clube   |   doar   |   idiomas

26/02/2010 00:00  por  Rodrigo Constantino \  economia

O lucro do Banco do Brasil em 2009 superou os R$ 10 bilhões, e membros do governo comemoram o resultado. Mas uma lupa no balanço do banco estatal desperta desconforto nos mais céticos. Os ativos totais do banco ultrapassaram os R$ 700 bilhões em 2009, saindo de pouco mais de R$ 500 bilhões em 2008. O crescimento foi acelerado demais, basicamente no crédito para pessoa física. Como o patrimônio líquido não aumentou na mesma proporção, o patamar de alavancagem do banco deu um salto.

O BB possui praticamente R$ 20 de ativo para cada R$ 1 de patrimônio. Isso quer dizer, em outras palavras, que uma perda de apenas 5% nos seus ativos levaria a uma perda total de seu patrimônio. O Itaú Unibanco e o Bradesco, os maiores bancos privados, são bem mais conservadores, com R$ 12 de ativo para cada R$ 1 de patrimônio. E, com a crise econômica e o cenário ainda incerto no mundo, estes bancos privados reduziram seu risco, o oposto daquilo feito pelo BB, pelo BNDES e pela Caixa Econômica Federal.

O governo fala em medidas anticíclicas, mas o fato é que uma bolha de crédito estatal pode estar em gestação. Não custa lembrar que os problemas no setor imobiliário americano começaram assim. A parcela dos bancos estatais no total de crédito do país já chega a quase 50%, e subindo a ladeira. O uso político deste crédito representa uma ameaça às liberdades, já que o cão não morde a mão que o alimenta. O BNDES, por exemplo, destina 85% de seus desembolsos para grandes empresas. O BB aumentou em 247% as operações de crédito para o setor público em 2009. O PAC recebeu também quase R$ 4 bilhões do BB em 2009.

No "Manifesto Comunista", Marx colocou como uma das metas fundamentais de seu programa a "centralização do crédito nas mãos do Estado". Parece que o Brasil de Lula não está muito longe disso.

24/02/2010 00:00  por  Leandro Roque \  economia

Aí sai a notícia:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem manifestado reiterado apoio à reativação da Telebrás, com o propósito alegado de que essa estatal "coordene e gerencie a oferta de serviços de banda larga pelo menor preço possível a todos os brasileiros"[...]

Como em ano de eleições tudo se promete, o presidente diz que a intenção é oferecer o acesso à banda larga a R$ 10 mensais. Só não diz como fazer esse milagre.

Para que se tenha ideia do disparate, é bom lembrar que a mais avançada e mais barata rede de banda larga do mundo é da Coreia do Sul, onde 97% dos domicílios podem acessar a internet à velocidade de 50 Megabits por segundo (Mbps) - quase 100 vezes a velocidade da banda larga brasileira - por apenas US$ 25 (R$ 47), como mostrou o jornalista Ethevaldo Siqueira no Estado de domingo.  Leia o resto.

Se o excelentíssimo de fato estivesse interessado em banda larga boa e barata para todos, a primeira providência que ele tomaria seria abolir a ANATEL e o Ministério das Comunicações, o que legalizaria pela primeira vez a concorrência no setor e de quebra permitiria que essas empresas coreanas viessem pra cá nos fornecer essa maravilhosa banda larga de 100 Mbps.

Que direito tem o governo de nos privar dessas benesses?  Por que não podemos ter a liberdade de ter um mercado aberto a todo o tipo de livre concorrência?  Imagine se todas as empresas de telecomunicação, internet e TV a cabo do mundo pudessem vir livremente pra cá?  As tarifas iriam para o abismo e os serviços melhorariam espetacularmente.  Os call centers tornar-se-iam desnecessários, pois mudar de operadora seria algo rápido e gratuito.  As empresas muito provavelmente até distribuiriam celulares de graça e ofereceriam vários outros serviços gratuitos, inclusive Internet, que, aí sim, finalmente seria universal.

Mas não.  O mercado tem de ser fechado e muito bem regulado, pois só assim é possível garantir os privilégios dos amigos do rei - além de garantir a valorização de 35.000% das ações da Telebrás, para beneficiar José Dirceu.


18/02/2010 00:00  por  Rodrigo Constantino \  economia

As novas regras da Anvisa para a venda de remédios nas farmácias começam a valer esta semana, apesar da chuva de liminares que vem garantindo o direito de as farmácias manterem os produtos ao alcance dos clientes. Por trás das novas regras jaz uma mentalidade que trata os consumidores como idiotas indefesos, o governo como um deus, e os burocratas como seus santos agentes enviados para nos proteger.

Segundo esta crença, um indivíduo pode entrar numa farmácia para comprar um desodorante, e de repente comprar e consumir por impulso vinte aspirinas, mesmo sem dor de cabeça alguma. Contra este enorme risco, nós precisamos do governo para proibir que tais remédios, que não necessitam de receitas médicas, fiquem ao nosso alcance. Claro, sem a Anvisa todos nós acabaríamos tomando veneno no café da manhã, em vez de leite. Ainda bem que temos o governo para cuidar de nós!

