clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Amigo, releia os comentários a que se referistes e trate de "processar" o que lê, antes de verborragir por aí, baseado em seu "mindset" automático.

Se fizer isso, perceberá que não há uma referência à esquerda/direita em ambos os comentários criticados pela tua autoridade oca.

Já sai dessa faz tempo.

A questão é o Estado invadindo, cada vez mais, o universo da vida individual das pessoas, independentemente, de que valores estejam por trás, mesmo dos eventuais ditos de direita.

Tenho minhas convicções individuais e estou disposto a me juntar, voluntariamente, com todos os que têm cosmovisäo semelhante, bem como a refletir sobre elas com qualquer um que pense de forma distinta, desde que capaz de formular um raciocínio lógico básico.

No entanto, não estou nem um pouco interessado em ter o Estado como tutor de valores nenhum, nem mesmo dos meus.

Ser libertário, pelo que entendo, é isso: que o Estado, nem ninguém se meta a querer interferir, compulsoriamente, em minha vida.


A tara desses caras em regular a vida alheia é impressionante. O que mais impressiona também são os juristas... isso prova que o direito é um lixo total, só sai besteira positivista, estatista e defensora de bandidos... fiz um vídeo sobre, se quiserem, vejam aqui.



Hospital de Londres adia desligamento de aparelhos de bebê em fase terminal

Hospital tinha planejado desligar os aparelhos, contra a vontade dos pais, nesta sexta-feira, mas decidiu adiar sem dar mais detalhes sobre quando isso ocorrerá

internacional.estadao.com.br/noticias/geral,hospital-de-londres-adia-desligamento-de-aparelhos-de-bebe-em-fase-terminal,70001872818


Isso é que é um death panel no melhor estilo do termo: um comitê soviético estipula quem vive, quem morre, quando morre e como morre. E o pior: proíbe você de viver por conta própria.


Essas coisas não são novidade nenhum na medicina estatal do Reino Unido.

Comecem por aqui:

British Clinic Is Allowed to Deny Medicine

Depois vão aqui e vejam como a eutanásia compulsória de bebês doentes sempre foi rotineira por lá.

Now sick babies go on death pathway: Doctor's haunting testimony reveals how children are put on end-of-life plan

Sem recursos (que inesperado!), os hospitais do NHS estão simplesmente cortando a alimentação deles, que são deixados à míngua até morrerem.

Estatistas -- que são obcecados com controle populacional -- até salivam quando lêem coisas assim.

E terminem aqui:

Nearly 1,200 people have starved to death in NHS hospitals because 'nurses are too busy to feed patients'

1.200 pessoas morreram de fome nos hospitais estatais do Reino Unido (o National Health Service - NHS) porque as "enfermeiras estavam ocupadas demais para alimentá-las".

Como bônus, fiquem com isso (a foto é forte):

www.dailymail.co.uk/news/article-1218927/Plumber-shattered-arm-left-horrifically-bent-shape-operation-cancelled-times.html



Atente-se ao critério que você utilizou, no caso seria o bebê que seria incapaz de se manifestar. Logo, esse consentimento não existe, já que se trata de um bebê. É difícil de entender isso? Ou você esquece o que diz?
O bebê tem que estar sob a tutela de alguém. Mas quem? No mundo em que vivemos, o primeiro caso sempre será os pais e em seguida parentes ou pessoas muito próximas e o último caso é o estado.
Logo que, se tratando de um bebê, a questão do direito dos pais x direito do estado está inserido nesse contexto.

"Apenas para esclarecer, pergunto: Em uma situação inversa, isto é, em que os pais de um bebê doente decidam desligar os aparelhos, e o estado, alegando defender os interesses do bebê, os impeça: qual seria sua posição?"

A mesma posição que estou tendo em relação ao caso deste artigo. Nesse caso seria o correto, não sei quanto a questão da constituição britânica, mas a nossa garante a inviolabilidade do direito à vida e se for num caso semelhante a esse, basta o estado processar os pais, já que o estado é o garantidor do direito a vida, logo ele estará exercendo sua função essencial de acordo com a constituição.
Isso até me lembra Locke que inverteu o argumento de Hobbes, ao dizer que, se o governante contrariasse o direito natural e deixasse de proteger a vida, as pessoas teriam justificativa para derrubar o regime.
Só que nada disso acontece, pelo contrário, esse seu exemplo não é posto em prática, pelo contrário, eles querem reduzir a população.
Obs: Não sou ancap, e se estivéssemos sobre ele, provavelmente nossa conversa teria sido completamente diferente.

E faço a pergunta, é tão difícil assim você reconhecer que está errado? É tão orgulhoso assim ao ponto de usar situações incomuns para defender seu ponto de vista errado?


Não. Isso ainda seria caro demais. Estatais não devem ser vendidas. O estado deve apenas se retirar delas e deixar que os próprios funcionários se virem em um ambiente de livre concorrência.

Eis como deve ser feito:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2457


Não sei se é o verdadeiro Pe Paulo, mas saiba que gosto muito dos seus vídeos. Continue o bom trabalho!


O irônico vão ser as consequências ainda mais sexistas. Feministas e políticos ignoram completamente a lei econômica da Oferta e Procura, mas não vão poder ignorar as consequências de ignorá-las.


Me parece difícil acreditar que eventualmente um estado minarquista se tornaria gigante. Pois numa minarquia as pessoas estariam acostumadas com uma situação favorável para elas, não tem impostos altos, podem empreender sem dificuldade e são capazes de enriquecer rápido. Agora imaginem que o estado começa a crescer, os impostos aumentam, mais regulações surgem. Não é necessário dizer as consequências, as pessoas irão se tornar descontentes com isso. E como já sabemos através da ação humana, as pessoas buscam sempre aquilo que é favorável para elas.



A morte, pode-se dizer, está no DNA do Estado. Porque nenhuma das invenções que o homem criou até hoje em toda a história matou tanto quanto o Estado. Apesar de não ter mãos e não pensar, este monstro tira a inteligência das pessoas levando-as a se tornarem peões e joguetes. As maiores guerras da história foram feitas entre Estados. Os maiores genocídios foram executados por Estados. É verdade que a morte chega para todos, mas essa Besta disforme chamada Estado faz com que ela chegue mais cedo.
Ele cria e dá direitos artificiais e nega direitos naturais e universais. Mata idéias genuínas em favor de ideologias repetitivas.
Cada vez tenho mais nojo deste monstro.


Aos eventuais interessados, há um livro específico sobre o tema, bastante interessante, escrito por um médico americano:


The High Price of Socialized Medicine: A History of Government Meddling in American Health Care, and How a Free Market Would Solve Our Problems:


www.amazon.com/High-Price-Socialized-Medicine-Government-ebook/dp/B01ATSWZH8/ref=tmm_kin_swatch_0?_encoding=UTF8&qid=1499115034&sr=1-1


Parabéns aos burrocratas! Honraram - como sempre - o seu nome!

Acabaram de decretar a eutanásia obrigatória a todos os menores de idade que tiverem doenças graves que causem dor, e para as quais não haja ainda protocolo de tratamento padrão consagrado.

Como conseqüência, toda e qualquer tentativa de inovação está proibida nestes casos. A sociedade fica então proibida de encontrar o tratamento!

É muita burrice!

