clube   |   doar   |   idiomas
Quer matar as pessoas de fome em pleno ano de 2016? Adote o socialismo

Uma das maiores façanhas da mente humana foi ter encontrado uma solução para aquele que é o maior desafio da nossa vida aqui na terra: ter o suficiente para comer.

Comparado a isso, ter um teto sob o qual viver e roupas para cobrir o nosso corpo são coisas fáceis de serem obtidas: você encontra uma caverna, mata um animal, arranca sua pele e você já tem abrigo e roupa.

Por outro lado, encontrar comida sempre foi um problema diário para os seres humanos, e nunca foi resolvido definitivamente.  Mesmo no exemplo acima, o animal morto lhe garantirá um estoque para apenas um dia de comida.  Mas você precisa de muito mais do que apenas um grande estoque; você precisa criar um sistema que forneça um fluxo contínuo de alimentos.

Em 2016, pode-se dizer que finalmente já temos este sistema em funcionamento.  E ele é capaz de sustentar 7,4 bilhões de pessoas.  Ele é hoje tão robusto, que os países desenvolvidos estão enfrentando um problema oposto à fome: a obesidade, algo que, na história da evolução social, é um bom problema para se ter.

A criação desse sistema — o qual você pode vivenciar em qualquer mercearia ou quitanda do seu bairro — refutou todas as pavorosas expectativas de legiões de céticos catastrofistas do século XIX.  À época, o mundo vivenciava uma explosão demográfica.  A população crescia a um ritmo até então inimaginável.  Como essas pessoas seriam alimentadas?  A maioria dos intelectuais da época não conseguia imaginar como isso seria possível.

E, no entanto, foi possível.  Tão complexo, desenvolvido e produtivo se tornou o atual mercado global de alimentos, que a verdade é que é extremamente difícil quebrar esse sistema.  Criar uma inanição em massa em pleno ano de 2016 é algo que requer um esforço extraordinário.  É algo que requer a adoção de um abrangente sistema de coerção que ataque exatamente todas aquelas instituições que possibilitam a abundância de alimentos: a propriedade privada, a liberdade de empreender, o comércio internacional, a moeda, o sistema de preços livres, e a inovação comercial.

O socialismo ataca novamente

Infelizmente, esse sistema coercivo e destruidor existe.  Ele atende pelo nome de "socialismo".  Ele está sendo aplicado hoje em um país que outrora era rico, confortável e civilizado; um país que possui as maiores reservas de petróleo do mundo.

Sim, parece ficção.  Mas não é.  Em um país específico, ao longo de 16 anos de implacável destruição da propriedade privada, da moeda, do sistema de preços, da liberdade de empreendimento, e do comércio, tudo isso feito gradualmente em um sanguinolento passo a passo, o socialismo gerou inimagináveis cenas de sofrimento humano.

Esse país, obviamente, é a Venezuela.  Tudo começou sob o governo de Hugo Chávez e agora continua sob a regência de seu sucessor, Nicolás Maduro.  Por piores, corruptas e despóticas que fossem suas intenções, não é crível imaginar que ambos quisessem criar propositalmente o atual cenário de inanição que se vê no país.  Ao contrário, a dupla prometeu implantar todas aquelas promessas de sempre do socialismo: justiça, igualdade, liberdade, e o fim da exploração. 

No entanto, se você analisar o que está ocorrendo na Venezuela, verá a abolição de tudo aquilo que podemos chamar de 'civilização'.

Jamais conseguiria colocar em melhores palavras do que este recente artigo do The New York Times:

CUMANÁ, VENEZUELA - Com caminhões de entrega sujeitos a constantes ataques, os alimentos na Venezuela agora são transportados sob proteção de guardas armados. Soldados patrulham padarias. A polícia dispara balas de borracha em pessoas desesperadas que invadem armazéns, farmácias e açougues. Uma menina de 4 anos foi morta a tiros quando gangues lutavam por comida.

A fome está convulsionando a Venezuela.

Em Cumaná, berço de um dos heróis da independência, centenas de pessoas invadiram dias atrás um supermercado, gritando que queriam comida.  Elas quebraram uma grande porta metálica e invadiram a loja.  Roubaram água, farinha, cereais, sal, açúcar, batatas e tudo mais que encontravam, deixando para trás geladeiras quebradas e prateleiras reviradas.

E mostraram que, mesmo em um país com a maior reserva petrolífera do mundo, as pessoas podem se rebelar caso falte comida.

Só nas duas últimas semanas, mais de 50 saques, protestos e revoltas por alimentos eclodiram na Venezuela.  Inúmeros estabelecimentos foram saqueados ou destruídos. Ao menos cinco pessoas morreram. [...]

O país busca desesperadamente ter o que comer. O colapso econômico dos anos recentes deixou a Venezuela incapaz de produzir alimentos suficientes ou de importar o que precisa. Cidades estão sob vigilância militar em consequência do decreto de emergência do presidente Nicolás Maduro, o homem que Chávez escolheu para dar prosseguimento à sua revolução antes de morrer, três anos atrás.

"Se não houver comida, haverá mais rebeliões", disse Raibelis Henríquez, de 19 anos, após esperar todo o dia na fila do pão em Cumaná, onde pelo menos 22 estabelecimentos comerciais foram atacados em um único dia na semana passada.

Mas enquanto a convulsão e os tumultos se espalham pelo país alarmado, é a fome o que permanece sendo a constante fonte de inquietação.

Um assustador índice de 87% dos venezuelanos diz não ter dinheiro suficiente para comprar comida, segundo o mais recente levantamento da Universidade Simón Bolívar.

Em média, 72% do salário da população vem sendo gasto na alimentação, de acordo com o Centro de Documentação e Análise Social. Em abril, descobriu-se que uma família precisaria do equivalente a 16 salários mínimos para se alimentar adequadamente.

Pergunte a pessoas em Cumaná quando foi a última vez que fizeram uma refeição e muitos responderão que não foi naquele dia.  

Entre estes estão Leidy Cordova, de 37 anos, e seus cinco filhos — Abran, Deliannys, Eliannys, Milianny e Javier Luis —, com idade entre 1 e 11 anos. Na noite de quinta-feira, toda a família não comia desde o almoço do dia anterior, quando Leidy fez uma sopa de pele de frango e gordura que conseguiu comprar mais barato no açougue.

"Meus filhos me dizem que estão com fome", disse Leidy, ante o olhar das crianças. "E tudo que posso dizer é que sorriam e aguentem."

Outras famílias se veem na situação de ter de escolher quem vai poder comer. Lucila Fonseca, de 69 anos, sofre de câncer linfático; sua filha, Vanessa Furtado, tem um tumor no cérebro. Apesar de também estar doente, Vanessa, em muitos dias, abre mão da pouca comida que tem para que a mãe não fique sem as refeições.

"Eu era muito gorda, não sou mais", disse Vanessa. "Estamos morrendo aos poucos." A mãe acrescentou: "Estamos fazendo a dieta-Maduro: sem comida, sem nada". [...]

Campos de cana-de-açúcar por todo o país estão sem cultivo por causa da falta de fertilizantes. Sem uso, máquinas agrícolas enferrujam nas fábricas estatizadas. Produtos básicos como milho e arroz, antes exportados, agora têm de ser importados e chegam em quantidades que não suprem a demanda.

Em resposta, Maduro apertou o cerco à rede de abastecimento. Usando os decretos de emergência que assinou neste ano, o presidente pôs a maior parte da distribuição sob o controle de brigadas de cidadãos leais à esquerda, medida considerada pelos críticos como reminiscente do racionamento alimentar de Cuba.

