e a maior parte das pessoas que trabalha. Ou seja, você não sabe o quanto paga para comemorar algo que na maioria das vezes você nem recebe.

Você está certíssimo em dizer que o capitalismo não liga para os pobres. Porém esqueceu da outra parte. Ele não liga para os ricos também, pois o capitalismo não é uma pessoa, mas TODAS as pessoas. Ele é a sua vontade de comprar um carro, e a minha vontade de vender. Ele é o seu desejo de trabalhar, e a minha necessidade de te contratar. Ele é o seu desejo de construir uma casa, e eu de te fornecer materiais para isso. O capitalismo é a manifestação da vontade de todas as pessoas de comprar ou vender. Nessa você melhora de vida e eu também. Seu vizinho também, e todo mundo, pois cada um vai procurar trabalhar para ter casa, saúde, educação e conforto.

Vendo por este ponto, sabendo que você trabalha pelo seu salário, e seu salário sendo seu lucro pessoal, qual é o erro de lucrar? Você acha que é diferente a sua relação comercial com a padaria, do que seu patrão tem com você?"

Ele ficou pasmo e em dúvida.

Eu terminei: "Caro, sem dinheiro você compra pão, leite, mortadela ou cigarro? Não. Pois sem dinheiro teu patrão não te contrata, não banca seu bem estar, seus "direitos", EPI, férias e toda sorte de custos indiretos que envolvem sua presença na empresa. Entende agora como todo "funcionário" na verdade é um prestador de serviços, um empreendedor full time para a empresa, empregando seu conhecimento e seu tempo e recebendo em troca disso? Entendeu agora como o lucro é o objetivo não só de empresários, mas de todas as pessoas que trabalham no mundo, e que sem ele não há empresa, nem emprego, nem porcaria nenhuma?"

Ele finalmente entendeu. E agora convertido, eu pude enfiar o dedo na ferida.

"Voltando ao assunto, no capitalismo é impossível prever quantos empregos serão gerados ao longo do tempo, pois não sabemos o lucro futuro das empresas e pessoas, porém a certeza é que 100% do que acontecer será bancado por cada uma delas, ou seja, o erro ou acerto será individual. Já no socialismo, sabemos quantos empregos serão gerados com uma canetada de um político irresponsável, porém meu amigo, emprego sem lucro, emprego "social" só dá prejuízo, e no final quem vai pagar essa conta seremos todos nós."


Por fim, deixo essa dica para todos aqui que quiserem transformar um socialista involuntário em um capitalista consciente: façam com que esta pessoa consiga se enxergar como um capitalista através de exemplos simples, depois batam forte no socialismo.

Abraços.





Alguns exemplos de parasitas do dinheiro alheio, que NUNCA colocam a "pele em jogo":
- parasitas dos poderes executivo
- parasitas dos poderes legislativo
- parasitas dos poderes judiciário
- parasitas das agências reguladoras
- parasitas em "cargos comissionados"
- parasitas sindicalistas
- parasitas das escolas e universidades públicas
- parasitas parasitas parasitas....


Reacionários ?
Essa porcaria de Estado brasileiro - fascista/socialista - é a maior desgraça que poderia existir para quem produz e trabalha com decência.
Odeio parasitas do dinheiro alheio, odeio socialistas, sindicalistas e todos os burocratas medíocres que só existem para manter essa droga assim.
Um Estado só é aceitável se tiver a genuína vocação para defender a LIBERDADE, a VIDA e a PROPRIEDADE dos cidadãos residentes, só e somente só, em NENHUMA outra área o Estado deve estar presente.



Fiquei maravilhada ao ler esse post, foi muito esclarecedor. Meu desejo é que esses "metidos a cientistas politicos" parassem de blah ,bla, bla nas redes sociais, repetindo o que eles ouvem, copiando e colando, viessem pesquisar mais e se informar a respeito de certos assuntos importantes como esse.


Parabéns por mais um ótimo texto, Leandro!

Ainda fico meio confuso com certos aspectos de transações monetárias. Como ocorre exatamente esta "venda de reais" que você mencionou ter ocorrido em 2003? Compreendo que a escassez de um bem gera um aumento em seu custo de compra, mas não entendo exatamente como esse comércio se dá no caso de moedas. Por exemplo, não entendo muito bem porque a política do Bacen em comprar dólares na década de 80/90 desvalorizava o real. De quem exatamente ele comprava? Dos Bancos comerciais brasileiros? E se sim, por isso que o dólar encarecia, porque diminuía sua quantidade disponível para compra?

Abraços!


Eu fico impressionado e ao mesmo tempo orgulhoso com as respostas da sessão de comentários desse site. Claro que sempre a energia gasta para refutar uma bobagem, é muito superior a necessária para criá-la. Porém os liberais e libertários desse site me dão orgulho de ter a certeza de estar do lado certo. Vocês parecem simplesmente não ter medo de NENHUM argumento em prol do estatismo e consegue refutar qualquer falácioso ou enganoso argumento apresentado aqui. Continuem assim, pois não estou nem perto do nível de vocês (ainda tenho muito o que aprender e estudar como um libertário que sou), e utilizo muitas das respostas contidas aqui.
Seria interessante mais respostas refutando esse site voyager1.net/. Os esquerdistas e desenvolvimentistas tem usado muito ele como fonte de "refutação" do liberalismo, apenas porque, como dito aqui, o site tenta parecer crível apresentando fontes e dados.


Não foram 2 bilhões, foram 3 bilhões... alias perai, foram 4... alias não, foram 4,5 bilhões, quer dizer 4,561 bilhões. É isso mesmo. Foi isso tudo. Quanta gente morta pelo capetalismo.


Você pode se juntar com uma galera e fundar sua sociedade tribal, com poucos membros em um território limitado, só não compara "tua vila" com um país continental, por motivos óbvios.

+ uma coisa. Os índios vivem a vida deles na tribo deles, não tentam impor sua utopia igualitária para o resto da humanidade.


Alguém acredita que o usuário dependente, que deixa de se alimentar porque o vício é mais forte que a fome usa a liberdade dele e escolhe continuar usando usar uma droga?
Esse é o exemplo do consumidor racional que faria escolhas sensatas em uma análise de economia?

Que o preço é alto só pela falta de oferta e ignora a incapacidade do viciado controlar o vício?

Esse ser racional vai substituir uma droga mais forte por uma mais fraca porque é mais barata?

Acha que uma sociedade onde tudo que é tipo de droga poderia ser liberado seria melhor?
Só pra lembrar as drogas sintéticas já foram vendidas em farmácia antes de serem proibidas. Por que proibiram se tava dando certo e pagando impostos?

Existe algum país no mundo (com mercado, governo e exercito) onde drogas recreativas sejam realmente liberadas? Existiu algum que teve algum sucesso?
Ou não durou muito e foi invadido?

Ou liberar as drogas consegue ser mais eficiente para destruir um país que o socialismo?

Por favor, adoramos ouvir pessoas defendendo a liberação das drogas e conhecer sua lógica. Com base na liberdade de escolha do viciado, fica perfeito.


Seu corpo é seu e você faz o que quiser?
O que quiser?
Claro que não faz o que quiser!

Se alguém entra em um hospital e pede uma cirurgia que possa ser considerada como prejudicial essa pessoa é encaminhada para outro tipo de tratamento.


Com relação aos ônibus em greve, o problema do transporte público é que ele é publico.

Ônibus táxi trem metrô velocípede monociclo ou pedalinho, se for público vai ser mais caro e pior. Por que o transporte é concessão? Tem alguma razão realmente boa pra quem usa?

Se restaurante fosse público não ia precisar ter cardápio.


Por isso a solução é uma guerra civil. Para uns 30% da população ir embora.