Há um "pequeno" problema nessa premissa, entretanto: são os próprios idiotas que escolhem o governante, que por sua vez irá protegê-los. Ou seja, somos todos idiotas, vítimas potenciais da "exploração" das farmácias, mas vamos escolher nossos protetores pelo voto. E quem garante que não seremos explorados então pelos próprios governantes? Já que somos idiotas, a probabilidade disso ocorrer é enorme! Ou seja, o paternalismo e o sufrágio universal democrático são um tanto contraditórios.

Os paternalistas precisam sair da toca e assumir de forma mais direta que são autoritários, que defendem um governo de "esclarecidos", gente altruísta que vai proteger os mentecaptos, sem abusar de tanto poder. A questão de como colocar tais sábios altruístas no poder, assumindo que eles existem, permanece sem solução aparente. Mas isso não importa muito aos autoritários: eles sempre imaginam que pessoas exatamente como eles terão esse poder de tutela.

Não passa por suas cabeças ingênuas que os verdadeiros idiotas, ou então os oportunistas sedentos por poder, poderão assumir o governo. Nesse caso, bem mais provável, devemos perguntar: quem vai nos proteger dos idiotas poderosos? Quem vai nos proteger da arrogância dos burocratas da Anvisa, que acham que não somos capazes de escolher uma simples aspirina sem a tutela estatal?

Por fim, sabemos que essa mentalidade é típica da esquerda. A mesma esquerda que costuma pregar a legalização das drogas - não sem razão. Mas quando ambas as bandeiras se juntam, uma clara contradição salta aos olhos. Os idiotas não podem ter liberdade para comprar uma simples aspirina, direto da prateleira, mas vão comprar skank na farmácia? Já posso até imaginar uma farmácia do futuro, idealizada por um esquerdista típico. O sujeito entra nela, e pede ao farmacêutico:

- Senhor, uma aspirina, um bagulho do bom, um comprimido de ecstasy e um tablete de ácido, por favor.

No que o farmacêutico retruca:

- E você tem receita médica para esta aspirina, rapaz?
_____________________________________________________

Para mais detalhes sobra a Anvisa, sempre recorra a Luis Almeida.


17/02/2010 00:00  por  Leandro Roque \  política

Lembram-se de Phil Jones, aquele diretor da Unidade de Pesquisa Climática da Universidade East Anglia que recorria a "truques" para manipular as temperaturas, fazendo-as parecer um pouquinho mais quentes do que de fato foram?

Pois é.  O homem afinou.  Em entrevista recente à BBC, ele confessa algumas coisas bastante interessantes (e engraçadas):

1) Ele perdeu os dados que supostamente comprovariam a existência do aquecimento global.  Aparentemente, o homem tem problemas organizacionais.  O escritório dele é uma zona, repleto de uma mixórdia de pilhas de papeis que atrapalham seus registros de informações, impedindo-o de manter um controle eficiente deles.  Resultado: os dados sumiram (convenientemente após Jones ter sido instado por lei a apresentá-los).

2)  Ele também admitiu a hipótese de que o mundo era mais quente na Idade Média do que é hoje - o que significa que qualquer aquecimento que porventura esteja ocorrendo não é um fenômeno criado pelo homem.

3) Para horror supremo dos aquecimentistas, o acadêmico confessa que não houve nenhum aquecimento "estatisticamente significante" nos últimos 15 anos - ou seja, as variações de temperatura que ocorreram desde 1995 estão absolutamente dentro do padrão.

4) Por fim, o cientista abre o jogo e reconhece que, ao contrário do que disse Al Gore, o debate está longe de ter terminado.

E agora? Até aqui, os céticos vinham sendo ridicularizados e tachados de fanáticos ignorantes por estarem indo contra a ciência.  O que os aquecimentistas têm a dizer sobre essa confissão de um de seus mais eminentes quadros, que praticamente corrobora a visão dos céticos?

O mito do aquecimento global provocado pelo homem - uma ideia, aliás, de uma arrogância suprema - vai aos poucos, vexaminosamente, revelando seu aspecto fraudulento.

Que deem um Nobel da Paz (ou de Física) para aqueles hackers.


09/02/2010 00:00  por  Leandro Roque \  economia

Vale muito a pena ler a íntegra da notícia a seguir e comprovar como os nossos economistas estão cada vez mais perdidos quando o assunto é teoria econômica.  O excesso de keynesianismo que infectou suas mentes faz com que um marxista roxo subitamente adquira uma profundidade intelectual aristotélica.

Para contextualizar melhor a crítica, recorro ao artifício de comentar cada estrofe separadamente.  O original vai de vermelho e eu vou de preto.

Moradores de SP e Rio perdem poder de compra em dez anos, diz pesquisa

Quem já não teve a sensação de que as coisas estão ficando cada vez mais caras, mesmo quando os dados oficiais de inflação indicam que os preços não subiram tanto assim?

Todo mundo tem essa sensação constantemente, e só se assustam com ela aqueles que confiam nas estatísticas divulgadas por agências do governo, cuja função principal é suavizar os efeitos da depreciação monetária premeditada feita pelo Banco Central, que age desta forma para benefício do governo, do sistema bancário que ele protege e de todos aqueles com boas conexões políticas. 

Ou que muita coisa é bem mais barata quando comprada no exterior?

