clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Sempre perco meu tempo pra ler os comentários do Capital Imoral. Figuraça sempre marcando presença aqui no site...

"Capital Imoral é escritor, filósofo e já refutou Mises". Já li isso umas seiscentas vezes e sempre que leio, rio como se fosse a primeira vez...
Pelo menos tamanha palhaçada traz algum humor em todas suas contradições para os tempos sombrios em que vivemos. Como no artigo mises.org.br/Article.aspx?id=2798 , em seu subtítulo, "Quando não estão matando, comunistas são uma comédia de erros".


Excelente artigo.
Explicou muito bem todo o funcionamento do COMECON e o principal, o porquê de ele não funcionar.

Me lembrei agora do meu ensino médio. Uma professora de Geografia disse que os países pertencentes ao Pacto de Varsóvia conseguiam se sustentar sim, mesmo que não importassem do Ocidente, pois importavam dos outros países do bloco.
Me lembrando disso, novamente percebo que essa praga vermelha está por toda parte...


Eu não entendi sobre o comércio equilibrado forçar a diminuição da produção de cubos mágicos, se a Hungria produzisse mais cubos mágicos ela poderia obter um maior número de importações dos soviéticos com esse excedente, não? O comércio não continuaria equilibrado? porque ele precisaria reduzir as outras vendas?

Eu sei que a moeda era extremamente fraca e os preços tabelados, mas se isso valia pra todos eles, porque não produzir os cubos e importar um maior número de coisas em troca?


Inflação de fato é um mal muito grande para a economia de um país. Mesmo com aluns relatos históricos e alguns argumentos ainda plausíveis, sou bem cético a delação de preços. Como ficaria os preços de produtos próximos ao zero se continuar em queda constante?


Nordestino, o que diferencia Bolsonaro do Ciro é que aquele é conservador e este progressista. Só isto! Basicamente os dois fazem o mesmo discurso desenvolvimentista, com forte intervenção do estado na economia, sendo que o Ciro enfeita o pavão com o visiting scholar que fez em Harvard e prega um discurso à esquerda, enquanto Bolsonaro faz um discurso à direita e tenta enganar seus eleitores de que estaria aprendendo o liberalismo — e tem gente que cai nesta.

Com ambos, a única coisa quem não iremos ver no Brasil é liberalismo econômico...


Feliz que tenham cancelado o evento. Publicidade gratuita e agora ele será publicado na internet, o que multiplicará a audiência dos especialistas. O fato de terem cancelado o evento também justificará um possível bloqueio de auditório no futuro por parte dos conservadores.

Sem o auditório da universidade onde os espectadores podem ter sua presença contando como aula ou congratulada de alguma forma pelos professores, a esquerda está perdida. Não adianta colocar o vídeo de evento deles na internet. Nem de graça alguém assiste à verborragia de tédio que é uma palestra comunista. E quem for assistir por curiosidade não vai durar 10 minutos.

Arrepender-se-ão os esquerdistas por terem devolvido os conservadores ao local onde eles são mais fortes.


O Brasil já fez "transação comercial" com o bloco comunista exatamente desse jeito. Em 1967, o governo paulista adquiriu locomotivas diesel-elétricas da estatal LEW, da Alemanha Oriental: o pagamento aos alemães orientais foi com sacas de café...


Ia comentar justamente isso. Em Salto del Guayrá, vá de carro velho com pneus velhos. Já teve gente que ficoi sem os pneus por lá, mesmo em carros novos.


Hm obrigado pelas respostas. E que saiu em um site que em 2012 a melhor educacao do mundo era da finlandia e que era estatal


Não aceitar o definhamento de determinadas indústrias ou determinados setores da economia é não aceitar que as pessoas mudam suas preferências de consumo.

Não aceitar essa realidade econômica é querer que alterações nas preferências dos consumidores sejam violentamente reprimidas pelo governo, o qual deve então obrigar as pessoas a, contra a sua vontade, manter suas preferências de consumo eternamente inalteradas apenas para garantir a rentabilidade de determinados setores já obsoletos da economia.

Com efeito, quais seriam as consequências dessa mentalidade? Dado que as preferências dos consumidores devem ser mantidas inalteradas para que determinadas indústrias e setores da economia durem para sempre, como estaria o mundo hoje caso tal ideia fosse realmente levada a sério?

Dado que os protecionistas consideram "injusto" os consumidores alterarem suas preferências de consumo, eis algumas perguntas a serem respondidas por eles, começando pela mais básica:

1) Você quer que o governo gerencie cada alteração na maneira como os consumidores gastam seu dinheiro, ou você acredita que os consumidores devem ser livres para gastar seu dinheiro de qualquer maneira pacífica que eles venham a escolher, sem ter de solicitar a aprovação do governo ou pagar uma penalidade caso gastem seu dinheiro de uma maneira que desagrade aos burocratas e a determinados setores da economia?

Agora, passemos às mais específicas:

2) Caso um empreendedor desenvolva um motor mais eficiente e que consome menos combustível, poderia ele livremente colocar este motor à venda no mercado? Poderiam as pessoas livremente adquiri-lo? Isso irá causar desemprego em vários outros setores da indústria automotiva, principalmente naqueles ligados à fabricação de motores tradicionais.

3) Deveria ser permitido que um novo restaurante fosse aberto na esquina da sua rua? Esse novo restaurante certamente vai afetar as receitas dos restaurantes já estabelecidos, podendo até mesmo gerar desemprego.

4) Deveriam as pessoas ser livres para escolher suas próprias profissões? Caso o façam, pode haver uma enxurrada de novos entrantes em determinadas profissões, como engenharia mecânica ou enfermagem. E essa maior oferta de mão-de-obra derrubaria os salários dessas profissões.

5) Deveriam os consumidores ser livres para mudar sua dieta? Tal mudança irá gerar queda de receitas em várias empresas tradicionais do setor alimentício, podendo gerar demissões.

6) Deveriam os consumidores de um estado ser livres para comprar produtos fabricados em outro estado? Tamanha liberdade poderá gerar desemprego no primeiro estado.

7) Você é a favor de as mulheres terem liberdade para trabalhar? Isso não apenas eliminou alguns empregos para homens e adolescentes, como também pressionou os salários para baixo em decorrência da maior oferta de mão-de-obra.

8) O livre trânsito de pessoas dentro das fronteiras de um país deve ser permitido? Quando pessoas migram em massa de uma região para outra, ou mesmo do campo para a cidade, isso gera grandes distorções econômicas em ambas as regiões.

9) Deveriam os consumidores ser livres para comprar carros usados? Deveriam eles ser livres para permanecer com um mesmo carro pelo tempo que quiserem? Ao fazerem isso, eles estão reduzindo a demanda por carros novos domesticamente produzidos. Isso pode gerar queda nas receitas e desemprego na indústria automotiva.

10) Deveriam os consumidores ser livres para comprar roupas de varejistas especializados em vender vestuário de segunda mão? Tamanha liberdade significará menor demanda tanto para a indústria de vestuários novos quanto para todo o setor varejista que vende apenas roupas novas.

11) Deveriam as pessoas ser livres para comprar máquinas de lavar roupa, ferros elétricos, aspiradores de pó e lava-louças? Esses produtos acabaram com os empregos de várias empregadas domésticas.

12) Deveriam as pessoas ser livres para comprar e-books? Isso afeta o mercado de impressoras e de editoras, além de reduzir o número de balconistas de livrarias.

13) Deveriam as pessoas ser livres para consultar aplicativos (gratuitos!) de meteorologia em seus smartphones? Esses aplicativos estão reduzindo enormemente a demanda por meteorologistas humanos no rádio e na televisão.

Por fim, por que deveríamos permitir qualquer uma dessas liberdades de consumo e tolerar tamanha concorrência econômica sem antes mensurar empiricamente os ganhos e perdas gerados por essa liberdade e por essa concorrência?

Deveríamos permitir tamanha liberdade e concorrência apenas caso seja comprovado empiricamente que seus efeitos "distributivos" serão do nosso agrado?


Uma esquerda minimamente racional pensaria em formas de ajudar pessoas que perderam seus empregos, e não em "proteger empregos".

"Proteger pessoas" é uma coisa (e há até bons argumentos para isso), já "proteger empregos" é algo completamente irracional e anti-prosperidade.

Deixem os empregos ruins sumirem. Se quiserem ajudar, criem ONGs para ajudar estes desempregados.


"Veja um exemplo, nós temos frentistas nos postos de combustíveis. Obviamente isso encarece o custo do combustível vendido e acredito que hoje poderíamos perfeitamente abolir esse serviço e criar uma cultura de self-service igual acontece nos EUA, sem grandes dificuldades. O problema aqui que vejo é que esses profissionais terão grande dificuldade de se realocar entre os setores porque tem baixa qualificação, e pouca oferta de emprego, do contrário de um país desenvolvido. Ora, se não houver realocação dessa mão de obra com baixa qualificação, então a tese do aumento de renda está equivocada, ou no mínimo, distante da realidade. O mesmo vale para cobradores de ônibus, acredito eu. O que teria a dizer a respeito disso?"

