clube   |   doar   |   idiomas

Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

Conhecimento e Liberdade – parte 1

Em Conhecimento e Liberdade – parte 1, o professor Alberto Oliva aborda a finalidade do conhecimento.  O que é, para que serve?

As razões que nos impelem a buscar conhecimento — qualidade de vida, conforto, curiosidade e outros fatores — são abordadas.  A visão epicurista, a curiosidade e o thaumaston são estudados.

Oliva fala sobre as pautas e crenças da humanidade, bem como o conhecimento como produto recente da nossa história — além das diferenças entre o conhecimento know-how, a familiaridade e o proposicional, que é perseguido pela filosofia e as várias ciências.

As definições de "verdade", a concepção desta como correspondência, ou seu entendimento como coerência são estudados.  A relação entre verdade e conhecimento, bem como a posição falibilista — que determina que nossas crenças podem entrar em choque com as nossas experiências, modificando-as ou extinguindo-as —, são definidas.

O falibilismo sustenta a tese de que considerar uma teoria como sendo a única explicação ou verdade pode nos frustrar.  Embora isso não signifique que nenhum resultado possa ser definitivo ou que a verdade não possa ter sido alcançada, não saberemos enquanto ainda houver pesquisas ativas sobre a determinada teoria.

E, ainda que possamos fazer uma afirmação verdadeira, com base em crença, palpite etc., há a necessidade de justificá-la, apresentando boas razões para tanto. Há, no entanto, uma limitação à justificação, relativa aos casos não observados e desconhecidos que impedem a generalização.

Toda justificativa deve, portanto, ser racional — deve ir além da descrição de tópicos isolados da realidade.

O professor faz uma crítica à arrogância pura, que atinge seu ápice em Marx — há uma prepotência que determina que tudo pode ser determinado ou previsto, como se não houvesse essa falibilidade.  Podemos compreender, então, que essa presunção de previsibilidade da verdade limita a liberdade.

Toda utopia, portanto, é perigosa por acreditar no fim deste processo, no fim da história, na superação de toda diversidade.

Confira a aula completa em:


0 votos

autor

Equipe IMB

  • CONSERVADOR  20/06/2016 20:45
    Muito bom.
  • Dhionatan  26/06/2016 21:29
    Estou gostando muito deste site, muito bom!!
  • Ronaldo Brognoli  29/09/2016 19:51
    Eu acredito no determinismo das coisas, tudo é energia e ela reage de acordo com seus sinais positivos e negativos, há unica coisa que não pode ser prevista é casualidade, é o encontro casual entre as pessoas, assim , podemos prever ou tentar prever o futuro.
    Talvez a exorbitante quantia de possibilidade, impede uma previsão correta das coisas, mas pode afirmar que que uma pequena parcela pode ser prevista , ou ser analisada como causa e consequência.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.