Porque a carga tributária é alta aqui e baixa lá fora.  Além do protecionismo, que nos impede de importar produtos baratos para proteger a ineficiência de algumas indústrias nacionais.

Esse sentimento do brasileiro tem razão de ser, dizem especialistas.

Dados mostram que o poder de compra em São Paulo e no Rio de Janeiro teve queda nos últimos anos, ou seja, as pessoas têm que trabalhar mais para comprar os mesmos produtos.

A inflação monetária provocada pelo Banco Central faz com que os preços subam mais que os salários médios, o que provoca uma queda nos salários reais - aliás, se não fosse assim, o desemprego estaria muito maior.  Eis aí uma das conseqüências deletérias da expansão monetária: queda do padrão de vida.

O banco suíço UBS faz a cada três anos uma pesquisa comparando o custo de vida em mais de 70 cidades do mundo. Mas, além de converter o preço de vários produtos e serviços para dólar e fazer um ranking das cidades mais caras, a pesquisa também faz comparações levando em conta quanto os trabalhadores do local ganham, em média. Assim, conseguem comparar o poder de compra dos cidadãos das várias cidades.

"Os preços medidos em reais subiram consideravelmente nos últimos dez anos em São Paulo e no Rio de Janeiro. O preço da nossa cesta de bens e serviços subiu aproximadamente 135% entre 2000 e 2009", diz Thomas Berner, economista norte-americano que faz parte do grupo de pesquisa do UBS.

De 2000 a 2009, a base monetária aumentou 243% e o M1, 250%.  Esse aumento de 135% nos preços acabou sendo pequeno, em comparação - o que significa que, caso a oferta monetária tivesse ao menos crescido a taxas menos bárbaras, tipo 2% ao ano, o que daria uns 20% em 9 anos (mais ou menos como cresce o estoque de ouro) - teria havido queda de preços dessa cesta de bens e serviços. 

Mas como keynesianos e chicaguistas pensam que preços em queda geram recessão - o que significa, por lógica, que as indústrias de computadores, DVDs, câmeras, laptops e celulares nunca saíram da depressão profunda, dado que os preços só fazem cair desde que surgiram -, o BC, que está sob o comando dessa turma, está sempre expandindo a oferta monetária.  E depois acham estranho que o padrão de vida cai porque o preço do feijão e do cabeleireiro só sobe.

"Como o rendimento médio não acompanhou a velocidade do aumento de preços, o poder de compra doméstico caiu e ainda está abaixo do que era em 2000, ou seja, as pessoas têm que trabalhar mais para comprar a mesma cesta de produtos. O Rio e São Paulo ficaram mais caros do ponto de vista de seus cidadãos", explica o especialista.

Se a expansão monetária é maior que a produtividade - e convenhamos que não é fácil aumentar a produtividade em mais de 240% - os preços fatalmente crescerão mais que os salários.  Algo a se estranhar?

Comparando o poder de compra nas diferentes cidades, São Paulo ficou em 45º lugar no ano passado, entre 73 cidades, enquanto o Rio de Janeiro ficou em 48º. Usando o poder de compra em Nova York como referência, com o valor de 100 pontos, em São Paulo esse número é menos da metade: 45,2 pontos.

No Rio, o valor encontrado é 38,6 pontos. Isso significa que um paulistano médio consegue, com seu rendimento, consumir menos da metade do que um nova-iorquino consegue.

Outra comparação famosa feita pelo UBS é o chamado "índice Big Mac", que mede quanto tempo uma pessoa tem que trabalhar para comprar o famoso sanduíche. Em Nova York, esse tempo é de 14 minutos; em São Paulo, são necessários 40 minutos, e no Rio, 51 minutos.

O UBS também fez uma comparação semelhante, calculando o tempo necessário para comprar um iPod Nano. Para o novaiorquino médio, são 9 horas de trabalho, enquanto o paulistano precisa de 46,5 horas e o carioca, 56 horas.

Tá, isso são estatísticas um pouco mais subjetivas e eu não quero entrar no mérito delas.  Mas a melhor parte vem agora.

Os economistas acreditam que o próprio crescimento econômico é um dos vilões dos preços. "O crescimento econômico geralmente leva a preços mais altos. Então, a expansão forte da economia brasileira nos últimos anos deve ser uma das principais explicações para a alta dos preços", diz Berner.

Como não rir?  Crescimento econômico, por definição, significa que há uma disponibilidade maior de bens e serviços.  E se há maior oferta, então a tendência é que o preço caia, e não que ele suba. 

Quando os EUA estavam no padrão-ouro clássico, de 1814 a 1913, o preços caíam ano após ano.  Aliás, até antes da Primeira Guerra Mundial, em 1914, inflação de preços era um fenômeno extremamente raro.  A norma era que os preços caíssem constantemente.  E por que caíam?  Porque havia crescimento econômico e a base monetária (lastreada em ouro) crescia a taxas ínfimas - para deixar claro, os bancos praticavam reservas fracionárias desde aquela época, mas não podiam se entusiasmar muito justamente porque a base monetária era bastante rígida.  Caso se entusiasmassem muito, eles facilmente poderiam se tornar insolventes. 

