clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Leandro, eu li esta notícia e achei que havia sido reduzido o déficit fiscal devido a injeção de dinheiro advindo do aumento da dívida pública, pois com mais dinheiro girando mais impostos estariam sendo pagos e os repasses a salários e gastos diversos ainda nao estariam sendo impactados pela inflação que deve estar ganhando força, mas pelo que você mostrou nesses gráficos o governo, que apesar de ser socialista, realmente reduziu gastos. E se os impostos não aumentaram então está sendo de fato uma austeridade correta, é isso?
Isso significa que o país esta no caminho correto.
Porém não entendi o porque do aumento da dívida publica, poderia me dar uma luz?
Muito obrigado!


"Não somos "crianças mimadas" nem "sentamos no colo" de politicos para conseguir o que queremos"

Como não? Foram pagar pau para deputadinho petista como crianças choronas pedindo mamadeira.

E todo esse seu comentário não passa de chorinho de criança borrada nas calças: "ui, ui, ui, a Uber quer dominar o mercado, ui, ui, ui, como é malvada".

Vai tomar vergonha na cara, cidadão.



Acho que desregulamentação trabalhista no Brasil pode backfire. No Brasil não existe um arcabouço de economia de livre mercado, estamos em uma situação economicamente insustentável, simplesmente as engrenagens estão parando. Querer resolver problemas estruturais com desregulamentação vai causa aquilo que a esquerda fala mesmo, os salários vão achatar e a produção de riqueza será direcionada para o establishment burocrático-empresarial, com aumento de desigualdade. Não dá mais para tapar o sol com a peneira, tem que reduzir gasto público, cortar da carne mesmo.


Os animais sofrem? Sentem dor? Tem sistema nervoso central e sentimento? Tem alma ou espírito? Há religiões que dizem que sim, inclusive na Índia há pena de morte para quem matar uma vaca. Em que momento a alma ou espírito humano se liga ao corpo? Segundo o Livro dos Espíritos de Alan Kardec:
346. Que acontece ao Espírito, se o corpo que ele escolheu morrer antes de nascer?

— Escolhe outro.

346 – a) Qual pode ser a utilidade dessas mortes prematuras?

—As imperfeições da matéria, na maioria das vezes, são a causa dessas mortes.

347. Que utilidade pode ter para um Espírito a sua encarnação num corpo que morre poucos dias depois de nascer?

— O ser ainda não tem consciência bastante desenvolvida da sua existência; a importância da morte é quase nula; freqüentemente, como já dissemos, trata-se de uma prova para os pais.

348. O Espírito sabe, com antecedência, que o corpo por ele escolhido não tem possibilidade de viver?

— Sabe, algumas vezes; mas, se o escolheu por esse motivo, é que recua ante a prova.

349. Quando falha uma encarnação para o Espírito, por uma causa qualquer, é ela suprida imediatamente por outra existência?

— Nem sempre imediatamente; o Espírito necessita de tempo para escolher de novo, a menos que a reencarnação instantânea decorra de uma determinação anterior.

350. O Espírito, uma vez unido ao corpo da criança, e não podendo mais retroceder, lamenta algumas vezes a escolha feita?

— Queres perguntar se, como homem, ele se queixa da vida que tem? Se desejaria outra? Sim. Se lamenta a escolha feita? Não, porque não sabe que a escolheu. O Espírito, uma vez encarnado, não pode lamentar uma escolha de que não tem consciência, mas pode achar muito pesada a carga. E, se a considera acima de suas forças, é então que recorre ao suicídio.

351. No intervalo da concepção ao nascimento, o Espírito goza de todas as suas faculdades?

— Mais ou menos, segundo a fase, porque não está ainda encarnado, mas ligado ao corpo. Desde o instante da concepção, a perturbação começa a envolver o Espírito, advertido, assim, de que chegou o momento de tomar uma nova existência; essa perturbação vai crescendo até o nascimento. Nesse intervalo, seu estado é mais ou menos o de um Espírito encarnado, durante o sono do corpo. A medida que o momento do nascimento se aproxima, suas idéias se apagam, assim como a lembrança do passado se apaga desde que entrou na vida. Mas essa lembrança lhe volta pouco a pouco à memória, no seu estado de Espírito.

352. No momento do nascimento, o Espírito recobra imediatamente a plenitude de suas faculdades?

— Não: elas se desenvolvem gradualmente com os órgãos. Ele se encontra numa nova existência; é preciso que aprenda a se servir dos seus instrumentos; as idéias lhe voltam pouco a pouco, como a um homem que acorda e se encontra numa posição diferente da que ocupava antes de dormir.

353. A união do Espírito com o corpo não estando completa e definidamente consumada, senão depois do nascimento, pode considerar-se o feto como tendo uma alma?

— O Espírito que deve animar existe, de qualquer maneira, fora dele. Propriamente falando, ele não tem uma alma, pois a encarnação está apenas em vias de se realizar, mas está ligado à alma que deve possuir.

354. Como se explica a vida intra-uterina?

— E a da planta que vegeta. A criança vive a vida animal. O homem possui em si a vida animal e a vida vegetal, que completa, ao nascer, com a vida espiritual.

355. Há, como o indica a Ciência, crianças que desde o ventre da mãe não têm possibilidades de viver? E com que fim acontece isso?

— Isso acontece freqüentemente, e Deus o permite como prova, seja

para os pais, seja para o Espírito destinado a encarnar.

356. Há crianças natimortas que não foram destinadas à encarnação de um Espírito?

— Sim, há as que jamais tiveram um Espírito destinado aos seus corpos: nada devia cumprir-se nela. É somente pelos pais que essa criança nasce.

356 – a) Um ser dessa natureza pode chegar ao tempo norma! De nascimento?

— Sim, algumas vezes, mas então não vive.

356 – b) Toda criança que sobrevive tem, portanto, necessariamente, um Espírito encarnado em si?

— Que seria ela, sem o Espírito? Não seria um ser humano.

357. Quais são, para o Espírito, as conseqüências do aborto?

— Uma existência nula e a recomeçar.



Será que Wagner Moura e Camila Pitanga fazem filmes nacionais pela CLT? Será que eles trabalham em peças de teatro pela CLT?

Aliás, será que as centenas de técnicos que trabalham em seus filmes e as dezenas em suas peças de teatro são CLT? Ou são terceirizados?

Será que as propagandas que a Pitanga faz pra Caixa Econômica Federal são pela CLT? E as que o Moura fez pra TIM, foram pela CLT?

E as pessoas que trabalharam na produção nesses comerciais, eram CLT?



Pessoas menores de idade, no caso 17 anos, não poderão (sob hipótese alguma) participar?


Boa tarde, apresento uma questão jurídica aos nobres debatedores que influencia diretamente na economia:
Analisando a lei de responsabilidade fiscal (lei complementar nº 101/2000), verifica-se que há uma desproporção entre os recursos destinados ao Legislativo em relação ao percentual do orçamento destinado ao Ministério Público e Judiciário, levando-se em conta o número de servidores que atuam em cada poder, senão vejamos:

Art. 20. A repartição dos limites globais do art. 19 não poderá exceder os seguintes percentuais:
I - na esfera federal:
a) 2,5% para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas da União;
b) 6% para o Judiciário;
c) 40,9% para o Executivo;
d) 0,6% para o Ministério Público da União;

Percebam que 2,5% de todo o orçamento do Brasil vai para os picaretas do Congresso e do TCU, o que legitima, legalmente, todos os gastos ineficientes, ineficazes e inefetivos dos Nobres Parlamentares e seus indicados políticos para o TCU.
Ocorre que só quem pode mudar essa lei são esses mesmos picaretas. Eis a questão: o Legislativo é Império do Brasil.
Alguém tem uma solução factível para essa desproporcionalidade?


Já aqui falei por duas vezes sobre a situação cá em Portugal. A situação não é boa. Em 2016 já com governo de esquerda a dívida aumentou, os juros da dívida a 10 anos aumentaram cerca de 100%, o crescimento económico diminuiu e a redução do défice foi menor que nos anos anteriores. Apenas em relação á redução da taxa de desemprego os resultados foram semelhantes aos do governo anterior. E o défice reduziu-se com governo de esquerda apesar de terem devolvido os cortes que tinham sido feitos aos funcionários públicos pelo governo anterior e reduziu-se porque o investimento por parte do estado foi o menor em muitos muitos anos.

Para além disso tivemos num passado recente um governo de esquerda que conseguiu enganar todas as agencias estatísticas e económicas internacionais em relação ao défice em mais de 5 pontos percentuais. Acho provável que de alguma forma tenha acontecido novamente.