Mesmíssimo argumento já tantas vezes repetidos para todo e qualquer setor que estava se tornando obsoleto.

"Se permitirmos o automóvel (mão-de-obra especializada), o que vamos fazer com a mão-de-obra da indústria de charretes (mão-de-obra pouco qualificada)?"

"Se permitirmos o computador(mão-de-obra especializada), o que vamos fazer com a mão-de-obra da indústria de máquinas de escrever(mão-de-obra pouco qualificada)?"

"Se permitirmos o trator (mão-de-obra especializada), o que vamos fazer com a mão-de-obra da agricultura (mão-de-obra pouco qualificada)?"

E por aí vai. (Na prática, você seria contra a abolição da figura do ascensorista.)

Entenda, meu caro, que essa é a dinâmica da economia. Setores obsoletos são substituídos por setores mais modernos. É absolutamente inevitável que a mão-de-obra dos setores obsoletos seja menos qualificada que a dos setores mais modernos. Com efeito, é exatamente por isso que esses setores e essa mão-de-obra obsoletos são substituídos.

Dizer que toda a economia deve ser engessada e impedida de progredir simplesmente porque alguns frentistas perderão seus empregos é um recurso meramente emocional, sem qualquer base na lógica. Na prática, você está dizendo que frentistas são jumentos que nada mais sabem fazer na vida a não ser enfiar uma mangueira no buraco de um carro. Isso é até preconceituoso de sua parte. Frentistas facilmente podem virar mecânicos ou até mesmo consultores da indústria automotiva. Poucas pessoas entendem tanto de óleos lubrificantes (na prática) quanto eles.

Logo, o argumento de que eles perderiam renda é simplesmente falso, tanto em termos teóricos quanto empíricos. A história do mundo é a história da evolução dos empregos. Há vários empregos que existem hoje e que nem sequer eram imaginados há 10 anos. E vários empregos que existiam há 10 anos não mais existem hoje. E a maioria dos empregos que existirão no futuro ainda não existem hoje.

No livro Now You See It, a educadora Cathy Davidson diz que 65% das crianças que estão entrando hoje na escola irão trabalhar em empregos no futuro que ainda nem foram inventados. Querer frear esse progresso em nome da proteção de alguns empregos é uma atitude que, caso tivesse sido seguida lá atrás, ainda hoje estaríamos vivendo no campo e com uma enxada na mão.


Olá tudo bem?

Gostaria de pegar o gancho da sua resposta e dizer que há grande qualidade e concordo muito com ela.

Porém há um fator implícito pouco discutido aqui que é a questão da realidade brasileira que é justamente esse potencial de realocação e qualificação de mão de obra. Nos textos e comentários presume-se que a realocação de profissionais entre os setores (considerando o contexto de que a empresa X faliu porque não conseguiu competir com uma empresa Y que tem produto/serviço de melhor qualidade/menor preço) é uma coisa simples e fácil do mesmo jeito que acontece num país desenvolvido, onde há melhor qualificação de mão de obra e abundância de empregos.

Permita-me dizer que essa visão é um pouco obscura pra mim. Veja um exemplo, nós temos frentistas nos postos de combustíveis. Obviamente isso encarece o custo do combustível vendido e acredito que hoje poderíamos perfeitamente abolir esse serviço e criar uma cultura de self-service igual acontece nos EUA, sem grandes dificuldades. O problema aqui que vejo é que esses profissionais terão grande dificuldade de se realocar entre os setores porque tem baixa qualificação, e pouca oferta de emprego, do contrário de um país desenvolvido. Ora, se não houver realocação dessa mão de obra com baixa qualificação, então a tese do aumento de renda está equivocada, ou no mínimo, distante da realidade. O mesmo vale para cobradores de ônibus, acredito eu. O que teria a dizer a respeito disso?

Outra reflexão que gostaria de provocar:

Se o interesse da globalização fosse realmente um aumento de renda global, que em tese, é um dos objetivos do livre mercado (menor custo/maior renda), então porque não comecemos primeiro pela livre circulação de tecnologia, livre poder de financiamento e livre qualificação de mão de obra? O poder de financiamento, qualificação de mão de obra e tecnologia são globais ou são nacionais?

Agradeço pela qualidade da discussão, dos comentários e da página por permitir este espaço de troca de idéias.


Seja bem-vindo !

Eu acho que o IMB é muito mais do que um think tank que defende liberdades individuais, propriedade privada ou capitalismo.

O IMB parece mais uma busca pela realidade dos fatos.



"Mais um triste episódio se registra no campus da Universidade Federal de Santa Catarina. Um evento cultural, que pretendia debater o tema "Semana Vítimas do Comunismo, a maior tragédia do Século 20", autorizado pelos órgãos universitários, foi cancelado inesperadamente, por pressão de grupos de esquerda.

Estariam em Florianópolis especialistas para debater questões relativas ao gigantesco morticínio humano da Rússia no período Stalin. Este monstruoso líder comunista é vice-campeão mundial de assassinatos coletivos. Mandou matar mais de 43 milhões de seres humanos. Só perde para o ditador Mao-Tse Tung, que liquidou 77 milhões de chineses.

O cancelamento, segundo os organizadores, foi decidido pelo professor Irineu Souza, diretor do Centro Sócio Econômico, que disputou o cargo de reitor apoiado pelo professor Nildo Ouriques, presidente do Instituto de Estudos Latino-Americanos e maior defensor do bolivarianismo em Santa Catarina.

O cancelamento do evento e até das noticias veiculadas pela Agecom revela que a esquerda da UFSC assumiu atitudes fascistas e liquida com a diversidade ideológica, condição vital para existência de uma universidade" (dc.clicrbs.com.br/sc/colunistas/moacir-pereira/noticia/2017/11/a-pressao-dos-grupos-de-esquerda-no-cancelamento-do-evento-da-ufsc-que-critica-o-comunismo-9987740.html)



Verdade absoluta, e o caso dos Pneus ainda acontece hoje em dia no Uruguai
somo um COMECON do seculo XXI
e ainda tem gente que quer saudar a mandioca em 2018


Eu não quero ir para Miami ou Paraguai para fazer compras.

Eu quero comprar barato aqui no Brasil.

Nós perdemos milhares de vagas de emprego, porque as lojas baratas são em outros países.

Que diferença faz pagar 6% de imposto em Miami, no Paraguai ou em São Paulo ?

Se tivermos os mesmos impostos de Miami ou do Paraguai, os nossos preços sobre importados serão muito mais competitivos.

Os socialistas estão exportando empregos !!!!!!



Ué, se algumas das situações descritas se assemelham muito à brasileira, então eis aí um motivo ainda mais premente para a tradução do artigo, pois se trata de utilidade pública. "Vejam quão próximos estamos do arranjo soviético" é o alerta a ser depreendido do texto.

Ainda preciso entender essa intolerável mania do brasileiro de só resmungar e depreciar (ao mesmo tempo em que consome tudo de graça). Impressionante.


Karnal é socialista, basta assistir ele falando sobre temas políticos que fica fácil perceber. O posicionamento dele contra o Escola Sem Partido é uma forma simples de perceber. Mesmo sem ler nada sobre o projeto, o criticou veementemente, em defesa da doutrinação comunista nas escolas e universidades públicas, sendo que o projeto apenas solicita que toda sala tenha os deveres dos professores e direitos dos aluno, direitos e deveres esses que já existem em lei, mas são desconhecidos da ampla maioria e desrespeitados por milhares de professores ao redor do Brasil. Quero ver o que o Karnal vai achar sobre um professor de direita doutrinando seus alunos.


A história dos pneus me fez lembrar que aqui na fronteira com o Paraguai acontece a mesma coisa. Você está arriscado a terminar com o carro sobre estacas e com uma baita multa se o guarda da fronteira achar que teus pneus são novos. Ouvi até que vendedores do Paraguai, sabedores disso, tentam dar uma "envelhecida" nos pneus para vender para os brasileiros. A bizarrice econômica do comunismo está entre nós.


Estou pasmo. NUNCA tinha lido nada dessas forma, que explicasse essas idiossincrasias das economias socialistas de maneira tão didática e desnudasse essas histórias que mais parecem de terror.

Mas, o mais impressionante foi ao final: durante todo a lida do texto, estou pensando que é mais um daqueles depoimentos, feitos depois que os regimes socialistas do Leste Europeu terem caído, feito por algum refugiado, com maior conhecimento de economia, e eu deu alguma entrevista explicando o caos econômico que era aquilo tudo. Ou, na melhor das hipóteses, alguma explicação de algum economista mais ligado na realidade (nada de keynesianos ou marxistas malucos), depois que aqueles regimes caíram e, debruçando-se sobre as informações colhidas depois que os regimes caíram pôde explicar aquela maluquice. Mas não.

Não foi nada disso. O espanto é que o artigo é de 30 anos atrás, ainda com os regimes em vigência e publicado num jornal para leigos, explicando tim-tim por tim-tim a loucura que era tentar fazer uma economia funcionar sem as ferramentas naturais para aquilo, como o sistema livre de preços e salários.