Por causa desse arranjo monetário, 100 dólares em 1913 tinham o mesmo poder de compra que 177 dólares tinham em 1814.  O que significa que algo que custava 177 dólares em 1814 passou a custar apenas 100 dólares em 1913.  Ou seja: o americano guardava dinheiro e ele se valorizava com o tempo.  E tudo isso com um crescimento econômico de 4% ao ano.  (Você pode conferir todas as estatísticas aqui e aqui).

Portanto, crescimento econômico causa queda de preços, e não um aumento.  Se está havendo crescimento e aumento de preços é porque a oferta monetária está crescendo a um ritmo maior do que o crescimento econômico.  Um economista dizer que "crescimento econômico geralmente leva a preços mais altos" é de gerar impulsos homicidas num monge beneditino.

Para Robson Gonçalves, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio, um dos fenômenos que explica o fato de muitos produtos serem caros no Brasil é uma mudança no patamar de desenvolvimento do país. "Quando os países chegam a um nível médio de desenvolvimento, a vida urbana fica mais cara", diz ele. "Muitos itens ainda são elitizados no Brasil. Um exemplo é o vinho, visto como um produto de elite, que por isso tem um sobrepreço."

A vida é mais cara nos centros urbanos principalmente porque ali há um volume de dinheiro maior do que nas cidades do interior.  O mesmo fenômeno pode ser observado entre as capitais.  Um mesmo produto tende a ser mais caro em São Paulo do que em Belo Horizonte ou Porto Alegre, simplesmente porque há mais dinheiro em São Paulo (algo que por si só gera maior demanda, sem, no entanto, necessariamente gerar um equivalente aumento na produção).

Se não levássemos em conta esses fatores monetários, então os preços numa cidade do interior da Bahia, por exemplo, teriam de ser mais caros do que em Salvador, uma vez que as péssimas estradas de acesso ao interior elevariam em muito os custos desses produtos.

O especialista explica que isso acontece porque, com o crescimento econômico e uma maior mobilidade social, há um aumento rápido da demanda, já que as pessoas querem consumir produtos a que não tinham acesso antes.

Fenômeno idêntico aconteceu durante mais de um século nos EUA, só que em proporção muito maior que no Brasil, e os preços caíram anos após ano.  Aumento na demanda em um cenário com oferta monetária rígida não causa elevação geral dos preços.  Mesmo porque, para que uma pessoa possa demandar algo nesse cenário, ela precisa antes ter produzido algo - e isso elevaria a oferta de bens e serviços para toda a economia, reduzindo os preços.

Aumento da demanda só causa aumento de preços quando essa maior demanda surge em decorrência de um aumento da oferta monetária - nesse caso, a pessoa não precisa produzir nada para poder demandar algo; ela simplesmente utiliza o dinheiro recém-criado e já aumenta o seu consumo.

É isso que vem acontecendo no Brasil.

A tendência, porém, é que isso mude conforme o país continuar crescendo. "Vai quebrar esse consumo esnobe. As pessoas vão passar a exigir qualidade e preço baixo", diz Gonçalves.

De fato, qualidade só pode ser exigida quando há livre concorrência.  Porém, mesmo nesse cenário, se estiver havendo expansão monetária - como sempre está -, o máximo que pode ser exigido é que os preços subam a um ritmo menor; nunca que eles caiam ou que pelo menos fiquem constantes.

No entanto, o economista faz a ressalva de que, nos grandes centros urbanos, os serviços são muito caros. "Essa pesquisa tem um viés, é muito influenciada pelo fato de São Paulo e o Rio serem cidades muito grandes. A pesquisa não retrata as cidades médias, no interior de São Paulo e norte do Paraná, por exemplo, que têm renda elevada e onde o custo de vida é muito mais baixo."

Exatamente pelos fatores explicados duas estrofes acima.

Otto Nogami, professor do Insper (ex-Ibmec São Paulo), concorda que a vida nos grandes centros é mais cara. "Nas metrópoles existe um excesso de demanda e poucos produtos, porque falta infraestrutura", diz ele.

A maior demanda, como já dito, está ligada à maior oferta monetária.  Da maneira como a frase foi colocada, dá a impressão de que a falta de infraestrutura nas metrópoles leva a preços mais altos ao passo que no interior os preços são mais baixos porque há uma melhor infraestrutura.  A infraestrutura da cidade de São Paulo é pior que a de Coronel Macedo? Cruzália? Emilianópolis? Guarani d'Oeste? Iporanga?  No entanto, nessas cidades os preços são menores. 

Ignorar a quantidade de dinheiro em cada lugar impossibilita qualquer análise sobre diferença de preços.

O economista do Insper acredita que uma das causas dos preços altos no país é o chamado "custo Brasil". Para ele, as empresas brasileiras são muito menos produtivas que as estrangeiras e por isso o custo dos produtos é maior. Outros fatores como alta carga tributária e alto custo da mão-de-obra (devido a encargos trabalhistas) também influenciam, diz ele.

Isso, sim, é indiscutível.

"Nos Estados Unidos, por exemplo, um Honda Civic custa em torno de US$ 15 mil. Aqui custa R$ 65 mil. Existe uma desproporcionalidade que é reflexo desses fatores", diz ele. 

