Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

A democracia e o recado das urnas


"A diferença entre democracia e ditadura é que, em uma democracia, primeiro você vota e depois recebe as ordens, ao passo que, em uma ditadura, você não precisa perder tempo votando."

Charles Bukowski

 

"Um homem não deixa de ser escravo ao poder escolher seu senhor a cada quatro anos."

Lysander Spooner

 

"Se o voto mudasse algo, seria ilegal."

 H.L. Mencken

 

 

A abstenção foi a maior desde a redemocratização do país: 21,5% do eleitorado.  Nada menos que 29 milhões de pessoas preferiram dar uma voltinha, aproveitar o feriado ou ficar em casa dormindo a chancelar seu apoio a qualquer um dos candidatos.

Se a essas abstenções somarmos os votos brancos e nulos, chegamos a um total de mais de 36,3 milhões de pessoas, o que dá nada menos que 27% do eleitorado.

E, se a esse número somarmos o total de votos recebidos pelo candidato perdedor — de cujo nome já me esqueci —, teremos um total de mais de 80 milhões de pessoas que não deram seu apoio à candidata vencedora.

Ou seja: a futura presidente irá regular a economia e comandar nossas vidas tendo recebido a aprovação de apenas 41% do eleitorado total — ao passo que nada menos que 59% dos eleitores não querem saber dela. 

Como essa tal democracia está funcionando pra você?

 

P.S.: veja aqui o relato de pessoas que preferiram ir à praia a dar seu voto a esses pretensos ditadores.  Como bem disse um cidadão na reportagem "[Estamos aqui] sem nenhum peso na consciência, porque eles não têm peso na consciência na hora de roubar.  Então a gente também não tem de não dar voto para eles".


0 votos

SOBRE O AUTOR

Leandro Roque
é o editor e tradutor do site do Instituto Ludwig von Mises Brasil.


OFF-TOPPIC: pessoal do IMB, seria possível vocês redigirem um artigo refutando as teorias conspiratórias sobre o Nióbio que abundam desde a época do Enéias? Quinta-feira o Instituto Liberal reiniciou o debate, e seria ótimo se vocês dessem continuidade. Eis o que comentei no website do IL, é o que resumidamente penso do assunto:

"Se há indícios concretos ou, ao menos, motivos para crer que as empresas autorizadas pelo Estado brasileiro a retirarem do solo e comercializarem este metal estão cometendo fraudes de qualquer natureza, em conluio com grupos estrangeiros ou não, a solução é, em se confirmando as irregularidades, rescindir os contratos de permissão em vigor e abrir este mercado para mais empresas interessadas no empreendimento - seja lá de onde elas forem. A que oferecer a melhor barganha leva as jazidas - e paga impostos sobre tudo o que produzir. Elevar o preço na marra? Claro, abusar desta condição de quase monopolista pode funcionar no começo, mas no médio prazo surgirão alternativas de melhor custo-benefício para atender a demanda daqueles insatisfeitos com a situação. Deixar de vender o Nióbio como comodittie e agregar valor ao mineral em nossa indústria da transformação? Seria ótimo, se nosso parque industrial não estivesse parado no tempo desde meados do século passado. Só falta criarem a estatal NIOBRÁS no Brasil, que dará origem ao escândalo do NIOBRÃO. O brasileiro não aprende mesmo: sempre achando que vai encontrar um bilhete premiado no chão e poderá passar o resto da vida bebendo e sambando."
"Tal afirmação nunca foi feita. Em ponto nenhum do artigo. E nem em nenhum outro artigo"

Não me refiro à uma frase ou texto escrito nos artigos do IMB. Estou questionando a percepção daqueles que defendem esse modelo de afrouxamento da terceirização proposto pelo governo, pois essa discussão toda é parte da realidade em que estamos vivenciando. Aliás, não creio que esse artigo seja uma mera exposição teórico-dissertativa acerca do que seria e quais os benefícios de uma terceirização segundo os liberais, muito menos um texto desvinculado da conjectura atual, como você transparece para quem lê. Logo, minha indagação é pertinente, ainda que, o que questiono, não esteja explicitamente escrito no artigo.

