clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários



Leandro em OFF:

Estava analisando alguns dados aqui, pode ser que faça sentido ou não, mas preciso de sua avaliação e de outros se possível. Eu estava lendo o artigo do PIB que soma os gastos do governo e assim a equação do PIB é estabelecida. Portanto, isso me alertou ao fato de sempre usarmos o PIB per capita com os gastos do governo inseridos nessa equação fraudulenta. PIB = C(Gastos privados) + I(Total Investimentos) + G(Gastos do governo) + X(Exportação) - M(Importação)
Veja:

Japão - PIB US$4,8 trilhões e uma população de 127 milhões, portanto seu PIB per capita é de US$37,795 o que dá mensalmente US$3,149, índice de país rico e desenvolvido.(Obs: Na minha opinião, PIB per capita acima de US$30,000 é país rico e desenvolvido)
Agora utilizando o conceito de PIB(PPR) que os austríacos já advertiram para usarem, seria a subtração por 2 os gastos do governo e assim teríamos o PIB real de uma economia.
Portanto nesse conceito com o PIB do Japão em US$4,8 trilhões e uma população de 127 milhões e uma carga tributária de 28% do PIB, teríamos um PIB japonês de US$2,112 trilhões, fazendo os mesmos cálculos relativos a renda per capita, dá um PIB per capita de US$16,629, mensalmente US$1,385, índice de país pobre. Só que isso instiga uma curiosidade, o Japão é um país rico e desenvolvido pela medida que é feita atualmente, mas se formos levar em conta o PPR, era para o Japão ser um país relativamente pobre.
Portanto, países que cresceram pelo livre mercado e se acentuaram em uma criação de riqueza em que qualquer outro sistema econômico não seria possível, os burocratas sabendo que essa economia enriqueceu e se desenvolveu, estipa toda essa riqueza acumulada e ainda usa conceitos como o PIB per capita para poderem usarem como argumentos que o estado intervindo na economia é benéfico para toda uma sociedade. Os países escandinavos são o mesmo exemplo, enriqueceram pelo livre mercado depois implementaram o assistencialismo, mas mesmo com esses índices tributários altos(carga tributária total não relativizando qualquer grupo - pessoa física e jurídica) ainda são países ricos e desenvolvidos. Mas ainda sim tanto a esquerda quanto os liberais, libertários e anarcocapitalistas ainda usam índices que são equacionados de maneira errada.

Para ilustrar meu ponto de vista, darei outro exemplo, talvez o mais conhecido entre nós, o Brasil.
PIB - US$1,7 trilhões, população de 200 milhões e carga tributária de 35%.
Renda per capita pelo conceito de PIB: US$8,500, mensalmente US$708,00 - US$1,7 trilhão / 200 milhões
Renda per capita pelo conceito PPR: US$2,550 e mensalmente US$212,50 - ((US$1,7 trilhão X 0,7) - US$1,7 trilhão) / 200 milhões
Pelo conceito de PPR, o PIB do Japão foi reduzido em 56%(28% X 2) e o Brasil reduzido em 70%(35% X 2). Como pode ver, no conceito de PPR, o Japão é um país relativamente pobre, enquanto que o Brasil é um país extremamente pobre.

Outros exemplos:

EUA - PIB US$17 trilhões, população de 300 milhões e uma carga tributária de 25%.
Renda per capita pelo PIB: US$56,600
PPR: US$ 28,300

China - PIB US$10 trilhões, população de 1,3 bilhões e uma carga tributária de 19%.
PIB: US$7,600
PPR: US$4,700 - Fato interessante, pelo PPR, a China é mais rica do que o Brasil para espanto dos planadores dizendo que a China é regime de escravidão.

Hong Kong - PIB US$310 bilhões, população de 7,3 milhões e uma carga tributária de 13%.
PIB: US$42,400
PPR: US$31,300

Singapura - PIB US$295 bilhões, população de 5,5 milhões e uma carga tributária de 14%.
PIB: US$53,600
PPR: US$38,500

Como podem ver, o PPR per capita de Singapura é maior do que os EUA, enquanto o índice de PIB per capita é inverso, podemos constatar claramente que os singapurenses são mais ricos do que os americanos assim como a população de Hong Kong.

Mas voltando a questão do porque usar como argumento a renda per capita pela equação distorcida de PIB. Imagina se os EUA aumentassem sua carga tributária, ainda sim a renda per capita estaria alta e serviria para argumentos distorcidos em detrimento da realidade efetiva. Imaginemos uma carga tributária de 30% para os norte-americanos, pelo PPR dá um valor de US$22.000, em minha opinião uma PPR per capita de país relativamente pobre, mas usando o conceito do PIB dá um valor de país rico e desenvolvido. Já vimos essa história com os escandinavos, não vamos repetir no mesmo erro, podemos reverter este quadro quase que desfavorável.

Portanto fica a minha pergunta, vamos continuar usando o PIB per capita ou vamos utilizar o PPR per capita?


O melhor welfare state seria a isenção total de impostos para policiais, médicos e professores.

Esse welfare state da esquerda é piada. Os caras cobram imposto de renda de quem salva vidas.

É um crime humanitário cobrar impostos de médicos. Até para salvar vidas tem que pagar ao governo.


Não consegui entender muito bem o que você tentou dizer. Sei apenas que os irmãos McDonald's se tornaram milionários e, posteriormente, disseram que adoraram todo o arranjo e que não tinham nenhum rancor de Ray Kroc. "Muito pelo contrário", disseram eles.

www.nytimes.com/1998/07/16/business/richard-mcdonald-89-fast-food-revolutionary.html


Os irmãos se tornaram milionários e, posteriormente, disseram que adoraram todo o arranjo e não tinham nenhum rancor de Ray Kroc. "Muito pelo contrário", disseram eles.

www.nytimes.com/1998/07/16/business/richard-mcdonald-89-fast-food-revolutionary.html


Também tenho um amigo francês que disse que os idosos (mais de 60) odiaram esse novo sistema após o namoro inicial. Depressão é o sintoma mais leve, mas a amargura de ser inútil é o que domina as conversas.


Calma, campeão. Menos. Não há queda nenhuma no Bitcoin. Ao contrário, aliás: ele sobe forte neste momento. Sua cotação, em ascensão, é a mesma de 31 de maio.

Aliás, ele está hoje mais caro do que estava quando este artigo aqui foi publicado, o qual já alertava para uma bolha.

Sim, o Bitcoin está em bolha e vai estourar. Mas ainda não foi desta vez.


Tenho alguns amigos na França que me explicaram isto há uns anos. Nas palavras deles, não demoraria pra França se tornar uma Grécia/Itália no quesito finanças públicas. Não acreditei. Mas aconteceu.


Nesse momento a cotação do Bitcoin e do Ethereum estão despencando forte. Me parece que a bolha estourou.


Maju, estou respondendo ao Hans, logo acima, que afirmou que a Groenlândia era coberta por florestas quando foi descoberta (no início da Idade Média, certa de 1000 anos atrás).

Não entendi sua dúvida sobre "degelo". Eu apenas mostrei que se a Groenlândia não era coberta de gelo como é hoje, então este gelo, derretido ou não, teria que estar em algum lugar, e este lugar seria o mar. A quantidade de água no planeta não aumenta ou diminui com o clima, apenas muda de lugar e de estado físico (sólido/líquido/gasoso). Aliás, vc mesmo diz que o nível do mar diminuiu mais de 100 metros na última era glacial, e aumentou depois. Só que o Hans disse que isso ocorreu no século X, na época de Eric, o Vermelho. Eu só estou demonstrando que este meme de internet é ilógico e impossível.

A 120.000 anos atrás, o clima era muito diferente, com certeza. Mas não havia civilização, nem cidades, nem agricultura, nem portos, então isso não é muito relevante para o debate sobre o clima HOJE.

