clube   |   doar   |   idiomas
Quanto mais a livre iniciativa retira pessoas da pobreza, mais ela é desprezada
Empreender, ao contrário do que dizem os intelectuais, é uma das mais nobres e caritativas vocações

Ao longo de quase toda a história da humanidade, as condições humanas foram de penúria e pobreza abjetas. Sim, havia reis, príncipes e ordens religiosas que viviam melhor que todo o resto da massa humana. Porém, olhando em retrospecto o padrão de vida deles, mesmo o mais privilegiado e poderoso líder político ou chefe tribal viveu sob condições materiais que a maioria de nós, hoje, consideraria horripilantes, algo meramente acima da subsistência.

Por milhares de anos, essas foram as circunstâncias da raça humana. A pobreza dantesca era a norma; era a condição natural e permanente de cada ser humano.  

E então, começando a partir de menos de trezentos anos atrás, as condições humanas começaram a mudar — primeiro, lentamente e de maneira desigual, em pontos localizados da Europa; depois, na América do Norte. Desde então, essas melhorias foram se espalhando por todo o globo.

Historiadores econômicos já estimaram a intensidade em que a pobreza foi abolida ao redor do mundo. Há apenas 200 anos, em 1820, aproximadamente 95% da população mundial vivia na pobreza, com uma estimativa de que 85% vivia na pobreza "abjeta". Em 2015, o Banco Mundial calculou que menos de 10% da humanidade continua a viver em tais circunstâncias.

Agora, 10% de 7,4 bilhões de pessoas que vivem neste planeta ainda equivalem a 740 milhões de homens, mulheres e crianças. É um número alto? Extremamente. Mas se levarmos em conta que, em 1820, toda a população humana totalizava um bilhão de pessoas, e que a vasta maioria vivia na pobreza absoluta, então aproximadamente 6,4 bilhões de pessoas foram acrescentadas à população global. Destas, "apenas" 740 milhões (três quartos de um bilhão) ainda têm de ser retiradas da pobreza, dentro de um total de 7,4 bilhões de pessoas.

O surgimento do capitalismo — e a revolução industrial gerada por este — foi o responsável por essa estrondosa melhoria na qualidade de vida das pessoas.

A feição característica do capitalismo que o distinguiu dos métodos pré-capitalistas de produção era o seu novo princípio de distribuição e comercialização de mercadorias.  Surgiram as fábricas e começou-se a produzir bens baratos para a multidão.  Todas as fábricas primitivas foram concebidas para servir às massas, a mesma camada social que trabalhava nas fábricas. 

Elas serviam às massas tanto de forma direta quanto indireta: de forma direta quando lhes supriam produtos diretamente, e de forma indireta quando exportavam seus produtos, o que possibilitava que bens e matérias-primas estrangeiros pudessem ser importados.  Este princípio de distribuição e comercialização de mercadorias foi a característica inconfundível do capitalismo primitivo, assim como é do capitalismo moderno.

O capitalismo, em conjunto com a criatividade tecnológica, foi o que livrou o Ocidente do fantasma da armadilha malthusiana.  Antes da Revolução Industrial, as populações crescentes pressionavam inexoravelmente os meios de subsistência.  Porém, quando as fábricas de Manchester, na Inglaterra, começaram a atrair um volume maciço de pobres que estavam ociosos no meio rural, e quando elas passaram a importar trigo barato, Malthus se tornou um profeta desacreditado em sua própria Grã-Bretanha.

Como acabou ocorrendo, toda a criatividade e inventividade que o capitalismo desencadeou se refletiu nas estatísticas de natalidade: pessoas de classe média que não mais necessitavam gerar famílias grandes para ter filhos que trabalhasse e ajudassem no sustento começaram a limitar a quantidade de filhos.

Essa combinação entre famílias menores e uma aplicação mais engenhosa da ciência à agricultura acabou com o problema da inanição no Ocidente.  A partir daí, a pobreza deixou de ser predominante e passou a ficar restrita a um número cada vez menor de pessoas.

Não obstante esse estrondoso feito na redução da pobreza e no aumento da liberdade e da dignidade de bilhões de pessoas ao redor do mundo, o clima político e cultural ao redor do mundo ainda é virulentamente anti-capitalista e anti-livre iniciativa.  No entanto, foi exatamente onde as forças do capitalismo e da livre-iniciativa estiveram mais livres para operar, em conjunto com a aceitação e até mesmo respeito aos empreendedores, que os mais dramáticos avanços foram feitos em termos de abolir as piores e mais esquálidas condições materiais da humanidade.