Se os socialistas (ou o status quo) vencerem, o resto da população vai ir embora aos poucos.

Se os liberais (ou os menos estatistas) vencerem, o país aos poucos vai atrair mais gente, assim como ocorreu com Hong Kong.

Ação política é pura perda de tempo em que o socialismo e o fascismo sempre acabam ganhando.


Essa foi a melhor de todas até agora. A Revolução Industrial -- que elevou o padrão de vida e a expectativa de vida de todo o mundo -- foi a responsável direta por 2 bilhões (!) de mortos.

Sobre as consequências -- documentadas -- da Revolução Industrial sobre a vida das pessoas.

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2560


Maduro marxista desgraçad*.
Uma pequena anedota, para descontrair.
Marx um dia estava passando em frente a uma livraria e vê um amigo saindo com um livro de lógica debaixo do braço.
-Que livro é esse?
pergunta Marx, curioso
-Um livro sobre lógica
responde o amigo
-Lógica?! O que é isso?!
Indaga Marx
-Eu vou te dar um exemplo. Você tem aquário em casa?
Diz o amigo
-Tenho!
Responde Marx
- Então, se você tem aquário em casa, logicamente tem água dentro, certo Marx?
Pergunta o amigo
-É, tem sim!
Responde Marx
-Se você tem aquário e ele tem água, logicamente tem um peixe dentro!
O amigo
-Acertou de novo!
Marx, pensando como isso é possível
-Se você tem um aquário com água e peixes, é provável que você tenha uma ou mais crianças em casa!
Continua o amigo
-Sim, tenho seis filhos!
Responde Marx, ainda sem entender bem
-Se você tem filhos, provavelmente você é ou foi casado e logicamente, teve, ao menos uma relação heterossexual. Entendeu Marx?
Pergunta o amigo.
- Entendi! Que legal!
Diz Marx entusiasmado
Marx acaba comprando, com o dinheiro burguês de sua esposa, um exemplar também. No caminho, encontra seu amigo, irmão, camarada Engels, e os dois conversam
-Que livro é esse, Marx?
Pergunta Engels
-É um livro sobre lógica!
Marx Responde prontamente
-Lógica?! O que é isso? Nunca ouvi falar... É a última moda em Paris?
Retruca Engels
Marx, mostrando que sabe tudo sobre lógica e que fez um bom investimento no livro, responde com uma pergunta:
- Eu vou te dar um exemplo: você tem aquário em casa?
Marx
-Não, você sabe que eu não tenho!
Responde Engels
Com toda sua cientificidade, e lógica há puco adquirida Marx decreta:
-Então, logicamente, você é gay!
E os dois, após esse episódio, resolveram escrever um livro de cunho "cientifico" e lógico chamado "O Capital". E, logicamente, por motivos óbvios, o livro de lógica deve ter virado peso para papel.


Vocês falam tanto de quantos o socialismo matou e quantos o comunismo matou, mas ignoram as possíveis 2 bilhões de mortes que tiveram desde a revolução industrial até hoje.


Um trecho do timeline das expropriações feitas na Venezuela.
2007-2010


https://resistenciav58.wordpress.com/2015/06/20/cronologia-de-nacionalizaciones-y-expropiaciones-en-venezuela-desde-2007/


Se vc assinou um contrato prevendo pagar uma dívida com trabalho, não vejo problema.


Em muitas análises referentes as crises econômicas e humanitárias perpetradas pela ideologia (ou religião política) marxista estranhamente negligenciam o fator humano.
A culpa do caos resultante da infiltração marxista e suas derivações muitas vezes é de responsabilidade de "coisas" como fatores políticos, de acordo com várias análises.
É um erro enxergar todo o caos como sendo culpa de "coisas" e não de pessoas.
Todo o bem e mal acontecem, exclusivamente, por ações humanas.
Vejam o exemplo do marxismo:
Essa ideologia (ou religião política) só conquistou espaço devido a aceitação de muitos, milhares de pessoas ao longo de várias décadas abriram suas mentes para esta ideologia anti humana.
Essa monstruosidade mostrou a raça humana sua verdadeira face quando da Revolução Russa no início do século passado.
Mostrou ser uma ditadura de infinita perversidade, e mesmo assim foi e é aceita por muitos como algo de grandiosa bondade. Isso se deve ao fator humano chamado idiotice.
A idiotice é a maior de todas as epidemias que sempre assolou o Planeta Terra.
É por causa dela, a idiotice, que ideologias anti humanas e seus representantes causam tanto estrago onde chegam.
A idiotice é o fator humano que permite a existência de monstruosidades como o marxismo e suas derivações, como Stalin, Fiidel, Pol Pot, Mao Tse Tung, Hugo Chavez, Maduro, Lula, Dilma e tantos outros.
Os psicopatas criam suas ideologias malignas, colocam-nas em prática produzindo resultados terríveis e mesmo assim, apesar de tudo isso, são aceitas com muita alegria.
Todo o mal produzido no seio da raça humana é consequência de ações humanas; alguns humanos criando ideologias monstruosas (os psicopatas) e outros (os idiotas) aceitando.


SOLDADO UNIVERSAL,
O grande problema é que se isto realmente ocorrer no Brasil veremos imediatamente um novo golpe (como o de 1889 ou de 1930-GV) com um caudilho socialista(talvez o próprio Lula) tomando o poder e implementando uma ditadura "em nome da Pátria" e da "normalização".
Toda elite brasileira - jornalistas, acadêmicos, políticos e artístas - ou são hipócritas (intelectualmente desonestos) ou burros mesmo.
Não há na grande mídia um mínimo de decência, nada que não seja propaganda mentirosa do governo e "especialistas" paus-mandados defecando opiniões medíocres.
Não vejo luz no fim do túnel... e se tiver é provável que seja de um trem lotado a 100 km/h.


Leopoldo López e Henrique Capriles são socialistas!Não são perigosos como Hugo Chávez e Nicolás Maduro mas são tão medíocres quanto os governantes antes do chavismo.Venezuela não tem futuro!Tomara que o Maduro caia logo afim de que o povo tenha pelo menos o que comer.


Por isso a democracia é o problema e não a solução.

Pinochet é odiado até hoje simplesmente porque foi um ditador liberal, mas foi o líder que mais trouxe prosperidade na história recente da América Latina.


Uma dúvida: seria possível escravizar alguém por dívida? Tipo, vc me deve então tem que trabalhar pra mim até que pague as dívidas...



Sabe LUIZ F MORAN,

mas eu acho que o Brasil precisa mesmo caminhar para a Venezuela, sabe o motivo?
Simples. O povo brasileiro só aprende apanhando, ou melhor dizendo sofrendo, com a Dilma e a economia brasileira indo no fundo do poço, pessoas procuraram alternativas econômicas viáveis e alguns chegaram até aqui no IMB, e eu confesso que sou um deles, ou seja, estou falando por experiência própria.
No meu ponto de vista recentemente, o impeachment pra mim foi um erro praticável, mas por que um erro?
Porque a economia sob Dilma, todas aquelas lambanças foram todas expostas aqui no site, e os economistas convencionais não conseguiram explicar o porque do fracasso econômico da esquerda como um todo, eles não tinham argumentos para explicar esses erros, e isto poderia ter sido intensificado com a Dilma ainda no governo, quando chegasse a uma situação a la Venezuela, os brasileiros que sofreram ficariam desolados com o fracasso econômico da esquerda brasileira, igual ao que está acontecendo na Venezuela nesse exato momento.
Sabe o que os venezuelanos pensam de Chávez e Maduro e o bolivarianismo? Que se sentiram enganados por esse sistema socialista.

