clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


De novo essa metáfora do condomínio?! Já até perdi a conta de quantas vezes ela é suscitada aqui. Vamos tentar de novo.

Eu compro um apartamento em uma vizinhança perigosa de uma cidade qualquer. Eu sei perfeitamente bem que a criminalidade ali é alta, e que eu serei um alvo preferencial, dada a minha aparência abastada. Mas e daí?

Minha capacidade de pressupor um evento não é de modo algum equivalente a concordar com ele. Sim, posso perfeitamente bem prever que, se eu me mudar para uma região violenta, provavelmente serei vítima de algum crime de rua. Porém, isso de modo algum significa que estou concordando com tal atitude execrável.

Similarmente, é de se esperar que o indivíduo que fixa residência em uma cidade com impostos, leis de zoneamento etc. saiba que estará sujeito a essas depredações, assim como todos os outros moradores da cidade. Mas daí a dizer que ele concordou em ser coagido por esses malfeitores há uma distância enorme. A permissão que o recém-chegado à cidade dá ao cobrador de impostos para extrair dinheiro dele é a mesma que o recém-chegado a uma vizinhança violenta dá ao assaltante que viola seus direitos.

Há um artigo inteiro dedicado à refutação desta "tese do condomínio":

www.mises.org.br/Article.aspx?id=827


Por quê? Eu paguei compulsoriamente por elas. Por que não poderia usar aquilo que fui obrigado a pagar? Quer dizer então que eu sou obrigado a pagar por algo, mas devo ser proibido de usá-lo? Cada um...


É o que este site sempre disse: as reais tarifas de importação são muito mais altas do que as oficialmente divulgadas pelo governo. Se você importar algo pelos Correios -- isto é, dispensando intermediários e atravessadores credenciados pelo estado, e comprando por conta própria, exatamente como deve ser num livre mercado --, você pagará tarifas que chegam a 150% do preço do produto. (No seu caso foi bem mais).

A FIESP está protegidíssima pelo governo. e tem otário que ainda diz que falta mais proteção e política industrial para "proteger nossas indústrias".


Fazendo agora o papel de advogado do diabo: As ruas em que andamos foi construída com dinheiro roubado. Devemos flutuar sobre ela?


Não seria possível comparar imposto com um condomínio? Você é obrigado a pagar a taxa condominial na área comum do prédio.. Se esse condomínio fosse do tamanho de uma cidade, seria a mesma coisa que um imposto


Tem pra todos os gostos.

De maneira mais prática? Aqui:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2352


De maneira um pouco mais radical, porém plenamente factível? Aqui:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2341
www.mises.org.br/Article.aspx?id=1692
www.mises.org.br/Article.aspx?id=2597
www.mises.org.br/Article.aspx?id=2184


De maneira completa e bem humorada? Aqui:

[link]www.mises.org.br/BlogPost.aspx?id=285[/link



Imposto até certo ponto é roubo, mas nem sempre será roubo.

É utópico achar que uma sociedade de mercado irá se organizar sem estado (que é capitaneado por impostos). Sem forças armadas, a sociedade pode ser invadida facilmente por outro grupo organizado, como sempre foi na história da humanidade e dar cabo da civilização livre.

Achar isso, é o mesmo que achar que todos podem ser iguais, e viver pulando e dançando o dia todo igual muitos socialistas imaginam.

Que impostos geram distorções, não discordo.

Agora, que o mercado ou a sociedade livre pode subsistir com exércitos mercenários ou polícias privadas ou com um judiciário privado aplicado ao direito penal, é um atestado não de ingenuidade, mas de "retardadice" mesmo.



Se a intenção deste diálogo fictício foi criticar a reforma trabalhista, então ele foi um belo tiro n'água. Segundo o próprio diálogo, o trabalhador que antes seria inevitavelmente demitido (pois a empresa está mal) agora terá a chance de continuar trabalhando como terceirizado.

E só não poderá começar imediatamente porque o governo estipulou uma quarentena de 18 meses. Não fosse esta intervenção, ele poderia começar já a partir de amanhã.

Ou seja: antes da reforma, o cara seria demitido e fim de papo. Com a reforma, ele não só não fica sem trabalho, como ainda passa a trabalhar autonomamente (e eu achava que a esquerda era a favor do "proletariado" se libertar dos grilhões dos patrões e ter maior autonomia).

Só não conseguirá virar autônomo imediatamente por causa de uma estúpida lei intervencionista inventada pelo governo.

É impressionante como a esquerda não acerta uma! Mesmo quando tenta criticar, acaba fazendo gol contra. É a piada pronta.


"não sei tipo, como funcionaria esses serviços sem o estado."

Normal. À primeira vista, imaginar como o livre mercado faria funcionar um setor até então estatizado é difícil. Décadas de doutrinação estatista nas escolas (públicas e privadas) geraram essa incapacidade de raciocínio.

Murray Rothbard certa vez comentou que se o governo fosse o único fabricante de sapatos, a maioria das pessoas seria incapaz de imaginar como o mercado poderia ser capaz de produzi-los. Disse ele:

"Se o governo, e somente o governo, tivesse o monopólio da fabricação de sapatos e fosse o dono de todas as revendedoras, como será que a maioria das pessoas iria reagir a quem advogasse que o governo saísse do setor de calçados e o abrisse para empresas privadas? Sem dúvida nenhuma as pessoas iriam bradar: "Como assim? Você não quer que as pessoas, e principalmente os pobres, usem sapatos! E quem iria fornecer sapatos ao povo se o governo saísse do setor? Quais pessoas? Quantas lojas de sapato haveria em cada cidade? Em cada município? Como isso seria definido? Como as empresas de sapato seriam financiadas? Quantas marcas existiriam? Qual material elas iriam usar? Quanto tempo os sapatos durariam? Qual seria o arranjo de preços? Não seria necessário haver regulamentação da indústria de calçados para garantir que o produto seja confiável? E quem iria fornecer sapatos aos pobres? E se a pessoa não tiver o dinheiro necessário para comprar um par?"

Troque a expressão "fabricação de sapatos" por qualquer outra e o raciocínio continua idêntico. Sem uma educação socializada, como os pobres conseguiriam pagar por seus estudos? Se os Correios não fossem estatais, como as pessoas que moram naqueles rincões mais afastados receberiam suas cartas? Sem a Previdência Social estatal e compulsória, os idosos morreriam na miséria! Se o sistema elétrico não estivesse sob o controle do estado, milhares de famílias estariam hoje às escuras! Se a extração de Petróleo não fosse de competência do estado, não haveria gasolina e diesel nas bombas!

Quando se aceita a "necessidade da socialização", a ideia do absolutismo estatal passa a ser vista com naturalidade. Afinal, se o estado é visto como essencial em várias áreas, por que ele deixaria de ser essencial em outras?

"Água (SABESP em SP), uma iniciativa privada destruiria os asfaltos e passariam canos com permissão de quem?"

Explicado em detalhes excruciantes neste artigo:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=646

"E se essa empresa falisse? Seus canos iram continuar lá?"

Meu caro, quando uma empresa vai à falência, outra empresa (outros empreendedores) compra seus ativos. Se uma empresa de distribuição de água fosse à falência, seus ativos físicos (encanamentos e centrais de distribuição) não evaporariam. Eles seriam comprados (a um desconto) por outros empreendedores mais capacitados, que então os operariam lucrativamente. Uma falência nada mais é do que uma demonstração contábil.

Empresas falidas são adquiridas por outras a um grande desconto (exceto se o estado impedir).

