Palavras em defesa da Liberdade

Milhares de anos atrás, a tecnologia limitava severamente a quantidade de palavras que a média dos indivíduos instruídos poderiam ler durante suas vidas. Manuscritos estavam disponíveis apenas para aqueles que eram privilegiados o bastante para ter acesso a edições copiadas manualmente (e demos graças a elas). E então vieram as impressoras. Mesmo assim, há apenas dois séculos, era possível ler quase tudo que era impresso em seu próprio idioma em um dado ano. Hoje, no entanto, vivemos em uma era de palavras: blogs, sites, ensaios, newsletters, e uma abundância de revistas, e mais de um bilhão de livros vendidos aos consumidores americanos, sendo que a biblioteca do Congresso Americano mantém um acervo de mais de 26 milhões de livros.

Apesar de haver uma espantosa proliferação de palavras atualmente, há uma escassez drástica de algo que é essencial à sobrevivência da civilização: a defesa da liberdade contra seus inimigos onipresentes e contra seu principal inimigo, o estado. Os princípios essenciais têm em si o poder de perpassar e desmascarar bilhões de outras palavras triviais e falaciosas. Apesar de não termos o número suficiente de soldados e de armas em nosso front, acreditamos no poder das idéias para fazer a diferença. É por isso que os libertários escrevem.

Uma reação comum a um bom artigo é dizer ao autor: você deveria escrever um livro! Ouvi isso durante anos, mas pelo que pude ver desses esforços, a maioria dos artigos deve permanecer artigos. Examinando toda a coleção de escritos na tradição austríaca, desde o século passado até os mais recentes publicados pelo Mises Institute, há livros mais do que suficientes disponíveis, contendo exposições sistemáticas sobre teoria e história, que precisam ser lidos e estudados. Não há nada que eu possa dizer sistematicamente em um livro que iria adicionar algo aos artigos que eu escrevo semanalmente. Artigos e livros constituem gêneros literários independentes, cada um tendo o seu passo e propósitos distintos.

O mesmo vale para discursos públicos não-acadêmicos. Eles não têm a intenção de fazer uma exposição sistemática de idéias, mas, sim, de fazer uma introdução das idéias e aplicá-las ao momento atual de tal maneira que prenda a atenção do público. A prosa tem um formato diferente do artigo ou do livro. Ela é mais imediata e mais retórica no sentido clássico do termo. Tive o prazer de fazer vários desses discursos nos últimos anos para estudantes, patrocinadores e defensores do Mises Institute, profissionais financeiros, e outros. Agora eu os coletei, com poucas mudanças, em um volume único: Speaking of Liberty ("Falando de Liberdade", Mises Institute, 2004).

Esse material permanecerá para sempre relevante por dois motivos. Primeiro, os princípios que ele defende são sempre os mesmos. Segundo, os eventos tendem a se repetir constantemente. Por exemplo, assisti recentemente a um vídeo sobre o Fed, produzido pelo Mises Institute em meados dos anos 1990. Ele descrevia o ambiente de recessão daquele momento. Vendo-o novamente em 2003, ele parecia ainda mais atual. (E agora em 2008, ele assume ares de profecia). É por esse motivo que chamamos esse fenômeno de ciclos econômicos.

Lendo toda a coleção de ensaios, encontramos temas comuns em todos eles: a corrupção dos políticos, a universalidade e a imutabilidade das idéias da liberdade, o papel central de uma moeda forte e da livre iniciativa, o imperativo moral da paz e do livre comércio, a importância da esperança e da tenacidade na luta pela liberdade, e a necessidade de que todos se juntem nessa briga intelectual. Esses são os temas que eu espero ter transmitido em meus discursos no passar dos anos.

Pessoalmente, encontro valor nesse gênero literário, as coletâneas. Espero que você também. Principalmente, espero que você apóie as idéias que me levaram a escrevê-las e propagá-las.

