clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


No Brasil os únicos vídeos feitos através de smartphones que "bombam" na "grande mídia" são àqueles que atacam e difamam nossa polícias.
Estranho, não é mesmo ?


Leandro, se o Lula fosse reeleito em 2018 (ou algum espécime comunista no lugar dele), poderia ele fazer como fez no primeiro mandato: uma política monetária ortodoxa? A bomba estourou na Dilma e aparentemente vai inflar outra vez daqui à alguns anos.

Sobre o Jimmy, não foi ele quem salvou a Chrysler com um empréstimo gigantesco de dólares?


Postos de combustíveis (talvez o único país do mundo que ainda tenha frentistas...), serviços de encomendas (os Correios são parasitas que não são roubados por outros parasitas, enquanto as outras poucas concorrentes da iniciativa privada são obrigadas a sustentá-los, inclusive os próprios Correios), setor de telecomunicações, setor aéreo (este já foi pior, quando tinha controle de preços), setor químico, setor de cinema, setor de transportes (privado e coletivo), neste último caso, é notório ainda vermos pobres motoristas dirigindo Kias Bestas caindo os pedaços (um dos resquícios dos bons importados que impulsionaram o mercado automotivo no país na década de 90). Um dos poucos setores sem regulação estatal é o envolvendo tecnologia da informação. Área espetacular, pode ficar milionário criando um aplicativo, pena que eu não tenha essa aptidão.

O maior problema do Brasil está no sistema, incrustado por essas autarquias, órgãos e agências. Veja .



Basta criar leis duras, como na China. Os ladrões começarão a rarear. O medo falará mais alto. Condenações, servirão de exemplo.



Meus caros,

Gosto bastante dos artigos do IMB e porque até defendo o liberalismo clássico. O artigo é interessante, mas gostaria de fazer um reparo sobre este trecho do texto que considero um embuste:

Por isso, sociedades ultra-consumistas são necessariamente sociedades de subsistência. Uma tribo africana consome 100% de sua produção (renda). Como não consegue poupar, não consegue acumular capital.

Primeiro, penso que rotular uma tribo africana como consumista é um argumento fraco e falacioso, porque o consumista não é a tribo Africana, Asiática, americana ou europeia, mas sim são as pessoas, na medida em que, são as pessoas que poupam, consomem e comercializam e não as tribos ou países (como o artigo cita o exemplo de Robinson Crusoé ). Pessoas e somente pessoas são consumistas.
Como THOMAS SOWELL DIZ: não é através da Raça, etnia, países, religião e outros rótulos, que se devem recair o sucesso ou insucesso, mais sim as pessoas;

Segungo, em África existem também pessoas que poupam, acumulam capital e estão em melhores situação que outras pessoas. E como na Europa, América e Ásia, também existem que não poupam através do consumismo absoluto.

Então acho que este argumento é bastante fraco e falacioso.

ESTE é o meu humilde reparo, de um estudante do liberalismo clássico austríaco.


Os melhores Cumprimentos.


Não sei se é trollagem ou esqueceu de mudar o nick mas vou responder mesmo assim, pelos heterodoxos, os citados são encarados como liberais clássicos, criaturas inocentemente eficientes e nacionalistas e apesar de toda sorte de pensamentos e escrituras liberais que teceram, ajudaram a montar o aparato estatal atual que tanto nos aflige, Petrobras e BNDS são obras que devem muito a Roberto Campos, um liberal a serviço de aumentar eficazmente o estado.
Gustavo Franco e outros são encarados como neoliberais, criaturas que ainda não contribuíram para um estado maior e mais eficiente, afinal uma privatização mal feita ainda é diminuir o estado.


Enquanto não mudar a mentalidade de que o mal do país é somente quem está no poder , de nada irá adiantar! O caráter do povo reflete em todos os níveis! A política é o reflexo da sociedade!


Infelizmente as regulamentações não acabaram, como fica evidente no seguinte trecho do artigo:

"4) Porém, como o vôo estava cheio, a empresa fez uma oferta de US$ 800 (limite máximo estipulado pela FAA, a agência reguladora que controla o setor aéreo americano) para qualquer passageiro que desistisse."



Vk e não fb. E Telegram ou Viber, em vez do Whatsapp.

Mas no Br o costume é, se for pensar, pensar pouco.


Tentarei dar um exemplo:

Universidade pública ''A'' recebe uma quantia de dinheiro "100" do Estado para financiar projetos de pesquisa.
Esses 100 são utilizados exclusivamente para o pagamento dos cientistas envolvidos em tais projetos.

Agora, a Universidade pública ''A'' resolve eliminar seu quadro próprio de cientistas e contratar uma empresa especializada ''B''. A Universidade ''A'' continuará recebendo o mesmo financiamento 100 do Estado, que agora será repassado para a empresa ''B'': 20 ficará para os setores administrativos da empresa e 80 ficará para os cientistas terceirizados.

Uma vez que o financiamento da Universidade e , consequentemente, da terceirizada não depende da eficiência dos funcionários da última, não há estímulo para que haja melhoria nos seus serviços, isto é, a terceirizada receberá sempre a mesma quantia, independente da qualidade de seu trabalho.


Aproveitando o gancho, quem está mais por dentro da academia pode me explicar porque Roberto Campos e Mario Simonsen são muito respeitados pelos heterodoxos? Já cansei de ver o Belluzzo e a Conceição Tavares tecendo loas para ambos, ao passo que para um Gustavo Franco da vida(que foi influenciado pelos dois ortodoxos) eles têm um desprezo infinito.

O próprio Delfim Netto fala que nós devemos muito a Roberto Campos e Bulhões pelo PAEG.


TSA é uma quadrilha de cães estatais. Esses bandidos já roubaram a minha garrafa.

De fato, falta ainda usar a arte para combater o estado. Parece recorrente o governo americano salvar empresas vagabundas. A Chrysler foi salva na década de 70 (e empurrou aquelas porcarias de carros K) e em 2009. E hoje continua mal-vista por parte dos consumidores.


Sim, um funça, tem outro dos bons, Paulo Tafner, muito do atual pensamento liberal e libertário brasileiro é disseminado em repartições e tribunais, por estarem em contato com os mais nefastos procedimentos do estado.
Mas há imensa diferença entre saber o caminho e trilhar o caminho, não espere que tais liberais de tribunal e libertários de repartição abram mão de seus poupudos vencimentos se assim for necessário para o Brasil trilhar o caminho do desenvolvimento.





Este trecho do documentário Commanding Heights, que fala sobre a desregulamentação do setor aéreo no final da década de 1970, é espetacular.



Foi Carter também quem desregulamentou o setor de transporte de cargas por caminhões e trens. Carter aboliu a Interstate Commerce Commission — agência reguladora que controlava todo o mercado de transportes de carga — e assinou o decreto Motor Carrier, o qual desregulamentou por completo toda a indústria de caminhões de transporte e permitiu total liberdade de preços e de concorrência para o setor.

Não foi à toa que o Teamster's Union — poderoso sindicato dos caminhoneiros liderado pelo famoso Jimmy Hoffa, e que usufruía um quase-monopólio do transporte de cargas — declarou apoio a Reagan nas eleições de 1980, tão revoltados ficaram com a perda do quase-monopólio.

Foi Carter também quem nomeou o juiz que quebrou o monopólio da telefônica AT&T, monopólio esse concedido pelo governo americano ainda em 1913, pois o serviço era considerado um "monopólio natural". A AT&T até então controlava todas as chamadas de longa distância.

Finalmente, foi Carter quem, em agosto de 1979, nomeou o durão Paul Volcker para o Fed — até hoje considerado o melhor presidente que a instituição já teve —, que subiu a taxa básica de juros para 20% e, com isso, conseguiu quebrar a espinha da estagflação americana.

Todas essas medidas geraram frutos no governo Reagan.

Agora, será que o esquerdista Carter desregulamentou mercados, aboliu agências reguladoras, brigou com sindicatos, e nomeou o falcão Volcker para o Fed por ideologia e convicção? Obviamente que não.

Ele teve de fazer tudo isso justamente para evitar um colapso econômico.

À época, os EUA viviam uma permanente estagflação — decorrente da abolição do que restava do padrão-ouro —, de modo que abolir monopólios, permitir a livre concorrência e gerenciar a moeda de forma mais rigorosa eram as únicas opções viáveis. Ou ele fazia isso ou ele entraria para a história como o presidente que deixou a economia ser destruída.

Carter, Roger Douglas, Tony Blair, Gerhard Schroeder e, acima de tudo, Bill Clinton pertencem a uma geração de social-democratas que tiveram de adotar reformas de mercado para que suas respectivas economias continuassem existindo.



Foi. Inclusive quem leva o nome deste instituto também já foi.

Se ficar no discurso pueril, no mundo da fantasia, vai ser complicado entender.


"O mercado aéreo americano era extremamente regulado e protegido, beneficiando os grandes e mantendo de fora os pequenos."

Troque "mercado aéreo americano" por "qualquer grande setor da economia brasileira", e você verá como o Brasil parou no tempo.


Exatamente, hoje as burocracias, públicas e privadas não podem agir de maneira desrespeitosa. Smartphones e YouTube alteraram as regras. Quem manda é o consumidor. Justíssimo.


Sempre aprendendo....pensava que Reagan tinha feito as reformas mais liberais nos EUA nos anos 80 e não Carter no final dos 70.





Uma observação imparcial, sem querer defender United (que é indefensável):

Há uma regulação estatal que estipula um limite máximo de horas de trabalho para a tripulação. A empresa aérea que desobedecer será acionada pelo sindicato e severamente multada pelo governo. Consequentemente, a tripulação é obrigada a ter um período de descanso.

