clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Pessoal, minha mãe é bastante leiga sobre política, mas um dia ela disse uma coisa que me deixou surpreso: "eu sou contra ter democracia por que o povo fica colocando esses politicos que ficam roubando a gente".
Ela pode estar certa nesse ponto?

Lembro que o meu professor de filosofia dizia também que a democracia não era a melhor forma de governo, mas não prestava muito atenção.


Meu filho é minha propriedade?

Sinto que Rothbard falou asneira sobre vender bebes...

Mas ao mesmo tempo, se eu levantar uma casa ou uma fazenda em uma área sem dono(terra de ninguém), logo aquela área se torna minha propriedade pois misturei meu trabalho nela e etc...

Portanto, sabemos que propriedade é a extensão que meu corpo(minha propriedade) produz/produziu.

Se for pensar assim, uma criança é minha propriedade, já que o ato sexual é uma ''produção'' de um bebe. Ao invés de ter um único dono, o bebe tem dois donos(pai e mãe).

O pai ficou encarregado do ato sexual e do esperma enquanto a mãe ficou encarregada da gestação onde fornece todo nutriente e demais necessidades para o desenvolvimento do bebe.

Portanto, seguindo a nossa lógica, juridicamente podemos dizer que um bebe é propriedade dos pais já que este é uma extensão do que o corpo dos pais produziram.
Porque em um caso, a extensão do que meu corpo produziu é minha propriedade e no caso do bebe não?

Alguém faz um contra-ponto porfavor?!

Abraços


Bom currículo para alguém de 30 anos é:

-Experiência profissional consolidada, uns 8 anos e em diferentes setores está bom;
-Formado e se possível pós graduação na área de atuação;
-Boa rede de relacionamentos profissionais, daqueles que facilitam os negócios da empresa contratante;
-Idiomas, pelo menos fluente em 1 e outro em nível avançado;

Dificilmente candidatos com 30 ou quase 30 que só se dedicaram aos estudos apresentam tais qualidades muito desejáveis que só a experiência prática pode fornecer. Depois seleciono os 10 melhores currículos para entrevista pessoal, descarto os que apresentam más características psicológicas e encaminho os outros para o gestor da área selecionar qual desejar pelos próprios critérios.



Sim, o crescimento econômico per se não é inflacionário. Ao contrário, ele é deflacionário.

Se a economia cresce, ela produz mais, aumentando a oferta de bens e serviços disponíveis para o consumo em uma comunidade. A economia se torna mais produtiva. Com uma maior quantidade de bens e serviços no mercado, e o estoque de moeda relativamente estável, os preços tendem a cair. A moeda ganha poder de compra. Daí a natureza deflacionária do crescimento econômico.

Quando os EUA ainda estavam no padrão-ouro clássico, a economia crescia e os preços caíam. Foi assim de 1865 a 1913, ano em que foi criado o Fed.

Por outro lado, se há expansão do crédito -- ou seja, se há criação de moeda por meio do sistema bancário em conjunto com o Banco Central --, aí tudo se torna inflacionário. Mas a inflação de preços não advém do crescimento econômico que eventualmente ocorre; ela vem da expansão da oferta monetária. O crescimento econômico que eventualmente ocorre terá, isso sim, um efeito deflacionário. Se ele não ocorresse, o aumento dos preços seria ainda maior.

O que realmente faz com que os preços subam continuamente? Eis a explicação para o Brasil

Como a crescente estatização do crédito destruiu a economia brasileira e as finanças dos governos


Comungo um pouco das ideias do André. Esse país é ruim para pobre. Para alguém que consegue poupar e ser frugal é menos ruim.

Uma coisa que ñ entendo e tem até tópico que crescimento não gera inflação. Mas,se para crescer precisa-se de investimento ,e normalmente este investimento vem do crédito que é inflacionário? Como equacionar oferta monetária, crédito e crescimento sustentável? Pelos relatos do IMB este sao os motivos dos nossos vôos de galinha. Salvo engano o Milton Friedman defendia uma expansão homeopática da oferta monetária...

Parabéns ao IMB e colegas que enriquecem o debate com suas colocações.

Abraços!!!


Oi Max,

Na obra de Karl Marx, os conceitos denominados "capitalismo" e "socialismo" aparecem como os sistemas econômicos relevantes, sendo o intervencionismo erroneamente visto como uma forma transitória do primeiro.

Leia Intervencionismo - Uma Análise Econômica de Mises, disponível aqui na biblioteca do site. Abraço!


A Lei Rouanet é uma das piores leis que esse país possui. Essa lei é o literal significado do fascismo. Toda essa baboseira de "isenção fiscal" é apenas uma máscara, uma maquiagem para o que ela faz de fato.

Esse vídeo Ancap explica muito bem:






Pessoal eu gostaria que voces me explicassem uma coisa: por que o servico público é tão ruim? Principalmente hospitais e escolas? Tem como o Estado melhorá-lo ou por que a gestão é ruim mesmo? Pergunto isso pq tem gente que usa como desculpa. Enfim, pode melhorar ou é algo impossível? Apenas privatizando é a saída?



Eu ficaria no Brasil mesmo. E o motivo é simples: eu sou e sempre fui um cara poupador. Sempre fui munheca. Sendo assim, quero ser bem remunerado por este meu sacrifício. Poupança é um sacrifício e quero ser recompensado por isso.

E nenhum país é melhor que o Brasil para recompensar poupadores. Aliás, acho interessante como os valores mudaram. Antigamente, um sujeito poupador e frugal era bem visto e até elogiado. Hoje ele é chamado de rentista e é vituperado como sendo causador de recessões. E elogiado é aquele sujeito consumista que vive entrando no rotativo do cartão de crédito.

Atualmente, nenhum país de primeiro mundo recompensa bem o poupador. Com efeito, em alguns países europeus, o poupador é punido com juros negativos. Tô fora.

Nova Zelândia até vai. Mas é só. Nenhum país da zona do euro me pega. Suíça também não. E EUA, por enquanto, também não.

No Brasil, moro em cidade pequena, tranquila e faço home office (o que significa que estou fora de IRPF e encargos sociais e trabalhistas). É o jeito ideal para se criar uma família. Cidade grande e emprego de carteira assinada não me pegam mais de jeito nenhum.

E não vejo hoje nenhum outro país que me forneça condições semelhantes.


Sim. As lojas físicas irão precisar se adequar radicalmente à nova realidade se não quererem entrar em extinção.

