Nossos Autores

Andreas Kohl-Martinez
Abigail Blanco
Adrián Ravier
Adriano Gianturco G.
Alan Greenspan
Alan Reynolds
Alasdair Macleod
Alberto Oliva
Alceu Garcia
Alexandre Barros
Alexandre Borges
Alexandre Knoblauch
Alf Field
Alfredo Marcolin Peringer
André de Holanda
André Luiz Santa Cruz Ramos
André Mellagi
André Pereira Gonçalves
Andrea Faggion
Andreas Marquart
Andrei Moreira
Andrew Napolitano
Andrew Schiff
Andrew Syrios
Andy Duncan
Anthony Ling
Antony Mueller
Antony Mueller, Fabio Barbieri e Ubiratan Jorge Iorio
Arnaldo Mauerberg Júnior
Art Carden
Arthur Brooks
Astolfo Pontes Negreira
Axel Kaiser
Barry Brownstein
Ben O'Neill
Bene Barbosa
Bene Barbosa e Francisco Razzo
Benjamin Powell
Bernardo Emerick
Bernardo Santoro
Bernardo Vidigal
Bettina Bien Greaves
Bill Wirtz
Bob Pisani
Bogdan C. Enache
Brian Foglia
Brian LaSorsa
Brittany Hunter
Bruno Garschagen
Bruno Garschagen e Leandro Roque
Bruno Leoni
Business Intelligence Middle East
Caio Augusto
Carl Svanberg
Carlos Marcelo Velloso Wendt
Carlos Stagnaro
Carmen Elena Dorobat
Cassiano Ricardo Dalberto
Chi-Yuen Wu
Chris Brown
Chris Calton
Chris Clancy
Christian Engström
Christopher Cantwell
Christopher P. Casey
Christopher Westley
Cicero Baggio
Claudio A. Téllez-Zepeda
Claudio Grass
Clifford F. Thies
Cristiano Fiori Chiocca
D.W. MacKenzie
Dalton Gardimam
Damien McElroy
Dan Mahoney
Daniel Marchi
Daniel Mitchell
Daniel Sanchez
Danny G. Leroy
Davi Lyra Leite
David Crockett
David Deming
David Friedman
David Gordon
David Howden
David J. Heinrich
David Klein
David Saied
David Stockman
David Veksler
Deirdre McCloskey
Dennis Prager
Detlev Schlichter
Diego H. F. Melo
Diego Lopes
Diego von Brixen Montzel Trindade
Diogo Costa
Diversos Autores
Dom Armentano
Domingos Crosseti Branda
Dominic Frisby
Donald Boudreaux
Donald Stewart Jr.
Douglas French
Dr. Samuel Gregg
Economic Collapse Blog
Eduardo Fernandez
Eduardo Franco
Edward P. Stringham
Edwin Dolan
Elisa Lucena Martins
Eliseu Drummond
Emílio Lacombi Lauss
Emilio Parodi e David Howden
Emily Washington
Equipe IMB
Erick Vasconcelos
Erick Vizolli
Eugen von Böhm-Bawerk
Fabio Barbieri
Felippe Hermes
Fernando Chiocca
Fernando Cruz Gabriel
Fernando Herrera-Gonzalez
Fernando Ulrich
Filipe Celeti
Finbar Feehan-Fitzgerald
Flavio Morgenstern
Flávio Pepinelli
Floy Lilley
Francisco Capella
Francisco Pompeu
Frank Hollenbeck
Frank Karsten
Frank Karsten & Karel Beckman
Frank Shostak
Frédéric Bastiat
Frida Ghitis
Friedrich A. Hayek
Garet Garrett
Garrett Petersen
Gary Danelishen
Gary Galles
Gary North
Geanluca Lorenzon
Gene Callahan
George C. Leef
George Gilder
George Pickering
George Reisman
George Selgin
Gerald Celente
Gerald P. O’Driscoll
Gerard Casey
Gerard Docherty
Gordon Crovitz
Graham Wright
Guilherme Inojosa
Hans F. Sennholz
Hans-Hermann Hoppe
Harry Browne
Harry Dent
Helio Beltrão
Helio Dehon Barbosa e Tatiana Villas Boas Gabbi
Henrique Vicente
Henry Hazlitt
Humberto Cimino
Humberto Fontova
Hunter Lewis
Igor Taam
Isaac Morehouse
Isabel Lyman
Israel M. Kirzner
Iván Carrino
Ivan Pongracic Jr.
Jacob Hornberger
Jakub Bozydar Wisniewski
James Dunlop
James E. Miller
Jarret Wollstein
Jason Riddle
Jeff Deist
Jeff Riggenbach
Jeffrey Herbener
Jeffrey Tucker
Jerry Bowyer
Jerry Kirkpatrick
Jesús Huerta de Soto
Jim Bradley
Jim Fedako
Jim Rogers
