clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Jonas, dado que o BNDES foi criado por lei ordinária, somente lei ordinária ou lei de hierarquia superior podem revogá-la. Noutros termos: Depende-se de quórum simples do Congresso Nacional, pelo menos, para a votação da revogação da lei que o criou. Mas a revogação da lei não é uma questão importante, porque, muito antes disto, seria necessário haver inúmeras outras leis para se discutir o destino do patrimônio do BNDES e como se daria suas relações com credores e devedores em relação aos contratos cujos términos dar-se-ão daqui a décadas (ou mesmo eventual rescsião antecipada deles). O mais importante e urgente, em meu ver, é o BNDES desinchar por completo seu intervencionismo, ao ponto de, posto que seus juros de empréstimo serão equivalentes ao do mercando bancário privado, já não haverá privilégios - e portanto nem tampouco razão - de empresários valerem-se de seus futuros serviços.


não é nao .E o homem de ferro e o flash ,eles são legais e são vermelhos kkk



Sob Lula e Dilma, o BNDES e a Caixa Econômica Federal deram dezenas de bilhões de reais, para figuras como Eike Batista, José Carlos Bunlai e os "irmãos metralhas" da JBS. Na verdade, o verdadeiro problema não está em Lula ter mandado darem dezenas de bilhões de reais, para figuras como Eike Batista, José Carlos Bunlai e os "irmãos metralhas" da JBS. O verdadeiro problema está, em existirem bancos públicos tais como BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Enquanto existirem bancos públicos, não faltarão corruptores, para meterem a mão, no dinheiro deles. Há no Brasil cinco bancos públicos: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES, BNB e BASA. Privatizem todos os bancos públicos! Todo o resto é só escândalo e conversa fiada.

O verdadeiro problema do Brasil não é Temer. Como também não era Dilma, não era Lula, nem FHC, nem Collor, nem Sarney, nem Jango ou Jânio. O verdadeiro problema do Brasil é, o patrimonialismo. A eterna mania nossa de confundir patrimônio público, com patrimônio privado. Afora isto, estamos sempre apostando em fracassos e vergonhas. Em 1888, nós fomos o último país das Américas a acabar com a escravidão e seguimos hoje, tendo coisas abjetas, tais como o monopólio estatal do petróleo e o imposto sindical.
O petróleo é dos árabes. E a Petrobrás é da CUT. Dei-me um país, que tenha monopólio estatal do petróleo e, eu lhe darei um país pobre e uma cleptocracia.
Qual deveria ser o hino do PT? Aquela música que diz: "Onde está o dinheiro? O gato comeu, o gato comeu. E ninguém viu. O gato fugiu, o gato fugiu. O seu paradeiro está no estrangeiro."
Quem quiser, que veja a música completa neste site: https://www.youtube.com/watch?v=92rr8EcDc90


Essa tese é sensacional. O estado é grande porque o povo é pobre. Quando o povo enriquecer, aí sim o estado encolherá.

O problema é que não há um mísero exemplo prático que a confirme. Todas as sociedades primeiro enriqueceram, e depois, só depois, aumentaram seu estado.

Isso me lembra daquela outra tirada. "O Brasil é um país pobre. Não devemos imitar leis trabalhistas de países desenvolvidos", disse o cara que quer imitar leis trabalhistas de países pobres para ver o país enriquecer.

Esse é o ideal de progresso na terra do contrário.


É por isso que eu gosto do MisesBR, explicando a história e sempre publicando fatos atuais. Eu não fazia ideia do que esta TLP se tratava até ler este artigo.


Porque com uma população carente e ignorante e sem chances de vencer na vida o Estado é necessário para corrigir as distorções da sociedade. Assim que a população tiver uma educação para que possam ser competitivos e produtivos o Estado vai diminuindo de tamanho. É simples, não sei pra que tanta teoria para explicar o óbvio. Hoje no Brasil precisamos de muito Estado ainda.


Num sistema diferente do nosso não existiriam JBS E ODEBRECHT! Uma vez que, elas foram frutos de "empréstimos" estatais e cresceram atreladas ao governo, num sistema de corporativismo, capitalismo de estado!

No mais, o artigo ficou obscuro, não falou quem poderia pleitear as vagas, se todos seriam obrigados a participar, se sorteio valeria pro executivo e legislativo... E, caso alguém recusasse, seria obrigado a participar através da coerção?



TODO LIBERTÁRIO DEVE CONTINUAR COM IDEIAS FIRMES E DEFENDÊ-LAS SEMPRE QUE POSSÍVEL, ATRAVÉS DO DEBATE INTELECTUAL, PRECISAMOS CONSCIENTIZAR PESSOAS. Multiplicar as ideias libertárias, a fim de, enriquecer o debate, que hoje está concentrado em direita e esquerda. Precisamos mostrar sempre que a menor minoria que existe é o indivíduo e expor a importância da propriedade privada na vidas das pessoas e o quão maligno pode ser um estado grande e controlador.

No fim das contas estamos falando é de liberdade, de oportunidade para prosperar e como as trocas voluntárias são importantes pra isso. Não podemos nos calar, nosso trabalho é árduo, quase missionário, mas pra isso precisamos ter argumentos sólidos, caso contrário não quebraremos os paradigmas, e continuaremos sendo motivo de chacota e/ou ódio, das extremas direita e esquerda!



Controvérsia? Onde?

(Aliás, os próprios cinco comentários dos leitores resolveram tudo).



Eike (na cadeia), Odebrecht (na cadeia), Oi (falida), BRF e JBS (carne estragada), LBR (quebrada), Marfrig (no vermelho) e Fibria (a única que se mantém). Tudo isso produto do BNDES com o nosso dinheiro de impostos.

Curiosamente, a esquerda defende o banco, que nada mais faz do que retirar dinheiro dos pobres e repassar a megaempresários poderosos ligados ao governo.


BNDES = dar dinheiro para grandes empresários amigos do governo e jogar a inflação nas costas dos pobres.

Até a Ambev pegou dinheiro nesse banco. Ambev mais Friboi e está criada a bolsa-churrasqueiros.