Os principais pontos positivos do advento da internet para os negócios foi baratear os produtos para consumidores e desmantelar a Justiça Trabalhista, forçando uma profunda reforma.

Só destaquei essa questão das lojas em shoppings para mostrar que em uma economia dirigida e engessada pelo Estado, não contente em roubar a população diretamente ou indiretamente, os poderosos também conseguem os melhores pontos comerciais para lavar o dinheiro sujo.


A sua constatação está certa, mas há outros motivos.

Com a expansão do comércio online, a tendência é que haja cada vez menos lojas físicas. Com a exceção de estabelecimentos voltados para o setor alimentício, a tendência é que os pontos comerciais desapareçam. Ainda vai demorar um pouco, mas a tendência é inexorável.

Coisas como aluguel, conta de luz e principalmente encargos sociais e trabalhistas, bem como o risco de ser acionado na Justiça do Trabalho, simplesmente não compensam manter um ponto comercial físico. Fazer tudo online é bem mais prático. Só eu conheço 4 pessoas que migraram para essa atividade.

Quem está no ramo das lojas físicas é bom começar a pensar em outras atividades.




Eu estou entrando em novos nichos do mercado empreendedor e fiquei sabendo de uma coisa que por muito tempo já suspeitava.

Um colega contador que trabalha em um grande shopping de SP me disse, em um churrasco, que a imensa maioria das lojas de shoppings aqui no Brasil só conseguem sobreviver porque os donos não dependem do lucro da loja para mantê-la. Quase sempre as planilhas estão no negativo, pois além dos aluguéis serem caríssimos, o consumo é relativamente baixo. E complementou que a conclusão óbvia é que maioria dos donos usam essas lojas como lavagem de dinheiro.

Quando há uma regulamentação estatal (como proibição ou intensa tributação de produtos) e quando o Estado concentra o poder econômico em suas mãos e faz parcerias diretas ou indiretas com grandes empresários, o nível de corrupção que acontece e sempre aconteceu no Brasil é simplesmente inevitável.

Muito triste o Brasil ter escolhido logo no início da sua existência o Corporativismo e não o Capitalismo, como os EUA escolheram. E o pior é que nunca vai ser mudado esse sistema brasileiro, há muitos poderosos que não irão deixar.




Eu estou cursando contabilidade, quando terminar farei um MBA de finanças para meter o pé daqui. O meu planejamento de longo prazo é ir embora desse país, não há menor possibilidade de levar este país a sério.


Melinda pode fazer o que quiser.
Desde que ela seja responsável pelos seus atos.
Agora querer jogar para a sociedade a responsabilidade sobre suas atitudes já é outra história.


JUSTIÇA SOCIAL - Walter Williams - economista americano:
"No infindável debate sobre "justiça social", a definição de "justo" tem sido debatida por séculos. No entanto, permita-me oferecer a minha definição de justiça social: eu mantenho tudo aquilo que eu ganho com o meu trabalho e você mantém tudo aquilo que você ganha com o seu trabalho.
Discorda? Então diga-me: qual porcentagem daquilo que eu ganho "pertence" a você? Por quê?"


Todos os sistemas econômicos são simplesmente formas de opressão, não interessa o nome ou o arcabouço teórico que o dá fundamentação. Capitalismo, comunismo, anarquismo, todos esses pressupõe uma massificação da população em uma doutrina para um controle maior de um grupo menor de poderosos. Os sistemas que buscam o fim do Estado, como o comunismo e o anarquismo ainda se afastam um pouco dessa característica. A única forma autêntica se vida é se o homem pudesse gozar de sua liberdade individual plena, como esse sistema não é mais possível, todas as formas de gozarmos uma liberdade civil talhada em uma ideologia política será deturpada. As únicas revoluções de fato autênticas que temos são aquelas que não foram inspiradas em nenhum sistema filosófico acadêmico de doutrinação, mas apenas na força do sangue que clama por liberdade. Canudos, Zumbi, isso foi autêntico.


A maioria não tinha dono. Não é tão fácil invadir terrenos urbanos quanto o é no campo - e essa fragilização do direito de propriedade é relativamente recente (mais recente que a ocupação de regiões periféricas das grandes cidades).

É comum, nessas áreas, duas circunstâncias: a) loteamentos desorganizados (não foram devidamente desmembrados, impossibilitando o registro), e b) terrenos públicos (i.e.: que podem passar literalmente séculos sob a posse de particulares, sem que a eles pertençam). De uns anos para cá, têm crescido as invasões urbanas, mas são uma fração irrisória do todo.

O Brasil tem práticas particularmente nefastas em relação a terras públicas. É muito fácil o estado tomar terrenos, mas é penoso o processo de transferi-los para particulares. Não há usucapião de propriedade pública, para começar. Existem requisitos muito restritos para vender ou transferir os terrenos. Além disso, as aberrantes exigências burocráticas virtualmente impossibilitam o registro de terreno originalmente irregular.


Acho que você é que não entendeu meu comentário. Quando se têm uma porcentagem alta de milionários - 8% até 20% - em uma economia livre, a classe social abaixo dos milionários tendem a ser a maioria em um país, pois bem, um país em que se obtém uma população milionária de 15%, a classe social abaixo dos milionários tendem a ser mais próximos dos valores milionários em níveis de riqueza e não de renda. Logo houve sim redução da desigualdade, porque da forma que o número de milionários crescem como porcentagem da população do país, toda a estrutura hierárquica da sociedade é puxada para cima, o extremo-pobre vira pobre, o pobre vira classe média baixa, o classe média baixa vira classe média, o classe média vira classe média alta e assim hierarquicamente sempre para cima por conta da criação de riquezas. A mobilidade de uma classe para outra é notória mesmo em um mundo onde o pró-intervencionismo parece ser a regra do jogo, incluindo países como os EUA. Claramente que um país com 50% de milionários é totalmente irracional, só que quanto mais a economia for livre, menor será a desigualdade por conta desta mobilidade de classes.

E mais, os estudos sobre riqueza também são escassos, porém valores mobiliários, ações, títulos públicos são contabilizados no conceito de riqueza, essa pesquisa ainda é recente. Portanto, se conhecêssemos os reais níveis de riqueza das camadas mais pobres, com a mais absoluta certeza a desigualdade seria ainda menor.

E sobre o coeficiente de gini e as nações igualitárias, isso não se pode levar a sério. Estou usando uma abordagem totalmente diferente desse charlatanismo.