Há também uma regulação que estipula um número mínimo de tripulantes a bordo em cada voo.

Ambas estão por trás da lambança ocorrida em Chicago.

A tripulação que deveria embarcar em Louisville já havia ultrapassado sua jornada máxima de trabalho permitida, de modo que outra tripulação era necessária. A mais próxima estava em Chicago, e teria de ser deslocada para Louiville às pressas. Caso contrário, o vôo saindo de Louisville seria cancelado por falta de tripulantes.

Esse tipo de problema é muito comum, pois eventuais atrasos num vôo (causados por problemas mecânicos ou meteorológicos) podem fazer com que a tripulação exceda suas horas de trabalho permitidas. E pode exigir transferência de tripulantes de um vôo para o outro. É muito difícil para uma empresa aérea planejar horários sem falhas.

Daí a urgência da United em ter de deslocar quatro tripulantes para Louisville em avião e não por terra. Havia um vôo saindo de Louisville que estava sem tripulantes (pelos motivos acima listados), e ele seria cancelado caso a empresa não enviasse urgentemente tripulantes para lá.

É claro que o resultado final foi uma merda total, amplificada pelo uso dos violentos burocratas da TSA. Mas vale ressaltar que, por trás de tudo, há uma regulação estatal ditando as coisas -- e há também, como bem apontou o artigo, uma administração incompetente.


Excelente!

Para coroar o centenário do maior liberal brasileiro do século XX: Roberto Campos. Deus o abençoe.



Luiz, o seu primeiro parágrafo nada mais é do que a repetição de clichês sobre "obsolescência programada", algo completamente sem sentido.

A questão da obsolescência programada - quanto tempo as coisas devem durar?

Mas a verdadeira pérola está no segundo parágrafo:

"Outra questão importante, uma vida minimalista desaceleraria a economia, faria decair o consumo, o que é claramente indesejável para uma economia de mercado. Para o mercado, o modelo ideal de vida é o do consumo. Um indivíduo que não consome ou consome o mínimo torna-se um estorvo. Em resumo, uma vida minimalista é anticapitalista."

Não, cidadão. O consumismo é, por definição, anticapitalista.

A característica distintiva do capitalismo é que ele direciona a poupança dos cidadãos para investimentos produtivos. Em outras palavras, ele transforma poupança em capital.

Aqueles que crêem que o capitalismo se sustenta sobre o consumismo desconhecem a própria raiz da palavra "capitalismo". Capitalismo advém de capital. Capitalismo é acumulação de capital. E capital é aquela fatia do nosso patrimônio que aumenta a nossa riqueza futura. Capital é toda a riqueza acumulada — que pertence a empresas ou a indivíduos — e que é utilizada para o propósito de se auferir receitas e lucros futuros.
Capital, em suma, é aquilo que cria riqueza futura para nós mesmos e para o resto da sociedade.

Para acumular capital é necessário poupar. E para poupar é necessário restringir o consumo.

Sendo assim, qual o sentido de dizer que um arranjo cuja própria existência depende da virtude da poupança e do não-consumo só pode sobreviver e prosperar quando se consome maciçamente?

O capitalismo não depende do consumo, mas sim da poupança. Uma sociedade que consome 100% da sua renda será uma sociedade anti-capitalista. Não haveria um único bem de capital existente: não haveria moradias, não haveria fábricas, não haveria infraestruturas, não haveria meios de transporte, não haveria maquinários, não haveria escritórios e imóveis comerciais, não haveria laboratórios, não haveria cientistas, não haveria arquitetos, não haveria universidades, não haveria nada.

Simplesmente, todos os indivíduos estariam permanentemente ocupados produzindo bens de consumo básicos — comidas e vestes — e não dedicariam nem um segundo para a produção de bens de capital, que são investimentos de longo prazo que geram bens futuros. Por definição, se uma sociedade consome 100% da sua renda, ela não produz nenhum outro bem que não seja de consumo imediato.

É a poupança, é o não desejo de consumir tudo o que se pode, o que nos permite direcionar nossos esforços para satisfazer não os nossos desejos mais imediatos, mas sim nossas necessidades futuras: com a poupança, produzimos bens de capital que irão, por sua vez, fabricar os bens de consumo de que podemos necessitar no futuro.

Entenda minimamente algo antes de criticá-lo:

Por que uma sociedade poupadora enriquece e uma sociedade consumista empobrece -- o caminho para a riqueza é a poupança, não o consumo


Roberto Campos que foi deputado completaria 100 anos hoje, no estadão tem um artigo sobre ele. O Estadão o classifica como pregador incansável do liberalismo dizendo que ele seguia as ideias de Keynes, que apoiava a intervenção do Estado que completa contradição.
Mas achei um trecho no texto que vale a pena compartilhar aqui.

O economista e consultor Antonio Delfim Netto, ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura, conta um episódio ocorrido quando ambos eram deputados federais, que ilustra bem a transformação pela qual Roberto Campos passou depois que saiu do Planejamento. "Um dia, na Câmara, sem nenhuma razão, ele me disse: 'Delfim, perdi muito tempo. Só deveria ter lido Hayek'." O economista Fredrich Hayek (1899-1992), ligado à chamada Escola Austríaca, de linha ultraliberal, era defensor do Estado mínimo e um dos inspiradores de Thatcher.


Esse texto é no mínimo tendencioso se não equivocado.

Dizer que o capitalismo permitiu um estilo de vida minimalista baseado unicamente na inovação tecnológica é apenas parte da realidade. O mesmo empreendedorismo que condensou o acesso a músicas, filmes, livros em um único dispositivo, é responsável pelas toneladas de lixo dispensados no meio ambiente. A indústria cria necessidades, sempre descartáveis, sempre provisórias. O escalonamento das características dos aparelhos eletrônicos é feito para que seja necessário sempre um upgrade para isso ou aquilo funcionar melhor. Nenhuma empresa produz um smartphone para que dure muito, pelo contrário, quer fidelizar um cliente que sempre renova, sempre volta a loja na caça de uma novidade.

Outra questão importante, uma vida minimalista desaceleraria a economia, faria decair o consumo, o que é claramente indesejável para uma economia de mercado. Para o mercado, o modelo ideal de vida é o do consumo. Um indivíduo que não consome ou consome o mínimo torna-se um estorvo.

Em resumo, uma vida minimalista é anticapitalista, basta se informar melhor sobre as questões de reaproveitamento, mercado cinza, e toda uma gama de práticas alternativas que visam menos circulação de dinheiro e mais trocas.


POLÍTICO: CABE UMA NOVA SIGNIFICAÇÃO, UMA RE SIGNIFICAÇÃO

POLITICO, PALAVRA QUE PARECE DESIGNAR ALGUM "ET" ,QUE VIVE EM BRASILIA,NAS CAPITAIS,EM ALHURES

NA REAL ,POLITICO ELEITO É UM FUNCIONARIO PÚBLICO, CONTRATADO PELO POVO

,UM EMPREGADO DO POVO,CONTRATADO PELO POVO,NO DIA DAS ELEIÇÕES

SENADOR É EMPREGADO DO POVO , DO GARI...

DEPUTADO É EMPREGADO DO POVO, DO PORTEIRO...

GOVERNADOR EMPREGADO DO POVO,DA FAXINEIRA DAS REPARTIÇÕES PUBLICAS, SIM ELA É A PATROA DO CARA CHEIO DE MORDOMIA E DE GRAU, QUE USA A SALA QUE ELA LIMPA.ELA É O PATRÃO QUE TAMBÉM PAGA O SALARIO DE MARAJÁ DO COLARINHO BRANCO QUE CAMINHA NO CHÃO LIMPO POR ELA FAXINEIRA.

MUITO TENHO ME DIVERTIDO EM ALGUMAS OCASIÕES EM QUE SE OPORTUNIZA DE EXPLICAR A UM MODESTO FUNCIONARIO, OU POPULAR ,QUE ELE É O CHEFE O PATRÃO DO POLITICO QUE ESTA BEM ALI PERTINHO E OUVINDO A COLOCAÇÃO.

MUITOS NÃO ENTENDEM,SE SURPREENDEM, E CLARO , COM BOM HUMOR PERCEBEM. OS "FUNCIONARIOS" REVELADOS , OS ELEITOS,(QUE SE ACHAM SAGRADOS)NÃO GOSTAM MUITO, OUTROS NEM LIGAM.

MAS É MUITO DIVERTIDO "CONTAR", "REVELAR" PARA AS PESSOAS MAIS SIMPLES QUE OS POLITICOS,DESDE O MAIS ALTO ESCALÃO ATÉ O VEREADOR É EMPREGADO DO POVO, QUE O POVO É PATRÃO.

Nosso povo olha o politico COMO SENDO UM NOBRE, ALGUEM SAGRADO, jamais como seu funcionario, e daí decorre que eles,politicos se acham com direitos divinos,tudo podendo, inimputaveis.

Há alguns anos tenho feito essas experiências, interagindo, contando "revelando" com bom humor que o da vassourinha e do paninho de limpar, é o verdadeiro patrão,dono da sala do sujeito do colarinho branco .São colocações,educativas e os simples ouvintes se dão conta de que são mais do que pensavam.

Ousar fazer isso é começar a colocar as coisas nos lugares certos, as redes sociais podem ser usadas e os do colarinho branco começarão a se comportar melhor.É preciso começar, muita coisa DEPENDE DE NÓS,e conscientizar o povareu de quem é quem ,se faz necessario.Nunca nos respeitarão se não colocarmos as coisas as claras,POVO PATRÃO,FUNCIONARIO PÚBLICO EMPREGADO, sendo politico ou não.Nem todo o politico é funcionario público.