Já agora, para completar a lambança, sugiro aos burrocratas que, por coerência, estendam o mesmo raciocínio a todos os "vulneráveis", incluindo idosos, doentes mentais, pessoas de pouco estudo - enfim: todos aqueles que o estado e a maioria consideram que não têm capacidade de pensar e tomar decisões importantes por si mesmos. Dá para imaginar isso?

É o fim da picada...

[]s





Kelvin, só para confirmar se eu entendi bem:

Meu comentário foi feito a partir do conceito do direito à vida. Tentei explicar que sou contra o prolongamento artificial da vida, sem o consentimento da pessoa, quando o risco de sofrimento não pode ser descartado.

Me parece que seu comentário se dirige à questão direito dos pais X direito do estado, considerando que um bebê é incapaz de decidir seu próprio destino e portanto está submetido ao desejo de outros.

Apenas para esclarecer, pergunto: Em uma situação inversa, isto é, em que os pais de um bebê doente decidam desligar os aparelhos, e o estado, alegando defender os interesses do bebê, os impeça: qual seria sua posição ?


Esse é um típico artigo capaz de separar os meninos dos homens.

À todos aqueles que defenderam a ação do estado: Vão todos pra PQP!


Muitos parabéns aos burocratas brasileiros por se esforçarem para falirem mais um setor do mercado brasileiro. Baladas já são um festival de machos, imaginem agora.

Mas vejam pelo lado bom, ou seja, a parte irônica da coisa. Ao tentar combater o sexismo, os burocratas brasileiros irão esvaziar as baladas e encher os bordéis, locais que são conhecidos por serem o ápice do sexismo.

Para completar a lambança só falta proibirem a prostituição. Então quando os estupros dispararem, vão ter que desregulamentar novamente o setor de entretenimento ou podem dar mais um passo à frente do totalitarismo e perseguir para castrar os homens mais feios e inaptos.

E eu ainda tive que ouvir de conhecidos que a crise vai forçar o Estado brasileiro a fazer reformas mais liberais HAHAHAHA



Acredito eu, que todos que não possuem livre mercado e estado enorme.
Bolchevique, segundo as explicações, apenas onde o socialismo é implantado à força e de forma rápida como Cuba, Venezuela e Coréia do Norte.


Aluno Austriaco e Marcos engraçado, vocês acabaram de descrever a suposição ideológica de alguns direitistas, pena que se isso fosse suficiente pra distinguir esquerda e direita não haveriam tanto furo na tua suposição.

Se esquerda fosse sinonimo de autoritarismo e Estado de patrimonio coletivo, não haveriam governantes que governam apenas segundo seus interesses patrimoniais, e se o patrimonio é coletivizado com o uso de legitimidade ele não está sendo autoritário, logo assistencialismo e caridade são esquerdistas independente da quantidade de veludo que tu consome na hora de ser caridoso.

Chega de usar falácia relativista e coloca tudo que não convém a tua ideologia no conceito de esquerda direita.?


"Só o que posso fazer é me repetir: em uma situação onde o interessado não pode se manifestar, acho que duas perguntas são necessárias:
- A pessoa está em sofrimento constante, sentindo dor ?
- As chances de curas são grandes, pequenas ou indeterminadas ?

Caso as respostas sejam SIM e PEQUENAS, como parece ser o caso, eu não me concedo a autoridade de decidir que alguém deve continuar sofrendo por tempo indeterminado, em troca de uma suposta "esperança" que talvez não exista. Caso a primeira resposta seja NÃO, a situação já muda bastante."

Este é o ponto camarada. Você SE CONCEDE a autoridade do seu familiar que está sob sua tutela e sua posição em relação a ele seria exatamente a do caso do bebê Charlie em desligar os aparelhos.
O que estamos discutindo é a decisão arbitrária do estado em detrimento dos pais, os únicos e verdadeiros responsáveis pelo bebê. Os pais queriam ir aos EUA em busca de tratamento para seu filho, mesmo com as chances bem pequenas, mas o estado não deixou os pais fazerem isso.
Agora eu agiria da mesma forma que os pais agiram. Ponto. Essa é minha decisão e governo nenhum deveria intervir.

"Não sei se este é o caso aqui; não estou lá para saber. Reitero que, se estivesse nessa situação, agiria da forma que acabei de descrever, e espero que meus familiares ajam da mesma forma comigo.

Talvez esteja apenas "jogando lenha na fogueira", mas já conheci casos suficientes de gente que "abandona" familiares (geralmente idosos) em uma UTI e bate no peito com arrogância se dizendo "humano" e "moral", apenas porque exige que outros mantenham artificialmente viva uma pessoa que não pode decidir seu próprio destino (geralmente às custas de outros, diga-se)."

Cada caso é um caso. Isso não dá ao direito do estado intervir em situações como essa, fora que seu exemplo foi bem desprezível. Aliás nesse exemplo esse familiar pode ser processado por abando de incapaz, agora vai processar o estado com o judiciário estatal?

Apenas para mostrar sua visão totalitária da situação:"Bem, SE (grande e maíusculo SE) foi comprovado, dentro dos critérios médicos normalmente aceitos que "Charlie estava "sendo exposto a dores e sofrimentos contínuos", então tendo a concordar com a decisão. Se o bebê não pode se manifestar, não vejo por que alguém, mesmo sendo o pai ou a mãe, tenha o direito de impor sofrimento a outra pessoa, mesmo que em nome da "preservação da vida"."

Você concorda com a decisão do estado.
Meus parabéns. Você merece a Medalha da Liberdade 2017.


A propina que eu investi vai dar um retorno muito bom.

g1.globo.com/fantastico/noticia/2017/07/justica-determina-que-cobrar-diferente-de-homem-e-mulher-em-balada-e-ilegal.html


"Pouco mais é necessário para erguer um Estado, da mais primitiva barbárie até o mais alto grau de opulência, além de paz, de baixos impostos e de boa administração da justiça: todo o resto corre por conta do curso natural das coisas." Adam Smith.

O pai da economia e o filósofo que serviu de inspiração para os Founding Fathers já havia previsto que assim seria. Pena que à época pouca importância foi dada a essa afirmação - inclusive pelo próprio autor.


Se esquerda fosse sinonimo de autoritarismo e Estado de patrimonio coletivo, não haveriam governantes que governam apenas segundo seus interesses patrimoniais, e se o patrimonio é coletivizado com o uso de legitimidade ele não está sendo autoritário, logo assistencialismo e caridade são esquerdistas independente da quantidade de veludo que tu toma para ti.

Chega de usar falácia relativista e enfiar tudo que não convém a ideologia no conceito de esquerda direita.? Palavras de um amigo meu.




Mostrar menos


Prezado Leonardo Antunes Freitas da Silva, parabéns pela sua magnífica resposta.


Prezado Leonardo Antunes Freitas da Silva, parabéns pela sua magnífica resposta.


Caro colega,

tentei encontrar um meio para escrever lá no seu blog, mas não encontrei.

Li seu texto, mas foi pouco. Vou ler mais do que escreveu previamente para lhe conhecer melhor.

Apenas percebi que (me perdoe se for injusto) "disbioética" foi termo cunhado por você mesmo, estou enganado? Isso não diminui seu feito! Somos livres para inclusive criarmos novos termos desde que fundamentados em conhecimento...sou fã dos neologismos. Porém, será que a "Cultura da Morte" pratica a "nossa" medicina através daqueles que assistem à morte apenas? Não vou sequer mencionar tecnocratas por qui. Nós estamos tentando enxergar a outra margem do rio?