A condenação moral dos empreendedores

A produção em massa se torna lucrativa quando o empreendedor demonstra saber como satisfazer as necessidades e desejos da população. No passado, a massa humana se mantinha presa às terras nas quais eram obrigadas a servir a seus mestres e senhores feudais, os quais, por meio da conquista e da espoliação, viviam como senhores de engenho. Hoje, sob o capitalismo e o livre mercado, aqueles que assumem o papel de empreendedores não possuem outra fonte de ganhos senão a sua competência em atender e satisfazer os desejos e necessidades do público, que voluntariamente opta por consumir seus bens e serviços. E este público somos todos nós.

Seria de se imaginar que um sistema econômico que gera um arranjo no qual os mais criativos, industriosos e inovadores membros da sociedade possuem incentivos para direcionar seus talentos e habilidades para a melhoria das condições de vida de terceiros — em vez de utilizar suas qualidades superiores para pilhar o que seus vizinhos produziram — seria aclamado e aplaudido como o maior dos arranjos institucionais já criados pelo homem.

Seria de se imaginar que um arranjo que é capaz de domar as pessoas mais egoístas, ambiciosas e talentosas da sociedade, fazendo com que seja do interesse financeiro delas se preocuparem dia e noite com novas maneiras de agradar terceiros, seria louvado por todos como uma brilhante criação.

No entanto, quanto mais os criativos e industriosos prosperam neste arranjo produtivo e pacífico, mais eles são condenados e acusados de cometer algum tipo de "crime contra a humanidade" por causa dos lucros que auferem ao melhorar as circunstâncias das pessoas ao seu redor.

Neste arranjo, aqueles que buscam a liderança nos negócios, aqueles que demonstram excelência empreendedorial em criar, dirigir e comercializar produtos melhores, produtos novos e produtos mais baratos se tornam alvos de condenação, escárnio e até mesmo ódio daquelas mesmas pessoas cujo padrão de vida foi melhorado substancialmente em decorrência destas criações empreendedoriais.

Os intelectuais, os acadêmicos, os jornalistas e os auto-proclamados "críticos" da atual condição humana estão sempre apontando dedos para os empreendedores como se estes fossem a fonte e a causa de todas as misérias, frustrações, decepções e insatisfações da humanidade.

As elites sociais e intelectuais sonham com "um mundo melhor", mas acreditam que este mundo melhor só virá se elas estiveram no comando de todos os arranjos sociais da humanidade. "O grande mal do mundo é que eu não estou mandando", pensam elas.

Para essas pessoas, empreendedores representam um obstáculo à utópica "revolução social" que tanto almejam, pois as instituições da propriedade privada e da acumulação de riqueza são um empecilho para aqueles que sonham ter livre acesso às posses e à riqueza de terceiros, e utilizá-la de modo a implantar sua própria "utopia".

Empresários e empreendedores honoráveis

A baixa estima que empresas usufruem perante várias pessoas ao redor do mundo é preocupante. Afirmo isso porque empreendedores que operam no livre mercado estão em uma dimensão completamente diferente da daqueles que ganham a vida por meio da política, isto é, por meio dos impostos confiscados da população.

Com efeito, digo que não há maneira mais honrada e moral de ganhar a vida do que sendo um empreendedor na arena concorrencial e competitiva do livre mercado, ganhando seu dinheiro exclusivamente por meio da satisfação das pessoas, e não por meio de privilégios, subsídios e proteções concedidas pelo governo — com o dinheiro confiscado de terceiros — a seus favoritos.

Utilizando uma frase bíblica, muitos são os chamamentos, mas poucos são os escolhidos para assumir o papel de empreendedor. Eleitores não vão às urnas para alçar o empreendedor à sua posição de líder de uma empresa. Ele ganha sua posição não por meio de promessas aos eleitores, mas sim por meio dos serviços efetivamente entregues aos seus consumidores.

Em uma economia de mercado, aqueles que imaginam, projetam, criam, implantam e dirigem empreendimentos não precisam, inicialmente, da aceitação, da aprovação ou do consentimento de um grande número de coalizões de indivíduos ou de grupos, como têm de fazer os políticos em um processo eleitoral.