Nessa época de proliferação literária, aprendemos que devemos ser leitores discriminadores. Algumas palavras importam mais que outras. E se realmente nos preocupamos com o bem-estar de nossos filhos e netos, palavras em defesa da liberdade são as mais importantes de todas.

 

Trechos

Ao livre mercado devemos toda a nossa prosperidade material, todo o nosso tempo de lazer, nossa saúde e longevidade, nossa enorme e crescente população e praticamente tudo o que chamamos de vida em si. O capitalismo, e somente o capitalismo, salvou a humanidade da pobreza degradante, das enfermidades desenfreadas, e da morte prematura.

* * * * *

Na ausência da economia capitalista e de todas as suas instituições essenciais, a população mundial iria, com o passar do tempo, definhar até uma pequena fração do seu tamanho atual, sendo que o que sobrasse da raça humana seria sistematicamente reduzida à subsistência, comendo apenas o que pudesse ser caçado ou recolhido. A instituição que é em si a fonte da palavra civilização - a cidade - depende das trocas e do comércio, e não poderia existir sem isso.

* * * * *

Todos os inimigos do capitalismo agem como se sua eliminação não gerasse conseqüências maléficas para nossas vidas. Nas salas de aula, na televisão, nos filmes, somos continuamente apresentados a um quadro que mostra o quão perfeito e alegre o mundo seria se apenas pudéssemos nos livrar daqueles que ganham a vida através da criação, da especulação e da acumulação de riqueza. Por centenas de anos, de fato, a classe intelectual exigiu a expropriação e até mesmo o extermínio dos capitalistas expropriadores. Desde os tempos antigos, os comerciantes e suas atividades foram considerados ignóbeis. E, na verdade, a ausência deles nos reduziria ao barbarismo e à absoluta pobreza.

* * * * *

A economia de livre mercado tem um histórico ímpar de oferecer progresso econômico para todos, não importa qual a sua situação na vida. No entanto, ela não oferece igualdade de resultados e nem mesmo igualdade de oportunidade. O livre mercado não oferece uma sociedade sem classes, mas oferece algo de muito maior valor: a liberdade em si. A lição geral que podemos extrair é que economia é, na verdade, apenas uma palavra elegante para designar a qualidade de nossas vidas, e que a maior ameaça à qualidade de nossas vidas são os governos que tentam restringir nossa liberdade econômica.

* * * * *

Processos envolvendo direitos civis estão diariamente quebrando vários pequenos negócios. Muitos capitalistas em potencial decidem não abrir seus negócios por temor das políticas de igualdade definidas pelo governo. Pequenas empresas rotineiramente fazem tudo que esteja dentro da lei para evitar anúncios de contratações. Por quê? Porque o governo, em todos os seus níveis, agora envia examinadores disfarçados com o intuito de armar uma cilada para as empresas que cometerem o crime de simplesmente contratar a pessoa mais qualificada para o trabalho, independente da cor da pele e de outras deficiências. Tenho dó do pobre agente imobiliário e do dono dos imóveis alugados, que diariamente andam sobre esse campo minado que constitui os direitos civis. Se alguma dessas pessoas demonstrar mais lealdade ao consumidor do que ao governo, eles arriscam levar seus negócios à ruína financeira.

* * * * *

Nunca nos esqueçamos da grande verdade que nossos pais fundadores se empenharam tanto para nos conceder: a tirania destrói, enquanto a liberdade é a mãe de tudo que é bonito e verdadeiro no nosso mundo. Eu não peço desculpas por ser um defensor da prosperidade e de sua fonte, a economia de livre mercado. É ela que dá à luz a civilização em si. Está na moda rejeitar inquietações a respeito da economia sob o pretexto de que se trata de coisas rasas e desinteressantes, um interesse meramente burguês.  Se essa atitude vier a prevalecer, temos fortes motivos para nos preocupar com nosso futuro. Se, por outro lado, pudermos nos educar sobre o funcionamento das forças econômicas, e sobre como elas realmente são os alicerces da liberdade e da paz, não apenas sairemos da futura recessão preparados para entrar em um novo caminho de crescimento, mas, também, estaremos mais aptos a nos proteger de futuros ataques ao nosso direito de sermos livres.

