Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

Obama, o terror dos keynesianos

Tenho para mim que todo keynesiano que se preze, principalmente o da vertente pós-keynesiana, está fazendo todo o tipo de promessa e mandinga na esperança de que Obama saia o mais rápido possível da Casa Branca - caso contrário, a profissão vai cair em descrédito (para alívio mundial).

Aluno aplicadíssimo - certamente o mais aplicado que já passou pela Casa Branca desde Lyndon Johnson -, Obama até agora vem seguindo a cartilha (pós) keynesiana à risca: imprimiu dinheiro sem medo, reduziu os juros a quase zero, gastou o que tinha e o que não tinha, aumentou o déficit orçamentário, estourou a dívida pública e transformou o governo em empresário, substituindo a "ineficiência" do setor privado pela onisciência governamental.

Sendo tão aplicado assim, qual o problema que os (pós) keynesianos teriam com ele?

Simples: a teoria keynesiana diz que suas intervenções econômicas trazem resultado já no curto prazo - isto é, crescimento econômico e queda do desemprego.  Se Obama assumiu o governo em janeiro desse ano, 11 meses de keynesianismo em escala mastodôntica teoricamente já deveria ter surtido alguns resultados positivos.  Mas houve algum?  Não, pelo contrário.

O crescimento econômico ocorrido no terceiro trimestre, como já explicamos, é totalmente fictício e insustentável, tendendo a cair tão logo os estímulos sejam retirados.  Já o desemprego... Ah, essa é a melhor parte.

Veja o gráfico a seguir.


A linha branca mostra a previsão feita pelos economistas da Casa Branca sobre como seria a taxa de desemprego com a aplicação dos pacotes de estímulo adotados pelo governo americano.

A linha cinza mostra a previsão desses mesmos economistas caso não houvesse pacotes de estímulo.

E a linha vermelha mostra o real comportamento da taxa de desemprego, com todos os estímulos.

Realmente, uma imagem vale mais que mil palavras.

Mas sejamos justos.  Quem começou os pacotes de estímulo foi o próprio Bush.  Obama simplesmente deu continuidade - numa apavorante reprise do que fez a dupla Hoover/Roosevelt, um disputando com o outro para ver quem era o mais intervencionista.

Assim, quando a crise começou em agosto de 2007 (quando as bolsas começaram a cair após terem constatado o castelo de cartas das hipotecas subprime), o desemprego estava em 4,7%.  O Fed baixou os juros.  Em setembro de 2008, o desemprego já estava em 6,2%.  Os pacotes foram sendo aprovados.  Quando Obama assumiu, em janeiro de 2009, o desemprego já estava em 7,6%.  Pela teoria keynesiana, tudo o que foi feito deveria garantir que o desemprego ficasse pelo menos ao redor desse valor.  Hoje, 26 meses após o início dos estímulos, o desemprego já está em 10,2% -  117% maior do que quando tudo começou.  (Veja os números aqui).

Por fim, vale uma observação interessante, que já fizemos aqui: no ano 2000, o orçamento total do governo dos EUA foi de 1,8 trilhão de dólares.  Já em 2008, o orçamento total foi de $3 trilhões, o que significa que em 8 anos os gastos cresceram 66%.  Ou seja, já tinha havido uma explosão nos gastos governamentais antes que toda essa balela de "estímulo" tivesse sido inventada. 

Pergunta-se: por que esse aumento de 66% nos gastos em 8 anos não impediu a depressão americana?  De acordo com Keynes, era para a economia americana estar bombando.

A questão toda nem é divagar sobre como tudo poderia estar melhor caso nada tivesse sido feito - isto é, caso não tivessem ocorrido os déficits, o aumento da dívida, as estatizações, a gastança, a inflação monetária e a diminuição artificial dos juros.

A questão principal é: por que após seguidas demonstrações de uma abismal incapacidade de solucionar problemas econômicos, a teoria keynesiana segue sendo levada a sério, garantindo empregos vitalícios para vários acadêmicos e "pesquisadores" que só pensam em enriquecer sem esforço, sem concorrência e à custa dos outros?