O empreendedor que opera no livre mercado é, inicialmente, auto-escolhido e auto-nomeado. Com efeito, suas idéias — que o levam a criar, organizar e implementar suas atividades, levando assim à produção de bens e serviços — podem não ser nem sequer entendidas e acreditadas pela grande maioria das pessoas. Antes de seu produto estar finalizado e ser oferecido aos consumidores, que podem livremente rejeitá-lo, o empreendedor não tem a mínima ideia sobre se será bem sucedido ou um fracasso retumbante.

Aceitar a tarefa de liderança empresarial, portanto, requer visão, arrojo, confiança, determinação e disciplina. Acima de tudo, requer apoio financeiro: ou de sua própria poupança, ou daqueles que ele consegue persuadir a lhe emprestar os fundos necessários, ou de eventuais sócios que ele consiga convencer a se arriscar junto a ele para levar suas idéias ao mercado.

O empreendedor é, portanto, alguém que está disposto a correr riscos em busca de lucros. E que pode acabar perdendo tudo.

Em contraste, políticos e funcionários públicos, tão logo escolhidos, têm renda e até mesmo aposentadoria garantidas.

As qualidades dos empreendedores que operam no livre mercado

Ao contrário do processo político, o sucesso de um empreendedor não é mensurado pelas urnas, mas sim de acordo com o êxito do empreendedor em conquistar a preferência voluntária dos consumidores pelo seu produto. E o grau dessa preferência será mensurado pelo total de receitas em relação ao total de custos incorridos pelo empreendedor para levar seu produto ao mercado.

Será que esse empreendedor conseguirá antecipar a direção e a tendência das demandas futuras dos consumidores? Mais ainda: será que ele conseguirá fazer isso de maneira mais precisa que seus concorrentes no mercado? Será que ele está alerta às oportunidades de lucro que outros não conseguiram perceber? Será que ele saberá como introduzir novos e melhores produtos no mercado — ou então produtos bons e mais baratos — para assim conseguir os "votos" dos consumidores por meio do dinheiro que estes gastam?

Acima de tudo: será que ele conseguirá fazer com que os consumidores voluntariamente gastem seu dinheiro em seus produtos e não nos produtos de outros concorrentes?

Não importa se um empreendedor vende geladeiras, pentes ou computadores: sua concorrência serão todos os outros empreendedores que estejam vendendo qualquer outro bem ou serviço no mercado. Para um empreendedor conseguir o dinheiro dos consumidores, estes terão necessariamente de abrir mão de algum gasto em alguma outra área.

Por isso, pode-se dizer que o mercado é uma democracia na qual cada centavo permite o direito de votar. Por meio de seus votos, mensurados em unidades monetárias, os consumidores determinam qual empreendedor continuará no mercado e qual perderá sua posição.

Embora o empreendedor inicialmente se auto-nomeie e se auto-escolha para incorrer o risco de uma atividade até então desconhecida, sem o consentimento prévio e o apoio financeiro do público consumidor, são os consumidores quem, em última instância, determinarão se ele manterá ou não sua posição empreendedorial nesta divisão de trabalho criada pelo mercado.

A determinação e o impulso empreendedorial

O líder empreendedorial tem de ser distintivamente obcecado e passionalmente dedicado ao seu papel na divisão do trabalho. Outros em sua empresa podem se dar ao luxo de chegar ao trabalho às nove da manhã e sair às 6 da tarde. Ele, não. Ele tem de trabalhar 24/7, mesmo quando está longe do seu local de trabalho.

A cadeia de fornecimentos da empresa está operando eficientemente? Os executivos e gerentes estão supervisionando corretamente suas divisões? Estas estão funcionando adequadamente? O que seus concorrentes estão planejando fazer? O que sua própria empresa está planejando fazer em termos de campanha publicitária, melhoria de produtos, inovações tecnológicas, e adaptação às constantes alterações no padrão de demanda dos consumidores?

O fardo de manter em dia a folha de pagamento de seus empregados — pelos quais ele é responsável e cujo salário tem de chegar pontualmente mesmo que a empresa tenha vultosos prejuízos — em conjunto com as obrigações que ele assumiu de entregar os bens e produtos aos seus consumidores e clientes significam que, como líder de seu negócio, sua mente simplesmente não pode descansar e desligar quando a jornada de trabalho de seus empregados acaba.

Uma grande parte da ética da livre iniciativa, portanto, é refletida na integridade, na disciplina, e na qualidade do caráter daqueles que optam por esse papel na divisão do trabalho.