Se não me engano o Mises Brasil é baseado no Mises em inglês, então deve ter algo do tipo, não tenho certeza


Acho que você se confundiu aí. Você quis dizer que a desigualdade seria menor em países economicamente mais livres, mas utilizou como dados apenas o número de milionários. Ora, mas isso não quer dizer nada. Você mostrou que em países economicamente mais livres há mais milionários que em países menos livres (uma obviedade, por definição), mas isso não significa que a desigualdade será menor.

E nem há por que ser. Os dados empíricos comprovam isso: uma maior igualdade de renda em uma economia não tem nenhuma relação com mais riqueza. O indicador de medição da desigualdade mais utilizado no mundo é o Coeficiente de Gini. Quando mais próximo de 1, mais desigual é um país. Quanto mais próximo de zero, mais justa e igualitária é uma sociedade. Segundo dados do Banco Mundial, pode-se concluir que:
O Afeganistão (27,8) é mais igualitário que a Bulgária (28,2), Alemanha (28,3) e a Áustria (29,2);

A Etiópia (29,6) e o Paquistão (30) são mais justos e igualitários que a maioria dos países desenvolvidos, como Austrália (35,2), Coréia do Sul (31,6) e Luxemburgo (30,8) e Canadá (32,6);

Tadjiquistão (30,8), Iraque (30,9), Timor Leste (31,9), Bangladesh (32,1) e Nepal (32,8) são mais igualitários que Bélgica (33), Suíça (33,7), Polônia (34), França (35,2), Reino Unido (36) e Portugal (38,5);

Burundi (33,3), Indonésia (34), Togo (34,4), Níger (34,6), Índia (33,4) são mais igualitários que Irlanda (34,3) Espanha (34,7), Itália (36), Israel (39,2);

E todos os citados anteriormente mais Quirguistão (36,2), Mongólia (36,5), Tanzânia (37,6), Cambodja (37,9), Libéria (38,2), Senegal (39,2), Djibouti (40) são mais justos e igualitários que Estados Unidos (40,8), Cingapura (42,5) e Hong Kong (43,4).

Para simplificar, podemos dizer que os EUA são mais desiguais que o Senegal; o Canadá é mais desigual que Bangladesh; a Nova Zelândia é mais desigual que o Timor Leste; a Austrália é mais desigual que o Cazaquistão; o Japão é mais desigual que o Nepal e a Etiópia. Já o Afeganistão é uma das nações mais igualitárias do mundo.


Embora seu comentário tenha sido confuso, suponho que você quis dizer que capitalismo gera depredação ambiental. Esse é um argumento típico de quem desconhece a história.

Para começar, as maiores destruições da natureza ocorreram sob o socialismo. Caso esteja interessado, eis um apanhado:

O eco-socialismo, o socialismo real e o capitalismo - quem realmente protege o ambiente?

De resto, se você realmente quer preservar a natureza, então a primeira coisa que você tem de fazer é retirá-la do controle do governo e entregá-la a um capitalista. Somente um genuíno capitalista irá conservá-la ao máximo, pois é exatamente este arranjo que lhe trará ainda mais dinheiro.

Explico.

Somente quando uma terra tem dono é que este possui vários incentivos para cuidar muito bem dela. Sua preocupação é com a produtividade de longo prazo. Assim, caso você decida, por exemplo, arrendar uma parte da floresta para uma madeireira, você vai permitir a derrubada de um número limitado de árvores, pois não apenas terá de replantar todas as que ceifou, como também terá de deixar um número suficiente para a safra do próximo ano.

Ao visar ao seu interesse próprio -- sempre ter mais árvores -- você está mantendo a floresta.

Quando a terra tem dono, ele possui vários incentivos para cuidar muito bem daquela terra. Sua preocupação é com a produtividade de longo prazo. Já quando a terra não tem dono, quem chegar lá primeiro irá esbulhá-la ao máximo, pois sabe que, se não o fizer, outro o fará antes dele. Assim, o incentivo será o de ceifar o máximo de árvores o mais rápido possível antes que outros cheguem.

O incentivo para se conservar é uma característica inerente à estrutura de incentivos criada pelo mercado

Se você gosta da natureza, privatize-a

Propriedade privada significa preservação


Não seria negligência argumentar que a desigualdade aumenta, enquanto a diferença de padrão de vida entre pobres e ricos diminui. Falo isso porque eu não vejo o livre comércio em muitos países, inclusive nos EUA. Eu imagino que se a maior parte dos países tivessem logrado o livre mercado, essa desigualdade propagada por interesses obscuros seria imensamente menor, o que ocorre ao contrário no mundo atual. Países em que se obtém maior liberdade de investimento, como Singapura por exemplo, 11% da população detém US$1 milhão ou mais, em Hong Kong, na ex-colônia britânica, o crescimento do número de milionários em 5 anos é uma porcentagem de mais de 15%. Agora coloque em um país interventor como o Brasil, o país têm 172 mil milionários, isso representa 0.09% sobre a população total, isso é inacreditável. Se formos colocar a mesma porcentagem de Singapura(11%), o país era pra ter incríveis 23 milhões de milionários, ou seja, a desigualdade iria diminuir radicalmente conforme os níveis de liberdade econômica forem aumentando, se ainda colocássemos no cenário em que aumentaria em 15% o número de milionários no período de 5 anos, haveria 3,5 milhões de novos milionários, isso sem levar em conta o crescimento da população. Eu nem quero pensar em um ancap, porque as possibilidades de enriquecimento e investimentos seriam estrondosamente maiores, simplesmente pela razão de que haveria oportunidades em todos os setores, até mesmo empresas de distribuição de água, de recolhimento de lixo, de reaproveitamento de lixo, de energia como hidrelétricas até painéis solares, de estradas e ruas... enfim, com essa gama de possibilidades, não há porque não acreditar que a desigualdade reduziria radicalmente.

veja.abril.com.br/economia/com-1-milionario-para-cada-35-habitantes-singapura-vive-boom-de-endinheirados/#
g1.globo.com/economia/noticia/2016/11/brasil-ganhou-10-mil-novos-milionarios-em-2016-aponta-estudo.html


Muito bons textos, parabéns!

Tenho 28 anos e um currículo não dos melhores nem dos piores, foram 5 anos de faculdade caríssima, fui estagiário, trainee, tenho experiência na área, cursos extracurriculares de planejamento e gestão, inglês fluente... E dois anos desempregado na miséria tentando uma recolocação até agora nem sequer uma ligação para entrevista, planejei um futuro mas fui forçado a torrar toda minha capitalização que criei, já endividado... me sinto um lixo traído pelo Brasil.