Mas essa desproporcionalidade não é só uma questão de carga tributária e custo da mão-de-obra. Tem também o protecionismo contra as importações.  Se você pudesse importar BMW sem qualquer tarifa protecionista, pode apostar que o preço do Honda não seria esse.

Porém, como não há esse risco, as montadores seguem confortáveis.  Suas altas margens de lucro - que num livre mercado imediatamente atrairiam concorrência de fora - estão devidamente protegidas pelo governo.

Muitos brasileiros já perceberam há tempos os preços bem mais baixos de certos produtos no exterior e tratam de fazer compras lá fora quando possível.
A securitária Flávia Lopes Pereira, 33 anos, foi aos Estados Unidos em setembro e comprou todo o enxoval de sua filha, que deve nascer no próximo dia 20. "Mega vale a pena. Comprei coisas lindas e baratas", diz ela, que estima ter gasto cerca de US$ 3.500.

"Comprei roupinhas para quando a bebê tiver 3 meses até os 2 anos, além de carrinho com bebê conforto, brinquedos, acessórios", conta ela. "Lá você compra um kit com macacão, babador, várias peças, por US$ 17, ou as peças avulsas por US$ 3, US$ 5. Aqui uma roupinha bonita custa R$ 80", diz Flávia. O carrinho de bebê que ela queria custa cerca de R$ 2.000 aqui; ela achou por US$ 199 nos EUA.

O fisioterapeuta David Homsi, 33 anos, gosta de comprar roupas, sapatos, relógios e eletrônicos quando vai aos EUA, o que costuma fazer duas vezes ao ano. "Aqui custa cerca de 300% mais caro. Da última vez comprei dois sapatos Prada. Uma calça jeans, que você paga US$ 140 no SoHo, em Nova York, aqui custa R$ 1.200."

Homsi diz que já comprou roupas e sapatos de grife no Brasil, mas só "na liquidação da Daslu". Se não pudesse comprar no exterior, ele diz que consumiria os produtos de que gosta em menor quantidade.

Nem precisa comentar.  Apenas sorria.


07/02/2010 00:00  por  Rodrigo Constantino \  economia

Deu no Estadão: "A Polícia Federal apontou superfaturamento de R$ 991,8 milhões nas obras de dez aeroportos administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) - Corumbá, Congonhas, Guarulhos, Brasília, Goiânia, Cuiabá, Macapá, Uberlândia, Vitória e Santos Dumont. Todas as obras foram contratadas durante o primeiro mandato do governo Luiz Inácio Lula da Silva, entre 2003 e 2006."

Pergunta: alguém está surpreso? Eis a essência das estatais, por sua própria natureza de incentivos perversos: virar cabide de emprego para aliados políticos; e um antro de corrupção que faz a alegria dos "amigos do rei". Afinal, sem o escrutínio dos donos do capital, preocupados com a lucratividade da empresa, as estatais acabam exploradas por uma cúpula de poderosos. O dinheiro é da "viúva", é de "todos", e aquilo que é de "todos" não é de ninguém - ou melhor, é daqueles que controlam os ativos em nome dos outros.

Alguns ainda vão acusar os corruptores, as construtoras, ignorando a essência do problema. Sim, essas construtoras grandes são um câncer para o país, pois compram todos no governo, perpetuando os problemas. Mas eles estão usando um recurso disponível. É a existência desse recurso que deve acabar. Enquanto houver uma fila de estatais prontas para assinarem cheques bilionários, lá estarão grandes empresas comprando por fora os burocratas poderosos que podem decidir o destino de tanto dinheiro. Por que o mesmo não ocorre - ou ocorre em grau infinitamente menor - no setor privado? Ora, justamente porque nas empresas privadas os seus donos estão de olho no caixa, já que seus lucros dependem disso.

Por fim, os serviços prestados pelas estatais costumam ser precários. Novamente, isso se deve ao próprio modelo de incentivos: enquanto no setor privado o serviço ruim é punido com a redução do lucro ou mesmo falência, nas estatais ele acaba premiado com mais verbas públicas, para tentar melhorar esses serviços. Cada incompetência é vista como resultado da falta de recursos, e mais dinheiro retirado dos impostos acaba jogado na estatal. Qualquer um que viaja bastante e é obrigado a encarar os aeroportos brasileiros sabe disso. Predomina o caos! Se tais aeroportos tivessem donos, se fossem empresas privadas, o foco no consumidor seria necessário, ainda mais se estimulando a concorrência.

Não existem argumentos decentes para se manter a Infraero uma empresa estatal. Resta apenas uma das duas alternativas: cegueira ideológica ou defesa de interesses. Ou estamos falando de uma "viúva de Stalin", que acha que tudo deve ser controlado pelo governo porque odeia a liberdade; ou então de alguém que faz parte da cadeia da felicidade criada com esse desvio bilionário na estatal.

02/02/2010 00:00  por  Leandro Roque \  economia

Vale a pena ler essa notícia recente e constatar que ela confirma tudo o que dissemos neste artigo:

A política fiscal do governo garante bons lucros para as empresas, que passam a contratar mais, sem contudo conseguir oferecer maiores salários. 

A notícia confirma isso com um dado para o qual o IMB sempre vem alertando: a estagnação dos salários médios na iniciativa privada.