Empréstimos feitos para obras em outras nações fazem que a dívida do Brasil cresça, mas não afeta as contas dos países que receberam as obras. Estamos financiando outros governos. Mas é tudo pelo social.


Podem anotar aí: o melhor presidente da história do BNDES foi Maria Silvia Bastos Marques. Foi essa mulher quem fechou as torneiras e praticamente extinguiu o Bolsa-Empresário. Não foi à toa que correram com ela e colocaram em seu lugar o bobalhão do Paulo Rabello de Castro, que também é contra a TLP e tá doidinho pra voltar a abrir as comportas.


"Faria sentido manter o BNDES como canal de financiamento para start ups e inovação, mesmo que a juros de mercado?"

Se os juros seriam de mercado, por que utilizar o BNDES (que, mesmo em sua "melhor" forma, nada mais faz do que repassar dinheiro de impostos para alguns escolhidos)?

Até há um argumento plausível de que mesmo o mercado -- isto é, investidores e consumidores -- pode não se dar conta do potencial de uma determinada empresa, e, com isso, abortar seu crescimento. Sim, é isso pode ocorrer. É improvável, mas pode. Porém, qual seria exatamente o argumento a favor da tese de que um grupo de políticos e burocratas, utilizando dinheiro de impostos e sem arriscar nada que seja realmente deles, teria esta capacidade que faltou a milhões de investidores e consumidores?

"O que seria melhor para a economia, a total desregulamentação do sistema bancário ou o fim do sistema de reservas fracionárias, ou ambas não são coisas simultaneamente incompatíveis?"

A desregulamentação do sistema bancária seguido de, no mínimo e na mais branda das hipóteses, uma alteração no estatuto do Banco Central, proibindo as operações de mercado aberto e permitindo apenas a janela de redesconto para bancos mais insolúveis. E, ainda assim, a juros punitivos.

Isso, por si só, cuidaria da questão das reservas fracionárias, reduzindo-as ao mínimo.




Como sou um iconoclasta assumido, apoio com entusiasmo a destruição dos altares aos deuses populistas. Che seguiu a trilha de Moloque, haurindo o sangue de suas vítimas e se deleitando com o sofrimento alheio.


Quem criou o BNDES e sua máfia umbilicalmente ligada a ele? O ex-ditador Getúlio Vargas (1882 - 1954). O mesmo Vargas criador de tantas outras máfias, como a Petrobrás, por exemplo.

Como escreveu Paulo Francis: "Getúlio é um vampiro. Imortal, até que alguém lhe enfie uma faca, no coração."

Fora que o BNDES sempre foi uma das maiores fontes de caloteiros, como Eike Batista, irmãos Wesley e Joesley Batista, empreiteiras e José Carlos Bumlai, todos amigos (ou comparsas?) de Lula.


Faria sentido manter o BNDES como canal de financiamento para start ups e inovação, mesmo que a juros de mercado? E o que seria melhor para a economia, a total desregulamentação do sistema bancário ou o fim do sistema de reservas fracionárias, ou ambas não são coisas simultaneamente incompatíveis?



Se Serra tivesse ganhado a situação seria ainda pior, pois ele teria feito exatamente as mesmas cagadas da Dilma (ambos são da mesma escola de pensamento econômico), mas ninguém apoiaria a saída dele (pois a alternativa seria o PT). Estaríamos hoje sob um governo "Dilma com esteróides", com o dólar batendo os 6 reais e o IPCA ali perto dos 15%.


Do ponto de vista prático, pra fechar o BNDES seria necessária a aprovação do Congresso ou apenas dependeria de um canetaço do Executivo?



Bndes mais uma batata quente que o populista do Getúlio Vargas nos legou,enfim ditadores só deixam heranças malditas,enquanto o Mercado com todas as suas imperfeições(Seres humanos são imperfeitos e somos nós que formamos o Mercado)nos entrega o paraíso sem precisar prometê-lo...


Pelo visto se o Serra tivesse ganhado em 2010 da Dilma,a situação era a mesma porcaria que tá hoje!Esse vampiro dos infernos é a favor também da desvalorização cambial para ajudar a indústria e exportações!Ainda bem que ele sequer é cogitado para ser o nome dos tucanos em 2018.


Uma vez que as estátuas já estão lá, acredito que lá devem ficar; senão estaremos indo pelo mesmo caminhos dos muçulmanos que explodem templos de outras religiões por idolatria.
O que deve ser feito, acho eu (e posso estar errando nisso), é ter alguma forma de mostrar quem está representado e o que ele fez. Bem ou mal estas pessoas fizeram a roda da história girar. Para o lado errado, é claro.
O complicado vai ser algum professor falar aos seus alunos "estão vendo esta estáua? ela representa o ódio e o preconceito. Este homem matou centenas de pessoas e mantemos a peça ali para lembrar de não cometer o mesmo erro"


Melinda queria ser médica mas o MBL não quer deixar.

Melinda mora com sua mãe e seus 6 filhos na favela do Vidigal. Atualmente ela encontra-se divorciada, porém, seu Marido Wellingson que está preso, não tem condições de bancar uma pensão para as crianças. Melinda simplesmente está por sua própria sorte.Mas não pense que ela vai desistir. Mulher batalhadora, Melinda está estudando para o Vestibular; Ela quer ser médica, e quem sabe dar uma melhor condição de vida para seus filhos.

A vida não é fácil meu amigo.

Melinda acorda às 5 horas da manhã; toma um café ralo com pão duro e vai pegar 4 conduções para chegar no centro do Rio de Janeiro. Obviamente ela tem que passar rápido pelos morros, caso contrário, pode ser estuprada ou roubada.

A vida não é fácil meu amigo.

Quando chega de noite, mais ou menos às 9 horas da noite, Melida tem que dar um aconchego nas crianças, fazer comida, lavar a louça e dar um jeito na casa. Mais ou menos a meia noite, ela começa a estudar para o vestibular. Sim! Melinda mal sabe a diferença entre um adjetivo Explicativo e um adjetivo Restritivo. Mas mesmo assim, ela fica estudando até às três horas da manhã.

A vida não é fácil meu amigo.