Mas escrevo este comentário para dizer que é absolutamente fantástico que um governo que tem um ano cívil que é pior em praticamente todos os dados que o ano cívil anterior quando existia outro governo, que exista um governo de esquerda que embora ideologicamente afastado (não tanto como fazem crer) do governo anterior de direita, tenha feito pouca coisa de diferente, e num caso, dizem que existe um fracasso dos austeritários radicais e noutro um sucesso dos progressistas.

A situação em Portugal é má porque Portugal está muito longe do que por aqui se defende e isso indepentemente das forças políticas que estão governo. Agora, como houve uma recuperaçãozita (que começou com o governo anterior, e que até teve crescimento económico superior ao actual ), Portugal já é um caso de sucesso. Não é verdade e o futuro encarregar-se-há de provar que infelizmente estou certo


Boa tarde, apresento uma questão jurídica aos nobres debatedores que influencia diretamente na economia:
Analisando a lei de responsabilidade fiscal (lei complementar nº 101/2000), verifica-se que há uma desproporção entre os recursos destinados ao Legislativo em relação ao percentual do orçamento destinado ao Ministério Público e Judiciário, levando-se em conta o número de servidores que atuam em cada poder, senão vejamos:

Art. 20. A repartição dos limites globais do art. 19 não poderá exceder os seguintes percentuais:
I - na esfera federal:
a) 2,5% para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas da União;
b) 6% para o Judiciário;
c) 40,9% para o Executivo;
d) 0,6% para o Ministério Público da União;

Percebam que 2,5% de todo o orçamento do Brasil vai para os picaretas do Congresso e do TCU, o que legitima, legalmente, todos os gastos ineficientes, ineficazes e inefetivos dos Nobres Parlamentares e seus indicados políticos para o TCU.
Ocorre que só quem pode mudar essa lei são esses mesmos picaretas. Eis a questão: o Legislativo é Império do Brasil.
Alguém tem uma solução factível para essa desproporcionalidade?


De novo? Acabou de ser respondida, em detalhes, logo acima, em resposta ao leitor "Keynes-Democrata"

E faço um adendo: até outro dia, todo o coro dos descontentes dizia que "a austeridade está matando Portugal!". Agora que o país começa a se recuperar estão dizendo que "Portugal está crescendo porque nunca teve austeridade!".

Um pouquinho de coerência, por favor.



Boa tarde, apresento uma questão jurídica aos nobres debatedores que influencia diretamente na economia:
Analisando a lei de responsabilidade fiscal (lei complementar nº 101/2000), verifica-se que há uma desproporção entre os recursos destinados ao Legislativo em relação ao percentual do orçamento destinado ao Ministério Público e Judiciário, levando-se em conta o número de servidores que atuam em cada poder, senão vejamos:

Art. 20. A repartição dos limites globais do art. 19 não poderá exceder os seguintes percentuais:
I - na esfera federal:
a) 2,5% para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas da União;
b) 6% para o Judiciário;
c) 40,9% para o Executivo;
d) 0,6% para o Ministério Público da União;

Percebam que 2,5% de todo o orçamento do Brasil vai para os picaretas do Congresso e do TCU, o que legitima, legalmente, todos os gastos ineficientes, ineficazes e inefetivos dos Nobres Parlamentares e seus indicados políticos para o TCU.
Ocorre que só quem pode mudar essa lei são esses mesmos picaretas. Eis a questão: o Legislativo é Império do Brasil.
Alguém tem uma solução factível para essa desproporcionalidade?


Boa tarde, apresento uma questão jurídica aos nobres debatedores que influencia diretamente na economia:
Analisando a lei de responsabilidade fiscal (lei complementar nº 101/2000), verifica-se que há uma desproporção entre os recursos destinados ao Legislativo em relação ao percentual do orçamento destinado ao Ministério Público e Judiciário, levando-se em conta o número de servidores que atuam em cada poder, senão vejamos:

Art. 20. A repartição dos limites globais do art. 19 não poderá exceder os seguintes percentuais:
I - na esfera federal:
a) 2,5% para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas da União;
b) 6% para o Judiciário;
c) 40,9% para o Executivo;
d) 0,6% para o Ministério Público da União;

Percebam que 2,5% de todo o orçamento do Brasil vai para os picaretas do Congresso e do TCU, o que legitima, legalmente, todos os gastos ineficientes, ineficazes e inefetivos dos Nobres Parlamentares e seus indicados políticos para o TCU.
Ocorre que só quem pode mudar essa lei são esses mesmos picaretas. Eis a questão: o Legislativo é Império do Brasil.
Alguém tem uma solução factível para essa desproporcionalidade?


"sem o estado para mim o capitalismo quebra".
É meio que ao contrário, né? Sem o capitalismo, o estado vai à falência. Como ele irá se sustentar? Dica: URSS e Alemanha Oriental (nem vou citar Camboja, Cuba e Coreia do Norte porque aí vira covardia).


todos nós somos reféns da estética e ideologia neoliberal.

Rapaz, não é que você tem razão? Você abriu meus olhos! Aguardo ansiosamente o dia que você se libertará de ser um refém da ideologia neoliberal ao vender todos os seus bens, doar todo o dinheiro que tem para os pobres e ir viver como um verdadeiro ser humano, livre, em alguma floresta qualquer, já que tudo produzido hoje é resultado do capitalismo nefasto, não é mesmo?

E ai? Quando vai começar? Hoje mesmo?


Excelente! O Instituto deve doar ainda mais livros para as escolas. Se os estudantes brasileiros tivessem a menor noção de economia rechaçariam de imediato a estupidez marxista.


A primeira coisa que notei ao abrir o site foram os anúncios da Dell e da L'ORÉAL.


Você diz que o governo de Portugal aumentou os gastos? É nisso que dá acreditar em tudo o que diz determinados veículos de mídia, que não passam panfletos ideológicos.

Vou lhe explicar o que houve em Portugal.

1) O governo cortou os gastos em 11%. Atenção: não foi uma mera "redução na taxa de crescimento", como fazem no Brasil. Foi corte de gastos, mesmo. Se um corte de 11% nos gastos do governo não é mais considerado 'austeridade' para a esquerda, então eu é que estou ficando frouxo.

cdn.tradingeconomics.com/charts/portugal-government-spending.png?s=portugalgovspe&v=201704031434t&d1=19170101&d2=20171231

2) Como consequência desse brutal corte de gastos, o déficit do governo, que estava em astronômicos 11,1%, caiu para míseros 2,1%.

cdn.tradingeconomics.com/charts/portugal-government-budget.png?s=wcsdprt&v=201704031434t&d1=20070101&d2=20171231

Se reduzir os déficits orçamentários de 11,2% do PIB para 2,1% do PIB (no Brasil estão em 9% do PIB) não é mais considerado austeridade, então eu realmente afrouxei.

3) Em decorrência da redução dos gastos do governo e do acentuado encolhimento dos déficits, as taxas de juros de longo prazo (determinadas pelo mercado e essenciais para que haja investimentos produtivos em vez de especulativos) desabaram:

cdn.tradingeconomics.com/charts/portugal-government-bond-yield.png?s=gspt10yr&v=201704051605t&d1=20110405&d2=20170405


O que houve em Portugal, portanto, nada mais foi do que a comprovação empírica de tudo o que sugere este Instituto.

Aviso a Meirelles: os déficits do governo nos empobrecem; mas os gastos são ainda piores


O exemplo irlandês - como a redução dos gastos do governo impulsionou o crescimento da economia


Dica: se você exaltar Portugal, você estará, na verdade, batendo continência para políticas de austeridade e de cortes de gastos (11% na redução dos gastos). Por mim, continue nessa.


Pois é. Por que eles não se declaram fascistas logo de uma vez? Porque são incoerentes. São burros.

Ah, e continuo sem conseguir arrumar um emprego. Já entreguei currículos para vários locais e... aparentemente, continuarei na informalidade.


O que dizer dessa matéria da BBC ? www.bbc.com/portuguese/internacional-39501022


Isso, meu amigo, é chamado terceirização de serviços.

O dito taxista poderia manter por conta própria uma rede de contatos para que ele possa vender seus serviços a diversos passageiros, mas não, ele permite que outra pessoa (nesse caso o UBER) faça isso por ele, mediante um pagamento (a parcela da corrida que o UBER cobra para si). Esse arranjo é bem mais comodo para o taxista, pois permite que ele concentre em apenas dirigir ao invés de gerenciar uma rede de contato (que seria uma trabalheira enorme).