Mas seus textos hoje me deram uma luz, estou apagando as duas páginas do meu currículo de cursos e experiências na minha área para criar um do zero de um zé ruela com o objetivo profissional de empacotador de supermercado, atendente e afins, dói fazer isso mas após ler seus textos as coisas mudaram e entendo as razoes por não sobrar espaço para o investimento e competitividade industrial...
Aplicando a lógica do capitalismo irei trabalhar por um salário mínimo que provavelmente rebeberei (isso se alguém me dar uma oportunidade) e vou investir praticamente a totalidade num curso MBA pela FGV com duração de 18 meses, vou focar na certificação internacional e após isso verei se vale a pena continuar por aqui...


concordo com o texto. sou servidora pública e convivo com muitos parasitas. enquanto um trabalha, três só enrolam. e pior, se fosse possível demitir a pessoa, ela não saberia fazer nada da vida. sou contra a estabilidade no serviço público justamente pela acomodação. fora que para subir de cargo você tem que puxa saco de superior.


Assistencialismo..
Você tem duas vacas,mas elas não produzem,pois sabem que vão receber bolsa alfafa.


Política trabalhista.
Você tem duas vacas que podem produzir 50 litros, mas só produzem 20, pois tem muitos direitos trabalhistas.


Política esquerdopata.
Você tem duas vacas,vem um bandido mata as duas vacas,vem a Maria do Rosário e as ONGs, protegem o assassino.
E ainda te culpam, você é culpado por criar vacas..kkkkkk


Políticamente correto Brasileiro..
Você tem duas vacas, elas viram feministas, lésbicas, odeiam todos e os touros não produzem não dão leite e acabam com a raça bovina.




Pra começar, nao sou detrator do liberalismo (ou capitalismo, como os detratores chamam). Eu nem sequer estaria escrevendo esse texto se nao fosse por ele. Já fui um jovem marxista, já fui um adulto austríaco, e amadureci o suficiente pra entender que toda ideologia pode reclamar pra si somente metade da verdade. A outra metade permanecerá encoberta, como o lado escuro da lua.

Ignorar que o liberalismo viabilizou uma alteraçao radical na relaçao homem-natureza é ignorar um FATO. Somente ideólogos ignoram fatos, porque fatos sao REALIDADES e, portanto, paradoxais, multiestratificadas e complexas.

Eu poderia rebater os argumentos trazidos por todos os artigos que voce citou (que, por sinal, eu já conheço há muito tempo), mas nao preciso fazer isso. Cada um trilha sua própria jornada para o conhecimento, e nao sou eu quem vai conseguir destruir a ideologia de um ideólogo.

Mas algum dia, voce será assolado pela dúvida e pelo medo. Sao os momentos de CRISE. Pode ser um rompimento amoroso, a doença ou morte de alguém próximo ou sua, o insucesso profissional, ou as barreiras que voce mesmo criou para evitar que as pessoas se aproximem muito. Toda ideologia deixa o ser humano isolado em uma ilha, como um náufrago. E nesse momento, sua ideologia, seja lá qual seja, irá fracassar com voce. Ela só conseguirá te dar respostas prontas. Nesse ponto, voce se tornará um fanático, porque o fanatismo é a supercompensaçao da dúvida; ou voce irá entrar num lugar muito sombrio e solitário. É a noite escura da Vida, que destruirá sua ideologia e te fará olhar pra tudo que voce nao quis olhar antes.

Meu conselho é: olhe agora. O liberalismo nao é só salvaçao: também é parte dos problemas, do absolutamente priado ao macrocósmico.




Pois é. Leia atentamente, até o fim, a letra dessa música do Rush, narrando uma história bastante parecida com essa:



Excelente entrevista, gostaria de ver o Dâniel Fraga de volta à ativa.


Vale também lembrar que o ranking dos milionários está constantemente mudando. A maioria das pessoas que estavam na primeira lista da Forbes em 1987 não mais estavam já em 2013. Mark Zuckerberg, do Facebook, nem sequer tinha nascido.

De novo: se você olhar hoje aquela lista de 1987, provavelmente irá se surpreender: você não conhecerá praticamente ninguém. E não, a razão disso não é que a maioria daqueles bilionários morreu; a razão é que praticamente todos eles viram seu patrimônio definhar de maneira considerável.

O que houve com os ricaços da década de 1980?

E Mises já havia explicado isso ainda em 1940. Disse ele:

"Em uma economia de mercado, naquela em que há liberdade de empreendimento, e ausência de privilégios e protecionismos estatais, a riqueza de um indivíduo representa a recompensa concedida pela sociedade pelos serviços prestados aos consumidores no passado. E esta riqueza só pode ser preservada se ela continuar a ser utilizada — isto é, investida — no interesse dos consumidores.

Atribuir a cada um o seu lugar próprio na sociedade é tarefa dos consumidores, os quais, ao comprarem ou absterem-se de comprar, estão determinando a posição social de cada indivíduo. Os consumidores determinam, em última instância, não apenas os preços dos bens de consumo, mas também os preços de todos os fatores de produção. Determinam a renda de cada membro da economia de mercado.

Se um empreendedor não obedecer estritamente às ordens do público tal como lhe são transmitidas pela estrutura de preços do mercado, ele sofrerá prejuízos e irá à falência. Outros homens que melhor souberam satisfazer os desejos dos consumidores o substituirão.

Os consumidores prestigiam as lojas nas quais podem comprar o que querem pelo menor preço. Ao comprarem e ao se absterem de comprar, os consumidores decidem sobre quem permanece no mercado e quem deve sair; quem deve dirigir as fábricas, as fornecedoras e as distribuidoras. Enriquecem um homem pobre e empobrecem um homem rico. Determinam precisamente a quantidade e a qualidade do que deve ser produzido. São patrões impiedosos, cheios de caprichos e fantasias, instáveis e imprevisíveis. Para eles, a única coisa que conta é sua própria satisfação. Não se sensibilizam nem um pouco com méritos passados ou com interesses estabelecidos."


Imagino que você tenha chegado a este site agora, pois este é um dos temas mais debatidos nos artigos daqui. Aliás, esta é uma das falácias mais rotineiramente refutadas aqui.

