Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


O que Paul Krugman e os keynesianos têm a dizer sobre a implosão olímpica do Rio?
por John Tamny, segunda-feira, 13 de março de 2017

De acordo com as estimativas mais conservadoras, o custo da Olimpíada no Rio foi de R$ 38,26 bilhões.

E, quando se soma os gastos da Olimpíada aos gastos da Copa do Mundo, chega-se ao valor -- subestimado -- R$ 66 bilhões em infraestrutura. Houve gastos em estádios, instalações e projetos de mobilidade urbana, tudo para garantir que o país estivesse pronto para receber estes dois grandes eventos esportivos.

O problema é que simplesmente nunca houve demanda para tais investimentos públicos.

A consequência? No caso específico do Rio de Janeiro, quase tudo o que foi construído está hoje literalmente apodrecendo, sem uso, sem manutenção, e sem demanda. Veja aqui as depressivas fotos.

"O legado da Olimpíada do Rio é uma farsa", disse a colunista do USA Today Nancy Armour em uma recente edição do jornal. Difícil encontrar palavras mais verdadeiras do que essas. E ela prossegue dizendo que, embora "a cerimônia de encerramento tenha ocorrido há apenas seis meses", "várias das instalações e construções estão abandonadas e literalmente caindo aos pedaços. O Parque Olímpico é uma cidade fantasma, as luzes foram desligadas no Maracanã e a vila dos atletas está desocupada e deserta". Veja o vídeo.

Adicionalmente, como que de brinde, a economia do estado do Rio de Janeiro entrou em colapso. Já até se fala em caos social.

Mas Keynes havia prometido o oposto!

Esperem um pouco. Como assim? Não era para isso ter acontecido. Afinal, se Paul Krugman e todos os demais discípulos de Keynes estiverem corretos, o Rio deveria estar com uma economia vibrante e estrondosa expansão graças a todos estes bilhões que foram gastos.

Os keynesianos sempre foram enfáticos ao dizer que não importa exatamente em quê o governo irá gastar dinheiro. O que importa é que o governo gaste dinheiro. Não interessa em quê o governo irá investir; não faz diferença se o governo irá gastar todos os centavos construindo pirâmides ou estradas. O que importa é que o governo sempre esteja gastando.

Com efeito, citando Keynes diretamente, "Construir pirâmides, vivenciar terremotos e até mesmo guerras podem ser úteis para aumentar a riqueza".

"O Antigo Egito", prosseguiu Keynes,

foi duplamente afortunado, e sem dúvidas deve a isso sua fabulosa riqueza, pois possuía duas atividades, a saber, a construção de pirâmides e a busca por metais preciosos, os frutos dos quais, dado que eles não serviam às necessidades de consumo do ser humano, não envelheceram em abundância. A Idade Média construiu catedrais e cantou hinos fúnebres. Duas pirâmides, duas missas para os mortos, são duas vezes melhores do que uma; mas [ironicamente] não duas ferrovias de Londres para York.

Mas a coisa fica ainda mais bizarra. Ainda segundo o economista britânico, se o governo colocasse dinheiro dentro de garrafas e escondesse essas garrafas por todo o país, isso traria efeitos econômicos positivos, pois as pessoas teriam um incentivo para sair por aí cavando buracos à procura dessas jarras cheias de dinheiro. E isso iria estimular a economia. 

Sim, foi exatamente isso que Keynes ensinou em sua suposta obra-prima, A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda (1936). Os manuais econômicos keynesianos compreensivelmente quase nunca colocam essa citação, que é muito embaraçosa.  Em vez disso, eles preferem colocar equações que mostram -- ou que tencionam mostrar -- que os gastos do governo geram um suposto "multiplicador de renda" que irá estimular a demanda agregada e, com isso, impulsionar toda a economia.

Para Keynes e os keynesianos, portanto, uma cuidadosa alocação de capital, direcionando-o apenas para investimentos genuinamente demandados pelo público consumidor, é menos importante do que apenas gastar esse dinheiro. Gastos do governo, por si sós, são o caminho para a prosperidade.

Mas, justiça seja feita, Keynes ao menos parece ter se arrependido de suas idéias. Ao final de sua vida, ao ser perguntado sobre o que pensava de seus discípulos que propagavam suas ideias, respondeu: "Ah, são apenas uns otários".

A implosão da economia do Rio, mesmo após toda a farra de gastos, mostra que Keynes, ao menos ao final de sua vida, sabia do que falava.

Condições de laboratório

Com efeito, se houve uma oportunidade para comprovar a teoria de que gastos públicos são a força-motriz do crescimento econômico, essa oportunidade foi o Rio. E em condições quase que de laboratório.

Dado que a cidade era destituída da infraestrutura e das instalações necessárias para sediar os jogos olímpicos, os políticos do Rio deram um novo significado à expressão "obras públicas" quando deram início aos projetos após a cidade ter sido a escolhida para sediar o evento ainda em 2009.

Com pouco tempo para fazer muita coisa, os políticos do país em conjunto com seus compadres da iniciativa privada (empresários amigos do regime) direcionaram quase R$ 40 bilhões para obras públicas para fazer com que um vazio se transformasse em um espaço olímpico convincente. Houve de tudo: desde obras de mobilidade urbana, passando pela construção de várias instalações, alojamentos e estádios, até a construção de vários novos hotéis.

Aparentemente, a teoria keynesiana do multiplicador de gastos falhou. Aliás, "falhou" é um eufemismo. Todos os gastos governamentais alcançaram a façanha de transformar a outrora vibrante e alegre cidade do Rio em objeto global de piedade.