"Estradas, pagariamos pedágios em tudo que é rua/esquina? De um lugar pro outro, do Capão Redondo á St. Amaro, quantos pedágios eu pagaria? Imagina isso no final do mês pra quem trabalha longe de casa."

Ué, e quanto você paga anualmente de IPVA e ICMS(estradas estaduais), IPTU e ISS (ruas), Cide, IR, IPI, PIS/Pasep (estradas federais)?

Você paga 40% da sua renda anual em impostos para bancar sua "livre circulação" em estradas e ruas esburacadas. E você ainda diz que a alternativa a isso seria pior?!

Você não pode estar falando sério.

Em todo caso, artigo sobre isso:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=174

"Quem faria as leis? Quem seria a Justiça? A iniciativa privada? Fazendo as Leis que mais convém para a própria empresa? Não sei como funcionaria isso."

Claro, pois você foi condicionado a jamais pensar nisso, exatamente como explicado lá em cima.

www.mises.org.br/EbookChapter.aspx?id=731
www.mises.org.br/Article.aspx?id=93
www.mises.org.br/Article.aspx?id=1570
www.mises.org.br/Article.aspx?id=1846
www.mises.org.br/Article.aspx?id=948
www.mises.org.br/Article.aspx?id=605
www.mises.org.br/Article.aspx?id=767

"Principalmente se uma empresa dessas falisse, ia dar uma merda tão GRANDE!"

Ué, por quê?! Agora fiquei curioso. Se uma empresa quebra, outra compra (inclusive você próprio, por meio de ações). Qual a "merda tão GRANDE"?


VOCÊ ESTÁ DEMITIDO

- Você está demitido.
- Virge santíssima, não brinca assim.
- É sério. Você está demitido.
- Nossa! Mas de uma hora pra outra?
- Sabe como é, a empresa vai passar por uma reestruturação.
- Puxa, eu trabalho há 27 anos aqui, nunca trabalhei em outro lugar.
- Pois é. Chamei o senhor aqui para negociar.
- Negociar o quê?
- Os termos da demissão em comum acordo.
- Como assim? Não tem nada de comum acordo. Estou sendo demitido. E sem justa causa.
- A causa é justa, na verdade. Entenda. É a crise. Mas de fato não podemos caracterizar como justa causa. Uma pena.
- Então não tem o que negociar.
- Sabe o que é? A gente quer contar com o senhor no futuro. Como colaborador, entende?
- Não. Não entendo.
- Seus serviços. O senhor desempenha uma função essencial para os nossos negócios, e não podemos deixá-lo na mão. Acredito que possamos entrar num acordo para terceirizar você assim que a lei permitir.
- E quando vai ser isso?
- Daqui a 18 meses. É o que está na nova lei. Quarentena para migrar de contrato por tempo indeterminado para contrato intermitente.
- Dezoito meses? E como eu vivo até lá?
- Veja bem, tenho certeza que o senhor vai saber se virar. Não faltarão oportunidades.
- Aos 46 anos? Sei...
- Ah, não fala assim. Você está no auge. Não é toda companhia que pode contar com a sua experiência. E você ainda pode pegar um trabalho por produção...
- Produção?
- É, ora. A empresa paga você pelo que você produzir. E você se vira com o resto. Não precisa bater ponto nem nada. Muito mais fácil assim, sem transporte, sem alimentação, sem estação de trabalho... Por até 17 meses.
- Dezessete meses?
- Isso. É a lei. Para não incidirem impostos e para você não sacar o seguro desemprego. Mas isso é outro assunto. Não se preocupe com isso agora.
- Caramba. Estou chocado. Minhas mãos estão até tremendo. Tem o financiamento da casa, a faculdade da Ana, o colégio do Edu.
- Toma um gole d'água. Melhorou?
- Bom, pelo menos vou poder sacar o FGTS até me acertar.
- 80%.
- Como?
- 80% do FGTS. É o que estabelece a nova lei. Se fizermos um acordo, você poderá retirar 80% do FGTS.
- Meu Deus... Ainda bem que tem 40% de multa rescisória.
- 20%.
- Como?
- 20% de multa. É o que diz a nova lei. Se fizermos um acordo, a empresa paga 20% da multa. Sobre 80% do fundo, é claro. É justo. É a metade entre zero e 40%. Todos ganham.
- Todos ganham? Como assim, todos ganham? E se eu não quiser fazer acordo nenhum?
- Aí será mesmo uma pena, porque nunca mais vamos contratar você como PJ.
- Mas esse acordo, vou consultar o sindicato.
- Não adianta.
- Como?
- Não adianta. É o que determina a nova lei. Os acordos individuais entre patrão e empregado valem mais do que as convenções e os acordos coletivos.
- Rapaz... mas a legislação...
- Esquece.
- Como?
- Esquece a legislação. Está na lei. Os acordos entre patrão e empregado valem mais do que a legislação.
- Não é possível! Não foi para isso que eu fui a dezenas de assembléias, não foi para isso que eu me sindicalizei, nem é pra isso que pagamos a contribuição compulsória.
- Acabou.
- O quê?
- A contribuição sindical obrigatória. Não é incrível? Finalmente. Bando de sanguessugas. Repara como essa reforma é boa. Você não vai mais precisar pagar a contribuição sindical. Taí um Congresso Nacional que defende o trabalhador.

(Texto de Camilo Vannuchi)


Em tese, como teria de ser feita a redução de impostos no Brasil? De maneira drástica, levando da extorsão generalizada de metade do nosso dinheiro para o mínimo; ou reduzindo gradativamente, de modo que se possa ir retirando "benefícios sociais" e adaptando a sociedade aos poucos?



"os americanos detém uma riqueza acumulada 8,8 vezes maio"

Eu achava que era muito mais.


Normal... sou funça federal e sei que sou um parasita.
Consigo viver bem com isso.


este artigo me fez lembrar deste video do Dinesh D'Souza, sobre como a esquerda quer sempre fazer caridade com o chapéu alheio
https://www.youtube.com/watch?v=l6En3WNCJek


Os mais chegados devolvem com um "você é rentista e também vive de dinheiro roubado", concordamos em sermos parasitas e vamos encher a cara com o dinheiro do contribuinte.
Os menos chegados mandam um "estou preocupado com o que é melhor pra mim".
Na média os funças que me relaciono estão sim conscientes de que vivem de dinheiro roubado e não escondem que partiram pra essa subprofissão pra viver na boa. No caso dos professores estatais já é diferente, são pessoas bem incapazes e como já diz o velho ditado, quem não sabe ensina.


Acabo de vir dos Correios buscar uma encomenda importada. Preço: R$ 415,80. Impostos + taxas: R$ 302,70. Não aceitam pagamento com cartão, somente dinheiro. Igualzinho um batedor de carteira.


Estou começando á estudar economia agora, e não sei tipo, como funcionaria esses serviços sem o estado. Água (SABESP em SP), uma iniciativa privada destruiria os asfaltos e passariam canos com permissão de quem? E se essa empresa falisse? Seus canos iram continuar lá?

Estradas, pagariamos pedágios em tudo que é rua/esquina? De um lugar pro outro, do Capão Redondo á St. Amaro, quantos pedágios eu pagaria? Imagina isso no final do mês pra quem trabalha longe de casa.

Enfim, essas coisa. Eu por enquanto, defendo um estado mínimo, como na Suiça.

Quem faria as leis? Quem seria a Justiça? A iniciativa privada? Fazendo as Leis que mais convém para a própria empresa? Não sei como funcionaria isso. Principalmente se uma empresa dessas falisse, ia dar uma merda tão GRANDE!