Quando o assunto é Matemática então a situação piora e muito. Mas ela não deixa de sonhar, é tudo que sobrou; o resto é apenas um fetichismo do grande capital, que fica te vendendo uma ilusória felicidade paga com suor e sangue. Quer descobrir a armadilha estética do Capitalismo? Tente ser produtivo na sociedade. Todos empreendedores irão te olhar com olho torto; - Porque este maldito concorrente? Eles só te tratam bem porque você é consumidor, meu amigo.- Um eterno consumidor-

A vida não é fácil meu amigo.

Melida descobriu que a única solução é ser funcionário público e lutar contra o capitalismo. Mas não pense que os donos do Capital vão deixar isso passar barato; o Movimento dos playboys Livres estão planejando privatizar a USP e proibir Melinda de ser médica. Eles querem que Melinda se torne um eterno consumidor de Funk. Pois saiba que nós do socialismo e liberdade não vamos deixar. Melinda vai fazer medicina, sim!

Um desafio para o Neoliberal
Eu desafio o neoliberal a fazer a seguinte afirmação: "Eu não sou obrigado a pagar pela faculdade de Melinda! Se ela quiser fazer faculdade, que ela trabalhe e pague por conta própria."... Obviamente ninguém terá coragem de fazer está afirmação, pois sabemos que isso é desumano. Temos consciência social de que Melinda é pobre e temos a obrigação de pagar pela faculdade dela.

Capital Imoral é filósofo, escritor e já refutou Mises.


Nossa, q pequenino defeito eh esse de queimar centenas de adolescentes em pneus ne... certa vez roubei uma caneta do escritorio, afinal, quem n erra ne?


Leandro, poderia comentar a controvérsia desse artigo? https://conhecimentoeconomico.wordpress.com/2015/06/21/nova-zelandia-o-novissimo-paraiso-pintado-pelos-liberais-de-internet/


Justamente porque eles não prestam é que nós temos de questionar por que uma vez foram ídolos, como Lenin.

Há uma lição muito poderosa nisso.

Hoje, quando a Europe Oriental é o último porto seguro da civilização ocidental e resistência à nova camada internacional do Estado (primeiro eles adicionam a camada regional, depois a nacional e depois seus impostos estão de alguma forma financiando algum burocrata), é importante lembrar dos seus governantes estrangeiros.

Não há princípio ético algum, porém. Para mim é somente puro utilitarismo. A atitude libertária (e ética) é, como dito pelo Rangel acima, é simplesmente privatizar as estátuas e aquelas de maior valor ao público serão preservadas pelos próprios interessados.


Sou contra derrubar qualquer estátua. Deveriam, sim, colocar uma placa em frente a esta do "Che" com a lista das atrocidades do "Porco Assassino".


Sim, existem desigualdades imerecidas, como por exemplo, nascer cego, ou sem as pernas. Fato. No entanto, nascer em uma família pobre não é desigualdade imerecida e circunstancial. Quando alguém opta por ter um filho sem ter condições de sustentá-lo, é fruto da escolha individual e, portanto, implica responsabilidade. Não da sociedade e seus indivíduos, mas, sim, dos pais temerários. Os indivíduos que de forma alguma participaram dessa escolha não deveriam em nenhuma hipótese ser coercitivamente obrigados a aliviar as consequências da irresponsabilidade alheia, ou seja, não deveriam ser penalizados.


Essa eu não sabia, então a derrubada dessas estátuas seria tecnicamente um tiro no pé da esquerda que quis derrubá-la?

E é verdade, a agenda de restringir imigração é genuinamente esquerdista, como nesse trecho que eu tive a liberdade https://www.facebook.com/marcelofaria6/posts/10154282765437467:

Em 1907, o socialista e institucionalista John R. Commons escreveu em seu livro "Races and Immigrants in America" que a competição salarial "não tem respeito pelas raças superiores porque as raças com menos necessidades substituem as outras". Para Commons, os imigrantes (na época, africanos) eram "indolentes e instáveis" e, por isso, "não devem atuar no país de forma livre".
Em 1912, dois dos criadores do socialismo fabiano (também conhecido como "social-democracia"), Sidney e Beatrice Webb, diziam que "em relação a certas partes da população, o desemprego não é uma doença social, mas uma benção". E quem faria parte dessa "parte da população"? Os imigrantes, considerados por ambos como "parasitas desgraçados" que "não deveriam competir livremente com os assalariados sob risco de arruinar a sociedade".

Em 1913, outro socialista, Henry Rogers Seager, defendia que os trabalhadores locais precisavam de "proteção do governo" contra os "aqueles que não deveriam ser empregados" (os imigrantes) porque "reduziam os salários dos trabalhadores que mereciam mais".
Em 1917, mais um socialista, A. B. Wolfe, defendeu os benefícios de desempregar aqueles que são "um fardo para a sociedade", especialmente os imigrantes.
Em 1936, o quinto socialista nessa lista, Edward A. Ross, criador da teoria que a "imigração irá matar nossa raça", defendia que os trabalhadores "nativos" tinham "maior produtividade" e os imigrantes (na época, chineses) deveriam ganhar menos porque são "dispostos a isso por ser uma raça inferior".
Disso tudo, fica duas conclusões: se você apoia uma retórica anti-imigração, você está apoiando uma lógica socialista. E para impedir a imigração não é necessário um muro de 40 bilhões de dólares, basta defender o que todos esses socialistas acreditavam que fosse a "solução" para esse "mal" chamado imigração: um salário mínimo, de preferência suficientemente alto para deixar milhões de pessoas, especialmente imigrantes, desempregadas. De propósito.


Aqui no Brasil o Luis Carlos Prestes, juntamente com outros deputados comunistas, foi um dos apoiadores da emenda 3.165, que proibia "a entrada no país de imigrantes japoneses de qualquer idade e de qualquer procedência".



