Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Os gastos do governo federal americano cresceram mais sob George W. Bush e Reagan do que sob Obama
por Ryan McMaken, segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Agora que 2016 já se foi e Barack Obama é coisa do passado, podemos analisar quanto os gastos do governo federal cresceram sob sua administração.

E os dados são interessantes: durante seus oito anos, Obama jamais conseguiu superar os enormes aumentos dos gastos governamentais ocorridos durante os governos Reagan e George W. Bush. Com efeito, Obama nem sequer chega perto.

Quando examinamos a trajetória dos gastos federais sob Obama, descobrimos que estes aumentaram 15,8%, saindo de 3.3 trilhões de dólares no último ano de Bush (2008) e indo ara 3,8 trilhões no último ano de Obama (2016).

Utilizando este mesmo método, descobrimos que os gastos federais aumentaram incríveis 33,3% desde o último ano de Bill Clinton (2000) até o último ano de Bush (2008).

O primeiro gráfico mostra quanto os gastos federais cresceram -- em termos percentuais e já descontada a inflação de preços -- durante o mandato de cada presidente desde Nixon.

spending2_1.png

Gráfico 1: aumentos percentuais nos gastos federais, já descontada a inflação de preços, durante o mandato de cada presidente americano desde Nixon (Fonte: US Office of Management and Budget, Federal Reserve, ajustado para a inflação utilizando o CPI para consumidores urbanos)

O democrata Lyndon Johnson -- o predecessor de Nixon e que assumiu a presidência no final de 1963 após o assassinato de John Kennedy (ficando até o final de 1968) -- é disparado o maior gastador desde a Segunda Guerra Mundial. Ele aumentou o orçamento federal em 40% durante seus 5 anos de governo -- uma façanha impressionante.

Johnson combinou aumentos maciços nos gastos militares (com a guerra no Vietnã) e nos gastos sociais (com a criação da sua Grande Sociedade). Conjuntamente, ambas as políticas levaram a uma enorme expansão no tamanho e no escopo do governo federal.

Logo após o democrata Johnson, os republicanos Gerald Ford, Ronald Reagan e George W. Bush aparecem como os mais pródigos presidentes dos EUA, com W. Bush, de certa maneira, copiando a agenda de Johnson, ampliando tanto os gastos bélicos quanto os sociais -- nos EUA, tal política é conhecida como guns and butter (armas e manteiga).

Foi George W. Bush, afinal, quem ampliou estrondosamente o programa Medicare -- programa de responsabilidade da Previdência Social americana que reembolsa hospitais e médicos por tratamentos fornecidos a indivíduos acima de 65 anos de idade, e que, sob Bush, passou a subsidiar a compra de remédios --, o qual foi criado exatamente por Johnson.

E foi também W. Bush quem quis ser conhecido como o "presidente da educação", chegando a mais do que duplicar os gastos do Ministério da Educação (que os republicanos haviam jurado abolir), algo que nenhum outro presidente jamais havia feito.

Enquanto isso, os gastos bélicos do governo Bush -- com a invasão do Afeganistão e do Iraque -- aumentavam anualmente, e a um ritmo alucinante.

Ademais, a maior parte desse crescimento nos gastos ocorreu quando o Partido Republicano controlava tanto o Congresso (Câmara e Senado) quanto a Casa Branca, de 2001 a 2006. Durante este período de seis anos, os gastos federais aumentaram 26%.

Já com Obama, no entanto, os gastos federais se mantiveram relativamente estáveis entre 2009 e 2016. Grande parte daquele aumento de 15,8% durante os dois mandatos de Obama pode ser atribuída ao grande salto nos gastos federais que ocorreram no final de 2008 em decorrência da crise financeira.

Vale lembrar que, nos EUA, o ano fiscal de um presidente só começa 8 meses após a sua posse. Sendo assim, quando Obama assumiu a presidência em janeiro de 2009, ele ainda teve de trabalhar com um orçamento aprovado pelo governo Bush e que vigorou até 30 de setembro de 2009. Portanto, em termos práticos, Obama só assumiu o controle do orçamento em outubro de 2009.

Isso significa que estes cálculos de certa forma amplificam os gastos de Obama e atenuam os gastos de Bush. Foi Bush quem implantou os grandes pacotes de "estímulo" -- como o socorro às montadoras americanas --, os quais foram incluídos no orçamento de 2009, mas que realmente foram criados em 1º de outubro de 2008, ainda antes da eleição de Obama. Por motivos de simplicidade, todos esses gastos serão atribuídos ao governo Obama, uma vez que eles aparecem no ano fiscal de 2009. No entanto, mesmo fazendo isso, o crescimento dos gastos sob Obama, de 15,8%, o coloca em quarto lugar, atrás de Reagan, W. Bush e Ford.

O gráfico abaixo mostra os gastos federais -- corrigidos pela inflação -- para cada ano, com o último ano do mandato de cada presidente sendo destacado.

spending1.png

Gráfico 2: total anual dos gastos federais, já descontada a inflação de preços, durante o mandato de cada presidente americano desde 1968 (Fonte: US Office of Management and Budget, Federal Reserve, ajustado para a inflação utilizando o CPI para consumidores urbanos)

Só de correr o olho no gráfico é possível notar que há óbvios períodos de crescimento mais robusto nos gastos federais, especialmente durante os anos Reagan e George W. Bush. O crescimento tem sido praticamente ininterrupto, com apenas alguns anos mostrando uma redução ou contenção pontual, como 1986-1987, 1992-1993, 2006-2007. Já de 2011 a 2014, a redução foi contínua.