Em contrapartida, o UBER exige que o motorista atenda alguns requisitos mínimos para manter o nome da empresa.


Teria vergonha de me humilhar a tanto. Sabe o que eu faria. Mostraria para esses moleques do Uber quem é competente e quem sabe atender um cliente com precisão, confiança e bom preço.

Mas isso é atitude de homem. Menino sai correndo pro colo de qualquer deputado que abane os braços, chorando e pedindo colo.


Legal mesmo é ver o capitão Nascimento. Ao final do filme Tropa de Elite, ele fala que os problemas de segurança no Rio são causados por interesses de políticos, culpando o 'sistema'. Agora ele é quem está apoiando.


Esquece esses xingamentos que não vão mudar a opinião de ninguém e em nada contribuem.

Creio que ao enviar o artigo você precisará subscrevê-lo, não deixá-lo de forma anônima (como concorreria a algo se nem sabemos quem é você). Então acho que seguindo os trâmites propostos, você pode sim. Agora, vendo pelos seus comentários nos outros posts acho difícil que ganhe algo :)


Escreva em conjunto com alguém e peça para que ele subscreva a inscrição, e você estará concorrendo junto...creio que isso seja possível sim.



Os taxistas que pretendem manter um monopólio de seu meio de transporte por acaso seguem isso que defendem na hora em que fazem suas compras? Será que eles adquirem seus alimentos em supermercados com preços mais elevados ou pesquisam para saber onde levarão mais vantagens nos preços? Adquirem medicamentos em farmácias onde eles possam sair com preços mais em conta ou ingressam naquelas com itens de custos mais elevados? Preferem faculdades gratuitas para seus filhos ou optam por pagar as particulares?
São em momentos como esses que se derruba qualquer falastrão esquerdista-monopolista!!!


Se uma moeda desvaloriza, isso afeta o juros?

No meu pensamento, se uma moeda perde valor, logo os eu preço pra se emprestar também muda.

Uma moeda que tem maior valor, custa mais pra ser emprestada.
A que tem menos valor, custa menos pra ser emprestada. O preço pra se emprestar o dinheiro esta ligado ao valor em si da moeda...

Certo ou errado?


O IMB tinha que tentar organizar debate com esses vermes, chamava Ciro Gomes e os adeptos da CC.

Nossa essa eu queria ver, o Ciro ia falar falar e falar e não ia sair do lugar.


Portugal voltou a crescer depois da eleição do Costa que chegou ao poder em 2015, encabeçando uma coalizão de esquerda e com a promessa de acabar com a austeridade a qualquer custo.

Em menos de dois anos, o cenário passou a ser otimista. O Banco Central português estima, para 2019, redução da taxa de desemprego para 7%, enquanto as exportações devem crescer em 6%.

A austeridade de 2011 a 2014, somente agravou a crise, Portugal não crescia, somente depois da eleição do Costa em 2015, que Portugal voltou a crescer. Justamente depois que acabou com a austeridade.

Com o governo elevando o gasto, ele consegue gerar demanda, ai gera-se crescimento, a produção aumenta e por ai vai.
O que não pode é fazer quem nem no Brasil, sem balancear o consumo excessivo com o aumento de gasto público.
Gastasse mais sem aumentar impostos, com empréstimos, imprimi um pouco elevando a inflação a 2% ao ano.

O resultado do crescimento economico aumentaria a receita do governo, ai ele paga o empréstimo, para de imprimir e aumenta um pouco os impostos. Consequentemente mais receita ainda, ai ele volta a gastar mais, empréstimo, imprimi e por ai vai.. Esse é o clico correto pra se tirar um país da crise, coisa que o PT nunca soube fazer direito.



Gostaria de saber o que vocês tem a falar sobre isso, de verdade mesmo na boa, uma resposta amigável pra eu ver o outro lado, me formei a 10 anos em economia e não consigo acreditar em austeridade, sem o estado pra min o capitalismo quebra.

Abraços




Artistas deveriam se negar a participar de produções cujos figurantes são terceirizados (opa, é assim em todas!). E, por coerência, deveriam se negar a trabalhar nessas produções. Ou, no mínimo, deveriam se recusar a aceitar salários, pois seria um "dinheiro sujo", resultado da "exploração de mão de obra de não-CLTs"


Sabe o que é mais interessante? Quem mais defende CLT é esquerdista classe média concursado.


Fica a seu critério.

Aqui uma solução bem moderada (e não totalmente definitiva):

www.mises.org.br/Article.aspx?id=1966

E aqui uma solução mais radical e definitiva:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=1553


P.S.: por que não fazer seu comentário na própria seção de comentários do referido artigo? Seria bem mais fácil. Tá aqui:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2663


Os mesmos que apoiam Rede, PSOL, sindicatos sanguessugas e violentos, também apoiaram PT, Dilma e cia. Nada de novo. Os que chamam os outros de "fascistas" defendendo a lei de inspiração fascista. Ah, essa esquerda tosca latino-americana cansa e prejudica tanto os pobres que dizem defender.


Até 1913, a única forma de o governo federal americano se financiar (a única forma que era permitida pela Constituição) era por meio de tarifas de importação. Ou seja,toda a carga tributária federal se resumia a tarifas de importação. Portanto, foi até 1913.

De resto, é de crucial importância distinguir entre tarifas de importação com intuito protecionista e tarifas de importação com intuito arrecadatório. Uma é o exato oposto da outra.

Uma tarifa com intuito protecionista é imposta exatamente para impedir que as pessoas importem. Se ela realmente lograr tal objetivo, a receita do governo será zero. Óbvio. Se o intuito do governo é desestimular as pessoas de importar -- e se as pessoas realmente não importarem --, então a arrecadação do governo com essa tarifa será zero. E ele não ligará, pois era isso o que ele queria.

Já uma tarifa com intuito arracadatório existe, ao contrário, para trazer o máximo possível de receita para o governo. Ela não está ali para impedir as pessoas de importar; ao contrário, o governo está torcendo para que as pessoas importem o máximo possível, pois só assim ele terá muitas receitas. E se o governo exagerar na tarifa, então ela vira meramente protecionista, e a arrecadação do governo tenderá a zero -- exatamente o contrário do que ele almejava.

Por uma questão de lógica simples, sabendo que o governo americano da época sobrevivia exclusivamente com as receitas dessas tarifas, então a conclusão lógica é que, à época (antes de 1860 e pós-1870), elas não tinham caráter protecionista. Se tivessem, o governo não teria receita.

As tarifas de importação do governo Sarney e do governo Dilma, por exemplo, eram meramente protecionistas. Já as americanas eram arrecadatórias.

E, ainda assim, eram mais baixas que as nossas atuais.


Duh! Todo capitalista, por definição, depende de um meio de produção. Capitalista é aquele que é o detentor do capital. E capital é aquilo que gera renda para o capitalista.

Utilizar um aplicativo para gerar renda não faz do capitalista alguém menos capitalista.

Beijos de luz =*

(É assim?)


é bom você se profissionalizar em outra coisa pois sua profissão já já vai sumir.


Amazon e os porcos
O mundo está muito estranho caro leitor, alguns intelectuais perceberam tais mudanças e já nos alertam através do termo "Pós-verdade". Acredite, está palavra anda bastante famosa nas redes sociais, conversas de bar, no meio intelectual; este é o termo que virou celebridade no meio dos limpinhos da Livraria Cultura e dos que acessam o site Spotniks.
O que nos diz este termo? o "pós" nos diz sobre algo que é posterior; a verdade nos diz sobre algo que está em conformidade com os fatos e realidade. Portanto, o termo nos revela sobre algo que é posterior a realidade.

Entro nesta questão, devido a falsidade estética em que vivemos, como se fosse uma grande bolha criada pelo capitalismo. Tivemos uma grande prova dessa falsidade, através das consequências de uma peça publicitária da Amazon. Um grande homem, que tem consciência social, por escolha do destino tornou-se diretor de criação da Amazon. Este grande homem chamado Jairo Anderson, que assim como eu, acessa todos os dias o site Catraca-Livre. Ele ajudou a produzir uma peça publicitária fantástica! Foi um dos poucos homens a lutar contra o politicamente correto neste país. Mas não durou muito tempo, logo a elite paulista entediada e limpinha, fez questão de aderir ao politicamente correto do prefeito João dória.

Que mundo é este onde não se pode criticar a morte da beleza? A cidade ficou cinza! a cidade ficou feia! a cidade ficou elitista sem à arte produzida pelas minorias. Quero uma cidade colorida sim!. Agora não se pode mais espalhar arte pela cidade, que os neoliberais defensores ferrenhos da propriedade ficam de mimimi. Sou grato sim a Jairo Anderson por ousar lutar contra este politicamente correto da elite paulistana.