"Isso significa, em outras palavras, que se você for meu amigo, meu simpatizante, você tem comida", disse Roberto Briceño-León, diretor do Observatório da Violência Venezuelano, grupo de direitos humanos.

É uma nova realidade para Gabriel Márquez, de 24 anos, que cresceu em anos prósperos, quando a Venezuela era rica e prateleiras vazias, algo inimaginável. Ele estava parado em frente a um supermercado destruído em Cunamá, com garrafas quebradas, caixas e prateleiras espalhadas pelo chão. Algumas pessoas, entre elas um policial, reviravam os destroços à procura de algo aproveitável.

"No carnaval, fazíamos guerra de ovos", disse Gabriel. "Hoje, um ovo é como ouro."

Na pequena cidade pesqueira de Boca de Uchire, centenas de pessoas se reuniram numa ponte protestando contra a falta de alimentos. Queriam falar com o prefeito. Como ele não apareceu, saquearam um bar de chineses, estourando a porta com picaretas. Por trás da ação estava embutida a raiva à potência global que nos últimos anos emprestou bilhões de dólares à Venezuela. "Os chineses não quiseram nos vender", disse um taxista que olhava a multidão saquear. "Então, queimaram seu negócio."

Nem sempre fica claro o que provoca as rebeliões. Será apenas a fome? Ou é uma raiva mais ampla surgida num país que está desmoronando?

Inés Rodríguez não tinha certeza. Ela lembra que gritou para a multidão que queria saquear seu restaurante na quarta-feira à noite e lhes ofereceu todo o frango e o arroz que havia lá em troca de eles não quebrarem os móveis e a caixa registradora. Eles recusaram a oferta e simplesmente a empurraram para o lado e depredearam tudo, disse Rodríguez.

"Hoje vivemos o encontro da fome com o crime", disse.

Enquanto ela falava, três caminhões com guardas armados passaram, todos adornados com fotos de Chávez e Maduro.

Os caminhões carregavam comida.

"Finalmente eles chegaram aqui", disse Rodríguez. "E veja o que foi preciso para isso. Foi necessária essa revolta para conseguirmos alguma coisa para comer."

Eis alguns depoimentos contidos na reportagem:

"Tenho que sair de casa às 5 da madrugada, sob risco de ser morto, para enfrentar filas o dia inteiro e só voltar com dois ou três itens de comida", relata Jhonny Mendez.  Mendez vive em Caracas com a mulher Leida Bolivar e os filhos Yoelver Barreto, Yorver Barreto, Yoalvier Barreto.

"Estamos comendo menos porque não encontramos comida nos mercados e, quando elas estão disponíveis, as filas são infernais e não conseguimos comprar. Atualmente, não fazemos três refeições. Com sorte, conseguimos comer duas vezes ao dia", diz Victoria Mata.

"Estamos há cerca de 15 dias comendo pão com queijo ou arepa — prato típico venezuelano — com queijo. Hoje, nos alimentamos pior do que antigamente porque não se acha comida e, quando há disponibilidade, não podemos pagar", reclama Lender Perez ao lado da mulher Isamar Ramirez e dos filhos Lismar e Lucia

"Estamos nos alimentando muito mal. Por exemplo, se temos farinha de milho, comemos arepas o dia todo. Mesmo quando temos dinheiro não encontramos comida para comprar. E quando encontramos, eles são caro demais", relata Rosa Elaisa Landaez ao lado de seus filhos Albert Perez, Yeiderlin Gomez e Abel Perez

"Antes, conseguíamos comprar comida para até 15 dias. Hoje, só cobrimos nossas necessidades diárias", diz Romulo Bonalde. Ele e a mulher Maria de Bonalde têm 9 itens alimentícios na despensa de casa

"Comer se transformou em algo de luxo na Venezuela. Antes, nosso dinheiro comprava roupas e outros itens. Hoje, vai tudo em comida", aponta Yaneidy Guzman ao lado das filhas Steffany Perez, Fabiana Perez e Esneidy Ramirez.

"Somos uma família grande e está cada vez mais difícil para conseguirmos comer", diz Ricardo Mendez.

A seguir, um vídeo que faz uma compilação das rotineiras cenas de violência e de saques a estabelecimentos comerciais e a caminhões que transportam comida.

E, após a morte de um ente, as famílias enfrentam outro tormento.  Segundo essa reportagem do The Washington Post:

"Meu irmão era um homem decente", disse com tristeza Julio Andrade, enquanto esperava no necrotério de Caracas a chegada do corpo do irmão mais velho. O cadáver de Rubén Dario, de 55 anos, fora encontrado dois dias antes numa rodovia perto da cidade. Havia sido sequestrado e morto. O sofrimento da família, porém, não acabava ali. "Além da dor desta situação terrível, temos de enfrentar o preço do funeral", queixou-se Andrade. 

Na Venezuela, a vida vale pouco, e morrer sai caro. Segundo o Observatório Venezuelano da Violência, houve quase 28 mil homicídios no país em 2015, dos quais 5.250 na capital. Caracas é a mais violenta das grandes cidades do mundo, segundo levantamento anual da ONG mexicana Conselho de Cidadãos para Segurança Pública e Justiça Criminal.

Num país em que a inflação galopou para 700% e a economia encolheu 10% em 2015, a população luta para pagar por comida, remédio e outras necessidades. Com a escassez de muitos produtos e uma moeda desvalorizada, tudo ficou mais caro. Enterros não são exceção. 

Para organizar um funeral e sepultamento decentes, uma família precisa de pelo menos 400 mil bolívares — cerca de US$ 400 no mercado paralelo, que determina o preço de quase tudo para a maioria dos venezuelanos. A quantia é astronômica para a Venezuela, onde o salário mínimo é de 15 mil bolívares — ou US$ 15. As funerárias também enfrentam dificuldades, pois as pessoas nunca conseguem pagar a conta.

Conclusão

Algumas pessoas com frequência me perguntam por que eu sou tão passional quando o assunto é liberdade de empreendimento e livre mercado.  Veja aí a resposta prática.  Em última instância, a defesa da liberdade e do livre mercado é uma defesa da qualidade de vida na terra.  Vamos prosperar ou vamos morrer de fome?  É disso que se trata a economia.  E não é um problema abstrato.

Qualquer país do planeta é capaz de criar a fome em massa.  Tudo o que é necessário fazer é seguir o caminho da Venezuela.  Ataque a propriedade privada, persiga os empreendedores e comerciante, destrua a moeda, extinga o sistema de preços, acabe com o comércio internacional, estatize empresas, mande para a cadeia os seus opositores, e desmantele aquele sistema de liberdade natural que alimenta o mundo.

Isso é o socialismo.  É o caminho garantido para o inferno na terra.

_______________________________________________________

Artigos indispensáveis para entender as medidas econômicas adotadas pelo governo venezuelano que geraram esse colapso:

A espiral decadente da Venezuela

Milhões, bilhões, trilhões: o desastre do socialismo venezuelano se intensifica

O socialismo venezuelano: pessoas comendo cachorros, saqueando supermercados e morrendo de inanição

O que a "justiça social" fez com a Venezuela

O que a Venezuela utilizava antes das velas? 

O colapso da Venezuela não irá acabar com o poder sedutor do socialismo - e há explicações para isso

Na Venezuela, a hiperinflação chega de Boeing 747

Quem defende políticas socialistas defende a inanição de seres humanos

O socialismo latino-americano: um grande negócio para os ricos e um pesadelo para os mais pobres


0 votos


  • Anderson d'Almeida  29/06/2016 15:03
    É por isto que o socialismo deveria ser criminalizado...
  • anônimo  29/06/2016 18:09
    Os atos sim,as ideias se combatem com ideias...
  • Mr Citan  29/06/2016 19:15
    Sinceridade, depois que eu vejo na internet jovens universitários bananenses, dançando e cantando comemorando o Governo de Nicolas Maduro na Venezuela, eu prefiro seguir os conselhos de Hans-Hermman Hoppe, e incentivo a todos o mesmo conselho.