Inacreditável como nós, aqui na República Pentecostal do Bananistão, NUNCA poderíamos ler uma matéria dessas, em português (muito menos em inglês, haja vista que não havia Internet e quem tivesse acesso a jornais estrangeiros naquela época, provavelmente já sabia disso por outras vias) nos nossos jornais e revistas. Também, pudera. Em 1987, depois do plano socialista econômico, o Plano Cruzado, a "intelligentsia" do país estava mais interessada em eleger Lula para presidente em 1989...

E durmamos com um barulho desses.


O tradução do artigo para o português BR não foi de muita utilidade, a menos que tenha sido para demonstrar como este país está irremediavelmente sovietizado. Fora a moeda inconversível o comércio de bens de consumo e o trânsito de pessoas nas fronteiras do Brasil é exatamente como nos países socialistas, inspeções rigorosas e confisco de bens pessoais, e a terra de Pindorama possui uma avançada agência de controle de comércio fronteiriço, os correios, se alguém tem dúvida do motivo do monopólio:

www.gazetadopovo.com.br/economia/fiscais-desmontam-esquema-de-envio-irregular-via-correios-3g4iv60cfukv0vjs3mnb1r5u6

www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/fiscalizacao-de-encomendas-nas-agencias-dos-correios-e-mais-intensa-na-regiao-de-fronteira-0fv3or8ys7ekibg9op32ol9hq




O socialismo é como um episódio do Chaves: todos já sabem as piadas e sabem exatamente o que vai acontecer, mesmo assim riem no final. A diferença é que com o socialismo as pessoas riem para não chorar.


Sobre este artigo publicado pelo Mises: Podemos ver que os comunistas são um fiasco no que fazem, e o fazem propositalmente. Um festival de palhaçadas, o país que vive sob o guarda-chuva soviético era um picadeiro a céu aberto, e 99,9% da população toma na tarraqueta. Quem lucra com essas bizarrices? Os capas-pretas seguidores do tio Karl Marx e cia LTDA.
O comunismo é uma piada, uma verdadeira afronta à humanidade.
Parafraseando Mises: "O socialismo é a abolição da racionalidade econômica". Ademais, o socialismo é a abolição da racionalidade intelectual do ser humano. Uma verdadeira insanidade.
Países que adotaram esta porcaria se destruíram!!! Polônia, Romênia, Bulgária, Alemanha Oriental (Desde 1990 reunificada com a Alemanha Ocidental, que são um só país e, desde então, esta parcela germânica ainda não se equiparou economicamente com a fatia a oeste em termos de riqueza e PIB per capita) são alguns dos exemplos que o Comunismo é uma porcaria!!!


O artigo seria engraçado, se nós não estivéssemos vivendo as mesmas coisas.

Como experiência, vai comprar 5 pares de tênis no Paraguai pra você ver. Compre uma geladeira na Argentina e traga num caminhão para o Brasil. Compre umas garrafas de vinho no Chile e traga para o Brasil.

Esse Mercosul é um COMECON !


Os russos tentaram transformar o comunismo de Marx, que é uma ideologia política, numa nova "ciência econômica".

Por óbvio, jamais conseguiram tal feito, restringindo-se ao morticínio e a fome como consequência inevitável dessa ideologia.



Nossa, eu pensei que já havia lido de tudo. Mas "direita socialista" é a primeira vez que vejo.

Melhor vocês tomarem cuidado com a viagem, senão podem ficar ofuscados com o brilho da escuridão, pegar insolação de madrugada e ainda repetir as palavras que ninguém jamais disse.

Tomem que o filho é teu, esquerda. Essas coisas que vocês dizem me convencem de que não estamos lidando com pessoas normais. Basta ver a ficha criminal dos expoentes mais famosos do lado de vocês.


Até agora não teve nenhum efeito. Mas caso imploda, a crise será mundial? Semelhante com a de 2008? Caso não seja, Hong Kong mesmo tendo um regime separado da China seria fortemente afetado?



Teoria da conspiração travestida de aula de economia?

Banqueiros do FMI forçam governantes a pedirem dinheiro

Nossa!

Eu já ouvi falar de Shadow Wars e Economic Hitmen. Tinha curiosidade a respeito. Mas em minha defesa, eu tinha 13 anos.


Se a Dilma fosse ser assassinada por não ter se endividado em dólares em um governo que mais do que duplicou a taxa de câmbio em menos de um ano, imagina o Adolfo Rodríguez Saá da Argentina que deu o maior calote da história de brinde ao FMI.

Não me entenda mal: políticos e países são retaliados o tempo inteiro por decisões econômicas (vide a Líbia que ousou querer criar uma moeda lastreada em ouro e o Iraque que ousou vender petróleo mais barato que o cartel da OPEP). Mas isso não tem nada a ver com FMI, mas sim com os EUA tendo de defender sua moeda e o sustento de aliados estratégicos (o que é redundante em tempos em que a mercadoria de maior valor dos EUA é a própria moeda). Embora seja minha perspectiva a respeito, eu não compartilharia minhas conspirações com uma sala de aula.

MUITOS países não têm linha de crédito com o FMI. Confira a lista dos de fato devedores. A ideia de que o FMI é alguma entidade maldosa controladora de países disfuncionais é mais década de 90 do que o 'É o Tchan!". Eu até consigo escutar a dança da garrafa e acusações de "entreguista" ao FHC. O FMI só empresta dinheiro em dólares aos países e precisa garantir que eles produzam divisas (dólares) para pagar de volta. Daí a história da soja, por exemplo. O voto de confiança de um empréstimo do FMI também significava que o país disfuncional estava ficando sério e dava credibilidade ao credor. Pelo menos era assim até os hermanos fazerem a magia.


Banco obriga governos a se endividarem? Essa é nova. E sim, você próprio já respondeu.



"A maravilhosa China vendendo produtos xingling para que os pobres do BR possam consumir. Oh, que sonho maravilhoso!"

Sim, seria maravilhoso poder comprar produtos baratos da China. Mas o governo não deixa. Os lucros da FIESP são sagrados e os pobres são obrigados a comprar produtos caros e ruins dela.

"Agora, e as barreiras comerciais que a China coloca nos produtos BR? Ela não deveria pensar também nos pobres de lá? Os chineses pobres não merecem um frango brasileiro, cheio de anabolizantes e mais barato????"

Isso é problema dos chinesas em relação ao governo deles. Nada posso fazer quanto a isso. Agora, se o governo chinês não deixa os chineses consumirem frangos brasileiros, então isso é ótima notícia para os consumidores brasileiros. Sobra mais frango pra nós. Mais frango, menores preços. Ótimo arranjo para o consumidor.

"E a Europa e EUA, cheios de barreiras comerciais e sanitárias para bloquear os produtos agrícolas dos países mais pobres?"

Idem para o que foi dito acima. Isso é problema dos europeus junto a seus governos. E sobra mais produtos para nós consumidores brasileiros.

"Não deveriam pensar nos seus consumidores que poderiam comprar frutas, legumes e carnes por um preço menor e com mais qualidade???"

Pela terceira vez, isso não é problema meu, mas sim deles. Só sei que, no final, isso é bom para mim, como consumidor.

"Espero que o autor do artigo seja apenas um ignorante em economia internacional."

Nem se compara a você, que é ignorante até mesmo em questões de lógica básica.


Desculpem minha ignorância, sou um mero iniciante no assunto.
Sei que não tem nada a ver com o assunto em questão no artigo, mas recentemente em minha faculdade, uma professora disse algo um tanto curioso.

Pelas palavras dela, o FMI é um banco americano que obriga os países a se endividarem com seus empréstimos para lucrar sempre mais com os juros altos. Logo em seguida ela disse que gostou que tenha ocorrido o impeachment, pois se não fosse por isso, a Dilma poderia ser assassinada por não ter feito empréstimos com o FMI. Em sua visão, vários presidentes de diversos países foram assassinados justamente por não ter tomado tais empréstimos com o banco.


A meu ver tudo isso é um grande absurdo, mas gostaria de saber a opinião de vocês sobre o assunto.


Vá para a Venezuela. Empresto papel higiênico para vc limpar a Bunda primo...



Ah, o Mises Institute e os journals da EA devem ter condições, não sei se há interesses. Pelo menos na parte monetária, os índices de liberdade econômica são lamentáveis. Mas como a EA não é empírica, talvez não seja possível fazer tal ranking, com vários países num mesmo período.


entendo que uma boa parte da população acredita que estupradores devam ser condenados sem julgamento e e claro que pessoas inescrupulosas possam se aproveitar disso com falsas acusações, mas não entendo como as mulheres são o grupo mais privilegiado da historia em qualquer epoca


O estado investe maciçamente em educação na Finlândia? De que círculo do inferno saiu essa blasfêmia?

Uma nota: se o estado investe maciçamente em algo é porque ele está fracassando em algo. Substitua algo por educação, infra-estrutura ou saúde e você entenderá o que quero dizer.