Meu ponto, dito acima em comentário, não foi sobre tão prontamente me posicionar a respeito desse caso em particular; mas não podemos também estimular uma "Cultura da Vida" que "tende" a favorecer os ganhos financeiros imensuráveis de uma indústria da saúde, que na minha humilde opinião, é quem "trai a antiga arte" e, por consequência, aniquila a vocação...como diz você...hipocrática e cristã.

Obrigado pelo seu compartilhamento de idéias.




Estou com muita dificuldade pra entender essa aula, será que se continuar sem entendê-la vai me comprometer?


Fé? Não tem nada a ver com fé, e sim com o direito dos pais em tentar até o último - não importando quanto esforço ou dinheiro isso custe - salvar a vida de um filho, e não o "direito" que o Estado acha que tem de matar alguém, pelo "bem" da própria pessoa. Sério que você acha certo o Estado fazer isso? Deve ser daqueles defensores da proibição do saleiro pelo próprio "bem" da pessoa. Coisa de maluco isso!


Já sabia que meu comentário teria respostas, e tinha certeza de que viria acompanhada de juízos de valor do tipo "eugenista", "progressista", etc.

Só o que posso fazer é me repetir: em uma situação onde o interessado não pode se manifestar, acho que duas perguntas são necessárias:
- A pessoa está em sofrimento constante, sentindo dor ?
- As chances de curas são grandes, pequenas ou indeterminadas ?

Caso as respostas sejam SIM e PEQUENAS, como parece ser o caso, eu não me concedo a autoridade de decidir que alguém deve continuar sofrendo por tempo indeterminado, em troca de uma suposta "esperança" que talvez não exista. Caso a primeira resposta seja NÃO, a situação já muda bastante.

Não sei se este é o caso aqui; não estou lá para saber. Reitero que, se estivesse nessa situação, agiria da forma que acabei de descrever, e espero que meus familiares ajam da mesma forma comigo.

Talvez esteja apenas "jogando lenha na fogueira", mas já conheci casos suficientes de gente que "abandona" familiares (geralmente idosos) em uma UTI e bate no peito com arrogância se dizendo "humano" e "moral", apenas porque exige que outros mantenham artificialmente viva uma pessoa que não pode decidir seu próprio destino (geralmente às custas de outros, diga-se).


Caro Leonardo, sua resposta foi irretocável.

Mas sabe o que é pior? Pesquisar esse nome e descobrir que o sujeito é médico (CRM 125439), ou seja, é alguém que deveria, no mínimo, seguir o tal Juramento de Hipócrates e prezar pela vida dos seus doentes, mas escolhe uma visão de senhor-escravo: "eu sei o que é melhor para os outros, esses ignorantes que não podem guiar suas próprias vidas".

Qualquer pessoa minimamente humana faria exatamente o mesmo que os pais estão tentando fazer, que é buscar o tratamento para seu filho. "Ah, mas eles vão gastar tudo que tem". Sim, problema deles e de quem se solidarizar com a causa.

Entre a certeza da morte e a possibilidade da vida de um filho, tem que ser realmente um tipo especial de pessoa para escolher não fazer nada.

Inacreditável.


Dizer que o desligamento dos aparelhos é uma solução humana e aceitável faria sentido apenas se a decisão fosse do próprio indivíduo. No máximo, se fosse dos pais (e, ainda assim, com ressalvas).

Agora, do estado? E contra a explícita vontade dos pais?! Isso é aberração. É o ápice da supressão do indivíduo pelo estado. Mais: é a anulação dos direitos dos pais sobre o próprio filho.

A criança pertence ao estado, e não aos pais. A vida e a saúde do seu filho pertencem a burocratas, e não à própria criança.

Como bem dito acima, quem acha isso normal não tem moral nenhuma para criticar coisas ínfimas como corrupção e desvio de verbas. Isso não é nada comparado a sequestro e assassinato de um ser inocente


"Talvez a pergunta que todos devamos fazer seja a seguinte: desde quando viramos objetos de uma tecnocracia impessoal que decide o quanto vale nossa vida ou qual a sua "qualidade"?

Você quer um Estado que decida que está na hora de você morrer? Para mim, um dos piores pesadelos distópicos possíveis é viver numa sociedade em que a elite tecnocrática de um Estado tirano encontrou meios formais para livrar-se daqueles os quais julga inúteis.

Até quando você será útil?"

medicinaefilosofia.blogspot.com.br/2017/07/o-dever-de-matar.html


Caro eugenista, não é você e nem os burocratas que determinam quem merece o direito de continuar vivendo.

Por esse raciocínio típico de um progressista, milhares de doentes que estão em uma cama não possuem direito à vida mesmo as pessoas que estão cuidando desse indivíduo não vejam problemas em continuar cuidando do ente querido.

Muito cuidado com o que você deseja para o filho dos outros. A mesma situação pode acontecer com a sua família.


"Bem, SE (grande e maíusculo SE) foi comprovado, dentro dos critérios médicos normalmente aceitos que "Charlie estava "sendo exposto a dores e sofrimentos contínuos", então tendo a concordar com a decisão."

Você tende a concordar com o sequestro seguido de assassinato de um bebê, imposto por burocratas do estado e contra a vontade dos próprios pais?

Por favor, ex-microempresário, diga que não foi isso o que você quis dizer.

Quem aquiesce com esta atitude horrenda do estado não tem moral nenhuma para depois reclamar que este mesmo estado tributa, regula, confisca e fode a economia. Se sequestro e assassinato de um ser inocente é uma atitude com a qual você "tende a concordar", então acabou. Não há mais limites para qualquer atitude do estado.


Matéria muito bem redigida e elucidatória para muitos que como eu desconhecia a origem dos fabianos! Parabéns ao Instituto Mises pela iniciativa.


É exatamente isso.

Essa, aliás, será a forma de calote que o governo dará no futuro. Não haverá nenhum calote da dívida, mesmo porque isso seria de uma burrice atroz, pois os governos só conseguem se manter porque pegam dinheiro emprestado (ao darem um calote, os governos estariam fechando exatamente aquela fonte que lhes permite continuar funcionando).

O que haverá é um calote nas promessas assistencialistas feitas pelo governo. Os calotes ocorrerão sobre aqueles grupos que têm menos poder político (aposentados, pensionistas, dependentes de assistencialismo). Esses terão cortes em seus proventos. Mas antes disso ainda haverá cortes profundos na saúde (com gente morrendo), na educação e em vários outros repasses, como abono salarial, bolsa-família etc.


Bem, SE (grande e maíusculo SE) foi comprovado, dentro dos critérios médicos normalmente aceitos que "Charlie estava "sendo exposto a dores e sofrimentos contínuos", então tendo a concordar com a decisão. Se o bebê não pode se manifestar, não vejo por que alguém, mesmo sendo o pai ou a mãe, tenha o direito de impor sofrimento a outra pessoa, mesmo que em nome da "preservação da vida".

Vida, para mim, pressupõe liberdade. Sofrer imóvel em uma cama enquanto uma máquina empurra ar para dentro dos pulmões e outra força o coração a bater, não é uma vida que eu desejo nem para mim nem para qualquer outro.

Repito, minha opinião considera que Charlie era capaz de sentir dor, como alegado.