Joakim Kämpe
João César de Melo
João Luiz Mauad
João Marcos Theodoro
João Pedro Bastos
João Pereira Coutinho
Joel F. Wade
Joel Pinheiro da Fonseca
Johan Norberg
Johel Rodrigues
John Browne
John Cochran
John S. Chamberlain
John Tamny
Jonathan Finegold Catalán
Jonathan Newman
Jordi Franch
Jörg Guido Hülsmann
José Azel
José Carlos Dragone
José Carlos Zanforlin
José Roberto Baschiera Junior
Joseph Salerno
Joseph Sobran
Juan Fernando Carpio
Juan Ramón Rallo
Julian Adorney
Juliano Torres
Justin Murray
Justin Raimondo
Karel Beckman
Karl-Friedrich Israel
Kel Kelly
Kevin Currie-Knight
Klauber Cristofen Pires
Klaus Bernpaintner
Krzysztof Ostaszewski
L. do Ó
Larissa Flister
Larken Rose
Larry J. Sechrest
Laurence Vance
Lawrence W. Reed
Lawrence W. Reed e Marc Hyden
Leandro Narloch
Leandro Roque
Leonard Read
Leônidas Villeneuve
Leticia Catel
Lew Rockwell
Lew Rockwell e Ron Paul
Logan Albright
Lorenz Kraus
Louis Rouanet
Luan Sperandio
Lucas Danneskjöld
Lucas Mendes
Luciana Lopes
Luciana Lopes e Adriano Gianturco
Luciano Rocha
Luciano Takaki
Ludwig von Mises
Luis Almeida
Manuel Llamas
Manuel Lora
Marcia Christoff-Kurapovna
Marian Tupy
Mariana Piaia Abreu
Mario Rizzo
Mark R. Crovelli
Mark Skousen
Mark Thornton
Mark Thornton e William Anderson
Marko Kloos
Martín Krause
Mary Anastasia O’Grady
Mateus Bernardino
Mateusz Machaj
Matt McCaffrey
Matt McCaffrey & Carmen Dorobat
Matt Ridley
Matthew Lynn
Maurice McTigue
Michael Pento
Michael Rozeff
Mike "Mish" Shedlock
Mises Institute
Murray N. Rothbard
Nathan Lewis
Nelson Rodríguez Chartrand
Nicolás Cachanosky
Nilo Bessi Pascoaloto
Nima Sanandaji
Norman Horn
Núbia Tavares
Oriom Lisboa
Patri Friedman
Patrick Barron
Patrick Buchanan
Paul Craig Roberts
Paul Green
Paul Hudson
Paul Johnson
Paul Rosenberg
Paulo Kogos
Pedro Almeida Jorge
Pedro Borges Griese
Pedro Saad
Per Bylund
Peter Boettke
Peter G. Klein
Peter J. Hill
Peter Schiff
Peter St. Onge
Peter Thiel
Philipp Bagus
Predrag Rajsic
R.J. Rummel
Rafael Andreazza Daros
Rafael Hotz
Rafael Salomão Aguillar
Ralph Raico
Renato Furtado
Ricardo Hausmann
Richard C.B. Johnsson
Richard Ebeling
Robert Blumen
Robert Higgs
Robert P. Murphy
Robert Sirico
Roberto Campos
Rod Rojas
Roderick T. Long
Rodrigo Constantino
Rodrigo da Silva
Rodrigo Saraiva Marinho
Roger McKinney
Roger Toutant
Roger W. Garrison
Roger Young
Ron Holland
Ron Paul
Rosely Sayão
Ross McKitrick
Roy Cordato
Rui Santos
Russell Lamberti
Ryan McMaken
Ryan P. Long
Sanford Ikeda
Scott Kjar
Sem nome
Sheldon Richman
Sidney Richard Sylvestre
Silvio Medeiros
Simon Wilson
Spotniks
Stefan Karlsson
Stefan Molyneux
Stephan Kinsella
Stephen Halbrook
Stephen Mauzy
Sterling T. Terrell
Steve Hanke
Steve Horwitz
Steve Patterson
Stewart Dompe e Adam C. Smith
Tatiana Villas Boas Gabbi
The Foundation for a Free Society
Theodore Dalrymple
Thiago Beserra Gomes
Thiago Guterres
Tho Bishop
Thomas DiLorenzo
Thomas Sowell
Thomas Woods
Thorsten Polleit
Tiago Rinck Caveden
Todd Steinberg
Tullio Bertini
Tyler Watts
Ubiratan Jorge Iorio
Ubiratan Jorge Iorio e Leandro Roque
Valéria Pugliesi-Washington
Vanesa Vallejo
Vedran Vuk
Victor Hugo Lima do Nascimento
Walter Block
Walter Williams
Wendy McElroy
Willem Mantum
William Bonner
William L. Anderson
Winter Trabex
Wladimir Kraus
Yonatan Mozzini
Yonathan Amselem
Yuri N. Maltsev