É irrefutável o argumento de que proibir alguém de clonar algo registrado seja equivalente à invasão de sua autopropriedade

Porém, também é irrefutável que não proteger o lucro de quem investe em pesquisa gera desincentivo à futuras pesquisas

Quem "protegeria" a propriedade intelectual nem vem ao caso. O fato é que só enxergo estagnação na ausência deste anjo



Sinceramente, achei o texto pobre trabalhando em cima de premissas falsas, como por exemplo equiparar o DISCURSO DE DISTRIBUIÇÃO DE RENDA a uma forçosa conta de dividir de toda a riqueza mundial pelo total de habitantes do planeta. Primeiro isso não é nem razoável se imaginar e, depois, quando se fala em desigualdade, pobreza e distribuição de renda se está criticando SIM sociedades onde convivem partes significativas da população (quando não a maioria) vivendo com quase nada de renda, enquanto poucos acumulam riquezas volumosas.

Raciocinar em cima de renda per capta deve ser relativizado, pois o fato desta ter aumentado ao longo dos anos não tem se traduzido em um enriquecimento mais distribuídos. Na minha cidade existe em média 1,2 carros por habitante, mas a maioria não tem carro!!!

Outra falácia é afirmar que quem defende distribuição de renda é contra o crescimento econômico!!! De onde tirou isso??? O que precisa compreender é que precisamos defender o DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (Crescimento econômico combinado com enriquecimento de todos e com sustentabilidade ambiental);

Raciocínios do tipo é melhor uma sociedade muito desigual com mais riqueza que sociedade mais igualitária, porém mais pobres...É no mínimo INFELIZ!!! QUE TAL SOCIEDADES RICAS E MAIS IGUALITÁRIAS???


Realmente, não vamos levar em conta que a África foi saqueada por séculos pelos colonizadores europeus, que como gafanhotos tiraram suas riquezas, suas terras, seus povos, e sua biodiversidade. Você está certinho fazendo esta comparação.




Quem já viveu sob o comunismo ou já era vivo quando Stalin, Mao, Castro, Pol-Pot e todos os outros "grandes líderes" estavam no poder não quer nem ouvir falar desta choldra. Na Polônia, na Geórgia, na Hungria, na Letônia, na Lituânia, na Moldávia e na Ucrânia já é proibido exibir o símbolo da foice e do martelo.

Vá à Polônia, República Tcheca, Bulgária, Ucrânia, Romênia, Lituânia, Estônia, China, Vietnã, Moçambique ou qualquer outro país que fez parte do mundo vermelho e pergunte ao cidadão médio de meia-idade o que ele achava do socialismo.

O problema é que é impossível passar adiante essa experiência para os mais jovens e esperar que eles ajam de acordo. Eles sempre parecem muito dispostos a tentar, "só mais uma vez", o socialismo para ver se "agora dá certo".

O mais recente caso é a Venezuela.


Ótima a iniciativa. Está na hora de contra-atacar. Aqui, a esquerda manda e desmanda em tudo. Mudam nome de escola, viaduto, ponte e estrada quando não gostam. Hora de fazer o mesmo com os ícones homicidas dela. Quem dera houvesse mais pessoas dispostas a lutar esta batalha, que certamente será longa e dolorosa.



Resolve mesmo, Rangel. Não tenho dúvidas.

A Esquerda curte mais gastar o dinheiro dos outros com homenagens, dado que esquerdistas estatisticamente gastam menos com aquilo que não lhes beneficiam diretamente, como caridade.

Mas não vai haver desestatização das estátuas. Não está nem em pauta entre os liberais argentinos que estão organizando o movimento. Mas seria excelente. Se os estudantes de Rosário gostam tanto do Che, que poupem um cigarro por dia e paguem a manutenção das estátuas eles mesmos.


Digitem no Google "escola" e "Che Guevara" e vocês descobrirão que há várias escolas no Brasil com o nome desse psicopata. Só na primeira página aparecem estas:

Escola - CIEP Doutor Ernesto Che Guevara - Rio de Janeiro - RJ

Escola Municipal Ernesto Che Guevara - Mesquita - RJ

Colegio Estadual Agricola Brigadas Che Guevara - Tocantins

ESCOLA CHE GUEVARA | Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ


Parei ali e não quis ir adiante.


Sou social democrata, reconheço todos os avanços da capitalismo e desprezo a figura e a história de Che Guevara. E acho deplorável sua glorificação póstuma em camisas descoladas (todas elas vestidas apenas por bacanas) e pôsteres.

Até mesmo a tolinha da Gisele já desfilou com biquini com estampa de Che. Imagine alguém fazendo o mesmo com estampa de Hitler?


Confesso que eu não sabia que as estátuas faziam parte do programa dos progressistas, Historiador Honesto.

Eu sabia somente que foram os progressistas quem fundaram o KKK e que o Partido Democrata somente "mudou de lado" para apoiar os negros quando eles ganharam direito ao voto. Em seguida, os programas sociais do Partido Democrata trabalharam arduamente para destruir a família afro-americana e hoje a distinção de renda entre as famílias brancas e as negras é maior do que antes dos direitos civis.

Excelente aula. Muito obrigado.


Discordo de você. E a questão principal -- e que a tudo resolve -- se chama propriedade privada.

Em primeiro lugar, a estátua deve ser desestatizada. Ou seja, nada mais de dinheiro público sendo utilizado para mantê-la.

Em segundo lugar, ela deve ser imediatamente removida do espaço público e levada para a propriedade privada de quem queira cuidar dela. Tal pessoa comprará essa estátua (ou seja, irá privatizá-la) e então a levará para sua propriedade privada.

E, aí sim, tudo estará resolvido.

Um cidadão pagador de impostos, cujo dinheiro lhe é extorquido para manter as ruas e o espaço público, tem o direito de não ver uma imagem repulsiva destas neste espaço público mantido por seu dinheiro. Mais ainda: não só o espaço público, como também a própria estátua foram construídos e são mantidos com o seu dinheiro coercivamente extorquido pelo estado.

Propriedade privada resolve tudo.




Data venia, eu discordo da eliminação das estátuas.

Elas são uma parte da história do país e um lembrete de quais ideias já o dominaram. As estátuas de Lenin na Europa Oriental enchem o povo de repulsa pelo comunismo e pelo imperialismo soviético, por exemplo. O olhar delas enchem de vergonha todo polonês, ucraniano e afins quem ao ir votar, decide conceder poderes a comunistas ou a estrangeiros quem por tantas décadas já dominaram seu país.