E quando o estado vem jogar dinheiro em uma pasta que está fracassando, ele só acentua o problema ao gratificar a incompetência. No mercado, se uma empreitada fracassa nos bens e serviços que vende, ela vai à falência; no estado, ela ganha mais investimentos. Não há incentivo algum para providenciar um serviço de qualidade na ausência de mecânicas de lucro e prejuízo. O cidadão simplesmente não tem a opção de deixar de pagar IPTU se a rede escolar não funciona.


Artigo bem vesgo. Falou vendo só um lado da questão. A maravilhosa China vendendo produtos xingling para que os pobres do BR possam consumir. Oh, que sonho maravilhoso!
Agora, e as barreiras comerciais que a China coloca nos produtos BR? Ela não deveria pensar também nos pobres de lá? Os chineses pobres não merecem um frango brasileiro, cheio de anabolizantes e mais barato????
E a Europa e EUA, cheios de barreiras comerciais e sanitárias para bloquear os produtos agrícolas dos países mais pobres? Não deveriam pensar nos seus consumidores que poderiam comprar frutas, legumes e carnes por um preço menor e com mais qualidade???

Espero que o autor do artigo seja apenas um ignorante em economia internacional.


Eu vejo que não se deve permitir nem conceder isso a eles em espaços públicos. Como disse um colega forista ali em cima, vivemos num mundo onde há uma guerra de propaganda. É preciso jogar o jogo.

É preciso enfatizar o tempo todo o termo "socialista" do partido nazista. Lembrar o que foi a União Soviética e todos os movimentos de esquerda. O tempo todo.

Inclusive porque não se fala somente com o interlocutor. A grande maioria das pessoas que vêm a este site não interage nos comentários nem esboça qualquer reação que possamos ver. Mas estão aí, vendo os argumentos e tecendo suas considerações. Muitas delas subjetivas, analisando aspectos emocionais, levando em conta quão convicto o argumentador se apresenta, e se ele se preocupa com os mais pobres e desfavorecidos.

Neste sentido, é preciso escolher um lado. E o nosso está muito bem representado. Todos os países deturparam a ideologia capitalista/liberal/libertária/conservadora/de direita, mas EUA, Suíça, Hong Kong, Cingapura e, até mesmo, Chile (onde a deturpação foi maior), são lugares onde a população em geral, especialmente os mais pobres e pertencentes a minorias, alcançaram padrão de vida muito superiores àqueles dominados por esquerdistas.

Já a esquerda conseguiu tornar países antes ricos, como Venezuela, Argentina, e mais recentemente a Europa Ocidental, em sociedades pobres e instáveis politicamente. Gerou a Coreia do Norte, Cuba, a Itália fascista e a Alemanha Nazista.

Pessoal de direita precisa agir mais como eles. Não aceitar a rejeição de seu filho nazista. Expor a covardia, a falta de caráter. Expor os resultados, especialmente para os mais pobres. Escrachá-los e jogá-los ao ridículo perante as massas. Fazer suas próprias famílias (que eles querem abolir) ter vergonha deles.


Entendeu agora por que a educação é ruim? Olhe para si próprio.

E ainda diz que o problema é a corrupção...


Ah, entendi. Quer dizer então que nossos estudantes ocupam as últimas colocações de todos os rankings internacionais apenas porque políticos recebem propinas de Marcelo Odebrecht e Joesley Batista.

E, caso isso não ocorresse, aí estaríamos produzindo gênios às pencas em nossas escolas públicas (repletas de professores sindicalistas, grevistas e doutrinadores).

É, faz muito sentido.




Ora, está maia do que claro que dificulta é a corrupção. Se o nosso índice de corrupção fosse tão baixo quanto ao da Finlândia oEstado poderia nos fornecer educação muito boa. O problema é a corrupção, e nao o Estado


A explicação para a educação da Finlândia -- e a da Estônia, quase tão boa quanto -- é outra: o idioma. Se o idioma é simples e claro, os estudos se tornam mais lógicos e o aprendizado, mais fácil. Há estudos inteiros sobre isso.

Desde 2006, a amostra de países do PISA foi aumentada, incluindo diversos países em desenvolvimento. Um deles foi a Estônia. E desde então ela também passou a ocupar as posições mais altas no PISA dentre as nações ocidentais (nunca tão boas quanto as da Finlândia, mas ainda assim acima de Noruega, Suécia, Alemanha).

Há um fator em comum entre Finlândia e Estônia: as línguas de ambos os países não pertencem ao ramo indo-europeu comum a quase toda a Europa, mas ao ramo fino-úgrico; e são muito parecidas entre si.

Se a tese ainda parece duvidosa, considere o seguinte: dentro da Finlândia há uma minoria de falantes do sueco. Essa minoria é, em média, mais rica do que a de falantes do finlandês. No entanto, as notas dela no PISA são muito inferiores às deles. A tese do papel da língua na educação finlandesa é exposta neste breve artigo de Taksin Nuoret.

finnish-and-pisa.blogspot.com.br/

Assim como saber latim ajuda muito no entendimento de outras línguas, até do inglês, tudo indica que o idioma fino-úgrico também é uma mão na roda.

Obs: gentileza ler a matéria completa antes de reclamar.

Segunda observação

Na Finlândia, não há estabilidade para professores. Eles podem ser mandados embora caso não tenham uma produtividade aceitável. Também, as escolas finlandesas possuem grande grau de autonomia onde o currículo tem liberdade para ser ajustado. Lá, Paulo Freire não tem vez.

Terceira observação

Atualmente, a Finlândia já caiu para a 5ª colocação no ranking da Pearson, ficando atrás de Coréia do Sul, Japão, Cingapura e Hong-Kong.

thelearningcurve.pearson.com/index/index-comparison

Quarta observação

A educação finlandesa é sempre usada como coringa pra justificar a gerência estatal da educação, mas muito pouco se vê de estudos detalhados sobre os reais motivos da eficiência do sistema educacional finlandês.

Tem muita coisa que é simplesmente ignorada, como a descentralização do sistema finlandês em contraste com sistemas engessados como o brasileiro:

Finland has a government school monopoly, as does the United States. However, in contrast to the USA's obsession with national standardized testing and federal mandates, the Finnish have chosen to allow wide discretion to local authorities in how money is spent for students. National standardized testing regimes at government schools is unheard of in Finland.

Essentially, districts in Finland compete for students (who bring funding with them) and this is facilitated by the fact that many large city schools have extremely small catchment areas. Essentially, the Finnish have discovered that the principle of subsidiarity and de facto competition result in extremely high quality educational outcomes.


Também nada se diz sobre os fatores culturais que fundamentam a organização social do povo finlandês - valores como responsabilidade individual, dedicação, valorização do crescimento intelectual, algo muito presente também nas sociedades asiáticas - o que explica não apenas o sucesso dos sistemas educacionais desses países (Coréia do Sul, Singapura e Japão inclusive ultrapassaram a Finlândia nos últimos testes internacionais) mas também o fato de que asiáticos se saem melhor nos estudos mesmo após várias gerações vivendo nos EUA

www.washingtonpost.com/blogs/wonkblog/wp/2014/05/05/hard-work-really-is-the-reason-asian-kids-get-better-grades-study-finds/

Quinta observação

Encontrei esse relato pessoal de um finlandês que ajuda a compreender o peso do fator cultural na educação:

Mikko Arevuo:

As a native Finn I must throw in my two cents' worth. Although I left Finland a long, long time ago after completing my secondary education, and I never attended university there, the obsession with the Finnish education system is a gift that keeps giving me much amusement.

Now we are obsessing about national IQ and the lack of Nobel laureates. Oh dear! To me the answer is pretty straightforward. Finns have always valued education; it has never been "cool" to be dim or lazy.

Finland is a relatively homogeneous society and the country has few valuable natural resources. When I was a schoolboy it was hammered to us at school, and most importantly at home, that for Finland to succeed internationally we can't rely on our good looks, Father Christmas, or timber exports alone. Knowledge, particularly technological knowledge, was the source of national competitive advantage.

Finland may have a great pedagogically sound education system. However, in my opinion, the success of the Finnish educational attainment is based on the core societal values of aspiration and continuous self-improvement. No amount of money or pedagogy can deliver results if pupils themselves and their families do not consider education as a priority.

I have never come across a Finnish family, regardless of their social or economic standing, that does not value education. Finns may be nation of introverts and a rather melancholy lot, but there is a deeply embedded belief shared by all that the next generation will be more successful than the previous. And this can be only achieved through education and hard work. Now, what was this talk about the lack of Nobel laureates?


www.adamsmith.org/blog/education/explaining-the-success-of-the-finnish-education-system/

Sexta observação

Recomendo também esse ótimo livro, que não fala especificamente sobre educação, mas ajuda a compreender o papel dos valores culturais no progresso das sociedades e ajuda a desmistificar essa crença no poder mágico da gerência estatal.

www.amazon.com/Culture-Matters-Values-Shape-Progress/dp/0465031765

Sétima observação

Os EUA gastam mais com educação por pessoa do que a própria Finlândia!

static2.businessinsider.com/image/4f0b5867eab8ea4c24000033/spending-per-pupil-by-country.jpg

Oitava obervação

A educação no Brasil também é 100% estatal, gratuita e universal (qualquer um pode estudar em escola pública). Por que não é boa?

