O último Natal da Romênia comunista
Como Chuck Norris ajudou a derrubar o regime

Em cada Natal dos últimos 27 anos, os romenos relembram a revolução ocorrida em 25 de dezembro de 1989, quando o regime comunista foi derrubado. 

O ditador Nicolae Ceausescu e sua mulher Elena Ceausescu foram capturados e fuzilados, com o evento sendo transmitido ao vivo pela televisão.

Alerta: cenas fortes

São poucos os romenos que se lembram com algum afeto da era comunista.  A maioria se lembra do regime como ele realmente foi: uma época de pobreza, medo, e ausência de liberdade.

No início da década de 1980, Ceausescu já havia exaurido todo o capital que a Romênia acumulara.  A população romena sofreu severas privações quando o governo tentou quitar de uma só vez toda a dívida externa do país (de aproximadamente 13 bilhões de dólares).  As privações incluíam racionamento de eletricidade e de água quente (sob invernos rigorosos).

Talvez uma das privações mais penosas foi o "programa científico de alimentação", o qual estipulava quantidades máximas de produtos que uma pessoa podia comprar por mês.

A alimentação "cientificamente" controlada pelo governo

É interessante constatar como os fracassos do socialismo não apenas se originam das mesmas causas, como também tendem a se manifestar de maneiras incrivelmente similares.  Assim como os venezuelanos de hoje enfrentam escassez e longas filas, aproximadamente 30 anos atrás, do outro lado do Oceano Atlântico, os romenos também tinham o hábito de passar várias horas parados em filas que se formavam perante prateleiras vazias. 

Bucur_Obor_(1986).jpgA diferença é que, para os romenos, tal situação rotineira já havia deixado de ser uma mera "crise temporária", que é como a atual situação da Venezuela ainda é descrita pelo governo.  Tudo já era tristemente rotineiro.

E, assim como o governo da Venezuela se gaba de sua "boa organização" para controlar as filas dos supermercados e impedir que as pessoas comprem duas vezes na mesma semana, o regime comunista da Romênia, que já estava no poder havia mais de duas décadas, dizia que o racionamento de alimentos era uma medida voltada para promover a saúde e melhorar a qualidade de vida! 

Em 1982, Nicolau Ceausescu instituiu um "programa científico de alimentação" para o país, no qual quantidades de leite, ovos, carne, peixe etc. eram listadas, ao mesmo tempo, como recomendações de dieta e como quotas permitidas para a compra.  À medida que o tempo foi passando, essas rações se tornaram cada vez mais escassas.

As compras podiam ser feitas somente por meio de um cartão de racionamento, no qual tais quantidades eram marcadas.  A ração incluía as seguintes quantidades mensais:

Frango — 1 kg

Carne suína ou bovina — 500g (não havendo, deve ser substituída por carne enlatada da URSS)

Frios ou patê de fígado — 800g

Queijo - 500g (a cada 3 meses)

Manteiga — 100g

Azeite - 1 litro

Açúcar - 1 kg

Farinha - 1 kg (a cada 3 meses)

Ovos — 8-12

Pão - 300g/dia

card.jpegO governo tinha várias explicações para essas limitações.  Além de dizer que o estado estava preocupado em fornecer aos cidadãos uma dieta equilibrada e saudável, também havia a justificativa de que se estava combatendo os "especuladores" que estavam estocando comida.

O cartão de racionamento, no entanto, não garantia que os alimentos de fato estariam disponíveis, de modo que a maioria desses produtos só era obtida se você fosse um dos primeiros da fila.  Com o tempo, isso gerou o ditado que dizia que, no comunismo, uma boa relação — ser amigo de um funcionário de uma mercearia estatal, que garantiria que você conseguisse todos os itens do cartão — era mais valiosa do que ter um imóvel no capitalismo.

Além dos alimentos, a gasolina também foi racionada em apenas 25 litros por mês, e a fila para conseguir o combustível frequentemente envolvia um esforço conjunto, no qual dois amigos se revezavam na fila em turnos diários, dentro do mesmo carro, esperando seu momento para abastecer.  Enquanto um ficava na fila, o outro ia trabalhar. 

E para garantir que os romenos não iriam consumir muita gasolina, o governo adotou um rodízio, segundo o qual os carros não poderiam circular nos fins de semana dependendo do número final de suas respectivas placas. 

Adicionalmente, para sobreviver ao inverno, aquecimento e água quente só estavam disponíveis durante algumas horas do dia.  Assim como televisão e eletricidade.

À época, as autoridades comunistas gostavam de se gabar dizendo que os cidadãos romenos usufruíam todos os benefícios da vida moderna, mas nenhuma de suas injustiças

Uma revolução silenciosa

Em paralelo a tudo isso, um contrabandista de fitas VHS e uma tradutora de inglês contrabandearam para a Romênia e dublaram para o romeno milhares de filmes ocidentais, especialmente filmes de ação.  Estes filmes foram então distribuídos e ilegalmente exibidos para grupos de 20 a 30 pessoas de cada vez. 

Desta maneira, amontoados perante uma televisão que lhes mostrava amenidades básicas com as quais nem sonhavam existir, os romenos foram se tornando dolorosamente cientes de sua pobreza e isolamento.  As revoltas populares foram se intensificando e a queda do regime comunista, algo inevitável, ocorreu antes do fim da década.