Depende do nível de conhecimento e consciência dele.

Eu tenho três amigos funças (dois estaduais e um federal) e todos eles sabem disso. Eles podem até não gostar de ouvir a afirmação (o que não é problema meu), mas eles sabem que a afirmação é verdadeira.

Aliás, nem sequer há espaço para dizer que é uma simples opinião. É questão de lógica.

1) O salário do funça vem dos impostos.

2) As pessoas são obrigadas a pagar imposto.

3) Quem não paga imposto é punido com cadeia (e se o cara resistir à prisão ele será assassinado pela polícia).

4) Logo, a pessoa paga imposto para não ser presa nem assassinada. Isso é coerção pura. Dizer que é apenas "roubo" acaba até sendo um eufemismo.

5) Como mostra o próprio exemplo da Noruega -- da Noruega! -- ninguém paga imposto voluntariamente, o que significa que ninguém quer pagar os salários dos funças espontaneamente.

Boa sorte a qualquer funça que queira provar que seus proventos não advêm do roubo. Aliás, repetindo, dizer que vem do roubo acaba até sendo barato. Na verdade, os proventos vêm da ameaça de assassinato do pagador de impostos.


A mais bem sucedida e mais bem organizada polícia privada em toda a história foi provavelmente a polícia ferroviária dos EUA, que era mantida por várias empresas ferroviárias com a missão de evitar injúrias aos passageiros e impedir o roubo de cargas.

Essa moderna polícia ferroviária foi fundada no fim da Primeira Guerra Mundial pela Seção de Proteção da Associação Ferroviária Americana. Funcionou tão bem que, já em 1929, os pedidos de pagamento de indenização por roubo de carga haviam caído 93%.

As prisões feitas pela polícia ferroviária — que, na época do maior estudo já feito sobre suas atividades, no início da década de 1930, totalizavam 10.000 homens presos — resultaram em uma porcentagem de condenações muito mais alta — variando de 83% a 97% — do que aquela atingida pelos departamentos de polícia convencionais.

A polícia ferroviária era armada, podia prender normalmente e foi retratada por um criminologista nada simpático a ela* como sendo uma polícia que tinha uma ampla reputação de bom caráter e bom preparo.


*Ver Jeremiah P. Shalloo, Private Police (Philadelphia: Annals of the American Academy of Political and Social Science, 1933).

books.google.com.br/books/about/Private_Police_with_Special_Reference_to.html?id=-cANAgAACAAJ&redir_esc=y


O setor público: desestatizando a segurança, as ruas e as estradas


Você diz pra um funça que o salário dele é pago com o fruto do roubo. Como você acha que ele reage?


Não há absolutamente nada no que diz respeito à natureza da construção e da manutenção de infraestrutura que necessite de um governo para desenvolvê-la e mantê-la à custa do confisco da renda de todos. Todas as ruas, estradas, rodovias e pontes podem ser privadamente construídas e adequadamente mantidas com o financiamento obtido por pedágios e/ou por comissões cobradas por seus proprietários dos usuários e das empresas ao longo das ruas/rodovias.

Igualmente, não há nada inerente à natureza da proteção pessoal e da propriedade que necessite de um governo fornecendo monopolisticamente estes serviços por meio da tributação coerciva. Um indivíduo, caso prefira, pode garantir sua própria vida e propriedade mediante o uso de armas de fogo, como é seu direito natural. Caso ele não queira ou não saiba fazer isso, ou mesmo caso deseje ainda mais segurança, ele pode contratar a segurança de empresas privadas, as quais, mediante contrato, irão fornecer aos seus clientes exatamente o nível de segurança pelo qual estão dispostos a pagar. (Hoje, no Brasil, a segurança estatal é nula; você só não é assaltado por causa da boa vontade do meliante).

Serviços de segurança privada sempre se mostraram muito mais eficientes, mais econômicos e eficazes, mais responsivos e com muito mais responsabilidade perante aqueles que protegem do que os serviços estatais fornecidos pelo estado. Vide a segurança dos shopping centers e dos condomínios privados.


A verdadeira pergunta é: por que eu tenho de pagar "minha fatia justa" de impostos se eu nunca recebo "minha fatia justa" de serviços?

O fato é que eu posso comprar minha fatia justa de serviços, mas políticos, burocratas e funças têm de roubar a deles.


"A única diferença entre governo e máfia é a grafia"

Discordo, Pedro. A máfia, a máfia genuína, ao menos entrega aquilo que promete. Se a máfia promete proteção, ela de fato entrega proteção. Já o governo...

Outra coisa: originalmente a máfia surgiu para atender a uma demanda do consumidor. O governo havia proibido jogos, prostituição e empréstimos fora do setor bancário protegido pelo governo. A máfia surgiu justamente para ofertar estes serviços.

Por fim, a máfia não mexe com quem está fora da área de atuação dela. Já o governo...


Antes da industrialização, nenhuma infraestrutura existia. Tudo foi construído pela iniciativa privada, com capital privado, para facilitar o transporte de matérias-primas para fábricas e obras, e para fazer a distribuição dos bens de consumo para o mercado.

Policiamento, educação, serviços de saúde, seguros de saúde, serviços de utilidade pública e todos os outros serviços foram todos financiados privadamente: ou com capital próprio, ou com empréstimos, ou por doações.

O governo meramente estatizou esses serviços e então passou a alegar que os criou e que somente ele pode sustentá-los. As pessoas acreditam nessas mentiras porque elas nasceram já neste ambiente estatizado e não sabem como era o mundo antes de o governo gerenciar tudo. Mais: foram continuamente ensinadas e alimentadas pela propaganda de que precisam do governo do berço ao túmulo.

A única diferença entre governo e máfia é a grafia: ambos são esquemas de esbulho que recorrem à extorsão.


"Não são falácias, são comparações"

"Falácias são somente o que os outros fazem". Muito bom.

Quem sabe se vocês aquecimentistas continuarem com o mesmo modus operandi a temperatura global volta a aumentar.


Fernandes,

"Países como o Japão possuem muita riqueza acumulada, assim como os europeus. A riqueza acumulada pela população americana é estratosférica."

Sobre a riqueza acumulada pelos americanos, em alguma matéria que li, mas a qual não lembro onde achei(depois eu procuro), estimam que a riqueza dos americanos está estimada em US$150 trilhões. Enquanto no Brasil, estimam uma riqueza em R$20 trilhões, ou US$6 trilhões, o que significa que os americanos detém uma riqueza 25 vezes maior do que os brasileiros, os americanos detém uma riqueza acumulada 8,8 vezes maior do que seu PIB, enquanto os brasileiros detém uma riqueza acumulada 3,5 vezes maior do que seu PIB.

Por isso eu disse que enriqueceram pelo livre mercado, para depois adotarem o assistencialismo, por esta adoção, a carga tributária tende a aumentar enquanto os níveis sócio-econômicos continuam aparentemente iguais, mas o bem-estar desta população agora que se torna assistencialista é sustentada pela riqueza acumulada e não pelo PIB per capita, por isso pelo PPR per capita mostra claramente que países que detém muita riqueza acumulada, no passar do tempo podem se tornar países relativamente pobres e o Japão pode estar inserido neste contexto.


Socialismo:
Sistema econômico igualitário, justo e fraterno que funciona em todo lugar, exceto onde é aplicado.

Capitalismo:
Sistema econômico desigual, explorador e perverso que não funciona em lugar nenhum, mesmo nos lugares onde não é aplicado.