Nona observação

Somados, Finlândia e Estônia não possuem a população da cidade de São Paulo. Sendo assim, uma educação pública pode ser "universal" de qualidade com maior facilidade do que em um país continental como o Brasil ou os EUA.


O total gasto na Finlândia com educação é de 7,17% do PIB.

data.worldbank.org/indicator/SE.XPD.TOTL.GD.ZS?locations=FI

No Brasil é de 6% do PIB.

data.worldbank.org/indicator/SE.XPD.TOTL.GD.ZS?locations=FI-BR

Se você quiser argumentar que elevar o gasto de 6 para 7,2% do PIB irá nos deixar igual à Finlândia, boa sorte. Estou ansioso para ver.


anônimo e outro anônimo,

Vocês falam como se os militares fossem honestos. Querem combater o autoritarismo socialista com autoritarismo militar.

"Tá serto".

Precisamos de menos Estado. Não precisamos de milicos e seus planos de mais Estado e mais autoritarismo.



Citar o esquerdinha caviar do Karnal como contraponto a um artigo no Mises, um parasita burocrata semi-analfabeto da Comuniscamp, que vive do dinheiro de quem paga impostos e envenena seus alunos com marxismo de quinta categoria, é o mesmo que tentar dizer que a Miriam Leitão é tão inteligente quanto a Ayn Rand e tão bela quanto a Charlize Theron.


Me poupe... eu sinceramente acho que o Estado pode sim nos oferecer educação de qualidade. Vejam por exemplo a Finlândia, em que o Estado investe maciçamente e está entre os melhores indices de educação no mundo.


Concordo.
Esquerda e direita já não significam espectros econômicos, e sim a guerra cultural em busca do imperativo categórico de Gramsci.


Concordo plenamente com o ponto de vista abordado no texto. Esses dias no trabalho enxeram meu saco que um site o qual estou fazendo a identidade visual é machista e opressor. Fiquei sem entender nada, porque os conteúdos não falam nada de mais, além de produtos de sexo que são naturais e fazem bem para o corpo. Vou até deixar o site aqui:
www.mensagens.inf.br/mensagens-de-amor-veja-aqui-as-melhores/
Ele pode ser até malicioso, mas de jeito nenhum infringe a integridade da mulher, além dos produtos divulgado serem de uso mais consciente do que medicamentos, por ser natural e liberar menos toxinas nos rios através do esgoto. Mas a esquerda sempre dá um jeito de distorcer tudo. Não sei quem são os apoiadores dessa causa. Mas como sempre digo, não é direita contra a esquerda, é o povo contra o governo corrupto. As pessoas tem cada vez mais enxergado isso



Igual esquerda e direita.
A única coisa boa são as minhas regras que aplico em minha propiedade.

Não entendo esse sede de defender a direita no mises...

Visão política não passa de idéias estúpidas vindo do governo.


Ótimo artigo!

Hayek também escreveu sobre as origens socialistas do nazismo no livro O Caminho da Servidão. Hayek vai buscar nas teorias de Werner Sombart e Johann Plenge as origens do Nacional Socialismo.


"O regime venezuelano está combatendo e não beneficiando a classe empresarial, por isso a economia venezuelana está em plena crise, por conta do boicote dessa classe empresarial por tomarem seus meios de produção acelerando assim a encrenca econômica que o país se encontra, isso tudo junto com a inexorável manipulação comercial e financeira dos americanos para destruir ainda mais o regime pró-socialista da Venezuela. "

Mas se o governo tomou os meios de produção, o boicote é tecnicamente impossível, aliás, a importação, produção e distribuição de comida está nas mãos do governo, daí a fome é inevitável.



É comum que libertários fiquem tão aversos ao estado que qualquer intervencionismo vira socialismo. Por exemplo, se você procurar a frase "Friedman era socialista" no IMB, verá mais de um punhado de comentários em que ela aparece. Então a resposta é 'sim' se você estiver em um circulo libertário. Socialismo é sinônimo de intervencionismo por aqui porque o libertário entende que toda intervenção é danosa e é um deslize escorregadio (uma intervenção, mesmo que pena, sugere outra por princípio [veja, o estado pode ajudar também!] e por consequência [a intervenção fracassará miseravelmente]).

As nomenclaturas de Direita e Esquerda como um espectro não são populares aqui. Uma outra divisão é mais interessante: plano cartesiano em que o eixo vertical é autoritarismo versus libertarianismo no que diz respeito às liberdades individuais; e o eixo horizontal é Estatismo versus Liberalismo Clássico no que diz respeito às liberdades econômicas e intervenção estatal. Sendo assim, surgem quatro espaços no plano cartesiano: Direita Socialista (tipo Mussolini), Direita Libertária, Esquerda Socialista e Esquerda Anarquista.


Pois é! Para a "direita", como a social-democracia defende uma forte intervenção do estado na economia, o PSDB é de "esquerda". Para a "esquerda", como a social-democracia defende a propriedade privada, inclusive sobre os meios de produção, o PSDB é de "direita". E agora! Quem tem razão?


Quando se quer criar uma ordem e progresso aos moldes de burocratas e governantes alienados da realidade, retrógrados, ou pior, mal intencionados só para ver o circo pegando fogo, dá esse tipo de maçaroca que presenciamos no Brasil, na Venezuela e outros mais... Quando não se esforça ou não se interessa em obter bons e arrazoados critérios, a capacidade humana de racionar algo lógico entre os seus semelhantes vai se escasseando até desaparecer por completo.



se peixe boi não é boi, cavalo marinho não é cavalo e nacional socialista não socialista então o Pt não é de esquerda já marxismo gramishista não é marxismo


"Amante do Bom Entendimento" é um nome muito irônico. A única coisa que não tem nada a ver com o texto é seu comentário original, que você muito safadamente tentou alterar. Nesses momentos eu acho até bom não ter como editar comentários aqui.


Já eu acho o lado bem bom. No mínimo divertido e, na melhor das hipóteses, quem vier ler os comentários vai ver argumentos bestas serem destroçados.


- Todo o intervencionismo pode ser considerado um tipo de socialismo/comunismo ?

Quando ao texto e depois nos comentários, o texto fala sobre capitalismo x socialismo, mas hoje no Brasil, o debate é sobre o Nazismo ser de esquerda ou direita. Internacionalmente esquerda e direita são diferentes como no Brasil (ao meu ver). Considero o Nazismo com pontos de vista tanto esquerda quanto direita (isso em relação a essas "vias" aqui no Brasil.
"Alemanha para os alemães", controle migratório, Propaganda de valorização da família Alemã: Direita Brasileira
Controle de produção, controle de preços, controle de investimentos, controle de mercado: esquerda Brasileira.

Já vi mais de um alemão falar que o Nazismo é e foi de Direita. Agora que vem a minha ignorância total, existe ou existiu uma direita socialista ?

E no Brasil um Liberal Clássico pode ser considerado não direita mais esquerda, porém alguém de Centro então ?

Abraço a todos...


"Tudo no estado, nada contra o estado e nada fora do estado" - Mussolini.

Quer mais socialismo do que isso ?


O que mais conheço são velhotes fãs do regime militar, que idolatram, mitificam, e endeusam aquele período.
Esses velhotes, juntamente com vários jovens, ficam torcendo para um novo golpe militar no Brasil.

Eu já diria que um novo golpe militar aqui no Brasil, seria um pá de cal nesse paiseco.


Um pouco da história da Revolução Russa:

1) Encomendada pela Alemanha

Há mais ou menos dois meses os mancheviques invadiram a sede do Soviet de Petrogrado e encontraram armas e dinheiro alemães. Os alemães vinham enviando prisioneiros de guerra de tendência revolucionária, mandando agitadores políticos à região (incluindo Lenin) e financiando grupos de interesse. O objetivo dos alemães era tirar a Rússia da guerra para que o país pudesse se focar somente na guerra na frente ocidental.

Os revolucionários tomaram um forte golpe no estômago com o confisco das armas e ficaram quietos por um mês. Até que...

2) Desunião no Governo Provisório permitiu a Revolução Russa

Um general chamado Aleksei Kornilov estava muito insatisfeito com a performance do governo manchevique do Kerensky e queria tomar o poder do país enviando uma força de apoiadores até o soviet de Petrogrado. Seu objetivo final seria formar uma junta militar e então devolver o poder ao Czar, supostamente.

As notícias da tentativa de golpe do Kornilov vieram como uma ameaça enorme ao governo de Kerensky e ele não viu opção além de armar o Soviet de Petrogrado para unir forças e se defender contra o Kornilov. O problema é que o Kornilov acabou não sendo capaz de unir aliados suficientes para o golpe e já chegou em Petrogrado sem forças.

