Nossos Autores

Andreas Kohl-Martinez
Abigail Blanco
Adrián Ravier
Adriano Gianturco G.
Alan Greenspan
Alan Reynolds
Alasdair Macleod
Alberto Oliva
Alceu Garcia
Alexandre Barros
Alexandre Borges
Alexandre Knoblauch
Alf Field
Alfredo Marcolin Peringer
André de Holanda
André Luiz Santa Cruz Ramos
André Mellagi
André Pereira Gonçalves
Andrea Faggion
Andreas Marquart
Andrei Moreira
Andrew Napolitano
Andrew Schiff
Andrew Syrios
Andy Duncan
Anthony Ling
Antony Mueller
Antony Mueller, Fabio Barbieri e Ubiratan Jorge Iorio
Arnaldo Mauerberg Júnior
Art Carden
Arthur Brooks
Astolfo Pontes Negreira
Axel Kaiser
Barry Brownstein
Ben O'Neill
Bene Barbosa
Bene Barbosa e Francisco Razzo
Benjamin Powell
Bernardo Emerick
Bernardo Santoro
Bernardo Vidigal
Bettina Bien Greaves
Bill Wirtz
Bob Pisani
Bogdan C. Enache
Brian Foglia
Brian LaSorsa
Brittany Hunter
Bruno Bodart
Bruno Garschagen
Bruno Garschagen e Leandro Roque
Bruno Leoni
Business Intelligence Middle East
Caio Augusto
Carl Svanberg
Carlos Marcelo Velloso Wendt
Carlos Stagnaro
Carmen Elena Dorobat
Cassiano Ricardo Dalberto
Chi-Yuen Wu
Chris Brown
Chris Calton
Chris Clancy
Christian Engström
Christopher Cantwell
Christopher P. Casey
Christopher Westley
Cicero Baggio
Claudio A. Téllez-Zepeda
Claudio Grass
Clifford F. Thies
Cristiano Fiori Chiocca
D.W. MacKenzie
Dalton Gardimam
Damien McElroy
Dan Mahoney
Daniel Marchi
Daniel Mitchell
Daniel Sanchez
Danny G. Leroy
Davi Lyra Leite
David Crockett
David Deming
David Friedman
David Gordon
David Howden
David J. Heinrich
David Klein
David Saied
David Stockman
David Veksler
Deirdre McCloskey
Dennis Prager
Detlev Schlichter
Diego H. F. Melo
Diego Lopes
Diego von Brixen Montzel Trindade
Diogo Costa
Diversos Autores
Dom Armentano
Domingos Crosseti Branda
Dominic Frisby
Donald Boudreaux
Donald Stewart Jr.
Douglas French
Dr. Samuel Gregg
Economic Collapse Blog
Eduardo Fernandez
Eduardo Franco
Edward P. Stringham
Edwin Dolan
Elisa Lucena Martins
Eliseu Drummond
Emílio Lacombi Lauss
Emilio Parodi e David Howden
Emily Washington
Equipe IMB
Erick Vasconcelos
Erick Vizolli
Eugen von Böhm-Bawerk
Fabio Barbieri
Felippe Hermes
Fernando Chiocca
Fernando Cruz Gabriel
Fernando Herrera-Gonzalez
Fernando Ulrich
Filipe Celeti
Finbar Feehan-Fitzgerald
Flavio Morgenstern
Flávio Pepinelli
Floy Lilley
Francisco Capella
Francisco Pompeu
Frank Hollenbeck
Frank Karsten
Frank Karsten & Karel Beckman
Frank Shostak
Frédéric Bastiat
Frida Ghitis
Friedrich A. Hayek
Garet Garrett
Garrett Petersen
Gary Danelishen
Gary Galles
Gary North
Geanluca Lorenzon
Gene Callahan
George C. Leef
George Gilder
George Pickering
George Reisman
George Selgin
Gerald Celente
Gerald P. O’Driscoll
Gerard Casey
Gerard Docherty
Gordon Crovitz
Graham Wright
Guilherme Inojosa
Hans F. Sennholz
Hans-Hermann Hoppe
Harry Browne
Harry Dent
Helio Beltrão
Helio Dehon Barbosa e Tatiana Villas Boas Gabbi
Henrique Vicente
Henry Hazlitt
Humberto Cimino
Humberto Fontova
Hunter Lewis
Igor Taam
Isaac Morehouse
Isabel Lyman
Israel M. Kirzner
Iván Carrino
Ivan Pongracic Jr.
Jacob Hornberger
Jakub Bozydar Wisniewski
James Dunlop
James E. Miller
Jarret Wollstein
Jason Riddle
Jeff Deist
Jeff Riggenbach
Jeffrey Herbener
Jeffrey Tucker
Jerry Bowyer
Jerry Kirkpatrick
Jesús Huerta de Soto
Jim Bradley
Jim Fedako
Jim Rogers