* * * * *

Se a propriedade privada está garantida, podemos contar com todos os outros aspectos da sociedade para sermos livres e prósperos. A sociedade não pode se administrar a si própria a menos que seus membros realmente controlem suas propriedades; ou, inversamente, se a propriedade está nas mãos do estado, ele vai administrar a sociedade gerando os resultados catastróficos que já conhecemos tão bem.

* * * * *

Os benefícios monetários de um padrão-ouro são muito claros, e eles incluem uma vida sem inflação, o fim dos ciclos econômicos, o cálculo econômico racional para a contabilidade e para o comércio internacional, o estímulo à poupança, e a destituição da elite financeira que tem conexões com o governo. Mas são também considerações políticas que levam as pessoas a apoiar o padrão-ouro. O ouro limita o poder do estado e restitui o poder às mãos do povo.

* * * * *

Desde que vivemos neste mundo, há certas relações fixas de causa e efeito que não podem ser repelidas. Dentre elas está o fato de que uma economia aditivada por crédito artificial irá eventualmente entrar em recessão. Quando isso vai ocorrer e quais serão os efeitos são questões em aberto. Mas que a recessão ocorrerá é um fato que não pode ser contestado.

* * * * *

Dificilmente alguém quer falar sobre os efeitos irreconciliáveis das escolas públicas: o que elas fizeram e continuam fazendo com o caráter dos alunos. Abarrotar milhares de crianças em um ambiente semelhante a uma penitenciária solapa seu vigor intelectual e inevitavelmente dá ao mais forte o comando, como resultado da omissão - exatamente como ocorre em uma penitenciária. Mas um sinal encorajador é o aumento das alternativas, seja através de mais escolas privadas ou através do homeschooling, que, por sua vez, está sendo cada vez mais usado pelas pessoas mais espertas. Não causa nenhuma estranheza que membros da elite do poder estejam defendendo a idéia de vouchers governamentais. A intenção é fazer com que essas ilhas de genuíno aprendizado fiquem permanentemente vinculadas ao estado, impedindo que este perca o controle total da situação.

* * * * *

As mais absurdas pesquisas de opinião pública são aquelas sobre impostos. Se tem algo que sabemos sobre impostos, é que as pessoas não querem pagá-los. Se elas quisessem pagá-los, não haveria necessidade de impostos. As pessoas alegremente descobririam quanto do seu dinheiro o governo necessitaria e, em seguida, elas simplesmente mandariam essa fatia. Mas, ainda assim, constantemente ouvimos pesquisas de opinião que revelam que o povo está satisfeito com o nível atual de impostos, e que poderia até gostar que ele fosse maior. Extrapolando, o próximo passo será nos dizer que o público acha que a criminalidade está muito baixa, ou que ele realmente gostaria que houvesse mais acidentes rodoviários.

* * * * *

Temos que rejeitar os princípios que governam a medicina socializada. Dentre esses temos as idéias de igualdade e de serviços ilimitados mandados pelo estado, bem como a concepção de que é responsabilidade das empresas, e não do indivíduo, pagar os custos dos planos de saúde. Acima de tudo, precisamos superar essa idéia de que cuidados médicos são um direito. Não são. Trata-se de um serviço como qualquer outro.

* * * * *

SOL-cover.gifA ênfase duradoura da velha tradição liberal a respeito de guerras é essa: mesmo o vencedor perde. Em uma guerra, perdem-se recursos. Perde-se o dinheiro dos impostos. Perdem-se relacionamentos comerciais e a boa vontade em todo o mundo. Acima de tudo, perde-se a liberdade. E eis aí o maior custo da guerra para nós, pois não há como manter um livre mercado - que é a base da prosperidade - ao mesmo tempo em que se tenta criar um planejamento central militar em escala global. Um governo inchado lá fora é incompatível com um governo pequeno em casa. Se aplaudimos a guerra, estamos aplaudindo o socialismo doméstico e a nossa própria destruição como civilização.