Fernandes,

por isso eu disse:"Portanto, países que cresceram pelo livre mercado e se acentuaram em uma criação de riqueza em que qualquer outro sistema econômico não seria possível, os burocratas sabendo que essa economia enriqueceu e se desenvolveu, estipa toda essa riqueza acumulada e ainda usa conceitos como o PIB per capita para poderem usarem como argumentos que o estado intervindo na economia é benéfico para toda uma sociedade."

Contrapondo todo esse texto citado anteriormente, o PPR per capita dá uma variação exata da qualidade de vida no conceito anual, tirando-se a riqueza acumulada até o prezado momento. Por isso que usando este índice, o Brasil é um país quase 2 vezes mais pobre que a China, Singapura é muito mais rico do que os EUA e o Japão mais pobre.
Nem estou comparando pela paridade de poder de compra, o que na China os resultados ainda seriam mais surpreendentes.
Preciso de mais avaliações para poder entender esses dados. Obrigado pelo seu comentário Fernandes.


Numa sociedade sem estado, acredito que haveria sim direito ao aborto, pois não haveria ninguém para "dar o contra" numa clínica que resolva oferecer esse serviço. Aí seria aquela velha história: "É contra o aborto? Não aborte, simples".


A União Européia é num sistema feudal moderno - que inclui a paquidérmica burocracia - recheado de figuras grotescas na liderança dessa excrecência, como é o caso dessa Erundina germânica.

A social-democracia é, sem sombra de dúvidas, o mais destrutivo modelo político de destruição de riquezas, de escravização sistemática e contínua, de opressão velada e de extinção das liberdades: é o comunismo disfarçado de democracia.



Por que advogados insistem em fingir que a lei da oferta e demanda não existe? Simples, porquê não está escrita em nenhuma "Lei" criada pelos nossos legisladores. É assim que eles funcionam.



Quando não funciona dizem que era "capitalismo de estado". Ou seja, agregam o nome capitalismo pra explicar o fracasso. É de chorar.


Lógico, é a mesma coisa que acreditar naquele dieta do palhaço que acusa o fast food de deixar a pessoa gorda. Lógico, se o cidadão comer o maior mac do mundo, o maior refrigerante, a maior batata todos os dias e noites, diariamente, é bem provável que a pesquisa é uma fraude. Por quê é injusto você comer todos os dias, 4 vezes, café, almoço, lanche e janta. Sendo que as pessoas não ficam o dia inteiro. Para comprovar que o lanche faz mal, precisa ser analisado o lanche não o modo como comemos.


"EUA - PIB US$17 trilhões, população de 300 milhões e uma carga tributária de 25%. "

Se esses dados estiverem corretos, o governo americano arrecada mais de 4 trilhões de dólares por ano e mesmo assim o governo americano gasta mais do que arrecada.

O PIB mede a "riqueza" produzida anualmente, mas nada diz sobre a riqueza acumulada.

Países como o Japão possuem muita riqueza acumulada, assim como os europeus. A riqueza acumulada pela população americana é estratosférica.


ambientalismo é um discurso que impede os países subdesenvolvidos de produzirem e mantem o status quo dos países desenvolvidos



Isso ai é eugenia, cara. No mesmo pensamento chegaríamos a conclusão que não deveríamos usar antibióticos e retro virais, pois assim somente aqueles geneticamente resistente viveriam, e por fim não haveria infecções bacterianas e virais. Absurdo. E não é verdade que os mais inteligentes se reproduzem mais, pelo menos não entre humanos, sabemos o custo de ter uma prole, mandemos ela o menor possível para garantir a sobrevivência, antigamente se tinha muito filhos porque provavelmente vários deles morreriam antes de terem os seus e mais filhos significava mais pessoas para lavoura consequentemente mais provabilidade de sobrevivência, tanto que quando a área agriculturável era menor as famílias eram menores, tanto porque tinha menos comida tanto porque se evitava gerar filhos, através do coito interrompido



Leandro em OFF:

Estava analisando alguns dados aqui, pode ser que faça sentido ou não, mas preciso de sua avaliação e de outros se possível. Eu estava lendo o artigo do PIB que soma os gastos do governo e assim a equação do PIB é estabelecida. Portanto, isso me alertou ao fato de sempre usarmos o PIB per capita com os gastos do governo inseridos nessa equação fraudulenta. PIB = C(Gastos privados) + I(Total Investimentos) + G(Gastos do governo) + X(Exportação) - M(Importação)
Veja:

Japão - PIB US$4,8 trilhões e uma população de 127 milhões, portanto seu PIB per capita é de US$37,795 o que dá mensalmente US$3,149, índice de país rico e desenvolvido.(Obs: Na minha opinião, PIB per capita acima de US$30,000 é país rico e desenvolvido)
Agora utilizando o conceito de PIB(PPR) que os austríacos já advertiram para usarem, seria a subtração por 2 os gastos do governo e assim teríamos o PIB real de uma economia.
Portanto nesse conceito com o PIB do Japão em US$4,8 trilhões e uma população de 127 milhões e uma carga tributária de 28% do PIB, teríamos um PIB japonês de US$2,112 trilhões, fazendo os mesmos cálculos relativos a renda per capita, dá um PIB per capita de US$16,629, mensalmente US$1,385, índice de país pobre. Só que isso instiga uma curiosidade, o Japão é um país rico e desenvolvido pela medida que é feita atualmente, mas se formos levar em conta o PPR, era para o Japão ser um país relativamente pobre.
Portanto, países que cresceram pelo livre mercado e se acentuaram em uma criação de riqueza em que qualquer outro sistema econômico não seria possível, os burocratas sabendo que essa economia enriqueceu e se desenvolveu, estipa toda essa riqueza acumulada e ainda usa conceitos como o PIB per capita para poderem usarem como argumentos que o estado intervindo na economia é benéfico para toda uma sociedade. Os países escandinavos são o mesmo exemplo, enriqueceram pelo livre mercado depois implementaram o assistencialismo, mas mesmo com esses índices tributários altos(carga tributária total não relativizando qualquer grupo - pessoa física e jurídica) ainda são países ricos e desenvolvidos. Mas ainda sim tanto a esquerda quanto os liberais, libertários e anarcocapitalistas ainda usam índices que são equacionados de maneira errada.

Para ilustrar meu ponto de vista, darei outro exemplo, talvez o mais conhecido entre nós, o Brasil.
PIB - US$1,7 trilhões, população de 200 milhões e carga tributária de 35%.
Renda per capita pelo conceito de PIB: US$8,500, mensalmente US$708,00 - US$1,7 trilhão / 200 milhões
Renda per capita pelo conceito PPR: US$2,550 e mensalmente US$212,50 - ((US$1,7 trilhão X 0,7) - US$1,7 trilhão) / 200 milhões
Pelo conceito de PPR, o PIB do Japão foi reduzido em 56%(28% X 2) e o Brasil reduzido em 70%(35% X 2). Como pode ver, no conceito de PPR, o Japão é um país relativamente pobre, enquanto que o Brasil é um país extremamente pobre.

Outros exemplos:

EUA - PIB US$17 trilhões, população de 300 milhões e uma carga tributária de 25%.
Renda per capita pelo PIB: US$56,600
PPR: US$ 28,300

China - PIB US$10 trilhões, população de 1,3 bilhões e uma carga tributária de 19%.
PIB: US$7,600
PPR: US$4,700 - Fato interessante, pelo PPR, a China é mais rica do que o Brasil para espanto dos planadores dizendo que a China é regime de escravidão.