Segundo os keynesianos, toda essa farra de gastos deveria ser o caminho para a prosperidade. Mas a realidade é que, contrariando a teoria keynesiana, a cidade do Rio está hoje mais pobre do que antes, após "todos os bilhões que foram gastos e todas as instalações e obras que rapidamente se transformaram em elefantes brancos", tendo resultado em uma "fatura escorchante para uma cidade e um país que já estão sofrendo para manter suas contas".

Com essas palavras, a colunista Nancy Armour desmistificou praticamente um século de falácias econômicas até então amplamente aceitas. Os bilhões gastos em obras, longe de estimular ou reativar a economia, lograram apenas aumentar a pobreza de uma população que já estava sofrendo.

O problema

São dois os pontos a serem destacados.

Primeiro, vale ressaltar que, no setor privado, erros de investimentos são constantes. A maioria dos empreendedores erra ao estimar as verdadeiras preferências dos consumidores. Mesmo em áreas ricas, como o Vale do Silício, na Califórnia, mais de 90% dos novos empreendimentos vão à falência.

Mas eis a diferença crucial: erros cometidos pelo setor privado, que utiliza capital próprio, são rapidamente corrigidos simplesmente porque empresas privadas não possuem recursos infinitos. Não há um poço sem fundo do qual empresas privadas podem continuar extraindo dinheiro para gastar despreocupadamente em projetos que não atendem aos interesses dos consumidores.

A superioridade dos investimentos feitos voluntariamente pelo setor privado em relação aos gastos do governo (jamais chame de "investimento" algo que não está sujeito à disciplina do mercado) está no fato de que, rapidamente, as ideias ruins ficam destituídas de recursos, sendo então substituídas pelas idéias boas. Empreendedores mal sucedidos vão à falência e, consequentemente, liberam recursos escassos para serem utilizados por empreendedores bem sucedidos. Os bons substituem os ruins; os recursos são retirados dos ruins e direcionados aos bons.

Ou, indo direto ao ponto, no setor privado -- aquele que não possui laços com o governo, e que não recebe subsídios ou proteções estatais --, as idéias ruins morrem, e morrem rapidamente.

Nenhuma dessas disciplinas se aplica ao governo, que não apenas não precisa se preocupar com o retorno de seus gastos (de novo: jamais chame de "investimento" algo que não está sujeito à disciplina do mercado), como ainda possui acesso irrestrito aos recursos da sociedade para continuar financiando seus gastos. Exatamente por isso, quanto mais o governo gasta, mais pobre fica a sociedade.

Em segundo lugar, vale ressaltar que o crescimento econômico ocorre em função de investimentos privados voluntários. E investidores privados são atraídos a cidades, estados e países no quais seu capital é bem tratado. E este nunca foi o histórico do Brasil. A ideia de que todos os gastos do Rio se traduziriam em crescimento econômico e melhorias no padrão de vida da população simplesmente ignorou a realidade de que nenhum investidor sensato iria -- ignorando toda a história econômica do Brasil -- direcionar seu capital escasso ao país apenas por causa de um evento de três semanas.

Somente economistas desenvolvimentistas são capazes de acreditar naquilo que, para qualquer leigo, é um absurdo: que um evento esportivo de três semanas não apenas poderia anular décadas de políticas econômicas nefastas que repeliram investidores e empreendedores talentosos, como ainda traria todos esses investidores de volta e, com isso, faria a economia do país voltar a crescer indefinidamente.

Conclusão

Apenas o capital humano pode impulsionar o crescimento econômico de longo prazo. Já os gastos do governo funcionam como um repelente tanto para investidores quanto para o capital humano. E é assim simplesmente porque os impostos que serão necessários para financiar esse esbanjamento do governo funcionam como uma penalidade sobre os talentosos.

Impostos nada mais são do que um preço que o governo coloca sobre a produtividade; uma penalidade impingida ao trabalho. Quando empreendedores talentosos de todos os cantos do globo decidem investir em um país, eles estão correndo risco e esperam enriquecer em decorrência disso. No entanto, se o preço a ser pago são impostos altos, vários serão desestimulados. 

E o Brasil sempre foi pródigo nesta prática.

A resposta para os problemas econômicos do Rio, do Brasil e de qualquer país do mundo no qual o crescimento econômico seja baixo é a mesma: reduzir os gastos e, consequentemente, os impostos do governo, de modo que os talentosos possam manter para si uma fatia maior daquilo que produzem.

Dinheiro gasto onde ele não é bem tratado rapidamente vai embora. O Rio e o Brasil estão começando entender isso.

Portanto, embora seja um tanto ingênuo presumir que a débâcle do Rio representará o prego final no caixão keynesiano, podemos pelo menos ter a esperança de que este perfeito exemplo das consequências nefastas dos gastos do governo irá deixar envergonhada essa insensata ideologia econômica.

O que o senhor tem a dizer, doutor Krugman?

______________________________________________

Leia também:

Por que o "efeito multiplicador" é uma brutal falácia keynesiana

O erro central da teoria keynesiana em uma única frase

O que nos aguarda para a Olimpíada

A Olimpíada no Brasil - enquanto as elites ligadas ao governo festejam, o povo passa por privações

Como uma redução nos gastos do governo gera crescimento econômico

Gastos públicos são lucros privados: quando o governo gasta, ganham os grandes e perdem os pequenos