O caso do menino é apenas a ponta do Iceberg chamado medicina estatal.

Esse monstro mata milhares de pessoas todos os dias, com quase total aprovação da mídia e da massa alienada, ao negar técnicas experimentais, substâncias consideradas proibidas ou mesmo terapias já comprovadamente funcionais, mas de pouco interesse dos lobbistas que vivem do soldo pago pelos grandes laboratórios.

Como reverter isso? Sinceramente não sei, pois o paradigma da verdade absoluta dos operadores da medicina torna qualquer outro enfoque em conhecimento apócrifo, ou como eles amam dizer - pseudociência, têm o aval da grande maioria. Para o azar deles. Quem tem recursos recorre ao que for necessário, lícito ou não. Quem não tem, ou como o caso dos pais que caíram na malha fina da Justiça, realmente só resta lamentar e enterrar seu ente querido.







Queria ver se fosse com o filho destes favelados morais. O totalitarismo genocida dos pogreça é doente. Parece que querem superar Hitler.


"Há uma mistura perniciosa de conceitos, idéias e emoções. Lamento ler algo assim aqui. Um liberal e, principalmente, um libertário necessita uma imensa bagagem moral e ética para discutir esse assunto."

Eu realmente li isso?!

Você está dizendo que criticar um bando de burocratas que decidiu sequestrar uma criança de seus pais e compulsoriamente colocá-la para, proibindo ao pais tentarem qualquer chance de tratamento, é uma "mistura perniciosa de conceitos, idéias e emoções"?

Se você decretar que meu filho deve morrer, e estipular eu nem sequer posso tentar buscar a cura dele, isso seria algo belo e moral, e qualquer crítica a isso necessitaria de "uma imensa bagagem moral e ética"?

É cada aberração moral que despenca por aqui.

"Seria necessária outra "classe" de homem; os "excelentes em virtude" de Algernon."

Ah, entendi. E essa "classe de homens" que sequestra e estipula a morte dos filhos inocentes dos outros representa os "excelentes em virtudes". E esse esquadrão da morte, obviamente, seria chefiado por você, o supremo.

Você é nojento.

" É óbvio que os pais devem ter a liberdade de usar os recursos que alcançaram para tratar o filho onde bem queiram tratar"

Então fim de papo!

Nem isso o estado permitiu.

"mas para uma condição gravíssima e sem prognóstico como essa, seria "de menos" esperar que do "lado de lá", dos possíveis "bem-feitores", dos "médicos americanos" não existam pessoas interessadas apenas nos milhões?"

Hein?!?!

Você está dizendo que o fato de haver uma equipe médica altamente capacitada cobrando dinheiro para fazer um tratamento médico é algo imoral e desumano, ao passo que deixar um bebê morrer sem nenhum tratamento seria, aí sim, o supra-sumo da ética e da humanidade?

Como você consegue sair da cama e se olhar no espelho?

"Lamento a forma leviana de abordar assunto tão filosoficamente complexo. Ponto negativo ao site e seus editores."

Traduzindo: o site não cedeu ao relativismo moral, e chamou assassinato de assassinato, algo que ofende as sensibilidades dos progressistas politicamente correto. afinal, assassinar seqüestrar os filhos dos outros e impor que eles sejam deixados à míngua para morrer é um assunto "filosoficamente complexo".

Eis a nojeira do relativismo moral. Seqüestro seguido de assassinato se tornou algo "filosoficamente complexo".

É uma pena eu não ser o editor do site: ter recebido uma crítica de um ser tão abjeto como você -- que defende o sequestro seguido do assassinato compulsório de bebês -- seria um dos maiores prêmios de minha vida.


Jarzembowski, sabe que eu estava pensando exatamente nisso. Hoje os pais são apenas "gados reprodutores", pois o Estado acha que tem o direito sobre a criança. O direito de "educar, cuidar, doutrinar", e agora de matar.


Credo, existe coisa mais bizarra que uma população delegar o cuidado de sua própria saúde ao Estado? Como alguém passa sua própria vida para alguém que se demonstra dia após dia cada vez mais ser completamente incompetente e corrupto? Não entendo como tem "gente" que ainda defende esse modelo fracassado.


Pessoal, o assunto é um pouco fora do artigo, mas eu quero saber: Há algo a ser aproveitado em Zygmunt Bauman? Meu professor de história (do cursinho) citou-o e deixou implícito a demonização do mercado e o que eu interpreto como materialismo, além de tentar correlacionar isso com o número de depressivos ao redor do mundo que segundo ele é o maior na história¹ e que foi causado na vida das pessoas após a revolução industrial, desse modo por causa do avanço tecnológico (exemplificando as redes sociais).

¹ apesar de eu me questionar, visto que a metodologia aplicada em alguma possível pesquisa da qual ele se baseou não é necessariamente a mesma e isso deveria ser comparado, de maneira honesta, à todos os séculos anteriores para se ter comparação e, também deve-se levar em conta que o termo "depressão" pode ter inúmeros significados


que bom ver um padre por aqui!
volte sempre!
é um alivio saber que nem todos foram cooptados pela teologia da libertação.


Isso dá uma boa dica do que ocorrerá quando houver idosos demais para pagar aposentadoria e jovens de menos trabalhando e pagando impostos. As supremas cortes decidirão pelo "bem comum".


Aiaiai...esse assunto é extremamente complexo e delicado para ser retratado dessa maneira infame, na minha humilde opinião.

Há uma mistura perniciosa de conceitos, idéias e emoções. Lamento ler algo assim aqui.

Um liberal e, principalmente, um libertário necessita uma imensa bagagem moral e ética para discutir esse assunto.

Seria necessária outra "classe" de homem; os "excelentes em virtude" de Algernon. É óbvio que os pais devem ter a liberdade de usar os recursos que alcançaram para tratar o filho onde bem queiram tratar, mas para uma condição gravíssima e sem prognóstico como essa, seria "de menos" esperar que do "lado de lá", dos possíveis "bem-feitores", dos "médicos americanos" não existam pessoas interessadas apenas nos milhões?

Pais, familiares, enfim...as pessoas que amam um paciente-familiar..."acabam" se desfazendo de TUDO que podem e não podem para "tentar" de tudo para salvar...mas isso pode ser "usado" exatamente com a finalidade de obtenção desses recursos envolvidos num tratamento de altíssimo custo, mesmo SABENDO que nada, realmente, poderá ser feito para realmente alcançar um resultado melhor que o fim...

"A Fé implícita pertence aos tolos, a verdade deve ser compreendida pelo exame cuidadoso dos princípios." (Algernon Sidney)

Oras, quem aqui usaria um sapato que lhe machuca os pés simplesmente porque o sapateiro disse que foi extremamente bem feito?

Lamento a forma leviana de abordar assunto tão filosoficamente complexo. Ponto negativo ao site e seus editores.


Juízes da Corte Europeia concluíram que Charlie estava "sendo exposto a dores e sofrimentos contínuos" e que ser submetido a um tratamento experimental "sem grandes chances de sucesso ... não lhe traria benefício nenhum".

Agora meia dúzia de burocratas é que vão definir o quanto uma pessoa está autorizada a sofrer - se passar desse limite, tem que matar.
O pior é a mentalidade típica do escravinho estatal que concorda com isso, dizendo que a criança não pertence apenas aos pais, mas também ao estado.
É um nível abjeto de subserviência - as pessoas realmente estão dispostas a conceder a esses parasitas o poder quase divino de decretar quando a sua vida tem que terminar.