    "Na~o pode haver tolera^ncia para com os democratas e os comunistas em uma ordem social liberta´ria. Eles tera~o de ser fisicamente separados e expulsos da sociedade."
  • Hueber  30/06/2016 03:15
    Essa é uma dúvida minha. Defender socialismo não é mesma coisa que ameaçar agredir as pessoas? Não violaria o PNA?
  • PNA  30/06/2016 14:23
    Idéias não existem no vazio. Quem tem idéias quer colocá-las em prática, não importa o quão ruim elas sejam. Se alguém está com a idéia de me escravizar, essa pessoa não precisa receber contra-argumentos, mas sim uma bala na cuca.
  • anônimo  30/06/2016 17:28
    Não...

    É por isso que eu disse atos devem ser descriminalizados, ideias nunca.

    Se o cara quer te escravizar , isso é uma ação...

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=620

  • PNA  30/06/2016 19:22
    Engraçado esse seu raciocínio. Se o Kid Bengala lhe disser que vai fazer a festa no seu bumbum guloso, você não irá apresentar argumentos para demovê-lo de seu intento. A menos que essa seja uma fantasia sexual sua, você irá reagir veementemente. Então por que razão não fazer o mesmo quando está te dizendo que vai fazer muito pior?
  • saoPaulo  01/07/2016 12:07
    Aff, como se democracia fosse tão melhor assim. Se for assim, temos que proibir a ideia de democracia também...
  • PNA  01/07/2016 19:21
    Sim, a idéia de democracia deveria ser criminalizada também. É igualmente criminoso defender que é legítimo a maioria espoliar a minoria só porque a maioria quer assim.
  • Andre  01/07/2016 19:43
    "É igualmente criminoso defender que é legítimo a maioria espoliar a minoria só porque a maioria quer assim.".

    Na verdade na democracia o que acontece é:

    A maioria defende que uma minoria espolie TODOS.
  • PNA  04/07/2016 21:05
    Touché. Você coberto de razão.
  • Nerato  05/07/2016 07:33
    Sim, a idéia de democracia deveria ser criminalizada também.
    Esquerdalha e conservas iriam à loucura!
  • Trader Carioca  29/06/2016 15:07
    Uma pergunta que tenho sobre os venezuelanos:

    Hoje existe clareza sobre a causa da miséria? Ou eles ainda acreditam que é por causa do "imperialismo" ? A qual razão eles atribuem o fracasso do país?

    Enquanto a população não entender que a causa é o socialismo, irão sofrer mais e mais, infelizmente.
  • Livre Mercado  29/06/2016 15:58
    Trabalhei numa empresa que antes tinha muitos contratos na Venezuela, ainda mantenho contato com alguns conhecidos de lá, o sentimento geral é de que o Chávez e os chavistas enganaram o povo, que se aproveitaram do ideal socialista para enriquecerem.
    Não culpam o socialismo, culpam a forma como os políticos o instalaram, aquela nação não tem salvação, só serve para ser vitrine da desgraça mesmo.
  • saoPaulo  01/07/2016 11:57
    Exatamente o pensamento do brasileiro comum. Outro dia estava ouvindo o canal da Joice Hasselmann, quando ele disse algo do tipo:
    "Assim não dá pessoal. Só tem corrupto neste governo. Temos que trocar todos os políticos nas próximas eleições."
    E eu só pensando: "nãããão! Isso não vai resolver nada! Tem é que tirar poder destes pulhas!

    Até mesmo uma pessoa que luta abertamente contra a corrupção, como a Joice, tem o Estatismo entranhado na sua mente. E olha que ela é de direita!

    A culpa não é do Estado gigantesco. É dos políticos corruptos. Trocando-se eles por políticos melhores, tudo virará o Nirvana!
  • Andre  01/07/2016 13:04
    "A culpa não é do Estado gigantesco. É dos políticos corruptos. Trocando-se eles por políticos melhores, tudo virará o Nirvana!".

    Pois é, as pessoas devem achar que na Suíça tem menos corrupção só porque os Suíços são mais sortudos.
  • Getulio Fantini   29/06/2016 15:13
    O procedimento padrão do socialismo para perpetuação no poder é empobrecer a população, fazendo-a ser completamente dependente do estado. Como a Venezuela quebrou, e com a maioria da população empobrecida, deu no que deu.
  • Fabio Barreiros  29/06/2016 15:14
    Como dizia Trótski, o negócio da esquerda é realmente substituir o lema "se você não trabalha, você não come" pelo "se você não obedece, você não come".
  • anônimo  29/06/2016 15:25
    Os pobres tem alergia de escola.
  • saoPaulo  01/07/2016 12:00
    ???
  • Pessimista  29/06/2016 15:38
    O engraçado é aquelas pessoas que dizem que ser a favor do capitalismo ou socialismo é apenas uma questão de preferência pessoal, como torcer para o Palmeiras ou Corinthians, e por isso devemos respeitar.

    Uma ova! quem defende o socialismo tem que ser ignorado e menosprezado, está fazendo apologia ao crime, ainda que seja burro o suficiente para não perceber isso.


    Por fim, excelente artigo do Tucker, como sempre.
  • Renan SanDutra  29/06/2016 15:47
    O socialismo é bom para uma determinada casta - a que está no poder. Para manter-se no poder, é atribuído vários benefícios - que são propagandeados pelo "exército alienado. Após, com a redução de capital, vê-se o que é socialismo real: todos necessitados.
  • Mauricio  29/06/2016 15:49
    Por esses relatos é que acredito que os chineses comiam criancinhas na China comunista. Não os comunistas, pois os vassalos do estado não passam fome, mas sim a população faminta. Se nesta fase inicial do socialismo já está esse caos todo, imaginem o que a fome não vai fazer em 5 anos desse regime. Walking Dead é um belo conto de fadas perto da história futura da Venezuela...
  • Styer  29/06/2016 15:58
    Mas comiam mesmo. Pais famintos se alimentavam de seus próprios filhos. Aqui tem o relato de uma dessas cenas:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=94
  • Leonhard  30/06/2016 01:40
    Isso procede amigo, não me lembro aonde vi, num site estrangeiro, que os pobres da Coréia do norte em função da escassez e miséria praticam canibalismo com muita frequencia e até existe um mercado negro de carne humana, essa é uma das razões do porque os turistas não poderem andar livremente naquele inferno, mas devem obedecer o guia militar, pois já pensou se um turista fotografasse essa realidade grotesca, que eles tentam acobertar.
  • de Souza  30/06/2016 14:51
    Não apenas na China e na Coréia do Norte. Na Ucrânia sob o jugo soviético também as pessoas se viram na contingência de comer suas crianças. Fome extrema e comunismo andam de mãos dadas.
  • Robson Oliveira  29/06/2016 15:50
    Mas essa é exatamente uma das principais armas do comunismo: matar a população de fome. Foi assim no inverno ucraniano entre 1932/33m onde 7 milhões de pessoas morreram vítimas da fome.

    E na China de Mao, onde mais de 100 milhões pereceram.