Mas já era tarde demais para recolher as armas. O soviet de Petrogrado já tinha sido armado. A Rússia cairia imediatamente.

3) Lenin, o "Pacifista" com Dono

Por que é que o povo russo, de viés conservador cristão, apoiou algo tão obscuro e oposto às suas tradições como os comunistas?

Porque os soviéticos eram os únicos que queriam paz com a Áustria e a Alemanha (a financiadora). A população estava em um estado de miséria profunda depois de 3 anos de guerra. O desempenho tão bom do exército russo nos primeiros meses e durante a Ofensiva Brusilov não serviram para tirar a fome e insatisfação do povo. Kerensky literalmente precisou pegar uma arma e pular em uma trincheira para convencer os soldados russos a atacar em um ponto.

O russo médio e empobrecido não sabia nada de comunismo. Mas sabia que o soviet de Petrogrado queria paz com o patrão alemão e isso bastava.

Se não fosse a maldita guerra, não teria havido revolução.

Na verdade, há um argumento razoável que diz que a Primeira Guerra Mundial foi a pior coisa que já aconteceu à humanidade.

4) O povo russo queria paz. Não conseguiu.

"Quem desiste de um pouco de liberdade para ganhar um pouco de ordem não conseguirá nada e perderá as duas." (mais ou menos o que disse Benjamin Franklin)

Olhe para a lista absurda de guerras nas quais a Rússia entrou depois da Oktyabrskaya Revolyutsiya:
https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_wars_involving_Russia#Russian_SFSR_.281917.E2.80.931922.29

Boa parte delas foi de agressão contra regimes democráticos. Lenin comeu e não pagou.

Mas espere, Lenin é o governante da paz, esqueci. Stalin é quem deturpou tudo. O sistema era tão bom que bastou um psicopata para corrompê-lo. Lenin foi o bom rei. Eu sei porque meu professor de história educado em uma federal me disse.

Conclusão

O povo russo queria paz e vendeu a alma aos soviéticos. O povo se enganou e comprou mais 6 anos de guerra quase ininterrupta. Porque ligou primeiro, a Rússia levou para casa mais um século de imensurável sofrimento humano a todos os povos.

Moral da História: Ciro Gomes 2018.

Fontes

www.dw.com/en/how-germany-got-the-russian-revolution-off-the-ground/a-41195312 (Sobre Israel Gelfand [um jornalista que elaborou o plano para derrubar o governo russo e inspirou o Kaiser a investir o que seriam hoje meio bilhão de euros na empreitada revolucionária] e um pouco sobre Lenin também)

alphahistory.com/russianrevolution/kornilov-affair/ (A tentativa de golpe do Kornilov e sua importância no rearmamento dos soviéticos)

https://books.google.com.br/books?id=4ggWNLQYtmAC&pg=PA78&lpg=PA78&dq=kerensky+jumps+in+a+trench&source=bl&ots=aaKsFwa2I8&sig=IOhoJcgKDGI6Hm6OIYybG4Ih3so&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjj3_O8863XAhVHkpAKHfkUCGcQ6AEIMzAC#v=onepage&q=kerensky%20jumps%20in%20a%20trench&f=false (Kerensky pulando em uma trincheira para convencer os russos já exaustos a lutarem em 1917)


Nada que eu disse é segredo, falando nisso. Não há nenhuma controvérsia sobre nenhum dos fatos. Creio que está em todos os livros sobre a revolução russa. Exemplo:

www.reformation.org/wall-st-bolshevik-ch3.html (Capítulo de um livro sobre a ajuda alemã e sobre como a Entente [que sabia de tudo] tentou apoiar o Czar e os mancheviques para reverter a situação)

https://books.google.com.br/books?id=Ao-GCwAAQBAJ&pg=PA222&lpg=PA222&dq=kschessinska+mansion+german+guns&source=bl&ots=Mfy6zK2fNv&sig=JhKP98rW_AHvxQY8vtip3xAwkHU&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjbh7if9q3XAhWHlJAKHS58ArYQ6AEINDAF#v=onepage&q=kschessinska%20mansion%20german%20guns&f=false (Mansão Kchessinska, sede dos bolcheviques, é invadida por soldados que encontram metralhadoras e dinheiro alemães. Parte dos 'Dias de Julho')

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_wars_involving_Russia#Russian_SFSR_.281917.E2.80.931922.29 (Lista de guerras do governo Lenin). A Wikipedia é confiável para fazer uma lista)

www.bbc.co.uk/schools/gcsebitesize/history/mwh/russia/leninandbolshevikrevolutionrev_print.shtml (Aqui está uma pequena cronologia dos eventos de 1917 [Kornilov, Dias de Julho, etc])

Aqui estão umas palavras-chave que ajudam na pesquisa:

Lenin, July Days, Kornilov Affair, Israel Gelfand, October Revolution, Kerensky, Petrograd Soviet, Bolsheviks, russian revolution german support,


A citação do "holocausto revolucionário" é verdadeira. Aqui está o texto em inglês:

"All the other large and small nationalities and peoples are destined to perish before long in the revolutionary world storm. For that reason they are now counter-revolutionary."

fonte: marxists.anu.edu.au/archive/marx/works/1849/01/13.htm


As políticas econômicas dos militares foram péssimas.

Eles foram os maiores estatizadores que este país já teve a infelicidade de conhecer. À exceção de um breve período no governo Castelo Branco -- quando de fato foram feitas algumas reformas --, nada se salva no regime militar.

Resumidamente, todo o período se resumiu a endividamento do governo em dólares para fazer obras faraônicas (ótimo negócio para as empreiteiras nacionais), inflacionismo da oferta monetária, e câmbio controlado para tentar mitigar os efeitos da inflação monetária sobre a carestia.

Como a inflação monetária era excessiva, o câmbio controlado passava por várias e sucessivas "desvalorizações controladas", as quais faziam a carestia explodir.

Porém, como havia o mecanismo da indexação (principalmente salarial) -- algo que o resto do mundo desconhecia --, a coisa foi sendo levada.

Geisel foi o pior de todos. Pior até do que Dilma. Ninguém expandiu mais o estado do que ele; ninguém criou mais estatais do que ele. Ninguém fechou a economia mais do que ele. Ninguém foi economicamente mais socialista do que ele.

Já no início da década de 1980, a economia brasileira estava sovieticamente fechada. Importar algo era praticamente proibido. Carestia nas nuvens, moeda sem nenhum poder de compra, e população proibida de comprar produtos estrangeiros. O exemplo mais explícito de reservas de mercado e de povo sendo tratado como gado.

Vale, adicionalmente, dizer que todas essas empreiteiras atuais cresceram justamente no período militar -- daí a afinidade com o governo petista, igualmente estatizante.


Não é à toa que Lula (segundo mandato) e Dilma (todo o mandato) sempre foram fãs de Ernesto Geisel, emulando todas as suas políticas.


Mas estatizar a economia é algo exclusivo do socialismo? A ditadura militar Brasileira era de esquerda, socialista, então?

A ditadura militar Brasileira estatizou a economia? Sim? Nesse quesito ela já caminhou pra esquerda.



Sim, o próprio artigo acima foi em resposta a isso. o artigo apresenta números, dados e teorias. O artigo da BBC/Economist, só propaganda ideológica.


www.bbc.com/portuguese/internacional-39501022
"Portugal está superando crise econômica sem recorrer a fórmulas de austeridade, diz Economist"



Quando um social democrata abre a economia, ele é considerado moderno e competente.

Quando um direitista faz a mesma abertura de mercado, ele é considerado um traidor da pátria.

Para a esquerda, não interessa o que está sendo feito. Eles só querem aplausos.

O grande problema da esquerda sempre foi o poder e o controle, sem se preocupar com o povo. Eles preferem um serviço estatal pior do que um privado melhor.



E o Putin, como bem disse este artigo, de fato ignorou as comemorações do centenário da Revolução Russa.

g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/11/russia-comemora-os-100-anos-da-revolucao-comunista-sem-putin.html

Mas o que mais me chamou a atenção foi o número total de pessoas oriundas de todas as partes do mundo para celebrar em Moscou: míseras 1.600 pessoas.

Com algum esforço, conseguiram encontrar um russo saudoso do comunismo: um velho caquético de 90 anos, certamente ex-membro do alto estamento burocrático que vivia à tripa-forra à custa da população.


Ué, mas a pergunta do título foi plenamente respondida, ainda que isso exija uma certa inteligência do leitor.

Nazistas eram capitalistas? Nem um pouco.

Eram socialistas? Majoritariamente, mas não plenamente (ainda havia propriedade privada dos meios de produção, ainda que apenas nominal).

Eram terceira via? Totalmente, pois mesclaram economia centralizada com propriedade privada dos meios de produção.

Aliás, eis o que acho engraçado: quando um artigo responde diretamente à pergunta do título, as pessoas reclamam dizendo que o texto é manipulador e não respeita a inteligência do leitor. Já quando o texto respeita a inteligência do leitor e deixa que ele próprio se decida quanto à pergunta do título, nêgo reclama dizendo que o texto deveria ser mais manipulador e assertivo.