Exceto, é claro, para os que querem apenas defender seus dogmas e gritar que estão certos e que todos os outros estão errados.


Maju 17/07/2017 21:38
Ué, nao entendi...
Entao você está concordando com o Ex-microempresario que nao havia florestas na Groelândia quando ela foi descoberta pelos Vikings?
Ou você está falando que os Vikings descobriram a Groelândia há mais de 12 mil anos?
Além disso, você aparentemente nao entendeu o argumento do Ex-microempresario. Releia o comentário dele com calma antes de se apressar a escrever sua resposta...
Ual, Vikings de 12 mil anos... Pessoal tá de sacanagem...


"Muitas cidades antigas do mundo estão a menos de 7,9 metros de altitude. Isso quer dizer que elas teriam sido construídas embaixo d´água se a Groenlândia fosse coberta por florestas e não por gelo."

Putz, que lógica bizarra.

Pra começar, quem disse que ocorreu um degelo? Havia florestas antigamente e hoje há gelo. Ponto. Que degelo?

Nada se sabe sobre ter ocorrido um degelo, o qual teria levado ao surgimento de florestas, as quais então voltaram a virar o atual gelo.

E, ainda que tenha havido esse degelo, ele teria ocorrido muito antes do surgimento das grandes cidades litorâneas, durante algum período interglacial. Isso apenas comprovaria que o mundo era muito mais quente do que é hoje.

O fato é que o último grande período de aquecimento terminou há aproximadamente 120.000 anos. Durante este período — isto é, mais de 120.000 anos atrás — hipopótamos viviam nos rios Reno e Tâmisa, e a Europa tinha uma espécie de "aparência africana".

Dali em diante, quando as temperaturas começaram a cair, as geleiras se moveram continuamente na direção sul, e o nível do mar na Europa diminuiu em mais de 100 metros. Os rios Tâmisa e Elba se tornaram afluentes do Reno, antes de este passar a correr até o Mar do Norte e dali para o Atlântico.

Quando este período terminou, muito abruptamente, há aproximadamente 12.000 anos, as geleiras rapidamente retornaram e o nível do mar subiu, não apenas milímetros por ano, mas sim muito rapidamente, quase que como um dilúvio.

Em um curto espaço de tempo, a Inglaterra e a Irlanda, que até então eram ligadas ao continente europeu, se tornaram ilhas. Foi assim que o Mar Báltico e grande parte do atual Mar do Norte surgiram. Do mesmo modo, grande parte do que hoje é o Golfo Pérsico passou a existir apenas naquela época.


Hans 17/07/2017 17:41
Até onde eu sei, o nome Greenland foi uma jogada de marketing de Erik, o vermelho, para atrair colonos para as novas terras por ele descobertas.
Nava a ver com florestas.

Then at the Thorsnes Thing, Erik and his people were outlawed from Iceland. Erik then sailed to Greenland where he named many places. Then, he came back to Iceland and reconciled with Thorgest. Then he decided to go back to Greenland and recruited people to come with him. He named the land Greenland because "men will desire much the more to go there if the land has a good name."

Fonte: Saga de Érico, o Vermelho [datada de 1265 ou antes]

Quais as suas fontes para a afirmação de que ela foi batizada Greenland justamente porque era coberta por florestas quando foi descoberta?


Cheguei a imaginar se a Estônia adotasse o franco suíço como moeda e se mandasse da união européia fosse o melhor, mas com o que você falou realmente não somos capazes de mensurar, além de ser algo extremamente difícil de ser feito.

Devido a presidência do conselho nos próximos 6 meses na mão da Estônia podemos esperar uma maior racionalidade econômica ou isto nada tem a ver com o conselho?


"Políticos se elegem prometendo o impossível. E eleitores votam exatamente naqueles que prometem o impossível. Qual é exatamente seu espanto quanto a isso?"
Essa frase me lembra de Thomas Sowell: "O fato de que muitos políticos de sucesso são mentirosos, não é exclusivamente reflexo da classe política,é também um reflexo do eleitorado. Quando as pessoas querem o impossível somente os mentirosos podem satisfaze-las".



E culpar o Capitalismo por isso, pedindo tributação ainda maior para os mais produt... ops, ricos.


Difícil dialogar com quem repete memes de facebook como se fosse fatos comprovados. Seguinte:

A Groenlândia tem hoje 2,850,000 km3 de gelo acima do nível do mar.
A superfície dos oceanos é de 360,000,000 km2.
Dividindo um pelo outro temos 0,0079 km, ou 7,9 metros. Isto é o tanto que o nível do mar subiria caso o gelo da Groenlandia saísse de lá.

Muitas cidades antigas do mundo estão a menos de 7,9 metros de altitude. Isso quer dizer que elas teriam sido construídas embaixo d´água se a Groenlândia fosse coberta por florestas e não por gelo. (A menos que vc saiba dizer para onde esta água foi) E lembre-se que estes 7,9 metros são só da Groenlândia. Mas se o mundo estava mais quente, também tem o gelo do Ártico, do Canadá, da Rússia, etc. E se os oceanos estavam mais quentes, a simples dilatação da água faz o nível aumentar.

Mas vai ver que Barcelona, Marselha, Gênova, Amsterdam, Copenhagen, etc, foram construídas uns 10 ou 15 metros mais alto e depois desceram...


"falando há anos que esse sistema é insustentável"

E de fato é. Trata-se de contabilidade básica. É impossível gastar eternamente mais do que se arrecada. É impossível gastar crescentemente sem haver fontes crescentes de arrecadação. É impossível prometer cada vez mais benesses sem que haja um número crescente de pessoas produtivas para bancar essas benesses.

E não há mágica capaz de revogar essa lei básica da contabilidade básica. Se alguém souber de uma -- uma só! -- gostaria muito de ouvir.

"tem tempo de vida contado"

Correto de novo. Pelos motivos acima.

"mas não vejo indícios de que ele esteja em decadência"

Não?! Já deu uma olhadinha no crescimento econômico dos países europeus, especialmente os da periferia? Já deu uma olhadinha nas taxas de desemprego? Já deu uma olhadinha nas contas previdenciárias (pesquise sobre a previdência italiana e surpreenda-se)? Já deu uma olhadinha na evolução da dívida dos governos desses países (o que faz com que qualquer aumentozinho futuro nos juros deixe os governos insolventes)? Já deu uma olhadinha nas taxas de inovação? Já comparou as economias européias com as da Ásia ou mesmo com a americana?

Exceto Suíça (que não faz parte da UE) e Alemanha (a população mais produtiva da Europa), qual país europeu tem alguma empresa de destaque no setor mundial? Qual país europeu se destaque por suas inovações e eficiências?

Com efeito, na Europa você sequer consegue rapidez de um garçom de restaurante.

"muito menos indícios de que os europeus desejam mudá-lo"

Isso não é argumento. O brasileiro também não quer mudar sua legislação trabalhista inspirada na Carta del Lavoro de Mussolini e a qual empurra os menos produtivos para a informalidade, nem quer privatizar suas estatais criadas por Getúlio Vargas e pelos militares. Muito menos quer reformar sua previdência, a qual, se continuar como está, garante que absolutamente ninguém vai se aposentar.

Aliás, o brasileiro geme até mesmo quando o governo ameaça acabar com o Ministério da Cultura!

Desde quando resistência a abrir mão de privilégios e boquinhas configura argumento contrário a alguma coisa?

Políticos se elegem prometendo o impossível. E eleitores votam exatamente naqueles que prometem o impossível. Qual é exatamente seu espanto quanto a isso?

"Algum liberal já tentou fazer um prognóstico sobre quanto tempo esse arranjo pode durar?"

Se algum fizer isso, não o leve a sério. É impossível fazer previsões econômicas, pois a economia depende não só da ação voluntária e diária de bilhões de indivíduos, como também depende, e muito, de tentar antecipar as besteiras que políticos irão fazer no futuro.