    Esse é o comunismo.
  • George Orwell  29/06/2016 16:11
    Que tragédia. Fico pensando porque anida não mataram o canalha do Maduro? Será que não tem nenhum venezuelano com culhões pra isso?
  • Infiliz  29/06/2016 19:28
    Exatamente! Sempre fico pensando nisso... como que num mundo onde gente se mata por bobagem, quando se precisa realmente dar um fim definitivo em um ser humano, ninguém aparece.
  • Tiago RC  29/06/2016 23:09
    Os militares estão do lado dele. Para os milicos não falta comida, pelo contrário.
  • George Orwell  30/06/2016 15:51
    Não digo nem os militares (já que eles dão provas inequívocas de serem tremendos FDP apoiando esse desgraçado do maduro), mas a população em geral mesmo. Não é possível que ninguém que tenha ao menos um revólver ou uma espingarda em casa não tenha feito o serviço ainda.
  • Erick  30/06/2016 20:00
    Além da proteção dos militares, nenhum cidadão tem dinheiro pra comprar uma arma, nem mesmo no mercado negro.
  • Roberto Miglioli  29/06/2016 16:21
    Excelente artigo, excelente conclusão.

    Concordo com o colega que afirmou que "o socialismo deveria ser criminalizado".
  • Maverique  29/06/2016 16:47
    E como sempre ouviremos/leremos que isso não é socialismo. Foi a ideologia mal aplicada e utilizada. Entretanto o processo se repete indefinidamente e a resposta que o defende também.

    Depois dizem que a ignorância é uma benção.
  • Felix  30/06/2016 01:20
    Na área econômica a sociedade não aprende com os erros do passado,
    e o Socialismo ressurge sempre, e sempre e sempre... e sempre... num moto-perpétuo terrível e ardiloso, com roupagens e torcidas novas
  • Henrique Zucatelli  29/06/2016 16:56
    Sei lá, eu deveria ficar comovido com tudo isso mas não consigo pensar em outra coisa a não ser uma palavra: karma.

    O povo está pagando o preço de sua própria inveja, de sua falta de educação e de sua cultura paternalista e anti empreendedorismo. Para embasar minha tese, vemos o exemplo na outra ponta, a Suiça: mesmo sendo uma democracia, a cultura do povo extremamente libertária e honesta faz com que o parlamento fique sob controle e não jogue o país na lama.

    Outro detalhe que ajuda a pensarmos sobre o caso: mesmo sendo vizinha e nem precisar de visto para entrar no Brasil (Mercosul) e outros países como a Colômbia, não temos grandes notícias sobre emigrações em massa. Não é estranho? Será que eles ainda estão esperando um milagre?

    No fundo, os venezuelanos ainda contam com a possibilidade de um salvador que irá resolver os problemas criados por eles mesmos. Preferem passar fome e torcer a volta do messias a ir para outra terra e trabalhar, seja lá qual emprego for.
  • Livre Mercado  29/06/2016 17:56
    Pois é, aquele povo já tem mentalidade socialista, eles vão pra outro pais em que tenham que empreender e trabalhar?
    Os capazes disso já se foram pro exterior há muito, realmente não precisa ter dó dos que ficaram, exceto das crianças.
    Os brasileiros vão pelo mesmo caminho, sonham em ser funças parasitas bem pagos e estão ansiosos para votarem em 2018 em candidatos bem socialistas.
  • Andre  29/06/2016 19:37
    "Os brasileiros vão pelo mesmo caminho, sonham em ser funças parasitas bem pagos e estão ansiosos para votarem em 2018 em candidatos bem socialistas.".

    Exatamente. Estão esperando ansiosamente o surgimento de uma nova leva de candidatos de esquerda.
  • saoPaulo  01/07/2016 12:15
    - Sr. D'Anconia, o que acha que vai acontecer com o mundo?
    - Exatamente o que ele merece.
    - Ah, mas como o senhor é cruel!
    - A senhora não acredita na lei moral, madame? – perguntou Francisco, muito sério. – Eu acredito.
    [...]
    - Sr. D'Anconia – disse a mulher dos brincos -, não concordo com o senhor!
    - Se a senhora puder refutar uma só frase que eu disse, madame, lhe agradecerei.
    - Ah, não posso responder ao senhor. Não tenho respostas, minha mente não funciona assim, mas eu não sinto que o senhor tenha razão, portanto sei que o senhor está errado.
    - Como a senhora sabe disso?
    - Eu sinto. Não me guio pela cabeça, mas pelo coração. Sua lógica pode estar certa, mas o senhor não tem coração.
    - Minha senhora, quando as pessoas estiverem morrendo de fome ao nosso redor, seu coração não vai ajudá-las em nada. E, já que não tenho coração, eu lhe digo: quando a senhora gritar "Mas eu não sabia!", não terá perdão.
  • Renato  29/06/2016 16:56
    Reclamam do estado e não batem naqueles que mantém o estado: A CLASSE POLÍTICA.

    Se queremos ficar livres dessa corja temos que aos poucos alertar a todos sobre como é danoso para o bolso das pessoas e para os cofres do país a existência dessa classe parasitária chamada político.

    Em artigos anteriores eu percebi o aumento dos interessados que gostaram da minha ideia de criar um grupo para essa finalidade: A ELIMINAÇÃO DOS POLÍTICOS COMO CLASSE.

    Eu já expus aqui um principio de como iniciaríamos essa empreitada:

    Criaríamos um empreendimento para a função de alerta aos empreendedores. Sejam eles pequenos, médios ou grandes empreendedores.

    Um grupo poderia ser criado, mostrando o nosso cartão de visita, para fazer o trabalho de divulgação entre os empresários. Assim que contratados, de comum acordo com os mesmos (troca voluntária), estabeleceríamos um preço razoável para começar a imprimir cartilhas explicando as pessoas, dentro do estabelecimento do contratante, se assim esse desejar, mais principalmente nas ruas.

    Poderíamos também criar grupos de associados para que cada vez mais a mensagem de anti-políticos ganhasse mais força através de palestras e encontros.

    Mostraríamos aos poucos para as pessoas que pagar impostos é uma falácia. Só serve para sustentar a classe política...e também mostraríamos a existência de moedas digitais, como o bitcoin, por exemplo, para o empresário e para as pessoas comuns.

    Aos poucos vamos tirar essa mentalidade estatal da cabeça das pessoas.

    Como eu sou da CIDADE do Rio de Janeiro, ficaria melhor que pessoas daqui entrassem em contato comigo.

    Trabalharíamos como se fossemos "fantasmas". O investimento seria feito diretamente com empresários que assim solicitasse nosso serviço.

    É claro que esse grupo crescendo vamos criar e ter contato com pessoas de outros estados e até mesmo em nações estrangeiras.

    Para os interessados meu email é galenoeu@gmail.com
  • Rafa  29/06/2016 17:09
    "Mas isso não é socialismo!" Gritará a esquerda; afinal, só é socialismo quando dá certo (ou seja, nunca) - www.mises.org.br/Article.aspx?id=2433

  • Anônimo  29/06/2016 17:46
    Gostaria de saber a opinião do IMB quanto ao artigo feito pelo FMI em relação ao "neoliberalismo". Falam que a Grécia privatizou tudo e que está nessa situação alarmante agora. É verdade?
  • Antônimo  29/06/2016 18:17
    Pra começar, a crítica nunca foi essa -- mesmo porque as "privatizações" gregas foram todas parciais, com o estado vendendo apenas fatias de suas estatais --, mas sim às "políticas de austeridade".