Hong Kong - PIB US$310 bilhões, população de 7,3 milhões e uma carga tributária de 13%.
PIB: US$42,400
PPR: US$31,300

Singapura - PIB US$295 bilhões, população de 5,5 milhões e uma carga tributária de 14%.
PIB: US$53,600
PPR: US$38,500

Como podem ver, o PPR per capita de Singapura é maior do que os EUA, enquanto o índice de PIB per capita é inverso, podemos constatar claramente que os singapurenses são mais ricos do que os americanos assim como a população de Hong Kong.

Mas voltando a questão do porque usar como argumento a renda per capita pela equação distorcida de PIB. Imagina se os EUA aumentassem sua carga tributária, ainda sim a renda per capita estaria alta e serviria para argumentos distorcidos em detrimento da realidade efetiva. Imaginemos uma carga tributária de 30% para os norte-americanos, pelo PPR dá um valor de US$22.000, em minha opinião uma PPR per capita de país relativamente pobre, mas usando o conceito do PIB dá um valor de país rico e desenvolvido. Já vimos essa história com os escandinavos, não vamos repetir no mesmo erro, podemos reverter este quadro quase que desfavorável.

Portanto fica a minha pergunta, vamos continuar usando o PIB per capita ou vamos utilizar o PPR per capita?


O melhor welfare state seria a isenção total de impostos para policiais, médicos e professores.

Esse welfare state da esquerda é piada. Os caras cobram imposto de renda de quem salva vidas.

É um crime humanitário cobrar impostos de médicos. Até para salvar vidas tem que pagar ao governo.


Não consegui entender muito bem o que você tentou dizer. Sei apenas que os irmãos McDonald's se tornaram milionários e, posteriormente, disseram que adoraram todo o arranjo e que não tinham nenhum rancor de Ray Kroc. "Muito pelo contrário", disseram eles.

www.nytimes.com/1998/07/16/business/richard-mcdonald-89-fast-food-revolutionary.html


Os irmãos se tornaram milionários e, posteriormente, disseram que adoraram todo o arranjo e não tinham nenhum rancor de Ray Kroc. "Muito pelo contrário", disseram eles.

www.nytimes.com/1998/07/16/business/richard-mcdonald-89-fast-food-revolutionary.html


Também tenho um amigo francês que disse que os idosos (mais de 60) odiaram esse novo sistema após o namoro inicial. Depressão é o sintoma mais leve, mas a amargura de ser inútil é o que domina as conversas.


Calma, campeão. Menos. Não há queda nenhuma no Bitcoin. Ao contrário, aliás: ele sobe forte neste momento. Sua cotação, em ascensão, é a mesma de 31 de maio.

Aliás, ele está hoje mais caro do que estava quando este artigo aqui foi publicado, o qual já alertava para uma bolha.

Sim, o Bitcoin está em bolha e vai estourar. Mas ainda não foi desta vez.


Tenho alguns amigos na França que me explicaram isto há uns anos. Nas palavras deles, não demoraria pra França se tornar uma Grécia/Itália no quesito finanças públicas. Não acreditei. Mas aconteceu.


Nesse momento a cotação do Bitcoin e do Ethereum estão despencando forte. Me parece que a bolha estourou.


Maju, estou respondendo ao Hans, logo acima, que afirmou que a Groenlândia era coberta por florestas quando foi descoberta (no início da Idade Média, certa de 1000 anos atrás).

Não entendi sua dúvida sobre "degelo". Eu apenas mostrei que se a Groenlândia não era coberta de gelo como é hoje, então este gelo, derretido ou não, teria que estar em algum lugar, e este lugar seria o mar. A quantidade de água no planeta não aumenta ou diminui com o clima, apenas muda de lugar e de estado físico (sólido/líquido/gasoso). Aliás, vc mesmo diz que o nível do mar diminuiu mais de 100 metros na última era glacial, e aumentou depois. Só que o Hans disse que isso ocorreu no século X, na época de Eric, o Vermelho. Eu só estou demonstrando que este meme de internet é ilógico e impossível.

A 120.000 anos atrás, o clima era muito diferente, com certeza. Mas não havia civilização, nem cidades, nem agricultura, nem portos, então isso não é muito relevante para o debate sobre o clima HOJE.

Exceto, é claro, para os que querem apenas defender seus dogmas e gritar que estão certos e que todos os outros estão errados.


Maju 17/07/2017 21:38
Ué, nao entendi...
Entao você está concordando com o Ex-microempresario que nao havia florestas na Groelândia quando ela foi descoberta pelos Vikings?
Ou você está falando que os Vikings descobriram a Groelândia há mais de 12 mil anos?
Além disso, você aparentemente nao entendeu o argumento do Ex-microempresario. Releia o comentário dele com calma antes de se apressar a escrever sua resposta...
Ual, Vikings de 12 mil anos... Pessoal tá de sacanagem...


"Muitas cidades antigas do mundo estão a menos de 7,9 metros de altitude. Isso quer dizer que elas teriam sido construídas embaixo d´água se a Groenlândia fosse coberta por florestas e não por gelo."

Putz, que lógica bizarra.

Pra começar, quem disse que ocorreu um degelo? Havia florestas antigamente e hoje há gelo. Ponto. Que degelo?

Nada se sabe sobre ter ocorrido um degelo, o qual teria levado ao surgimento de florestas, as quais então voltaram a virar o atual gelo.

E, ainda que tenha havido esse degelo, ele teria ocorrido muito antes do surgimento das grandes cidades litorâneas, durante algum período interglacial. Isso apenas comprovaria que o mundo era muito mais quente do que é hoje.

O fato é que o último grande período de aquecimento terminou há aproximadamente 120.000 anos. Durante este período — isto é, mais de 120.000 anos atrás — hipopótamos viviam nos rios Reno e Tâmisa, e a Europa tinha uma espécie de "aparência africana".

Dali em diante, quando as temperaturas começaram a cair, as geleiras se moveram continuamente na direção sul, e o nível do mar na Europa diminuiu em mais de 100 metros. Os rios Tâmisa e Elba se tornaram afluentes do Reno, antes de este passar a correr até o Mar do Norte e dali para o Atlântico.

Quando este período terminou, muito abruptamente, há aproximadamente 12.000 anos, as geleiras rapidamente retornaram e o nível do mar subiu, não apenas milímetros por ano, mas sim muito rapidamente, quase que como um dilúvio.

Em um curto espaço de tempo, a Inglaterra e a Irlanda, que até então eram ligadas ao continente europeu, se tornaram ilhas. Foi assim que o Mar Báltico e grande parte do atual Mar do Norte surgiram. Do mesmo modo, grande parte do que hoje é o Golfo Pérsico passou a existir apenas naquela época.


Hans 17/07/2017 17:41
Até onde eu sei, o nome Greenland foi uma jogada de marketing de Erik, o vermelho, para atrair colonos para as novas terras por ele descobertas.
Nava a ver com florestas.

Then at the Thorsnes Thing, Erik and his people were outlawed from Iceland. Erik then sailed to Greenland where he named many places. Then, he came back to Iceland and reconciled with Thorgest. Then he decided to go back to Greenland and recruited people to come with him. He named the land Greenland because "men will desire much the more to go there if the land has a good name."

Fonte: Saga de Érico, o Vermelho [datada de 1265 ou antes]

Quais as suas fontes para a afirmação de que ela foi batizada Greenland justamente porque era coberta por florestas quando foi descoberta?


Cheguei a imaginar se a Estônia adotasse o franco suíço como moeda e se mandasse da união européia fosse o melhor, mas com o que você falou realmente não somos capazes de mensurar, além de ser algo extremamente difícil de ser feito.