Na grande São Paulo, em 2003, o salário médio foi de R$ 1.325.  Em 2009, foi de R$1.328.  Ou seja, a mesma coisa.

Isso ajuda a explicar também a "acentuada queda no desemprego" da qual a reportagem fala: apesar de todo o "crescimento econômico", o salário real ficou estagnado, estimulando a oferta de empregos.

Não tinha como ser diferente.  A sólida teoria econômica sempre explica a realidade.


28/01/2010 00:00  por  Rodrigo Constantino \  política

A crise no governo de Hugo Chávez atinge novos patamares, com o pedido de demissão de seu vice-presidente e ministro da Defesa, Rámon Carrizáles, e sua mulher, ministra do Meio-Ambiente. A economia afunda rapidamente, porque as leis econômicas não podem ser revogadas por decretos estatais. O país enfrenta o racionamento de energia, mesmo sendo exportador do "ouro negro", que existe em abundância no local. A inflação é galopante, e a recente maxidesvalorização da moeda vai apenas jogar mais lenha na fogueira.

Para compensar o fracasso econômico, Chávez intensifica a opressão política. Novos canais de TV foram fechados, despertando a revolta do povo. Houve confronto nas ruas, e dois jovens morreram, além de dezenas que ficaram feridos. O experimento socialista do século XXI está produzindo os mesmíssimos resultados dos experimentos socialistas do século XX: miséria, terror e escravidão. Não há nada de novo aqui. Qualquer liberal já sabia como as coisas seriam na Venezuela.

Já os esquerdistas não. Esses, ou boa parte deles, mostraram enorme empolgação com o "socialismo bolivariano" de Chávez. Eram otimistas quanto aos possíveis resultados "sociais" na Venezuela. Defenderam Chávez, e alguns ainda insistem na estupidez. São cegos por ideologia. No próprio governo não são poucos aqueles que admiram a "revolução bolivariana", e tentam inclusive replicá-la no Brasil. O PNDH-3, assinado pelo presidente Lula, é um esboço nesse sentido. Não dá para mudar os fatos: boa parte da nossa esquerda aplaudiu as medidas de Hugo Chávez.

Mas alguém tem dúvida de que agora, com o declínio acelerado do caudilho venezuelano, a esquerda irá se afastar desse experimento fracassado? Oportunista e hipócrita que só ela, nossa esquerda radical vai fingir que nunca defendeu com unhas e dentes o modelo de Chávez. Vai afirmar que aquilo não era socialismo coisa alguma. No máximo, "socialismo real", ou, melhor ainda, "capitalismo de Estado". Tentará apagar o rastro sujo de apoio ao regime chavista. Vai reescrever a história, como sempre fez. União Soviética? Ora, não era socialista! Afinal, o socialismo que eles pregam é uma Utopia que jamais vai existir. Sempre que os mesmos meios pregados para tal fim forem utilizados, gerando apenas desgraça, eles poderão jogar a culpa para ombros alheios, e alegar que aquilo não era socialismo.

Mas era! Socialismo é justamente isso enquanto meio: a concentração de poder no governo, a estatização da economia e da vida dos cidadãos. Chávez fez exatamente aquilo que os socialistas do governo Lula gostariam de fazer no Brasil, com seu PNDH-3. Reclamar que tais meios levaram a um fim diferente do socialismo idealizado não vale. O fim sempre será esse quando os meios usados forem aqueles defendidos pelos socialistas. Teremos apenas miséria, terror e escravidão. Isso é socialismo na prática! O resto é sonho de idiota útil, massa de manobra dos oportunistas de plantão.

25/01/2010 00:00  por  Leandro Roque \  economia

Como já explicamos em três oportunidades (aqui, aqui e aqui), as Parcerias Público-Privadas nada mais são do que um arranjo fascista no qual estado e grandes empreiteiras se aliam para, sob o manto de estarem fazendo obras, extorquir os cidadãos e dividir entre si o butim, dando em troca algo que lembra um pouco, com muita boa vontade, um serviço de infraestrutura.

Tal arranjo é excelente para ambos os lados: os políticos ganham o crédito pela obra, recebem "agrados" das empresas que ganharam a licitação e, como consequência, garantem uma reeleição; e as empreiteiras contratadas ganham obras que serão pagas com o dinheiro do contribuinte - logo, sem qualquer zelo e critério, pois ninguém gasta o dinheiro dos outros com parcimônia -, o que faz com que os lucros sejam garantidos, a necessidade de qualidade, nula, e as chances de superfaturamento, uma certeza.

Na outra ponta do arranjo está o cidadão desamparado, obrigado a sustentar a esbórnia e sem qualquer voz ativa nesse arranjo que está sendo financiado com o seu suado dinheiro.

Dito isso, fica fácil entender o que se passa com o metrô de Salvador e por que ninguém é punido - afinal, sendo a justiça um ente estatal, qual o estímulo e a probabilidade de o estado punir a si próprio e seus aliados?

Veja as notícias.