    O FMI, com nada menos que 70 anos de atraso, descobriu que Mises sempre esteve certo: o neoliberalismo -- essa mistura de social-democracia, keynesianismo e alguma liberdade de mercado em termos estritamente microeconômico -- não funciona. E nem tem como funcionar

    Mises contra os neoliberais - as origens desse termo e seus defensores

    Sobre as reformas "neoliberais" na América Latina e por que elas fracassaram

    No entanto, vale ressaltar que aquele paper do FMI é hilário.

    Ele diz que os ajustes fiscais feitos pelos governos -- os quais se dão majoritariamente elevando impostos -- são deletérios para a economia.

    Duh!

    Precisava de paper para entender isso?

    Aliás, veja que gozado: o governo destroça suas contas, gera recessão econômica, tenta corrigir suas próprias contas elevando impostos, piora ainda mais a economia, e a culpa de toda essa lambança feita pelo próprio governo é de quem?

    Pois é...

    Mas que bom que o FMI começa a perceber -- ainda que por linhas tortas -- que são as próprias políticas dos governos o que desarranja a economia.

    E melhor ainda que o FMI finalmente começou a reconhecer que este sistema de "socialismo de mercado" -- que defende aumento de impostos, agências reguladoras, monopólio estatal da moeda, políticas de redistribuição de renda -- que ele sempre defendeu não era exatamente uma maravilha...

    Quem sabe agora os burocratas dessa instituição finalmente entendam que o único arranjo que funciona é o liberalismo clássico e não essa porcaria de "neoliberalismo", que nem sequer tem doutrina própria.
  • Ciro Gomes destroi NeoLiberaloides  29/06/2016 18:11
    Deve ser por isso que NORUEGUESES, ISLANDESES, SUECOS, DINAMARQUESES, FINLANDESES ESTÃO TODOS "mortos" de fome. Aiai.

    Somalia que é anarco capitalista que existe fome e miseria
  • Tasso  30/06/2016 19:47
    Embora seja um claro fake liberal fazendo troça, é sempre bom aproveitar a deixa para colar a mesma resposta de sempre.

    Países nórdicos têm mais livre mercado que a média européia. Em alguns quesitos, são economicamente mais liberais que os EUA.

    Na classificação do Instituto Fraser, a Suécia e a Dinamarca possuem mais liberdade econômica que os EUA no que diz respeito à estrutura legal e aos direitos de propriedade; a moeda é mais sólida (temos menos inflação), o comércio internacional é mais livre e menos protecionista, e as regulamentações sobre as empresas e sobre o mercado de crédito são mais baixas. Não há uma aquela infinidade de leis que regulamentam profissões e licenças ocupacionais, as quais bloqueiam a concorrência em vários outros países.

    E, segundo o site Doing Business, nas economias escandinavas você demora no máximo 6 dias para abrir um negócio (contra mais de 130 no Brasil); as tarifas de importação estão na casa de 1,3%, na média (no Brasil chegam a 60% se a importação for via internet); o imposto de renda de pessoa jurídica é de 22% (34% no Brasil); o investimento estrangeiro é liberado (no Brasil, é cheio de restrições); os direitos de propriedade são absolutos (no Brasil, grupos terroristas invadem fazendas e a justiça os convida para negociar); e o mercado de trabalho é extremamente desregulamentado. Não apenas pode-se contratar sem burocracias, como também é possível demitir sem qualquer justificativa e sem qualquer custo. Não há uma CLT nos países nórdicos.


    Este Instituto publica uma média de um artigo por mês dedicado exclusivamente a este assunto. Você faria bem em lê-los.

    Todos os socialistas querem ser a Dinamarca - será mesmo?

    Sim, deveríamos ser mais parecidos com a Suécia - quer tentar?

    Mitos escandinavos: "impostos e gastos públicos altos são populares"

    Como a Suécia (ainda) se beneficia de seu passado de livre mercado

    Sobre a grande depressão da Suécia
  • Mr Citan  29/06/2016 19:22
    Enquanto eu lia esta matéria, acabei de receber este e-mail na minha caixa de mensagens, de um conhecido do trabalho:

    "Tem uma moça (com seus 20 e poucos anos) que procurou por mim e a Dani (minha noiva) para desabafar uma situação difícil que vem passando. Basicamente, a moça e sua família (Pai, Mãe e sobrinho (Família simples)) vem passando por necessidades, inclusive a fome, por conta do desemprego em casa.

    Faz alguns dias que estamos pedindo o endereço dela para levar algumas doações, mas acredito que, por conta da vergonha ela não havia passado. Hoje pela madrugada recebemos uma mensagem dela passando o endereço, falando que não esta mais aguentando tal situação e que até a pasta de dente de sua casa acabou. Até sujar o nome dela para comprar mistura/comida foi cogitado por ela.

    Como conseguimos o endereço dela, amanha vamos na casa dela levar algumas doações de alimentos.

    Gostaria de verificar com vocês, quem pode doar mais alguma coisa, seja alimento, produtos de higiene pessoal ou até mesmo roupas.

    Caso alguém queira doar algo, traga amanha que estarei de carro.

    Obrigado e que Deus abençoe a todos!"

    Apesar da assustadora coincidência (para mim), o que eu tiro disto?
    Que até aqui neste país, aonde se foi feito Socialismo gradualmente desde o fim do Governo Militar, sendo intensificado nos últimos anos, os resultados foram e são DESASTROSOS, como perda de riqueza, perda do poder de compra, e muita gente sem emprego e sem ter o que comer.
  • Andre  29/06/2016 19:55
    "Que até aqui neste país, aonde se foi feito Socialismo gradualmente desde o fim do Governo Militar, sendo intensificado nos últimos anos, os resultados foram e são DESASTROSOS, como perda de riqueza, perda do poder de compra, e muita gente sem emprego e sem ter o que comer.".

    Na verdade o socialismo vem sendo implementado por aqui há muito mais tempo...
    Eu diria que desde 1500, quando instalaram o estado por aqui.
    E durante o regime militar também, afinal de contas os militares criaram um monte de estatais e pariram a hiperinflação da década de 80.

    Os militares serviram apenas para reduzir a velocidade de implantação do socialismo.
    Isso comparando com a velocidade MÁXIMA que os seus oponentes queriam adotar.
  • Mr Citan  29/06/2016 23:17
    Não sei a que Socialismo estamos falando, mas ao menos na época do Brasil Império, ainda tínhamos uma forte corrente Liberal e Conservadora por aqui, e uma Constituição que foi a mais liberal que o Brasil já teve, e que se hoje, se tivesse poucas emendas, ainda seria a mais liberal de todas.

    Com a república, vieram os projetos de poder, e também os parentes do Socialismo (Fascismo, Integralismo, e o Comunismo)
  • Andre  29/06/2016 19:41
    Em breve esses vídeos mostrando pessoas cometendo atos de violência por causa de comida na Venezuela vão acabar.

    Não haverá mais internet lá.
  • Andre  29/06/2016 19:45
    A Venezuela já superou o Zimbágue em termos de socialismo:
    www.heritage.org/index/ranking

    Agora no pódio estão, em ordem crescente de socialismo:

    Venezuela
    Cuba
    Coreia do Norte

    Cansado de ter problemas de primeiro mundo?
    Vá para um desses três países e esse problemas não lhe incomodarão mais.
  • Andre   29/06/2016 20:32
    Felizmente o Brasil, mesmo se tornando cada vez mais socialista, ainda deve demorar bastante para atingir esse estágio. Pelo menos uns 10 anos.