Por fim, tambem é possível ver que a taxa de crescimento média anual dos gastos durante o mandato de Obama também é menor que a dos governos Reagan e W. Bush, com este último assumindo a liderança com uma taxa de crescimento médio anual de 3,6%. (Bush, no entanto, está bem abaixo de Ford, que em seu curto mandato aumentou os gastos a uma taxa média anual de 9%). Embora Obama tenha começado seu mandato com um enorme aumento de 18% em 2009 (implantado por Bush ao final de seu governo), as reduções nos anos posteriores fizeram com que o aumento percentual médio fosse de apenas 2%.

spending6.png

Gráfico 3: taxa média de crescimento anual nos gastos federais durante o mandato de cada presidente

Ademais, em termos da dívida, dado que quem faz praticamente todo o orçamento do primeiro ano de um presidente eleito é o presidente anterior (como explicado acima), temos que o legado Bush inclui a dívida de 2009. E esta estava em 12 trilhões ao final de 2009.

Ou seja, quando Bush assumiu o governo, a dívida era de 6 trilhões. Quando ele saiu, era de 12 trilhões. Atualmente, ela está em 20 trilhões.

Em porcentagem do PIB, Bush elevou a dívida de 57% para 87%. E Obama, de 87% para 104%. (Reagan elevou de 32,2% do PIB em 1981 para 52,9% em 1989, o maior aumento percentual de todos).

Se essas tendências -- especialmente a dos anos George W. Bush e Reagan -- servirem como indicadores futuros, então todos devem se preparar para grandes aumentos dos gastos federais durante o governo Trump.

Afinal, Trump não forneceu qualquer indicação de que irá cortar gastos federais. Durante sua campanha, corte de gastos nunca figurou em sua plataforma. Com efeito, ele falou apenas em elevar os gastos, seja para projetos de infraestrutura ou para novos programas militares.

Recentemente, Trump anunciou que está planejando cortar impostos. Mas isso apenas redireciona o fardo dos gastos governamentais para os pagadores de impostos futuros, que terão de arcar com o aumento da dívida, e para os detentores de dólares americanos, que terão seu poder de compra reduzido em decorrência da inflação resultante de maiores déficits orçamentários.

Ademais, e tão importante quanto, os gastos do governo são, por si sós, um fardo sobre a economia, independentemente do nível dos impostos. (Ver a explicação detalhada aqui).

Obviamente, os gastos governamentais não são a única medida pela qual um presidente deve ser julgado. As regulações estatais sobre as empresas aumentou incomensuravelmente durante os dois mandatos de Obama, o que fez com que empregos pagando bons salários deixassem de ser criados, empresas deixassem de ser abertas, e investimentos deixassem de ser concretizados. Regulações estatais destroem escolhas, oportunidades e riquezas. Adicionalmente, os ataques governamentais às liberdades civis -- como a guerra às drogas e os programas de vigilância dos cidadãos americanos --, ambos intensificados pelo governo Obama têm de ser considerados, bem como as desastrosas políticas externas de todos esses presidentes, como as guerras e intervenções externas que criaram a atual horda de refugiados e revigoraram o radicalismo islâmico.

Se o governo Trump de fato for bem-sucedido em fazer retroceder as regulações governamentais, tornando mais fácil abrir e manter um negócio nos EUA, bem como ter um emprego e um salário, isso pode vir a ser o raio de esperança que muitos de seus apoiadores vêem em Trump. É bastante improvável que ele venha a cortar gastos. E caso ele de fato eleve tarifas de importação e aumente os déficits do governo, esse raio de esperança dificilmente irá se concretizar.

Conclusão

Por fim, vale ressaltar essa falácia, tão frequentemente repetida, de que o Partido Republicano é um partido conservador que defende um governo pequeno e restrito. Essa mentira é repetida tanto por republicanos -- como auto-engano -- quanto por democratas, que ainda parecem acreditar que o Partido Republicano está comprometido com cortar os programas sociais e deixar os aposentados sem remédios e pensões.

Ao se analisar o comportamento dos gastos federais, é fácil notar que o mito de que presidentes republicanos querem governos restringidos e defendem cortes de gastos e orçamentos equilibrados é apenas isso: um mito.

Quem ainda acredita que candidatos republicanos representam reduções nos gastos do governo, equilíbrio fiscal e mais "responsabilidade pessoal" é alguém que vive em outra dimensão desde a década de 1970. É simplesmente impossível inferir isso olhando o histórico.

Ao final, a impressão que se tem é a de que republicanos são apenas democratas desonestos. Os democratas ao menos têm a hombridade de dizer na cara dos eleitores: odiamos a liberdade e o livre mercado, e queremos um estado inchado e provedor; portanto, mandem-nos para Washington para que possamos acabar com ambos. Já os republicanos falam bastante sobre o quanto defendem a liberdade, o individualismo, a responsabilidade pessoal, um governo enxuto e limitado, e um orçamento equilibrado. E, no entanto, quando vão para Washington, alimentam a besta e a fazem crescer muito mais do que os democratas.

______________________________________________

Para entender por que o governo Clinton foi economicamente o melhor, veja este artigo:

Governos de esquerda que adotam reformas liberais