Conclusão

Todos aqueles que já tiveram um negócio próprio, e fizeram grandes sacrifícios para isso, sabem bem o drama do primeiro dia: será que o mundo quer aquilo que tenho a oferecer?  Seja um imigrante abrindo um simples salão de beleza ou Steve Jobs vendendo um computador da Apple, o sucesso está longe de ser garantido.  Com efeito, a única coisa realmente garantida é o fracasso, o qual inevitavelmente ocorrerá caso você não saiba agradar aos outros.

Essas corajosas almas, os empreendedores que são a alma do capitalismo e que nos fornecem infindáveis benefícios materiais, desde caixas eletrônicos a remédios que salvam vidas, deveriam ser venerados, e não malhados.

São essas pessoas, por meio deste trabalho, que elevam o padrão de vida das massas. Foram elas, por meio de seus bens criados e serviços oferecidos, que reduziram a penúria das pessoas ao longo dos séculos, levando conforto, bem-estar e maior expectativa de vida para todos.

Acima de tudo, são elas que sustentam uma economia, que fornecem um meio de vida para todas as pessoas e que, de quebra, ainda têm de bancar toda a máquina pública.

Elas são seres humanos como eu e você, que utilizam o melhor de suas habilidades para servirem aos seus semelhantes e, com isso, moldarem seu próprio destino.

E são essas pessoas que são desprezadas pelos seus próprios beneficiários — os quais levam uma vida cada vez mais pujante.

 

13 votos

autor

Richard Ebeling

leciona economia na Northwood University de Midland, Michigan, é um scholar adjunto do Mises Institute e trabalha no departamento de pesquisa do American Institute for Economic Research.


  • Rodrigo  28/10/2016 15:00
    Fantástico resumo da realidade.
  • Andre  28/10/2016 15:29
    Off, o que vocês acham desses caras?

    partidopirata.org/quem-somos/estrutura-nacional/documentos/as-18-leis-piratas/
  • Pobre Paulista  28/10/2016 16:15
    Esquerdistas defendendo a liberdade? Tem tudo pra dar certo.
  • Guilherme Ribeiro  28/10/2016 16:38
    Leiam a Revolta de Atlas, de Ayn Rand. Tudo isso foi previsto lá.
  • Americano  28/10/2016 16:43
    O livre mercado tinha tudo a ver com a democracia.

    A igualdade perante as leis garante que ninguém vai receber privilégios protecionistas.

    O problema é que as democracias acabaram. O tripé democrático era a igualdade perante as leis, a igualdade e direito ao voto, e os 3 poderes da república. Tudo isso foi extinto com os privilégios fornecidos pelo estado.

    O estado de bem estar social violou todos os limites da democracia e da igualdade de justiça.

    Vivemos em repúblicas de privilegiados, onde têm bolsas e protecionismos para todos. A igualdade perante as leis não existe mais.

    A guerra de classes marxista funcionou, porque as pessoas estão sempre atrás de beneces do estado.

    O fim da igualdade perante as leis encerrou o período democrático no mundo. Agora vivemos em sociais-democracias, onde o estado trata as pessoas como quer, sem igualdade de justiça e oferecendo privilégios.

    Agora tem bolsa para milionários, estudantes, agricultores, passageiros, travestis, pobres, negros, trabalhadores, sindicalistas, esportistas, artistas, etc.

    Essas expropriações sem regras e sem igualdade de justiça vai levar a derrocada de muitas sociais democracias.
  • Juliano Roberto  28/10/2016 16:54
    O socialistas são os maiores exemplos de egoísmo já conhecidos. Criticam o capitalismo "opressor", abordam efusivamente a luta classista descrita por Marx e se opõem a tudo o que se refere à inovação e criatividade.

    São egoístas, no entanto, na medida em que defendem a coerção estatal em benefício próprio. Esquecem-se de que a principal luta classista se dá entre Estado (esse sim, opressor) e cidadãos produtivos que sustentam todo o aparato burocrático por meio de seus impostos.

    Esquecem-se, outrossim, que a defesa da espoliação é a principal responsável pelo desemprego contra o qual lutam sindicatos e outros representantes do (nas palavras de Marx) proletário.
  • Malta  28/10/2016 21:47
  • Dam Herzog  30/10/2016 01:03
    "destroem a garra"
  • Rayane  28/10/2016 16:54
    Venho aprendendo que no mundo do empreendedorismo, quem não ajuda, não é ajudado... Quem não é honesto no produto/serviço que vende, tende à falência. E que flexibilidade é o ponto chave na hora de negociar com clientes.