Acho que a resposta está contida na própria pergunta.

0 votos

SOBRE O AUTOR

Leandro Roque
é o editor e tradutor do site do Instituto Ludwig von Mises Brasil.


A meu ver, essa "desregulamentação" estatal sobre a terceirização não passa de uma intervenção, de feição "liberal", que não implicará nos efeitos desejados e previstos.

Basicamente, pelo que eu entendi, a intenção do governo é gerar mais empregos que de fato paguem salários realmente vinculados à riqueza produzida pelo empregado. Com isso, busca se mover a economia, através de poupanças, maior capital do empregador para investimento e consumo real dos empregados. Desse modo, o Estado pode arrecadar mais, pois, na análise de Smith que é complementanda pelo autor do artigo, a especialização (terceirização) gera riqueza e prosperidade. Fugindo, portanto, do ideal keynesiano de que quanto maior o consumo de quem produz maior o progresso, negligenciando a possível artificialidade dessa troca.

Minha objeção consiste em afirmar que a regulamentação do modo que foi feita não é benéfica para o Estado, logo, como tudo no Brasil, querendo ou não, está ligado à esse ente, não torna se benéfica ao indivíduo.

Primeiro, pelo fato de que, as empresas que contratam outras empresas terceirizadas podem ter um elo empregatício direito com os empregados dessa última. Nessa perspectiva, caso uma terceirizada, receba os repasses do contratante, porém não esteja pagando os benéfícios/ salários dos seus empregados em dia, sob alegações diversas, iniciará se um processo judicial entre a empresa contratada e o contrante para solucionar esse caso, haja vista que é do interesse do terceirizado receber o que lhe é devido. Consequentemente, o tempo depreendido, os custos humanos e financeiros são extremamente onerosos para a empresa contratante, de modo que, sua produtividade e poder de concorrencia no mercado é reduzida. Ou seja, a continuidade do desrespeito aos contratos firmados e a morosidade da Justiça, práticas comuns no país, muitas vezes, anulam a ação estatal que visa gerar mais empregos e melhorar a produtividade das empresas. O que afeta principalmente os empreeendedores com um capital menor e que operam em mercados menos regulados. Logo, busca se intervir para corrigir um problema, sendo que o corolário dessa nova intervenção é exaurido por uma ação feita anteriormente

Outro ponto pouco abordado por vocês é que as terceirizações beneficiam também os empresários oriundos de reservas de mercado. Logo, uma ação estatal que, a posteriori privilegia os amigos dos políticos, não pode implicar nas consequências previstas a priori. Isso porque, a possibilidade contratação de terceirizados a partir de salários menores do que de fato seriam em um contexto natural/equilibrado torna se muito mais viável para os corporativistias, pelo simples fato de que seus acordos com agências e orgãos públicos influenciam também nas decisões judiciárias que envolvem a sua empresa e a empresa terceirizada. Desse modo, o megaempresário contrata a empresa terceirizada e estabelece um acordo onde há um repasse menor da grande empresa para a terceirizada e, na sequência, apenas uma parte muito pequena, não correspondente ao valor gerado, desse repasse para a empresa terceirizada é convertida em salários para os terceirizados, onde a empresa terceirizada acaba lucrando mais, ao ter menos gastos. Portanto, um terceirizado que trabalha para uma empresas monopolística (no sentido austríaco) possui maiores chances de ser ludibriado e não lhe resta muitas opções de mudança de nicho, haja vista que infelizmente inúmeros setores do mercado brasileiro sofrem regulação e intervenção constante do governo.

No mais, ótimo artigo.
Gustavo, os Dinamarqueses podem usufruir desse tipo de assistencialismo, justamente porque o mercado deles é produtivo.

O mercado deles é produtivo como consequência da LIBERDADE DO MESMO, como o próprio artigo aponta.

Lá não existe salario mínimo, o imposto sobre o consumo é baixo, assim como o imposto sob pessoa jurídica.
No máximo, o imposto de renda é alto, mas eles tem uma moeda forte e estável, um lugar livre pra se empreender e contratar alguém(não existe nem salário minimo lá!).