Infelizmente é o único modo que eu vejo para o Brasil se tornar um país liberal, ou pelo menos com uma menor intervenção possível. O Brasil precisa "sangrar" para se libertar das garras dos comunistas/socialistas.


Acho que a America Latina teria que ter o mesmo destino da Venezuela, assim o povo latino aprenderia de vez que socialismo/comunismo não é a solução.



Por incrível que pareça eu vi um vídeo no YouTube de um venezuelano que fugiu para cá defendendo o Maduro e falando que tudo que ele está fazendo é para o bem do povo. Sim, marxismo é uma doença mental similar à esquizofrenia.


Exatamente! Embora o texto seja excelente, discordo de vários pontos deste capítulo.

A afirmação de Rothbard de que crianças que fogem de casa não podem ser coagidas a voltar por meio de agressão (não necessariamente violência física, apenas por imposição de vontade) é absurda. Uma criança pequena não tem formação intelectual (seja por experiência de vida ou simplesmente por limitações biológicas no que diz respeito ao desenvolvimento do cérebro humano) para ter discernimento concreto do que é ou não ideal para ela.

Vontade própria é algo que surge no ser humano muito cedo. Seria o mesmo que dizer que um pai não pode obrigar seu filho de 2 anos a voltar para casa porque ele quer brincar no parquinho.

Embora eu concorde que a definição de 18 ou 21 anos para que uma pessoa seja considerada adulta seja arbitrária (mesmo que, de fato, saiba-se que a maturação cerebral de um indivíduo ocorra até pelo menos os meados dos vinte anos), a solução proposta por Rothbard não é condizente com a realidade. Pais devem sim possuir o direito de utilizar a força (desde que não se comprometa a integridade física da criança) para impor disciplina em seus filhos, sendo necessária a busca de outro parâmetro para definir-se o momento de independência intelectual do ser humano.

Dito isso, embora considere um parâmetro muito generalizante, não vejo alternativa melhor que a fixação de uma idade durante o período da adolescência ou início da fase adulta (uma vez que ainda não possuímos conhecimento e nem meios o suficiente para determinar a maturidade de cada indivíduo por RMN...).




só pra perguntar mesmo, se alguém coloca a arma na cabeça de outra pessoa para obrigar a assinar o contrato, ele é válido ou não?


Ué? e por que não? Ninguém aqui no Brasil tem utilidade para ele. Vai deixar morfar embaixo da terra?

Esse discurso patriota do "o *insira mineral da vez aqui* é nosso" é péssimo. Primeiro, ele não é nosso, é do governo e este quem vai discutir sobre o que fazer e para quem vender.

Segundo: sendo este mineral do governo, ele teria ao menos a responsabilidade de proteger as reservas, mas aparentemente não tem competência para fazê-lo, já que, vez em quando ou outra, aparece noticias desse mineral sendo extraido ilegalmente.

Terceiro: na pior das hipóteses, o governo vai abrir a niobiobras, outra empresa ineficiente que oferece um produto de custo/beneficio inferior e serve de reduto para propinas da classe política.

A melhor opção seria vendê-lo às empresas privadas para que estas, sabendo proteger seus investimentos, decidam o que fazer e o governo embolse o dinheiro (que infelizmente vai ser desviado para os políticos), tendo depois retorno com os impostos que tais empresas teriam de pagar.



Vem aí a Niobiobrás!

Ou Niobrás, sei lá.

(Se os Árabes pagarem bem, quero minha fatia em barras de ouro, que valem muito mais do que dinheirommmmmmm)


Ei, seu entreguista, não se esqueça do grafeno!!!

Aproveitando a deixa, ressuscito este verbete criado por Roberto Campos:

RECURSOS NATURAIS - Cadáveres geológicos, sob forma mineral, que só se transformam em riqueza se houver investimentos e mercado. Para exemplificar a diferença entre "recurso" e "riqueza", basta lembrar que o Brasil tem "recursos" e não tem "riqueza" e o Japão tem "riqueza" mas não tem "recursos".


Só me pergunto quantas vezes a América Latina precisa atingir o fundo do poço pra aprender que Socialismo e Populismo são uma desgraça?!?


Devemos vender nosso nióbio aos árabes? Nossas riquezas minerais? É isso que vocês pregam?


"Mas poderia me explicar melhor como não ocorre o multiplicador bancário nos depósitos a prazo?"

Apenas, vale enfatizar, quando não há liquidez diária. Havendo liquidez diária, então obviamente há multiplicador bancário, pois aí duas pessoas se tornam proprietárias do mesmo dinheiro: o depositante e o tomador de empréstimo.

"Por exemplo, um CDB no valor de $ 10.000 com prazo de 3 anos(atualmente com compulsório de 36%)."

Eis a contabilização para um CDB sem liquidez diária.

Ativo:
Reservas: $ 10.000

Passivo:
Depósito a prazo a vencer apenas em 3 anos: $ 10.000 mais juros


Então o banco empresta $ 5.000 para um cliente. Eis a contabilização imediatamente após a concessão do empréstimo (ou seja, sem o cliente ter sacado o dinheiro):

Ativo
Empréstimo: $ 5.000 mais juros
Reservas: $10.000

Passivo
Depósito a prazo a vencer apenas em 3 anos: $ 10.000 mais juros
Dinheiro em conta-corrente à disposição do mutuário: $ 5.000

Cliente resolve sacar o dinheiro, e o dinheiro vai parar em outro banco. O dinheiro em reserva cai $ 5.000. Eis como fica o balancete do Banco A:

Ativo:
Empréstimo: $ 5.000 mais juros
Reservas: $5.000

Passivo:
Depósito a prazo a vencer apenas em 3 anos: $ 10.000 mais juros
Dinheiro em conta-corrente à disposição do mutuário: $ 0

Até aqui, não houve criação de dinheiro. Não há duas pessoas usufruindo o mesmo dinheiro. Um indivíduo abriu mão do dinheiro por 3 anos para que outro indivíduo possa usar esse dinheiro durante esse período de tempo.


No Brasil, há compulsório sobre os depósitos a prazo pelo óbvio motivo de que a maioria deles tem liquidez diária ou liquidez em D+1 ou mesmo liquidez diária a partir de 3 meses -- o que significa que, na prática, eles funcionam como uma conta-corrente com menos de liquidez.

Nos grandes bancos, clientes com muito dinheiro conseguem LCI ou LCA com prazo de 3 anos, mas que adquirem liquidez diária após 3 meses.

Portanto, sim, no Brasil depósitos a prazo também multiplicam moeda. Mas isso só ocorre porque eles não são genuínos depósitos a prazo.


O cenário brasileiro pouco difere do venezuelano.
Desde o fatídico 15/NOV/1889 que trilhamos, cada vez mais intensamente, os passos do socialismo: uma mistura fatal de Keynes com Gramsci
Receita brasileria para o fracasso:
- populismo barato
- patrimonialismo fascista
- excesso de burocracia
- gigantismo de Estado
- corrupção sistematizada
- mentira oficial
- mídia vendida
- povo alienado
Nosso destino final tem tudo para ser o mesmo da Venezuela.



Após isso tudo:

Em meados dos anos 2000 governo populista de Hugo Chávez resolveu expandir os gastos públicos, como parte do seu programa socialista de governo. Mas como a Venezuela é um país pobre, não o poderia fazer por meio de aumentos de impostos (algo impopular).

Por sorte, o dólar começou a perder força no começo dos anos 2000, o que forçou o preço do barril pra cima continuamente. Lógico, o preço do petróleo é cotado em dólar, se este perde valor, o preço do barril subirá.

E o que isso significou? Que eles poderiam passar a mão no caixa da PDVSA para bancar o populismo governamental sem se preocupar, já que esperavam um aumento contínuo do preço do petróleo a longo prazo.