    No Brasil ainda há dinheiro sobrando até para custear "Mestrado em CHUPAR PIROCA":

    www.facebook.com/hbdia/videos/1360565560627707/
    www.correio24horas.com.br/blogs/mesalte/pesquisador-baiano-e-atacado-por-fazer-estudo-de-sexo-entre-homens-em-banheiros-entenda/

    Infelizmente isso não é uma piada. É LITERAL.
  • Douglas  29/06/2016 20:47
    Olha a que nível o Bostil chegou.
  • a  29/06/2016 21:02
    O socialismo acabou em 1989. Por que insistem?
  • Ricardo  29/06/2016 21:30
    Concordo com uma série de ideias propostas aqui no site sobre a não interferência do governo em qualquer âmbito da sociedade. Realmente, vendo os escândalos de corrupção e medidas estapafúrdias das maioria dos governantes e políticos, cada vez fica mais clara a ineficiência desses seres de ajudar no desenvolvimento do bem-estar da população.

    Por outro lado, possuo algumas dúvidas em relação ao livre mercado, as quais exponho abaixo:

    1-Acredito que a ideia do libertarianismo completo seja, como um real comunismo, uma possibilidade apenas utópica. No entanto, fico pensando como seria em uma sociedade onde o único motor seria o lucro. Como faríamos para impedir, por exemplo, que pessoas poderosas escravizassem outras pessoas ou até mesmo as criassem meramente para o consumo de sua carne?
    Penso que em uma sociedade sem outros valores, além da ideia de lucro e propriedade privada, seria possível qualquer tipo de atrocidade.
    Ainda que de uma forma utilitária, talvez isso fosse melhor do que temos hoje em dia. Não seria bizarro de imaginar algo como isso?

    2-Além disso, entendo que, como não possuímos essa total liberdade em todos os âmbitos, não seriam algumas ideias defendidas, que seriam viáveis em uma sociedade de total liberdade, incompatíveis para a atual conjuntura?

    Eu sei que esse comentário não tem nada a ver com o texto, e peço desculpas por isso. Porém gostaria apenas que alguém pudesse me esclarecer essas questões
    Gratos
  • Gomes  29/06/2016 23:25

    "No entanto, fico pensando como seria em uma sociedade onde o único motor seria o lucro."

    Já começou totalmente errado. Libertarianismo é a defesa irrestrita da propriedade privada. E só.

    Propriedade privada. E todo o resto deriva disso.

    Essa é a frase que resume toda a teoria libertária. É a existência da propriedade privada, e é o respeito à propriedade privada, o que gera todos os outros direitos do ser humano.

    Lucro é apenas uma das consequências de haver propriedade privada, mas não é e nem nunca foi o pilar do libertarianismo. Se eu quiser direcionar a minha propriedade privada para fins caritativos ou mesmo para fins de prejuízo próprio, sem estar agredindo ninguém, continuarei agindo como um libertário.

    Sem entender esse básico, não há nem como começar a discutir.

    Artigo crucial:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2227

    "Como faríamos para impedir, por exemplo, que pessoas poderosas escravizassem outras pessoas ou até mesmo as criassem meramente para o consumo de sua carne?"

    Se o libertarianismo é a defesa irrestrita da propriedade privada -- sendo que a propriedade sobre o próprio corpo é a mais sagrada e inviolável de todas --, como é que poderia haver escravidão, meu Deus do céu?

    É cada um...

    Outro artigo para você:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1543

    Volte mais tarde.
  • Pessimista  29/06/2016 23:49
    Lucro é o que harmoniza os interesses da sociedade. Pessoas prestam servicos as outras por causa do lucro, sem eles a sociedade se desintegra.
  • saoPaulo  01/07/2016 13:59
    Caro Ricardo, vou tentar esclarecer alguns pontos, segundo meu parco conhecimento.

    1-Acredito que a ideia do libertarianismo completo seja, como um real comunismo, uma possibilidade apenas utópica.
    Utópica ou não, praticável na conjuntura atual ou não, é o norte que deve ser seguido.
    Quando o movimento abolicionista começou, também era altamente utópico. Imagine, acabar com a instituição milenar da Escravidão, que acompanhou a humanidade desde os tempos mais remotos, que coisa mais utópica!

    No entanto, fico pensando como seria em uma sociedade onde o único motor seria o lucro.
    E quem disse que o único motor de qualquer sociedade seria o lucro? Não, o motor de TODAS as sociedades, sejam elas capitalistas, socialistas, monarquistas, feudais, etc., é a satisfação pessoal.
    Pense, se a nossa motivação principal fosse o lucro apenas, estaríamos extintos há vários milênios, já que não é nada lucrativo ter filhos. Porém, a satisfação pessoal de se ter um filho compensa e muito as possíveis desvantagens financeiras. E, da mesma forma que estamos "hardwired" para termos filhos, estamos "hardwired" para termos empatia por nossos semelhantes. Mostre para as pessoas uma cena daquele filme banido, onde um homem estupra um recém-nascido. Te garanto que terá que procurar muito, até encontrar alguém que não fique enojado com aquilo. De fato, menos de 4% da população sofre de psicopatias.

    Como faríamos para impedir, por exemplo, que pessoas poderosas escravizassem outras pessoas ou até mesmo as criassem meramente para o consumo de sua carne?
    Vide a parte acima. Menos de 4% da população é composta por psicopatas.
    O que acontece é que o Estado atrai o pior tipo de pessoas. Quanto mais alto o cargo, mais o político deve ter se sujeitado a participar de esquemas escusos apenas para ocupar tal cargo. Quanto mais alto o cargo, maior o escopo do político, maior o número de pessoas controladas por ele. Não se trata mais de pessoas de carne e osso: o Seu João da padaria, a Dona Maria da
    limpeza. Não. São agora apenas números. Um número frio de, digamos, um milhão de desempregados, não é nada mais que estatística.
    Olhe à sua volta! O Estado atrai o pior tipo de pessoas, justamente porque estas sabem manipular as outras, custe o que custar, para conseguirem o que querem. E o Estado lhes dá justamente aquilo que procuram: poder para cometerem as barbaridades que quiserem, sem que sofram quaisquer consequências.
    Compare seu medo de que "pessoas poderosas escravizassem outras pessoas" com o cenário atual e note que isto já é parcialmente verdade! Você trabalha e paga imposto de renda? Pois calcule o quanto paga de impostos para o governo e veja quantos meses por ano é obrigado a trabalhar de graça para ele.
    Você tem medo de algo remotamente possível, enquanto o sistema, hoje, a digamos uma carga tributária de 1/3, já escraviza 1/3 dos brasileiros.
    Sobre a sua pergunta sobre canibalismo, o que impede um político, hoje, de cometer tal barbaridade (lembra do deputado da motosserra)? Por que não poderiam existir mecanismos para coibir tal atividade em uma sociedade livre? É um problema realmente relevante? Novamente, o sistema atual ESCRAVIZA 1/3 da população, e você quer evitar mudanças por medo de eventuais canibais...? Já considerou que, como o ser humano é imperfeito, nenhum sistema jamais será perfeito e que é, portanto, contra-producente buscar algum sistema infalível?