A riqueza nada tem a ver com esforço, com as horas trabalhadas, com o trabalho duro, com nada disso. Por exemplo, um homem pode gastar centenas de horas fazendo sorvetes de lama ou cavando buracos, mas se ninguém atribuir qualquer serventia a estes sorvetes de lama ou a estes buracos — e, portanto, não os valorizar o suficiente para pagar alguma coisa por eles —, então tais produtos não têm nenhum valor, não obstante as centenas de horas gastas em sua fabricação.

O que determina a remuneração no mercado não é o mérito, não é a virtude, não é o esforço ou a dedicação.

O que realmente determina a remuneração no mercado é apenas e simplesmente a criação de valor. Se você consegue criar algo de valor para terceiros, você será bem remunerado. Ninguém está nem aí para as suas horas trabalhadas ou para o seu esforço. As pessoas só querem saber de serviço bem feito. E pagarão bem por isso.

De novo: o que interessa é a criação de valor; o valor que você consegue adicionar à vida dos demais. Não importa se é por esforço, inteligência, sorte, talento natural, herança; quanto mais imprescindível você for aos outros, mais os outros estarão dispostos a servir você.

O esforço por si só não garante nada. É verdade que, tudo o mais constante, se a pessoa encontra um campo em que ela gera valor, o esperado é que mais esforço gere mais valor. Com o passar das gerações, a ascensão social se acumula: a filha da retirante nordestina que trabalha de empregada tem computador, aula de inglês e provavelmente não será doméstica quando crescer.

É assim que as sociedades enriquecem. Não é de uma hora para outra, e não tem nada a ver com a crença ingênua de que a renda é ou deveria ser proporcional ao mérito.

Nada é garantido. Às vezes o setor em que o sujeito trabalha fica obsoleto, e o valor produzido pela dedicação de uma vida cai abruptamente. Havia gente muito dedicada entre os técnicos de vitrola de meados dos anos 1990; e mesmo assim…

Satisfaça as necessidades dos outros, e as suas serão satisfeitas. Não importa se é por mérito, por sorte ou por talento. O cara mais esforçado e bem-intencionado do mundo, se não criar valor, ficará de mãos vazias.

Achou injusto? Então aqui vai um segredo: é você quem perpetua esse sistema. Se sua geladeira quebra, você vai querer um técnico esforçado e que dê tudo de si, ou vai querer um que faça um ótimo serviço, com pouco esforço e a um baixo custo? Quer um restaurante ruim mas com funcionários esforçados ou quer comer bem? O mundo reflete o seu código de valores e, veja só, ele não é meritocrático.

O sistema de mercado não premia a virtude; ele premia, e portanto incentiva, o valor. É feio dizê-lo? Pode ser, mas ele tem um lado bom: é o sistema que permite que a vida de todos melhore ao mesmo tempo. Que todo mundo que quer subir tenha que ajudar os outros a subir também. Ele não iguala o patamar de todo mundo, mas garante que a direção de mudança seja para cima.

Leia mais em:

Não é a meritocracia; é o valor que se cria

A teoria do valor-trabalho ainda assombra a humanidade e segue causando estragos

Por que lixeiros e professores ganham menos que artistas e jogadores de futebol


Dúvida: ser rico depende apenas do mérito? Se sim, pq não somos todos ricos? A maioria dos pobres que conheço trabalha mais horas e vivem para o trabalho. Ainda que se discuta a capacidade, será que somos todos incapazes, já que não somos todos milionários?


O velho e superado princípio marxista afirma que há uma minoria de ricos vivendo à custa da exploração da esmagadora maioria da população.
Este princípio desconsidera que quanto maior o número e quanto maior a riqueza dos capitalistas, maior será tanto a oferta de produtos quanto a demanda por mão-de-obra. Consequentemente, menores serão os preços e maiores serão os salários — logo, maior será o padrão de vida de todos.


Muito bom o texto, minha formação é contabilidade, sou contador há 27 anos, comecei como técnico em contabilidade e depois parti par o curso superior, uma das disciplinas que mais me despertaram o interesse em estudar e me esforçar para aprender pelo menos o básico, foi economia. Desde a época do curso técnico em contabilidade, tenho pesquisado e procurado aprender sobre essa ciência, mas sempre encontrei livros e artigos de acordo com o texto do autor. Quando pesquisando na internet sobre o tema economia, encontrei o site do Instituto Mises Brasil, fiquei maravilhado em saber que existia e existem, economistas que conseguiram me explicar o que acontece de fato na economia de um país, me identifiquei muito com a escola austríaca e já li vários livros, inclusive, baixei vários e-books para meu celular e aproveito para lê-los em filas de bancos, repartições públicas quando estou aguardando para ser atendido, em consultórios médicos quando estou esperando atendimento, e, em qualquer ocasião ou situação que eu tenha oportunidade de ler os livros e artigos do Instituto Mises Brasil!
Confesso que, durante todo esse tempo lendo artigos e livros publicados pelo site do Instituto Mises Brasil, foi melhor do que fazer um curso de economia, coisa que pretendia fazer mas desisti, em virtude do que é ensinado nas escolas de economia nas universidades brasileira. Também tenho indicado o site do Instituto Mises Brasil a diversos amigos e parentes para que se deliciem com os artigos e livros, e assim, abram suas mentes e entendam melhor como pelo menos deveria funcionar uma economia de mercados e como deveria um estado ser gerido de forma mais eficiente trazendo benefícios para os cidadãos trabalhadores e pagadores de impostos!



A família Chaves tem bilhões. A família Castro tem bilhões. A família Jong-Un tem bilhões. Por que será que só ditadores comunistas tem direito de ser ricos? Por que empreendedores sérios que melhoram a vida do povo não tem direito de ter seus bilhões também? Alguém de vocês já viu algum socialista criticando a riqueza do Maduro? E o detalhe é que o Bill Gates acumulou sua riqueza com seu talento e trabalho, já a riqueza desses vagabundos comunistas foi construída vocês imaginam bem como.


Por algum motivo que me foge à compreensão, quem mais critica o capitalismo são aqueles que mais usufruem de suas benesses. Se alguém conseguir me explicar esse paradoxo agradeço.


Vocês devem se lembrar que há alguns anos houve aquela guerra civil em Ruanda entre Tútsis e Hutus.

Os Hutus nutriam raiva (AKA inveja) pelos Tútsis, pois esses últimos tendem a ser mais altos, e durante a guerra era comum que Hutus cortassem as pernas de Tútsis para que estes ficassem "iguais" aos Hutus. Pois bem, eis aí a definição de socialismo: igualdade no facão!