Se a Fundación Bases suceder em destruir se quer uma estátua do Guevara na Argentina, prevejo duas reações:

a) Os crentes da igreja do Guevara não se converterão com um ataque direto. Na verdade, verão que sua hegemonia está sendo questionada, entrarão em um estado de bater ou correr e é aí mesmo que a fé deles no Himmler latino ficará mais forte.

E o coração do culto é a mesma cidade onde fica a Fundación Bases. Se eles quiserem vingança, o alvo está bem na vizinhança. Imagine a Fundación Bases organizar uma palestra para educar pessoas sobre liberalismo e acabar cercada pelos crentes da Igreja do Guevara - que sendo a Argentina uma Argentina, são muitos. Não vejo como a Fundación terminará bem se ela lograr derrubar uma estátua.

b) Um debate sobre o legado de Che Guevara (o melhor resultado possível) ocorrerá. Os crentes não se converterão (se sua fé fosse racional, eles fariam uma simples pesquisa no Google sobre o herói deles e já seria o suficiente para reconversão); mas e o Argentino médio, ele tem salvação? Será que ele virá para o lado do bom senso se houver um debate justo sobre Che Guevara?

A Argentina é, perdão a terminologia, uma latrina intelectual. Os acadêmicos unanimemente ficariam ao lado do Guevara assim como no Brasil. Já a patética desculpa de uma oposição que são peronistas (os comunistas metidos a nacionalistas) já não odeiam o Guevara há décadas. Não vejo como haverá um debate justo com espaço garantido aos liberais para expressar seus argumentos. Perdão o deslize escorregadio, talvez seja só minha miopia, mas não consigo ver como o debate sobre o legado do Che não seria somente os poucos argentinos quem não são comunistas VS o resto da sociedade; ou seja, o status quo.

Mas e a galera que compartilhou e curtiu o evento da Fundación Bases no Facebook?

Não entendo de Facebook, mas as pessoas quem seguem uma determinada página não serão aquelas que lerão seu conteúdo primeiro? Ou seja, as pessoas que já seguem um instituto liberal não serão aquelas que comentarão, curtirão e compartilharão primeiro uma postagem do dito instituto liberal? E seus amigos e pessoas íntimas quem receberão o conteúdo compartilhado também não serão pessoas de viés liberal? Será mesmo esse grupo que aprovou o plano da Fundación Bases um grupo de amostra de fato representante da população argentina?

Se fizéssemos uma votação de comunismo vs status quo na página do Vermelho.org, não acabaríamos concluindo também que a população brasileira é 92% a favor de derrubar igrejas e tomar os meios de produção amanhã de manhã?


Kkkkkkk...

Pessoal, me respondam uma pergunta. Mises era utilitarista? Em ação humana ele se baseou no argumento utilitarista para usar o sistema de "incentivos" na economia?


E que teve como ícone da "causa" eugenista a abortista Margaret Sanger (parenthood), que deixou vários admiradores(as), dentre eles(as) a mais famosa de todas: Hillary Clinton.


A esquerda transforma os fatos em versões e com isso altera os registros históricos transformando-os em propaganda mentirosa e desinformação, para o delírio dos idiotas úteis e da grande mídia.
Assassinos tiranos como Che, Fidel, Mandela, Lenin, Stalin, Mao Tse, Kim, entre outros, passam a ser tidos como santos "defensores da liberdade" contra os "opressores capitalistas fascistas nazistas" tais como Pinochet, Mussolini, Hitler e agora Trump.
Comunismo = Fascismo = Nazismo = Socialismo = Governos totalitários.


Olá,

Para os interessados em Mercado Financeiro, indico o filme OUTSIDER, que conta a história real do trader que quase quebrou o banco Societe Generale no auge da Crise Financeira em 2008.
Sucesso absoluto na Europa, agora chegou ao Brasil no iTunes, NET Now, Vivo Play e Looke.com.br

Trailer legendado no YouTube:
https://www.youtube.com/watch?v=cbHYALynMyk&t=16s


Abs


Acrescento que o Robert Lee, ao contrário do que a mídia divulga, sempre foi um abolicionista. Ele descrevia a escravidão como um "mal moral e político".

E o Sul tinha um plano de abolição gradual da escravidão. Pesquisem sobre "Kenner mission".
Ademais, o Sul tb tinha um plano de emancipar e armar os escravos para guerra. O problema é que o projeto só foi arovada um mês antes de acabar a guerra.
Se a independência do Sul fosse reconhecida, a escravidão seria gradualmente abolida (podia até demorar um pouquinho mais, mas seria abolida).


Eu concordo com tudo o que você falou, mas a questão das estátuas dos confederados é mais complexa, e por um motivo simples: os motivos da construção daquelas estátuas.

Elas não foram erigidas para honrar os confederados que morreram na guerra. Ela foram erguidas apenas na década de 1920 (muito depois da Guerra Civil) e com um intuito muito claro: reverter a liberalização das interações raciais que havia ocorrido entre 1880 e 1900.

A partir de 1880, os negros foram ganhando mais liberdades civis. E isso foi progredindo até o início do século XX. Mas aí, na década de 1920, o movimento progressista (veja a ironia) passou a reverter esse avanço e começou a abertamente defender e adotar políticas explicitamente eugênicas (há um artigo inteiro sobre isso aqui. Ver também Thomas Sowell sobre isso).

Leis abertamente eugênicas como supremacia branca, exclusão forçada, segregação estatal, e zoneamento foram implantadas pela -- veja que ironia -- elite progressista da época, inteiramente capitaneada pelo Partido Democrata (a Ku Klux Klan nada mais era que um braço mais radical do Partido Democrata). Essa elite estava infectada por uma pseudo-ciência e pelo temor da alteração demográfica (de novo, leia os dois artigos linkados no parágrafo acima).

Portanto, a construção dessas estátuas na década de 1920 foi uma maneira de esta elite progressista mandar um recado aos negros: a liberalização das interações raciais que havia ocorrido entre 1880 e 1900 estava acabada. A construção das estátuas não foi para honrar a história, mas sim uma maneira de intimidar e de mostrar que o estado estava aumentando seu controle sobre a liberdade de associação.