Entretanto, eu não posso deixar uma questão ser ignorada. Não posso deixar de lado meu desprezo pelo capitalismo e suas empresas. As pessoas imaginam uma empresa da seguinte forma: "oie, eu sou a empresinha, sua amiguinha". Desculpe, mas à empresa Amazon não é minha amiguinha! isto é apenas uma mentira publicitária que faz as pessoas ter um fetichismo por objetos e marcas. Não foi a empresa "ameguinha" Amazon que fez doações do fundo do coração. Foi, isso sim, o conjunto de pessoas com uma necessidade de ganhar um sujo dinheiro, para depois fazer sexo e ter conforto. sim, esta é nossa natureza. Humanos sujos! Imundos!

"Os homens são porcos que se alimentam de ouro - Napoleão Bonaparte". - copiado via kindle.

Voltemos ao termo "Pós-verdade", como os homens vão encontrar a dura realidade humana, Se eles ficam neste fetichismo bobo? A verdade caro leitor, é que eles não vão encontrar, todos nós somos reféns da estética e ideologia neoliberal. Já ficou comprovado que o neoliberalismo não tem base com a realidade, o que resta é criar um mundo de fantasia.

Capital Imoral é filósofo, escritor e já refutou Mises.


Leandro, por qual período as tarifas de importação americanas tiveram função arrecadatória (quando não tinham função protecionista)?


mais uma vez provando que tem que ser retardado pra acreditar no socialismo.


Os motoristas ainda dependem dos aplicativos para conseguir suas corridas, logo não os torna 100% Capitalistas pois ainda dependem de um meio de produção.
Beijos de luz =*


Prezado Leandro,

Bom dia !

Parabéns pelos artigos. Tenho uma dúvida. No artigo de 31/03/017 sexta feira passada, você explicou que o excesso de oferta monetária que é causa da inflação. Excelente texto. Vamos para a prática. Como resolver este problema ? Quais as ferramentas econômicas iniciais são indicadas ? Teremos "efeitos colaterais" quando estas medidas forem implementadas ? Faço estas perguntas porque alguns críticos da EAE falam que suas idéias são impraticáveis.


Grande taxista! Chama os outros de "semi-analfabetos" (apenas porque lhe contestaram) e, em seguida, escreve as seguintes pérolas:

1) "expontanea" (com x)

2) "têem"

3) "a mídia [...] denigri"

4) "objetivos mais excusos"

5) "A grande maioria [...] são"

6) "O Uber [...] trabalham no vermelho"

Após essa auto-humilhação própria (pleonasmo intencional), permita-me colocá-lo em seu devido lugar:

"A cartelização da economia existe, porque existe o Estado que assim o fez. Se eu faço parte dele, acredite, não é por livre e expontanea vontade"

Ué, já que você participa de um cartel contrariadamente, então qual o problema de surgir uma concorrência que visa justamente a quebrar esse cartel? Você deveria aplaudir.

Se o que você está falando é sincero de sua parte, então você, por definição, não pode ficar zangado com a Uber. Ela está afetando um cartel do qual você participa contrariadamente.

"porque nós taxistas sofremos, tanto quanto outros profissionais que têem que conviver com muitas cartelizações espalhadas pelo Brasil."

Que ótima notícia para você, então. O cartel está sendo derrubado. Você, caso esteja sendo sincero em seus sentimentos, deveria se regozijar com este fenômeno.

"Quando da entrada do Uber no Brasil, nós taxistas, já operavamos perfeitamente com os aplicativos 99 e Easy, portanto não somos contra qualquer tecnologia que venha para somar."

Ah, que lindo! Tais aplicativos são formados exclusivamente pelo próprio cartel de taxi. Apenas taxistas podem utilizar esses aplicativos, os quais não representam nenhuma quebra de cartel e nenhum aumento da concorrência.

Por favor, não subestime a minha inteligência.

"Não somos "crianças mimadas" nem "sentamos no colo" de politicos para conseguir o que queremos. Somos adultos o suficiente para discernir o certo do errado."

A prática sugere o contrário desta sua efusão de honradez. Correram para o colo de um deputado petista, pedir cafuné. Se algum dia de minha vida eu tiver de me rebaixar a isso -- ir pedir proteção a um deputadinho petista --, terei vergonha de até mesmo sair da cama.

"Apesar de voce não concordar, o Uber é concorrencia predatoria, pois em alguns paises de primeiro mundo, já proibiram sua atuação justamente por este motivo".

Caiu a máscara. E comprovou tudo o que o artigo disse. Qualquer concorrente que nos sobrepuje e forneça serviços melhores a preços menores é imediatamente chamado de "concorrência predatória".

Essa é a teoria dos chorões e dos incompetentes.

Aliás, ainda que fosse "concorrência predatória", qual o problema? Em uma economia de mercado quem manda é o consumidor. Qual o seu direito de proibir a mim, um consumidor, de utilizar um serviço que não agride e nem violenta ninguém? Qual o seu direito de me obrigar a utilizar apenas os seus serviços?

"No mundo inteiro, onde o Uber se instalou, houve varios protestos, mais violentos que aqui no Brasil."

Caguei. O que isso prova? O que eu tenho a ver com o fato de taxistas franceses vagabundos ficarem putos porque a reserva de mercado deles também foi abalada?

Você realmente quer ter a mediocridade como parâmetro de comportamento?

"Entendo seu fascinio pelo Uber, afinal, pagar 10 ao inves de 15 por uma corrida é sensacional."

Ufa! Agora, sim, você finalmente começou a entender o básico sobre uma economia de mercado. Consumidores querem serviços de qualidade a preços baixos. Uber entrega isso; vocês taxistas não.

"É esta a cultura do povo brasileiro, em que o importante é levar vantagem em tudo, como dizia Gerson em uma propaganda de cigarros anos atrás."

O choro do derrotado. Agora, pelo visto, querer serviços de qualidade a preços baixos é sinônimo de "levar vantagem em tudo".

Por essa sua lógica, então, operadoras de telefonia celular deveriam elevar continuamente seus preços e abolir todos os planos mais baratos. Afinal, querer pagar barato é sinônimo de "querer levar vantagem em tudo".

Pergunta: há dois restaurante a quilo, um ao lado do outro. Um cobra R$ 15 o quilo e tem uma comida excelente e de qualidade. O outro cobra R$ 30 o quilo e tem uma comida de merda. Você comeria no segundo, né? Afinal, comer no primeiro significa um intolerável ato de "levar vantagem em tudo".

"O Uber no Brasil e em varias partes do mundo trabalham no vermelho gastando milhões de dolares em marketing com uma intenção unica..."

Ué, então você não tem que se preocupar com nada. Se a sua concorrência trabalha no vermelho, então ela não irá durar. Sem contar que ela é burra; quem opera voluntariamente no vermelho está pagando para trabalhar. Pior: está se descapitalizando. Empresa descapitalizada não apenas não dura muito, como ainda atiça ainda mais a concorrência: basta entrar no mercado e essa empresa que opera no vermelho rapidamente irá quebrar.

Eis aí a dica a vocês taxistas, portanto: melhorem seus serviços, reduzam os preços e quebrem a Uber. Será mamão com açúcar.

"a de monopolizar o mercado, levando todos os concorrentes a falencia e a partir dai impor seus preços, afinal quem tem o monopolio tem este poder."

Seria a primeira vez na história do mundo que uma empresa quebrada e operando em regime concorrencial "monopoliza" o mercado. Aliás, nunca houve nenhum exemplo na história do mundo de empresa que operou no vermelho por anos e, em seguida, virou "monopolista" em um mercado concorrencial.

Pensa um pouco antes de repetir groselha.

Ah, outra coisa: deixe que eu me preocupe com isso de "a Uber virar monopolista e aumentar os preços". Caso isso aconteça, dou-lhe minha palavra: voltarei aqui e reconhecerei toda a sua sabedoria. Aliás, vou até lhe doar dinheiro. Compromisso. Pode me cobrar.

"Continue usando o Uber e quando ele virar monopólio por aqui"

Anseio pela chegada deste 31 de fevereiro.

"provavelmente será voce que cometerá um ato de felação, porém sem ter a quem recorrer, sobrando a felação entre os seus."

Ui! Quanta salacidade! Só espero que isso não tenha sido uma oferta. Se for, será a preço de taxi ou a preço de Uber?