Eles mantém seus privilégios as custas do povo, são verdadeiros psicopatas, já dizia Olavo
essa gente é psicopata, com tanta gente na linha da miséria, esse povo ainda tem coragem
de manter seus privilégios e desviar dinheiro público.


Haha, esse primeiro entrevistado arrancou uma risada de mim. O cara picou a mula muito rápido!


Como disse Nelson Rodrigues: "No Brasil, o marxismo adquiriu uma forma difusa, volatizada, atmosférica. É-se marxista sem estudar, sem pensar, sem ler, sem escrever, apenas respirando." São os típicos idiotas úteis, igual estes do vídeo. Eles nem conhecem a ideologia que dizem defender. É uma visão do mundo "anestesiada", o progressismo e o socialismo. Provém paz de espírito e uma sensação de liberdade, por não ter que tomarem decisões difíceis, dolorosas ou polêmicas, então eles até preferem delegar as decisões ao mais vil e cruel dos monstros. Isto tira a responsabilidade deles, tira o peso das costas, enquanto ficam romantizando e idealizando um mundo perfeito. Esquerdismo é um transtorno de personalidade. Tinha que estar no Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – DSM.


A concentração de riqueza é elemento crucial para o desenvolvimento de uma sociedade e para a distribuição de riqueza, uma vez que o dinheiro poderá ser destinado a: 1. uma conta bancária, no qual boa parte dos recursos serão emprestados pelo banco a pessoas comuns;2. investimentos em bens de produção ou capital cognitivo, cuja capacidade de geração de riqueza é imensurável;3. doações, as quais considero a pior aplicação de recursos possível, mas que é capaz, ao menos momentaneamente, de reduzir desigualdades.
E tais aplicações só serão possíveis por meio de acúmulo massivo de capital, e a riqueza gerada deverá ser distribuída proporcionalmente a contribuição de cada um, i. e., de acordo com as aptidões destes. Contemporaneamente, vivenciamos a era do capitalismo cognitivo, no qual a criação de informações é o maior gerador de riqueza, e os meios de produção, embora imprescindíveis, serão secundários à medida que a sociedade se desenvolve.


Excelente vídeo! Hahaha...

E é bem isso mesmo que o Murdoc disse: tudo está enraizado na inveja, a qual creio firmemente ser a maior fonte de desagrado para com a desigualdade, principalmente no Brasil.

Não conheço a realidade de outros países, mas me choca ao ver diariamente como a inveja é um sentimento profundamente disseminado neste país. Não costuma ofender um brasileiro saber que uns têm muito e outros têm muito pouco. O que causa revolta ao brasileiro é saber que há pessoas que têm muito mais do que ele.

E digo mais. Muita gente neste país não tem nada contra o dinheiro fácil, muito pelo contrário (vide que todo mundo quer ser funcionário público). No Brasil, ética de trabalho é uma excentricidade tão grande quanto terremotos e nevascas. E, fora dos centros de intelectualidade (vulgo ninhos de esquerdistas), a idéia de que a riqueza vem da exploração do proletariado não é levada muito a sério.


"Os argumentos 9 e 10 são utilizados, mas mais como forma de constrangimento do debate do que propriamente como argumentos."

Traduzindo: Esses eu não tenho como desconstruir, por isso preciso desqualificá-los...


Eu já cheguei à seguinte conclusão: como você disse, as pessoas se sentem importunadas apenas com o que os ricos têm, e não com que os pobres não têm.

E sabe o motivo?

Porque eles queriam ser os ricos, e como não tem capacidade par atingir tal objetivo, a melhor forma de punir os que venceram profissionalmente é propagando a tal da "desigualdade" para taxar os que adquiriram riquezas.

A hipocrisia da esquerda é uma característica natural impregnada na ideologia deles.

Como você pode observar hilariamente aqui:




Artigo excelente e com informações cruciais. Muito obrigado pelo trabalho!


Nunca é demais repetir o que sempre é dito por aqui:

"Sempre que vejo uma pessoa parolando sobre desigualdade, faço a seguinte pergunta: será que ela está genuinamente preocupada com os pobres ou está apenas indignada com os ricos?

Eis uma maneira de descobrir a diferença: sempre que alguém reclama sobre a desigualdade de renda, pergunto a ela se ela aceitaria que os ricos ficassem ainda mais ricos se isso, no entanto, significasse condições de vida melhores para os mais pobres.

Se a resposta for "não", então ela está admitindo que está importunada apenas com o que os ricos têm, e não com o que os pobres não têm. Já se a resposta for "sim", então a tal desigualdade de renda é irrelevante."



Você está afirmando que a culpa de Melinda ser pobre é dela mesmo? Isso é desumano. Eu imputo a pobreza de Melinda a sociedade conservadora, Eu imputo a pobreza de Melinda ao MBL.

Isso sem contar que o fato dela ter liberdade sexual não pode ditar a condição social de Melinda. Por que só rico pode ter 6 filhos e continuar feliz? Por que Melinda, Obrigatoriamente, tem que ter uma vida conservadora, sem liberdade sexual e de reprodução? Este mundo é muito injusto. Maldito seja o Capital.

Capital Imoral é filosofo, escritor e já refutou Mises.


O bom e velho argumentum ad hominem, sempre presente... não sei nada sobre a moça, e não muda absolutamente nada sobre o que está sendo dito neste vídeo.



Este país é um pandemônio econômico, tributário e burocrático. Aí eu vejo esquerdofra falando que é muito capitalismo, o país está muito liberal. Eu nem debato mais, já mando pra aquele lugar direto...


internacional.estadao.com.br/noticias/geral,prefeito-foge-da-venezuela-para-o-brasil,70001997926

Destaco o trecho:

"Meus avós saíram da União Soviética em razão do comunismo. Meu pai saiu de Cuba em razão da ditadura de Castro. Agora, preciso sair da Venezuela", disse Smolansky. "Três gerações que em 90 anos foram vítimas de sistemas autoritários."

O comunismo é uma maldição que destrói há gerações!


Melinda sonha em ser médica, mas teve 6 filhos. Você só mostrou que a razão dela se manter pobre é culpa dela mesmo.


Acho que o Lucas deve pesquisar um pouco sobre a natureza humana.