Piada pronta

O metrô de Salvador é o mais lento do mundo. Mas isso não tem graça: ele já custou R$ 1 bilhão e não funciona

Por Claudio Dantas Sequeira

O menor e mais caro metrô do mundo está na Bahia. Com apenas 6,5 quilômetros de extensão e custo total de R$ 1 bilhão, ganhou dos baianos indignados o singelo apelido de "autorama". Só que não funciona. A construção do metrô de Salvador arrasta-se há uma década, o que também situa a obra entre as mais longas do gênero. É, sem dúvida, a síntese do que há de pior na administração pública brasileira: corrupção, burocracia, incompetência e descaso com o cidadão. O projeto inicial previa 41 quilômetros, só que o investimento foi todo  consumido no primeiro trecho, que deveria ser de 12 quilômetros, mas foi reduzido à metade. Para agravar, um estudo de viabilidade econômica do projeto mostra que, para cobrir os custos de operação, o bilhete do metrô poderá custar entre R$ 10 e R$ 15, seis vezes o preço em São Paulo. Chegou-se à conclusão de que o metrô não se sustenta economicamente, terá de ser subsidiado. É muito curto e ainda por cima foi construído numa área que é bem coberta por outros transportes públicos. Hoje comandada pelo PMDB, a Companhia de Transporte de Salvador (CTS), que acompanha o andamento das obras, culpa a administração anterior pelo imbróglio. "Tudo começou na licitação feita pelo prefeito Antonio Imbassahy (PSDB)", diz o diretor da CTS, Hebert Motta.

mi_2580337376902395.jpg

De fato, foi Imbassahy (1997-2005) quem abriu a concorrência para a construção do metrô em 1999. O exprefeito garantiu à ISTOÉ que todo o processo transcorreu "dentro da lei". Entretanto, o TCU já determinou a retenção cautelar de R$ 50,5 milhões após encontrar irregularidades na obra e a Corregedoria-Geral da nião finaliza auditoria sobre os preços praticados pelo Consórcio Metrosal. Mais grave: a Justiça Federal da Bahia aceitou denúncia do Ministério Público por suspeita de formação de quadrilha, cartel e fraude na licitação. Foram acusados sete dirigentes das empresas que participaram da concorrência: dois da Camargo Corrêa e dois da Andrade Gutierrez, integrantes do consórcio Metrosal, além de três dirigentes da construtora italiana Impregilo, do consórcio Cigla. Segundo o MPF, as empresas atuaram em conluio. As companhias negam a acusação. Na quarta-feira 16, os procuradores baianos conseguiram uma ajuda extra do MPF em São Paulo, que lhes enviou documentos contendo novos elementos que podem confirmar os indícios de fraude e superfaturamento no metrô baiano. A papelada faz parte do inquérito da Operação Castelo de Areia, que apura o pagamento de propina a políticos e agentes públicos em dezenas de empreendimentos pelo País. Um dos acusados na denúncia em Salvador é o engenheiro Pietro Bianchi, que também é denunciado na Operação Castelo de Areia. Pelo visto, o buraco do metrô de Salvador é muito mais profundo.

 

Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/paginar/32562_PIADA+PRONTA/3

 

Um metrô com muitas paradas

Por Hélio Rocha

A construção do metrô de Salvador completa 10 anos este mês com uma luz no fim do túnel. A assessoria de imprensa da Secretaria de Transportes e Infraestrutura (Setin) informou que o consórcio Metrosal, responsável pela obra, vai anunciar a nova data de conclusão amanhã. Depois de muitas mudanças no cronograma, espera-se que desta vez o prazo seja cumprido, já que a parte de engenharia civil está quase pronta. De acordo com a Setin, a instalação de trilhos, rede elétrica, esteiras móveis e do software que vai controlar o sistema será realizada pela empresa Siemens, sem necessidade de nova licitação.
 
A notícia gerou um impasse: a assessoria de imprensa do consórcio Metrosal - composto pelas empresas Siemens, Camargo Correia e Andrade Gutierrez - negou a informação de que a Siemens estaria incumbida de instalar a parte elétrica do transporte. Segundo eles, as obrigações do consórcio se encerram com a parte civil da construção, cabendo à prefeitura de Salvador licitar e contratar o restante dos serviço, além de anunciar o novo cronograma de conclusão. Atualmente 315 operários estão trabalhando nos canteiros de obras entre as estações da Lapa e Acesso Norte (Rótula do Abacaxi). 

O custo do Metrô de Salvador passou de cerca de R$600 milhões, por um trajeto de 13km, para R$1 bilhão investido em apenas 6 km, menos da metade do traçado original. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Construção Pesada (Sintepav), Adalberto Galvão, a estrutura física do empreendimento deve ficar pronta até o final de janeiro. "Faltam apenas os detalhes de acabamento das estações, como pisos, verniz, chapas de aço, sinalização, corrimões, esteiras móveis, além do pátio de manobras na estação Acesso Norte. A parte estrutural da construção já foi concluída", afirmou.

Galvão confirmou a posição do consórcio e informou que falta à prefeitura licitar e contratar o sistema de energia que vai alimentar a Estação Retificadora de Tração, a instalação dos trilhos e configuração do software que vai operar o transporte. "Se não ocorrer outra interrupção, o metrô deve entrar na fase experimental entre os meses de setembro e outubro deste ano", afirmou. O presidente do Sintepav falou com otimismo sobre a conclusão da obra. "acredito que, até dezembro, a população de Salvador vai poder dispor do novo meio de transporte", disse.