Companheiro, primeiro vem cá! Vamos conversar.

Qual é o seu problema? Teve que engolir um sapo no trabalho? Perdeu dinheiro na Bolsa de Valores? Seu carro foi roubado? Brigou com a mulher e ela está pondo você para dormir no sofá? Descobriu que tem uma doença terminal? Fique à vontade e pode desabafar aí, se precisar.

Mas está certo, você não entendeu o que eu quis perguntar e a culpa é minha que não me expressei direito. Para começar, de minha parte não há desespero nenhum, porque em nenhum momento quis contestar a frase que destaquei, e muito menos insinuar coisas do tipo "ah, se os nazistas começaram perseguindo os comunistas então isso significa que o nazismo era capitalista". Absolutamente, não.

Para não me alongar muito, o problema é que não se respondeu --- e digo definitivamente, de uma vez por todas e com todas as palavras --- a pergunta que é o título do artigo. E, diga-se de passagem, nunca foi intenção do autor dizer se os nazistas eram capitalistas, socialistas ou "terceira via". A única intenção do autor era derrubar o mito de que o nazismo era capitalista, e só isso. E nisso ele foi impecável.

A culpa é do tradutor, que não tinha nada que colocar esse título. Não tem nada a ver com o artigo. Mas, como sou a favor de que polêmicas como 'foi pênalti ou não foi?', 'é bolacha ou biscoito?' e 'o nazismo era socialismo ou terceira via?' continuem para sempre, então vamos deixar passar. Não precisa responder.

No mais, força aí.



vejo os libertários usarem muito a propriedade como argumento contra o Estado, mas, se olharmos regimes totalitários como a URSS, a Alemanha Nazista, a África durante o Apartheid, vemos como a pior face do Estado, em que a morte do indivíduo ou a desconsideração de seus direitos como no caso da África do Sul desrespeitam direitos básicos como a Vida e a Liberdade, burocratas passam a determinar quem pode viver e como pode fazer isso.

li um artigo aqui sobre a China comunista e achei interessante, gostaria de recomendações de links aqui mesmo do mises nessa mesmo assunto


Uma das maiores contradições da esquerda americana é considerar os países nórdicos como socialistas pelo fato de terem diversos programas sociais, mas não considerar o nazismo como socialista mesmo tendo diversos programas sociais.
Não que isso seja realmente socialismo, mas mostra que quando um sistema é "bom" eles tentam trazer para o lado deles e quando é demonizado fingem que não possuem nada com ele.

https://en.wikipedia.org/wiki/National_Socialist_People%27s_Welfare

E não precisa nem falar que quando o assunto é Coreia do Norte, tentam jogar seus lixos para o outro lado da mesma forma:
meuprofessordehistoriamentiupramim.blogspot.com.br/2013/10/coreia-do-norte-agora-e-de-extrema.html

Outro exemplo é Roosevelt. Intervencionista até a medula e é considerado um dos ícones máximos da esquerda americana.
Se fosse um republicano que tivesse feito as mesmas políticas de Roosevelt seria pintado como o Mussolini ou Hitler americano. No entanto como foi um democrata, o intervencionismo não é de "extrema-direita" e sim de esquerda (e bom como é de se imaginar).


Em primeiro lugar, no livro Minha Luta, entre tantas outras vezes, hitler escreveu sobre o movimento sindical no último parágrafo do item 352: "Ele oferece ajuda e proteção ao trabalhador em sua luta severa pela existência, que ele tem que gerenciar graças à ganância e à miopia de muitos empresários e, portanto, a possibilidade de combater por melhores condições de vida. O trabalhador quer a representação de seus direitos humanos em um momento em que a comunidade organizada, o estado, não se preocupa com isso, e não a arbitrariedade cega de pessoas algumas vezes pouco responsáveis, muitas vezes até sem coração"

Em segundo lugar, em Dortmund, atualmente no Estado da Renânia do Norte-Westfalia, fotografou-se em 1935 um monumento, encimado por uma suástica, do Front Alemão do Trabalho (DAF) com a seguinte citação atribuida a hitler: "Eu sou socialista porque me parece incompreensível cuidar e manejar uma máquina com esmero, mas ao principal representante do trabalho, a própria pessoa, deixá-la arruinar-se."
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Adolf_Hitler_Ich_bin_Sozialist_Monument_for_the_German_Labour_Front,_Deutsche_Arbeitsfront_(DAF),_1935.jpg

Em terceiro, hitler discursou em 30 de janeiro de 1937, data em que sua gangue completava quatro anos no poder, no Reichstag, o pseudoparlamento da ditadura nacional-socialista. A segunda parte versou sobre economia, contendo, entre outras, a seguinte pérola: "O nacional-socialismo é, como sabemos, o opositor mais feroz da visão liberalista de que a economia está lá para o capital e as pessoas, para a economia. Portanto, estávamos determinados desde o primeiro dia a romper com a falácia de que, por exemplo, a economia poderia levar uma vida independente, incontrolável e não supervisionada pelo estado."
www.worldfuturefund.org/wffmaster/Reading/Hitler%20Speeches/hitler%20rede%201937.01.30.htm
Quem conhecer inglês, há um vídeo com legendas em inglês desse discurso: https://www.youtube.com/watch?v=G6MMN1DNQ6g


Obrigado, Lange. Eu só vim e escrevi para dividir um pouco sobre a revolução. Aqui estão umas fontes:

www.dw.com/en/how-germany-got-the-russian-revolution-off-the-ground/a-41195312 (Sobre Israel Gelfand [um jornalista que elaborou o plano para derrubar o governo russo e inspirou o Kaiser a investir o que seriam hoje meio bilhão de euros na empreitada revolucionária] e um pouco sobre Lenin também)

alphahistory.com/russianrevolution/kornilov-affair/ (A tentativa de golpe do Kornilov e sua importância no rearmamento dos soviéticos)

https://books.google.com.br/books?id=4ggWNLQYtmAC&pg=PA78&lpg=PA78&dq=kerensky+jumps+in+a+trench&source=bl&ots=aaKsFwa2I8&sig=IOhoJcgKDGI6Hm6OIYybG4Ih3so&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjj3_O8863XAhVHkpAKHfkUCGcQ6AEIMzAC#v=onepage&q=kerensky%20jumps%20in%20a%20trench&f=false (Kerensky pulando em uma trincheira para convencer os russos já exaustos a lutarem em 1917)


Nada que eu disse é segredo, falando nisso. Não há nenhuma controvérsia sobre nenhum dos fatos. Creio que está em todos os livros sobre a revolução russa. Exemplo:

www.reformation.org/wall-st-bolshevik-ch3.html (Capítulo de um livro sobre a ajuda alemã e sobre como a Entente [que sabia de tudo] tentou apoiar o Czar e os mancheviques para reverter a situação)

https://books.google.com.br/books?id=Ao-GCwAAQBAJ&pg=PA222&lpg=PA222&dq=kschessinska+mansion+german+guns&source=bl&ots=Mfy6zK2fNv&sig=JhKP98rW_AHvxQY8vtip3xAwkHU&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjbh7if9q3XAhWHlJAKHS58ArYQ6AEINDAF#v=onepage&q=kschessinska%20mansion%20german%20guns&f=false (Mansão Kchessinska, sede dos bolcheviques, é invadida por soldados que encontram metralhadoras e dinheiro alemães. Parte dos 'Dias de Julho')

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_wars_involving_Russia#Russian_SFSR_.281917.E2.80.931922.29 (Lista de guerras do governo Lenin). A Wikipedia é confiável para fazer uma lista)

www.bbc.co.uk/schools/gcsebitesize/history/mwh/russia/leninandbolshevikrevolutionrev_print.shtml (Aqui está uma pequena cronologia dos eventos de 1917 [Kornilov, Dias de Julho, etc])

Aqui estão umas palavras-chave que ajudam na pesquisa:

Lenin, July Days, Kornilov Affair, Israel Gelfand, October Revolution, Kerensky, Petrograd Soviet, Bolsheviks, russian revolution german support,


O nazismo foi incentivado pelo Stalin. Houve até um tratado de não agressão com o Hitler.

O Stalin abasteceu o Hitler durante um bom tempo.

O grande problema dos nazistas começou, quando o Hitler precisou invadir a URSS para conseguir mais suprimentos.

Depois que a URSS foi atacada, o Moscow desenvolveu o lançador de mísseis katyusha, que dizimou os ataques terrestres nazistas.