Falando mais especificamente sobre a estátua de Rober Lee em Charlottesville, ela foi erguida no mesmo ano em que leis de restrição à imigração foram adotadas (por motivos explicitamente eugênicos), as leis Jim Crow estavam enrigecendo, e todo um grupo racial se viu sob uma aberta tentativa de extermínio.

E o detalhe é que o próprio Lee não teria apoiado esta causa (progressista) para a qual foi usado.



Mas Dom Pedro I e Tiradentes nada têm a ver com Che. Aliás, são o exato oposto. Deodoro, embora uma merda, é inócuo em relação ao argentino. Getúlio Vargas, de fato, tá quase lá no mesmo nível (afinal, além das cagadas econômicos, ele enviou jovens brasileiros para morrer na Segunda Guerra). Já Lula, bem, não vou comentar para não ferir a decência.


Que mal fez Robert E. Lee, falando nisso?

Mas a guerra civil foi por causa da escravidão...

Acabar com a escravidão no Sul só veio como medida punitiva em Setembro de 1862 depois da Batalha de Antietam. A guerra (que não era para libertar escravos) começou em Abril de 1861. Basicamente, se a guerra tivesse acabado antes da Batalha de Antietam, não teria havido libertação dos escravos porque nunca foi o motivo pelo qual houve a guerra civil.

O direito que estava verdadeiramente em jogo não era o direito dos 2% dos sulistas que tinham escravos, mas sim o direito de secessão dos estados; o direito que a Constituição Americana jamais negou, que Jefferson entendia que existia e o mesmíssimo direito pelo qual os americanos lutaram em 1776. E advinha: a guerra civil não só impediu o direito de secessão como introduziu o """provisório""" imposto de renda que está aí até hoje e abriu o caminho para a expansão do governo americano ao gigante internacional que ele é hoje.

E Robert E. Lee com isso?

Ele recebeu a oferta de liderar as forças da União e se negou porque o estado dele, a Virgínia (o mesmíssimo estado onde ficava a estátua de Charlottesville), queria a secessão e a fidelidade dele era com a Virgínia muito mais do que o abstrato "Estados Unidos da América".

E hoje o estado da Virgínia quer destruir a estátua de quem lutou por ele em prol do governo federal. Ou seja, a identidade regional está morta e o antes próximo governo da Virgínia agora está escondido em Washington, onde a população local tem menos influência.

E Abraham Lincoln ganhou um memorial por tudo isso. Prova de os vencedores escrevem a história. 40 mil negros morreram na Guerra Civil.


Aqui no Brasil nós temos os nossos "heróis" fajutos também:

Dom Pedro I, Deodoro da Fonseca, Tiradentes, Getúlio Vargas, 9 dedos, etc...

Sei que me esqueci de muitos...



Ok Edson!Desculpe-me o equivoco,mas sabe como é,temos que rebater os esquerdistas o tempo todo,afinal esta doutrina maldita anticapitalista deve ser combatida sem tréguas e sem fanatismos,pois fanáticos são os esquerdistas,um bando de parasitas que só sabem discursar e na prática não fazem nada de produtivo.



Leandro, uma pergunta que sempre me intrigou, de onde vem o dinheiro das operadoras de cartão de crédito? Tipo, qnd vc compra alguma coisa com cartão de crédito, esta paga ao vendedor e vc paga ela. Mas qual a origem do dinhero dela?


O artigo é sensacional, não fala nada além da verdade... inacreditável que um cara desses tenha me feito tamanha barbaridade.

Creio que o texto não deveria ter sido apagado, mesmo porque vcs mantiveram ele no site da mesma forma, realmente não deu pra entender. Entretanto, agradeço por não terem excluído, já que ele é muito bom rs


eu creio que vao apelar para o periodo da decada passada onde o lula surfou nas commodities e no crescimento da china, vao falar, naquela epoca br comprava carro (financiado) , geladeira, sofa etc



Eu te recomendaria: "The Structure of Liberty", Randy Barnett

e "Justice Without State", Bruce Benson



Aff, então a má qualidade dos cabos da Apple agora é culpa do Greenpeace ?
Era só o que me faltava!

A Apple é uma empresa que se destaca principalmente pela inovação
e inserção de novas tecnologias.
Se for esse o caso isso só mostra a incompetência da Apple de criar
uma nova tecnologia que substitua o PVC.




Professor André Luiz Santa Cruz Ramos, tiro meu chapéu para o senhor. Nunca vi o assunto abordado de maneira tão clara. Parabéns. É uma pena que para a maioria das pessoas, argumentos lógicos de nada servem, elas insistem em ficarem reclusas em suas ignorâncias.


Isso é um problema causado pelo excesso de diversidade. Tão louvada aqui no Brasil.

Em uma sociedade racialmente e culturalmente menos diversificada, movimentos como estes não teriam muito espaço.

Um país muito diversificado só pode funcionar se o estado sumir, caso contrário, nunca será possível atender a tantos interesses e agendas diferentes. Daí essa merda toda.

Mas por outro lado, para o estado, todo aquele conflito foi uma bênção.


A mesma coisa para o destino da garrafa PET, que ao invés de ser triturada e utilizada na fabricação de outros produtos, acaba virando artesanato e outras bobagens, que em pouco tempo vão para o lixo do mesmo modo.


Não está sendo feita da maneira correta. Logo, dá pra esperar de tudo.

Eis a maneira certa:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2457


Privatização da Eletrobrás: o que esperar?

A conta vai aumentar (existe algum subsidio? de forma que quando for privatizada vai voltar ao preço normal de mercado, algo assim?) ou vai diminuir?

Alguém tem alguma teoria?