Mises previu, ainda em 1920, que uma economia socialista era impossível de perdurar. A URSS só viria a se esfacelar em 1989, confirmando Mises de maneira estrondosa. A teoria de Mises estava 100% correta, mas era impossível utilizá-la para qualquer timing correto.

A própria Escola Austríaca enfatiza enormemente essa questão: na economia, é impossível qualquer tipo de previsão relacionada a tempo. Você pode, isso sim, prever o que irá acontecer. Mas jamais quando irá acontecer.

Aliás, quase ninguém consegue acertar como estará uma partida de futebol após 90 minutos de uma simples interação entre 22 homens. Como exigir o timing exato da duração de uma social-democracia?


P.S.: no auge da euforia do final do governo Lula, os economistas deste site já falavam -- e explicavam -- que todo o arranjo era insustentável e iria acabar mal. Foram xingados muito à época. Após Dilma assumir, eles enfatizaram de novo -- e explicaram -- que tudo ia acabar mal. Hoje, tudo o que previram aconteceu (aliás, o que aconteceu foi ainda pior do que previram). Eis um artigo que compila tudo o que foi previsto que iria acontecer com a economia brasileira. Leia, compare e comprove.


Olá,

com todo o respeito, vejo os liberais falando há anos que esse sistema é insustentável, tem tempo de vida contado, mas não vejo indícios de que ele esteja em decadência, muito menos indícios de que os europeus desejam mudá-lo.

Algum liberal já tentou fazer um prognóstico sobre quanto tempo esse arranjo pode durar?


Abraços.



Acrescente à sua lista o fato de que a Groenlândia, hoje coberta de gelo, foi batizada Greenland justamente porque era coberta por florestas quando foi descoberta.

Mas como tal fato vai contra o dogma aquecimentista -- pois comprova que o mundo foi muito mais quente no passado, tendo havido um resfriamento de lá pra cá --, ele nunca é citado.


Não são falácias, são comparações, bastante pertinentes, por sinal. Os métodos e hábitos são bastante parecidos, estes sim com abundância de falácias:


- falácia do apelo ao ridículo: "já era para estarmos todos assados e vermelhos de queimadura "

- falácia da alegação especial: "Essa turminha não conseguiu fazer o planejamento cientifico da economia, agora querem fazer o planejamento cientifico do clima."

- falácia do apelo à ignorância: "Infelizmente eu não sou um climatologista ou geólogo para ter acesso aos dados dos satélites que estão em órbita da terra e captam a temperatura média do planeta..."

- falácia da conspiração: "Você se vale do fato de todo o Establishment destruir qualquer possível pesquisa ou dado que contrarie os seus dogmas..."

- falácia da evidência suprimida: "Não há absolutamente nenhuma comprovação cientifica de que o aquecimento global é causado pelo homem..."

- falácia do non sequitur: "Como o homem pode ser responsável pelo aquecimento global se ele é responsável por apenas 6% de toda a emissão de CO2 na atmosfera?"

- falácia da falsa dicotomia: "Se o aquecimento global é causado pelo homem, porque em períodos como a idade média verificamos temperaturas superiores às atuais ?"

- falácia do espantalho: Al Gore disse, Al Gore falou, Al Gore afirmou...



Meu caro Marcos, nunca vi um cientista dizer que nunca mais aconteceriam temperaturas baixas. Talvez o Al Gore ou algum político similar. Já disse antes, mas vou repetir: Citar Al Gore para desacreditar a ciência climática está no mesmo nível de citar Bolsonaro para desacreditar a Escola Austríaca. Da mesma forma, criticar a ciência climática porque jornalistas medíocres fazem "propagandas catastrofistas" sobre o assunto é como dizer que a ciência econômica não existe baseando-se em manchetes da Carta Capital.

De qualquer forma, sim, cientistas sérios sempre usaram o termo "mudanças climáticas", que é diferente de "aquecimento global"; "mudanças climáticas" são as consequências locais de um fenômeno global. Novamente fazendo uma analogia econômica, a expressão "O governo Dilma empobreceu o Brasil" não é refutada pelo fato de que algumas pessoas enriqueceram durante este período.

Dizer que "Qualquer que seja a temperatura e qualquer que seja o clima" seja uma mudança climática, é obviamente uma contradição tola, e, nesse contexto, uma óbvia falácia. Uma mudança climática é, por exemplo, as chuvas na região nordeste do sistema elétrico nacional estarem hoje em 31,78% da média de longo prazo, ou o fato relacionado de que áreas que a duas décadas atrás estavam submersas pelo reservatório da barragem de Sobradinho hoje sejam usadas como pasto.

Encerrando, sei que as chances de argumentos racionais convencerem crentes dogmáticos são mínimas, seja sobre clima, economia, criacionismo ou a morte de JFK, então não alimento esperanças de um diálogo útil.



Muito obrigado pelo artigo, Leandro.

Eu gostaria de saber de qual maneira é determinado o nível de produtividade de uma população. Acredito que vários fatores sejam considerados, talvez seja inviável explicar através de um comentário, pois então há alguma fonte confiável que apresente um ranking das populações mais produtivas?


conheci um professor de escola pública, que fava aula de verbo to be, nas férias ele ia pros EUA fazer bico de guia turístico, ele se sentia super bem com o pouco que ganhava aqui


Se eles respeitassem o nosso próprio bem estar, já seria suficiente.

Esse estado de bem estar está muito longe de ser uma ajuda humanitária.

Essa fantasia está pagando lazer, filmes, copa do mundo, olimpíadas, jornalistas, artistas, cervejarias, transporte, etc.

Esse estado de bem estar poderia ser chamado de estado organizador de festas, assaltos e falcatruas, onde milhares de pessoas estão morrendo ou tendo uma vida infernal.

Ou seja, não tem como transformar exploração de trabalhador em bem estar social.


Para o texto ficar perfeito, só faltou adicionar que, quando há bastante liberdade econômica, o estado de bem estar social é desnecessário. E, além disso, ele pode ser prejudicial: vide o caso da Suécia e outros países, cuja crise imigratória se dá em função da imigração em massa de pessoas querendo mamar nesse bem estar social.



Países ricos demoram mais para mostrar os sintomas de falecimento da sua economia porque há mais pessoas e empresas dispostas a emprestar dinheiro para ele. E a amortização da dívida fica menos dolorosa por terem mais pessoas produtivas para tributar.


Bem fez o Reino Unido de pedir a saída dessa versão atualizada do Império Romano.
Espero, para o bem da Europa como um todo, que outros países peçam a independencia desse regime totalitário e enganador que se instalou por lá.
E bem que poderia acontecer aqui no Brasil também. Os movimentos separatistas bem que poderiam levar a cabo suas idéias.
Seria ótimo ter 26 países competindo entre si pelos melhores e mais dedicador cidadãos.


Vão ficar com serviços públicos mequetrefes igual Portugal, pra depois ficar com serviços restritos como Grécia.


Parabéns, saoPaulo. Repetiu as mesmas falácias do apelo ao ridículo que os ambientalistas totalitários cometem:

[X] Comparou quem não acredita no aquecimento global aos criacionistas.

[X] Comparou quem não acredita ao aquecimento global a quem não acredita no pouso da Lua.

Só faltou as duas mais comuns:

[ ] Comparou quem não acredita no aquecimento global aos negadores do Holocausto.

[ ] Pediu a cassação da credencial dos cientistas "negacionistas" como a Sociedade Meteorológica Estadunidense já fez com alguns.

Não é tarde para adicioná-las, quem sabe se você adicioná-las a temperatura da Terra volta a crescer como estava crescendo no final do milênio e assim todo mundo volta a levar a sério a religião do aquecimento global mais uma vez. Aí fica mais fácil aprovarem políticas de regulamentação às empresas emissoras.