Sem o "norte" regulador da FCC (equivalente á Anatel no Brasil) a Dinamarca tem hoje um dos melhores serviços de telecomunicações europeus.

reason.com/archives/2017/04/04/deregulate-the-fcc

"Denmark Proves We Don't Need the FCC
By nearly eliminating their equivalent of the Federal Communications Commission, Danes now enjoy some of the best IT and telecom services on earth.


But admirers of the popular democratic socialist politician may be surprised to learn exactly how Denmark was able to become an international leader in ICT delivery. It wasn't super-charged regulation, top-down "net neutrality" rules, or major government subsidies that did the trick.

So how did Denmark do it? Deregulation. By virtually eliminating their equivalent of the Federal Communications Commission (FCC), Danes now enjoy some of the best ICT service on the planet.

The country's state-owned telecommunications provider, Tele Danmark (TDC), was completely privatized in 1998."



Atualmente (desde 2009), sim.
Antigamente (antes de 2009), não.

Exatamente como explicado no artigo.

E aqui também:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2407


Como é que é o negócio aí? Quer dizer então que, segundo você, os nazistas não invadiram a Suíça simplesmente porque não tinham nenhum interesse em invadir um país que era o cofre de todas as riquezas da Europa e se apossar destas riquezas?!

É isso mesmo?! Você está dizendo que os nazistas, bonzinhos que só, abriram mão de invadir um cofre e se apossar de todas as riquezas dele (e da Europa)?! Nazistas queriam distância do dinheiro e das riquezas do resto da Europa?!

Você realmente acha que faz sentido dizer que os nazistas não quiseram invadir um país que funciona como "banco mundial" simplesmente porque eles não queriam se apropriar de todos os recursos financeiros depositados por lá?

Ladrões de banco precisam aprender essa lógica, então.

Ou você é burro ou você acha que os nazistas eram burros. Não há terceira hipótese.

Como disse você próprio, "sinto dizer que seu embasamento está bem errado".


Isso é o Estado assediando a propriedade privada, em resumo.

Pois não adianta ter pago taxas, alvarás, iptu, se um belo dia a fiscalização bater á porta de seu bar e flagrar um cigarro aceso, é passível de multa e interdições.


Sr, Passageiro, não saber interpretar um texto é até valido, num país de semi-analfabetos. Porém no seu caso, além de não o fazê-lo e por falta de argumentos, metade da sua replica foi para nos ofender. Resposta digna de quem tem problemas cognitivos.
Vou tentar ser mais didatico ; A cartelização da economia existe, porque existe o Estado que assim o fez. Se eu faço parte dele, acredite, não é por livre e expontanea vontade, porque nós taxistas sofremos, tanto quanto outros profissionais que têem que conviver com muitas cartelizações espalhadas pelo Brasil.
Quando da entrada do Uber no Brasil, nós taxistas, já operavamos perfeitamente com os aplicativos 99 e Easy, portanto não somos contra qualquer tecnologia que venha para somar.
Sr. Passageiro, entendo o quanto voce foi contaminado por esta midia canalha, que quando é de seu interesse, denigri quem quer que seja para atingir seus objetivos mais excusos. Afirmo a voce que 90 por cento dos profissionais de táxi, são sim, pessoas honradas e que não necessitam praticar atos de felação, como voce sugere.
Não somos "crianças mimadas" nem "sentamos no colo" de politicos para conseguir o que queremos. Somos adultos o suficiente para discernir o certo do errado.
Apesar de voce não concordar, o Uber é concorrencia predatoria, pois em alguns paises de primeiro mundo, já proibiram sua atuação justamente por este motivo.
No mundo inteiro, onde o Uber se instalou, houve varios protestos, mais violentos que aqui no Brasil. A grande maioria dos taxistas brasileiros são contra a violencia que foi proferida por aqui. No entanto, não vi em nenhum momento, alguem vir à publico incitar a violencia, como voce fez aqui no seu comentario, desta vez incitando os desempregados do Uber a descer a porretada nos taxis (palavras suas). Lamentavel sua posição a respeito, mas compreensivel. Afinal, voce usou este espaço, não para argumentos, mas exclusivamente para vomitar sua ira.
Entendo seu fascinio pelo Uber, afinal, pagar 10 ao inves de 15 por uma corrida é sensacional. Quantas pessoas não vão à 25 de Março comprar "Rolex" por 30 reais ? É esta a cultura do povo brasileiro, em que o importante é levar vantagem em tudo, como dizia Gerson em uma propaganda de cigarros anos atrás.
No entanto, ninguem se pergunta porque certas coisas são tão baratas. Eu te digo, porque na sua ignorancia isso nem lhe ocorre... O Uber no Brasil e em varias partes do mundo trabalham no vermelho gastando milhões de dolares em marketing com uma intenção unica... a de monopolizar o mercado, levando todos os concorrentes a falencia e a partir dai impor seus preços, afinal quem tem o monopolio tem este poder.
Continue usando o Uber e quando ele virar monopólio por aqui, provavelmente será voce que cometerá um ato de felação, porém sem ter a quem recorrer, sobrando a felação entre os seus.




Eu concordo com sua visão, considerando curto prazo, mas no longo prazo, essas empresas se estrepam.

Veja o que aconteceu com a PDG e outras construtoras (prejuizos bilionários). Já a indústria automobilistica, que vira e mexe, sai uma noticia sobre pátios lotados de carros.

Esse é o big problem do governo mexer na demanda via crédito. É inflada artificialmente. Já os produtores baseiam sua expansão em estimativas sobre o mercado. O comportamento das grandes empresas durante o BOOM de crédito já provou empiricamente que elas calculam suas expansões baseadas nisso, sem desconfiar que isso é artificial. Só que uma vez que o crédito se esgote devido ao endividamento crescente (e calote, em alguns casos) das familias, toda essa demanda cai por terra e gera um problema de super estoque.

Nesse caso, os produtores que alcançaram um nível de estoque que sua tecnologia e métodos não permitiriam alcançar sob condições normais soferão um grande problema. Para piorar: esses estoques foram feitos com base em valores irreais (elevados pelo crédito) e descolados do poder de compra real da população.

Então sim, pode ser interessante no curto prazo, mas a empresa sofrerá muitas dificuldades uma vez que a bonanza de crédito acabe. A melhor maneira de estimular demanda é pela produção eficiente: baixando custos, oferecendo produtos melhores e mais baratos, e não estimulando a demanda diretamente via crédito ou qualquer outro artificio.


Sinto dizer que esse embasamento está bem errado, mais ainda, que toda a população suíça dá época armada com ARMAS PRA CAÇA, não oferecia ameaça alguma pra qualquer potência militar dá época, PRINCIPALMENTE a Alemanha, o fato de terem se mantido "a salvo" de Hitler, é que a suíça desde aquela época já era o "banco europeu" e não havia benefício nenhum em dominar um país militarmente, que guarda boa parte de suas finanças.



Leandro, no texto tem o seguinte: "Sob esse arranjo, o BNDES era uma máquina de redistribuir recursos, mas não era inerentemente inflacionário, pois ele não criava dinheiro". Mas o BNDES funciona alavancado (seu grau de alavancagem é de 19%). Então ele cria dinheiro, certo?


Uma pergunta: conceito de poupança na visão keynesiana não seria que a "poupança é o que sobra do consumo"? Ou seja, a poupança para os keynesianos não seria uma abstenção de consumir bens. Assim, as pessoas mais ricas conseguiriam poupar mais porque não gastam toda sua renda em consumo (maior propensão a poupar) enquanto os mais pobres gastam toda sua renda em consumo (maior propensão a gastar). Daí eu consigo entender o porquê da visão distorcida dos keynesianos em defenderem a tributação dos mais ricos (leia-se, classe média), e enxergarem que a poupança é algo ruim. Uma sociedade com maior renda per capita precisa ser mais tributada porque ela tem maior "propensão a poupar" e isso pode gerar uma "crise por falta de demanda". O dinheiro desses impostos então vai para as mãos do governo, que gasta com seus projetos e burocratas e não deixa a demanda cair. Estou certo quanto a isso?


Cara, as pessoas pobres são totalmente capitalistas, trabalham desde cedo, batalham, sonham, almejam uma vida melhor.. quem defende socialismo é aquele bando de burguesinho sustentado pelos pais ou por algum concurso público que não sabe o que é ter uma vida dura....


Espanto nenhum. Socialismo fabiano é coisa de quem mora no Itaim Bibi e marxismo cultural é coisa de quem mora em Pinheiros. Lá na quebrada é Deus, Família, Pátria e Trabalho!