André, mesma opinião, e a minha volta todos são assim também, comprando relógio de 30cm pra colocar no pulso, e discutindo sobre iphone X, tudo pobre fodido que não tem comida na geladeira, ridículo mesmo


Gloria Alvarez - essa caribenha bonitinha que roda o mundo criticando o populismo e o socialismo (sabe-se lá com que dinheiro) - gosta mesmo é de uma gigante, guloso e centralizador Estado.
Explico: Ao mesmo tempo em que ela critica o populismo (como pano de fundo), ela pratica e defende a agenda da ONU, ou seja, a liberalização das drogas, a descriminalização do aborto, a UE, o feminismo, o ecologismo e o ateísmo.
Essa moça atrai uma legião de pessoas que detestam o socialismo, usa o discurso anti-populismo (que pode ser de direita ou esquerda) e apresenta a agenda da ONU como a melhor solução para o nosso futuro.
Cá entre nós, que servicinho sujo hein !


Deve estar faltando investimento né, vamos aumentar o imposto, quem sabe se a TV Cultura ganhar uns bilhões, melhore.


Não sou um economista, tampouco sei o que é macroeconomia, depois de ler um pouc(ão) sobre o IMB, não faz sentido o que eles dizem. Não que o IMB só poste verdades incontestáveis sobre todos os assuntos, mas por favor, são muito mais sensatos.


Nulo. Foi dinheiro tomado dos pagadores de impostos americanos e enviado para políticos da Europa. Diga-me, por favor, como isso estimula o crescimento americano.

Aliás, por essa lógica, as políticas de Dilma de tomar dinheiro do brasileiro (via BNDES) e fazer porto em Cuba e obras na África devem ter feito nossa economia bombar, né?


Gostei muito foi muito bem escrito o resumo sobre fabianismo.Parabens e obrigado!!!!


o que tem de verdade no argumento de q o plano marshall teve grande peso no crescimento da economia americana no pós-guerra?


https://oglobo.globo.com/mundo/maduro-incentiva-venezuelanos-criar-comer-coelhos-em-meio-crise-21820434


Viram a nova da Venezuela?

Uma das formas de combater a fome no socialismo: https://oglobo.globo.com/mundo/maduro-incentiva-venezuelanos-criar-comer-coelhos-em-meio-crise-21820434



Dizer que um modelo econômico que em prática só gerou a mais absoluta miséria onde foi aplicado seja algum tipo de evolução do capitalismo é outro atentado à lógica.


A diferença é que em 1824,a constituição fazia detentores do poder quem merecia, comerciantes e empresários,na atual constituição os detentores do poder são os corruptos....


Mas isso já foi tentado pelo Mao Tse TUng.. e deu no que deu: fome matou 50 milhões de chineses....


Pois é.
São perguntas que eles deveriam responder.

Inclusive, Felipe Castanhari deve ser um leitor assíduo do Voyager1, pena que foi prontamente refutado pelo Raphael Lima do canal do youtube Ideias Radicais.


As desculpas são sempre as mesmas.
Na época do Sarney, os intervencionistas (não se se a esquerda fez o mesmo) acusavam os empresários ou de estarem cobrando preços maiores que os tabelados ou de estarem desabastecendo os estabelecimentos.
Está tudo em vídeo no YouTube: www.mises.org.br/Article.aspx?id=1488

Até hoje eu tento entender porque esquerdista defende com unhas e dentes o Intervencionismo e o Ciro Gomes.
Para quem não sabe, historicamente, o Intervencionismo era considerado pelos marxistas como uma tentativa do estado burguês para o Capitalismo não colapsar. Mesmo o Intervencionismo, assim como o Nazifascismo, sendo tido como Terceira-Via, os marxistas de forma desonesta consideravam e propagandeavam o Intervencionismo e o Nazifascismo como "extrema-direita".
Por quê a partir dos anos 60 começaram a defender o Intervencionismo com tanto tesão quanto defendiam o Socialismo?






Poderia responder a esse comentário nesse vídeo do canal Saia da Matrix ? Onde ele tenta refutar Bawerk em relação a Marx?

foda demais prof. Humberto.
So complementando, Bakunin dizia:
"Mas o capitalista, o dono do negócio, corre riscos, dizem os apologistas do capital, enquanto o trabalhador não corre risco algum. Isso não é verdade, pois do ponto de vista do trabalhador, eles próprios é que têm todas as desvantagens. O proprietário pode conduzir seus negócios de maneira infeliz, pode ficar sem nada em uma má negociação, ou ser vítima de uma crise comercial, ou de uma catástrofe não prevista; em uma palavra, ele pode arruinar a si próprio. Isso é verdade. Mas arruinar-se significaria para o burguês cair para o mesmo grau de miséria daqueles que morrem de fome, ou ser obrigado a viver no mesmo nível que os trabalhadores comuns? Isso acontece tão raramente, que poderíamos muito bem dizer "nunca". Afinal de contas, é raro que os capitalistas não retenham algo, apesar da aparência de empobrecimento. Hoje em dia, todos os casos de falência são, em maior ou menor medida, fraudulentos.

Mas, se absolutamente nada é salvo, há sempre as relações familiares e sociais que, com a ajuda dos conhecimentos em negócios passados de pai para filho, permitem-lhes os postos mais altos de trabalho, na administração; ser um funcionário do Estado, ser um executivo em um negócio comercial ou industrial, terminar, embora dependente, com um rendimento superior àqueles que pagavam aos seus antigos trabalhadores. Os riscos para o trabalhador são infinitamente maiores. Afinal, se o estabelecimento em que está empregado falir, ele ficará durante vários dias e, às vezes, durante várias semanas, sem trabalho. E isso, para ele, é mais do que se arruinar, é a morte; porque, todos os dias, ele come o que ganha. As economias dos trabalhadores são contos de fadas inventados por economistas burgueses para embalar seu frágil sentimento de justiça, o remorso despertado, por acaso, no âmago de sua classe.

Esse mito ridículo e odioso nunca amenizará a angústia do trabalhador. Ele conhece o preço para satisfazer as necessidades diárias de sua numerosa família. Se ele tivesse economias, não deixaria seus pobres filhos, desde os seis anos, debilitarem-se, crescerem fracos, serem assassinados física e moralmente nas fábricas, onde são forçados a trabalhar noite e dia, com jornadas entre doze e quatorze horas de trabalho."?


Ou seja, escravidão não seria ruim se o senhor fosse eleito, ficasse lá um tempo e depois viesse outro, este também elegido pelo grupo, e que geralmente não consegue nem 50% de aprovação, mas tá tudo certo porque tem uma palavra bonitinha aqui ó DEMOCRACIA.