POLITICO = FUNCIONARIO PÚBLICO = EMPREGADO DO POVO , SEU PATRÃO.

QUANDO ENTRARMOS NO AVIÃO, NOS RESTAURANTES, ELES DEVEM PERCEBER QUE SABEMOS QUE ELES SÃO NOSSOS FUNCIONARIO, QUE SABEMOS QUE SOMOS O PATRÃO, COM BOM HUMOR, SEMPRE.

Politica é um conjunto de medidas, procedimentos para comandar,administrar,"POLITICA EMPRESARIAL","POLITICA MONETARIA",POLITICA GOVERNAMENTAL",POLITICA ESPORTIVA","POLITICA RELIGIOSA","POLITICA TRABALHISTA", "POLITICA SINDICAL", "POLITICA PARTIDARIA"....

POLITICA NÃO É UMA COISA BOA NEM RUIM "DE PER SI", MAS OS POLITICOS , OS QUE DETERMINAM MEDIDAS A AS IMPLANTAM,PODEM SER BONS OU RUINS, DANDO A IDÉIA DE QUE POLITICA É COISA SUJA.

UNS POLITICOS DIGNIFICAM A FUNÇÃO, OUTROS SE DIGNIFICAM POIS NÃO TEM CLASSIFICAÇÃO BOA.

OS QUE TEM SIDO ESCOLHIDOS ULTIMAMENTE ...



Japão é uma ilha... Não sofre com contrabando em fronteiras ... imigração. Os problemas são infimos perto dos EUA. Compare os EUA com pais em situação semelhante e veremos.


Vou dar meu depoimento pessoal. Fui um dos primeiros a comprar um kindle, logo que foi lançado pela Amazon. Custou US$400.00. Agora tenho três, tecnologicamente melhores, ao custo de US$70.00. A Amazon ficou mais rica e eu também. Só para exemplificar, há anos comprei as memórias de Churchill (6 volumes), através do meu kindle, por US$30.00. No Brasil, somente um volume, na mesma época, custava R$70,00! Minha biblioteca hoje está praticamente concentrada no kindle a um preço baixíssimo. Fora isso, há milhões de livros, já de domínio público, que podem ser comprados por menos de um dólar. Se você tem um amigo, aí no Brasil, proprietário de livraria, alerta o gajo, vai ter que mudar de ramo. Aqui, na cidade em que moro, havia duas livrarias maravilhosas (Barnes & Nober e a Borders), já fecharam há anos. Viva o progresso, viva o livre mercado, viva a Amazon.


Bem lembrado. Noam Chomsky coloca a culpa do fracasso dessa experiência no "imperialismo ocidental", exatamente como você disse no comentário.


É uma variação do velho argumento mentiroso: "Ah, mas na Europa também estão desarmados!". Podem estar desarmados em relação ao EUA e Suíça, mas não em relação ao Brasil ou qualquer país latino que não seja o Uruguai.

E a maioria dos países europeus mais desarmados são justamente os países do Leste Europeu (os mais violentos). Só ver a lista.


"Uma oficina mecânica, em vez de ter empregados próprios, decide agora contratar mecânicos que trabalham para uma empresa especializada em mecânica. Ou seja, a oficina agora terceirizou sua mão-de-obra (é isso que a lei agora autoriza).

Como é que o pagamento a esta empresa especializada estará vindo "dos impostos"? O dinheiro estará vindo da oficina que contratou o serviço, e não de impostos.
"

Meu ponto é que neste caso a oficina que contratou o serviço é uma empresa estatal, logo ela pagará a empresa especializada com o dinheiro do contribuinte, certo? Caso a oficina mecânica fosse privada, o dinheiro que ela receberia para pagar a empresa especializada seria o do dono do automóvel, aí sim este arranjo não teria problema algum.

"Como pode haver "diminuição dos salários" dos terceirizados se, antes da lei, nem sequer era permitido existir terceirizados? Como seria possível diminuir um salário que até então nem sequer existia? Não faz sentido."

Tem razão, me expressei mal. O que quis dizer é que os salários dos funcionários terceirizados necessariamente serão menores do que os dos funcionários do estado que ocupavam aquela determinada função anteriormente, uma vez que o dinheiro terá que ser repassado por mais pessoas agora.





"No meu entendimento, o maior problema com a terceirização seria a não-desestatização da empresa contratante. Posso estar enganado (e se estiver, por favor corrijam-me), mas entendo que o pagamento destinado à empresa contratada virá, da mesma forma, de nosso impostos, uma vez que a empresa contratante será uma entidade estatal."

Não entendi absolutamente nada do que você está falando.

Uma oficina mecânica, em vez de ter empregados próprios, decide agora contratar mecânicos que trabalham para uma empresa especializada em mecânica. Ou seja, a oficina agora terceirizou sua mão-de-obra (é isso que a lei agora autoriza).

Como é que o pagamento a esta empresa especializada estará vindo "dos impostos"? O dinheiro estará vindo da oficina que contratou o serviço, e não de impostos.

"Com isso, o dinheiro uma vez destinado àquele serviço, que passava pelo alto escalão da empresa estatal até seus funcionários, agora passará pelo alto escalão da empresa estatal, pelo alto escalão da empresa contratada e finalmente chegará aos seus funcionários. Dessa forma, haverá necessariamente uma diminuição do salário dos trabalhadores terceirizados, certo?"

Como pode haver "diminuição dos salários" dos terceirizados se, antes da lei, nem sequer era permitido existir terceirizados? Como seria possível diminuir um salário que até então nem sequer existia? Não faz sentido.

Sigo sem saber do que você está falando.


Primeiramente parabéns ao André e ao Leandro pelo ótimo artigo, mas me restam algumas dúvidas.
No meu entendimento, o maior problema com a terceirização seria a não-desestatização da empresa contratante. Posso estar enganado (e se estiver, por favor corrijam-me), mas entendo que o pagamento destinado à empresa contratada virá, da mesma forma, de nosso impostos, uma vez que a empresa contratante será uma entidade estatal. Com isso, o dinheiro uma vez destinado àquele serviço, que passava pelo alto escalão da empresa estatal até seus funcionários, agora passará pelo alto escalão da empresa estatal, pelo alto escalão da empresa contratada e finalmente chegará aos seus funcionários. Dessa forma, haverá necessariamente uma diminuição do salário dos trabalhadores terceirizados, certo? Além disso, como o serviço prestado não depende de recebimento proveniente dos seus clientes diretos ( e sim do dinheiro proveniente do Estado), não há forma real de saber se o serviço prestado é ou não eficiente, já que a remuneração da empresa virá de uma forma ou de outra.
Dado esse aspecto, ao meu ver, a terceirização sem desestatização da empresa proporciona, mais do que qualquer outra coisa, a possibilidade de empresários corruptos sugarem mais do dinheiro de nossos impostos fazendo um simples acordo de "10%" com membros do Estado para serem beneficiadas pela concessão da prestação de dado serviço.
Muito obrigado pela atenção, aguardo ansiosamente uma resposta!


''Ué, até onde eu sei isso é exatamente o que diz este site. E eu também penso assim. Não entendi''

Desculpe, talvez em expressei mau. O camarada de cima demonstrou um fato onde, a falta de armamento não causa necessariamente mais violência, como o japão, ou seja: O armamento NÃO É o principal fator e muito menos o mais relevante, o japão não tem armas, conheço quem morou la, é quase impossível ter armas, e a taxa de homicídios la é menor que dos EUA.

E mais, você não respondeu meus links onde contradizem com o seus fatos apresentados.
Você provavelmente não abriu meus links e respondeu.

Agora, ter arma em casa é uma coisa, agora armar na rua, ai é loucura.
A Austrália reduziu a criminalidade assim, permitindo arma em casa e restringindo por completo o porte, foi essa parte que você não entendeu.

Alias é uma incoerência, se lá o governo queria reduzir o porte mas ele tomou uma atitude que aumentou o porte, logo ele tomaria outra atitude. Não faz sentido isso, logo com o estado, quando este quer proibir algo, vai ate o fim.
Só o que faltava, o estado tenta proibir armas mas na verdade ele aumenta o numero das mesmas e DEIXA POR ISSO MESMO?!

A e esqueci da Africa do Sul.

Só falta dizer que na Síria, Iraque e Iemen tem menos violencia do que aqui porque os caras andam de AK-47 nas costas.


Abra o link e depois responda.


Considero a corrupção uma taxa de lucro indevidamente cobrada pela classe política,ou seja como são eleitos para exercerem a gestão do patrimônio público,esses empresários políticos cobram essa taxa em conluio com seus financiadores de campanha e os parlamentares aliados são sócios e parceiros nesta extração de dinheiros de nossos bolsos...Enfim é uma farra,dai por que nas eleições os discursos de ódios e satanização abundam,mas só da boca para fora,afinal cada um está defendendo o seu lado,enquanto isso o gado embaixo briga e ficam inimigos por acreditar em seus projetos e\ou serem coniventes com essas práticas criminosas...


Marcelo Odebrecht confirma o artigo:

"Em toda estatal, há um padrinho. Na Petrobras, eram PP, PT e PMDB. Não tem como você (uma empresa) ter relação com essas empresas, com os ministérios, sem fazer algum tipo de compromisso, algum tipo de pagamento. E você nunca sabe se o valor (repassado) é para âmbito privado ou para doação eleitoral."

O delator contou, ainda, que eram corriqueiras as fraudes de licitações. Como?