    Enfim, acho que este é o ambiente onde as relações pessoais tendem a ser bem sinceras. O que é ótimo!

    Muito bom o artigo!
  • Bettina Rogovsky  28/10/2016 16:56
    Pra quem quiser acompanhar um empreendedor que leva consigo todo o significado da palavra, recomendo o canal do Gary Vaynerchuk. Ele filma absolutamente tudo que é ser empreendedor e suas dicas são valiosas, deram uma reviravolta no meu jeito de pensar.

    Imigrante soviético que ficou milionário, um clássico. O canal dele é uma mina de ouro pra quem segue esse estilo de vida.

    www.youtube.com/user/GaryVaynerchuk
  • Capital Imoral  28/10/2016 17:32
    auto-ajuda mimimi. Sai dessa vida moça, venha para o socialismo.
  • valmir  29/10/2016 10:22
    respondendo pela senhorita;
    ser escravo, não obrigado e
    deixa de ser TROLL!!!!
  • Tulio  28/10/2016 18:13
    Obrigado pela recomendação. Quando chegar em casa vou dar uma olhada
  • Matheus Penha  28/10/2016 16:58
    Um brinde a nós, empreendedores, que quando iniciamos nossos trabalhos somos chamados de "burros" ou "criadores de ilusões", quando fracassamos escutamos um "não avisei" e, quando temos sucesso, escutamos que somos "opressores";

    Um brinde a nós que, buscando atingir o status de "opressor" pela sociedade, deixamos de comprar coisas para nós, para nossa casa e para nossos entes queridos. Deixamos várias e várias horas do nosso momento de lazer para empreender e deixamos momentos de sono por livros, artigos e mais livros, para chegar no outro dia e ver que o governo criou uma lei e você começará tudo novamente.

    Um brinde a nós, que enfrentamos tudo isso, com frio na barriga e sensação de desmoronamento a todo momento, mas enfrentamos.

    Um brinde a nós, que, apesar dos pesares, geramos riqueza e valor para a sociedade.

    Muito bom o artigo!
  • Tulio  28/10/2016 17:10
    >>>>>>>>>Off-topic.<<<<<<<<

    Prezados administradores, gentileza corrigir/melhorar o mecanismo de buscas do site.

    Diversas vezes tentei procurar um artigo com o próprio nome do artigo ou palavras-chaves e o sistema diz que não obteve resultados.

    Obrigado

  • Corregedor  28/10/2016 17:49
    É verdade. Esse problema é bem recente. O webmaster já está ajoelhado no milho. Se não resolver o problema, será obrigado a ler -- pior, a entender -- A Teoria Geral.
  • Arilton  28/10/2016 21:33
    O estado cria leis para obrigar comportamentos, as empresas criam normas para valorizar ética.

    Hoje temos ISO 14000 que além de qualidade prevê normas ambientais; os consumidores destas empresas querem um produto ou serviço com mínimo impacto ambiental. A SA8000 é uma norma de respeito às legislações trabalhistas vigentes no país onde a empresa trabalha, compreende inclusive a fiscalização dos fornecedores desta.

    Tudo isso partiu de pessoas para pessoas, ninguém precisou criar leis e multas. O caráter destas normas é espontâneo; já as leis são impostas e sempre que possível, burladas. Vide a corrupção.
  • Henrique Zucatelli  28/10/2016 22:08
    Maravilhoso artigo, que ilustra aquilo que sempre repito incansavelmente a quem está começando a empreender: vida de empresário não é para qualquer um. Dinheiro, inteligência e criatividade são apenas partes que não garantem absolutamente nada, pelo menos aqui.

    Um empreendedor que quer pelo menos ter suas contas em dia em um país como esse, tem de ser no mínimo 300% mais produtivo que um profissional padrão. No mínimo eu disse. O ideal é 500 a 600% se quiser crescer. E não é exagero. Nadamos contra a maré.

    - Impostos altos
    - Juros escorchantes.
    - Fronteiras fechadas.
    - Leis trabalhistas cruéis.
    - Fiscalização e arrocho por parte das polícias e órgãos reguladores em geral.
    - Fora os acontecimentos de rotina, como greves bancárias, dos correios etc.

    Alheio a tudo isso, nosso supply chain é uma piada. Fornecedores que fecham do dia para noite, estradas horríveis, combustível caríssimo e restrições de circulação que aumentam ainda mais os custos.