Olá, pessoal...
Vocês podem me indicar algum artigo que apresente uma visão crítica, no âmbito da Escola Austríaca, ao possível acordo entre Mercosul e União Europeia que está em andamento?
Agradeço muito e parabéns pelo site!


Quando acabar o dinheiro quem vai tirar esses direitos? Os progressistas vão gritar que as pessoas não terão como se sustentar e vão pedir mais impostos e mais regulação como controle de preços e ai a gente sabe onde isso termina...


Impossível mensurar. Entrando na UE, o país ganhou acesso a todos os mercados da região por estar dentro de uma união aduaneira.

Se o país estivesse de fora da união aduaneira, as empresas exportadoras da Estônia teriam de enfrentar as tarifas de importação dos países da UE (seu principal mercado exportador), o que encareceria seus produtos e reduziria suas exportações. Estando dentro da UE, não há tarifas de importação para seus produtos, o que é ótimo para elas.

O mesmo vale para os consumidores estonianos, que agora podem importar livremente produtos dos países da UE.

Por outro lado, a partir do momento em que você entra na UE, você está sujeito à Tarifa Externa Comum (TEC) para todos os produtos importados de fora da UE.

Ou seja, há uma espécie de chantagem: você entra na UE e tem acesso garantido ao mercado interno europeu, mas perde autonomia em relação aos mercados fora da UE.

Se o livre acesso ao mercado interno europeu compensa todo o fardo regulatório da UE e a imposição da TEC, isso só o estonianos podem dizer. Não eu.


"Na UE, as políticas públicas são cada vez mais direcionadas a tributar os produtivos para subsidiar os improdutivos."

Não é só na UE não, é no mundo inteiro.


hmm, eu sempre vejo respostas arrogantes e algumas patadas. Não é questão de "ser bem tratado", tampouco ser educado seria sinal de "covardia". Respeitar ideias contrárias não significa aceitá-las, e é muito fácil refutá-las sem agredi. Da mesma forma, não precisaria usar "salto alto" para fazer isso.


Não, meu caro ex-micro. Deixa eu tentar desenhar pra você.

Se eu digo que, "de agora em diante, o PIB só irá cair mês a mês", mas aí ele sobe, então eu estou refutado. Minha teoria foi toda pro saco.

Se eu digo que a Venezuela empobrecerá sob Maduro, mas aí sua população fica mais rica que a da Suíça, eu também seria refutado. (Mas essa é uma previsão que eu faço com 100% de certeza).

Igualmente, a ocorrência de temperaturas baixas recordes em uma era em que todos os aquecimentistas juravam que elas nunca mais aconteceriam -- aliás, já era para estarmos todos assados e vermelhos de queimadura -- é sim um baita golpe a uma teoria.

Não é à toa que os mais espertos já mudaram o discurso e não falam mais em "aquecimento global". Agora é só "mudanças climáticas", o que implica que tanto verões quanto invernos rigorosos podem ser automaticamente encaixados em propagandas catastrofistas.

Ou seja, criaram uma teoria auto-adaptável. Qualquer que seja a temperatura e qualquer que seja o clima (invernos frios e quentes, verões frios e quentes), ele se torna a exata manifestação de uma "mudança climática".

Só brasileiro -- sempre atrasado -- é que ainda fala "aquecimento global".


Espere Marcos, daqui a pouco vão vir postar uma notícia que a temperatura terrestre vai aumentar nos próximos 50 anos.



Leandro,

foi um erro a Estonia ter entrado na União Européia? eu sei que foi bom ela adotar o euro e acabar com a incerteza do arranjo monetário, mas isso significa que todas as burocracias e regulamentações passadas pela UE passam a afetar ela também ou ela consegue se safar disso tudo?

Agora a Estonia assumiu o conselho da União Européia, isso pode significar maior austeridade ou simplesmente não significa nada?

Por último, quando a casa cair, ela cai junto? kk


Em um país socialista qualquer, o PIB deste mês foi maior que o do mês passado. Comprovada a superioridade do socialismo. Mises refutado para sempre! Milhões de liberais e libertários no mundo inteiro se convertem ao marxismo diante da evidência esmagadora!


Minha prima participou de um seminário onde viu uma professora formada dizer que 5/8 é maior que 3/4 porque 5 é maior que 3 e 8 é maior que 4.





O registro mais antigo do que lembra a ideia marxista são dos intelectuais da Grécia Antiga.
Depois deles, outros grupos tiveram ideias parecidas, mas foi Marx e Engels quem criaram o Comunismo.

https://mises.org/library/ancient-spartan-communism

https://www.libertarianism.org/columns/ancient-origins-modern-debate-socialism-plato-aristotle


Ué, você está dizendo que o novo governo reduziu impostos?! Nossa, mas que esquerda sensacional! Uma esquerda que reduz impostos eu também quero para mim.

Ah, sim, por favor aponte onde o artigo disse o contrário. (A austeridade citada diz respeito a corte de gastos e de investimentos).

Pelo visto, o verdadeiro aldrabão (intelectual) é você.


Alguns dos doutos comentadores aqui vive em Portugal para testemunhar o que realmente se passa na primeira pessoa? Algum douto comentador vai negar que foram devolvidos os impostos extraordinarios cobrados pelos fascistas aos trabalhadores portugueses?
Pois vou contar um segredo, eu TRABALHO em Portugal, e o novo governo fez com que grande parte do meu salario deixasse de SER ROUBADO..!
Ide mas é trabalhar e deixar de escrever MENTIRAS!
MENTIROSOS! ALDRABÕES!


O Brasil vem tentando implantar um regime que apenas favorece aqueles que estão no poder.
Nenhum político realmente pensa em beneficiar a população, somos todos tratados como meros gados.

É preciso acabar com a hegemonia dos partidos atuais e permitir que qualquer pessoa se candidate de forma privada.
Precisamos eleger um senado e uma câmara de libertários com campanha financiada pela iniciativa privada, de lá secaríamos a fonte de riquesa dos partidos


Se os sindicalistas estivessem realmente interessados no bem-estar dos trabalhadores e de fato acreditassem no que falam, eles formariam milhões de cooperativas e chamariam os trabalhadores para trabalhar com eles.

Marxistas inteligentes são patifes. Marxistas honestos são burros. E os inteligentes e honestos nunca são marxistas.


O Comunismo foi inventado no século XVII pelos RELIGIOSOS puritanos Diggers da Inglaterra, que acreditavam na Utopia de que os trabalhadores sendo os produtores de todas as riquezas, eles não deveriam continuar sendo explorados pelos usurpadores...
Pois os puritanos Diggers não aceitavam o fato de que "Toda terra tem algum dono".
E acreditavam que até o mais humilde ser humano deveria ser beneficiado pelo trabalho coletivo produzido pelos operários...

O Comunismo surgiu depois que terminou a ENCOMIENDA espanhola, que junto com a MITA autorizava escravizar, e catequizar os índios, em Nome de Jesus...
E após o fim da Escravidão dos negros africanos...
O MAÇOM Friedriech Engels foi quem financiou e incentivou o PROTESTANTE Karl Marx, (que era neto de um Rabino), escrever e publicar o didático livro "O Capital", que ajudou alastrar o Comunismo.





"Ser demitido ... também pode lhe ensinar lições importantes sobre os malefícios de se tornar excessivamente apegado a uma empresa ou mesmo a um roteiro único e pré-definido para a sua carreira."

É possível gostar de trabalhar onde está empregado atualmente sem ficar apegado (emocionalmente fixado) a este emprego. Mas desapego NÃO significa apatia, desinteresse, indiferença, etc. Equilíbrio e bom senso, sempre!

O bom é ser como um jogador de futebol que (idealmente) é contratado pelo time A e treina e joga com plena dedicação, mas sem fanatismo; e caso mude depois para o time B, faça exatamente o mesmo por ele, mesmo quando jogarem contra o time A.