Defender o modelo Dinamarques na situação Brasileira demonstra toda a ignorância básica em economia, nosso mercado fechado produz pouco pra aguentar um estado desse tamanho. Ainda sim, o estado da Dinamarca é menor que o Brasileiro, nunca ouvi falar sobre lá ter quase 40 ministérios, nunca ouvi falar lá sobre a existência de Agencias Reguladoras em todos os setores do Mercado, nunca ouvi falar lá sobre a existência de centenas de estatais!

E mais, a crise Sueca dos anos 80 justamente explica isso, o Welfare explodindo nessa época acabou ''sufocando'' o mercado, deixando-os em uma crise enorme de déficits astronomicos.
Qual foi a solução?

Austeridade e Livre-Mercado, na década de 90 a suécia voltou a crescer fortemente, uma reforma radical de corte de gastos e liberdade de mercado, no fim das década de 80 e começo da 90, permitiu que a Suécia saísse da crise causada pelo Welfare.

Mas por fim, você acha justo tirar o dinheiro das pessoas a força pra sustentar tudo isso para os que não querem trabalhar?

Antes de qualquer boa consequência, analise a ética e a moral.
É como querer defender o homicídio, dizendo que isso amenizara a escassez na terra no futuro. Não interessa, homicídio de inocentes é errado, é irrelevante as boas ou ruins consequências que o crime pode trazer.

E mais, Noruega já esta retirando dinheiro do seu fundo, mais uma vez veremos mais uma crise em alguns escandinavos, o peso do estado não dura muito, por mais produtivo que um mercado seja. É economicamente impossível, a empiria da ciência economica prova isso!

O texto apenas demonstra que o sistema capitalista, ainda mais a forma liberal, é totalmente ineficiente.

Senão vejamos,

1: hoje já não é proibido nenhuma empresa ter seus laboratórios e certificados de qualidade internos ou externos, inclusive no Brasil existe a certificação "Certified Humane Brasil é o representante na América do Sul da Humane Farm Animal Care (HFAC), a principal organização internacional sem fins lucrativos de certificação voltada para a melhoria da vida das criações animais na produção de alimentos, do nascimento até o abate"; (não necessita liberalismo para isso), inclusive a Korin agropecuária é certificada por essa empresa, entre tantas outras.

2: Não é proibido nenhuma instituição avaliar a qualidade dos produtos e denunciar caso seja de péssima abaixo do esperado; (não necessita liberalismo para isso também)

3: No liberalismo estas mesmas instituições que avaliariam a qualidade ou emitiriam certificados poderiam ser construídas justamente para os objetivos do bloco gigante de algum ramo, como por exemplo carne, tendo esse poder eles também teriam o poder de patrocinar jornais e revistas para desmentir qualquer empresa de certificados privados concorrente e pronto, num mundo globalizado quem não aparece não é visto. O lucro dos grandes blocos estaria garantido... num capitalismo sem regulação estatal quem iria impedir isso? Da mesma forma que a "Certificadora" do grande grupo poderia difamar as carnes de um grupo concorrente.

claro, se não existissem grupos, talvez até funcionaria, porém pq não criar grupos para ter maior vulto de recursos para maior propaganda e maior lucro? Justamente. Apenas prova objetivo maior - lucro - é o motor para irregularidades, seja de agente público ou privado.

aguardando respostas...

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Carlos Alexandre  13/11/2009 15:46
    Este artigo bateu numa tecla interessante. Prá mim, Bush era quase um "RINO" [''Republican In Name Only''-''Republicano só no nome'']...
  • Leandro  13/11/2009 16:36
    Carlos, eu já vejo Bush como um republicano típico: gosta de falar em livre mercado, mas faz tudo exatamente ao contrário, praticando déficits avassaladores e gastando como um marinheiro bêbado no bordel. Vale lembrar que o último republicano a apresentar um orçamento equilibrado durante pelo menos um ano foi Dwight Eisenhower, na longínqua década de 1950, ao passo que os democratas Carter e Clinton praticaram, respectivamente, um e três anos de superávits orçamentários.
  • Ricardo Inácio Grossi  13/11/2009 19:30
    Aí esculachou!
  • Rhyan Fortuna  15/11/2009 10:18
    E o Reagan?
  • Leandro  15/11/2009 16:02
    Reagan foi o republicano que levou ao paroxismo essa moda de estourar orçamento. Como era adepto da "Supply-Side Economics", ele achava que o que importava eram os baixos impostos, e não os déficits orçamentários.