Velha lorota de culpar os outros pelo seus próprios fracassos,querido se o socialismo fosse bom não teria imperialismo norte-americano e nem elite golpista para atrapalhar e ao invés disso o fracasso do socialismo se explica pelo fato do livre-mercado não ser aplicado pelos respectivos países socialistas,pois até onde eu sei a União Soviética tinha assento permanente no conselho de segurança da ONU,conselho este que aprova as sanções econômicas que hoje a Coréia do Norte vem sofrendo,portanto essa falácia de conspiração contra o socialismo/comunismo é conversa para boi dormir e outro exemplo magnífico para acabar com esta falácia é o bloqueio continental imposto por Napoleão Bonaparte contra a Inglaterra no século xlx e até aonde eu sei os ingleses derrotaram Napoleão e o comércio com o restante da Europa foi reaberto,enfim aceita que dói menos,pois burocratas e membros do Partido comunista são parasitas e ficar dependendo da benevolência deles para ter seu pão a mesa é pedir para virar mendigo e termino com a célebre frase de Adam Smith

"Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro e do padeiro que esperamos o nosso jantar, mas da consideração que ele têm pelos próprios interesses. Apelamos não à humanidade, mas ao amor-próprio, e nunca falamos de nossas necessidades, mas das vantagens que eles podem obter."

Seu comunista de IPhone aprenda com os sábios e deixe seu professor de cursinho ou seja lá quem for seu orientador que só sabe repetir slogans boçais de partido políticos esquerdistas,portanto acorde para a realidade,viva o livre-mercado...



Não há bases legislativas para o Brasil sair desta crise total, qualquer mínima tentativa de implantar medidas sensatas esbarrará em alguma doutrina dirigista obtusa do direito tupiniquim, seja ela privatização, reformar genuinamente a previdência, demitir funças, desregulamentação em geral, cortar verbas para professores fracassados ensinarem crianças pobres a serem tão fracassadas quanto eles, fechar hospitais que parecem açougues e Unidades de Péssimo Atendimento com menos recursos que uma simples clínica veterinária, liberar a rodo licenças ambientais para construções e explorações minerais e outros acintes liberais.

Brasil vive o mais genuíno colapso jurídico.


Nem na teoria o socialismo é lindo. Quem lê Marx sem ser previamente socialista observa um monte de atrocidades a serem praticadas, como trabalho obrigatório (leia-se escravo) até uma ditadura. Nada belo nisto...


Normal o governo não quer vivo as pessoas que dependam dele, mas sim contribuintes que paguem seus impostos. (Governos da Inglaterra e Canada tornam isso ainda mais evidente).
Já os ricos são os primeiros a comprar remédios do Mercado negro ou fazer tratamentos lá fora.





Faça direito tributário.

Sou advogado tributarista e procuro os melhores caminhos para livrarmos do pesadelo tributário nesse país. É uma tentativa de lutar pela liberdade de manter em paz nosso patrimônio. Abraços.


Eu sempre tive em meus planos de futuramente cursar Direito, mas já tinha percebido que esse curso está ignorando a ciência econômica e cada vez mais legitimando as ações incoerentes do Estado. Na ótica libertária, como é possível atuar num ramo como esse sem que você seja levado por tal fluxo e acabar diminuindo mais ainda as nossas liberdades?


No Brasil será difícil encontrar livros que façam a separação entre direito e Estado. A concepção do direito natural foi sepultada pela idolatria kelseniana (de Hans Kelsen) e o "direito arrogante", ou direito positivo daquele pensador.

Se fôssemos buscar algo um pouco mais livre em termos da nossa bibliografia jurídica nacional, eu sugeriria Rui Barbosa. De resto, os autores imperiais como Teixeira de Freitas.

Porém, não se anime, não tivemos nunca nesta colônia qualquer arroubo de direito libertário. A mera sugestão de que existe ordem e comandos normativos mutuamente vinculantes que em nada dependam do Leviatã é vista pela grande massa dos "doutos" juristas como uma aberração. Ou atestado de estupidez, tamanho o desdém que será direcionado à sua pessoa caso tenha a temeridade de sugerir algo do tipo. Eu tentei fazer isso em certa oportunidade e fui objeto de chacota.

De outro modo há bons livros de autores estrangeiros que abordam o tema. Dos que mais gostei Lysander Spooner com o seu Constitution of no Authority é excelente. Calhoun com o seu Disquisition on Government é muito bom também, mas é leitura difícil se o seu inglês não for bastante bom.

Outro bom livro, mencionado no artigo, é o do Stephen kinsella, que aborda a inexistência da propriedade intelectual. E não podemos no esquecer, caso você ainda não tenha lido, o livro Anatomia do Estado, de Murray Rothbard, disponível gratuitamente neste site.

Um livro absolutamente obrigatório, seja qual for a sua linha de pesquisa, é o livro Educação: livre ou compulsória. Também já existe uma tradução dele aqui no mises para o português, caso prefira. Minha mãe, pedagoga e que sempre odiou Paulo Freire e a imbecilizante educação brasileira, adorou lê-lo.

Há ainda mais alguns livros que eu gostaria de mencionar, mas cujo pendor é mais filosófico e menos prático dos que acabo de citar, além de uma biografia. De Karl Popper, o seu A Sociedade Aberta e seus Inimigos (o original em inglês é bem superior à tradução portuguesa) e
Conjecturas e Refutações, também no original, se possível. De Hayek, O Caminho da Servidão e A constituição da liberdade. Seu Tríptico Lei, Legislação, e Liberdade é bastante monótono de ler, tanto que parei no meio do primeiro volume. Quem sabe algum dia tomo coragem e termino.

Espero ter ajudado e que a bibliografia colacionada lhe seja útil.


No Direito Estatutário, Civil Law, o positivismo jurídico tem por pretensão a "arrogância fatal" de buscar uma previsibilidade em todo o sistema jurídico, dando a entender que o Direito poderia ter sido criado por burocratas, e que, com isso, haveria uma maior segurança jurídica.


A resposta brasileira para o intervencionismo é simples: Estado fascista onipresente parasitário inútel coletivista burocrático ineficiente e criminoso.


A teoria marxista domina os cursos de Direito. Para todo e qualquer problema na sociedade, os "operadores do direito" clamam por mais soluções estatais e regulamentações. A estatolatria é a doutrina nas escolas jurídicas. Os professores mais respeitados são os agentes de estado (promotores, juízes, procuradores....) que acabam de pavimentar e sedimentar a grande importância do "estado".

Por favor, me digam algum livro de doutrina liberal. Exceto nosso prezado André Luiz, e seu importante trabalho, não conheço nenhum realmente que siga as premissas da Escola Austríaca, por exemplo. Abraços


No volume I de "Direito, Legislação e Liberdade", Hayek analisa o Direito como uma ordem espontânea e faz um aviso importante e essencial para quem tem a "arrogância fatal" de pensar que algo tão complexo como o Direito poderia ser criado por legisladores.