* * *


Professores de cursinhos se souberem serem empreendedores, conseguem ganhar tranquilamente mais do que a maioria dos professores universitários das nossas federais falidas.

Para você ver que até em um mercado extremamente engessado e regulamentado no Brasil como o de professores, o empreendedorismo consegue dar sua solução criativa.


Se ser um capitalista é tão fácil, por que a maioria dos trabalhadores (principalmente os que possuem uma inclinação esquerdista) não se reúnem para trabalharem em uma Cooperativa?


Desde que não se explodão ( geralmente por causa de um revanchismo derivado de intervenção militar em seus paises ) não vejo problema em eles irem morar lá. Lembrando que em todos os papaises há isso.



"No país da meia-entrada, quem paga o pato é quem paga a inteira."

Para ser mais exato, TODOS pagam mais pela entrada por causa da meia-entrada - embora de fato quem paga entrada inteira realmente paga mais.

O preço da meia-entrada costuma ser próximo do que seria o preço da entrada normal se não houvessem essas leis de meia-entrada. E o que dizer das promoções e serviços especiais que deixam de serem feitos por causa dessas leis?

* * *



"Que a esquerda esteja recorrendo a Portugal como exemplo prático de sua agenda econômica é um grande mistério."

Discordo que seja um grande mistério: dizer isso e fazer aquilo faz parte integrante do modus operandi da esquerda. A única dúvida é o quanto desse discurso é autoengano e o quanto dele é ludibriação.

Resposta: quanto mais alto na hierarquia esquerdista um militante está, menor o seu grau de autoengano e maior o grau de mentira profissional.

* * *


eram 'poucas' pessoas e continuam sendo... eliminar esse número, com nos países desenvolvidos, vai ser muito difícil


" A ideia de que, no capitalismo, os trabalhadores são "explorados" atenta contra a lógica "

Nem toda lógica parte de premissas incontestáveis. O mesmo raciocínio feito pelo autor do texto pode ser lapidado para defender o sistema produtivo do antigo povo egípcio. Ora, para um egípcio, é perfeitamente tolerável receber ordens de um faraó para cultivar cevada e construir pirâmides. O egípcio e o faraó envolvido na cultura tem a fé de que esse modo vida o levará a glória e a felicidade eterna no meio social. Um observador externo pode detectar algum tipo de exploração nessa relação social, isso não é um atentado contra a lógica, é a destruição das bases da fé, é um atentado contra o estamento social, construindo uma nova lógica. O capitalismo fez exatamente isso no mundo feudal. O socialismo já está fazendo isso no mundo capitalista.


Deixei de ouvir esse Carnal. É o filósofo do politicamente correto, que cuidar de adular ou auditório e não provocá-lo a pensar. Mercado, empreendedorismo, liberalismo...nada disso promete felicidade. Apenas assegura as condições para se buscá-la. Encontrá-la é outra questão, subjetiva, talvez Metafisica ou transcendental. Enfim, mais um chato na tribuna. Proponho esquecer Carnal!



Paulo, alguns comentários:

- É preciso ver com muito cuidado estas estatísticas, porque existem ciclovias e existem faixas de asfalto pintadas que a prefeitura chama de ciclovia. Se não for algo viável, e que leve de um lugar para outro, não funciona, mas pode melhorar as estatísticas. O Haddad foi obviamente, campeão nisso, mas até Curitiba, que para muitos é modelo, tem muita faixa pintada que a prefeitura chama de ciclovia, mas que não tem funcionalidade.

- Os problemas de trânsito de São Paulo são muito maiores que os de qualquer outra cidade no país, devido ao seu tamanho. A relação população x trânsito não é linear, é exponencial.

- O que Jaime Lerner fez em Curitiba nos anos 70 foi reformar (alargar) ruas, que na época tinham pouco movimento, e criar uma pista exclusiva para ônibus. As pistas para automóveis, na época, davam conta do recado. É muito diferente do que se faz hoje, que é pegar uma rua que já é congestionada e eliminar uma faixa, aumentando o congestionamento ainda mais.

- Também duvido destas estatísticas que dizem "o transporte público é tão bom que as pessoas trocaram o carro pelo ônibus". Nesta conta tem que entrar o custo crescente do carro e as dificuldades que o governo cria, às vezes até desnecessariamente, para o uso do mesmo. Algumas pessoas fazem esta troca, mas não porque seja melhor, mas porque são obrigadas.

Vou dar meu caso como exemplo: Nos anos 90, trabalhei em uma empresa a 15 km de distância de minha casa. Havia uma linha de ônibus que passava a 100 metros da minha casa e tinha um ponto "na porta" da empresa. Situação ideal para usar o transporte público, não é ? Quase não precisa andar, não precisa "baldeação". Porém, após experimentar por duas ou três vezes, nunca mais fui trabalhar de ônibus. Por quê? Com meu carro eu chegava em 25 minutos, descansado, com direito a ouvir minhas músicas preferidas no caminho. De ônibus, eu levava 45 minutos (* com faixa exclusiva *), invariavelmente percorridos de pé, espremido entre outras pessoas, tendo que me preocupar se alguém não estava puxando minha carteira do bolso.


Como chegamos a isso? Sete etapas:

1ª) Formação colonial-escravagista (séculos XVI a XVIII – o escravagismo se estende, no entanto, até o século XIX): essa formação aconteceu dentro de um contexto mercantilista e evangelizador: o polo dominador explora o polo dominado e faz das pessoas parasitadas mero "carvão humano", como dizia Darcy Ribeiro[1]; houve avanços na metalurgia e na navegação oceânica; nas fazendas e nos sertões valiam o escravagismo e o catolicismo; no século XIX começa a urbanização desorganizada[2]; a quase totalidade do governo Tomé de Sousa (1548) se envolveu em corrupção, a começar pelo "ouvidor-geral da Justiça", Pero Borges (já condenado por corrupção em Portugal); a corrupção sistêmica desse período foi denunciada por Padre Antonio Vieira, no Sermão do Bom Ladrão;

2ª) Primeira Revolução Industrial (a partir da segunda metade do século XVIII, inovando na indústria textil, na metalurgia e no setor de transportes): Portugal se torna obsoleto e não se estrutura para a formação capitalista-mercantil; não inova em praticamente mais nada; demora muito para receber os benefícios do progresso e se torna uma das nações mais atrasadas da Europa; a colônia segue a ideologia da metrópole (quem podia estudava em Portugal e pensava como a matriz – ver José Murilo de Carvalho); ganham proeminência Inglaterra, França e Países Baixos; as nações ibéricas se tornam arcaicas e extremamene corruptas, não ascendendo à nova civilização em tempo adequado; se comportam como as colônias, experimentando o progresso de forma reflexa; o conservadorismo de Portugal e Espanha impede que se renove seu sistema produtivo, sua rígida estratificação social e sua despótica estrutura de poder[3]; o Brasil se torna independente de Portugal e cai no neocolonialismo inglês;

3ª) Revolução filosófico-antropológica (Iluminismo do século XVIII): o arcaismo das elites portuguesas assim como das oligarquias nacionais (a partir de 1822) impede o progresso moral e emancipador do humano (Kant); nega sua perfectibilidade contínua, tal como pregava Rousseau, e bloqueia seu acesso à educação (ainda hoje ¾ da população brasileira são analfabetos absolutos ou funcionais); perdemos o bonde da civilização secular bem como do liberalismo político; a velha classe dominante (neocolonialista), latifundiária, estruturou uma sociedade de opressão, que explode com frequência em convulções sociais, que são esmagadas pelo poder; além disso, há incontáveis registros de corrupção nas oligarquias e no sistema eleitoral (onde se digladiavam os saquaremos contra os luzias – conservadores e liberais);