Em relação ao artigo linkado, em momento algum vi algo a mostra que abordasse diretamente o problema terceirização-corporativismo privado que eu levantei acima. O que mais se aproxima seria esse trecho:
"Em primeiro lugar, a ideia de que custos menores para empresas é algo ruim. Além do fato de que custos baixos permitem maior acúmulo de capital — o que possibilita mais investimentos e mais contratações —, falta explicar como que custos de contratação menores podem ser ruins para pessoas à procura de emprego."
Sim, não há problema algum em um empresário tentar reduzir seus custos para se adequar a concorrência e auferir maiores lucros. O entrave se encontra, como eu falei, no empresário monopolista que não possui um fator invísivel para motivá-lo à otimizar sua produção. A mão visível do Estado garante que seu produto inevitavelmente será consumido e, com isso, seu lucro será certeiro. Por conseguinte, não há a preocupação constante deste em inovar, melhorar a qualidade, aumentar a produtividade da sua mão de obra. Nesse sentido, a terceirização beneficia esse empresário, justamente por rebaixar seus custos com contratados (temporários ou não) à niveis abaixos daquilo que os empregados produzem, sabendo se que eles estão confortáveis em relação aos processos trabalhistas que enfrentarão (ajudinha estatal). Bem como, estagna ou retarda as inovações, tendo em vista que sua produção atual será adquirida pelos consumidores à um preço "monopolístico" durante um tempo maior que o de uma concorrência que existiria num livre mercado. Ademais, seu produto foi feito empregando mão-de-obra com um ônus muito abaixo daquilo que ela de fato produz. Desse modo, a margem de lucro é gigantesca, sendo que esse lucro pode sim ser revertido em capital para futuras melhoras, o que, na minha opinião, não aflinge ou preocupa de modo algum uma empresa monopolista, pois esta pode facilmente pegar crédito subsidiado de bancos estatais, ou ser empreendido em outros investimentos pessoais e, na minha percepção, fúteis e de pouco potencial de gerar valor no futuro.

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Domingos  01/11/2010 12:07
    Leandro, parabéns pela análise. Cncordo com ela.\r
    Só esqueceste de mencionar que esse 41% que aprovaram a Dilma representa a VERDADEIRA popularidade de Lula. Caso contrário, Dilma estaria eleita no primeiro turno com 80%.\r
    Aproveito pra perguntar: Por que em uma pesquisa de popularidade as respostas não são " aprova" e " desaprova"?\r
  • Luiz Oliveira  01/11/2010 18:22
    A eleição de Dilma Roussef é uma prova de que a República presidencialista é um mal para o Brasil. Os militares que apearam o erudito imperador D. Pedro II do poder, com base nas idéias do louco Augusto Comte, cometeram um gravíssimo erro. Uma República presidencial fundada com base na filosofia de um lelé da cuca, um maluco completo como Comte não podia dar certo. Tivesse permanecido o Império, seria impossível que uma figura despreparada como Dilma liderasse a nação. Basta comparar o despreparo de figuras como Lula e Dilma com a erudição, a elegância, a classe dos chefes da casa real brasileira, os Orleans e Bragança. Ouvindo a erudição, a desenvoltura desses homens, como, por exemplo, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, e comparando com o que temos hoje nos governando, dá uma imensa tristeza. Mas o povinho que temos merece os governantes que tem. Ter um imperador como D. Bertrand seria pedir demais para um povo como o nosso. Esse povo gosta mesmo é de Lula e de Dilma. A maioria do povo brasileiro só poderia se enxergar em uma pessoa como Lula que nunca gostou de estudar e tem ódio aos livros e ao conhecimento. Jamais iria se identificar com alguém tão ilustrado e erudito como D.Bertrand. Esse povo merece ter como "rei" apenas alguém como Dom Luís Stalinácio da Silva ou como "rainha" alguém como Dilma Roussef. Por essas e outras sou monarquista.
  • Cassio  02/11/2010 12:24
    Como diria Olavo, ele não estão preocupados com aprovação, e sim com poder. "O governo não é razão. O governo não é persuasão. O governo é força bruta." - George Washington
  • Daniel Marchi  02/11/2010 16:37
    "Democracia é a estrada para o socialismo."
    -- Karl Marx

