clube   |   doar   |   idiomas
Ayn Rand, A Revolta de Atlas e uma promoção do IMB

Ayn Rand é a musa do libertarianismo moderno, filósofa de qualidade e importante novelista.  Rand foi central para a consolidação de uma das bases do movimento libertário — o notável princípio da não agressão, segundo o qual se considera ilegítimo o recurso à força física, ameaça e fraude contra inocentes ou sua propriedade.  A Revolta de Atlas é uma primorosa e cativante dramatização da filosofia de Rand e um dos livros mais influentes de todos os tempos.

Helio Beltrão, presidente do IMB

 

Foi relançado recentemente pela editora Sextante o livro A Revolta de Atlas, originalmente publicado em português com o título Quem é John Galt?.

Escrito por Ayn Rand em 1957, a obra é um romance dedicado à defesa do liberalismo econômico e da livre-iniciativa. 

Como diz a contra-capa:

Considerado o livro mais influente nos Estados Unidos depois da Bíblia, segundo a Biblioteca do Congresso americano, A Revolta de Atlas é um romance monumental cuja história se passa numa época imprecisa, quando as forças políticas de esquerda estão no poder.  Último baluarte do que ainda resta do capitalismo num mundo infestado de repúblicas populares, os Estados Unidos estão em decadência e sua economia caminha para o colapso.

Nesse cenário desolador em que a intervenção estatal se sobrepõe a qualquer iniciativa privada de reerguer a economia, e o controle do governo sobre todos os setores da economia aumenta continuamente, os principais inovadores e trabalhadores começam a desaparecer em circunstâncias misteriosas, abandonando negócios lucrativos ou empregos que antes garantiam seu sustento. Com medidas arbitrárias e leis manipuladas, o estado logo se apossa de suas propriedades e invenções, mas não é capaz de manter a lucratividade de seus negócios.

Sem essas mentes privilegiadas para criar coisas novas e produzir riqueza para toda a sociedade, qual será o futuro do mundo?

Mas a greve de cérebros motivada por um estado improdutivo à beira da ruína vai cobrar um preço muito alto. E é o homem — e toda a sociedade — quem irá pagar.


Quando foi lançado, o livro deixou Ludwig von Mises tão impressionado, que ele fez questão de escrever a seguinte carta para Ayn Rand:

Prezada Sra. Rand:

Eu não sou um crítico profissional e não me sinto capaz de julgar os méritos desse livro.  Portanto, eu não quero retê-la aqui com a informação que gostei muito de ler A Revolta de Atlas e que fiquei extremamente admirado com a magistral maneira como a senhora construiu o enredo.

Porém, A Revolta de Atlas não é simplesmente uma novela. É também (e principalmente) uma análise persuasiva dos males que assolam nossa sociedade, uma rejeição embasada da ideologia dos nossos pretensos "intelectuais" e um impiedoso desmascaramento da insinceridade das políticas adotadas pelos governantes e políticos.

É uma exposição devastadora dos "canibais da moral", dos "gigolôs da ciência" e da "tagarelice acadêmica" desses criadores da "revolução anti-industrial".  A senhora teve a coragem de dizer para as massas aquilo que nenhum político jamais teve: vocês não seriam nada sem os capitalistas, e todas as melhorias nas suas condições de vida, tudo aquilo que vocês simplesmente assumem como coisa corriqueira, como fato consumado, vocês devem unicamente aos esforços de homens que são melhores do que vocês.

Se isto é arrogância, como muitos de seus críticos disseram, ainda assim é a verdade que precisava ser dita nesta era de assistencialismo estatal.

Eu sinceramente lhe congratulo e aguardo com grande expectativa seu próximo livro.

Ludwig von Mises

 

Para comemorar o relançamento dessa obra extremamente importante, o Instituto Mises Brasil, a partir desta semana, inicia uma promoção: até o dia 10 de dezembro, vamos doar um exemplar da obra por semana para o leitor que melhor contribuir nos comentários dos artigos ou blogs do website

Os critérios de avaliação serão: clareza, qualidade, originalidade e didatismo do comentário.  É óbvio que o comentário pode ser contrário ao ponto defendido no artigo.  O que vale são os argumentos utilizados.

Pedimos apenas que os leitores não se esqueçam de deixar seus e-mails no campo apropriado da seção dos comentários.

Boa sorte!

PROMOÇÃO ENCERRADA.