Mas nossos "ixpechialistas" já se manifestarem a respeito. E sempre pró-estado, é claro.

"Para Luciana Dadalto, advogada especialista em saúde, a decisão da Corte Europeia é importantíssima para a discussão da obstinação terapêutica. "É preciso conscientizar as pessoas de que há uma hora para parar e deixar o curso natural da doença. E, especificamente quanto ao caso Charlie Gard, entendo que realmente o melhor para ele é não ser submetido ao tratamento experimental e ter resguardado o direito à morte digna".


Percebam que a "doutora" sabe exatamente o que é melhor para os outros. Eis o ápice ditadura das boas intenções. "Eu sei o que é melhor para você. E o melhor é que você morra."

veja.abril.com.br/saude/pais-passam-os-ultimos-momentos-com-bebe-charlie/


Nesses termos, a diferença entre um cachorro agonizante na rua e uma criança gravemente enferma na clínica pediátrica é meramente circunstancial. O tratamento dispensado a eles, seja pelo veterinário, seja pelo médico, é exatamente o mesmo. Ambos vão morrer porque não servem para mais nada.

Aliás, é bem possível que em alguns lugares, como no Brasil, por exemplo, os tribunais constranjam o veterinário por certa indelicadeza com o cão (vide o recente caso do ator e chefe de cozinha Rodrigo Hilbert, que está sendo processado por matar uma ovelha e cozinhá-la em rede nacional).

À vida humana, por sua vez, nenhum valor será dado senão o do utilitarismo.

padrepauloricardo.org/blog/bebe-e-sentenciado-a-morte-por-tribunal-europeu-dos-direitos-humanos



"O que a mídia chama de "corte de gastos" nada mais é do que um aumento de gastos menor que o anteriormente previsto."

Uau! Chegamos ao ponto em que "austeridade" significa só "reduzir a velocidade do endividamento constante" - e mesmo {apenas isso} ainda assim é criticado!

* * *


Os "BRICS"? A única economia relevante do BRICS é a China.

1° China e Rússia são potências nucleares, mas duvido da capacidade destes de atingirem os EUA, o máximo que podem fazer é ameaçar os aliados americanos na Europa e na Ásia.

2° A China possui trilhões aplicados em dólar, qual seria o benefício que a China teria em destruir o dólar?

Fora que o dá credibilidade ao dólar é o longo histórico de estabilidade das instituições americanas, além do patrimônio da sociedade americana, que é riquíssima.

Quem vai confiar numa moeda que tenha como lastro as economias Russas, Sul africanas, Brasileira, Indiana e Chinesa (Por mais que seja uma grande, é uma ditadura, não dá pra confiar nas instituições chinesas)?

Quantas das mil maiores empresas do mundo são americanas e quantas tem sede nos BRICS? Estenda para as 5 mil maiores do mundo. Os EUA ainda são os grandes produtores de riqueza do mundo.


Quando o IMB vai publicar um artigo sobre socialistas que mataram socialistas ?

Como o socialismo nunca dá certo, sempre haverá golpes atrás de golpes entre socialistas.

Como eles sempre irão deturpar Marx, sempre irá ocorrer chacinas entre os próprios socialistas.


O Estado substituiu Deus como autoridade referencial de moral, valores e ação para o mundo ocidental.
Ocorre que o Estado nada mais é do que uma cambada de gente ixperta e "bem-intencionada" (os mais ameaçadores) que quer subjugar/explorar a todos na marra, bem como descontruir todo o conjunto lógico-ético-racional que a maioria recebeu de suas famílias.
Ou seja: A vontade e os padrões do Estado (na verdade, de políticos e burocratas), aliados a um interesse de uma elite globalista, que partilha dos mesmos valores, que são a mídia, a indústria do entretenimento - TV, cinema, etc, as empresas de tecnologia e a comunidade acadêmica (ainda não cheguei ao nexo verdadeiro desses com aqueles), ganharam status de dogma.
O Estado é o novo paradigma ético do mundo, só que mutante, conforme os interesses dos que lhe dominam.
Por isso, que os Estados (em todos os países do mundo) têm que aer diminuído pra ontem.



Afinal, existe ou não o "neoliberalismo"?
Qual é a posição oficial do liberais?
Rustow já havia usado ester termo antes de Mont Pelerin ou foi um momento inspirador e o inventou na hora?
Alguns artigos do MISES afirmam que não existe, outros afirmam que existe e dão os nomes dos "neoliberais". E lendo-os, cheguei a conclusão que os "neoliberais" são liberais que passaram a aceitar a intervenção do Estado e socialistas que passaram a aceitar o capital com uma certa regulação. Pelo jeito são "social-democratas light" ou "neosocialistas".


Eu concordo com o que o texto disse sobre os problemas do civil law e acredito que em um eventual julgamento privado em uma sociedade anarcocapitalista, o melhor seria o respeito aos costumes e precedentes e não a normas positivadas. Todavia, não sei se isso é o melhor na jurisdição estatal, apesar de não ter opinião totalmente formada quanto a isso. Imagine um Juiz não eleito, que detém monopólio da jurisdição e ainda não precisa seguir leis, pra mim a liberdade e propriedade podem ser ainda mais atingidas por julgadores socialistas.


Outro discurso que só fica no imaginario dos intelectoloides de esquerda e de que bandido e uma vitima da sociedade, alias os linchamentos de menor ladrãozinho na periferia por ex mostra bem o que o morador de periferia pensa a respeito da redução da maioridade penal.



Muito bom! a pessoa que escreveu deve ter muita experiência na vida.


Nonsense de sua parte. Desde quando guerras, destruições e toda uma economia voltada para a construção de bombas, tanques e aviões de guerra, e com desprezo total aos produtos e serviços demandados pelos consumidores gera crescimento econômico?

O que causou a recuperação econômica americana foi exatamente o corte de gastos e o consequente encolhimento do estado, o que permitiu ao setor privado se expandir e gerar riqueza.

www.mises.org.br/Article.aspx?id=849


PSDB privatizou as telecomunicações, usando dinheiro do BNDES. Isso pra evitar o colapso financeiro, implantando o Real. Ou seja: fabianismo.


O que é explica é o fato de que o socialismo só próspera enquanto consegue se apropriar dos recursos dos outros. O socialismo despreza o bem estar da economia e assim , por tabela e no final das contas, despreza o bem estar da população .


Não. O que trouxe o crescimento aos EUA, foi a segunda grande guerra.


Quem acha que o mercado não é bom e a maioria dos formados em Direito vão se sentir numa vida medíocre no setor privado (o setor público não comporta tanta gente), escolha outra profissão. Os jovens atuais são imediatistas, querem se formar e ja receber como profissional experiente. Nunca é tarde pra repensar.


Leandro, muito obrigado pela resposta. Abusando um pouco da sua paciência para comigo, tenho uma outra pergunta.

Existe uma relação entre a dívida privada e a dívida pública não apenas no Brasil, mas no mundo todo? Muitos falam que a dívida privada dos EUA é em torno de 273% e a dívida pública em torno de 101%, então podemos considerar essas dívidas correlacionadas? Acrescento outra aqui, dívida privada seria de empresas não-financeiras e famílias?