    "O formato político de uma sociedade em que o proletariado foi vitorioso em derrubar a burguesia será a república democrática."
    -- Vladimir Lênin

    "Aquele que agora fala sobre a "liberdade de imprensa" retrocede e impede nossa corrida impetuosa ao Socialismo."
    -- Vladimir Lênin

    "A melhor maneira de destruir o sistema capitalista é depravar a moeda."
    -- Vladimir Lênin

    "O comunismo precisa de democracia como o corpo humano precisa de oxigênio."
    -- Leon Trotski

    "Por quê nacionalizar a indústria quando você pode nacionalizar as pessoas?"
    -- Adolf Hitler

    "Ouro não é necessário. Não tenho interesse em ouro. Construiremos um estado sólido sem um grama de ouro por trás dele. Qualquer um que venda acima dos preços tabelados que seja enviado a um campo de concentração. Este é o bastião do dinheiro."
    -- Adolf Hitler

    FONTE:
    www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/11103-marxismo-ocidental-o-que-vos-espera.html
  • Jan  11/11/2010 22:05
    Caro Leandro,

    hoje Demétrio Magnoli escreveu um artigo 'econômico' bastante interessante no Estadão (G-20, o espetáculo da soberania), no qual analisa o atual panorama financeiro e tenta explicar Bretton Woods, as reuniões do G-20 e as guerras cambiais do passado e as que virão. Seria interessantíssimo ter uma opinião do IMB sobre o exposto, indicando erros e acertos no raciocínio do articulista.

    Muito obrigado
  • guilherme  18/11/2010 23:53
    Voces nao votam porque sao COVARDES.\r
    \r
    Jamais serao cidadaos de verdade.\r
    \r
    Continuarao vivendo no seu mundinho de delirio.
  • Fernando Chiocca  19/11/2010 13:16
    Poxa Guilherme, isso era TUDO que eu queria de gente como você, ser deixado em paz no meu mundinho.

    E não existe covardia maior do que o mais forte, mais numeroso, roubar e agredir o mais fraco. Precisa rever seus conceitos...
  • mcmoraes  19/11/2010 13:52
    guilherme disse:
    ...Se estao falando da sociedade como um todo eu tenho certeza que voces precisam conversar com um psiquiatra e prometo jamais volto para este site que, apesar de ser muito informativo, nao vai para o "bottom line"...

    Um homem de verdade cumpre o q promete, ou, no mínimo, retira o q disse.
  • Carlos Monteiro  01/12/2010 19:54
    Quem disse que não estamos vivendo uma ditadura?\r
    É claro que estamos numa ditadura >>> A DITADURA DO DINHEIRO , DAS FRAUDES !\r
    \r
    Ô Guilherme e cia ,prestem atenção :\r
    \r
    "A diferença entre democracia e ditadura é que, em uma democracia, primeiro você vota e depois recebe as ordens, ao passo que, em uma ditadura, você não precisa perder tempo votando."\r
    \r
    Charles Bukowski\r
    \r
    Só Jesus !\r
    Leiam,estudem! Aqui é um ótimo lugar para isso.Informem-se de VERDADE.\r
    Não se enganem com o tal "voto",afinal não são seus candidatos que mandam mesmo.\r
    Hoje no mundo não há sequer um governo,mas nem "umzinho" sequer que dê as cartas.\r
    Pesquise,mas cuidado pois a realidade é chocante!


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.