* * * * *

Como cidadãos desse país, como parte do nosso dever civil, se não como a soma total do nosso dever civil, temos que fazer nosso melhor para denunciar e restringir nossos tiranos. Não podemos parar a carnificina em Ruanda ou o conflito étnico na Turquia, mas nossas vozes podem fazer diferença naquilo em que o nosso próprio governo pretende se safar. Quando um regime que governa em nosso nome se envolve em alguma forma de assassinato em massa, a questão primordial que nos será feita é: você se pronunciou contra isso? Você fez tudo o que podia para parar isso? Ou você ficou em silêncio?

* * * * *

Mises compreendeu que, não importa o quão desanimadoras sejam as presentes circunstâncias, o futuro pode ser bem diferente. Mesmo com o mundo em total colapso ao seu redor, ele acreditou que a liberdade poderia triunfar, contanto que as idéias certas emergissem na vanguarda da batalha intelectual. Ele estava convencido de que a liberdade tinha uma chance de vitória, e - essa é a parte crucial - que ele tinha uma certa responsabilidade pessoal em fazer essa vitória acontecer.

* * * * *

Ao contrário de Mises, não nos confrontamos com obstáculos que parecem desanimadoramente altos. Devemos à sua memória nosso comprometimento em nos atirarmos por completo nas batalhas intelectuais para fazer da liberdade não só uma esperança, mas uma realidade em nossa era. Adotemos como nosso lema as palavras que Mises sempre utilizou em toda a sua vida. "Não se entregue ao mal, mas proceda ainda mais audaciosamente contra ele."

* * * * *

Qualquer um que trabalhe no ou para o Mises Institute pode confirmar que nossa meta nunca foi somente o crescimento próprio, nem somente a atenção geral, nem somente fazer relações públicas, nem somente promover conferências grandiosas. Nunca intencionamos criar uma grande instituição que fosse um fim em si mesma. A meta, a paixão que move o Mises Institute, tem sido a de criar as condições para que a verdade seja dita, para disponibilizar um arranjo onde a liberdade é valorizada e praticada. À medida que olhamos para frente, graças ao Mises Institute e àqueles que o apoiaram, não precisamos nos desesperar, mas, sim, considerar um futuro em que a liberdade e o aprendizado triunfam contra todas as probabilidades. Sua fé é a evidência da liberdade ainda inobservada, mas, Deus tal o permita, nossas crianças, nossos netos, e cada geração posterior, irão vivenciá-la e respirá-la. Que eles nunca a considerem como garantida.


 

0 votos

SOBRE O AUTOR

Lew Rockwell
é o chairman e CEO do Ludwig von Mises Institute, em Auburn, Alabama, editor do website LewRockwell.com, e autor dos livros Speaking of Liberty e The Left, the Right, and the State.




As causas da Grande Depressão? Intervencionismo na veia.

Herbert Hoover
aumentou os gastos do governo federal em 43% em um único ano: o orçamento do governo, que havia sido de US$ 3 bilhões em 1930, saltou para US$ 4,3 bilhões em 1931. Já em junho de 1932, Hoover aumentou todas as alíquotas do imposto de renda, com a maior alíquota saltando de 25% para 63% (e Roosevelt, posteriormente, a elevaria para 82%).

A Grande Depressão, na verdade, não precisaria durar mais de um ano caso o governo americano permitisse ampla liberdade de preços e salários (exatamente como havia feito na depressão de 1921, que foi ainda mais intensa, mas que durou menos de um ano justamente porque o governo permitiu que o mercado se ajustasse).