Mas o problema é outro, se o Estado brasileiro falisse totalmente hoje e não conseguisse manter sua coesão e quebrasse em países menores e um desses conseguisse seguir sem Estado. Como é que vou saber se não vai acabar em uma situação ainda pior no final?

Já assumindo que sua hipótese é algo ruim? É tão desesperador assim ver o governo se mostrando desnecessário em sua própria hipótese?

Será que os estados ao redor, usando desculpas esfarrapadas, não imporiam taxas alfandegárias altas contra importações de empresas instaladas nesse lugar?

Os estados não estão afim de comprar da terra sem governo? Então estão abrindo mão de um potencial grande fornecedor, e enquanto os burocratas locais tentam justificar para suas ovelhas o motivo de não poder negociar com quem pode fornecer seus pedidos, a terra sem governo segue negociando com outros lugares, e aproveitando as possibilidades de se lidar com mais pessoas, mais recursos, mais mercado. E possivelmente importando o que lhe for útil dos mesmos estados que se recusam a comprar dele, pelo menos até os estados entrarem em convulsão econômica.

Será que os governos dos locais ao redor não iriam usar suas forças armadas para dividir este trecho de terra?

Pode até tentar, mas esses governos apenas estarão aumentando os seus próprios gastos em troca de um pedaço de terra que, agora desprovido de liberdade, será apenas uma fonte de prejuízos, e não mais lucros. Para maiores informações, pergunte o que aconteceu com os conquistadores de antigamente, ou o que aconteceu na invasão do Afeganistão, por exemplo.

Não haveriam garantias internacionais, como tratados ou acordos, porque não teria estado nenhum.

É uma afirmação que não procede, uma vez que não são os governos que fazem trocas no mercado, mas sim indivíduos. O que burocratas decidiram com suas canetas mágicas são completamente desprezíveis para o cidadão comum da terra sem governo.

Ou só poderia existir um lugar sem estado em um mundo onde não houvesse estado nenhum? OU seja, em nenhum planeta que eu conheça.

Mais uma vez assumindo que sua hipótese é ruim? Da mesma forma que há ovelhas desesperadas por governo, pode haver pessoas que finalmente se livrem dos "seres iluminados" que insistem em dizer o que é bom para todos, e enquanto essas mesmas pessoas se mantiverem firmes sobre a não necessidade de "iluminados", não haverá o que ser feito a não ser deixá-los viver como escolheram.

Quais são as idéias que podem ser postas em prática que os libertários têm para se alcançar o objetivo de não ter governo?

Que tal a ideia de informar os que não entendem o que acontece com eles próprios? Talvez uma boa ideia seja a de abrir um site na internet que posta artigos, livros, vídeos, etc, feito por pessoas entendidas do assunto, com acesso grátis, para iluminar o caminho dos perdidos, e um dia finalmente poder mostrar aos perdidos de hoje a total falta de necessidade dos "iluminados" em seus tronos. Tenho uma leve sensação que já me encontro em um site como eu descrevi acima, mas é apenas uma leve impressão.

Eu li vários dos livros daqui do Mises, Rothbard e Hayek, por sorte fiz download enquanto ainda estavam de graça. E gosto muito da idéia de não ter que pagar impostos. Mas é possível no mundo real? Possível na teoria eu já sei que é.