Notem o aumento contínuo no preço do petróleo iniciado no ano 2000 e que perdurou até meados de 2014:

d3fy651gv2fhd3.cloudfront.net/charts/historical.png?s=CL1&v=20170413114500&d1=19900101&d2=20171231

Essa situação foi muito propícia para o governo de Chávez, pois permitiu promover políticas economicamente destrutivas, como controles de preços e salários, estatizações e nacionalizações (entre 2002 e 2012 foram estatizadas mais de 1.000 empresas locais e estrangeiras), controle de câmbio e etc, mas com recursos para mitigar seus efeitos no curto prazo. Tais ataques a economia só não resultaram em efeitos negativos imediatos e de maior intensidade pois o governo venezuelano se aproveitava das receitas provenientes das exportações de petróleo para distribuir "benefícios" a população, aliviando os danos colaterais da gradual planificação da economia.

Assim, a farra chavista perdurou por uma década, sendo sustentada pelo boom do petróleo.

Tal arranjo conseguiu se prolongar sem causar maiores convulsões sociais, mas não poderia durar para sempre. Em 2013 o dólar voltou a ganhar força. Tão logo isso ocorreu e manteve-se como tendência, o preço do barril começou a despencar continuamente. Como consequência, as receitas da PDVSA começaram a despencar. E o governo venezuelano se viu sem a situação que antes permitia expandir seus gastos inconsequentemente.

Como não poderiam cortar gastos para se ajustar a nova realidade (até por questões ideológicas e políticas), qual foi então a solução do governo venezuelano para essa situação?

Imprimir dinheiro.

O banco central venezuelano simplesmente passou a imprimir dinheiro para bancar os gastos públicos, monetizando-os. Descontroladamente.

A quantidade de dinheiro na economia venezuelana explodiu: cdn.tradingeconomics.com/charts/venezuela-money-supply-m2.png?s=venezuelamonsupm2&v=201704031549t&d1=20070101&d2=20171231

A intensa perda do poder de compra da moeda fez a taxa de inflação explodir:

images.huffingtonpost.com/2015-05-29-1432933441

Em face disso, o Bolívar desvalorizou-se em relação as demais moedas. Os preços começaram a aumentar continuamente e de forma cada vez mais acelerada conforme o governo ia imprimindo mais e mais moeda.

A população se viu em dificuldades, pois passou a poder comprar cada vez menos. As famílias viram o volume de compras reduzir a cada vez que iam no supermercado. Os mais pobres passaram a gastar toda sua renda com produtos de primeira necessidade. Toda a economia passou a sofrer em decorrência da carestia acentuada.

Nessas alturas, a popularidade do então "presidente" Nicolás Maduro (que sucedeu Chávez após sua morte em 2013) começou a cair. Manifestações passaram a ocorrer por todo o país, demonstrando a insatisfação com o atual governo.

Qual a solução trazida pelos governantes para essa situação espinhosa?

Um controle total de preços na economia (desde 2003 existia um controle parcial).

Qual o resultado? Escassez generalizada.

Controlar preços é atacar os sintomas (aumento dos preços) e não a doença (emissão descontrolada de moeda).

O problema é que ao congelar preços de venda, o governo desconsidera que os custos continuam a crescer (custos são preços) em decorrência da desvalorização da moeda. Tão logo o controle é imposto, aqueles produtores com as margens de lucro mais apertadas passam rapidamente a ter prejuízos e são desestimulados a continuarem atuando, o que reduz a oferta de produtos a disposição e inicia o processo de escassez. No longo prazo, praticamente todos os produtores passarão a ter prejuízos, o que por fim leva a escassez generalizada. Quem irá produzir tendo prejuízo?

E mais ainda, com uma moeda em queda livre esse país não mais terá acesso a moedas estrangeiras, inviabilizando as importações. Para importar, é preciso adquirir moeda estrangeira, mais necessariamente dólares (já que é a moeda internacional de troca).

Como conseguir isso, se no país ocorre confisco de empresas estrangeiras? O que afugenta investimentos estrangeiros e impossibilita a entrada de dólares no país. E como conseguir isso com uma moeda que perde poder de compra diariamente, cuja própria população não mais quer portar? Nenhum estrangeiro deseja trocar seus dólares por bolívares. Dessa forma, importações de bens essenciais (remédios, alimentos e produtos de higiene e limpeza) são inviabilizadas, acentuando ainda mais o desabastecimento.

Protestos e saques a supermercados irromperam por todo o país, cuminando na perda de vidas. A queda no padrão de vida dos venezuelanos, a escassez generalizada e a repressão do governo de Nicolás Maduro jogaram o país em um iminente estado de guerra civil. Milhares já cruzaram as fronteiras buscando refúgio da situação que o Estado venezuelano os colocou.



Resumo dos comentários dos paraquedistas:

Pode-se discriminar os outros à vontade, DESDE QUE se tome o cuidado de, antes, acusá-los de intolerantes, preconceituosos, elitistas, fascistas, etc. Tomado este cuidado, não só pode-se discriminar alguém, como este mesmo alguém fica proibido até de reclamar, afinal, ele merece ser discriminado.


Como bem pude observar, a moderação dos textos só funciona para aqueles que criticam ou, melhor dizendo, pedem explicações sobre um texto.

Primeiramente o senhor "Lamentável" mente sobre eu ter feito algum tipo de calúnia.
Como deixei bem claro no início do texto, eu estava pedindo esclarecimentos sobre a última frase do texto do autor já morto. Como ficou bem claro com a resposta mal educada do senhor "Lamentável", ele pouco entendeu dos meus questionamentos.
Quanto ao (pré)julgamento do senhor "Lamentável" sobre o meu (suposto) analfabetismo funcional, creio que se ele tivesse entendido a diferença entre afirmar e pedir esclarecimentos sobre um texto entenderia quem é de fato o verdadeiro analfabeto...

Quanto à calunia, creio que a seguinte afirmação do senhor "Lamentável" mente sobre a verdade dos fatos:

"Tem gente que acha que pelo fato de ser homossexual, ou negro, ou pobre, ou transexual já lhe automaticamente garante privilégios, os quais devem ser compulsoriamente bancados por terceiros".

Nenhum destes quer privilégios sobre os demais. O que eles querem é o fim de todo tipo de preconceito e direitos básicos iguais. No sentido de que somente quando todo e qualquer tipo de preconceito for extinto, haverá, de fato, igualdade. Para isso é preciso se partir da mesma condição e não como é agora, onde alguns já nascem com privilégios acima dos demais.

A afirmação do senhor "Lamentável" se não é mentirosa e caluniosa é, pelo menos, difamatória quando este senhor acusa essas "minorias" (entre aspas como ele mesmo utilizou) de roubo (sem aspas como ele mesmo não colocou).

Espero que o próximo a responder seja um pouco mais educado e atento com o texto que se apresenta.


Deve ser, os venezuelanos precisam encontrar alternativas para o bolivarianismo, e muitos com a mais absoluta certeza irão migrar para a Escola Austríaca.
Isto pode ser uma boa notícia se for verdadeira.