4ª) Segunda Revolução Industrial (que vai da metade do século XIX à metade do século XX): o Brasil começa tarde sua industrialização, no primeiro terço do século XX (que foi comandado pela República Velha, dirigida pela oligarquia cafeeira); demorou muito para desfrutar da máquina a vapor, da nova produção têxtil algodoeira, do surgimento de mais profissões e mais mercadorias produzidas, do consumo massificado, do crescimento urbano veloz, mecanização do campo, ferrovias, transporte mais ágil, automóvel, telégrafo, rádio, telefone, televisor, avião etc.; avançou no trabalho assalariado, nas eleições e nas novas ideologias; mas construiu uma democracia apenas formal (procedimental, diria Bobbio), dando ensejo aos populismos ou à banalidade venal;

5ª) Revolução do Estado de Bem-Estar Social (que se intensificou a partir da 2ª Guerra Mundial – 1945 – nos EUA e Europa): nossas oligarquias (políticas e econômicas) nunca deixaram o brasileiro saber o que é isso, impedindo para a maioria absoluta da população o progresso social e educacional que ela representou; as classes médias cresceram e abandonaram os serviços públicos (escola, saúde, transportes, moradia subsidiada etc.), cuja qualidade se definhou brutalmente;

6ª) Terceira Revolução Industrial (a digital, cibernética, na segunda metade do século XX): está fundada na inovação tecnológica, que no Brasil encontrou desenvolvimento muito precário. Nos tornamos dependentes da tecnologia estrangeira e perdemos muito mercado por causa da globalização; quase não exportamos tecnologia, sim, commodities (aquilo que se arranca da terra, porque essa é nossa vocação desde a época da colonização-escravagista); paralelamente à revolução da informação e das comunicações e à globalização (econômica), promulgamos uma Constituição com um mundo de promessas não cumpridas (e irrealizáveis, enquanto perdurar a ignorância da população majoritária). A Constituição gerou um fenômeno paradoxal: ela serve de utopia para novas lutas sociais, mas desencadeou nas oligarquias a nítida consciência de impotência para fazer dela uma realidade (leia-se: elas desistiram da luta transformadora pelo progresso coletivo, deixando-o ao sabor dos segmentos mais ativos da sociedade civil);

7ª) Locupletação voraz do dinheiro público pelas oligarquias políticas e econômicas (as que governam e as que mandam nas que governam) durante nossos 516 anos de existência, com ênfase especial a partir da Nova República, quando nosso orçamento chegou à casa dos "trilhões". Foi durante a República Velhaca de 1985 a 2016 (Sarney, Collor, Itamar, FHC, Lula e Dilma) que nossas oligarquias perderam completamente o bonde do progresso digital e da globalização (obsolescência e arcaísmo digital e global); abandonaram também a ideia de progresso da população porque perceberam a impotência delas para o cumprimento das promessas constitucionais irrealizáveis (embora constituam utopias motivadoras de lutas contínuas). Não havia capital humano preparado para a nova era (baixa escolaridade e analfabetismo intenso, em todas as classes sociais; capital humano de baixa qualidade, produtos não competitivos, baixo produtividade); o país se fechou com o protecionismo e no arcaísmo; de 1985 a 2012 o PIB per capita do Brasil cresceu apenas 1,4% ao ano (número ridículo).

Cada setor afetado pelo mundo da globalização do mercado e da revolução digital está reagindo de uma maneira. Todos praticam uma espécie de autodefesa psicológica para sufocar a ansiedade que os invade diante do desmoronamento de toda certeza acerca do futuro[4]. Os taxistas, mais primitivamente, estão partindo para a violência diante do Uber; as oligarquias brasileiras (políticas e econômicas), diante da impossibilidade de exportar algo distinto daquilo que se extrai da terra, buscaram compensação no mundo do crime organizado para a prática da corrupção. A polícia está cuidando dos taxistas; a Lava Jato está enquadrando as oligarquias corruptas, mandando-as para a cadeia e empobrecendo-as. É a maior revolução desarmada no Brasil contra os caprichos e desmandos das oligarquias.


Na verdade não faz sentido, a não ser que vc acredite que existe um grupo de "famílias ricas" cujos integrantes só casam com outros membros deste mesmo grupo, durante mais de vinte gerações.

Para explicar: suponha que um casal tenha dois filhos. E que cada filho, ao casar, também tenha dois filhos, e assim por diante. Em dez gerações, haverá mais de mil pessoas que são descendentes daquele casal original. E cada uma destas mil pessoas terá mil antepassados de décima geração, diferentes para cada um. Como afirmar que alguém faz parte de uma determinada família e não de outra ?


Desculpem-me os intelectuais de plantão, mas de todas essas opiniões a que eu considero mais coerente é a última "anônimo" de 02/06/2017. Todas essas teorias de livre mercado, socialismo, capitalismo etc. etc. etc nunca funcionaram e nem funcionarão plenamente enquanto o ser humano se colocar no direito de achar que tem superioridade sobre seu semelhante (não considere aqui aspecto religioso). Portanto, penso que a maioria das teorias socioeconômicas existentes, entre elas a que mais teria proximidade com uma tentativa de igualdade real entre os meios de produção, e com eles os que de fato produzem, os trabalhadores, e o grande capital (não sou especialista, posso estar equivocado), funcionariam, umas mais justas outras mais injustas, mas se o ser humano tivesse mais o senso de igualdade, fraternidade e liberdade. Pensando nisso, embora eu tenha uma tendência socialista (não exatamente comunista), penso que o capitalismo e até a teoria libertária seriam uma solução para que a ascensão social alcançasse os mais pobres e, consequentemente, diminuísse a distância entre ricos e pobres. O único problema de tudo isso é que estamos falando de homens, seres humanos que têm a tendência de olhar para seu próprio umbigo. Entendem por que nenhuma teoria socioeconômica será capaz de resolver o problema das gritantes desigualdades sociais? Isso só ocorrerá se o homem entender que ele não está sozinho no mundo, ele precisa do outro, inclusive para enriquecer; e é aí que entra a necessidade de uma legislação que controle até certo ponto (veja bem: até certo ponto) a relação trabalho-capital: exatamente porque a história nos mostra que em qualquer sociedade onde não há controle (por meio da legislação), a tendência é que o lado mais forte se sobressaia. É isso.




Que tristeza não ter conhecido os mercados de moedas digitais e de ouro e prata a anos atrás. Esse sistema financeiro manipulador e falido mundial e esses governos malditos que nos querem destruir é foda. O jeito é investir o que dá hoje para tentar fugir da dominação global.


O problema da média é desconsiderar os casos concretos, vale para o piketty e para todos os outros esquerdistas e direitistas.
Ainda assim, em média rentabilidade das grandes fortunas crescem muito mais do que a rentabilidade das pequenas fortunas ou do que o conjunto dos rendimentos (onde os rendimentos do trabalho têm um peso de cerca de 70%). Isto também é inegável.


Se emprego com salário mínimo fosse bom, todos seriam empregados.



Prezado Prof. Fábio Barbieri

De acordo com estudo publicado no Portal G1, de 23/03/2014, "Ciclovias representam apenas 1% da malha viária no pais", segue alguns dados, da cidade que nasci, me criei e visito frequentemente, visitando minha família ((Curitiba), da cidade que morei de 2003 à 2009 (Vitória) e da cidade que resido desde 2010 (Rio de Janeiro).

- Rio de Janeiro, metade da população paulistana:

361 km (primeiro lugar). 3,41% da malha urbana (quarto lugar).

- Curitiba, 17% da população paulistana:

127 km (segundo lugar). 2,70% da malha urbana (quinto lugar).

- Vitória, 3,33% da população paulistana:

29 km (décimo primeiro lugar). 6,62% da malha urbana (segundo lugar).

- São Paulo

60,21 km (quinto lugar). 0,40% da malha urbana (décimo sexto lugar).

Nestas cidades não tem esta polêmica, pelo menos de tal nível de chegar ao fato de ser capa de jornais e revistas ou notícia em horário nobre na TV.