Porém, o governo fez exatamente o contrário: além de aumentar impostos e gastos, ele também implantou políticas de controle de preços, controle de salários, aumento de tarifas de importação (que chegou ao maior nível da história), aumento do déficit e estimulou uma arregimentação sindical de modo a impedir que as empresas baixassem seus preços.

Com todo esse cenário de incertezas criadas pelo governo, não havia nenhum clima para investimentos. E o fato é que um simples crash da bolsa de valores -- algo que chegou a ocorrer com uma intensidade ainda maior em 1987 -- foi amplificado pelas políticas intervencionistas e totalitárias do governo, gerando uma depressão que durou 15 anos e que só foi resolvida quando o governo encolheu, exatamente o contrário do que Keynes manda.

As políticas keynesianas simplesmente amplificaram a recessão, transformando uma queda de bolsa em uma prolongada Depressão.



Crise financeira de 2008? Keynesianismo na veia. Todos os detalhes neste artigo específico:

Como ocorreu a crise financeira de 2008


Seu amigo é apenas um típico keynesiano: repete os mesmos chavões que eu ouvia da minha professora da oitava série.


Sobre o governo estimular a economia, tenho apenas duas palavras: governo Dilma.

O legado humanitário de Dilma - seu governo foi um destruidor de mitos que atormentam a humanidade
Prezados,
Boa noite.
Por gentileza, ajudem-me a argumentar com um amigo estatista. Desejos novos pontos de vista, pois estou cansado de ser repetitivo com ele. Por favor, sejam educados para que eu possa enviar os comentários. Sem que às vezes é difícil. Desde já agradeço. Segue o comentário:
------------------------------------
" Quanto ao texto, o importante é perceber que sem as medidas formuladas por keynes a alternativa seria o mercado livre, o capitalismo sem a intervenção estatal. Nesse caso, o que os defensores desse modelo não mencionam é que o capitalismo dessa forma tende à concentração esmagadora de capital, o que se levado às ultimas consequências irá destruir a própria sociedade. "O capitalismo tem o germe da própria destruição ", já disse Marx. Os capitalistas do livre mercado focam no discurso que eles geram a riqueza, mas a riqueza é sempre gerada socialmente. Como ja falei uma vez, um grande empresário não coloca sozinho suas empresas para funcionar, precisa de outras pessoas, que também, portanto, geram riqueza. Para evitar que a concentração da riqueza gerada fique nas mãos apenas dos proprietários, o Estado deve existir assegurando direitos que tentem minimizar essa distorção e distribua as riquezas socialmente geradas para todos. Isso não é comunismo, apenas capitalismo regulado, que tenha vies social. Estado Social de Direito que surgiu na segunda metade do século passado como resultado do fracasso do Estado Liberal em gerar bem estar para todos. Para que o Estado consiga isso tem que tributar. O Estado não gera riqueza, concordo. Mas o capitalismo liberal, por outro lado, gera a distorção de concentrar a riqueza gerada socialmente nas mãos de poucos. Essa concentração do capitalismo liberal gera as crises (a recessão é uma delas). O capitalismo ao longo do século 20 produziu muitas crises, a grande depressão da decada de 30 foi a principal delas. A ultima grande foi a de 2007/2008. O Estado, portanto, intervém para corrigir a distorção, injetando dinheiro. Esse dinheiro, obviamente, ele nao produziu, retirou dos tributos e do seu endividamento sim. Quando a economia melhorar o Estado pode ser mais austero com suas contas para a divida nao decolar em excesso e poder se endividir novamente numa nova crise, injetando dinheiro na economia pra superar a recessao e assim o ciclo segue. A divida do estado é hoje um instrumento de gestão da macroeconomia. Um instrumento sem o qual nao se conseque corrigir as distorções geradas da economia liberal. Basta perceber que todos os países mais ricos hoje tem as maiores dividas. Respondendo a pergunta do texto: o dinheiro vem mesmo dos agentes econômicos que produzem a riqueza, da qual o Estado tira uma parcela pelos tributos, com toda a legitimidade. E utiliza tal riqueza para assegurar direitos sociais e reverter crises. E o faz tambem para salvar a propria economia, que entraria em colapso sem a injeção de dinheiro do Estado (que o Estado tributou). Veja o que os EUA fizeram na crise de 2008. Procure ler sobre o "relaxamento quantitativo", que foi a injeção de 80bilhoes de dolares mensalmente pelo governo americano para salvar a economia mundial do colapso, numa crise gerada pelo mercado sem regulação financeira.