Devido a presidência do conselho nos próximos 6 meses na mão da Estônia podemos esperar uma maior racionalidade econômica ou isto nada tem a ver com o conselho?


"Políticos se elegem prometendo o impossível. E eleitores votam exatamente naqueles que prometem o impossível. Qual é exatamente seu espanto quanto a isso?"
Essa frase me lembra de Thomas Sowell: "O fato de que muitos políticos de sucesso são mentirosos, não é exclusivamente reflexo da classe política,é também um reflexo do eleitorado. Quando as pessoas querem o impossível somente os mentirosos podem satisfaze-las".



E culpar o Capitalismo por isso, pedindo tributação ainda maior para os mais produt... ops, ricos.


Difícil dialogar com quem repete memes de facebook como se fosse fatos comprovados. Seguinte:

A Groenlândia tem hoje 2,850,000 km3 de gelo acima do nível do mar.
A superfície dos oceanos é de 360,000,000 km2.
Dividindo um pelo outro temos 0,0079 km, ou 7,9 metros. Isto é o tanto que o nível do mar subiria caso o gelo da Groenlandia saísse de lá.

Muitas cidades antigas do mundo estão a menos de 7,9 metros de altitude. Isso quer dizer que elas teriam sido construídas embaixo d´água se a Groenlândia fosse coberta por florestas e não por gelo. (A menos que vc saiba dizer para onde esta água foi) E lembre-se que estes 7,9 metros são só da Groenlândia. Mas se o mundo estava mais quente, também tem o gelo do Ártico, do Canadá, da Rússia, etc. E se os oceanos estavam mais quentes, a simples dilatação da água faz o nível aumentar.

Mas vai ver que Barcelona, Marselha, Gênova, Amsterdam, Copenhagen, etc, foram construídas uns 10 ou 15 metros mais alto e depois desceram...


"falando há anos que esse sistema é insustentável"

E de fato é. Trata-se de contabilidade básica. É impossível gastar eternamente mais do que se arrecada. É impossível gastar crescentemente sem haver fontes crescentes de arrecadação. É impossível prometer cada vez mais benesses sem que haja um número crescente de pessoas produtivas para bancar essas benesses.

E não há mágica capaz de revogar essa lei básica da contabilidade básica. Se alguém souber de uma -- uma só! -- gostaria muito de ouvir.

"tem tempo de vida contado"

Correto de novo. Pelos motivos acima.

"mas não vejo indícios de que ele esteja em decadência"

Não?! Já deu uma olhadinha no crescimento econômico dos países europeus, especialmente os da periferia? Já deu uma olhadinha nas taxas de desemprego? Já deu uma olhadinha nas contas previdenciárias (pesquise sobre a previdência italiana e surpreenda-se)? Já deu uma olhadinha na evolução da dívida dos governos desses países (o que faz com que qualquer aumentozinho futuro nos juros deixe os governos insolventes)? Já deu uma olhadinha nas taxas de inovação? Já comparou as economias européias com as da Ásia ou mesmo com a americana?

Exceto Suíça (que não faz parte da UE) e Alemanha (a população mais produtiva da Europa), qual país europeu tem alguma empresa de destaque no setor mundial? Qual país europeu se destaque por suas inovações e eficiências?

Com efeito, na Europa você sequer consegue rapidez de um garçom de restaurante.

"muito menos indícios de que os europeus desejam mudá-lo"

Isso não é argumento. O brasileiro também não quer mudar sua legislação trabalhista inspirada na Carta del Lavoro de Mussolini e a qual empurra os menos produtivos para a informalidade, nem quer privatizar suas estatais criadas por Getúlio Vargas e pelos militares. Muito menos quer reformar sua previdência, a qual, se continuar como está, garante que absolutamente ninguém vai se aposentar.

Aliás, o brasileiro geme até mesmo quando o governo ameaça acabar com o Ministério da Cultura!

Desde quando resistência a abrir mão de privilégios e boquinhas configura argumento contrário a alguma coisa?

Políticos se elegem prometendo o impossível. E eleitores votam exatamente naqueles que prometem o impossível. Qual é exatamente seu espanto quanto a isso?

"Algum liberal já tentou fazer um prognóstico sobre quanto tempo esse arranjo pode durar?"

Se algum fizer isso, não o leve a sério. É impossível fazer previsões econômicas, pois a economia depende não só da ação voluntária e diária de bilhões de indivíduos, como também depende, e muito, de tentar antecipar as besteiras que políticos irão fazer no futuro.

Mises previu, ainda em 1920, que uma economia socialista era impossível de perdurar. A URSS só viria a se esfacelar em 1989, confirmando Mises de maneira estrondosa. A teoria de Mises estava 100% correta, mas era impossível utilizá-la para qualquer timing correto.

A própria Escola Austríaca enfatiza enormemente essa questão: na economia, é impossível qualquer tipo de previsão relacionada a tempo. Você pode, isso sim, prever o que irá acontecer. Mas jamais quando irá acontecer.

Aliás, quase ninguém consegue acertar como estará uma partida de futebol após 90 minutos de uma simples interação entre 22 homens. Como exigir o timing exato da duração de uma social-democracia?


P.S.: no auge da euforia do final do governo Lula, os economistas deste site já falavam -- e explicavam -- que todo o arranjo era insustentável e iria acabar mal. Foram xingados muito à época. Após Dilma assumir, eles enfatizaram de novo -- e explicaram -- que tudo ia acabar mal. Hoje, tudo o que previram aconteceu (aliás, o que aconteceu foi ainda pior do que previram). Eis um artigo que compila tudo o que foi previsto que iria acontecer com a economia brasileira. Leia, compare e comprove.


Olá,

com todo o respeito, vejo os liberais falando há anos que esse sistema é insustentável, tem tempo de vida contado, mas não vejo indícios de que ele esteja em decadência, muito menos indícios de que os europeus desejam mudá-lo.

Algum liberal já tentou fazer um prognóstico sobre quanto tempo esse arranjo pode durar?


Abraços.



Acrescente à sua lista o fato de que a Groenlândia, hoje coberta de gelo, foi batizada Greenland justamente porque era coberta por florestas quando foi descoberta.

Mas como tal fato vai contra o dogma aquecimentista -- pois comprova que o mundo foi muito mais quente no passado, tendo havido um resfriamento de lá pra cá --, ele nunca é citado.


Não são falácias, são comparações, bastante pertinentes, por sinal. Os métodos e hábitos são bastante parecidos, estes sim com abundância de falácias:


- falácia do apelo ao ridículo: "já era para estarmos todos assados e vermelhos de queimadura "

- falácia da alegação especial: "Essa turminha não conseguiu fazer o planejamento cientifico da economia, agora querem fazer o planejamento cientifico do clima."

- falácia do apelo à ignorância: "Infelizmente eu não sou um climatologista ou geólogo para ter acesso aos dados dos satélites que estão em órbita da terra e captam a temperatura média do planeta..."

- falácia da conspiração: "Você se vale do fato de todo o Establishment destruir qualquer possível pesquisa ou dado que contrarie os seus dogmas..."

- falácia da evidência suprimida: "Não há absolutamente nenhuma comprovação cientifica de que o aquecimento global é causado pelo homem..."

- falácia do non sequitur: "Como o homem pode ser responsável pelo aquecimento global se ele é responsável por apenas 6% de toda a emissão de CO2 na atmosfera?"

- falácia da falsa dicotomia: "Se o aquecimento global é causado pelo homem, porque em períodos como a idade média verificamos temperaturas superiores às atuais ?"