Paulo Henrique,

venho acompanhando a situação econômica americana faz pouco tempo, mas esses níveis de crescimento da bolsa de valores despertaram minha atenção.
Tem uma matéria interessante que pode estar relacionado a isso: The Ticking Time Bomb That Will Wipe Out Virtually Every Pension Fund In America

A matéria indica que os fundos de pensões estão sendo subfinanciados e fazendo investimentos bastante arriscados como ações da internet e hipotecas comerciais. Seria semelhante a crise de subprime que ocasionou os eventos de 2008. E já resultou em um grande drama na cidade de Dallas, o que pode ser a ponta do iceberg. O fato é que as obrigações(passivos) com as pensões subiram de US$292 bilhões em 2007 para US$1,9 trilhões, segundo alguns cálculos pouco precisos, mas de acordo com a Bloomberg, esse valor poderia chegar a incríveis US$6 trilhões.
Mesmo se a situação continue estável, ainda parcelas de pessoas podem se ver sem a pensão que lhe foi prometida. Em uma situação hipotética, se o mercado de ações caísse 10% e permanecesse por meses, os fundos de pensões iriam evaporar, e esses fundos estão expostos em hipotecas comerciais. Segundo o site, o FED tem mantido o apoio ao mercado de ações como meio de evitar o declínio das ações negociadas pelos fundos de pensões como forma de proteção para os mesmos. Mas um colapso nos títulos hipotecários comerciais, se transformaria em uma crise semelhante a de 2008, ou pior talvez.
O mercado hipotecário comercial é de cerca de US $ 3 trilhões, dos quais cerca de US $ 1 trilhão foi embalado em títulos garantidos por ativos e recheados em fundos de pensão. Só que já está sendo projetado o fechamento de 3.500 lojas nos próximos meses, e isso vai devastar os setores envolvidos. Mas a queda do mercado acionário vai afetar ainda mais os fundos de pensão. As ações estão ridiculamente sobrevalorizadas agora, e se elas simplesmente retornarem a "avaliações normais", os fundos de pensão vão perder trilhões de dólares.
Os dados mais recentes da Bolsa de Valores de Nova York mostram que a dívida de margem, ou o dinheiro emprestado para comprar ações, atingiu um recorde de US $ 528,2 bilhões em fevereiro, acima da alta anterior de US $ 513,3 bilhões em janeiro.
Sempre antes de um crash, há um disparo na dívida de margem, como em 2000 no boom das ações ponto com, e em 2007. A dívida de margem subiu 22% desde o final de 1999, antes de atingir seu pico em março de 2000, em US $ 278,5 bilhões, as ações do mesmo mês atingiram o pico. Em 2007, a dívida de margem subiu para US $ 381,4 bilhões em julho, três meses antes do início das ações.
No caso do fundo de pensão de Dallas, em 01 de Janeiro de 2016, tinha US $ 2,68 bilhões de ativos contra US $ 5,95 bilhões de passivos. O que aconteceu? Os benefícios cortados pela metade ou mais.
O fato é que os fundos estão crescendo a base de dívida, uma situação semelhante a de 2008, sem falar que muitos fundos de pensões ainda nem se recuperaram da última crise, onde foram perdidos mais de US$5 trilhões em ativos como casa, pensões, poupanças...
Pode ser fato uma bomba relógio.



A Venezuela é a prova de que "vender o seu país para os EUA ultracapitalista fascista" é uma enorme mentira.



"Nem sempre a criação de valor para a sociedade depende de mérito. E nem sempre quando alguém não produz algo valoroso é por demérito.

Muitas vezes o que define o sucesso de alguém é uma oportunidade que surgiu.

Não estou dizendo que o trabalho e o esforço não são importantes, mas também não são garantia de sucesso."

Horas, mas se um cara feito o Gugu, um ator meia boca, consegue ganhar uma boa grana apresentando um programa de tv e é famoso, é pq ele mereceu estar naquele cargo. Parece ilógico, mas não é. O mérito não significa fazer por merece? Então, ele fez por merecer. O valor que ele tem ali é o valor que os outros agregaram a ele, por que ele foi perfeito para o cargo.

Isso não significa que não hajam pessoas mais bem preparadas do que ele, isso só significa que nossa ótica é diferente da ótica das pessoas que colocaram ele no cargo. Quem colocou ele no cargo entende que o povão gosta de lixo mesmo, e ele como lixo que é, atende a todas as expectativas. Então a meritocracia existe sim, até por que a emissora perderia dinheiro se ela contratasse o cara errado pra apresentar o programa. E para concluir, ele pode ser lixo, mas ele é um lixo bem preparado. Experimenta botar um mendigo analfabeto pra apresentar o programa e ver no que dá.

Endentem agora?


Grato mais uma vez. Mas poderia me explicar melhor como não ocorre o multiplicador bancário nos depósitos a prazo? Por exemplo, um CDB no valor de $ 10.000 com prazo de 3 anos(atualmente com compulsório de 36%). Creio que essa seria a contabilização:

Ativo
Reservas $ 10.000 (6.400 em disponibilidades e 3600 em compulsório)

Passivo $ 10.000 (CDB)

Então o banco empresta $ 5.000 para um cliente, eis a contabilização:

Ativo $15.000 (6.400 em disponibilidades, 3.600 em compulsório e 5.000 em empréstimo)

Passivo $15.000 (10.000 em CDB e 5.000 em conta corrente)

Ou seja, nesse arranjo o banco poderia emprestar até $ 17.777,77, bem acima dos $ 10.000 em CDB. Isso não seria considerado multiplicador bancário? Ou será que, diferentemente dos depósitos à vista, há uma queda no ativo e no passivo(Reservas e CDB) no momento do empréstimo?


Bravo, Luiz Moran. E os reacionários ainda querem impor liberdade aqui.


As Dez leis brasileiras:
1) O Estado é imperativo para o desenvolvimento econômico e a manutenção da ordem e da justiça
2) Todo empresário é ganancioso e escraviza seus funcionários
3) Impostos são usados para ajudar os mais pobres
4) O capitalismo gera desigualdades
5) Lucro é pecado
6) As minorias são perseguidas
7) Os sindicatos são imprescindíveis para garantida dos direitos do trabalhador
8) A polícia é violenta
9) As instituições estão cada vez mais fortalecidas
10) A democracia tem que ser preservada a qualquer custo.


Olá, estava olhando esse artigo e eis que passado algum tempo a bolsa de valores americana continua crescente
https://4.bp.blogspot.com/-QrKqDjRHeIA/WQ5BNzg8nqI/AAAAAAAAWRY/s9IPPXp-hMAfJomULkfLg9ax6OoHSMxkACLcB/s1600/Standard%2Band%2BPoor%2527s%2B500%2BIndex%2BMay%2B5%2B2017.png

No longo prazo, as ações estão correlacionadas com o crescimento econômico

Só que os eua n cresceram tudo isso, e ainda tem o cenário do QE (afrouxamento quantitativo)

Podemos concluir com algum nível de certeza que é bolha?


Não muito. Eis as etapas corretas.

Em um cenário onde o compulsório é de 40%, João deposita $ 1.000 no Banco A.

Eis a contabilização:

Ativo:
Reservas: $ 1.000 ($ 600 em dinheiro livre mais $ 400 em compulsório)

Passivo:
Conta-corrente (pertencente a João): $ 1.000


O Banco A resolve emprestar $ 500 a Pedro. Eis a contabilização imediatamente após a concessão do empréstimo (ou seja, sem Pedro ter sacado o dinheiro):

Ativo:
Reservas: $ 1.000 ($ 600 em dinheiro livre mais $ 400 em compulsório)
Empréstimo: $ 500

Passivo:
Conta-corrente total: $ 1.500 ($ 1.000 pertencentes a João e $ 500 pertencentes a Pedro)

Se Pedro resolve deixar esses 500 reais no próprio Banco A, a contabilização acima em nada se altera. As reservas totais do banco ($ 1.000) continuam bem acima do mínimo (40%) para uma conta-corrente de $ 1.500

Mas se Pedro resolve sacar o dinheiro, e o dinheiro vai parar em outro banco, eis como fica o balancete do Banco A:

Ativo:
Reservas: $ 500 (havia $ 600 em dinheiro livre e mais $ 400 em compulsório. Pedro sacou $ 500 em dinheiro livre. Restaram apenas $ 500)
Empréstimo: $ 500

Passivo:
Conta-corrente: $ 1.000 (pertencente a João)
Conta-corrente: $ 0 (pertencente a Pedro)


"Outra dúvida é referente aos depósitos a prazo. Eles também funcionam com reservas fracionárias? Ou seja, com multiplicador bancário?"