Talvez o problema seja o conhecido stress paulistano e não as bicicletas. Afinal o paulistano passa mais tempo no trâsito do que com a família. E para ir à praia se estressa mais, com as horas e horas no engarrafamento.

Ou talvez porque nas capitais que mencionei não foram prefeitos do PT que as criaram. Jaime Lerner, ex-prefeito de Curitiba é do DEM.

Em relação à faixa exclusiva para ônibus, ela foi implantada inicialmente por Jaime Lerner e equipe, no seu primeiro mandato, no longínquo ano de 1973. Ela fez tanto sucesso que a equipe dele exportou a experiência para o mundo todo.

A principal razão do sucesso foi que, com pistas exclusivas, os ônibus chegam mais rápido ao destino. Desta forma, muitos migram para o ônibus, reduzindo a quantidade de carrot na rua e reduzindo os engarrafamentos.

Interessante que a equipe do Lerner implantou o Transmilênio em Bogotá. A turma de São Paulo foi para Bogotá ao invés de Curitiba, para estudar. Talvez para viajar ao exterior e receber diárias em dólar.

PS. Atualmente não tenho bicicleta e vendi meu automóvel.

Com o dinheiro da venda aplicado e rendendo, somado à economia em depreciação, combustível, manutenção, IPVA, seguro, franquia do seguro, estacionamento, sobra dinheiro para andar de metrô, ônibus, Uber, táxi e avião.

E sem o stress de dirigir no Rio nem nas rodovias.

Pela minha Anásise técnico econômica, meu VPL (valor presente líquido) é positivo, tanto monetariamente quanto em redução de stress.



"Minha geração lutou, levou porrada da PM, respirou muito gás lacrimogênio (sorte na época não ter balas de borracha), mas não soube encontrar as soluções."

Primeiro, nem todos de sua geração "lutaram";

Segundo; sua geração "lutou", NÃO por um sistema de liberdade socioeconômica ("democracia" no sentido liberal-conservador) mas para implementar uma ditadura totalitária/socialista mil vezes pior do que a "ditamole" do regime militar brasileiro.

* * *


Bruno Feliciano.

Para quem está no quarto ano de Direito, seu português é sofrível.

E aí vem reclamar dos advogados.



A taxação e o controle estatal diminuem a oferta de todo e qualquer produto ou serviço, o que por sua vez restringe a qualidade e aumenta os preços.

* * *


Olá senhores, um governo Liberal deveria fazer os seguintes atos na minha opinião
Ter quase nenhuma regulamentação sobre o funcionamento das empresas até para empregar.
Imposto único para facilitar o pagamento. máxima alíquota de 17 por cento (copiando Hong Kong)
saúde totalmente privada. sem o governo dizer quem pode ser médico ou quais faculdades possam oferecer o curso de medicina, e deixando qualquer pessoa q fez faculdade na área no exterior entrar para trabalhar.
importações totalmente livre.
sem estatais ou monopólios.
educação privada com o estado financiando educação somente básica, até 2040, desde já podendo as crianças serem educadas em casa.
Moeda em Padrão Ouro sem curso forçado, (acredito que seria a moeda mais forte do mundo em pouco tempo.)
Porte e posse de armas de fogo sem restrições nenhuma.
Polícia somente civil. a militar seria gradativamente retirada, as pessoas poderiam contratar empresas privadas para segurança da sua rua ou bairro.
Justiça cível totalmente por arbitragem.
somente governo federal e municipal, governo estadual seria extinto.
saída da ONU ficando somente na OEA.
fim de novas pessoas na previdência social, quem tiver menos de 30 anos ficaria excluído também... 30 por cento do salária não seria taxado IR e os lucros desse investimento não seria taxado IR.
fim da estabilidade e vitaliciedade dos funcionários públicos. quem tivesse menos 30 seria demitido do cargo, ou seria reaproveitado em outra área.
Cláusula Pétrea impedindo o governo de fazer dívida e gastando só o q rouba.
Dificuldade de para estrangeiros sem especialização entrar para morar no país por 15 anos, afim de o crescimento econômico alancar os salários.
70 por cento do imposto único ficaria no município.
Governo Parlamentarista sendo o país um Império.
e outras coisas q não lembro agora.....
Acredito que um país conseguiria sobreviver assim, o que vcs acham seria uma boa base para uma constituição? tá muito soça ainda? ainda botaria uma cláusula pétrea de secessão individual a partir de 2085. quanto tempo as pessoas ficariam reclamando até que os resultados aparecessem? em quanto tempo o choque da mudança terminaria? acredito que o Brasil vai se tornar um país liberal, já está dando uma guinada para o conservadorismo, vendo o capitalismo com bons olhos e o socialismo como doença mental, e com tempo se torne um ancapistão.



A PARTE MAIS DOCE DO CAPITALISMOS BRASILEIRO.
JURO DE 400% NO CARTÃO: NÃO TEM PREÇO
super.abril.com.br/blogs/crash/ta-assustado-com-o-dolar-alto-olha-onde-estao-os-juros-do-cartao-no-brasil/?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_super

COM CRISE OU SEM CRISE, BANCOS BRASILEIROS TÊM CADA VEZ MAIS LUCRO
opiniaoenoticia.com.br/economia/com-crise-ou-sem-crise-bancos-brasileiros-tem-cada-vez-mais-lucro/#.Vc42ofuGy7E.facebook

STF CONFIRMA LEGALIDADE DE MP QUE PREVÊ CAPITALIZAÇÃO DE JUROS
veja.abril.com.br/noticia/economia/stf-confirma-legalidade-de-mp-que-definiu-juros-sobre-juros-no-mercado-financeiro
NYT: JUROS NO BRASIL FARIAM AGIOTA AMERICANO SENTIR VERGONHA
veja.abril.com.br/noticia/economia/nyt-juros-no-brasil-fariam-agiota-americano-sentir-vergonha
NO CARTÃO, JUROS DE QUASE 1000% AO ANO
economia.estadao.com.br/noticias/geral,no-cartao-juros-de-quase-1000-ao-ano,176932e

BRADESCO TEM LUCRO LÍQUIDO DE R$ 4,12 BI NO TERCEIRO TRIMESTRE
veja.abril.com.br/noticia/economia/bradesco-tem-lucro-liquido-de-r412-bi-no-3-tri

A FARRA BRASILEIRA DOS JUROS, RAÍZES HISTÓRICAS
www.desenvolvimentistas.com.br/blog/caleidoscopiobrasileiro/2016/01/09/a-farra-brasileira-dos-juros-raizes-historicas/#comment-3680

LUCRO SOMADO DE 4 BANCOS BRASILEIROS É MAIOR QUE O PIB DE 83 PAÍSES
g1.globo.com/economia/noticia/2014/02/lucro-somado-de-4-bancos-brasileiros-e-maior-que-o-pib-de-83-paises.html



Parabéns pelo Instituto.
Não entendo o Brasil.E o Instituto está aí para decifrá-lo. Karnal é um representante deste enigma. Fala obviedades, muitas vezes distorce fatos mas tem grande penetração no meio que critica, os capitalistas.Que , pasmem, o pagam para escutar tais "verdades".
Enfim, acho tudo tão fascinante que nem consigo participar das discussões trazidas por pessoas que considero uma contradição ambulante.
Fica meus parabéns ao Instituto. Que se discuta de forma séria este país. Sem modismo, sem "jogar para platéia", sem dourar a pílula e sem contratar pessoas que não suportam o capitalismo mas usam de todos os seus benefícios, protocolos e regras para bem viver.



Tem amigos aqui não leu direito esse belo texto e não entenderam. Os sindicatos sempre foram uma arma do patrão contra os trabalhadores.


Oi, Douglas,

esta foi a melhor análise (para leigos) que já li a respeito do assunto. Sem neuroses e com uma boa capacidade analítica.