Joakim Kämpe
João César de Melo
João Luiz Mauad
João Marcos Theodoro
João Pedro Bastos
João Pereira Coutinho
Joel F. Wade
Joel Pinheiro da Fonseca
Johan Norberg
Johel Rodrigues
John Browne
John Cochran
John S. Chamberlain
John Tamny
Jonathan Finegold Catalán
Jonathan Newman
Jordi Franch
Jörg Guido Hülsmann
José Azel
José Carlos Dragone
José Carlos Zanforlin
José Roberto Baschiera Junior
Joseph Salerno
Joseph Sobran
Juan Fernando Carpio
Juan Ramón Rallo
Julian Adorney
Juliano Torres
Justin Murray
Justin Raimondo
Karel Beckman
Karl-Friedrich Israel
Kel Kelly
Kevin Currie-Knight
Klauber Cristofen Pires
Klaus Bernpaintner
Krzysztof Ostaszewski
L. do Ó
Larissa Flister
Larken Rose
Larry J. Sechrest
Laurence Vance
Lawrence W. Reed
Lawrence W. Reed e Marc Hyden
Leandro Narloch
Leandro Roque
Leonard Read
Leônidas Villeneuve
Leticia Catel
Lew Rockwell
Lew Rockwell e Ron Paul
Logan Albright
Lorenz Kraus
Louis Rouanet
Luan Sperandio
Lucas Danneskjöld
Lucas Mendes
Luciana Lopes
Luciana Lopes e Adriano Gianturco
Luciano Rocha
Luciano Takaki
Ludwig von Mises
Luis Almeida
Manuel Llamas
Manuel Lora
Marcia Christoff-Kurapovna
Marian Tupy
Mariana Piaia Abreu
Mario Rizzo
Mark R. Crovelli
Mark Skousen
Mark Thornton
Mark Thornton e William Anderson
Marko Kloos
Martín Krause
Mary Anastasia O’Grady
Mateus Bernardino
Mateusz Machaj
Matt McCaffrey
Matt McCaffrey & Carmen Dorobat
Matt Ridley
Matthew Lynn
Maurice McTigue
Michael Pento
Michael Rozeff
Mike "Mish" Shedlock
Mises Institute
Murray N. Rothbard
Nathan Lewis
Nelson Rodríguez Chartrand
Nicolás Cachanosky
Nilo Bessi Pascoaloto
Nima Sanandaji
Norman Horn
Núbia Tavares
Oriom Lisboa
Patri Friedman
Patrick Barron
Patrick Buchanan
Paul Craig Roberts
Paul Green
Paul Hudson
Paul Johnson
Paul Rosenberg
Paulo Kogos
Pedro Almeida Jorge
Pedro Borges Griese
Pedro Saad
Per Bylund
Peter Boettke
Peter G. Klein
Peter J. Hill
Peter Schiff
Peter St. Onge
Peter Thiel
Philipp Bagus
Predrag Rajsic
R.J. Rummel
Rafael Andreazza Daros
Rafael Hotz
Rafael Salomão Aguillar
Ralph Raico
Renato Furtado
Ricardo Hausmann
Richard C.B. Johnsson
Richard Ebeling
Robert Blumen
Robert Higgs
Robert P. Murphy
Robert Sirico
Roberto Campos
Rod Rojas
Roderick T. Long
Rodrigo Constantino
Rodrigo da Silva
Rodrigo Saraiva Marinho
Roger McKinney
Roger Toutant
Roger W. Garrison
Roger Young
Ron Holland
Ron Paul
Rosely Sayão
Ross McKitrick
Roy Cordato
Rui Santos
Russell Lamberti
Ryan McMaken
Ryan P. Long
Sanford Ikeda
Scott Kjar
Sem nome
Sheldon Richman
Sidney Richard Sylvestre
Silvio Medeiros
Simon Wilson
Spotniks
Stefan Karlsson
Stefan Molyneux
Stephan Kinsella
Stephen Halbrook
Stephen Mauzy
Sterling T. Terrell
Steve Hanke
Steve Horwitz
Steve Patterson
Stewart Dompe e Adam C. Smith
Tatiana Villas Boas Gabbi
The Foundation for a Free Society
Theodore Dalrymple
Thiago Beserra Gomes
Thiago Guterres
Tho Bishop
Thomas DiLorenzo
Thomas Sowell
Thomas Woods
Thorsten Polleit
Tiago Rinck Caveden
Todd Steinberg
Tullio Bertini
Tyler Watts
Ubiratan Jorge Iorio
Ubiratan Jorge Iorio e Leandro Roque
Valéria Pugliesi-Washington
Vanesa Vallejo
Vedran Vuk
Victor Hugo Lima do Nascimento
Walter Block
Walter Williams
Wendy McElroy
Willem Mantum
William Bonner
William L. Anderson
Winter Trabex
Wladimir Kraus
Yonatan Mozzini
Yonathan Amselem
Yuri N. Maltsev