E mais, fiquei sabendo que o estado de Illinois está perto de se tornar insolvente assim como foi com Porto Rico.
https://oglobo.globo.com/economia/porto-rico-pede-maior-falencia-publica-da-historia-dos-eua-21290675


Irônico é que parte da culpa que o artigo aponta não é pela existência do imposto em si mas o perdão das dívidas que o Estado romano tinha. Parte da desintegração do Estado romano veio da sonegação...


Quando as pessoas entendenderem que o estado quer apenas explorar, escravizar e dominar as pessoas, quem sabe o mundo possa ser um pouco melhor.

O estado burocrático é um grupo de pessoas que querem apenas salários e estabilidade, sem nenhuma responsabilidade, acordo ou diálogo com as pessoas. Eles são sustentados pelo uso da força.

Muitas pessoas pagam impostos por vontade própria, mas a grande maioria paga por medo. Ou seja, quem causa medo nas pessoas não tem interesse em ajudar.

Enfim, os responsáveis por nossas vidas somos nós mesmos.

E quanto mais pressão na internet, mais mentiras estão sendo propagadas pelo governo.


Se segundo a doutrina marxista, o cérebro humano é apenas capaz de produzir ideologias de "classe", então o próprio marxismo, que até onde eu saiba foi produto do pensamento de seres humanos, é uma ideologia em si. Sendo assim ele é apenas uma ilusão, uma mentira. Logo o marxismo é uma grande de uma mentira.


O marxismo, o fascismo, o nazismo, partem da concepção tirânica do pensamento único, iluminado e exato. Em contrapartida negam a pluralidade de opiniões, o debate de ideias e o bem comum. É uma ideologia que funcionou bem nos regimes ditatoriais dos Faraós.


Ótimo artigo para quem não entende nada sobre o básico de economia de mercado e capitalismo. Os que possuem um mínimo de conhecimento e inteligência já entenderam isso há muito tempo e o artigo se torna muito básico, quase infantil. E, acredito eu, a maioria da população minimamente esclarecida, já se tornou doutora neste assunto.
Os socialista/comunistas "intelectuais" também sabem disso tudo muito bem. O problema é que eles são amorais, não possuem caráter. Eles defendem uma revolução bolivariana para ELES conquistarem o poder. Eles são somente a elite, é claro. Os "idiotas úteis" ficarão de fora. Muitos são massacrados. E se for preciso destruir o país para a conquista do poder, eles não pensam duas vezes. Exemplos não faltam.
O artigo é óbvio demais. Os "intelectuais" socialistas/comunistas devem achar muita graça deste artigo e de quando alguém tenta mostrar "que eles são imorais" ou "que eles estão errados". Eles já sabem disso! Esta foi a opção deles! Eles são marginais, canalhas, irresponsáveis, sem caráter, bandidos, assassinos e tudo o que existe de pior. E eles sabem disso!
É como se esse artigo dissesse que o Fernandinho Beira-Mar não agiu com moralidade quando praticou os seus crimes. Ou, no momento de um assalto, alguém dissesse para o assaltante que roubar é crime e é imoral.


Suíça é o melhor país do mundo e é de maioria católica. Estados Unidos foi por muito tempo o melhor país do mundo e é de maioria protestante.

Não sei se possui alguma relação o tipo de Cristianismo que o país escolheu.



Um dos maiores economistas que o Brasil tem previu a crise de 2008, esse homem se chama Delfim Neto.

Delfim Neto previu a crise de 2008

E mais, um outro economista influenciado por Keynes também disse o mesmo, só que em 2005, ele é o Nouriel Roubini.

Desistam, o Brasil jamais será neoliberal.



Cleidson, como já disse na resposta anterior, o fanático de esquerda atribui à esquerda o monopólio da bondade; para ele, tudo que for considerado "bom" será de esquerda, mesmo que tal atribuição seja completamente absurda.

É dificílimo obter uma definição a priori de esquerda; o fanático só faz "conta de chegar". Ele jamais dirá se algo é "de esquerda" ou "de direita" sem antes avaliar se este algo é considerado bom ou ruim. Após avaliar, a resposta é fácil: se é bom, é esquerda, se é ruim, é direita. (Sinto que estou me repetindo)

Se quiser se divertir um pouco, pergunte a ele o seguinte:

Quem disse a frase

"somos inimigos do injusto sistema econômico capitalista que explora os mais fracos, com o seu sistema de salários injustos, com a sua desproporcionada avaliação do ser humano de acordo com riqueza e propriedade em vez de responsabilidade e mérito"

é de esquerda ou de direita ?

Posso apostar que seu amigo responderá "esquerda". Então diga a ele que a frase foi dita por Adolf Hitler em 1º de Maio de 1927, e divirta-se com a reação.


Felipe, não vou entrar em questões de doutrina religiosa porque não é minha praia. Mas quero destacar que seus exemplos me parecem bastante incoerentes.

Existem países católicos ricos, como existem países protestantes ricos, a maioria na Europa e América do Norte. Existem países católicos pobres e países protestantes pobres, a maioria na América Latina e África.

Não vejo grandes diferenças entre as colônias inglesas e holandesas (protestantes) das portuguesas e espanholas (católicas) na Africa. Acho que as palavras chave aí são colônia e África, e não católica ou protestante.

Para pinçar alguns exemplos, vc cita o Chile como "país católico rico"; ora, a colonização espanhola do Chile foi a mesma que a do Perú, Equador, Bolívia, El Salvador, Nicarágua. Na verdade, após a independência da América espanhola no século 19, o Chile foi o país sul-americano que mais se aproximou da Inglaterra.

As Bahamas tem um dos PIB per capita mais altos do continente americano, e sua economia é baseada em turismo e serviços financeiros. Pouco a ver com religião.

A África do Sul é, ou pelo menos foi, um dos países mais ricos em ouro e diamantes, e era um país rico, embora ditatorial, sob a influência da Inglaterra. Hoje, está se destruíndo por conta de políticos corruptos e lutas étnicas pelo poder. Pouco a ver com religião.

Por último, vc acerta ao dizer que as cidades mais pobres tem muitos evangélicos, mas confunde causa com efeito: a religião sempre prosperou entre os pobres e ignorantes, que são muito mais facilmente convencidos. Em contraste, veja como entre os países mais ricos, a religião tem influência cada vez menor. Se hoje os pobres no Brasil estão sendo arregimentados com muito mais eficiência pelos pentecostais do que pelos católicos, é uma questão de estratégia de ambos os lados na qual não vou palpitar.


Anônimo e essa idéia de que toda forma de distribuição de renda é um paradigma esquerdista, de onde saiu? Um amigo meu disse que quando praticamos doações, assistencialismo mesmo que seja com o nosso dinheiro, estamos coletivizando nossa propriedade privada, e propriedade coletiva é esquerda. Como eu posso refutar esse pensamento dele??


"o que tem provocado até mesmo rumores de terceira guerra mundial [...] devido a instabilidade do Dólar por causa da trilionária divida norte-americana"

"Confesso que não entendi esse salto de lógica".