    Penso que em uma sociedade sem outros valores, além da ideia de lucro e propriedade privada, seria possível qualquer tipo de atrocidade.
    E está absolutamente certo. Porém, note que está atacando um espantalho, visto que libertário nenhum defende o lucro como valor único de qualquer sociedade.
    Pessoalmente, acredito que a caridade seja uma grande virtude e que, em uma sociedade livre, ela se tornaria de suma importância.
    Apenas como exercício, compare os seguintes cenários:
    1. O governo, por meio de impostos, obriga toda a população a arcar com um wellfare state.
    O fato de ser algo obrigatório acaba com a cultura da caridade, uma vez que agora é obrigação do governo cuidar dos desfavorecidos.
    Ao mesmo tempo, a população perde total controle sobre como o dinheiro será usado. Grande parte dele sequer chegará ao seu destino, sendo consumido pela máquina burocrática gigante e ineficiente, sem contar a parte que será desviada por corrupção.
    Você também é obrigado a ajudar causas questionáveis e das quais possivelmente discorda, como distribuição gratuita de preservativos para crianças e distribuição gratuita de seringas para viciados.
    E caso você queira modificar este arranjo, terá que esperar no mínimo 4 anos e ainda terá que ter sorte nas eleições.
    Por último, tal arranjo, ao invés de conciliar os vários setores da sociedade, apenas tende a gerar conflitos entre eles. As pessoas não mais olham para seus benfeitores com gratidão, mas os vêem como seus escravos, como se não fizessem mais que a obrigação em lhes dar tais benefícios. Um empresário que constrói uma ala num hospital contra o câncer é um herói. Um empresário que paga seus impostos em dia é apenas um porco capitalista que não faz mais que sua obrigação. No fim das contas, só haverá uma guerra entre todos, lutando por cada vez mais e mais privilégios.
    2. A sociedade é livre, sem um wellfare state.
    A cultura da caridade é fortalecida. As pessoas sabem que é obrigação delas próprias zelar pelo bem estar daqueles em situações difíceis.
    Você pode ajudar a causa que quiser, de acordo com a sua consciência, e pode, a qualquer momento, mudar de instituição de caridade, caso alguma seja ineficiente ou corrupta.
    A sua satisfação pessoal será muito maior, pois poderá ter contato direto com as causa que ajuda e, ao mesmo tempo, não haverá incentivos para atritos devido a buscas por privilégios.

    Ainda que de uma forma utilitária, talvez isso fosse melhor do que temos hoje em dia. Não seria bizarro de imaginar algo como isso?
    Colocando da forma errônea, como você colocou, realmente seria.
  • Paulo Bat  29/06/2016 21:47
    Eu trabalho na indústria no petróleo e o que vejo aqui no Brasil são centenas de ex-funcionários da PDVSA, a estatal venezuelana de petróleo, que deixaram o pais após o acesso do Chaves. Não só emigraram para o Brasil, como para a Europa, Estados Unidos e etc.

    Todos os que conheço me dizem que não dava mais para trabalhar lá. Inclusive havia perseguição a quem não seguia a cartilha. Por exemplo, quando houve greves por não aceitarem a ingerência na PDVSA, houve demissões e outros tipos de perseguição.

    Com esta debandada de técnicos de alto nível, a qualidade do trabalho começou a cair. Como consequência hoje a Venezuela, apesar de possuir as maiores reservas de petróleo do mundo e ter sido uma das maiores produtoras, produz por dia menos que o Brasil que tem reservas 10 vezes menores.
  • marcio teixeira  29/06/2016 22:47
    Interessante a matéria, mas não traduz a verdade, tampouco inspira confiança. A questão é gravíssima, não há como negar, a situação da Venezuela é terrível. No entanto, fatos históricos são levantados e divulgados, não raro, por aquele que domina, devendo considerar que uma verdade sempre terá duas versões. A análise crítica da história só aparece com o tempo. O golpe de 1964 é tida por historiadores como contragolpe, A Revolução Cívico-Militar de 31 de março. A história da Segunda Guerra foi escrita pelos aliados e, nesta história, se considerou que a destruição mais absurda da história, Yroshima e Nakazaki, teria sido uma forma de "dissuadir" o japonês de lutar (pasmem quanto a isso). Atribuir todo esse caos ao regime enquanto teoria de organização econômica é temerário. O caos é produzido pelos homens, alguém está enriquecendo às custas dos mais humildes. Foi assim desde o a pré-história, passando pelo Egito antigo, Império Romano e mesmo após a Revolução Francesa, a ação do capitalismo e liberalismo. Fique claro que eu não sou adepto do socialismo, como não sou de outros regimes, não obstante a anarquia fosse o melhor, a liberdade em sua essência, traz também a possibilidade de ocorrer violência (o homem é sim o lobo do homem). Isto é apenas uma opinião, está centrada no fato de que todo caos é provocado pelo homem, ser ignóbil, malfazejo e cruel. Conserte o homem e consertará o mundo. Meus respeitos a todas as demais opiniões, especialmente as divergentes.
  • Silvio  30/06/2016 19:41
    Se "o homem é sim o lobo do homem", não faz o menor sentido dar o monopólio da violência a um grupo de homens (geralmente os piores da sociedade) para fazer com que eles solucionem os conflitos.
  • saoPaulo  01/07/2016 14:12
    Fique claro que eu não sou adepto do socialismo, como não sou de outros regime
    A mim, isto soa como papo furado de isentões: "não sou nem a favor do socialismo, nem a favor do capitalismo".
    A favor do que então você é?
  • anônimo  30/06/2016 00:24
    Faça como esse cidadão, pegue uma caminhote e invada o ministério da fazenda.

    Esse ministério poderia ter o nome alterado para ministério das dívidas, das expropriações, ministério dos saques aos cidadão, ministério da confisção, ministério da gastança, etc.

    Seria legal entrar como uma carrera no ministérios das expropriações.

  • anônimo  30/06/2016 00:27
  • anônimo  30/06/2016 00:45
    E lá vai mais 3,37 bilhões de mesada do BNDES para a Klabin.

    A bolsa empresário continua a todo vapor.

    www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Sala_de_Imprensa/Noticias/2016/Industria/20160628_klabin.html

    Essa equipe do Temer é fachada. Estava mais do que claro que as regalias iriam continuar.

  • Filósofo da USP de Férias em Cuba  30/06/2016 00:55
    Em todo lugar a miseráveis...Elas são assim porque querem.
    Na Venezuela todos são iguais(se desejarem, que não vira miserável mesmo), graças riqueza do petróleo, que os "yankees" estão de olho.

    Não tem nada de falta de comida, é apenas um mecanismo para preservar a saúde do povo venezuelano.

    Os "yankees" são gordos incessantes, doentes e sedentários.

    Na Venezuela todos são saudáveis e aptos ao trabalho, visando a riqueza comum.
    O Maduro(seguindo os ensinamentos do Chávez) sabe o caminho, os venezuelanos estão com ele.

    O IMB é ligado e financiado pela CIA, logo, não tem credibilidade.
    Nunca apresentaram uma fonte de financeimento, não publicam balanço.

    Estão apenas estimulando factóides para que "jumentos brasileiros", acreditem que existe um problema.

    Estou em Cuba agora, na volta passo na Venezuela para uma reunião da URSAL.
    Viva a URSAL!

    Venezuela prosperiada coletiva, estado da arte...uma sociedade perfeita.
  • Wagner  30/06/2016 12:30
    Parei de ler na primeira frase.
    A língua portuguesa foi espancada de uma forma intolerável. Impossível continuar lendo o comentário.
  • anônimo  30/06/2016 03:09
    Acabei de lembrar de um cartoon de alguns bons anos atrás, quando toda a esquerda estava apontando para a Venezuela como exemplo de socialismo que deu certo.

    Quem diria, não é?
  • anônimo  30/06/2016 13:01
    As pessoas não entendem que o "Minha casa, minha vida" é o "Meu assalto, minha vida".

    Confiscar o FGTS e o FAT é "Meu assalto, minha vida".
  • Oneide teixeira  30/06/2016 14:22
    Na Venezuela o socialismo é um sucesso.
    O objetivo é destruir tudo e reconstruir um novo mundo nem seja necessário matar todos pelo bem da humanidade.
    Mas vamos a questão prática como evitar um Chaves se os luberais negam a politica e por isso que são governados pelos socialistas.