Se o depósito a prazo tiver liquidez diária, então sim. Caso contrário, não.


"O que dizer de várias experiências de profissionais da área de psicologia alegando que o preconceito e a discriminação não é algo natural, que não nasce com o indivíduo?"

Ué, mas nada nasce com o indivíduo. O conhecimento não nasce com o indivíduo. A experiência não nasce com o indivíduo. A prática não nasce com o indivíduo. Aliás, nem mesmo os conceitos de religião e ateísmo nascem com o indivíduo.

Portanto, falar que algo que não nasce com o indivíduo -- e que só é adquirido depois -- é maléfico significa, por definição, condenar o conhecimento, a prática e a experiência.

Essa constatação, portanto, é totalmente imaterial.

"Em relação a opção sexual, na minha visão o autor confunde preferência sexual com discriminação."

A sua visão está errada. A minha preferência sexual é hétero. Sendo assim, não tenho nenhum interesse em ter relação sexuais com outro homem (aliás, tenho nojo só de pensar). Logo, se um gay me convidar para fazer sexo com ele, irei recusar.

Isso é discriminação? É claro que é. Se eu propositalmente me recuso a manter relações afetivas com pessoas do mesmo sexo, então é claro que estou discriminando. E qual o problema com essa discriminação?

Se você acha que ela é errado, então você, por definição, tem de dar a bunda para todo e qualquer homem (ou travesti) que lhe solicitá-la. Qualquer recusa de sua parte implicará uma odiosa discriminação.

"E mais, não é possível fazer uma correlação entre proprietário de um estabelecimento não querer vender a uma pessoa negra e obrigar dois homens terem relações, pois economicamente falando os estabelecimento de vendas já fazem uma "pré-seleção" dos seus compradores através dos preços, por que haveria o vendedor fazer uma discriminação entre pessoas?"

Se um judeu proprietário de uma loja se recusar a atender um cliente neonazista, você defende que este judeu vá preso? Pela sua lógica, sim.

Nos EUA, por exemplo, empreendedores cristãos têm sido perseguidos por se recusarem a fornecer serviços de bufê para casamentos de pessoas do mesmo sexo. Quem apóia esse tipo de coerção também deve apoiar ataques a um negro proprietário de uma loja de iguarias que se recusasse a fornecer serviços para o casamento de simpatizantes neonazistas.

Um estabelecimento que proíbe a entrada de negros é tão válido quanto um que proíbe a entrada de brancos. Um estabelecimento que proíbe a entrada de homossexuais é tão válido quanto um que proíbe a entrada de heterossexuais. Um estabelecimento que proíbe a entrada de judeus é tão válido quanto um que proíbe a entrada de neonazistas. O verdadeiro teste para determinar se um indivíduo é sinceramente comprometido com a defesa da liberdade de associação não está em ele permitir que as pessoas se associem de uma maneira que ele aprova. O verdadeiro teste ocorre quando ele permite às pessoas serem livres para se associar voluntariamente de maneiras que ele considera desprezíveis. Associação forçada não é liberdade de associação.


E você ignorou as aspas por quê?

Não são direitos, mas sim "direitos". Os "direitos" que os progressistas defendem nada mais são do que privilégios concedidos a alguns e custeados forçadamente por outros.

"Direitos", no linguajar progressista, nada mais são do que deveres impingidos aos pagadores de impostos

Há aquelas "minorias" que têm direito a tudo, principalmente ao bolso dos outros cidadãos, os quais, justamente por não estarem no grupo oficial das vítimas, estão consequentemente no grupo dos criminosos, e são os "vitimadores oficiais".

Tem gente que acha que pelo fato de ser homossexual, ou negro, ou pobre, ou transexual já lhe automaticamente garante privilégios, os quais devem ser compulsoriamente bancados por terceiros.

Apresente um argumento ético e moral em favor deste roubo, por favor.

Lamentável, isso sim, é o seu analfabetismo funcional. Além, é claro, de sua calúnia.

O vazio da expressão "direitos humanos"

É economicamente impossível fazer com que os "direitos sociais" sejam mantidos para sempre



No Google Trends (ferramenta do google que analisa o número de pesquisas de um termo ao longo do tempo), a palavra "Instituto Ludwig von Mises" é mais pesquisada na Venezuela do que no Brasil, sendo que é na Venezuela o país onde a palavra é mais pesquisada em todo o mundo. É sério isso?


Ressuscitando a discussão desse artigo...

Macron foi eleito e provocou choro dos neocons, como se a Le Pen pudesse salvar aquilo dos muçulmanos (ela teria que implantar uma espécie de estado policial e criar uma espécie de fiscais do Sarney, para poder tentar tirá-los, já que uma parte já é nascida lá ou se converte). Enquanto tiver desarmamento civil, assistencialismo e o país continuar intervindo no Oriente Médio, isso não vai mudar (a Suíça é um exemplo de que isso funciona). [link]https://www.youtube.com/watch?v=pMheuisjcrQ&t=601s]A Le Pen é tão estatista que faz o FHC parecer liberal[/link].

Veremos agora o que esse parasita vai aprontar. O Trump já virou um fantoche dos globalistas.


Leandro,

O que você acha sobre a Teoria dos Ciclos Reais de Negócios da Nova Escola Clássica? A Escola Austríaca concorda com essa teoria? O que você acha dela? já pensou em um futuro artigo?


Leandro, por gentileza veja se é assim a contabilização bancária.

Em um cenário onde o compulsório é de 40%, um cliente deposita 1000 R$ no Banco A. Eis a contabilização:

D- Disponibilidades 600
D- Reservas bancárias 400
C- Conta corrente 1000

O Banco A resolve emprestar 500 R$ a outro cliente. Eis a contabilização:

D- Empréstimos 500
C- Disponibilidades 500

Esse cliente resolve deixar esses 500 reais no próprio Banco A. Eis a contabilização:

D - Disponibilidades 300
D - Reservas bancárias 200
C - Conta corrente 500

É assim, mesmo?

Outra dúvida é referente aos depósitos a prazo. Eles também funcionam com reservas fracionárias? Ou seja, com multiplicador bancário?


Prezados(as),

O que dizer de várias experiências de profissionais da área de psicologia alegando que o preconceito e a discriminação não é algo natural, que não nasce com o indivíduo? Isso com relação ao preconceito racial. Em relação a opção sexual, na minha visão o autor confunde preferência sexual com discriminação. E mais, não é possível fazer uma correlação entre proprietário de um estabelecimento não querer vender a uma pessoa negra e obrigar dois homens terem relações, pois economicamente falando os estabelecimento de vendas já fazem uma "pré-seleção" dos seus compradores através dos preços, por que haveria o vendedor fazer uma discriminação entre pessoas?


É até injusto pedir esclarecimentos a um autor já morto, mas me impressiona a afirmação final:

"Que a reação ocorra, que os "direitos" sejam retrocedidos, que esta gente recue, entre em órbita e finalmente perceba que, na realidade, sua religião é maléfica".

Por que os direitos devem ser retrocedidos, por que incomoda tanto que os direitos sejam pra todos?
Isso nos leva a pensar quanto a contradição com o próprio texto quando o autor diz "A esquerda progressista não se importa muito com — na verdade, ela até gosta de — pequenos revezamentos de poder".