Confira os vencedores:

Vencedor da semana 25/10 — 31/10 - Gabriel Oliva

Vencedor da semana 01/11 — 07/11  - Vitor Morosine

Vencedor da semana 08/11 — 14/11  - Daniel Marchi

Vencedor da semana 15/11 — 21/11  - mcmoraes

Vencedor da semana 22/11 — 28/11 - Luiz Renato

Vencedor da semana 29/11 — 05/12 - Getulio Malveira

Vencedor da semana 06/11 — 10/11 - Erik Cenaqui

1 voto

autor

Equipe IMB

  • Breno Almeida  24/10/2010 22:45
    O Leandro Roque tá excluido da promoção né?
  • Zéh!  24/10/2010 23:57
    Será vendido esse livro na loja Virtual?
  • Efraym Falcao  25/10/2010 02:03
    Ótima iniciativa. Vamos ver agora se a galera se anima a escrever o que pensa.
  • Felipe André  25/10/2010 07:37
    Já comprei minha cópia algumas semanas atrás, mas parabenizo o site pela iniciativa.
  • Odilon  25/10/2010 09:11
    Boa ideia p/ movimentar o site.
  • Otacílio Cordeiro da Silva  25/10/2010 17:29
    Prezados senhores!
    Este mês de outubro ficará marcado para mim como o mês da minha descoberta do Instituto Mises Brasil, muito por acaso, através da leitura de um pequeno artigo na Revista Época sobre o lançamento do livro de Ayn Rand, que farei tudo para adquirir. O IMB era tudo o que me faltava, o combustível para continuar alimentando de forma prodigiosa meus ideais conservadores, liberais e de direita. Estou bastante impressionado com a qualidade dos conteúdos do IMB. É, de fato, uma mina riquíssima. Espero poder colaborar com meus comentários sempre, na medida do possível, pois não há tempo suficiente para tudo, temos de nos contentar com o que somos capazes. Desejo boa sorte a todos do IMB, nossos companheiros Brasil afora, e que Deus abençoe a todos nós.
  • mcmoraes  25/10/2010 18:30
    Otacílio, eu te entendo perfeitamente! Sugiro q vc não deixe de ler o seguinte artigo: mises.org.br/Article.aspx?id=71
  • Miguel A.E. Corgosinho  25/10/2010 17:39
    Parabenizo ao site pela iniciativa. Me permitam dizer sobre o conceito de valor.

    Através do texto a seguir, retirado do post "O conceito de Mises sobre uma sociedade livre", desejo falar de um direito natural (um certo valor eminente) o qual respondo à exigência de assimilar ao paradoxo aparentemente inextrincável: as raizes especulativas do câmbio: "Mises não faz nenhuma referência aos direitos naturais, por exemplo, um conceito que possui um papel central em tantas outras exposições do liberalismo. Ele enfoca principalmente a necessidade de uma cooperação social de larga escala. Essa cooperação social - por meio da qual complexas cadeias de produção geram um aprimoramento do padrão de vida de todos - pode ser criada somente por um sistema econômico baseado na propriedade privada."

    Logo, é um erro deixar para trás o papel central do conceito de direitos naturais (valor de referencia), como se não existisse uma virtude formativa da produção. Seria uma contradição dizer "o que existe não existe enquanto busca seu valor". Ou o conceito de valor designa a própria existência da ordem especulativa, de dupla obrigação (divida interna e externa) para com o mercado financeiro!!!

    Em resumo, o mercado financeiro se une soberanamente ao mistério do valor, com o papel central de endividar o complexo nacional, embora o valor seja o direito natural de medir a produção.

    A existência do valor, como toda ordem criada de tipo puro - riqueza, PIB, é contigente a uma posição de fato, referente a ordem dos fatores de produção. A produção formula dentro de si um julgamento que se dirige, portanto, para se organizar do mesmo modo na sua posição fora, a qual torna o valor uma propriedade externa ã causa de uma existência possível, do próprio ponto de vista de sua atualização: a moeda. Ou seja: A ciencia capaz de elevar suas forças naturais, como é o caso da potencia, dispensa intermediários.

    Eu me refiro ao aspecto dominio do mercado livre, como disse Mises "(...) um conceito que possui um papel central (...)", mas lidamos com "gigolos da ciencia".

    É nosso dever tomar consciencia das exigencias da propriedade certamente fundadas no real O texto diz: "(...) Ele enfoca principalmente a necessidade de uma cooperação social de larga escala (...).

