05/03/2009 00:00  por  Francisco Pompeu \  economia

A recém-desencadeada crise econômica tem levado muitos comentaristas apressados a declarar a morte do liberalismo. Alguns mais exagerados chegam a enxergar a queda de um novo muro, agora o de Wall Street. A economia de livre mercado teria demonstrado sua ineficiência, sua incapacidade de prover segurança e desenvolvimento.

Entretanto, um olhar mais atento nos leva a conclusões opostas. É aceito amplamente que a crise tem origem no sistema financeiro. Vejamos algumas características deste sistema e investiguemos se realmente ele atende aos requisitos mínimos para ser classificado como de livre mercado.


28/11/2008 00:00  por  Helio Beltrão \  economia

Para entender a crise: esqueça o batido e repetido argumento de que a atual crise econômica foi provocada pelo livre mercado. O presidente do Instituto Mises BRasil, Helio Beltrão, explica como o governo e as atuais regulações existentes levaram o mundo para o caos econômico que estamos vivendo.

A palestra está dividida em quatro partes e também está disponível no canal do IMB no site (www.youtube.com/misesbrasil). Lá você pode conferir outros vídeos também.  Acesse!

 


15/10/2008 00:00  por  Lucas Mendes \  economia

Conforme provocado, eu estava lendo os jornais de fim de semana, e constatei que todos os editoriais afirmam compulsivamente o clássico chavão: a crise é do capitalismo!

Na esteira disso, significa aquela história bem conhecida: o livre mercado é em si gerador compulsivo de surtos irracionais de crescimento, euforia, motivado pela ganância dos homens que conduz a uma situação insustentável que, para corrigi-la, somente a ação do bem-feitor desta humanidade egoísta: o nosso velho amigo Estado.


01/10/2008 00:00  por  Leandro Roque \  economia

A atual crise financeira americana ilustra de modo tão claro as conseqüências das distorções que o estado provoca na economia que ela deveria figurar em todos os livros-texto.

Vejamos.

Em 2001/2002, os EUA estavam em uma leve recessão provocada pelo estouro da bolha da NASDAQ, pelo 11 de setembro e pelo colapso da Enron.

O que fez então o Federal Reserve para tentar evitar a recessão?


19/09/2008 00:00  por  Thiago Gomes \  política

Uma das formas de diminuir a máquina estatal, com sua burocracia colossal, é privatizando. As empresas estatais, além de tenderem à ineficiência por falta de concorrência, encarecem o produto, e quem sempre paga é o consumidor (o mais pobre sempre sofre mais). Mas não é o foco do presente artigo defender a privatização, e sim criticar a atual forma de privatizar praticada no Brasil e apresentar alternativas melhores.

No nosso país quando o governo (seja em qualquer nível) deseja privatizar uma estatal, a coloca em leilão, e o maior lance leva. Os trabalhadores recebem uma pequena parte das ações e podem escolher comprar mais (com um teto fixo - sempre pequeno, claro). Assim foi com a Companhia Energética de Pernambuco - Celpe - privatizada pelo governo estadual no ano 2000. Em primeiro momento, deveríamos elogiar tal posição, pois reduziu o tamanho do Estado e melhorou a eficiência, correto? Não é bem assim.


05/05/2008 00:00  por  Rodrigo Constantino \  economia

A liberdade sempre contou com poucos amigos verdadeiros. Estes raros defensores genuínos da liberdade muitas vezes desanimam diante da inglória luta contra os seus inimigos. O Mises Institute foi fundado por Lew Rockwell com a prioridade de manter um corpo de idéias liberais vivo, já que mesmo as grandes idéias não têm uma vida própria, ainda mais aquelas que desafiam os poderes estabelecidos. Estas idéias em prol da liberdade precisam circular para evitar a extinção. Em seu livro Speaking of Liberty, Rockwell explica melhor o que os liberais devem fazer para vencer a disputa das idéias e disseminar os ideais liberais de forma sustentável. Apesar da luta desigual, Rockwell mantém seu otimismo em relação ao resultado final.

10/04/2008 00:00  por  Fernando Chiocca \  economia

No filme Matrix, uma pequena porcentagem da humanidade possui uma percepção diferente das demais, aquilo que as máquinas chamam de anomalia, e são essas pessoas que acabam chegando a Morfeu e se deparando com a escolha entre a pílula vermelha e a pílula azul. O que leva essas pessoas a percorrer este caminho é a necessidade que elas sentem de conhecer a verdade, é a pergunta que as impulsiona e é a pergunta que as leva até Morfeu.

13/03/2008 00:00  por  Pedro Carleial \  política

Economia, nas palavras de Ludwig von Mises, é o estudo da ação humana. A todo instante tomamos decisões, como usar nosso tempo, nosso esforço e os materiais que criamos para atingir nossos objetivos. O estudo destas decisões e de suas conseqüências é a Economia.

 

Política é o estudo da ação governamental. Um governo é uma organização que detém o monopólio do uso da força física em uma dada região. Política é o estudo sobre o propósito, as regras e a estrutura de tal organização.

 

Estas definições deixam claro que Política e Economia são assuntos fundamentalmente distintos. A primeira lida com o uso da força física nas relações humanas, a segunda com a ação produtiva do homem. É evidente que as disciplinas não são independentes. As regras que são impostas politicamente ao indivíduo afetam suas escolhas, afetam sua ação econômica.




CATEGORIA
  
POST POR DATA