O autor ao dizer que os direitos devem ser retrocedidos, também afirma que a direita (assim como a esquerda) não aceita os "pequenos revezamentos de poder".
Lamentável...


E o vídeo ein? Precisa ser divulgado e visto !

To ouvindo todos os podcasts desde o início.
Sempre bom voltarem para atualizar os links e cia , não deixem escapar informação ! ! !


Se o Lula tivesse ainda hoje na presidência e mantivesse a amizade com o Assad, provavelmente estaria também ao lado do Putin e contra os rebeldes, apesar do histórico da diplomacia brasileira sempre se manter neutra.


Isso mesmo Anônimo.

Eu já pensei até em me cadastrar naquele MEI. Mas é simplesmente inviável. Eu mexo com venda de camarões ornamentais, bichinhos da laranja e minhocas, mas se todo mês eu ter que pagar aquelas taxas eu já declaro falência. Mesmo eu me cadastrando, vai ter alguma burocracia a mais que eu nem sei o que poderia ser. Continuo como informal mesmo. Muita canseira. Nem daria também para pagar toda essa canseirada... informais para mim são heróis. Que continuem assim, sem sustentar esses vermes.


Taleb gênio pensador mais importante do mundo contemporâneo. Li os livros, e agora acompanho no Medium.com. Com relação a modelos, o ponto dele não são os modelos em si, mas o seu uso equivocado, fora de contexto e o seu impressionante histórico de falhas.


O estado moral de um feto não é tão diferente, senão ainda mais assegurado, do que o do coma. O feto vai nascer assim como o paciente de coma provavelmente acordará. A diferença é que o feto tem hora marcada e tudo que importa é que ele saia do útero. Fora do útero, a sociedade arbitrariamente decide que matar o feto vira infanticídio.

O ponto é que a agência moral (o que nos dá a ética) não é um pontinho na cronologia. Em toda nossa vida existirão espaços de tempo em que nós não teremos a capacidade de agir racionalmente.


Deve ser porque de um feto, origina-se uma criança. Ou estou enganada?


Prezado Daniel,

Explica Mises:

O objetivo final da ação é sempre a satisfação de algum desejo do agente homem. Só age quem se considera em uma situação insatisfatória, e só reitera a ação quem não é capaz de suprimir o seu desconforto de uma vez por todas. O agente homem está ansioso para substituir uma situação menos satisfatória por outra mais satisfatória.

O axioma do qual se deriva a economia e o motivo de os austríacos da linha de Mises considerarem a economia uma "lógica" é o explicado acima: o homem age racionalmente na expectativa de aumentar sua utilidade.

Simples assim. Se eu troco uma banana por uma maçã, é porque a utilidade que eu terei com uma maçã comparada à que tenho com uma banana na mão é maior. Se não fosse, eu não faria a ação. Se eu ofereço crédito a alguém com juros é porque eu creio que a utilidade que eu terei no futuro tendo o montante + juros é maior do que a utilidade que terei se eu pegar o montante e gastar tudo hoje.

Há também uma declaração tácita que eu faço a trocar a banana pela maçã: significa que PARA MIM, a maçã é o que eu espero valer mais comparada a todos os objetos pelos quais eu estou ciente de que eu poderia trocar minha banana.

Mísseis de fabricação doméstica (Abraços).


Prezada Alice,

No entanto, não explica como as pessoas não violariam muito mais umas as outras sem a presença de uma força coercitiva que as impeça de fazer.

Meu país tem uma força coercitiva que arrecada 1,5 trilhões de reais, está em paz e tem uma taxa de homicídios maior que a Síria.

A senhorita poderia nos explicar como as pessoas não violariam muito mais umas às outras COM a presença de uma força coercitiva para violá-las também de lado?

Se Brasília fosse uma empresa de segurança, já estaria falida. Felizmente, não é. Então vamos pagar nossos impostos mesmo se o Estado não garantir o direito de ninguém.

É claro que nunca houve um Estado que seguiu objetivamente o liberalismo clássico, no entanto isso não elimina de todo a possibilidade de sua construção.

Estado no Liberalismo Clássico? Tipo minarquia que apenas assegura os direitos negativos do indivíduo? Já existiram estados muito próximos e existem ainda hoje. Eles figuram no topo dos índices de desenvolvimento econômicos, oportunidades de trabalho e são costumeiramente sonhos de morada de todo mundo. Um exemplo é Hong Kong.

E mesmo que seja impossível fazê-lo, parece-me que eliminar a única instituição que regula as relações sociais em favor de deixar que os indivíduos, de maioria sem educação, se regulem é um ato atroz em relação a população. (grifo meu)

Em relação ao grifo: A senhora está me dizendo que a única coisa que a impede de matar é o aparato policial? Serei razoável pois sei que foi um erro infeliz que qualquer um poderia cometer. Mas na realidade há um mundo de morais, instituições culturais e comportamentos familiares que influem no tipo de atitudes que indivíduos tomarão. Seres humanos não são exatamente arbitrários. Ninguém se torna assassino porque foi amado na infância.

Em relação ao resto: Aí é a boa e velha falácia do Bastiat - confundir estado com sociedade e achar que se o estado não fabricar sapatos, a sociedade não o fará. Se entendeu meu primeiro ponto, notou que o estado não garante nenhum direito e ainda tira de você esteja você protegida ou não. Então já estabelecemos que o Estado é um golpe e 92% dos homicídios são arquivados, o que prova que a República Federativa do Bananal é um golpe.

Agora, temos a questão da auto-regulação. "Se o Estado toma o monopólio de um serviço (garantia de direitos negativos) de modo que ninguém mais possa oferecê-lo, como ele (o serviço) será oferecido se o Estado não determinar que só ele pode fazê-lo?"

É um tema longo mas não é tão difícil de explicar. É simples: temos cidades no Brasil com homicídios per capita baixíssimos e outras em que vivemos basicamente na África do Sul. Mas se a população opta por viver nesses infernos, ela naturalmente terá gastos adicionais para garantir sua propriedade: grades na janela, vigilância e proteções adicionais.

Mas é um arranjo muito ruim para seguradoras, sejam de carro ou de domicílio. Elas têm que arcar com o fardo do crime mais do que todo mundo. Elas têm incentivo para impor regras (aceitas voluntariamente pelo segurado) e oferecer serviços-extra de segurança (você não sabe, mas é basicamente o que acontece nos cinemas com muita eficiência) nos locais e circunstâncias onde há maior vulnerabilidade.

As afirmações que faço acima são baseadas na forma como vulnerabilidades já são HOJE abordadas por agências de seguro. Mas há múltiplas formas (que digamos: são MUITO mais eficientes que Lula, Dilma e Temer) de garantir a segurança privadamente. Você mesma já deve ter ido a um shopping onde a segurança é pequena e desarmada mas você está infinitamente mais segura do que andando na rua perto da cara e indiferente polícia estatal. Ou quem sabe, você já foi a um condomínio. Ou talvez, more em uma casa com defesas próprias pois o estado é tão fantástico em garantir seus direitos que você precisa ter grades nas janelas.

Além disso adoraria saber como uma pessoa invalida viveria sem suporte de um Estado que, é claro deveria servir exclusivamente à justiça e segurança (inclusive a esses casos lastimáveis).

Fico muito feliz que a senhora se importe com as pessoas invalidadas. Já é motivo para não termos preocupação.

Se você é completamente invalidado com uma lesão que o impede de contribuir com a sociedade COMPLETAMENTE, não resta solução além de viver da caridade. Não tem fuga.

Sabe um pessoal que fica frequentemente invalidado? Militares dos EUA. E quem cuida deles é o governo. Pobre veteranos.