Cansei de ver esquerdista se achando o intelectual do facebook, chamando pobre de burro só porque não vota mais na esquerda... muito bom ver o desespero desse povo sem noção ao finalmente perceberem que pobre na verdade odeia o estado.


Ideias liberais reais se tornaram acessíveis no Brasil de uns 10 anos para cá (graças a internet) e o país hoje vê os adeptos deste ideário crescer exponencialmente simplesmente porque ele é latente em todo individuo.... Já o ideário de esquerda é infiltrado via meio acadêmico desde a década de 30 e por mais seguidores doutrinados que possua não é natural e sempre irá morrer na praia.



Errado. Para começar, o artigo fala exclusivamente sobre INSS, aviso prévio e FGTS. Não fala nem de 13º e nem de 1/3.

No caso das férias, está escrito no artigo: "exceto o item férias, o qual, por sua vez, será disponibilizado apenas uma vez por ano, e que seria mais bem aproveitado pelo trabalhador caso tal quantia fosse aplicada". Ou seja, não tem nada disso que você falou.

Sobre aviso prévio: "o aviso prévio faz com que muitas empresas demitam os funcionários sem necessidade. Por exemplo, se uma empresa está passando por uma fase difícil e não tem certeza de que poderá manter o funcionário por mais de um mês, será mais racional demitir para não correr o risco de mantê-lo por mais tempo e, consequentemente, não poder honrar suas obrigações trabalhistas depois.

O aviso prévio também trava as empresas, que podem se ver obrigadas a demitir um funcionário produtivo, mas que ainda está no período de experiência, e ao mesmo tempo manter um funcionário improdutivo, mas que já cumpriu o período de carência. Tudo isso só para não pagar o aviso prévio.

Esse custo da improdutividade será descontado de todos os funcionários."

Se isso não representa uma perda para o trabalhador -- inclusive a perda de 100% do seu salário --, então temos de inventar um novo verbete.

Sobre o FGTS, esse é ainda mais explícito. O governo toma R$ 100 do trabalhador e devolve R$ 103 após 12 meses. Nesse mesmo período, aquilo que custava R$ 100 passou a custar R$ 108,8 (inflação acumulada em 12 meses).

Isso, meu caro, é confisco puro e duro. O trabalhador perdeu dinheiro, em termos reais, por causa dessa política do governo.

Se o trabalhador ficasse com esse dinheiro, ele ao menos poderia investi-lo em aplicações financeiras que rendem acima da inflação. Sem essa opção, resta-lhe apenas receber de volta um valor cujo poder de compra foi totalmente destruído.

E sobre o INSS, você ao menos concordou.

Mais atenção na próxima.


Texto genial, estava justamente debatendo contra as ideias Keynesianas de consumo hoje com minhas amigas e futuras economistas, esse texto veio a calhar hoje, muito bom!!!


Mas será que é do interesse do empresariado em sofrer um arrefecimento no consumo daquilo que eles ofertam? Obviamente para empresários incipientes com um capital relativamente pequeno é vantajoso, pois a viabilidade, ao menos financeira, para prosseguir e expandir seu negócio é maior. Ademais, o seu custo marginal ainda que decresecente até certo ponto possui um limite inferior ao limite do CMD de uma grande empresa, de modo que seus custos com a produção são maiores, então o preço no mercado de uma unidade desse bem será maior, logo o consumo será menor, o que já é previsto tendo em vista as condições de produção (me corrijam se eu disse lorota). No entanto, para aqueles que já possuem uma certa estabilidade econômica, por desfrutar de auxílios estatais ou por operar em economia de escala, o que os possibilita ofertar bens a um custo menor, uma redução contínua do consumo, motivada por um aumento da poupança não lhe é conveniente a curto prazo, pois o crédito privado oriundo indiretamente da poupança, no tempo presente, pode ser adquirido através de empréstimos subsidiados de bancos públicos. Em síntese, a poupança de fato beneficia a todos os tipos empreendedores no futuro/longo prazo, todavia as empresas que funcionam em economia de escala, no tempo presente, preferem estimular o consumo crescente de seus produtos, por meio de inovação, propaganda, pois sabem que estão asseguradas pelo crédito público para expandir seu negócio ou salvaram-se da falência. O consumidor, portanto, é impelido a torrar sua renda com o consumo initerrupto e voraz de bens, o que beneficia as grandes empresas, alia-se a isso às ações estatais na economia que maculam e desestimulam a poupança individual e obtém-se o atual cenário de muitos países, dentre eles o Brasil.

O que acham?


Já aqui falei por duas vezes sobre a situação em Portugal. A situação não é boa. Em 2016 já com governo de esquerda a dívida aumentou, os juros da dívida a 10 anos aumentaram cerca de 100%, o crescimento económico diminuiu e a redução do défice foi menor que nos anos anteriores. Apenas em relação á redução da taxa de desemprego os resultados foram semelhantes aos do governo anterior. E o défice reduziu-se com governo de esquerda apesar de terem devolvido os cortes que tinham sido feitos aos funcionários públicos pelo governo anterior e reduziu-se porque o investimento por parte do estado foi o menor em muitos muitos anos. Para além disso tivemos num passado recente um governo de esquerda que conseguiu enganar todas as agencias estatísticas e económicas internacionais em relação ao défice em mais de 5 pontos percentuais. Acho provável que de alguma forma tenha acontecido novamente.
Mas escrevo este comentário para dizer que é absolutamente fantástico que um governo que tem um ano cívil que é pior em praticamente todos os dados que o ano cívil anterior quando existia outro governo, que exista um governo de esquerda que embora ideologicamente afastado (não tanto como fazem crer) do governo anterior de direita, tenha feito pouca coisa de diferente, e num caso, dizem que existe um fracasso dos austeritários radicais e noutro um sucesso dos progressistas. A situação em Portugal é má porque Portugal está muito longe do que por aqui se defende e isso indepentemente das forças políticas que estão governo. Agora, como houve uma recuperaçãozita (que começou com o governo anterior, e que até teve crescimento económico superior ao actual ), Portugal já é um caso de sucesso. Não é verdade e o futuro encarregar-se-há de provar que infelizmente estou certo


Que sorte que o peido não é proibido ainda nos estabelecimentos públicos fechados, imagine: Estabelecimentos para não-peidantes, exerça seu direito de poder escolher o que cheirar.


Quem disse que os libertários se espelham em HELIU? Heliu eh um sujeito mesquinho, mal educado, grosseirão, mediocre. Em nada tem a ver com os ideais defendidos aqui.


A maior parte dos direitos trabalhistas retornam ao trabalhador, portanto não é bem um assalto.

Férias: Retorna ao trabalhador, mesmo se ele não usufruir a tempo.

1/3: Retorna ao trabalhador

13°: Retorna ao trabalhador

FGTS: Retorna algum dia ao trabalhador (sim, é aceitável a crítica sobre a taxa aplicada ao fundo)

INSS: Esse sem dúvida seria o ponto de maior polêmica. Aqui sim caberia uma reforma séria, ao menos individualizar a contribuição.

Multa de 40%: De fato uma aberração que deveria ser abolida.

Aviso prévio: O empregador pode exigir que o empregado cumpra o aviso, sem necessidade de indenização.



Dan Nobumi, achei perfeito o teu posicionamento e quero acompanhar ele.

Sendo assim, Felipe Lange eu também me comprometo a doar 100 reais caso você seja um dos finalistas.

Vou marcar para acompanhar os comentários para sendo o caso, você conseguir entrar em contato comigo.

Abraço e boa sorte!


"Nós taxistas queremos concorrencia honesta"

Mentira, pq vcs atuam num mercado sem concorrência em virtude do estado. Vocês não querem é concorrência.

Onde está a desonestidade do Uber? Favor especificar isso de forma concreta.


"clube dos Odebrecht da vida, conseguindo poder para bancar os corruptos de plantão"

É muita cara de pau vc vir aqui falar isso. Você faz parte de uma guilda protegida pelo estado, cidadão.


Faz sentido isso, de fato os acidentes aumentaram depois que inventaram o smartphone, socialistas podiam usar esse argumento pra proibir celulares, assim como usam dessa mesma retórica pra proibir armas... Hahahaha

Mas voltando pro assunto, isso faz sentido sim.

A questão é assim: Poe um limite alto, você NÃO É OBRIGADO a andar no limite estabelecido, se você acha 50km/h melhor, ande VOCÊ a 50. Agora se eu quiser andar mais, eu ando.
Por esse lado o Taxidermista tem razão, tem tudo haver com liberdade.