Em um país de primeiro mundo, o predominante na economia é o setor de serviços, não que a indústria na nacional tenha diminuído, mas com um país mais livre outros setores começam a florescer e o emprego aumenta. Exemplo, 100.000 pessoas que não tinham condições de comprar um carro no Brasil resolvera comprar carros importados (sem impostos), alguém vai ter de trazer estes carros até você,quantos empregos serão gerados para entregar estes carros, o setor de serviços terá mais 100.000 veículos na rua que terão de trocar os pneus, lavar, mecânico, peças, alguns vão bater e terão de ir a oficina, vão comprar produtos para personalizar, vão gastar mais sabão, combustível, viajar com o dinheiro que economizou com a compra do carro mais barato, movimentando o setor turístico, ou dar de entrada numa casa nova, que vai movimentar o setor de construção e, por conseguinte, os materiais de construção. Enfim, é impossível que tudo tenha de ser importado e o que for importado vai gerar ainda mais empregos, não menos empregos. Quando um país é mais livre as exportações aumentam, não diminuem. Se é mais fácil importar, os produtos nacionais ficam mais baratos para serem produzidos e terão mais condições de concorrer com produtos de outros países. Deficit comercial não significa que o país está exportando menos, pode ser que esteja importando mais, o que é muito diferente. O país que importa mais cresce mais.


Não entendi a sua lógica. Você está tentando contestar uma frase recorrendo a outra que simplesmente não tem nada a ver.

O trecho que você destacou fala sobre os comunistas que estavam no topo da burocracia da União Soviética. Aí, como que para contestar essa afirmação, você diz que Hitler perseguiu comunistas na Alemanha. O que exatamente tem a ver o c... com as calças? É só desespero seu?


Fala, Flavio. Seguinte: estava pensando em investir em bitcoins, acha que é uma boa? Se sim, tem algum site para me indicar sobre em qual dela investir, ou ate mesmo se você sabe?


Abracos


"Assim, a União Soviética era meramente socialista, mas os membros do partido eram comunistas, pois representavam os poucos iluminados que já estavam trabalhando em prol do objetivo supremo do comunismo."

Então, por que quando os nazistas chegaram ao poder, quando Hitler se tornou Chanceler do Reich em 1933, praticamente a primeira coisa que eles fizeram foi prender comunistas? Antes mesmo de começarem a perseguir os judeus. Os comunistas não pareciam ser uma classe de iluminados então.


Devidamente aplicados? Pergunte para eles o que é "devidamente aplicado". Quanto? 10% do PIB? 20%? 50%? Isso iria causar um desastre econômico, evidentemente. A Suécia e o Reino Unido torram praticamente 10% do PIB em saúde, quase o triplo do Brasil (se fosse um centavo já era muito). Cadê a eficiência dos sistemas britânico e suecos? O SUS não é bom e de acesso universal para todos? Por que então os burocratas inventam coisas como UPA e Pronto Socorro?

Tente jogar um jogo como um Dawn of Discovery/Anno 1404. O sistema estatal (você controla toda a economia, desde peixes até artigos de luxo, retrata algo próximo do fim do período medieval, para mais ou para menos) começa a colapsar e você começa a não dar conta da crescente demanda da população. Com 100 pessoas é fácil, agora com 100 mil, 200 mil... é interessante notar que os jogos eletrônicos ensinam mais economia que universidades e faculdades.

Concordo com o comentário do Mauro.


Como você conseguiu todas essas informações? Há fontes? Muito bom comentário.


O governo arrecada um total de $100 via impostos e contribuição previdenciária. Gasta $80 com a máquina pública e $40 com a Previdência.

Ou seja, arrecadou $100 e gastou $120. Teve, portanto, déficit de $20. Para conseguir esses $20, o Tesouro emite títulos e se endivida.

A previdência é um gasto do governo como qualquer outro. E as despesas com ela são maiores que a arrecadação para ela. Logo, para cobrir o buraco, o governo se endivida.


Vamos de Ciro, Alvaro Dias, Lula, etc então
A vantagem do Bolsonaro é que seria muito menos intrometido na economia reguladora
Seria dois passinhos para frente e no máximo 1 para trás


Vamos conversar um pouco sobre Revolução Russa, então?

1) Encomendada pela Alemanha

Há mais ou menos dois meses os mancheviques invadiram a sede do Soviet de Petrogrado e encontraram armas e dinheiro alemães. Os alemães vinham enviando prisioneiros de guerra de tendência revolucionária, mandando agitadores políticos à região (incluindo Lenin) e financiando grupos de interesse. O objetivo dos alemães era tirar a Rússia da guerra para que o país pudesse se focar somente na guerra na frente ocidental.

Os revolucionários tomaram um forte golpe no estômago com o confisco das armas e ficaram quietos por um mês. Até que...

2) Desunião no Governo Provisório permitiu a Revolução Russa

Um general chamado Aleksei Kornilov estava muito insatisfeito com a performance do governo manchevique do Kerensky e queria tomar o poder do país enviando uma força de apoiadores até o soviet de Petrogrado. Seu objetivo final seria formar uma junta militar e então devolver o poder ao Czar, supostamente.

As notícias da tentativa de golpe do Kornilov vieram como uma ameaça enorme ao governo de Kerensky e ele não viu opção além de armar o Soviet de Petrogrado para unir forças e se defender contra o Kornilov. O problema é que o Kornilov acabou não sendo capaz de unir aliados suficientes para o golpe e já chegou em Petrogrado sem forças.

Mas já era tarde demais para recolher as armas. O soviet de Petrogrado já tinha sido armado. A Rússia cairia imediatamente.

3) Lenin, o "Pacifista" com Dono

Por que é que o povo russo, de viés conservador cristão, apoiou algo tão obscuro e oposto às suas tradições como os comunistas?

Porque os soviéticos eram os únicos que queriam paz com a Áustria e a Alemanha (a financiadora). A população estava em um estado de miséria profunda depois de 3 anos de guerra. O desempenho tão bom do exército russo nos primeiros meses e durante a Ofensiva Brusilov não serviram para tirar a fome e insatisfação do povo. Kerensky literalmente precisou pegar uma arma e pular em uma trincheira para convencer os soldados russos a atacar em um ponto.

O russo médio e empobrecido não sabia nada de comunismo. Mas sabia que o soviet de Petrogrado queria paz com o patrão alemão e isso bastava.

Se não fosse a maldita guerra, não teria havido revolução.

Na verdade, há um argumento razoável que diz que a Primeira Guerra Mundial foi a pior coisa que já aconteceu à humanidade.

4) O povo russo queria paz. Não conseguiu.

"Quem desiste de um pouco de liberdade para ganhar um pouco de ordem não conseguirá nada e perderá as duas." (mais ou menos o que disse Benjamin Franklin)

Olhe para a lista absurda de guerras nas quais a Rússia entrou depois da Oktyabrskaya Revolyutsiya:
https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_wars_involving_Russia#Russian_SFSR_.281917.E2.80.931922.29

Boa parte delas foi de agressão contra regimes democráticos. Lenin comeu e não pagou.

Mas espere, Lenin é o governante da paz, esqueci. Stalin é quem deturpou tudo. O sistema era tão bom que bastou um psicopata para corrompê-lo. Lenin foi o bom rei. Eu sei porque meu professor de história educado em uma federal me disse.

Conclusão

O povo russo queria paz e vendeu a alma aos soviéticos. O povo se enganou e comprou mais 6 anos de guerra quase ininterrupta. Porque ligou primeiro, a Rússia levou para casa mais um século de imensurável sofrimento humano a todos os povos.

Moral da História: Ciro Gomes 2018.


O final da primeira guerra mundial levou ao tratado de Versalhes. Esse tratado ofereceu condições humilhantes ao povo alemão. A ascensão do nazismo encontrou solo fértil na população alemã, ressentida pela derrota e humilhação, e acossada pela crise econômica. O nazismo é a materialização do ressentimento coletivo. O regime não é de direita, mas de esquerda, coletivista.


Mas estatizar a economia é algo exclusivo do socialismo? A ditadura militar Brasileira era de esquerda, socialista, então? A extrema direita propõe a criminalização de toda a esquerda, a imposição da uniformidade moral e religiosa sob a bandeira de valores tradicionais, a transmutação de toda a sociedade numa militância patriótica obediente e disciplinada. Não é o apelo à violência que define, ostensivamente e em primeira instância, os dois extremismos: tanto um quanto o outro admitem alternar os meios violentos e pacíficos de luta conforme as exigências do momento, submetendo a frias considerações de mera oportunidade, com notável amoralismo e não sem uma ponta de orgulho maquiavélico, a escolha entre o morticínio e a sedução. Isso permite que forjem alianças, alternadamente ou ao mesmo tempo, com gangues de delinqüentes e com os partidos legítimos, às vezes desfrutando gostosamente de uma espécie de direito ao crime.

Não é uma coincidencia que, quando sobem ao poder ou se apropriam de uma parte dele, os dois favoreçam igualmente uma economia de intervenção estatista. Isto não se deve ao slogan de que "os extremos se tocam", mas à simples razão de que nenhuma política de transformação forçada da sociedade se pode realizar sem o controle estatal da atividade econômica, pouco importando que seja imposto em nome do igualitarismo ou do nacionalismo, do futurismo utópico ou do tradicionalismo mais obstinado;



"O Professor Karnal discorda" Hahahahahhahahahahaha

Rapaz, o que tem tido de paraquedista ultimamente aqui no Mises não tá no gibi. Esse é o lado ruim do sucesso...