A leitura do dia:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=1540 (Como parei de inventar desculpas [para o estado] e libertei minha mente)

E bem-vinda ao clube. A diferença de minarquista para voluntarista aqui são 6 meses de estudos.

Abraço de petróleo.


Concordo com todas as "leis", exceto a última:

"Todas as verdadeiras leis econômicas são puramente lógicas".

Já me enveredei nesse tipo de discussão aqui mesmo, em outros artigos. Aprecio muito a análise econômica que o pessoal do instituto Mises faz. Entretanto, acho que pecam quando vão tratar da questão metodológica, quando levam ao extremo a ideia da praxeologia.

Leis puramente lógicas só existem na matemática. Por meio de demonstrações rigorosas, dedução, indução, etc., pode-se chegar a outras verdades. Todas as outras áreas dependem da experiência - Física, Biologia e - por que não? - a Economia, a Sociologia e também a História.

No caso da ação humana, não é diferente. A ação humana não é um comportamento observável por meio puramente lógico; a ação humana se manifesta apenas por meio da experiência, e somente através desta podemos constatar sua regularidade, imprevisibilidade, especificidades, interesses, etc.

O fato de a ação humana não ser previsível como um fenômeno físico não significa que não possa ser modelada matematicamente. Processos estocásticos são imprevisíveis, no entanto, há uma rigorosa formulação matemática em torno deles. Aliás, vários ambientes na área de tecnologia operam sob condições de turbulência, imprevisibilidade, interferências, etc., e no entanto, consegue-se, através da modelagem matemática, projetos com reduzida margem de erro - ou, falando de outro modo, consegue-se prever comportamentos, tendo-se uma diminuta margem de erro.

PS: já li o artigo do Murray N. Rothbard indicado acima no hyperlink.

Abraços


E o pior é que o sujeito confunde livre mercado com crony capitalism.

Dica: livre mercado não existe no Brasil.


O sujeito vem em um site totalmente contrário ao crony capitalism e acusa os frequentadores de serem crony capitalistas.


Caro leitor. Primeiro, antes de mais nada, recomendo esse artigo:

A incoerência de esperar que o estado decrete o livre mercado

De qualquer forma, não acredito que é com pressões de cunho coletivista que há de se mudar um país quando a mentalidade de uma grande da população foi formada por séculos de estatismo. Se você quer entrar na luta, dissemine os pensamentos discutidos aqui, ensine a todos que estão próximos de você. Não será nessa geração que teremos uma mudança, mas quem sabe na próxima.


O texto sugere, tal como deveria pela sua lógica, que o Estado simplismente seja extinto presumindo que este viola direitos que não deveria. No entanto, não explica como as pessoas não violariam muito mais umas as outras sem a presença de uma força coercitiva que as impeça de fazer. É claro que nunca houve um Estado que seguiu objetivamente o liberalismo clássico, no entanto isso não elimina de todo a possibilidade de sua construção. E mesmo que seja impossível fazê-lo, parece-me que eliminar a única instituição que regula as relações sociais em favor de deixar que os indivíduos, de maioria sem educação, se regulem é um ato atroz em relação a população.
Além disso adoraria saber como uma pessoa invalida viveria sem suporte de um Estado que, é claro deveria servir exclusivamente à justiça e segurança (inclusive a esses casos lastimáveis).


Sobre estatísticas, Roberto Campos saiu-se com esta: "...são como biquinis. O que elas revelam é importante. Mas, o que ocultam é essencial!"


Lel, cheguei atrasado ao debate, mas vc não está respondendo às questões do saoPaulo:

Se como muitos aqui disseram, a vida começa na concepção, então, por simples lógica, decorre que:

- Pílula do dia seguinte é assassinato.
- DIU é assassinato
- Fertilização in-vitro é assassinato (geralmente múltiplo)
- Qualquer comportamento da mãe que implique em não-fixação do embrião é negligência/imprudência, e, portanto, pode ser considerado homicídio culposo.

Alegações como "só é aborto após a nidação" são contraditórias com a alegação anterior e demonstram má-fé no debate.


"Um governo que proibe o aborto sanciona a agressão, dando direitos e privilégios a alguns (as crianças não-nascidas) enquanto injuria e tira os direitos de outros (as mães)."


Não tem meio-termo. Dar direitos a um implica em criar obrigação para outro. Daí para a frente é só uma questão de onde traçar os limites.


"...para determinar se um país é desenvolvido é seu IDH e sua renda média, índices que são altíssimos em ambos os países. O marido poder bater ou não na esposa é uma questão totalmente secundária para determinar se o país é desenvolvido. "

Um país onde o espancamento de mulheres por seus maridos é legalizado realmente possui um Desenvolvimento Humano notável. (é isso que IDH quer dizer, não é ?)

Gente que afirma coisas como essa se proclama "humanista" porque é contra o aborto. Fetos tem direitos. Mulheres já nascidas, não.


O resultado ainda não saiu, meu caro. Você não viu o que está escrito ao final do texto?

"Devido ao grande número de participantes, a data do anúncio final foi postergada. Os participantes já receberam e-mails sendo devidamente informados."

Ou seja, todos aqueles que enviaram seus artigos já foram devidamente informados por e-mail e estão plenamente cientes de tudo. E o resultado final será anunciado aqui.

Portanto, quem participou já está à espera da divulgação dos resultados. Já quem não participou apenas se rebaixa a inventar calúnias.


"Caso descobrisse que a platina servisse como um componente de um remédio extremamente eficaz para uma doença comum mas sem cura, mas o preço dela fosse elevado por um motivo banal, como para a produção de jóias, que inviabilizasse a produção deste remédio."

Inverteu tudo e cometeu erros básicos.

As jóias que utilizam platina são caras exatamente porque o preço da platina é alto, pois a platina é usada nos compostos que são aplicados no tratamento de quimioterapia para certos tipos de câncer.

Portanto, as jóias que usarem platina serão extremamente caras por causa deste sinal de mercado. "Ei, quer usar platina nas suas jóias? Beleza, mas vai ter de pagar caro por ela. A prioridade é usá-la no tratamento de câncer".

A demanda por platina a ser usada em tratamentos de câncer ao redor do mundo é muito maior do que a demanda por jóias, as quais são utilizadas por uma quantia ínfima de pessoas.

Portanto, o mercado está fazendo todo o serviço em garantir a alocação de platina exatamente para quem mais necessita.

"Por quê não deveríamos intervir nessa situação?"

Ou seja, um iluminado como você, muitíssimo preocupado com as pessoas sofrendo de câncer, resolve estipular um controle de preços para a platina (ao estilo Sarney).

O que irá acontecer? O óbvio: quando o preço de algo está congelado, quem se apropria do maior volume deste bem são os mais endinheirados, que, exatamente por terem mais dinheiro, podem se apropriar da maior quantidade possível.

Quando há congelamento de preços, quem mais se apropria da comida dos supermercados são os ricos, que, por terem mais dinheiro, podem comprar de uma só vez uma quantidade muito maior de comida que os pobres, que têm menos dinheiro. Até a comida acabar e os pobres ficarem sem nada.

(Quando o preço está congelado, a oferta some, pois produzir deixa de ser lucrativo. Quem viveu no Brasil do Plano Cruzado nem precisa de teoria para saber disso. Logo, o bem simplesmente desaparece do mercado.)

Com os preços da platina congelados, quem irá se apropriar do maior volume de platina até que ela suma do mercado? Exato, os mais endinheirados. E quem são os mais endinheirados? Aqueles que compram jóias!

Parabéns. Você acabou de garantir ainda mais jóias para os endinheirados e menos tratamento para os cancerosos. Como se sente?