É básico meu, eu to na marginal, se eu não acho seguro 90, eu ando a 50.

Se eu to na bandeirantes, nem todo mundo anda há 120, muitos andam a 100 ou a até 80. Tudo em uma boa.
Na imigrantes já subi com a galera andando a 140, 150km/h e tudo fluindo normalmente, os mais lentos ficão na direita e deixa a a porcaria da esquerda livre(no brasil isso é quase utopia).

É básico isso, a esquerda usa da velocidade das vias pra mandar em nossas vidas, olha o ponto que chega o negocio.


Mas o que nunca falta são links. Todos os artigos têm links até em excesso. Este, por grande coincidência, tem poucos. Mas também, por que deveria ter quando se trata de uma abordagem teórica?

Quer links sobre a evolução da poupança dos países? Pois não. Aqui vai um comparativo entre Suíça, Alemanha, EUA, Brasil.

data.worldbank.org/indicator/NY.GNS.ICTR.ZS?locations=BR-CH-US-DE-BO

Escolha seus países a gosto.


Sempre procuro lhe "provocar", pois sei de antemão que a resposta será boa.

Só pra complementar, eis aqui a nossa austeridade, no que tange ao governo federal:

2014 - gasto de 2,159 tri
2015 - gasto de 2,218 tri
2016 - gasto de 2,528 tri


Ué, até outro dia todo o coro dos descontentes dizia que "a austeridade está matando Portugal!". Agora que o país começa a se recuperar estão dizendo que "Portugal está crescendo porque nunca teve austeridade!".

Um pouquinho de coerência, por favor.

Quer a explicação desta recuperação?

1) O governo cortou os gastos em 11%. Atenção: não foi uma mera "redução na taxa de crescimento", como fazem no Brasil. Foi corte de gastos, mesmo. Se um corte de 11% nos gastos do governo não é mais considerado austeridade para a esquerda, então eu é que estou ficando frouxo.

cdn.tradingeconomics.com/charts/portugal-government-spending.png?s=portugalgovspe&v=201704031434t&d1=19170101&d2=20171231

2) Como consequência desse brutal corte de gastos, o déficit do governo, que estava em astronômicos 11,1%, caiu para míseros 2,1%.

cdn.tradingeconomics.com/charts/portugal-government-budget.png?s=wcsdprt&v=201704031434t&d1=20070101&d2=20171231

3) Em decorrência da redução dos gastos do governo e do acentuado encolhimento dos déficits, as taxas de juros de longo prazo (determinadas pelo mercado e essenciais para que haja investimentos produtivos em vez de especulativos) desabaram:

cdn.tradingeconomics.com/charts/portugal-government-bond-yield.png?s=gspt10yr&v=201704051605t&d1=20110405&d2=20170405


O que houve em Portugal, portanto, nada mais foi do que a comprovação empírica de tudo o que sugere este Instituto.

Aviso a Meirelles: os déficits do governo nos empobrecem; mas os gastos são ainda piores


O exemplo irlandês - como a redução dos gastos do governo impulsionou o crescimento da economia



Boa tarde, amigo taxista. Primeiro, parabenizo-o se você caso adote uma postura profissional perante ao passageiro.

Agora entenda que, ainda assim, você opera num setor protegido pelo governo. Não protegido no sentido de receber benesses, mas protegido porque os altos níveis de taxas e burocrácias estatais impedem a entrada de modelos diferenciados de negócios no setor, o que por si só, já é uma grande vantagem.

Pior ainda é o Estado tendo a ideia que a movimentação dos corpos individuais das pessoas é um bem público ou coisa que o valha, chama isso de transporte público e acredita que tem o direito de controlar a forma que ocorre. Não seria melhor que o Estado deixasse a concorrência livre? Com certeza você, que segundo sua palavra (e não tenho motivos para duvidar), é exemplar, poderia oferecer serviços mais baratos e melhores para os usuários, e estes, reconhecendo sua presteza, o recompensaria chamando-o novamente para futuras corridas, apesar da concorrência. Além de perder menos o seu tempo e dinheiro pagando taxas e outras burocrácias.

Mas enfim, não o culpo por fazer o necessário para sobreviver nesse paíseco. Somos obrigados a nos virar como possivel, entretanto, entenda que a sua posição é protegida pelo Estado.




É um assunto polêmico e eu não sou bom em resumir minhas idéias kkk mas tenho que dar meus 2 cents aqui!

Primeiramente, contexto: assino em baixo do texto e do site como um todo! Mas o cálculo téorico do texto ignora a vida real prática. Muitas vezes aqui no site, para defender a tese ou ilustrar algo isso acontece, ok... Eu trabalho em uma microempresa ganho pouco mais de mil reais, para efeitos de cálculos arredondei pros mil reais do exemplo do texto.
Sobre isso: 99% dos negócios do BR são micro e pqnas e dão a maioria dos jobs. No meu caso específico a empresa recolhe 8% ou R$ 80 por mês de mim e não paga xongas nenhuma pro governo na forma de INSS, por causa de uma ESTROVENGA chamada "retenção de 11% para o INSS", que incide sobre o faturamento da empresa e sempre, sempre, sempre ultrapassa o valor a ser arrecadado mensalmente para o INSS dos funcionários. A compensação dessa diferença é, para nós, algo como um oásis no meio do deserto: a gente olha e vê lá adiante mas nunca é alcançado. É inconstitucional essa cobrança? SIM, mas quem se importa?
Ademais a empresa recolhe FGTS (8% M.O.) e paga o Simples (5% do faturamento).

Para mim, pessoalmente, a conta da previdência social ajustada à realidade do dia-a-dia seria assim: 588 meses x R$ 86,67 (média contando o 13º) @ 0,49%am real= R$ 297.021,53 bruto (líq. de IR cai pra uns 260 mil). Tendo recolhido um total de R$ 50.961,96 e não R$ 179 mil. Além disso, não sei como ficará agora em diante mas até hoje a aposentadoria mínima era um salário mínimo que para 2017 é R$ 937,00. Considerando isso, eu precisaria viver só 54 meses após me aposentar para recuperar o $$ e não 179 meses.
Sobre o valor do recolhimento, para nossa empresa pensando apenas em INSS a legislação hoje, na realidade, nos estimula a contratar mais, já que jogamos dinheiro fora com a retenção do INSS sobre a receita! Claro que isso não acontece na prática, pois ao tornar o saldo final geral mais oneroso e beeeem mais burocrático, a escolha acaba sendo a de DIMINUIR ao invés de tentar expandir...

Agora pensemos para além da matemática. Olha o nosso país, nosso histórico. Qual é a certeza e confiança que essa Bosta nos dá de que teu dinheiro investido por você mesmo, estará a salvo daqui a 40 anos? Ou mesmo daqui a 10 anos? Ou ainda que não será destruído por "n" falcatruas, das lícitas e das ilícitas, tais como calotes (vide precatórios), confiscos (aquela velha perseguição aos ricos com $ guardado "sobrando"), hiperinflação, presidentes populistas, etc. Todos esses exemplos são mais críveis e mais populares do que confisco/calote à aposentados e pensionistas. Tanto assim o é que basta olhar pro passado e ver quais efetivamente ocorreram e de qual maneira.

Então some à isso a diferença do valor da aposentadoria por salário mínimo (hoje R$ 937) e do real valor que o cara do exemplo conseguiria por conta própria (R$ 1.455 = 0,49%am sobre 297 mil reais acumulados) e fica fácil entender pq o povão não quer nem saber de extinguir a horrível, terrível, famigerada, imbecil e inviável Previdência Social. Uma observaçãozinha: durante os últimos anos por exemplo o sal. min. subiu mais que a inflação.
Outros "detalhes" que não escapam do simplório trabalhador mas escaparam dos gênios do site: teu dinheiro na tua mão= maior responsabilidade (ninguém parece querer isso - eu sim! mas a maioria não, nunca! tem pavor); e se tu se fUder ao longo desse percurso de 49 anos: 2 opções aí, pelo governo tu pode se escorar, talvez se aposentar mais cedo que a idade teórica mínima, virar pensionista... ou, tu por conta própria se fudeu é isso, pronto, se fudeu e pronto. Ah, tu só recolheu por 10 anos lá no tesouro direto e ficou doente, perdeu os olhos, o braço? Azar, te fode...
Essas "coisinhas" entram na conta do povão, aquele iletrado acéfalo, especialmente aqueles que, por loucura ou desespero, acreditam em políticos.