"Não podemos ignorar o fato de que muitos governos protegem e subsidiam o produto nacional para torná-lo artificialmente competitivo."

Correto. "Artificialmente competitivo". Isso significa que algo só consegue ter um mínimo de competência caso chupe dinheiro de impostos de toda a população, a qual não ganha nada com isso, mas é obrigada a encher os bolsos de empresários mercantilistas, incompetentes e avessos à concorrência.

"Vejam o caso da Bombardier no Canada, que disputa mercado com a Embraer, que fez queixas formais à OMC."

E, ainda assim, a Embraer tem mais aviões que a Bombardier no mercado americano.

"A China subsidiou setores que ganharam mercado através da derrocada em outros países."

Quais mercados que foram dominados pelos chineses e que fizeram muita falta para outros países? Colocando de outra forma: esses mercados que os chineses dominaram por acaso são mercados tecnológicos, complexos e que geram riqueza e prosperidade, ou são mercado primitivos, tecnologicamente defasados e que não exigem nenhuma grande especialidade?

Até onde sei, chineses produzem pano, sapato e bugigangas de baixíssimo valor agregado. Isso leva alguém à pujança? Um país que deixou de fazer isso por causa dos chineses agora está irremediavelmente condenado ao atraso?

Por acaso cortar, entortar e rebitar ferro — tarefas que um xing-ling é capaz de executar a custos irrisórios — são coisas economicamente prementes para o país ou será que o governo quer que isso seja feito apenas para exibir estatísticas de produção industrial?

"Basta lembrar o que aconteceu com o setor textil e calçadista no Brasil."

Exatamente o que acabei de dizer acima. Em vez de nos preocuparmos com nanotecnologia, microprocessadores e outras atividades que realmente produzem riqueza, ainda estamos preocupados com pano e sapato, coisas completamente primitivas, que podem perfeitamente ser produzidas nos rincões mais atrasados do mundo.

Estude um pouco sobre divisão global do trabalho.

Comece por aqui:

Não há argumentos econômicos contra o livre comércio - o protecionismo é a defesa de privilégios

"Livre mercado é uma utopia irrealizável."

O que é realmente irrealizável é a inteligência econômica do brasileiro médio.
O artigo do André Lara já foi comentado pelo Leandro em duas ocasiões:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2578#ac189563

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2585#ac189561

Beira o inacreditável como é que um economista tão conceituado falou tamanha bobagem a respeito da política monetária americana. O André Lara simplesmente ignora como realmente se deu a política monetária americana. Foi impressionante.
Economistas do Banco Central do Brasil estão batendo palmas para este artigo publicado no Valor:
www.valor.com.br/cultura/4872458/andre-cochrane-e-teoria-fiscal-dos-precos

Gostaria de uma análise por parte do pessoal do Mises.

-----------------------------------------------------------------------

VALOR ECONÔMICO -SP | EU E FIM DE SEMANA

BANCO CENTRAL | ECONOMIA, FINANÇAS E CONTAB.