"É uma curiosa inversão da regra biológica de que quando o coelho come alface não é o coelho que vira alface, mas a alface que vira coelho. Se o Estado engole a sociedade, não é o Estado que desaparece: é a sociedade. Que a sociedade dominada, esmagada e anulada não sinta mais o peso da dominação não quer dizer que esta não exista, mas que o dominado está exausto e estupidificado demais para tomar consciência dela. É o totalitarismo perfeito em que, nas palavras de Antonio Gramsci, !!!!!!!!"o poder do Partido-Estado já não é percebido como tal, mas se torna "uma autoridade onipresente e invisível como a de um imperativo categórico, de um mandamento divino!!!!!!!!!!!!!".

Essa de "o coelho virar alface" - quem foi que disse, mesmo?!

Eles negam a D. porque querem tomar o Seu lugar. São "Teomaníacos".

Um abraço,

Annamaria.





O artigo desperta para uma boa reflexão: como superar a pobreza endêmica no Brasil sem demonizar os empreendedores?
É importante destacar que o espírito empreendedor é uma qualidade de poucos no Brasil; ainda é muito mais fácil se assegurar das benesses do Estado, sobretudo nos vantajosos e escassos empregos do setor público, para aqueles que se contentam apenas em compor a classe média.
Para se tornar rico, a estratégia deve ser outra. Mantendo-se honesto e sem aceitar as regras do jogo político, torna-se um grande desafio!
Mas a solução para a eliminação da miséria e superação da pobreza material ainda está longe de ser obtida no Brasil, pois sem controle de natalidade e adoção de valores morais, sobretudo de valorização da vida, não vejo solução possível.
Será que a disseminação de valores religiosos pode ser a solução? Despertar o desejo de consumo deu no que deu...


Sindicalista não é burro coisa nenhuma,eles na verdade são desonestos principalmente os que são ligados a partidos políticos,lógico que uma parcela é honesta e sensata,mas parece-me que são minoria...


Para chegar a essa conclusão, você teve que lê-lo.
OU você concluiu isso sem ler?

Segundo a sua premissa, se você o leu, a regra se
aplica a você, então logo você é um idiota.

Se você o prejulgou sem lê-lo, ou julgando pelo título,
então demonstra também não ter muita inteligência.


Tem outra variável a ser mencionada.
Mesmo que todos os recursos caíssem do céu, favorecendo igualmente a todos, em pouco tempo as diferenças apareceriam. Pessoas têm habilidades, aspirações e esforços diferentes, de sorte que ao cabo de um período, haveria uns na pobreza e outros na riqueza. A turma da canhota precisa lidar com isso como adultos e sem
maniqueísmo.


Prezado Leandro

Penso que o termo "amenity", e que deve ter sido usado no texto original, em inglês, seja melhor traduzido, no contexto do artigo, como "funcionalidade".

Amenidade é uma tradução literal, para o contexto do texto.

Funcionalidade: qualidade do que é funcional.

Já, em relação ao conteúdo do artigo de Rockwell, concordo com o autor.

Exemplo: Quando era criança, nos anos 1960, meu pai foi o primeiro da rua (que era de classe média) a comprar uma máquina de lavar roupa. Funcional, durável, mas muito cara. Só existiam máquinas "top", para a tecnologia da época.

Hoje, graças ao barateamento dos materiais e método produtivo, são acessíveis até à baixa renda que pode usar o tempo que passava no tanque, em atividades produtivas ou de lazer.

Máquinas "top" ainda existem, para um nicho que queira, ou possa, pagar por modelos mais caros e mais funcionais.

Quanto à durabilidade menor, a classe média é que tem a mania de reclamar. Em bairros de baixa renda sempre teve e terá "oficinas faz tudo" que ampliam a vida útil de equipamentos de valor de troca mais elevado.

Ou seja, o progresso tecnológico amplia a gama de produtos para as faixas mais populares que, num momento anterior, não tinham acesso a estes produtos.

Quanto à propaganda, que pode até ser enganosa, o antídoto é simples: pesquise, analise de forma racional e escolha baseado em sua necessidade, desejo e capacidade financeira e não por impulso.

Em geral as pessoas compram equipamentos com funcionalidades muito superiores ao que vão usar em 99% das vezes.

Isto me lembra os anos 1990, quando foi lançado o vídeo-cassete de quatro cabeças. Todo mundo saiu correndo trocar, sendo que a maioria absoluta só fazia uso de duas cabeças, pois só usava o vídeo para assistir ou, as vezes, fazer gravações simples, direto da TV.

Em 2012, comprei um laptop Dell. Montei uma configuração mais robusta e ainda hoje não vejo necessidade de trocar. Continua rodando redondo.

E SEMPRE LEIA AS LETRAS MIÚDAS de propagandas, contratos, etc.

- Letras grandes: o que quer ser apresentado como diferencial.

- Letras miúdas, o que é necessário ser divulgado pelo fabricante, mesmo que não seja de interesse dele.








"Mas o que exatamente a "Ciência" (Tyson escreve com maiúscula por algum motivo insondável) tem a ver com acordos políticos?"

Discordo de que o motivo seja insondável, é bem evidente...

* * *



-Esse remédio é capaz de curar todas as doenças e deficiências, proporcionar saúde perfeita, restaurar a juventude e permitir viver 150 anos com total vigor.

-Mas TODAS as pessoas que tomaram esse remédio passaram mal, têm sérios problemas de saúde até hoje e algumas até morreram em decorrência dela!

-O problema é que nenhuma dessas pessoas tomou uma dose suficientemente grande, ou tomou com uma regularidade certa e por um período pleno; quando pessoas tomarem o suficiente, esse remédio vai curar todas as doenças, proporcionar saúde perfeita, restaurar a juventude e permitir viver 150 anos com total vigor.

-Sério? Então vou levar para mim, para minha família e para os meus amigos!

* * *



"Você sabe qual é a diferença entre ser pró-empresas e ser pró-mercado?"

Essa é uma das perguntas-chave que temos que saber fazer (e saber explicar) para poder ajudar outras pessoas a compreender melhor.

Aliás, nesta diferença reside a razão pela qual megaempresários apoiam políticos e militantes socialistas, o que à primeira vista parece paradoxal, contraditório, absurdo...

* * *





Tem também outro ponto importante: no exemplo do trabalhador que produziu $120 e recebeu $100, deve-se fazer a pergunta de quanto ele produziria nesse mesmo espaço de tempo caso não tivesse à disposição toda infra-estrutura e maquinário disponibilizados pelo empresário/poupador.

Certamente sua produção seria acentuadamente menor e, consequentemente, sua renda.


Desculpe o meio-off(não totalmente fora do contexto do artigo)

Estava lendo sobre a história da suíça, e descobri que antes de criarem o franco-suíço (que é uma moeda forte comparado ao resto do mundo)cada cantão tinha suas próprias moedas, e ai que fiquei surpreso pela quantidade.
''Antes de 1850, cerca de 860 moedas diferentes estavam em circulação na Suíça e todas tinham curso legal'' Seria extremamente interessante entender os efeitos disso na economia, se era uma livre-concorrência monetária, qual era a mais aceita.. Se o problema do câmbio não atrapalhava a economia (afinal, ter de ficar calculando a variação cambial para seu negócio não deve ser muito fácil e nem deve ajudar no calculo econômico)

Imaginar 860 moedas sobre um território do tamanho suíço deve ser coisa de maluco



Exato. Quem explora o trabalhador é o governo.

Enquanto o empresário paga por serviços prestados, o governo cobra pelos serviços prestados.

Além dos impostos cobrados sobre o trabalho, eles ainda confiscam a aposentadoria e fundo de garantia nos bancos públicos. Sem contar a extorsão feita no imposto sindical.

Falar de economia com os políticos é a mesma coisa que mandar um bêbado dirigir uma carreta de combustível.