Eu desconhecia o site até ler a matéria sobre a Venezuela. E basta alguma leitura para entender o nível intelectual da galera:
"Os empresários promoviam greve e desabastecimento. O governo controlava os preços e nacionalizava algumas empresas. A oposição convocava referendos para derrubar Chávez e o presidente se aproximava do povo por meio da criação de comitês localizados. Enfim, tais medidas não eram resultado de um projeto de país ou de governo, mas um jogo de ações e reações."

"Os erros do governo foram agravados por uma nova queda no preço do petróleo. O chavismo só havia cumprido a primeira parte da sua promessa, de redistribuir os lucros da exploração do petróleo; porém, a segunda, que era justamente a diversificação econômica, havia falhado (95% das receitas vêm do petróleo). A queda do valor do barril no mercado mundial, portanto, abalou as bases do chavismo.[b]"

"E deu resultado. Em 2015, depois de 16 anos, o chavismo perdeu o controle da Assembleia Nacional. A oposição, agrupada na Mesa de Unidad Democrática (MUD), conquistou maioria de dois terços no Legislativo. Isso os permitia paralisar o governo. Num democracia sólida, esse problema seria resolvido com a adoção de um governo de coalizão, que englobasse posições antagônicas.

Mas não era esse o caso. [b]A ideia era usar o Congresso para aumentar o caos social e golpear o legado chavista. Como dito, as táticas eram de guerra, o que se almeja é a destruição do adversário, não um novo pacto político.
"

Para eles, os motivos da crise da Venezuela são esses acima.

Nessa matéria afirma que 95% das receitas eram de petróleo e gás, mas na fonte que eles indicam, esses setores representam cerca de 25% do produto interno bruto, ou seja, os 75% restantes de outros setores representam nas contas do governo módicos 5%. A pergunta que fico é essa, como isso é possível? A tributação é quase nula em outros setores? Não se pode dizer que os setores são pequenos, já que representam 75%.

Por aí você já sabe o nível da galera.

O mais impressionante então é aquele pessoal chamar o Leopoldo Lopez da linha ideológica da extrema-direita. hahahaha
Leopoldo Lopez é um socialista "democrático", a própria mulher já disse isso em um vídeo, consultando canais da Venezuela no youtube, dá para ver que estão querendo criar um partido libertário porque sabem que o socialismo não funciona, nem de modo autoritário nem de modo "democrático". Leopoldo Lopez é um prisioneiro de sua própria ideologia, não tenho pena nenhum dos venezuelanos.
E uma curiosidade que eu tenho, por que sempre os "nacionais-desenvolvimentistas" ou keynesianos sempre defendem o modelo socialista da Venezuela? Por acaso são amigos ideológicos? Estão numa relação de amor-ódio entre ambos? Como que funciona isso?
Lembro-me de ter lido que Keynes abominava o capitalismo de livre mercado, mas também abominava o socialismo, principalmente quando ele visitou a URSS.


Brasil:
- 700 mil em cargos comissionados (110 mil em DF);
- 15.300 sindicatos;
- 65 mil homicídios;
- 55 mil mortes no trânsito;
- 15 milhões de desempregados;
- 50 milhões vivendo do bolsa esmola;
- Sal. mín. equivalente a US$ 300,00;
- Inflação endêmica;
- Juros no cartão de crédito de 450%;
- Carga Tributária em 1984 = 22% do PIB;
- Carga Tributária em 2016 = 45% do PIB;
- A trinca socialista PSDB-PMDB-PT no poder desde 1985.


A questão é que é fácil perceber essa porcarias para alguém que ainda tem um cérebro usável, mas vai falar que não deveria ter salário mínimo nem distribuição de renda por aí, pois é, acabou de ficar ridiculamente difícil.


Brasil está tão mal que virar Malásia já não parece uma ideia tão ruim:

Crescimento do PIB 2016: 4,2%
PIB per capita 2016: US$9.500
Dívida pública 2016: 52% do PIB


Nossa! Agora a meta da esquerda é ser igual à Malásia! Que fundo de poço!

E o que temos de fazer para ser igual à Malásia? Ter uma estatal de petróleo! E já não temos? A Petrobras é o quê?

Ah, sim, sobre a Petronas: a estatal é tão eficiente, mas tão eficiente, que o governo malaio tem de gastar 12% do seu orçamento apenas para manter os preços da gasolina -- monopólio da estatal -- artificialmente baixos. (Fonte)

Ou seja, se o governo não tomar dinheiro dos pobres para repassar para a estatal na forma de subsídios, a Petronas teria de cobrar um custo exorbitante pela gasolina apenas para se manter lucrativa. E, como você sabe, a estatal detém o monopólio de todas as reservas de petróleo do país. E ainda assim precisa de subsídios! Baita eficiência!

É impressionante a tara da esquerda em tomar dinheiro dos pobres para repassar a sindicalistas de estatais. PQP.


Essa é a turma que entra e sai de gabinetes de deputados espalhando este mantra do estado interventor, e com seus inúmeros títulos acadêmicos são realmente levados a sério, se obtiverem sucesso e conquistarem a mente dos legisladores este país vai virar a Ucrânia.


A demanda por trabalho é infinita, sempre há trabalho por fazer, a oferta de mão de obra humana que é escassa, o desemprego é fruto da escassez artificial de empregos gerado pelo governo através de regulações e impostos.
Utilizando seus exemplos, sem a regulação do catavento, do poço semi-artesiano e pequenas intervenções na propriedade rural os desempregados da colheita da cana mecanizada podem fazer tais intervenções que multipliquem a produtividade e consequentemente sua renda em pequenas propriedade rurais próprias ou arrendadas.


A BBC é uma rede de televisão estatal.

Melhor que CNN e demais redes privadas de televisão.


Porque a nossa TV cultura não pode ser uma BBC?



A Petronas é estatal e um exemplo de empresa.

Desenvolve combustível para FORMULA 1!! E pra uma equipe vencedora, a Mercedes AMG!

Ou seja, anda na frente de muitas empresas privadas!!!

Pra Mercedes ter esse tipo de combustível deles e trabalhar com eles nesse desenvolvimento, já demonstra o quão grande é a PETRONAS.


Porque nossa Petrobras não pode ser uma PETRONAS da vida?


Minha família e a maioria dos meus amigos pensam exatamente igual a isso. Ler esse tipo de coisa é tortura cognitiva, minhas sinapses chegam a doer. É lunático ao extremo. Conheço esquizofrênicos mais razoáveis que essa turma.