Devido o BRICS estar querendo acabar com o monopólio do Dólar (de ser a moeda de reserva mundial )ao querer criar uma moeda única entre eles e querer estender para demais parceiros comerciais.Os russos e chineses estarem seduzindo as monarquias do golfo a aderirem a esse pacto(Futuramente comercializarem o petróleo com esta moeda),isto tem aumentado as tensões entre as superpotências o que tem gerado rumores de terceira guerra mundial(Improvável,mas a ameaça esta na ordem do dia)devido a atual corrida armamentista e conflitos regionais principalmente no oriente médio região nevrálgica para o controle do mundo(Via moeda de reserva mundial,hoje o Dólar e futuramente com a moeda do BRICS).

"Vale também lembrar que os juros que o Fed paga aos bancos faz com que ele repasse menos ao Tesouro (isso já foi explicado várias vezes neste site). Consequentemente, os déficits do governo aumentam e aumenta a dívida. E isso também é pespegado aos pagadores de impostos".

O mercado interbancário ficou sem função,mas se os juros aumentarem o déficit do Tesouro aumentará,mas na atual conjuntura ele está se financiando a um baixo custo ao pagar juros irrisórios,enfim está política de depósitos remunerado beneficia banqueiros,Tesouro e pagadores de impostos visto seu baixo custo operacional e eliminação da volta da inflação,quando digo hiperinflação é devido ao salto da base monetária muito alta em curto espaço de tempo,portanto sem essa politica de depósitos remunerados a hiperinflação estaria acontecendo o que poderia provocar uma terceira guerra mundial(Apesar do arsenal nuclear)devido a desvalorização brutal do Dólar e reservas externas dos parceiros comerciais insatisfeitos igual Rússia e China e marginalmente demais países.

"e Dilma se fosse presidente estaria praticando tal política"

Nelson Barbosa cogitou implantar tal política antes do impeachment.



Cleidson, a partir do momento que vc pratica assistencialismo com seu dinheiro vc não é socialista. A partir do momento que usa o estado para obter essa assistência ai sim vc é socialista! respondi sua questão ?


Graças a Deus esse tempo passou...e que não volte nunca mais!!


Errado. Nada disso aconteceu em 2008 nos EUA.

David Stockman -- talvez o maior insider da política americana -- contou tudo o que ocorreu nos bastidores em seu livro, o qual foi resenhado neste artigo:

Alguns detalhes pouco conhecidos da crise financeira de 2008


Quanto ao que causou a crise, sugiro este artigo:

Como ocorreu a crise financeira americana


"Essas reservas internacionais que o Brasil detém, só foram possíveis devido a nossa exportação?"

Exportações, investimento estrangeiro direto, e toda e qualquer compra efetuada por estrangeiros de ativos brasileiros (ações, debêntures, títulos do Tesouro, CDBs, LCIs, LCAs, fundos de investimento etc.)

"Essas mesmas reservas poderiam ser usadas para incentivar o consumo como um candidato propôs? Se sim, quais impactos isso geraria tanto a nível nacional quanto internacional, economicamente falando?"

Não. Isso é proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Explico.

As reservas são propriedade do BC. O BC teria de vender esses dólares em troca de reais, e então repassar esses reais para o Tesouro. Só que é proibido o Banco Central financiar diretamente o Tesouro. Isso foi completamente vedado pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Portanto, qualquer político que diga que pode usar as reservas do BC para "estimular" a economia está confessando que pretende cometer um crime.

"Um modo de valorizar nossa moeda frente a todas as outras seria um Currency Board ou um padrão-ouro?"

Ambos seriam a mesma coisa. Um padrão-ouro nada mais seria que um Currency Board lastreado em ouro.

"E isso depende da produtividade da economia ou é um fator natural que decorre da âncora cambial?"

A âncora cambial, por si só, resolve o problema da desvalorização contínua da moeda. Se a população for produtiva, tanto melhor. Porém, isso não é crucial para o funcionamento de um Currency Board. O governo manter um orçamento equilibrado é muito mais crucial.


Por que todos neste blog têm a mania de desdenhar de quem discorda? Parecem trollzinhos.

O colapso do mercado de capitais nos EUA durante a crise do subprime é puramente um efeito manada: notícias negativas causam pânico e escalada ao resgate de reservas de valor, e o mercado de capitais foi interpelado pela crise sistêmica de liquidez no sistema financeiro.

A interdependência dos agentes em um sistema financeiro não permite que a insolvência de um deles não atinja o outro. Deixar que um quebre pode gerar uma quebradeira em cascata, e você bem sabe disso. Então dizer que

"Em uma depressão, obviamente, vários negócios vão à falência. Ao falirem, eles liberam recursos - que até então estavam sendo mal utilizados - para ser empregados em outras atividades que farão com que as demandas do consumidor sejam mais bem satisfeitas. Se houver um aumento nos gastos do governo com o intuito de tentar estimular essas empresas falidas, as preferências dos consumidores serão prejudicadas."

simplesmente ignora o efeito sistêmico que a falência de um agente no sistema financeiro pode causar. Keynes sabia que alguns bancos podres seriam inundados com crédito, mas era um mal necessário para o bem de todo o sistema.



Meu caro acho que você nunca leu Marx.

Não era liberal coisa nenhuma, e nunca disse que o capitalismo deveria ficar livre. No manifesto comunista recomenda 10 medidas para se tomar antes da chegada do comunismo, medidas a la PSOl


Sugiro ler a matéria:

Capitalismo, Nazismo e Comunismo e a mídia judaica, o custo da hipocrisia.

pauloguimaraes777.blogspot.com.br/2017/06/capitalismo-nazismo-e-comunismo-e-midia.html


O Brasil é uma república federativa apenas no papel. Na prática, ainda nos comportamos como um estado unitário.
Essa Constituição de 1988 é que ferrou com tudo. Ela especifica muitas que nem deveriam ter entrado na pauta.
Enquanto não revogarem essa constituição fazendo outra ou adotando, novamente, a mais liberal de todas as constituições brasileira, a de 1824, continuaremos com esse governo centralizador.



O único país protestante a, de fato, prosperar enquanto protestante foi os Estados Unidos. Todos os outros já eram ricos enquanto católicos. A prova disso é que em todos os países europeus de maioria protestante a igreja é associada ao Estado. Eles mantiveram o sistema antigo da Igreja Católica.

O Protestantismo bebeu de todo aparato deixado pelo Catolicismo, isso é fato histórico. A tese de Weber tem se mostrado inverídica se formos olhar pelo aspecto prático. Podemos citar alguns exemplos de países católicos ricos: Áustria, Suíça, Itália, Irlanda, França, Canadá - em especial Québec, Bélgica, Austrália, Chile...só para citar alguns.

Existe o outro lado, os países colonizados por protestantes, com maioria nessa religião, mas que no entanto são tão pobres quanto o Brasil, eis alguns deles: África do Sul, Nigéria, Botswana, Jamaica, Bahamas, Guiana e São Vicente e Granadinas, Papua Nova Guiné, só para citar alguns.

No caso do Reino Unido e dos países escandinavos, pode-se dizer que são protestantes muito próximos ao Catolicismo seja liturgicamente quanto doutrinariamente. Papa Bento XVI chegou a presidir uma missa na Abadia de Westminster junto ao Arcebispo de Cantebury em 2012. Esse protestantismo europeu nada tem a ver com o puritanismo elogiado por Weber e que acabou prosperando nos Estados Unidos.