André, Cochrane e a teoria fiscal dos preços (Artigo)

André Lara Resende publicou no Valor alguns artigos instigantes que estão gerando muita perplexidade e controvérsia. Para o grande público foi surpreendente e perturbador ler que "a hipótese neofisheriana, que vê no juro alto a causa da alta inflação no longo prazo (...) tem sólidas credenciais analíticas". Isto até encorajou o colunista Ancelmo Gois a brincar que o Banco Central vai ter que devolver os juros elevados que foram praticados no Brasil por tanto tempo.

Claro que não se trata disso! Apesar de o artigo se apresentar como uma crítica ao "conservadorismo intelectual", sua conclusão final é absolutamente conservadora: o trabalho de controle da inflação depende, em última instância, da confiança na sustentabilidade fiscal de longo prazo; sem isto, a política monetária estará sempre lutando uma batalha perdida.

A crítica de André ao conservadorismo parece resultar mais de um flerte com a doutrina neofisheriana, que se caracteriza por conclusões heterodoxas sobre a relação entre taxa de juros e inflação e por uma controversa teoria fiscal dos preços. Eduardo Loyo lembra que essas ideias têm apenas sobrevivido de forma marginal no corpo da ciência econômica, com seus resultados em total contraversão à opinião da maioria e ao senso comum.

Os neofisherianos dão muita importância à conclusão óbvia de que um regime monetário baseado em uma taxa de juros nominal fixa não produz uma âncora para a inflação. É possível ancorar a inflação quando se mantém o estoque total de moeda fixo, ou evoluindo a uma velocidade constante, como proposto por Milton Friedman. É possível também ancorar a inflação com uma taxa de câmbio fixa, como ocorria tradicionalmente nos regimes de padrão ouro. Não é possível, porém, ancorar a inflação apenas mantendo fixa a taxa nominal de juros.

Para demonstrar isso, considere a velha equação de Fisher, que na realidade é uma identidade que define a taxa real de juros:

Taxa nominal de juros = (taxa real de juros) mais (taxa de inflação)

Sabemos que a inflação aumenta quando a taxa real de juros cai. Imagine então que a taxa nominal de juros é fixa e ocorre um choque exógeno que aumenta a taxa de inflação. Pela identidade de Fisher, isso reduz a taxa real de juros, já que a taxa nominal permanece fixa. Como consequência, a taxa de inflação aumenta ainda mais, o que por sua vez produz uma redução adicional da taxa real de juros, e assim por diante. Ou seja, um regime monetário baseado numa taxa nominal de juros fixa não consegue ancorar a inflação. Qualquer choque exógeno produz uma trajetória explosiva, que tanto pode ser inflacionária como deflacionária.

É claro, porém, que nenhum banco central vai operar com uma taxa nominal de juros fixa, ainda que esta seja sua variável preferencial de controle. No mundo real, a ancoragem monetária é feita através de uma meta de inflação, com a autoridade monetária aumentando a taxa de juros quando a inflação fica acima da meta e reduzindo quando a inflação fica abaixo da meta, até que ocorra a convergência da inflação para a meta. Como consequência a ancora monetária não é uma taxa de juros nominal fixa, mas sim a própria meta de inflação. Nesse regime monetário, a taxa de inflação tende a ser igual à meta de inflação, que é a ancora efetiva. Quando isso ocorrer, a taxa nominal de juros terá seu valor determinado pela identidade de Fisher. Ou seja, no longo prazo a taxa nominal de juros não determina a taxa de inflação; ela é determinada pela meta de inflação!

O longo recente artigo de John Cochrane, citado por André, parece ser uma tentativa de relançar o neofisherianismo em bases técnicas mais respeitáveis. Cochrane sonha em ser uma espécie de Einstein da ciência econômica, afirmando que a experiência recente das economias avançadas com taxas de juros próximas de zero e taxas de inflação persistentemente abaixo das metas constitui-se numa espécie de experimento natural semelhante ao famoso resultado de Michelson-Morley, que foi o ponto de partida para a teoria da relatividade. Acontece que a teoria keynesiana moderna, que é utilizada por todos os bancos centrais, não encontra maior dificuldade para explicar os fatos.