"Tipo o seguinte: você qualifica o edital. Todo edital tem dono. Quando você vê um edital, você sabe qual a empresa beneficiada com aquele edital. Os editais são feitos para alguma empresa."

www.oantagonista.com/posts/a-aula-de-marcelo-odebrecht-sobre-indicacoes-politicas


Rapaz...

Esse tal "Desarmamentista" apanhou mais que adúltera no Oriente Médio.


"Você mesmo refutou o argumento do site, quando diz que o armamento é o principal fator e o maios relevante de todos quando se diz reduzir criminalidade."

Ué, até onde eu sei isso é exatamente o que diz este site. E eu também penso assim. Não entendi.

"Uma policia violenta, onde leis rigidas são aplicadas funciona oras. não precisa necessariamente armar as pessoas."

Espere aí: você está dizendo que abre mão de todas as suas liberdades civis em troca de uma polícia autoritária e violenta, que prende rodo, sem habbeas corpus, sem direito à defesa, sem o devido processo legal, e ainda extrai confissões (não necessariamente verdadeiras) sob tortura?!

É isso mesmo?

Ok, você tem todo o direito de ser lambe-botas de policiais. Mas eu não sou. E aí, como resolvemos isso? Você quer um estado policial totalitário, violento, no qual os cidadãos não possuem direitos humanos mais básicos e podem ser presos a qualquer momento sem terem feito absolutamente nada. Ou seja, você quer um estado de terror jacobino.

Já eu prefiro o modelo suíço. E aí, como ficamos?

"Austrália tem desarmamento também. O Chile tem uma lei rígida difícil de se armar. Reino Unido também."

Já que você pediu, um pouquinho de estatística para você:

A taxa de crimes violentos no Reino Unido é aproximadamente 4 vezes superior à dos EUA. Em 2009, houve 2.034 crimes violentos para cada 100.000 habitantes do Reino Unido. Naquele mesmo ano, houve apenas 466 crimes violentos para cada 100.000 habitantes nos EUA.

O Reino Unido apresenta aproximadamente 125% mais vítimas de estupro por 100.000 pessoas a cada ano do que os EUA.

Anualmente, o Reino Unido tem 133% mais vítimas de assaltos e de outras agressões físicas por 100.000 habitantes do que os EUA.

O Reino Unido apresenta a quarta maior taxa de arrombamentos e invasões de residências de toda a União Europeia.

O Reino Unido apresenta a segunda maior taxa de criminalidade de toda a União Europeia.

Sobre a Austrália, você mostra toda a sua ignorância. Lá, a proibição era para armas semiautomáticas (military style). O cidadão pode comprar armas em qualquer calibre abaixo do .40 S&W e com capacidade para menos de 10 cartuchos. Revólveres não foram proibidos também. E muitos que queriam ter armas que foram proibidas começaram a tirar registro de caça e voltaram a poder tê-las.

Isso é só pode ser considerado "desarmamento" para os padrões americanos e suíços. Para os padrões brasileiros, isso é armamento pesado.

Aliás, como curiosidade, o número de registros de armas de fogo na Austrália se elevou fortemente e em consequência disso o número de homicídios caiu. A ideia do governo era "less guns, less crimes", mas o que foi comprovado foi "more guns, less crimes".

Pare de mentir em público. Isso depõe contra o seu caráter.

Ah, sim: no Brasil, há 8 armas para cada 100 residentes. No Chile, 10,7 (ou seja, os chilenos são 34% mais armados que os brasileiros). Na Austrália, nada menos que 21,7 (ou seja, os australianos são 171% mais armados que os brasileiros).

en.wikipedia.org/wiki/Estimated_number_of_guns_per_capita_by_country#List_of_countries_by_estimated_number_of_guns_per_capita

Desarmamento assim eu também quero. Se o Brasil for se "desarmar" tanto quanto Austrália e Chile, cada brasileiro teria de adquirir de 34% a 171% mais armas.


Yoshiaki, ok fera. Você mesmo refutou o argumento do site, quando diz que o armamento é o principal fator e o maios relevante de todos quando se diz reduzir criminalidade.

Uma policia violenta, onde leis rigidas são aplicadas funciona oras. não precisa necessariamente armar as pessoas.

Mas ok, pela cultura japonesa vou aceitar o argumento. Mas ainda sim o meu argumento ainda de pé:

Austrália tem desarmamento também.
O Chile tem uma lei rígida difícil de se armar.
Reino Unido também.

https://noticias.terra.com.br/mundo/controle-de-armas-teve-sucesso-no-japao-e-na-australia,d773f4ff6c7ab310VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html

mundoestranho.abril.com.br/historia/existe-algum-pais-onde-e-proibido-arma-de-fogo/




"a revolução do proletariado só é violenta na medida em que a contrarrevolução é violenta."

Sensacional. Funciona assim: você decide confiscar minhas propriedades e tomar tudo aquilo que eu construí ao longo de muito esforço e com o suor do meu rosto. Se eu não oferecer resistência, então tá tudo de boas. Mas se eu por acaso discordar e tentar me opor, aí você justificadamente pode me matar. Aí a violência se torna justificada.

Belo e moral, sem dúvida.

Isso, inclusive, me lembra deste artigo:

"Mesmo que um governo genuinamente socialista fosse eleito democraticamente, seu primeiro ato de governo ao implantar o socialismo teria de ser um ato de enorme violência, qual seja, a expropriação a força dos meios de produção.

A eleição democrática de um governo socialista não alteraria o fato de que o confisco de propriedade contra a vontade dos proprietários é um ato de força. Uma expropriação à força da propriedade baseada no voto democrático é tão pacífica quanto um linchamento também baseado no voto. Trata-se de uma violação primordial dos direitos individuais.

A única maneira de o socialismo realmente ser implantado por meios pacíficos seria com os donos de propriedade voluntariamente doando sua propriedade ao estado socialista.

Porém, pense nisso. Se o socialismo tivesse de esperar que os donos de propriedade doassem voluntariamente sua propriedade para o estado, este certamente teria de esperar para sempre. Logo, se o socialismo tem de ser implantado, então ele só pode existir por meio da força — e força aplicada em escala maciça, contra toda a propriedade privada.

Nessas circunstâncias, os donos de propriedade irão quase que certamente resistir e tentar defender seus direitos — pela força, se necessário —, e estariam totalmente corretos em agir assim.

Isso explica por que apenas os comunistas conseguem implantar o socialismo, e por que os social-democratas sempre fracassam em suas tentativas. Os comunistas, com efeito, sabem que têm de ir a campo e roubar toda a propriedade dos homens. E sabem também que, se quiserem ser bem sucedidos nessa empreitada, é melhor irem armados e preparados para matar os donos de propriedade, os quais certamente tentarão defender seus direitos (daí a importância de se desarmar a população para se implantar um estado totalitário)."

O socialismo necessariamente requer métodos brutais para ser implantado

"A revolução comunista nunca tomou iniciativa de matar ninguém, o fez por defesa, isto é, depois de muito atacada."

Pô, só agora que eu saquei que você é fake e está querendo zoar. Foi mal. Estou lento hoje. Domingo à noite.

"Esses números ridículos incluem esses milhões de soviéticos mortos pelos nazistas na Segunda Guerra, o que é um absurdo atribuir ao comunismo. Incluem também os 8 milhões de nazistas que os soviéticos mataram para vencer a Guerra, esses eu acho muito digno colocar na conta dos comunistas, uma honra e um orgulho para a história do comunismo!

Não, não incluem mortos em guerra. Sei que é desesperador para o comuna, mas é a verdade.

"As fomes (na Ucrânia e China) são em contextos de explosão de luta de classes onde a burguesia agrária se recusou a coletivizar a produção e boicotou a distribuição de alimentos, não restando nada para o governo centralizado fazer."

Seria genuinamente engraçada essa sua cômica (re)versão dos fatos não fossem os fatos tristemente macabros. Acho que nem mesmo alguém abertamente fake deveria brincar com a tragédia e o sofrimento de seres humanos inocentes.

A fome na Ucrânia - um dos maiores crimes do estado foi esquecido


Sem problemas, até porque é a décima vez que alguém faz a mesma pergunta em um intervalo de um mês.

Sobre o Japão, há três coisas interessantes ali:

1) Pra começar, o Japão é uma das sociedades mais homogêneas do mundo. Aliás, é uma das poucas que ainda é assim. E sempre foi assim. Os japoneses possuem uma identidade cultural extremamente rígida.

Mais: o Japão foi uma sociedade de castas por milhares de anos. O povo -- os camponeses, que formavam nada menos que 98% da população -- nuca teve armas. Nunca houve a mais mínima idéia de democracia no Japão feudal e o povo japonês -- que era dominado por uma aristocracia, por guerreiros e por mercadores; todos eles representando apenas 2% da população -- nunca considerou a hipótese de se insurgirá contra seus senhores.

Ou seja, é uma sociedade historicamente formada por pessoas complacentes, ordeiras e submissas à autoridade. Se uma sociedade é formada por indivíduos ordeiros, totalmente homogêneos, e cumpridores devotos de qualquer lei (inclusive das ruins) e com tendências à submissão, dificilmente essa sociedade será violenta. (Você já viu sequer alguma greve no Japão? Houve violência?)

Dica: comece analisando a composição de uma sociedade e sua evolução.

2) A lei do Japão é esquisita: você não pode ter um .38, mas a compra de rifles e espingardas é liberada, desde que você se declare caçador ou esportista.

en.wikipedia.org/wiki/Overview_of_gun_laws_by_nation

3) A polícia japonesa tem total liberdade para prender pessoas sem motivo aparente e torturá-las a rodo (até arrancar uma confissão incriminadora). Isso é algo bastante desconhecido por aqui, mas muito debatido por lá.