A trajetória sinuosa do metrô baiano

O traçado original do metrô baiano previa 13Km de ligação entre as estações Pirajá e Lapa, com prazo de conclusão para 2003. Mas logo se percebeu que essa estimativa era muito otimista, principalmente quando começaram as interrupções no fluxo dos investimentos do governo Federal. A situação culminou, em 2005, com o contingenciamento orçamentário (suspensão dos repasses) de 32 milhões de dólares do contrato de financiamento com o Banco Mundial. As obras param e os operários foram às ruas junto com a população para protestar.

Com a mobilização do Movimento em Defesa do Metrô de Salvador e da Câmara de Vereadores, a obra foi finalmente incluída no Plano Piloto de Investimentos (PPI) do governo Federal, garantindo a continuidade do serviço e fluidez nos repasses financeiros. Em 2006, as esferas governamentais decidiram repactuar o traçado inicial, passando de 13km para apenas 6km entre as estações da Lapa e Acesso Norte. Outra mudança onerou ainda mais a obra: a via da Bonocô, que inicialmente seria de superfície, passou a ser elevada, com um acréscimo de R$50 milhões ao orçamento. "Como o viaduto de saída da estação Acesso Norte já estava pronto, apontando para o solo, isso criou um verdadeiro tobogã no traçado do metrô", explica Galvão.

No ano seguinte, o governo Federal fez a proposta para incluir o empreendimento no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em 2008, quando parecia que as obras do metrô iam finalmente deslanchar, o Tribunal de Contas da União (TCU) pediu a interrupção dos trabalhos, com uma lista de 11 irregularidades que incluíam indícios de superfaturamento e não prestação de contas das verbas investidas, dentre outras denúncias. A Justiça determinou a retenção de 5% dos repasses mensais, retroativos desde a repactuação, em 2006. Posteriormente, a retenção nos repasses passou de 5% para 12%. No final de 2008, o consórcio decidiu interromper as atividades mais uma vez, só retomando a empreitada no início de 2009.

O governo do Estado importou seis trens coreanos: três deles chegaram em novembro de 2008 e outros três, em setembro do ano passado. Ao todo, 24 vagões estão armazenados na Estação Aduaneira do Interior (Eadi/ Salvador), com um custo mensal de R$80 mil apenas para armazenamento e proteção. A Estação Acesso Norte também já está pronta há anos, com um preço de manutenção não revelado. Para Adalberto Galvão, presidente do Sintepav, o governo Wagner deveria tomar as rédeas do metrô de Salvador. "A prefeitura deveria passar a gestão da construção do metrô para a esfera estadual, como ocorre em outros estados, verticalizando o empreendimento. Isso com certeza iria facilitar a conclusão e acabar com as informações conflitantes", sugeriu.

Fonte: http://www.tribunadabahia.com.br/news.php?idAtual=37034

 

Comentário final:

Apenas quando um projeto é empreendido por seu próprio dono e com o seu próprio capital (ou com empréstimos por ele contraídos) tem-se a certeza do total interesse na qualidade e durabilidade do produto, pois esse arranjo seria o que menos traria custos de longo prazo para seu proprietário - afinal, se ele economizasse no material, suas futuras despesas com reposição e indenização por acidente não compensariam essa economia inicial de custos.

Portanto, para que os soteropolitanos tivessem um serviço de metrô honesto e eficiente, este teria de ter sido construído por um consórcio 100% privado, sem qualquer envolvimento do governo.  Mas agora já era.

Até hoje nunca se viu no Brasil uma PPP que tenha sido empreendida sem indícios de corrupção.  E nem poderia, dado que seu arranjo foi pensado justamente para facilitar as negociatas.

21/01/2010 00:00  por  Equipe IMB \  economia

Um professor de economia na universidade Texas Tech disse que ele nunca reprovou um só aluno antes, mas tinha, uma vez, reprovado uma classe inteira.

Esta classe em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e 'justo'.

O professor então disse, "Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas." Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam 'justas'.  Isso quis dizer que todos receberiam as mesmas notas, o que significou que ninguém seria reprovado. Isso também quis dizer, claro, que ninguém receberia um "A"...

Depois que a média das primeiras provas foram tiradas, todos receberam "B". Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.

Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Portanto, agindo contra suas tendências, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos. Como um resultado, a segunda média das provas foi "D".  Ninguém gostou.

Depois da terceira prova, a média geral foi um "F". As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por 'justiça' dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram o ano... Para sua total surpresa.

O professor explicou que o experimento socialista tinha falhado porque ele foi baseado no menor esforço possível da parte de seus participantes.

Preguiça e mágoas foi seu resultado. Sempre haveria fracasso na situação a partir da qual o experimento tinha começado. "Quando a recompensa é grande", ele disse, "o esforço pelo sucesso é grande, pelo menos para alguns de nós.

Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros sem seu consentimento para dar a outros que não batalharam por elas, então o fracasso é inevitável."

"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar para alguém aquilo que não tira de outro alguém. Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.

É impossível multiplicar riqueza dividindo-a."


Adrian Rogers, (1931-2005)





CATEGORIA
  
POST POR DATA