Infelizmente os legisladores não são executivos. Criam belíssimas leis, mas extremamente difíceis de executar. Conhecem o Art. 5º ? "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:..."

Quer coisa mais linda que essa? Cheira a poesia...

Quer maior impossibilidade do que essa? Cheira a letargia

E vivam as ilusões...


Normal ensinarem isso no ensino dominado pela esquerda.
Mas o ruim não é só as instituições de ensino ensinarem isto, o ruim é que o brasileiro em geral pensa que tem que ter leis para tudo. Um dia almoçando com os amigos estávamos falando sobre como as pessoas hoje acabam não conhecendo mais algumas coisas porque não escutam rádio, mas só escutam aquilo que escolhem e deixam de conhecer coisas. Aí alguém me diz que tinha que ter uma lei para isso. Eu argumentei com argumentos lógicos e óbvios que uma lei seria ruim e que hoje estamos, na verdade, apesar de podermos escolher o que vemos, conhecendo outras coisas fora da caixa da mídia aberta (rádio e tv). Mas esta idéia está tão entranhada na mente dos brasileiros que eles aidna continuaram achando que precisaria de alguma intervenção estatal.
Eu também já argumentei com eles sobre que deveríamos ter a opção de homeschooling, mas com os mesmos problemas para eles entenderem. Confesso que até para mim foi difícil de me livrar dessa mentalidade, lutei contra isso fortemente e consegui. Mas depende da nossa força de vontade.

Eu já sugeri antes aqui que precisamos de um estado mínimo com uma constituição minimalista que apenas garanta que contratos serão cumpridos, proteja a propriedade e a vida. Tentar se livrar do Estado logo de cara seria impossível, temos contra nós toda uma massa de servidores, incluindo aqueles que têm o monopólio do uso da força.
Mas hoje temos o clima perfeito para eliminar o executivo e o legislativo. Ficaríamos com as polícias, o judiciário e as forças armadas. Que no futuro poderiam ser substituídas pelos pares privados.


Todas as palestras que vi do André Ramos são perfeitas. Ele não deixa sobrar um argumento contrário, ele mata todos.


Os altos salários dos médicos são explicados pelo fato de eles trabalharem em um cartel protegido pelo estado, o qual restringe a entrada de mão-de-obra, mantendo assim os salários artificialmente elevados:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2742

Já os preços das faculdades são altos porque, como o mercado é regulado e garante altos salários, então as faculdades -- que também são um cartel protegido pelo MEC -- aproveitam para cobrar de acordo.

Outros artigos relacionados:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=105
www.mises.org.br/Article.aspx?id=2699
www.mises.org.br/Article.aspx?id=642
www.mises.org.br/Article.aspx?id=1866


Estamos caminhando para o socialismo, um sistema que, como se diz, só funciona no Céu, onde não precisam dele, e no Inferno, onde ele já existe.
Ronald Reagan
essa é boa


A grande verdade é que se o comunismo fosse implantado em todo o seu conteúdo original, a desgraça seria ainda pior e provavelmente todos iriam morrer de fome. Já o capitalismo, se fosse implantado conforme as idéias da escola austríaca de economia, produziria resultados que fariam os EUA parecer uma nação de terceira classe! Nós leitores assíduos do IMB não aceitamos essa lorota de que o comunismo é pró povo e o liberalismo clássico é anti povo, afinal essas idéias absurdas já foram destroçadas em diversos artigos deste site ou pela empiria mesmo.


Seria interessante que fizessem um artigo para explicar os altos preços para se fazer medicina no Brasil + altos salários dos médicos.


Pedro, vamos ver.

O seu argumento é o seguinte:

"1) A mídia em geral é enviesada à esquerda, e o relato do episódio Charlottesville corrobora mais uma vez isso;

2) IMB publicou um artigo criticando a doutrina coletivista nazifascista;

3) Logo, o IMB encampou o viés torto esquerdista da mídia em geral."


Não consegue enxergar os diversos furos nesse argumento?

Se vc não consegue, eu te digo o seguinte: o IMB passa os dias criticando doutrinas coletivistas, notadamente esquerdistas-progressistas; aí sai 1 artigo criticando a doutrina coletivista nazifascista e vc dá piti dizendo que isso implicaria encampar o viés esquerdista pq o artigo não criticou, simultaneamente, a doutrina coletivista-progressista?

Ou seja, para vc toda crítica à doutrina coletivista nazifascita que vier desacompanhada de crítica à doutrina coletivista progressista implica encampar a doutrina coletivista progressista

Ora, meu caro, take it easy..



"somos todos escravos do salário, desde o rapaz que trabalha de garçom até o juiz e que o capitalista é escravo do mercado"

Essa é nova. Para o teu "professor", quem recebe salário é "escravo" e quem paga salário também é "escravo". E o funcionário público também é "escravo".

Dado que para existir escravo precisa existir um escravizador, e tendo em vista que para ele todo mundo é "escravo", na próxima aula vc pergunta a ele: "Professor, afinal de contas, quem é o escravizador?"


Parabéns Hélio, o tempo é o senhor da razão e você se mostrou correto em sua análise inicial.


Também estou com essa dúvida, o artigo não esta aí? E também discordo do artigo, apesar de que para quase todos os fortemente atuantes políticos coletivistas é perfeitamente aplicável, a grande maioria da população que só quer trabalhar, pagar as contas, criar os filhos e viver em paz absorve com boa eficiência ideais liberais ou libertários, o voto nulo está aí pra provar.


Adeptos de quê?! O artigo está logo ali em cima, meu caro. Na íntegra. Como bem ressaltou o Pobre Paulista abaixo, "Estou confuso, estão reclamando que o texto não deveria ter sido excluído, mas ele está bem aqui. Estão reclamando do quê exatamente?".

Ah, sim: por favor, aponte um único comentário que tenha sido gratuitamente agressivo -- isto é, alguém fez uma pergunta humilde e sincera e foi respondido com coices e patadas. Só um.