Se o argumento contra o desarmamento é ter uma polícia violenta e completamente irrefreável, será legal ver um esquerdista falando sobre isso.

Japan crime: Why do innocent people confess?

Criminal justice in Japan: Forced to confess

Psicólogo diz que polícia japonesa pratica tortura mental para suspeitos confessarem crimes

Recentemente, um casal foi inocentado depois de ficar 20 anos na prisão por uma confissão forjada

"Policiais japoneses têm autorização para torturar em busca de provas", diz brasileira

Eu aceito a tese de que um estado policial violento, totalitário e irrestrito coíbe bastante a criminalidade (dizem que na Iugoslávia do ditador Tito não havia um único assalto de rua). A esquerda aceita a tese de ter uma PM ultraviolenta, atuando sem restrições e com liberdade para obrigar inocentes a confessar crimes que não cometeram? É assim no Japão.


Os países já vivem em anarquia entre si, invadir uns aos outros implicam em custos imateriais muito altos.



No Japão é proibido ter armas, pq violência lá é muito menor do que a dos EUA?

Chega a ser desonestidade intelectual isso de que aonde se tem armamento se tem ordem e baixa criminalidade.

Me expliquem esses paises que não tem armas e é super pacifico, mais pacifico que muito país armamentista.


fake.

a revolução do proletariado só é violenta na medida em que a contrarrevolução é violenta.

A Revolução de Outubro de 1917, por exemplo, teve pouquíssimas mortes quando a multidão de trabalhadores tomou o Palácio de Inverno. E as mortes se deram em conflitos isolados longe do Palácio, em outras partes de Petrogrado, portanto a tomada do Palácio em si foi pacífica. Até que a França, a Inglaterra e os EUA intervieram contra a revolução em 1918 e explodiu uma sangrenta Guerra Civil que matou mais de 3 milhões (de ambos os lados).

No Vietnã, a intervenção dos EUA destruíram completamente centenas de cidades e vilas, deixando mais de 7 milhões de mortos dos dois lados.

Na Coreia, mesma coisa = 4 milhões de mortos.

A revolução comunista nunca tomou iniciativa de matar ninguém, o fez por defesa, isto é, depois de muito atacada.

Esses números ridículos incluem esses milhões de soviéticos mortos pelos nazistas na Segunda Guerra, o que é um absurdo atribuir ao comunismo. Incluem também os 8 milhões de nazistas que os soviéticos mataram para vencer a Guerra, esses eu acho muito digno colocar na conta dos comunistas, uma honra e um orgulho para a história do comunismo!

As fomes (na Ucrânia e China) são em contextos de explosão de luta de classes onde a burguesia agrária se recusou a coletivizar a produção e boicotou a distribuição de alimentos, não restando nada para o governo centralizado fazer.

Enfim... por aí vai...


Me pergunto por que alguém se dá ao trabalho de vir em um artigo claramente escrito de cristão para cristão, problematizar com algo que se quer é o assunto principal.

Vocês, ateuzinhos mimados da Internet, são insuportáveis e mal educados!


E por que os EUA não invadem a minúscula (e sem exército) Liechtenstein? Há muito dinheiro ali (bancos com sigilo fiscal). Por que não invadem Andorra? Mônaco? Aliás, por que não invadem a Suíça (será que o poderoso exército americano não daria conta das milícias suíças)? Aliás, carai, por que não invadem a Alemanha, que possui um dos exércitos mais fracos, desarmados e vulneráveis do mundo (imposição de tratados do pós-guerra)?

Por que não invadem a Bolívia (repleta de gás natural) e a Venezuela (repleta de petróleo e de esfomeados que imediatamente aplaudiriam essa libertação)?



Pode começar pelo capítulo 9 deste livro, escrito pelo historiador Ralph Raico.


Desigualdade social não é e nem nunca foi pauta de pobre. É pauta de rico culpado e desocupado. Pobre quer um trabalho, receber o salário em dia, pagar a conta da Net e poder assistir Netflix na sua TV nova de 42 polegadas comprada em 12 parcelas nas Casas Bahia.

Pobre não se sente espoliado quando o patrão aparece de carrão novo: pobre quer financiar o próprio carro, que pode ser popular, em 60 meses, sabendo que nenhuma presidenta acéfala vai aprontar alguma estripulia em escala monumental gerando a maior crise da história recente a pretexto de ajudar o pobre.

Pobre não liga se o patrão mora numa casa bonita num bairro bacana, ele quer poder ganhar o suficiente pra sobrar alguma coisa no fim do mês, que ele possa juntar e um dia dar entrada no próprio apartamento dele, onde ele vai colocar aquela TV de 42 polegadas e estacionar o carro já quitado.

O pobre não quer saber de empoderamento, hegemonização, conscientização, blackface ou manterrupting. Pobre quer um iPhone 6, de preferência com um plano de dados legal, pra ele poder curtir os posts dos amigos.

Pobre não quer igualdade, pobre quer mais é capitalismo e dinheiro no bolso.


Pessoal do IMB ou Leandro, alguem possui uma literatura hitórico-economico tratando desse assunto? de preferencia de ponto de vista libertário e tratando da economia do Império Russo.


"mas isso só dura até que algumas dessas associações privadas que são do tamanho que seus integrantes queiram"

Como é que é o negócio aí?! Quer dizer que empresas privadas "têm o tamanho que seus integrantes queiram"?

Então a padaria da esquina aqui de casa só não é do tamanho de um Pão de Açúcar porque o dono, seu Genésio, não quer? Se seu Genésio quiser, ele transforma a padaria numa multinacional amanhã?!

É isso mesmo?

Você é tão ignorante, que não sabe nem sequer o básico: quem determina o tamanho de uma empresa privada é o consumidor. Se o consumidor parar de consumir seus produtos, a empresa fica menor que uma mercearia. O dono da empresa não tem nenhum controle sobre o tamanho de sua empresa. Ela é determinada inteiramente pelo mercado consumidor.

É cada ignaro que despenca por aqui.

"resolvam que é mais fácil roubar e matar do que produzir"

Ah, sim, pois empresas privadas se envolveram numa guerra e saírem matando e sendo mortos, tendo todo o seu capital destruído no processo, apenas para depois ter de se reconstruir e voltar a estaca zero, é algo ótimo para seus lucros e para seu crescimento.

Por essa sua lógica, se seu Genésio sair jogando granadas em padarias, e ter a sua padaria também bombardeada pelas outras padarias, todas padarias estarão, no final da guera, em melhor situação, pois perceberão que "é mais fácil roubar e matar do que produzir".

Mano, você realmente tem cérebro?

"e aí os estados são criados novamente, seja para resistir a estas associações privadas tirânicas ou para oprimir outras associações privadas menores e menos bem-armadas."

Ou seja, após todo este seu relincho, você próprio conclui que, na pior e na mais fictícia das situações, nós simplesmente voltaríamos ao arranjo que já temos hoje.

Raramente em minha vida vi alguém se contradizer de maneira tão espetacular e auto-humilhante como você.

É perfeitamente compreensível você não ter colocado um nome próprio para o comentário. Fosse eu, nem conseguiria sair da cama.


Muito bom e bonito na teoria, amigo, mas isso só dura até que algumas dessas associações privadas que são do tamanho que seus integrantes queiram resolvam que é mais fácil roubar e matar do que produzir, e aí os estados são criados novamente, seja para resistir a estas associações privadas tirânicas ou para oprimir outras associações privadas menores e menos bem-armadas.



Biblicamente o imposto é roubo, posso falar com propriedade no tema, eu mesmo sou teólogo a muitos anos, estive como pastor em ministérios como Comunidade Evangélica Nova Jerusalém e inclusive chamado para pastorear outros ministérios, como a Assembleia de Deus de são paulo.

Uma pessoa ou grupo de pessoas dominar outras com poder militar

e exigir dinheiro para que as pessoas possam comprar ou vender ou até mesmo morar foi sempre

considerado pelos Judeus como um simples roubo e cativeiro... Foi sabendo disto que os fariseus

tentaram incriminar a Jesus dizendo "é lícito pagar imposto?" Pois eles esperavam que ele

respondesse "não é lícito" pois é a verdade de acordo com a Torah!

Marcos 12:
13 Mais tarde enviaram a Jesus alguns

dos fariseus e herodianos para o apanharem em alguma coisa que ele dissesse.

14 Estes se

aproximaram dele e disseram: Mestre, sabemos que és íntegro e que não te deixas influenciar por

ninguém, porque não te prendes à aparência dos homens, mas ensinas o caminho de Deus conforme a

verdade. É certo pagar imposto a César ou não?

15 Devemos pagar ou não?" Mas Jesus, percebendo a

hipocrisia deles, perguntou: "Por que vocês estão me pondo à prova? Tragam-me um denário

[46] para que eu o veja".

16 Eles lhe trouxeram a moeda, e ele lhes perguntou: "De quem é esta

imagem e esta inscrição?" "De César", responderam eles.

17 Então Jesus lhes disse: "Dêem[47] a

César o que é de César e a Deus o que é de Deus". E ficaram admirados com ele.

Mas Jesus sabendo

da maldade dos corações deles responde "de a Cezar o que é de Cezar, e a Deus o que é de

Deus!" Desta forma ele deixou claro que tudo deve ser dedicado a Deus, pois até mesmo Cezar

pertence a Deus (pois Deus é o dono de tudo) .

Foi sabendo que o Judaísmo e o ensino de Jesus é

contra o roubo (e também obviamente o roubo na forma de impostos) que os fariseus levantaram

essa questão, tentando fazer que Jesus fosse preso.