Veja esse texto do FMI, onde o proprio FMI reconhece que medidas d austeridade nao geram desenvolvimento e, portanto, reconhece a necessidade do gasto publico. (
www.imf.org/external/pubs/ft/fandd/2016/06/ostry.htm )

Esse artigo do Paul krugman sobre a austeridade, defendendo também o gasto publico:
https://www.theguardian.com/business/ng-interactive/2015/apr/29/the-austerity-delusion .
"
---------------------------------------------


E aí pessoal, já viram isso? (off-topic, mas ainda assim interessante):


Ancine lança edital de R$ 10 milhões para games


Agora vai... por quê os "jênios" do Bananão não tiveram esta ideia antes? E o BNDES vai participar também! Era tudo o que faltava para o braziul se tornar uma "potênfia" mundial no desenvolvimento de games.

Em breve estaremos competindo par-a-par com os grandes players deste mercado. Aliás, seremos muito MAIORES do que eles próprios ousaram imaginar para si mesmos. Que "horgulio" enorme de ser brazilêro...
"Se um empreendedor construir uma ponte... Ele também consome itens escassos... A única diferença, é a eficiência com que ele gasta esse recurso."

1) Se a obra é estatal -- isto é, se ela é feita de acordo com critérios políticos --, então não há como saber que ela está sendo genuinamente demandada pelos consumidores. Não há como saber se ela realmente é sensata ou não, se ela é racional ou não. (Vide os estádios da Copa na região Norte do país). O que vai predominar serão os interesses dos políticos e de seus amigos empreiteiros, ambos utilizando dinheiro de impostos. Não haverá nenhuma preocupação com os custos.

2) Se a obra é estatal, haverá superfaturamento. (Creio que, para quem vive no Brasil das últimas décadas, isso não necessariamente é uma conclusão espantosa). Havendo superfaturamento, os preços desses insumos serão artificialmente inflacionados, prejudicando todos os outros consumidores. Os preços, portanto, subirão muito mais ao redor do país.

3) Por outro lado, se é o setor privado -- e não o estado -- quem voluntariamente está fazendo a obra, então é porque ele notou que há uma demanda pelo projeto. Ele notou que há expectativa de retorno. (Se não houvesse, não haveria obras). Consequentemente, os preços dos insumos serão negociados aos menores valores possíveis. Caso contrário -- ou seja, caso houvesse superfaturamento --, a obra se tornaria deficitária, e seria muito mais difícil a empresa auferir algum lucro.

Isso, e apenas isso, já mostra por que os efeitos sobre os preços dos insumos são muito piores quando a obra é estatal. Tudo é bancado pelos impostos; não há necessidade de retorno financeiro para quem faz a obra (o governo e suas empreiteiras aliadas); não há accountability; os retornos são garantidos pelos impostos do populacho.

Já em uma obra feita voluntariamente pela iniciativa privada, nada é bancado pelos impostos; a necessidade de retorno financeira pressiona para baixo os custos; há accountability; os impostos da população não são usados para nada.

Qual desses dois arranjos você acha que pressiona para cima os preços dos insumos, prejudicando todos os outros empreendedores do país?

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  22/06/2013 18:01
    O fim do "estado" é a meta diária de todo libertário.
  • daniel  15/09/2014 20:14
    Que assim seja.
  • Emerson Luis, um Psicologo  23/08/2013 18:02
    Grandes palavras, atuais como sempre.

    * * *
  • RichardD  14/09/2015 05:56
    Grande compilação.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.