Até onde eu sei, os livros continuam de graça. Parece que tinha sido um erro com o novo site, mas já corrigido.
E caso não tenha governo, não há impostos a pagar, isso é automático. Mais um motivo pra se livrar desses que só servem para gastar o que não possuem, certo?

Agradeço se me responderem sem me acusar de defender o "arranjo atual".

Ajudaria se parasse de assumir em seu raciocínio que o governo é algo vital, de existência obrigatória, e que sua não presença signifique caos instantâneo. Lembre-se que primeiro veio o ser humano, e só depois, muito depois, apareceu a figura do governo.
Vou ser acusado de defender o estado, querem ver?

Todos as contradições apontadas no texto são verdade. Apesar de que as contradições são contra quem defende um estado social democrata, não um estado mínimo.
Sabemos que o estado é horrível, que ele rouba os nossos ganhos com impostos. Mas é possível um pedaço de terra existir sem estado no mundo real?
Em um texto anterior eu fiz perguntas sobre preocupações que eu acho genuínas, mas fui acusado de defender o arranjo atual. Eu acho o arranjo atual uma droga, temos quase tão pouca liberdade para empreender quanto na China. Se tivéssemos pelo menos a mesma liberdade que os cidadãos do Chile têm, eu já estaria feliz.

Mas o problema é outro, se o Estado brasileiro falisse totalmente hoje e não conseguisse manter sua coesão e quebrasse em países menores e um desses conseguisse seguir sem Estado. Como é que vou saber se não vai acabar em uma situação ainda pior no final?
Será que os estados ao redor, usando desculpas esfarrapadas, não imporiam taxas alfandegárias altas contra importações de empresas instaladas nesse lugar?
Será que os governos dos locais ao redor não iriam usar suas forças armadas para dividir este trecho de terra?
Não haveriam garantias internacionais, como tratados ou acordos, porque não teria estado nenhum.
Ou só poderia existir um lugar sem estado em um mundo onde não houvesse estado nenhum? OU seja, em nenhum planeta que eu conheça.
Quais são as idéias que podem ser postas em prática que os libertários têm para se alcançar o objetivo de não ter governo?
Eu acho minhas perguntas genuínas.
Eu li vários dos livros daqui do Mises, Rothbard e Hayek, por sorte fiz download enquanto ainda estavam de graça. E gosto muito da idéia de não ter que pagar impostos. Mas é possível no mundo real? Possível na teoria eu já sei que é.

Agradeço se me responderem sem me acusar de defender o "arranjo atual".
De nada adianta querer soluções sem antes entender as causas.

Quem é que gerou a pobreza?

Quem é que adota políticas -- como déficits orçamentários e expansão do crédito via bancos estatais -- que destroem o poder de compra do dinheiro, perpetuando a pobreza dos mais pobres?

Quem é que, além de destruir o poder de compra do dinheiro -- gerando inflação de preços -- ainda impõe tarifas protecionistas para proteger o grande baronato industrial, com isso impedindo duplamente que os mais pobres possam adquirir produtos baratos do exterior?

Quem é que, ao estimular a expansão do crédito imobiliário via bancos estatais, encarece artificialmente os preços das moradias e joga os pobres para barracões, favelas e outras áreas com poucas expectativas de vida?

Quem é que impede que os moradores de favelas obtenham títulos de propriedade, os quais poderiam ser utilizados como garantia para a obtenção de crédito, com o qual poderiam abrir pequenas empresas, fornecer empregos e, de forma geral, se integrar ao sistema produtivo?

Quem é que tributa absolutamente tudo o que é vendido na economia, e com isso abocanha grande parte da renda dos pobres?

Quem é que, por meio de agências reguladoras, carteliza o mercado interno, protege grandes empresários contra a concorrência externa e, com isso, impede que haja preços baixos e produtos de qualidade no mercado, prejudicando principalmente os mais pobres?

Quem é que cria encargos sociais e trabalhistas que encarecem artificialmente e mão-de-obra e, com isso, gera desemprego, estimula a informalidade e impede que os salários sejam maiores?

Quem é que confisca uma fatia do salário do trabalhador apenas para que, no futuro, quando este trabalhador estiver em situação ruim, ele receba essa fatia que lhe foi roubada de volta (e totalmente desvalorizada pela inflação)?

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2383