Logo que chegaram a Cafarnaum, aqueles que cobravam o imposto da didracma aproximaram-se de

Pedro e lhe perguntaram: Teu mestre não paga a didracma?
Paga sim, respondeu Pedro. Mas quando chegaram à casa, Jesus preveniu-o, dizendo: Que te

parece, Simão? Os reis da terra, de quem recebem os tributos ou os impostos? De seus filhos ou

dos estrangeiros?
Pedro respondeu: Dos estrangeiros. Jesus replicou: Os filhos, então, estão isentos.
Mas não convém escandalizá-los.
Mateus 17:24-27

Pode notar que Jesus afirma que os filhos são isentos, e isso se refere ao fato de que os

filhos de Deus são isentos tambem; Mas para não criar barreiras (escandalizando) na divulgação

do evangelho, ele lhe disse para pagar o imposto.

e puseram-se a acusá-lo: Temos encontrado este homem excitando o povo à revolta, proibindo

pagar imposto ao imperador e dizendo-se Messias e rei. Lucas 23:2

Tudo o que prescreveu o Deus do céu para a sua casa seja fielmente observado, a fim de que a

cólera divina não se desencadeie contra o reino, o rei e seus filhos.
Por fim, notificamo-vos de que não se deverá lançar imposto algum, nem tributo, nem encargos,

sobre qualquer dos sacerdotes, levitas, cantores, porteiros, natineus e servos dessa casa de

Deus.
Esdras 7:23,24

Os teus olhos verão o rei na sua formosura; verão a terra que se estende amplamente.
O teu coração meditará o terror: onde está aquele que era seu cobrador, onde está quem lhe

cobrou impostos, onde está o que inspecionava suas terras?
Isaías 33:17,18

imposto é roubo e roubo é pecado.

E mais uma coisa, se tentarem argumentar que israelitas formaram estados e reinos, sempre lembre que Deus (nas escrituras) foi totalmente contra a formação de reis (e estados, logicamente).

Aqui segue o momento no qual o povo rejeitou ser governado por Deus, e preferiu ter um rei, e seguem as maldições que Deus lança sobre o povo que preferiu ser governado por homens do que por Deus:

Samuel 8:
6 Porém esta palavra pareceu mal aos olhos de Samuel, quando disseram: Dá-nos um rei, para que nos julgue. Então Samuel orou a Jeová.
7 Disse Jeová a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo o que eles te dizem; pois não é a ti que eles rejeitaram, mas a mim, para eu não reinar sobre eles.
8 Segundo todas as obras que têm feito desde o dia em que os fiz subir do Egito até o dia de hoje, pois me abandonaram a mim e serviram a outros deuses, assim também te fazem a ti.
9 Agora ouve a sua voz; contudo lhes declararás solenemente e lhes farás ver como se portará o rei que há de reinar sobre eles.
10 Referiu Samuel todas as palavras de Jeová ao povo que lhe havia pedido um rei,
11 e disse: Assim se portará o rei que há de reinar sobre vós: tomará vossos filhos e os porá nos seus carros e entre os seus cavaleiros, e eles correrão adiante dos seus carros;
12 e os constituirá capitães de mil e capitães de cinqüenta, e lavradores dos seus campos, e segadores das suas messes, e fabricantes das suas armas e dos seus carros.
13 Tomará vossas filhas para perfumistas, cozinheiras e padeiras.
14 Tomará o melhor dos vossos campos, e das vossas vinhas, e dos vossos olivais, e dá-los-á aos seus servos.
15 Dizimará as vossas sementes e as vossas vinhas, para dar aos seus eunucos e aos seus servos.
16 Também tomará os vossos servos e as vossas servas, e os vossos melhores mancebos, e os vossos jumentos, e os empregará no seu trabalho.
17 Dizimará também os vossos rebanhos; e vós sereis seus servos.
18 Naquele dia vós lamentareis por causa do vosso rei, que vós mesmos escolhestes; e Jeová não vos responderá naquele dia.



Ok, estou começando a entender e concordar cada vez mais com a ética libertária e uma sociedade anarco-capitalista, mas supondo que o Brasil se torne Ancap, quem vai impedir que os EUA nos invadam? Não temos mais um exército nacional. Podemos até ter porte de armas, mas mesmo fortemente armada a população não teria chance contra um exército treinado.



Só tem uma: reduzir ao máximo o tamanho, o escopo e o poder do estado, principalmente o poder discricionário de políticos e burocratas.

Só que o povo não quer isso. Povo quer estado e políticos cuidando dele (do povo). Mas o povo não percebe que tal arranjo é ótimo apenas para esses políticos e grandes empresários, e péssimo para todo o resto.

Sem se mudar a cultura da população, nada feito. O povo vai continuar querendo estado grande e cuidando de tudo.

Todo este site é voltado exatamente para isso: disseminar a cultura e a informação para que, num futuro, as pessoas entendam ao menos as relações básicas de causa e consequência na economia.


P.S.: o artigo em momento algum sequer fala de "esquerda e direita". Sendo assim, confesso não ter entendido o início do seu comentário.


1º - Quem te falou que eu sou esquerda ?

2º - Qual o problema em indicar um filme ?





O chato é resumir tudo a dicotomia direita-esquerda quando a situação não é tão simples assim. Em resumo o artigo diz que a riqueza dos grandes empresários no Brasil foi formada através de uma cultura patrimonialista, por influência e boas relações, o que acretido eu não ser capitalismo de verdade, certo? Assim, novos e pequenos empresários tem uma desvantagem competitiva. Qual proposta do ponto de vista liberal poderia resolver essa situação?


Hitoriador,

Muito obrigado pela resposta, as fotos estão incríveis, obrigado!

É uma pena que essa literatura explicando o crescimento do Império Russo e os problemas vindos eu simplesmente não encontro, existe o livro negro do comunismo, e outros que mostram o desastre que foi o comunismo, também existe a literatura socialista que diz a tal 'falácia' acima refutada. Mas existe algum livro que mostra o outro lado? Um livro que afirme que o Império Russo só crescia e que alcançariam o EUA?

Eu aprendi na escola que foi o ataque do Czar que colocou o exército pra enfrentar a população que estava fazendo uma passeata pacífica pedindo melhores condições de trabalho e o fato do Império Russo ter perdido a guerra com o Japão e a primeira guerra mundial também, que deram início a Revolução Russa. Mas hoje eu imagino, será que a passeata era realmente pacífica? e "melhores condições de trabalho" não é exatamente aquilo que os bolcheviques diziam lutar?

Eu agradeceria muito se me indicassem livros em português, espanhol ou inglês sobre o assunto. Desde já, agradeço!


Perfeito o artigo.

Mas, infelizmente nosso Brasil não tem jeito.

Um país em que mais de 100 milhões de pessoas usam seu "direito" de votar em quem será o vencedor de um reality show mostra que a melhor saída ainda é o Galeão ou Guarulhos.

Não tem como salvar a Bananalândia de seus, pobres, moradores



É sério isso? A sua resposta é mandar assistir a um filme nacional?!

Quando você acha que a esquerda chegou ao fundo do poço, percebe que lá existe um alçapão.


Por que houve revoltas e greves? Simples. Porque agora havia meios e recursos para se fazer isso. Antes, todo mundo morava no campo e definhava de fome. População esfomeada e empobrecida não se revolta contra nada. Ela apenas definha e se esfacela.

Revoltas, por definição, são feitas por pessoas cujo padrão de vida melhorou, e que agora reivindicam a manutenção deste padrão. População empobrecida e esfaimada não se revolta. Ela apenas definha.

A lógica, aliás, é idêntica à das revoluções. Apenas estude história e veja que todas as revoluções ocorridas na história do mundo -- todas!, sem exceção (e no sentido de tomada de poder) -- ocorreram em países que estavam enriquecendo, e não em países que estavam empobrecendo.

Revolução Francesa, Revolução Russa, Revolução Chinesa, Revolução Coreana, Revolução Cubana, as revoluções no sudeste asiático, e até mesmo as recentes "revoluções" na Bolívia e na Venezuela ocorreram em sociedade que estavam enriquecendo.

E o motivo é simples e já explicado. Sociedades que estão empobrecendo não fazem revolução; pessoas que estão empobrecendo não têm dinheiro nem recursos para financiar uma revolução (que é algo caro e exige muita logística); uma sociedade que está empobrecendo apenas definha. Ela não tem forças pra fazer uma revolução e tomar o poder. Vá ver se há revoluções populares na África Subsaariana ou na Coréia do Norte.


As condições de vida hoje são melhores que as de 20 anos atrás. Por que sindicatos ainda fazem greves? Por que as pessoas ainda protestam? Aliás, por que houve passeatas e pedidos de impeachment? Será que a vida piorou tanto durante os governos do PT, que a população foi para a rua reivindicar um padrão de vida de 20 anos atrás?

Com efeito, as condições de vida hoje são muito melhores que as de 50 anos atrás. Pela sua lógica, ninguém poderia mais reclamar de nada. Como você explica isso? Será que o padrão de vida hoje é pior que o de 50 anos atrás?


Algumas dúvidas que sempre surgem quando falam em agências judiciárias e de segurança privadas:

Como elas fariam cumprir as leis?

Que legitimidade elas teriam para impingir o cumprimento de contratos?

Se uma empresa descumpre um contrato, como tais agências forçariam o seu cumprimento ou penalizariam a infração?