  • Halysson  05/07/2016 17:27
    Venezuela deve ser o lugar mais fácil do mundo para conquistar mulheres.

    Basta convidar pra Jantar!
  • Pátria educadora  06/07/2016 18:52
    Vocês não sabem nada sobre o socialismo. O socialismo é necessário para acabar com injustiças como esta: www.revistaforum.com.br/2015/06/01/quadrinho-desconstroi-o-conceito-de-meritocracia/
  • Observador  06/07/2016 18:59
    Essa foi gozada. Embora seja ironia, é sempre bom repetir:

    Não é a meritocracia; é o valor que se cria
  • Andre  06/07/2016 19:31
    "...acabar com injustiças..."

    A única forma de acabar com as "injustiças" apresentadas nessas histórias em quadrinhos é matando todo mundo.

    Por isso os regimes comunistas matam freneticamente.

    E quem deseja o fim dessas "injustiças" pode ajudar se matando o quanto antes.
    Assim o governo não tem que desperdiçar dinheiro pagando um funcionário público para executar o serviço.
  • Diga não a igualdade  06/07/2016 19:36
    Engraçado como toda crítica a tal meritócracia parte da ideia que é injusto alguém ter tido uma infância melhor do que a de outros.

    Se eu resolver pagar uma escola de inglês para meu filho e o vizinho não puder fazer o mesmo, então pronto o sistema é injusto.

    O fato dos filhos dos ricos terem escola integral, acesso a intercâmbio e a um lar abastardo, não prejudica em nada a classe mais pobre, em NADA. Então porque raios estão se preocupando com algo que não é um problema?
  • saoPaulo  06/07/2016 23:39
    Excelente companheiro!
    Vamos perfurar os tímpanos de pessoas com ouvidos absolutos pois, assim, todos terão a capacidade de se tornarem músicos. Precisamos de mais variedade no Funk brasileiro.
    Vamos proibir esses coxinhas -- que têm a coragem de falar que pagam impostos demais -- de matricularem seus filhos em escolas particulares, pois isto os dá uma vantagem desleal sobre as crianças da periferia.
    Vamos taxar ainda mais estes filhinhos de papai, pois somente distribuindo dinheiro para os pobres poderemos nivelar os pontos de partida. E ninguém melhor que um político altruísta, honesto e omnisciente para fazer esta redistribuição de renda.
    E não deixe se enganar por estes neoliberais que dizem que, se o objetivo é dar dinheiro para os pobres, então deveríamos acabar com impostos sobre produtos de primeira necessidade. Estes liberalóides não entendem nada de contrato social e dignidade do cidadão.
    Digamos que na casa de uma pobre família, o chuveiro tenha estragado. Acontece que o pai desempregado só tem R$30,00 sobrando para comprar um chuveiro novo. Ele sabe que ele custa R$40,00, dos quais R$10,00 são de impostos. Este pai de família heróico deixará sua família tomando banhos frios até conseguir juntar dinheiro para os impostos! Ele sabe que é seu dever cívico contribuir com esta taxa, para que assim nosso exército possa massacrar aqueles malditos Yankees caso eles tentem invadir o Brasil. É realmente dignificante para o pobre pagar impostos, ele se sente parte do jogo democrático! Claro que os impostos sobre ele são de mentirinha, já que cada real pago por ele voltará na íntegra para o seu bolso. É tão bom ter políticos honestos que não desviam um tostão e funcionários públicos tão altruístas que trabalham de graça.
  • Primo  13/07/2016 15:08
    Ué, Pátria educadora 06/07/2016 18:52:22, mas foi justamente o ideologia socialista que amplificou esse tipo de injustiça. Essa tirinha é uma critica a destruição dos valores familiares, da ética e da moral burguesa. No quadrinho fica claro, os cenários são os mesmos, os indivíduos são bastante semelhantes, mas a atitude das pessoas são diferentes. Na terceira cena, a garota escolhe assistir TV, enquanto o rapaz está com um lápis e papel e com sua família. A família da garota escolheu comprar a TV, enquanto a do rapaz escolheu apoia-lo nos estudos. Escolhas diferentes não levam a caminhos iguais, se levar a caminhos iguais é exceção e não a regra. Alias, se a garota conseguiu um emprego de garçom lá em brasília, e ganha o triplo do que ganha o rapaz de sucesso, isso não é injustiça, é apenas uma questão de escolha.
  • Emerson Luis  09/07/2016 12:10

    Artigo muito bom e situação extremamente triste.

    Observação: Obesidade não é necessariamente o problema oposto de subnutrição e fome. Além de transtornos orgânicos, pessoas pobres podem se tornar obesas por só poderem comer alimentos de má qualidade nutritiva. E pessoas com condições podem fazê-lo por indisciplina ou desinformação. É possível ser subnutrido e obeso ao mesmo tempo.

    Mas claro que em situações mais graves a história é outra.

    * * *
  • Edson Araujo  13/07/2016 12:58
    Interesante o artigo, mas......., procurando informações c fontes seguras, não bla bla bla de internet descobri que dos 56 países onde se passa fome no mundo, ( fonte Folha de São Paulo, só isso) nenhum é socialista, e a Venezuela não esta inclusa (somente no item de falta de produtos, fome não) , interessante não é??
  • Antônio Carlos  13/07/2016 13:31
    Que legal, pois eu fui procurar essa lista e olha os nomes:

    Eritreia, Burundi, Comores, Timor Leste, Sudão, Chade, Iêmen (oficialmente marxista desde 1969), Etiópia, Madagascar, Zâmbia, Haiti, República Centro-Africana, Serra Leoa, Burkina Fasso, Moçambique, Índia, Tanzânia, República do Congo e Níger.

    Todos esses países potências capitalistas, né?

    Ah, mas o melhor vem agora:

    "Além das nações com problemas "muito graves" [de fome], outros 37 países também preocupam ao apresentarem uma carência alimentícia "grave", caso da Guatemala e da Bolívia."

    Bolívia!!!, aquele bastião do capitalismo comando pelo supremo neoliberal Evo Morales.

    www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/10/1356422-indice-global-da-fome-revela-que-56-paises-tem-graves-problemas-alimenticios.shtml

    Interessante, não é?!

    P.S.: quer uma lista dos principais episódios de fome no mundo e onde ocorreram? Pois veja aqui.

    Agora, brinde-nos com um pouco mais do seu "blá-blá-blá de internet".
  • Andre  13/07/2016 14:01
    "...fontes seguras..."

    Seus professores Marxistas não são fontes segura de nada.
  • anônimo  13/07/2016 14:45
    Crise de fome na ucrânia nos anos 30, governo? Socialista.

    Crise de fome na China nos anos 50 e 60, governo? Socialista.

    Crise de fome na Etiopia nos anos 80, governo? Socialista

    Crise de fome em um país com instituições minimamente capitalista..................
  • Hugo  24/08/2016 00:31
    "Para organizar um funeral e sepultamento decentes, uma família precisa de pelo menos 400 mil bolívares — cerca de US$ 400 no mercado paralelo, que determina o preço de quase tudo para a maioria dos venezuelanos. A quantia é astronômica para a Venezuela, onde o salário mínimo é de 15 mil bolívares — ou US$ 15. As funerárias também enfrentam dificuldades, pois as pessoas nunca conseguem pagar a conta."

    Mas já encontraram uma solução:

    Na crise venezuelana, caixão de papelão vira opção para funerais mais econômicos

    noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2016/08/12/na-crise-venezuelana-caixao-de-papelao-vira-opcao-para-funerais-mais-economicos.htm



Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.