- falácia do espantalho: Al Gore disse, Al Gore falou, Al Gore afirmou...



Meu caro Marcos, nunca vi um cientista dizer que nunca mais aconteceriam temperaturas baixas. Talvez o Al Gore ou algum político similar. Já disse antes, mas vou repetir: Citar Al Gore para desacreditar a ciência climática está no mesmo nível de citar Bolsonaro para desacreditar a Escola Austríaca. Da mesma forma, criticar a ciência climática porque jornalistas medíocres fazem "propagandas catastrofistas" sobre o assunto é como dizer que a ciência econômica não existe baseando-se em manchetes da Carta Capital.

De qualquer forma, sim, cientistas sérios sempre usaram o termo "mudanças climáticas", que é diferente de "aquecimento global"; "mudanças climáticas" são as consequências locais de um fenômeno global. Novamente fazendo uma analogia econômica, a expressão "O governo Dilma empobreceu o Brasil" não é refutada pelo fato de que algumas pessoas enriqueceram durante este período.

Dizer que "Qualquer que seja a temperatura e qualquer que seja o clima" seja uma mudança climática, é obviamente uma contradição tola, e, nesse contexto, uma óbvia falácia. Uma mudança climática é, por exemplo, as chuvas na região nordeste do sistema elétrico nacional estarem hoje em 31,78% da média de longo prazo, ou o fato relacionado de que áreas que a duas décadas atrás estavam submersas pelo reservatório da barragem de Sobradinho hoje sejam usadas como pasto.

Encerrando, sei que as chances de argumentos racionais convencerem crentes dogmáticos são mínimas, seja sobre clima, economia, criacionismo ou a morte de JFK, então não alimento esperanças de um diálogo útil.



Muito obrigado pelo artigo, Leandro.

Eu gostaria de saber de qual maneira é determinado o nível de produtividade de uma população. Acredito que vários fatores sejam considerados, talvez seja inviável explicar através de um comentário, pois então há alguma fonte confiável que apresente um ranking das populações mais produtivas?


conheci um professor de escola pública, que fava aula de verbo to be, nas férias ele ia pros EUA fazer bico de guia turístico, ele se sentia super bem com o pouco que ganhava aqui


Se eles respeitassem o nosso próprio bem estar, já seria suficiente.

Esse estado de bem estar está muito longe de ser uma ajuda humanitária.

Essa fantasia está pagando lazer, filmes, copa do mundo, olimpíadas, jornalistas, artistas, cervejarias, transporte, etc.

Esse estado de bem estar poderia ser chamado de estado organizador de festas, assaltos e falcatruas, onde milhares de pessoas estão morrendo ou tendo uma vida infernal.

Ou seja, não tem como transformar exploração de trabalhador em bem estar social.


Para o texto ficar perfeito, só faltou adicionar que, quando há bastante liberdade econômica, o estado de bem estar social é desnecessário. E, além disso, ele pode ser prejudicial: vide o caso da Suécia e outros países, cuja crise imigratória se dá em função da imigração em massa de pessoas querendo mamar nesse bem estar social.



Países ricos demoram mais para mostrar os sintomas de falecimento da sua economia porque há mais pessoas e empresas dispostas a emprestar dinheiro para ele. E a amortização da dívida fica menos dolorosa por terem mais pessoas produtivas para tributar.


Bem fez o Reino Unido de pedir a saída dessa versão atualizada do Império Romano.
Espero, para o bem da Europa como um todo, que outros países peçam a independencia desse regime totalitário e enganador que se instalou por lá.
E bem que poderia acontecer aqui no Brasil também. Os movimentos separatistas bem que poderiam levar a cabo suas idéias.
Seria ótimo ter 26 países competindo entre si pelos melhores e mais dedicador cidadãos.


Vão ficar com serviços públicos mequetrefes igual Portugal, pra depois ficar com serviços restritos como Grécia.


Parabéns, saoPaulo. Repetiu as mesmas falácias do apelo ao ridículo que os ambientalistas totalitários cometem:

[X] Comparou quem não acredita no aquecimento global aos criacionistas.

[X] Comparou quem não acredita ao aquecimento global a quem não acredita no pouso da Lua.

Só faltou as duas mais comuns:

[ ] Comparou quem não acredita no aquecimento global aos negadores do Holocausto.

[ ] Pediu a cassação da credencial dos cientistas "negacionistas" como a Sociedade Meteorológica Estadunidense já fez com alguns.

Não é tarde para adicioná-las, quem sabe se você adicioná-las a temperatura da Terra volta a crescer como estava crescendo no final do milênio e assim todo mundo volta a levar a sério a religião do aquecimento global mais uma vez. Aí fica mais fácil aprovarem políticas de regulamentação às empresas emissoras.


Olá, pessoal...
Vocês podem me indicar algum artigo que apresente uma visão crítica, no âmbito da Escola Austríaca, ao possível acordo entre Mercosul e União Europeia que está em andamento?
Agradeço muito e parabéns pelo site!


Quando acabar o dinheiro quem vai tirar esses direitos? Os progressistas vão gritar que as pessoas não terão como se sustentar e vão pedir mais impostos e mais regulação como controle de preços e ai a gente sabe onde isso termina...


Impossível mensurar. Entrando na UE, o país ganhou acesso a todos os mercados da região por estar dentro de uma união aduaneira.

Se o país estivesse de fora da união aduaneira, as empresas exportadoras da Estônia teriam de enfrentar as tarifas de importação dos países da UE (seu principal mercado exportador), o que encareceria seus produtos e reduziria suas exportações. Estando dentro da UE, não há tarifas de importação para seus produtos, o que é ótimo para elas.

O mesmo vale para os consumidores estonianos, que agora podem importar livremente produtos dos países da UE.

Por outro lado, a partir do momento em que você entra na UE, você está sujeito à Tarifa Externa Comum (TEC) para todos os produtos importados de fora da UE.

Ou seja, há uma espécie de chantagem: você entra na UE e tem acesso garantido ao mercado interno europeu, mas perde autonomia em relação aos mercados fora da UE.

Se o livre acesso ao mercado interno europeu compensa todo o fardo regulatório da UE e a imposição da TEC, isso só o estonianos podem dizer. Não eu.


"Na UE, as políticas públicas são cada vez mais direcionadas a tributar os produtivos para subsidiar os improdutivos."

Não é só na UE não, é no mundo inteiro.


hmm, eu sempre vejo respostas arrogantes e algumas patadas. Não é questão de "ser bem tratado", tampouco ser educado seria sinal de "covardia". Respeitar ideias contrárias não significa aceitá-las, e é muito fácil refutá-las sem agredi. Da mesma forma, não precisaria usar "salto alto" para fazer isso.


Não, meu caro ex-micro. Deixa eu tentar desenhar pra você.

Se eu digo que, "de agora em diante, o PIB só irá cair mês a mês", mas aí ele sobe, então eu estou refutado. Minha teoria foi toda pro saco.

Se eu digo que a Venezuela empobrecerá sob Maduro, mas aí sua população fica mais rica que a da Suíça, eu também seria refutado. (Mas essa é uma previsão que eu faço com 100% de certeza).

Igualmente, a ocorrência de temperaturas baixas recordes em uma era em que todos os aquecimentistas juravam que elas nunca mais aconteceriam -- aliás, já era para estarmos todos assados e vermelhos de queimadura -- é sim um baita golpe a uma teoria.

Não é à toa que os mais espertos já mudaram o discurso e não falam mais em "aquecimento global". Agora é só "mudanças climáticas", o que implica que tanto verões quanto invernos rigorosos podem ser automaticamente encaixados em propagandas catastrofistas.