Se o infrator simplesmente dissesse: "Não aceito sua decisão, nem considero legítimo o poder de penalização atribuído a vocês. Logo, não acatarei suas ordens e nem que me sentenciem uma pena"

No caso de crimes, como elas fariam para que os criminosos cumprissem penas, já que necessitariam de coerção para tal? Aqui cabe a mesma resposta dada pelo empresário descumpridor de contratos logo acima.

Agradeço se puderem sanar minhas dúvidas.


Sugiro que você assista aquele filme "O Cheiro do Ralo".

obviousmag.org/cinema_pensante/2015/10/nina-o-cheiro-do-ralo-ou-o-cheiro-do-poder.html



Falando sobre a pesquisa encomendada pelo PT, feita pela Fundação Perseu Abramo, li uma passagem que corrobora ainda mais com esse texto.

Além da pesquisa ter dado "tela azul" na esquerda, tiveram várias constatações interessantes, sendo uma delas bastante apropriada para esse texto:

"No entanto, o posicionamento crítico em relação à ligação de Política e Religião se dá menos por um princípio de 'laicidade' do Estado, mas mais pelo medo de que a política "suje/contamine" os espaços religiosos: tratam com desconfiança quem se envolve com a política, como se fosse impossível estar nesse campo sem se render e participar da corrupção."

Perfeito kkkkkk

Detalhe que existem outras diversas passagens excelentes, para deixar qualquer esquerdista bugado.


"Isso acontece inclusive no mundo empresarial"

Diz aí: como é que o dono da padaria aqui ao lado da minha casa -- padaria esta que eu nem frequento -- consegue "meu aplauso ao mesmo tempo em que me espolia"?

Aliás, como é que ela me espolia?

Mais ainda: como é que qualquer comércio -- que opera em regime de livre concorrência e o qual eu voluntariamente decido se uso ou não -- me espolia?

Políticos eu não tenho a opção não usar seus serviços. Eu sou obrigado a usar. Pior: sou obrigado a pagar por eles.

Taí a definição perfeita de espoliação. A diferença é que eu não os aplaudo.

Logo, quero saber qual empreendedor me obriga a usar seus serviços, me espolia e eu ainda aplaudo.

Nem irei comentar sobre família, pois você claramente deve ter problemas na sua. Tem minha comiseração.


"Se as normas são fruto das relações humanas, é preciso que exista algo que garanta o cumprimento das normas."

Óbvio.

"Se x faz um contrato com y e não existe nada regulando esse contrato, nada garante que x ou y irão cumprir suas partes no contrato."

Óbvio.

"Isso é algo básico e elementar que nada tem a ver com socialismo."

Óbvio. E é justamente por ser algo tão básico e elementar, que os libertários são os mais fervorosos defensores do "cumprimento dos contratos".

Tão radicais somos na defesa do cumprimento dos contratos, que defendemos que o sistema judiciário -- o responsável por isso -- opera em regime de livre concorrência, e não em regime de monopólio estatal.

Nenhuma corrente filosófica é mais intransigente em sua defesa de haver agências responsáveis por impingir contratos do que os libertários.

Só que libertários defendem que tais agências operem em regime de livre concorrência, sendo elas escolhidas voluntariamente por ambas as partes na assinatura do contrato.

Já você, ao que tudo indica, defende que haja uma agência estatal e monopolista encarregada de fazer isso, a qual não tem como ser punida em caso de falhas e erros, e cujos salários de seus integrantes são definidos por eles próprios e extorquidos do povo.

Diga-me: se o judiciário erra, falha ou não impinge um contrato, qual a punição ministrada a seus membros? Eles perdem o emprego? Eles sofrem redução salarial (salário esse extorquido do povo)? Eles sofrem alguma punição?

Quem seria o ignaro que defenderia um arranjo destes?

Desculpe a sinceridade, mas quem realmente está "completamente perdido aqui", e tem uma capacidade "risível" de interpretação de texto, é você.

Tente melhor na próxima.


Prezado autor,

Como seu raciocínio é fraco e seu texto não possui a mínima base de respaldo para o que você diz. Se as normas são fruto das relações humanas (como você diz), é preciso que exista algo que garanta o cumprimento das normas. Se x faz um contrato com y e não existe nada regulando esse contrato, nada garante que x ou y irão cumprir suas partes no contrato. Isso é algo básico e elementar que nada tem a ver com socialismo. Isso pode ser verificado em Hobbes, Locke e Rousseau (só para citar alguns autores), que não são de maneira alguma socialistas...
Vocês do Instituto Mises infelizmente ainda estão perdidos em uma relação dualista da economia: capitalismo ou socialismo, o que é plenamente risível.
Até.


Não sei qual foi a novidade. Pobre tem fortes tendências reacionárias. Posso falar por categoria, pois também sou pobre.
Graças a meus estudos e a diversos sites, como este, evoluí um pouco meu pensamento político. Hoje sou libertário.
Mas, basta conversar com nosso avós, pais e mães que não tiveram nada na infância. Pelo menos na maioria dos casos que conheço, sempre nos incentivaram a estudar, trabalhar, conseguir ascensão na vida com as próprias pernas e não depender de ninguém. Sempre pensei no meu bisavô e avó. Meu bisavô morreu com 97 anos, nascido em 1906. Era negro, deve ter vivido uma época péssima, porém nunca falou nada a respeito. Se hoje tenho um teto é graças a ele.
O curioso é que, quem mais tem essa tendência ao socialismo são as pessoas que nasceram em famílias abastadas e não tem muita preocupação com o futuro, visto que o mesmo, em teoria, estaria garantido pelas heranças.
Conforme muitos já comentaram, o morador da periferia tem mais com o que se preocupar do que ideologia de gênero, apropriação cultural, seiláoquefobia, etc. O povo quer uma vida digna. O povo não quer pagar impostos. O povo quer emprego, quer moradia.
Esses chavões e assuntos batidos fica pra turminha que não precisa trabalhar e está mais interessada em fazer textões no Facebook.


"A POLÍTICA É A ARTE DA LADROAGEM."



MELHOR DEFINIÇÃO, IMPOSSÍVEL!!


"Na Republica é assim"...
-Mas sempre assim terá de ser?
Mas se assim terá sempre de ser,de nada adianta estar falando e constatando.Acredito que até já deve ter sido pior!Se já foi pior,então alguma coisinha melhorou,e se aplicarmos o "PERCEBER,RACIOCINAR/PENSAR E AGIR" alguma coisinha haveremos de melhorar, e esta deverá ser a nossa contribuição,mesmo modesta e singela.
Desde o tempo das cavernas, convenhamos,melhorou muito, e muito há por melhorar,teremos que fazer a nossa parte,falar,se conscientizar é a primeira parte. SEMPRE obterá melhor resultado o mais capaz,melhor dotado intelectualmente,com maior conhecimento adquirido, empenho e esforço.IGUALDADE só poderá haver se tudo for
É a hora,a oportunidade do "PERCEBER,RACIOCINAR/PENSAR,AGIR",um momento que requer alterar o curso,momento de esgotamento de uma etapa.Não se trata apenas de melhorar, o MODUS OPERANDI,o atual modo de viver ,não é mais viável,e não percebo que "numa boa",os "MALFEITORES" como Dilma gosta de chamar a bandidagem bolivariana vai esmorecer,vai virar "coisa boa",traficantes,assaltantes ...virarão congregados marianos.
Ao longo da história nestas circunstâncias sempre houve um FREIO DE ARRUMAÇÃO. Lembra o livro das mutações " I ", dos chineses, "APÓS A GRANDE ESCULHAMBAÇÃO,OCORRE SEMPRE UMA GRANDE ARRUMAÇÂO",que é o que deve acontecer.

Todos os que forem capazes disso,se manifestem com proposições ,ação , ou os ruins,o fazem e acontece o que aconteceu na Venezuela, não foram votar, "NÃO JOGARAM",foram OMISSOS, e agora pagam muito caro o erro estratégico de esmorecer,não jogar.

NOSSAS ARENAS(poderiam ser milhares de escolas e professores e dispositivos de informatica atualizados)DEVEM SER UMA ETERNA LEMBRANÇA,DEVEM SER UM MODELO A TODA A TERRA ;SÃO MONUMENTOS E MAQUINAS DE ALIENAÇÃO DE UM POVO MUITO IGNORANTE,e DESTINADOS A MANTE-LO EM ESTADO DE ETERNA IGNORÂNCIA.

AO INVÉS DE MELHORAR O NIVEL DOS TIMES, QUE TAL MELHORAR O NIVEL DAS TORCIDAS?



Olá! Me desculpe mesmo pelo OFF-Topic, mas eu gostaria de um comentário inteligente de um austríaco sobre essa questão aqui:
Jefferson e a América Latina[editar | editar código-fonte]
Em 1786, na França, alguns estudantes brasileiros (inconfidentes) chegaram a tratar com Jefferson a respeito da possibilidade da independência política do Brasil. [14]

Em outra ocasião, ele chegou a expressar que estava perfeitamente seguro de que os países da América Latina acabariam por repelir o jugo da Espanha e de Portugal, mas era decididamente cético quanto à sua capacidade de se auto-governarem.[15]

Jefferson compartilhava do tradicional pensamento protestante, de que os católicos são "papistas", que não agem com liberdade de consciência, mas sempre em obediência ao Papa. Com isso, não poderiam aceitar com sinceridade as liberdades comuns e as obrigações correlativas e que, ao contrário, tanto a Igreja Católica quanto seus fiéis poderiam nutrir secretamente o pensamento de trabalhar pelo aniquilamento de uma constituição democrática, o que poderia ser colocado em prática no momento em que tivessem oportunidade para isso.[16][17]

Por isso, Jefferson temia que o seu futuro fosse constituído de uma sucessão de despotismos militares, durante longo tempo. Para ele, a América Latina não tinha a tradição anglo-saxônica de liberdades, nem mesmo a concorrência de denominações religiosas que impediram o estabelecimento por parte do Estado de alguma Igreja, e que, portanto, trabalhou em prol da liberdade religiosa, e, consequentemente, em nome da democracia.[18] Conforme ele, a "diferença de opinião é vantajosa em religião. Os diversos segmentos desempenham a função de um Censor morum ("censor de costumes") um sobre os outros" ("difference of opinion is advantageous in religion. The several sects perform the office of a Censor morum over each other").[19]

Com o passar dos anos, Jefferson demonstrou estar correto em suas opiniões. A América Latina passou e ainda passa por uma série de despotismos, tendo uma democracia frágil, e muitos intelectuais católicos importantes declararam ao longo da história, em especial no Brasil, que a Igreja tinha o dever de trabalhar contra a República.[20]

Influências[editar | editar código-fonte]

Obs: Fiz uma pergunta no Yahoo a respeito, mas não sei se vou encontrar respostas coerentes. Aqui vai o Link dela para quem quiser dar uma olhada https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20170415031111AAxEtfz.