Cochrane utiliza uma versão simplificada da teoria para demonstrar que, quando a taxa de juros de curto prazo é reduzida até zero, só existem duas possibilidades: ou a taxa de inflação volta a subir em direção à meta ou ocorre um processo ilimitado de deflação. Como nada disso teria ocorrido na experiência americana depois que a taxa de juros foi reduzida a praticamente zero ao fim de 2008, a conclusão é de que precisamos uma reformulação fundamental da teoria, e Cochrane sugere a alternativa da teoria fiscal dos preços.

Acontece que os números de inflação para os EUA estão longe de justificar o radicalismo de Cochrane. Em 2016 a taxa de inflação já convergiu, sim, para a meta do Fed de 2% ano. A taxa de núcleo do índice da Personal Consumption Expenditure, o PCE-core que costuma ser priorizado pelo Fed em suas decisões, também está subindo e chegou a 1,7% em 2016, ou seja, bem próximo da meta. Não é correto, portanto, dizer que a política monetária americana com taxa de juros próxima de zero não atingiu seu objetivo de colocar a inflação na meta.

Pode-se argumentar que parece ter demorado muito para conseguir isso? Na realidade não houve tanta demora. Entre 2011 e 2013, a inflação média do IPC americano ficou em 2,1%, com oscilação entre 1,5 e 3%, já perfeitamente compatível com a meta de 2%. No mesmo período, a média para o PCE-core ficou em 1,5%, com oscilação entre 0,9 e 1,7%, um pouco abaixo do IPC, mas nada muito dramático. Deve-se notar que nesses anos havia uma taxa de desemprego na faixa de 7 a 9%, o mercado imobiliário continuava em crise e as famílias provavelmente ainda estavam reduzindo suas despesas pessoais para ajustar seus endividamentos. Logo existiam forças importantes operando no sentido de impedir a elevação da taxa de inflação.

O quadro realmente mudou em 2014 e 2015, quando a inflação caiu abaixo de 1%. Essa desaceleração ocorreu junto a gradual eliminação do relaxamento quantitativo (QE), portanto em princípio com um aperto na política monetária, mas esta não nos parece ser a melhor explicação. O fator determinante foi uma brusca queda nos preços internacionais de commodities, com a cotação do petróleo Brent, por exemplo, caindo cerca de 70% entre meados de 2014 e fim de 2015. Os economistas da tradição de Chicago acreditam tanto em flexibilidade de preços que costumam não levar em consideração choques exógenos desse tipo. Se olharmos, porém, para as variações fortemente negativas do IPC Energia em 2014 e 2015 (menos 10,6% e menos 12,6%), fica claro que este foi um determinante importante da desaceleração inflacionária no período. Em 2016 alguns preços internacionais de commodities voltaram a subir (como 40% para o petróleo e 20% para os metais), o que certamente contribuiu para a elevação da taxa de inflação.

Ou seja, desde 2009 a política monetária americana foi efetivamente expansionista, ainda que diversos fatores tenham contribuído para um retorno relativamente gradual em direção à meta. Fica claro que estamos longe de um resultado paradoxal, tipo Michelson-Morley, que justifique alguma revolução teórica. Talvez o único conhecimento novo relevante que resultou da experiência americana com relaxamento quantitativo (QE) é que uma redução significativa das taxas longas de juros, que foi sua principal consequência, tem pouco impacto sobre o nível de atividade. Isto sugere que Keynes estava errado quando discordava de Hawtrey sobre a maior relevância das taxas curtas de juros para a política monetária.

Faltou comentar a tese de Cochrane sobre a possibilidade de deflação ilimitada quando a política monetária atinge a restrição do piso zero, o que talvez seja relevante para a economia japonesa. Pode acontecer que um banco central operando uma meta de inflação seja levado a reduzir a taxa nominal de juros até zero sem que consiga levar o nível de atividade a uma posição suficiente para reverter uma tendência generalizada à deflação dos preços. Isto ocorreria devido a uma configuração muito desfavorável da relação entre investimento e poupança. Uma economia com muita poupança e pouco investimento, que talvez seja o caso do Japão atual, pode produzir uma situação de desequilíbrio de longa duração com inflação cadente ou negativa.

Devido ao piso zero, a economia não consegue sair da posição deflacionária apenas através da política monetária e vai depender para isso de um estímulo fiscal. O fato de que uma situação desse tipo, como parece acontecer de forma crônica no Japão (particularmente quando olhamos o índice de preços empresarial), produz apenas uma deflação de intensidade limitada e indica apenas que a relação entre inflação e nível de atividade (representada pela curva de Phillips) não é linear e pode ter inclinação muito próxima de zero na região de taxas de inflação negativas. Isso é compatível com a velha noção keynesiana de que é difícil produzir deflações na prática.