    Por isso eu insisto: quer ser empresário nesse país? Desista de uma vida normal. Eu não tiro férias há 10 anos, trabalho 14 horas por dia de segunda a sexta e 8 horas no sábado. Aos domingos descanso mas projeto, penso muito e estudo.

    Desculpem pelo banho de água fria, mas não tem milagre. E quando enxergarem casos de enriquecimento rápido, olhem para o outro lado e confiem no pragmatismo chinês. Estouros são pontos fora da curva, onde 90% deles acabam em falências astronômicas. Conheço pessoalmente centenas de casos assim.
  • anônimo  29/10/2016 13:20
    Ser empreendedor ou empresário pequeno/médio no Brasil é um verdadeiro inferno. E pior que o mundo inteiro está indo pro mesmo caminho.
  • 4lex5andro  01/11/2016 00:46
    Empreender no Brasil é essa complicação aí e não é por acaso que o concurso virou principal alternativa para empregos na última década com todo o apoio do Estado.
  • Luis  29/10/2016 16:15
    Essa capa de telefone celular com o Che Guevara existe mesmo ou e' uma montagem ironica? Se existir, eu tenho que rir!
  • Gabriel  29/10/2016 18:44
    Pode até ser montagem, mas tenho certeza que se você procurar acaba achando.
  • Emerson Luis  01/11/2016 11:35

    Sim, se quiser encontrar encontra por R$26,00 no site "mercadolivre" (ironicamente...)

    Também tem de Karl Marx, de Lenin, com o símbolo do comunismo, do feminismo, etc.

    Mas não encontrei capas com Hitler ou com a suástica, o que é injusto.

    Hei! Seria uma boa ideia fazer capas de teor liberal e conservador!

    capa celular che guevara

    capa de celular símbolo comunista

    * * *
  • J.S.  29/10/2016 19:33
    Olá boas,

    Curtam esse personagem "Jovem Conservador de Direita" que destrói o livro escrito por esses 2 esquerdalhas deputados do Bloco de Esquerda, eu já ri demais, e apesar do que possa ser ou nao ser esse personagem, é sempre bem vindo um pouco de ar fresco nesse mundo cada vez mais vermelho da vergonha!



    Abraço
    J.S.
  • anônimo  06/11/2016 20:06
    As mentalidades da modernidade são assim mesmo: parasitas.
  • Dam Herzog  30/10/2016 01:02
    Se algum quiser e tiver tempo para ler este artigo achei interessante e foi envidado pelo vlogeiro Daniel Fraga: https://descentraliza.com.br/2016/10/26/a-maior-depressao-americana/
  • Comunista Cambojano  01/11/2016 01:26
    Quer dizer que o livre mercado retira as pessoas da pobreza? Expliquem isso então:

    brasil.elpais.com/brasil/2016/10/31/internacional/1477872430_055994.html?id_externo_rsoc=Fb_BR_CM

  • Pol-Pot  01/11/2016 11:17
    Embora irônico, há uma ótima lição aí: o cidadão quer viver com R$ 880 (literalmente, um salário mínimo brasileiro) em Nova York, simplesmente a cidade com um dos mercados imobiliários mais caros do mundo (graças às leis de zoneamento do governo e ao crédito fácil concedido pelo Fed).

    É claro que ele não encontrará moradia a preço acessível.

    Trabalhar no McDonald's é um trabalho que exige baixíssima qualificação (no futuro, será feito perfeitamente por robôs). Logo, o salário é baixo. Querer viver em NY com um salário mínimo brasileiro é pedir para ser sem-teto.

    Agora, vale ressaltar: morar em abrigos em que tudo é grátis, principalmente a alimentação, e as instalações são bastante confortáveis, é um grande negócio. Tanto é que o cara disse que está com todas as contas em dia, inclusive a do seu smartphone...
  • Emerson Luis  01/11/2016 11:10

    Socialistas acusam o capitalismo de causar a pobreza que ele próprio reduziu para poderem assumir o crédito por essa redução e com essa narrativa conquistar cada vez mais poder.

    Mas aposto que a grande maioria desses 740 milhões vive em países pouco ou nada capitalistas de verdade.

    Aliás, quando comparamos o ranking de liberdade econômica com o ranking de qualidade de vida, percebemos uma quase sobreposição, será que esses rankings não estão correlacionados?

    * * *
  • Paulo César  14/12/2016 01:16
    Concordo com o texto. O lugar onde mais devem ter socialistas no mundo deve ser os EUA. Que ironia.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.