Jonas, ele deixou bem claro:

"Na minha opinião, o aborto deve ser ilegal e proibido em qualquer fase. Aborto e Infanticídio são os maiores crimes que podem se cometer contra um ser humano inocente."

* * *


"A arte da política está em conseguir aplausos dos favorecidos e apoio dos espoliados"

Isso acontece inclusive no mundo empresarial

acontece em qualquer lugar, até na sua família, desde o micro ao macro.

realidade que os libertários negam.


Não há o que discutir a respeito dos benefícios econômicos e sociais para um país quando se tem um Estado mínimo.

Concordo com os comentários de Alexandre Cassimiro Andreani, onde faz analogia com um sistema informacional computadorizado: "um reboot é necessário em algum momento"


O problema, ao meu ver, está no ímpeto do homem pelo poder de governar em prol de si e de grupos econômicos.


"O maior problema do homem é ele mesmo"


E se fizéssemos um pacto para não votar em PT PSDB e PMDB em 2018 ? Sei lá... liberais votariam em outros partidos liberais ....a esquerda em outros de esquerda....mas não nesses 3 .....será que ajudaria pelo menos para 2018 que está muito perto ?


Não. É só falácia. Quem diz isso tem como referência a Rússia do inicio do século XX que saiu de duas guerras seguidas (uma civil e uma mundial). Qual país do mundo sai de guerra sem ter o povo passando fome?

Mais: repare nestas fotos a cores tiradas daquela época: Além das crianças e dos adultos estarem corados, e os diferentes povos estarem em harmonia, o Império Russo antes do comunismo tinha algo que os soviéticos NUNCA TIVERAM: Liberdade para empreender e produzir, e COMIDA.

spotniks.com/29-fotos-inacreditaveis-da-russia-antes-da-revolucao-socialista/

Nos cinqüenta anos que antecederam a revolução comunista, a economia russa foi a que mais cresceu na Europa, deixando longe a Inglaterra e a Alemanha que então pareciam ser as encarnações mesmas do progresso e das luzes, e só encontrando rival do outro lado do oceano, nos Estados Unidos da América. Se o regime czarista não tivesse sido destruído pela I Guerra Mundial e pela subseqüente ascensão dos comunistas, o simples crescimento vegetativo da economia teria acabado por dar aos russos, por volta de 1940, um padrão de vida comparável ao dos americanos.

Em contraste com isso, na União Soviética dos anos 80 o cidadão médio consumia menos carne do que um súdito pobre do tzar um século antes e tinha menos acesso a automóveis, assistência médica e serviços públicos em geral do que os negros sul-africanos vivendo sob o regime humilhante do apartheid. Nada está na realidade política de um país que não esteja primeiro na sua literatura.



Leandro,

Um dos maiores argumentos a favor do socialismo foi que a condição de vida dos soviéticos, ainda que ruim, melhorou após o fim do Império Russo quando se formou a URSS. Dizem que o Império Russo vivia sobre uma espécie de feudalismo e escravismo total, e que a URSS ainda que com seus problemas melhorou o padrão de vida no geral.

Essa "desculpa" me soa bem parecida com a forma com que os cubanos veem o período anterior ao golpe de estado, onde realmente sabemos que a condição apenas piorou. Existe algo de verdadeiro nisso? houve alguma melhoria de padrão de vida, mesmo no período da NEP e do governo provisório ou é só mais uma falácia?



Entregamos ao Estado o monopólio do uso da força. Isto é muito sério. Fazemos isto para ter proteção contra a violência, para ter justiça, e para a defesa de agressões externas. Em resumo: a defesa do direito individual é a essência que dá legitimidade e justifica a existência do Estado. Na medida que faz outras coisas (intervenção na economia, etc), vai perdendo legitimidade. Perfeitamente ilustrado no artigo.


GOVERNO E CORRUPÇÃO, UMA "REGRA DE TRÊS"

QUANTO MENOR O NIVEL DE EDUCAÇÃO,MAIOR A IGNORÂNCIA MAIOR A CORRUPÇÃO E POBREZA DE UM POVO.

As necessidades que originaram a "assuciação",ou formação do Estado, nos dizem que Estado é necessário,imprescindível,seu tamanho é discutivel, e a corrupção é intrínseca,inerente.Lembro:

"QUEM SEGUE NA TRILHA DOS HOMENS NÃO ENCONTRA PEGADA DE ANJO"

Nas estatisticas que li quanto MAIOR o nivel de educação de um povo,MENOR o indice de corrupção do seu governo.Idem honestidade maior o PIB ,maior a riqueza,portanto UM PROBLEMA DE" SOFTWARE HUMANO"!
Não temos grandes problemas quanto a HARDWARE HUMANO,mas quanto ao SOFT
Se uma coisa é consequencia de outra,ao invés de ficar fazendo terra arrasada ,acionar as "CARPIDEIRAS",é oportunidade de AGIR atacando causas,para diminuir,melhorar ,já que corrupção zero é quase impossível,que tal procurar nos credenciar para atingir indices menores, iguais aos países mais adiantados onde é MENOR A CORRUPÇÃO E MAIOR A EDUCAÇÃO?
A grande massa é analfabeta funcional,não tem como distinguir um estadista e compra como tal ,qualquer Silva,Melo,Quadros etc... bancado e se locupletando com os OBEBRECHT da vida,e assim continuaremos "ad infinitum",ou vamos encarar sério o assunto EDUCAÇÃO? O povo não tem "berço" como o europeu,p ex., que quando começa a ir a escola já tem uma base cultural e educacional,SOFT HUMANO anos luz a frente dos nossos que nos envergonham,cujos valores são de levar vantagem,BBB,GRANDES ARENAS,CARNAVAL...
Um repórter de tv,numa favela pergunta a um garoto que brincava em frente a um barraco,com uma bola de meia:
-Onde está teu pai?
-"Tá trabaiando,tá assartando" lá perto da padaria.
NÃO HÁ REFERÊNCIAS DE PROCEDIMENTOS ACEITÁVEIS E NÃO, a coisa é pior do que se pensa.
Se esse garoto for bom de conversa,vira vereador" A LA LULA" ,o que acham que ele vai fazer?
Começa por aí, não tem como ,de um dia para outro,RESETAR,FORMATAR E REINSTALAR UM SOFT nas crianças,pelo menos por enquanto;estão testando interfaces BIO-MAQUINA,talvez um dia.Até lá se quisermos ter um país melhor,teremos que construir as crianças com um SOFTWARE adequado e a moda antiga,que leva tempo.
EDUCAÇÃO,INVESTIR NISSO,AO INVÈS DE GRANDES ESTADIOS,ARENAS, SEITAS PARTIDARIAS,REDEFINIR VALORES.Desculpem apontar o ÓBVIO e ELEMENTAR, que estão esquecendo, e que sem isso ,SINE QUA NON,continuaremos a ser apenas o que somos ou pior.
Eleger um politico, um FUNCIONARIO PUBLICO, é CONTRATAR UM FUNCIONÁRIO como numa empresa, ele deve ter boas referencias de procedimentos pessoais,competencia para o que se propõe,e
CONTRATAR ( OU VOTAR,ELEGER,ESCOLHER)REQUER COMPETÊNCIA para tal,conhecimento profissional;pergunto: um analfabeto, ou milhões de analfabetos funcionais,que competencia tem para contratar os mandatários e diretores de um país?
Perguntem ao presidente da GERDAU se daria certo uma eleição da presidencia e diretoria por " voto direto e democratico" . Agora porque daria certo para um país, uma organização muito mais complexa que uma empresa? É loucura, loucura ,no mundo inteiro a esculhambação aumentou na razão direta do voto direto e de candidatos sem qualquer qualificação.
O quanto antes iniciarmos, projetos neste sentido,mais cedo teremos melhores indices;se os corruptos e os LULAS DA SILVA e os Odebrecht da vida que se locupletam com a ignorância do povo deixarem.



Uma pergunta básica: se as condições melhoraram tanto por que nos próximos anos pós revolução industrial inúmeras revoltas e greves aconteceram e foram violentamente abafadas pelo poder estatal? Estas greves e mortes estão documentadas também. Desculpe a ignorância. Conheço pouco de Mises. Obrigado


Exato, estive em Israel , e o guia turístico, um judeu secular, disse que os judeus não são mais inteligentes do que os outros povos, só são mais dedicados e disciplinados na média do que os demais.


Sem falar que fica lambendo botas de ditador psicopata e assassino de milhões