Resta ainda entender o que pretende a teoria fiscal dos preços. A melhor explicação foi apresentada por Harald Uhlig no seminário sobre o assunto realizado em abril no Becker Friedman Institute da Universidade de Chicago. Uhlig, curiosamente, comenta que, entre outras possibilidades, a teoria fiscal dos preços talvez possa ser vista como "um conjunto de previsões que ocasionalmente funcionam em circunstâncias exóticas", e adiciona entre parênteses (Brazil?).

Sua explicação é muito simples. Se usarmos B para indicar o valor nominal da dívida pública e P para indicar o índice de preços de bens e serviços, então B/P indica o valor real da dívida. Os agentes privados que detêm esses títulos públicos esperam que eles possam ser pagos através da geração de superávits primários no futuro. Então para que se sintam confortáveis é necessário que o valor presente desses superávits futuros, que podemos indicar por VPS, seja igual ao valor real da dívida, ou seja, B/P = VPS. Isto pode ser visto como uma espécie de condição de arbitragem e podemos perguntar o que acontece se o governo aumenta sua dívida sem aumentar também o valor presente dos superávits futuros. Neste caso, B/P fica maior que VPS e, num mundo de preços plenamente flexíveis e expectativas racionais, o desequilíbrio será corrigido por um aumento no nível de preços. Ou seja, P aumenta de modo a que novamente B/P = VPS. Podemos concluir então que a taxa de inflação, que é a taxa de variação percentual de P, vai ser determinada pela diferença entre as taxas de variação percentual da dívida B e do valor presente dos superávits futuros VPS. Essa é a teoria fiscal dos preços, que se pretende uma explicação radicalmente nova para a inflação, sem qualquer menção a conceitos tradicionais como curva de Phillips, taxa de desemprego, investimento e poupança ou taxa de juros.

A teoria tem um defeito óbvio: não fica claro qual é o mecanismo de mercado que produz o movimento do índice de preços quando B/P difere de VPS. Não há dúvida de que se todos os carregadores da dívida pública chegarem à conclusão de que o valor presente dos superávits futuros não representa lastro adequado para esses títulos, isto é, B/P maior que VPS, então cada um deles vai tentar reduzir sua posição. Mas como isso afeta o índice de preços de bens e serviços?

Parece mais razoável supor que o impacto será no mercado secundário de títulos da dívida pública, o que sugere que está faltando algo na equação básica da teoria. O que está faltando é a relação entre o valor nominal ao qual a dívida foi emitida pelo governo, que estamos indicando por B, e seu valor no mercado secundário, que podemos indicar por zB, sendo z um fator de desconto. Se escrevemos a teoria fiscal dos preços como zB/P = VPS, então parece mais razoável supor que um desequilíbrio entre zB/P e VPS vai ser ajustado não por movimentos no índice de preços, mas por movimentos no fator de desconto para a dívida pública, indicado por z. Como esse fator está inversamente relacionado à taxa de juros de longo prazo, a conclusão é de que a teoria fiscal de preços não é uma nova teoria para a inflação, mas apenas uma teoria fiscal da taxa longa de juros.

Veja, porém, que realmente existe um caso exótico em que a teoria fiscal dos preços pode funcionar! É o caso em que a totalidade da dívida pública consiste de papéis ligados à taxa de juros overnight, como acontece com as LFTs no Brasil (que, aliás, foram inventadas pelo próprio André!). Neste caso, o fator de desconto para a dívida pública será sempre igual a um, por definição, e voltamos à formulação B/P = VPS, que viabiliza a teoria. Naturalmente, isso não significa que esteja garantida sua relevância prática no mundo real, fora dos modelos de preços totalmente flexíveis e expectativas racionais. Significa apenas que Uhlig tinha razão ao especular que a teoria fiscal dos preços poderia em tese funcionar em circunstâncias exóticas, como no Brasil das LFTs.

Francisco Lafaiete Lopes é PhD por Harvard, sócio da consultoria Macrométrica e ex-presidente do Banco Central (BC)