O Uber é o maior exemplo que os monopolistas recorrem á políticos, quando querem
eliminar a concorrência...
Quando fiquei sabendo que começariam as atividades no Brasil, não me entusiasmei muito
devido a burocracia Brasileira. O Uber deveria se mandar do Brasil, isso sim
aqui a sujeira é mt profunda...


Politico brasileiro não gosta do seu próprio povo, só do próprio bolso.

Verificando o historico que costumam se comportar, ainda tinham duvidas?


Viu essa notícia, Leandro? www.bbc.com/portuguese/internacional-39501022
Como explicar?



Coitados dos motoristas, agora vão ter que pagar FGST, INSS, provisão de férias, 1/3, 13°.


Uma sugestão: Tragam dados para os textos. Tentem embasar tanto quanto possível seus textos em evidencias empíricas. É uma sugestão de um leitor que deseja boa sorte ao site.


O crescimento e a industrialização dos EUA começaram na década de 1820 com as ferrovias com locomotivas a vapor. E então vieram as estradas macadamizadas, assim chamadas em homenagem ao engenheiro escocês John Loudon McAdam. Depois surgiram as ceifadeiras, criadas por Cyrus McCormick, e as siderúrgicas, criadas por Andrew Carnegie.

Tudo isso antes de 1860 (quando realmente houve elevação das tarifas de importação, que foi o estopim da Guerra Civil).

Os estados americanos que mais se enriqueceram durante esse período anterior a 1860 foram os do nordeste. E o motivo é simples: os grandes industriais europeus aportaram lá, na Nova Inglaterra. Esse é um fenômeno que simplesmente não pode ser ignorado em qualquer análise econômica minimamente séria.

E aí houve o inevitável: regiões industrializadas sempre viram protecionistas. Em 1860, o Congresso aprovou a Morrill Tariff, que elevou enormemente as tarifas sobre importações para proteger as indústrias do norte bem como seus altos salários, prejudicando severamente os estados do sul, que agora tinham de arcar com os altos custos de importação, mas que não tinham como repassar estes altos custos para seus preços, pois vendiam três quartos da sua produção para o mercado mundial. Vestuário, equipamentos agrícolas, maquinários e vários outros itens ficaram extremamente caros de se obter. O sul queria livre comércio porque também era a única maneira de exportar sua produção.

Consequentemente, os estados do sul se rebelaram e quiseram se separar da federação. Aí deu-se origem àquela maravilha que foi a Guerra Civil Americana, com 600.000 mortos.

(Recomendo este texto a respeito, que faz uma ótima compilação destes eventos.)

Com a vitória do norte, tarifas protecionistas foram implantadas que vigoraram até o ano de 1900, caindo a partir dali).

Como consequência dessa imposição tarifária e da destruição do livre comércio, o sul empobreceu (e, até hoje, é mais pobre do que o norte).

Tarifas fizeram exatamente o que prometiam: protegeram (de 1865 a 1900) aquelas indústrias do nordeste americano que já estavam estabelecidas, e empobreceram o resto do país. E, de quebra, mataram 600.000 civis em uma guerra.


Ah, entendi você critica apenas aqueles e lobbies e guildas dos quais você não participa, né? Já os lobbies e guildas dos quais você participa -- como o cartel dos taxis -- são perfeitamente válido.

Vou usar a sua mesma retórica: entenda, você faz parte de um cartel completamente protegido pelo estado; você atua em uma reserva de mercado blindada pelo estado contra qualquer tipo de concorrência; você atua em mercado que sempre proibiu a entrada de concorrência.

Até o surgimento da Uber.

Aí vocês, perante esta concorrência, deram chilique e foram correndo -- feito criancinhas mimadas --, para o colo dos políticos, ajoelhando-se perante eles (praticamente cometendo um ato de felação) e implorando para eles aniquilarem a concorrência e garantirem sua reserva de mercado de volta. Você são uns covardões.

Apenas gostaria muito que agora fossem os (desempregados) motoristas da Uber que saíssem quebrando taxis a porretadas.


Concordo plenamente com você, José Márcio Santana, e não só na periferia, se for nas cidades do interior de qualquer estado verificará as mesmas circunstâncias. E realmente não tivemos uma oposição liberal até 2014, durante o governo Lula, o maior liberal mudou de nome para não se identificar com o movimento liberal e depois se dividiu num partido que se aliou a Dilma.


Eu já usei o Uber e o serviço foi melhor e mais barato....por que sempre ferram a gente, quando alguém inventa uma coisa boa ?



Qualquer ser, minimamente dentro de suas capacidades cognitivas, quer o melhor para todos.
Por favor, não tente colocar o taxista como um ser desprezivel que rejeita a modernidade. Sendo um deles, acredite, estou com minhas funções cognitivas em perfeito estado de funcionamento. Portanto vejamos:
O Estado, socialista, comunista, progressista há anos tem interferido diretamente na economia, criando looby de grandes empresas com capitais nacionais e estrangeiras, fazendo delas seu porto seguro para propinas bilionarias para sustentar este mesmo governo corrupto. Todas as outras empresas, que não se alinham ou não interessa ao governo, sofrem com altos impostos e "sobrevivem" neste mundo maravilhoso que hora voce defende (incluindo aí os taxistas).
O Uber é um conglomerado de empresas internacionais que viu um nicho poderoso, baseado nos amigos do "rei"e caso ela consiga seus objetivos, evidente que a classe de taxistas estará com seus dias contados. Livre concorrencia uma ova. O Uber veio para desbancar qualquer concorrente e dai, fazer parte dos amiguinhos do "rei", podendo assim, sem constrangimentos, fazer parte do clube dos Odebrecht da vida, conseguindo poder para bancar os corruptos de plantão.
Eu e voce lutamos, neste momento, para varrer da história esta corja de vagabundos que se apoderaram do poder e não querem sair. Mas a dura realidade que eles ainda lá estão e foram eles que criaram toda esta sorte de coisas.
Defender livre concorrencia num pais em que quem manda é quem tem o dinheiro e que no final o maior beneficiado será o mesmo, é brincar de país livre de governo.
De uma vez por todas, entenda... nós taxistas não queremos o fim do Uber. Nós taxistas queremos concorrencia honesta. Nós taxistas não implantamos tarifas... quem o faz é a prefeitura, porque é o que tem pra hoje. Nós taxistas (de São Paulo) em recente pesquisa, fomos avaliados positivamente por 80 por cento dos usuarios. Não somos sujos nem antipáticos, pelo contrario, a nova geração de taxistas, que são muitos, ja têem a visão clara a respeito de nosso comportamento diante da nossa profissão.
Continue lutando, como eu e milhares, para termos um governo sério, onde o direito seja igual para todos... Todos!!!
Não tente demonizar taxista, porque assim como muitos, somos todos vitimas do status quo, com exceção é claro, dos amigos do "rei.



Não basta ser funcionário público, precisa defender na Internet que o governo precisa de mais parasitas. Nunca vou entender essa lógica da maioria dos funcionários públicos, que não seja o puro sadismo de ferrar com a população produtiva.


Metacapitalistas tentando reativar a economia brasileira, Uber já virou termômetro pra recepção e convívio com inovação, o Brasil não está em condições de passar mais um atestado anti mercado.


Se você produzir cerveja será proibido de bebe-la em público.
Se você produzir remédio de quimioterapia será proibido de utilizá-lo em público.
Se você produzir ... será proibido de ... em público.



Pelos comentários de pessoas ainda defendendo aumento de gastos públicos e da CLT, dá para apontar duas opções:
1) ou militantes de esquerda ganham muito bem para continuar defendendo políticas fracassadas na internet.
2) ou são muito burros para não conseguirem perceber que leis trabalhistas elevam a taxa de desemprego e que gastos públicos empobrecem a população.
Ou esse pessoal vive numa realidade paralela ou ganha muito bem para defender ideias fracassadas na Internet.


Primeiramente, você poderia escrever em caixa baixa.




E o direito do animais no ANCAP?

Eu compro uma vaca, cachorro ou o que for, tortuo ele na minha casa. Quem vai me punir?

O animal é MINHA PROPRIEDADE e esta dentro DA MINHA PROPRIEDADE, ninguém poderia fazer nada..


E se o imposto gerasse outras imoralidades como um sistema de justiça falho, em que essa ideia anti-coerção deixasse criminiosos ilesos? E nem vei falar que ninguém ia querer trocar comigo, porque nem todo mundo fica sabendo do crime muito menos o real culpado, e mesmo que souber, o lucro esta acima disso!

Se for lucrativo trocar comigo, dane-se o resto, é isso que importa..

Como isso fica?