    Entretanto, era muito melhor do que Obama, pois reconhecia limitações na capacidade gerencial do governo - achava que este era bom apenas na construção de tecnologia militar.

    Sim, comparado ao cenário atual, dá saudades.

    Mas o presidente americano mais inócuo dos últimos anos sem dúvida foi o Clinton. No seu primeiro ano de governo, em 1993, ele tentou fazer uma reforma no sistema de saúde seguindo os mesmos moldes atuais. A reforma foi rejeitada amplamente por um Congresso de maoiria democrata.

    Após essa humilhação interna, e após o vexame na Somália, o sujeito recolheu-se em sua insignificância e preocupou-se apenas em se divertir com estagiárias e charutos - exatamente o que um presidente deve fazer em tempo integral.

    Sim, ele jogou umas bombas lá na Iugoslávia em 1999 para desviar a atenção de suas aventuras, mas o saldo geral ainda foi positivo quando comparado aos outros presidentes.
  • Fabio  04/08/2012 09:06
    hahahhahahahahahaha vc tmb não perde uma hein....
  • Cesar Ramos  18/11/2009 10:59
    Prezado Leandro Roque, \nMuito bem apanhado. Parabéns para nós, podermos contar com sua lucidez.
  • Andre Luis  11/09/2010 16:08
    Clinton foi o ultimo presidente americano que deixou superavit nas contas do governo federal de seu pais.Os republicanos americanos gostam de reduzir impostos sem antes reduzir gastos.Isso é o caminho do desastre
  • Isaias Barbosa  03/11/2010 20:53
    EUA injetarão US$ 600 bilhões na economia


    oglobo.globo.com/mundo/mat/2010/11/03/eua-injetarao-us-600-bilhoes-na-economia-922940788.asp

    Cadê o milagre keynesiano?

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Rindo muito da cara do Paul Krugman neste momento. Talvez ele afunde junto com a economia americana.
  • mcmoraes  03/11/2010 21:50
    Injetarão??? Essa merece uma citação de DiLorenzo:

    ...Assim, de acordo com a teoria neoclássica, a economia durante uma depressão é como se fosse um Frankenstein debilitado, com os economistas atuando no papel dos cientistas loucos que aplicam choques na besta até que ela se torne um ser vivo novamente. Eles fazem isso com várias "injeções" de gastos governamentais e crédito fácil que supostamente irão provocar uma estrondosa recuperação...
  • Helio  04/11/2010 00:36
    Isaías, o pior é que esses "keynetaristas" (ou seria "monesianos") acreditam que a situação não melhorou (pasme) porque o Fed não injetou o suficiente na economia e porque o governo não está gastando (e tendo déficits) no montante "necessário".

    Até onde vai essa insanidade? Eles estão quebrando o governo americano, e danificando a economia em uma escala não vista desde os anos 1970. Estou com pena dos americanos e europeus. Ao menos aqui no Brasil esse papo de "déficit" e "fabricar inflação comprando títulos do governo" são considerados piada de mau gosto, e ademais não dá voto. Tomara que continue assim.
  • mcmoraes  06/12/2010 18:15
    Parece q a insanidade não tem limite. Vem + injeções por aí: www.bloomberg.com/news/2010-12-06/bernanke-says-more-fed-easing-possible-with-jobless-rate-high.html
  • Heber  20/01/2011 19:35
    Eu acho que a nossa vantagem é que os nossos burocratas são menos competentes que os deles até mesmo pra tentar essas loucuras que eles fazem por lá.
  • André Poffo  03/11/2010 21:18
    Isaias Barbosa, essa notícia do jornal O Globo, dá até medo. :)


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.