    " Por que nunca tomamos a posição do liberalismo, todavia, precisamos fixar o papel central do valor? - "(...) que pode ser criado somente por um sistema economico baseado na propriedade privada(...)".
  • Otacílio Cordeiro da Silva  27/10/2010 20:43
    "Eu vi o anjo no mármore e o talhei, até que pudesse libertá-lo" - Michelangelo.
    Assim como Michelangelo, um gênio, Mises também viu o anjo no mármore (Instituto von Mises) e o talhou, deixando que a posteridade o libertasse.
  • Daniel Homem de Carvalho  02/11/2010 23:13
    Li a Revolta de Atlas em dois fins de semana. A narrativa empolga e o leitor logo se embrenha na na trama do romance que expõe o conflito entre a lógica existencial da liberdade e a lógica restritiva da liberdade, levadas às últimas consequências.\r
    O livro consegue deixar sua mensagem filosófica, demonstrando os equívocos da sucessão de intervenções governamentais sobre a vontade individual. Uma intervenção gera um desequilíbrio que leva a outra intervenção, num ciclo de destruição da capacidade de empreender do indivíduo. \r
    O romance demonstra de forma especial o estrito vínculo entre liberdade economica e liberdade política e entre liberdade economica e bem estar.Aliás essa tem sido a grande falha do pensamento liberal, ao não conseguir socializar o fato de que as sociedades que alcançaram melhores níveis de bem estar e prosperidade são as que vivem sob o regime de livre mercado e respeito aos direitos individuais. Nesse ponto Ayn Rand foi perfeita. Para os que vivem numa sociedade onde se acredita que "o que é do governo é do povo" a leitura de A Revolta de Atlas pode ser altamente didático.\r
    Há um marasmo ideológico em nosso país, demonstrado pelas eleições presidenciais, onde nenhum candidato ousou defender essas idéias, muito pelo contrário, cada um buscava se mostrar mais estatizante que o outro, como se a gestão privada fosse um mal e como se o governo fosse um grande gestor. Parabéns ao Instituto Von Mises por manter esse foro livre e essas informações e textos tão importantes ao alcance do público.
  • daniel  11/01/2011 14:22
  • Fernando Chiocca  11/01/2011 14:37
  • mcmoraes  20/06/2011 15:17
    Uma ainda mais recente, mas não é sobre o filme: Siemens chief warns on US skills shortage.
  • mcmoraes  04/01/2012 16:01
    Acabei de ver o filme em www.movie2k.to/movie-934579-Atlas+Shrugged%3A+Part+I.html. Superou muito as minhas expectativas. Recomendo!
  • Vitor Hoher Nunes  05/01/2012 04:26
    Sério mesmo, Mcmoraes?\r
    \r
    Eu assisti faz um tempinho e achei que fica bem atrás do livro. Acho que faltaram alguns detalhes e, principalmente, que o livro me passava um senso de indignação e revolta bem maior do que os atores conseguiram me passar. \r
    \r
    Parece que o filme foi mal recebido pelo público americano e que existe a possibilidade das partes 2 e 3 nem serem lançadas. Acho que pelo fato do filme ser um pouco parado, sem ação e etc. Provavelmente o público geral precisa de mais explosões... Hahaha\r
    \r
    Mas sou meio suspeito para falar, todo filme baseado em algum livro que eu tenha lido ficou abaixo das minhas expectativas. Mesmo assim gostei do filme e recomendo. Só acho que ninguém deve abrir mão de ler o livro!
  • mcmoraes  05/01/2012 06:20
    Sério mesmo, Vitor. Apenas atente que eu disse que "o filme superou muito as minhas expectativas" e não que "o filme é comparável ou superior ao livro".
  • anônimo  19/05/2013 10:55
    'Provavelmente o público geral precisa de mais explosões... Hahaha'

    O público atual tem o nível intelectual de uma ameba.
  • Jerry  22/02/2012 18:03
    Olá, alguém pode me ajudar. Acabei de ler o 1º volume da obra, mas, antes de começar o 2º, queria algum tipo de resumo para as personagens do livro. Alguém conhece algum site? Obrigado.

    PS: o Submarino está vendendo os três livros por apenas 29,90 (preço incomparável). Abraço.
  • Leandro  22/02/2012 18:13
    Jerry, se você sabe inglês, então esta página da Wikipedia é ótima:

    en.wikipedia.org/wiki/List_of_characters_in_Atlas_Shrugged

    Abraços!
  • Jerry  23/02/2012 08:11
    Caramba, como não encontrei isso antes? xD Muito obrigado, Leandro. Valeu mesmo!
  • Guilherme Marinho  19/03/2013 18:15
    Ótimo livro, mas as posições objetivistas em relação a propriedade intectual são falhas e o grande erro de Rand.
    Escrevi sobre isso no meu blog:
    www.guiomarinho.blogspot.com.br/2013/03/ayn-rand-e-propriedade-intelectual-as.html
  • onchannel  18/05/2013 21:25
    alternativa site de compartilhamento de vídeo. bom site que qualquer pessoa pode usar para assistir filmes on-line

    www.onchannel.net/50653-atlas-shrugged-ii-the-strike.html and www.onchannel.net/938-atlas-shrugged-part-i.html
  • Emerson Luis, um Psicologo  28/07/2014 23:29

    Engraçado, hoje cedo ouvi no rádio sobre um sujeito que abriu uma garrafa e encontrou uma tampinha premiada de uma promoção de 20 anos atrás.

    * * *
  • Edna  09/12/2014 23:38
    Acabei e terminar o terceiro volume. Nunca li algo igual!!! De uma forma simples foram introduzidos vários posicionamento da sociedade e como se organizar em sociedade. Amei a estória. Vibrei com as aventuras de Dagny e Frank. Hj, sinto falta dos meus "companheiros" destes últimos meses. Sinto falta da ferrovia e ah!...A Siderúrgica Hearden!!! Confesso q eu gostaria que a ideia da Dagny prevalecesse: que seu esforço e inteligência (a mocinha) fossem capazes de virar o jogo. Mas foi uma grande aventura!!!


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.