Ou seja, criaram uma teoria auto-adaptável. Qualquer que seja a temperatura e qualquer que seja o clima (invernos frios e quentes, verões frios e quentes), ele se torna a exata manifestação de uma "mudança climática".

Só brasileiro -- sempre atrasado -- é que ainda fala "aquecimento global".


Espere Marcos, daqui a pouco vão vir postar uma notícia que a temperatura terrestre vai aumentar nos próximos 50 anos.



Leandro,

foi um erro a Estonia ter entrado na União Européia? eu sei que foi bom ela adotar o euro e acabar com a incerteza do arranjo monetário, mas isso significa que todas as burocracias e regulamentações passadas pela UE passam a afetar ela também ou ela consegue se safar disso tudo?

Agora a Estonia assumiu o conselho da União Européia, isso pode significar maior austeridade ou simplesmente não significa nada?

Por último, quando a casa cair, ela cai junto? kk


Em um país socialista qualquer, o PIB deste mês foi maior que o do mês passado. Comprovada a superioridade do socialismo. Mises refutado para sempre! Milhões de liberais e libertários no mundo inteiro se convertem ao marxismo diante da evidência esmagadora!


Minha prima participou de um seminário onde viu uma professora formada dizer que 5/8 é maior que 3/4 porque 5 é maior que 3 e 8 é maior que 4.





O registro mais antigo do que lembra a ideia marxista são dos intelectuais da Grécia Antiga.
Depois deles, outros grupos tiveram ideias parecidas, mas foi Marx e Engels quem criaram o Comunismo.

https://mises.org/library/ancient-spartan-communism

https://www.libertarianism.org/columns/ancient-origins-modern-debate-socialism-plato-aristotle


Ué, você está dizendo que o novo governo reduziu impostos?! Nossa, mas que esquerda sensacional! Uma esquerda que reduz impostos eu também quero para mim.

Ah, sim, por favor aponte onde o artigo disse o contrário. (A austeridade citada diz respeito a corte de gastos e de investimentos).

Pelo visto, o verdadeiro aldrabão (intelectual) é você.


Alguns dos doutos comentadores aqui vive em Portugal para testemunhar o que realmente se passa na primeira pessoa? Algum douto comentador vai negar que foram devolvidos os impostos extraordinarios cobrados pelos fascistas aos trabalhadores portugueses?
Pois vou contar um segredo, eu TRABALHO em Portugal, e o novo governo fez com que grande parte do meu salario deixasse de SER ROUBADO..!
Ide mas é trabalhar e deixar de escrever MENTIRAS!
MENTIROSOS! ALDRABÕES!


O Brasil vem tentando implantar um regime que apenas favorece aqueles que estão no poder.
Nenhum político realmente pensa em beneficiar a população, somos todos tratados como meros gados.

É preciso acabar com a hegemonia dos partidos atuais e permitir que qualquer pessoa se candidate de forma privada.
Precisamos eleger um senado e uma câmara de libertários com campanha financiada pela iniciativa privada, de lá secaríamos a fonte de riquesa dos partidos


Se os sindicalistas estivessem realmente interessados no bem-estar dos trabalhadores e de fato acreditassem no que falam, eles formariam milhões de cooperativas e chamariam os trabalhadores para trabalhar com eles.

Marxistas inteligentes são patifes. Marxistas honestos são burros. E os inteligentes e honestos nunca são marxistas.


O Comunismo foi inventado no século XVII pelos RELIGIOSOS puritanos Diggers da Inglaterra, que acreditavam na Utopia de que os trabalhadores sendo os produtores de todas as riquezas, eles não deveriam continuar sendo explorados pelos usurpadores...
Pois os puritanos Diggers não aceitavam o fato de que "Toda terra tem algum dono".
E acreditavam que até o mais humilde ser humano deveria ser beneficiado pelo trabalho coletivo produzido pelos operários...

O Comunismo surgiu depois que terminou a ENCOMIENDA espanhola, que junto com a MITA autorizava escravizar, e catequizar os índios, em Nome de Jesus...
E após o fim da Escravidão dos negros africanos...
O MAÇOM Friedriech Engels foi quem financiou e incentivou o PROTESTANTE Karl Marx, (que era neto de um Rabino), escrever e publicar o didático livro "O Capital", que ajudou alastrar o Comunismo.





"Ser demitido ... também pode lhe ensinar lições importantes sobre os malefícios de se tornar excessivamente apegado a uma empresa ou mesmo a um roteiro único e pré-definido para a sua carreira."

É possível gostar de trabalhar onde está empregado atualmente sem ficar apegado (emocionalmente fixado) a este emprego. Mas desapego NÃO significa apatia, desinteresse, indiferença, etc. Equilíbrio e bom senso, sempre!

O bom é ser como um jogador de futebol que (idealmente) é contratado pelo time A e treina e joga com plena dedicação, mas sem fanatismo; e caso mude depois para o time B, faça exatamente o mesmo por ele, mesmo quando jogarem contra o time A.

* * *


Professores de cursinhos se souberem serem empreendedores, conseguem ganhar tranquilamente mais do que a maioria dos professores universitários das nossas federais falidas.

Para você ver que até em um mercado extremamente engessado e regulamentado no Brasil como o de professores, o empreendedorismo consegue dar sua solução criativa.


Se ser um capitalista é tão fácil, por que a maioria dos trabalhadores (principalmente os que possuem uma inclinação esquerdista) não se reúnem para trabalharem em uma Cooperativa?


Desde que não se explodão ( geralmente por causa de um revanchismo derivado de intervenção militar em seus paises ) não vejo problema em eles irem morar lá. Lembrando que em todos os papaises há isso.



"No país da meia-entrada, quem paga o pato é quem paga a inteira."

Para ser mais exato, TODOS pagam mais pela entrada por causa da meia-entrada - embora de fato quem paga entrada inteira realmente paga mais.

O preço da meia-entrada costuma ser próximo do que seria o preço da entrada normal se não houvessem essas leis de meia-entrada. E o que dizer das promoções e serviços especiais que deixam de serem feitos por causa dessas leis?

* * *



"Que a esquerda esteja recorrendo a Portugal como exemplo prático de sua agenda econômica é um grande mistério."

Discordo que seja um grande mistério: dizer isso e fazer aquilo faz parte integrante do modus operandi da esquerda. A única dúvida é o quanto desse discurso é autoengano e o quanto dele é ludibriação.

Resposta: quanto mais alto na hierarquia esquerdista um militante está, menor o seu grau de autoengano e maior o grau de mentira profissional.

* * *


eram 'poucas' pessoas e continuam sendo... eliminar esse número, com nos países desenvolvidos, vai ser muito difícil


" A ideia de que, no capitalismo, os trabalhadores são "explorados" atenta contra a lógica "

Nem toda lógica parte de premissas incontestáveis. O mesmo raciocínio feito pelo autor do texto pode ser lapidado para defender o sistema produtivo do antigo povo egípcio. Ora, para um egípcio, é perfeitamente tolerável receber ordens de um faraó para cultivar cevada e construir pirâmides. O egípcio e o faraó envolvido na cultura tem a fé de que esse modo vida o levará a glória e a felicidade eterna no meio social. Um observador externo pode detectar algum tipo de exploração nessa relação social, isso não é um atentado contra a lógica, é a destruição das bases da fé, é um atentado contra o estamento social, construindo uma nova lógica. O capitalismo fez exatamente isso no mundo feudal. O socialismo já está fazendo isso no mundo capitalista.