Vamos nos lembrar também que algumas cidades mais pobres do Brasil possui uma presença expressiva de evangélicos. Podemos citar aqui a cidade de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, conhecida por ser a cidade mais evangélica do estado do Rio e uma das maiores do Brasil. É uma cidade pobre e violenta. A vizinha Niterói tem a maior parte de sua população pertencentes a classe A, com níveis de escolaridade bem maior que São Gonçalo e níveis de violência abaixo da média, Niterói possui uma vasta maioria católica romana.

O que aconteceu com o catolicismo latino-americano é que, por conta do padroado, acabou que Roma perdeu um pouco as rédeas e a igreja passou a ser comandada pelos monarcas. Isso atrasou em muito o conhecimento das doutrinas, das filosofias e modo de pensar elaborados pela Igreja durante muitos anos. Aqui no Brasil, a Igreja só se viu liberta desse grilhão quando a República foi proclamada.

O Protestantismo contribuiu sim para muitas coisas, principalmente para o processo de secularização da sociedade, mas não podemos supervalorizar tanto o movimento não. Muito do que é falado em favor do movimento não corresponde a realidade.


Olha, por tudo o que você escreveu, na verdade todo mundo já sabe que você é que não sabe que o capitalismo é fantástico.

O que tem a ver um arranjo criado para privilegiar a troca voluntária entre as pessoas com a imoralidade e coerção de outras?
Quer dizer que o problema do capitalismo é um estado-elefante lhe impor que você deve pagar impostos ( e ainda extorsivos ), contribuições sindicais, ter tomado seu labor para sindicatos e órgãos de classe, e bolsistas, lhe coibir de comprar bens de consumo mais baratos e etc ?

Isso é capitalismo ou quadrilha democrática?


Guerra civil? No Brasil, nunca, nosso povo é acomodado e bunda-mole demais para isso. Pode fazer o que quiser, tudo se acomoda e poucas horas depois já tem piadas a respeito circulando no whatsapp.

A independência do Brasil foi declarada no grito.
A proclamação da república foi feita no grito.
Getúlio tomou o poder em 1930 no grito.
Os militares tomaram o poder em 1964 no grito.
A lava-jato vai ser extinta no grito, e a única reação que veremos serão memes no Facebook.

Ninguém no Brasil está disposto a lutar por uma causa. Desfilar de camisa vermelha na Av. Paulista, sendo pago, tudo bem. Mas dedicar-se a algo, e de graça? Se procurar no país inteiro não enche um micro-ônibus.


"...não restará outra alternativa que não seja ESTATIZAR o transporte público para que por meio de subsídios o governo mantenha-o funcionando, pois para a iniciativa privada isso não terá mais qualquer viabilidade. "

Pelo contrário. A alternativa óbvia (embora certamente impensável para os estatistas) é tirar o estado do transporte coletivo, da mesma forma que o uber o tirou do transporte individual. Afinal, porque é que alguns iluminados da prefeitura devem determinar por onde o ônibus vai andar, onde vai parar, quando vai sair, etc, etc,etc ??

Como vc mesmo disse, são exigências e burocracias que só aumentam o custo. Deixem os empresários administrarem o sistema e tudo melhora rapidinho.

E olha, duvido que o uber tire sequer 2% dos clientes do transporte coletivo.


Na verdade o tráfico de drogas só existe por causa do Estado. Existem duas maneiras de acabar com isso, a primeira é legalizando as drogas e a segunda é combater com eficiência o narcotráfico, porém sabemos que quando se trata de eficiência do Estado não podemos contar com nada menos que desordem e corrupção, principalmente quando o assunto em pauta é a segurança pública.

Em uma sociedade livre, cada indivíduo tem o poder de decidir oque é melhor para si mesmo e assumir as responsabilidades sem ter a imoralidade do Estado invadindo seus direitos individuais.


Acredito em um diabo literal e por isso mesmo estou convicto de que o socialismo é uma ideia de satanás para empobrecer e escravizar os povos, enquanto o capitalismo, a propriedade privada, é o caminho natural para a prosperidade, porque Deus sempre abençoou o trabalho honesto.
Deve haver uma guerra espiritual que faz com que os homens sempre acreditem no Estado e se submetam a ele, tornando-se escravos. Isso acontece, creio, porque os homens estão separados de Deus. Por isso o diabo tem engolido a humanidade com socialismo, feminismo, islamismo, e outros males que subtraem a liberdade humana.


"O comunismo não é um sistema: é um dogmatismo sem sistema — o dogmatismo informe da brutalidade e da dissolução. Se o que há de lixo moral e mental em todos os cérebros pudesse ser varrido e reunido, e com ele se formar uma figura gigantesca, tal seria a figura do comunismo, inimigo supremo da liberdade e da humanidade, como o é tudo quanto dorme nos baixos instintos que se escondem em cada um de nós." > conservadores.com.br/o-anticomunismo-de-fernando-pessoa/

"Eu me pergunto sempre: "Quais são as pessoas que curtem a esquerda e, em espécie, o comunismo?" Geralmente os fracassados, aqueles que nunca iriam conseguir chegar onde sonhavam sem a ajuda de uma corrente política que precisa de acólitos. Tem gente que trabalha, estuda e ganha uma fortuna no meu pais. Esses geralmente, nem querem saber de política, na verdade não tem tempo para isso. Assim como tem gente que, não importa em que sistema eles viveriam, sempre vão se constituir no lixo da sociedade: alcoólatras sonhadores, preguiçosos, ladrões, bandidos. Toda essa a última categoria é o grosso do que se chama de "turma proletária*" mas não tem nada a ver com proletariado. É, na verdade, o esgoto da sociedade, a sujeira que fede de qualquer jeito à pobreza, ao medo e à covardia." > minutoprodutivo.com/internacional/entrevista-medico-romeno-conta-como-era-viver-num-pais-socialista

"Porém o suprassumo da cretinice é contestar a fidelidade de Lula ao comunismo mediante a alegação de que é um larápio, um corrupto. Qual grande líder comunista não o foi? Qual não viver como um nababo enquanto seu povo comia ratos? Qual partido comunista subiu ao poder sem propinas, sem desvio de dinheiro público, sem negócios escusos, sem roubo e chantagem?" > www.dcomercio.com.br/categoria/opiniao/el_mayor



Lhe dou uma dica de amigo: Não perca seu precioso tempo com discussões sobre política com esquerdas. Tenho um tio petista doente que é pior que corno manso (desculpe o termo chulo).


Sorry, mas nenhuma comoção de minha parte.

Para começar, você usufrui uma reserva de mercado garantida pelo estado. O estado lhe concedeu o monopólio da exploração de linhas de ônibus, proibindo a concorrência neste setor para garantir seus lucros. E você, usufruidor desta reserva garantida pelo estado, está reclamando que o próprio estado que lhe concede privilégios está também impondo algumas exigências caras.

Quanto ao Uber, ele veio exatamente para libertar a população deste jugo imposto pelo conluio entre o estado e os grandes empresários, como você. Uber veio para libertar o consumidor dos monopólios protegidos pelo estado, como o seu.

É natural a choradeira de empresário acostumado com mamata e com um mercado cativo.

Sugestão: se você está achando ruim de ter perdido a mamata do lucro fácil, feche sua empresa e vire motorista de Uber. Ou de Cabify.

No capitalismo, quem tem de ganhar é o consumidor. O capitalismo é um arranjo criado para privilegiar o consumidor, e não o empresário, o sindicalista ou o empregado de carteira assinada.