Essa história virou um documentário lançado este ano, intitulado "Chuck Norris contra o Comunismo" (aqui o teaser, aqui o website, e aqui uma reportagem visual do The New York Times).

18-23350.jpg

Um Natal normal

Após 1990, os cardápios para a ceia de Natal dos romenos não mais foram submetidos a concessões institucionais — e nem os cardápios de nenhuma outra refeição.

Mas talvez o fato em relação ao qual eles estão mais felizes é o de poder celebrar o Natal sem o temor de serem denunciados pelos vizinhos para a polícia secreta.


6 votos

SOBRE O AUTOR

Carmen Elena Dorobat
é pós-doutoranda em economia na Universidade de Angers, na França, e professora na Bucharest Academy of Economic Studies.



"Foram mal abordados, muito mal abordados.

"imprimir dinheiro não é prática legal em um mundo civilizado" Eua imprime dólar, UE imprime Euro, Japão imprime Iene."


Eis um trecho do artigo:

"Há três respostas: ou o governo aumenta impostos; ou ele toma dinheiro emprestado de bancos, pessoas e empresas; ou ele simplesmente imprime dinheiro.

Não é preciso ser um profundo conhecedor de economia para entender que nenhuma dessas três medidas cria riqueza."


Você fala como se estivesse rebatendo alguma afirmação, que o próprio artigo mostra como é falsa; mas essa afirmação quem criou foi você próprio, sabe-se lá de onde.

É surreal você dizer que isso advêm da perda de consumo da população, a inflação desses países é próxima de zero há muito tempo. (não quero dizer que isso funcionária em todos os países do mundo)

Você está falando de "inflação de preços", aumento no preço de diversos produtos na economia geral; o artigo está falando de
inflação monetária, aumento da oferta monetária, dinheiro em circulação na economia. É possível haver baixa "inflação de preços" ou mesmo "deflação de preços" onde há inflação monetária. Basta que o aumento em produtividade e outros fatores (que diminuem preços) seja maior que o aumento dos preços por conta da inflação monetária.

Agora, se você acha que não há relação alguma entre oferta monetária e aumento de preços, creio que você descobriu o Paraíso na Terra -- podemos simplesmente imprimir dinheiro à rodo e dar para todos, e não haverá efeito colateral algum nisso.

"EUA tirou o país de uma recessão enorme em 2008 com as práticas Keynesianas, existem vários e vários exemplos da prática aplicada e funcionando, em nenhum momento é perfeita e sem qualquer tipo de ônus, mas é o melhor que pode ser feito."

Sim, o Keynesianismo tirou os EUA da recessão -- causada por esta mesma ideologia e suas taras por expansões artificiais:

Como ocorreu a crise financeira americana
Explicando a recessão europeia
Herbert Hoover e George W. Bush: intervencionistas que amplificaram recessões (1ª Parte)
A geração e o estouro da bolha imobiliária nos EUA - e suas lições para o Brasil

Creditar a teoria Keynesiana por tirar os EUA da recessão se resume à isto: o que seria de nós, se após quebrar nossas pernas, o Estado não nos desse muletas?

"Aliás uma pergunta, você já prestou ANPEC alguma vez? acredito que seu conhecimento é bem maior do que as frases feitas que posta aqui no site."

E como sempre, o grande feito para um Brasileiro é passar em concurso.

"Apesar de ter grande admiração por Keynes eu não tenho asco por nenhum grande pensador econômico, seja ele Marx ou Hayek, não é o que acontece por aqui, infelizmente. Inclusive, ressaltei que não é impossível que Keynes esteja errado em alguns pontos, visto o tempo que já se passou."

Não posso falar por todos membros que acompanham este instituto, mas pouco me importo com Keynes, Hayek, Mises, Friedman, quem quer que seja. Apenas me importo com as ideias que estes defendem. Se Marx falar algo correto, defenderei isto. Se for Keynes, também. Mises, mesma coisa.

"Peço mais uma vez que seja exposto para que haja um debate honesto. Pela segunda vez eu estou usando exemplos reais, práticas já aplicadas e com ressalvas de que nada pode ser generalizado, você escreve de forma rasa, com várias teorias que sequer foram testadas e lotado de frases feitas para atingir quem está no topo (Keynes). "

"Nada pode ser generalizado" é algo tão estúpido que eu não acho que seria preciso comentários para mostrar a estupidez desta afirmação.

"Você escreve de forma rasa" -- disse quem credita a teoria Keynesiana como positiva por tirar os EUA da recessão, causada pela mesma.

"Com várias teorias que sequer foram testadas" -- Eis o comentário feito por quem você está criticando:

"1) "Podem vir de emissão de títulos públicos"

E quem paga os juros e o principal destes títulos públicos? De onde vem o dinheiro?

2) "Impostos pagos anteriormente que geraram caixa"

Ou seja, o dinheiro veio da população.

3) "Expansão monetária direta, da forma que é feito na UE, EUA e Japão"

Ou seja, o dinheiro veio da redução do poder de compra da população.

4)"Qualquer financiamento para qualquer tipo de obra" "


Todos estes pontos são lógicos, e não empíricos. Faça um favor a si mesmo, e corra urgentemente para uma livraria e compre qualquer livro iniciante sobre lógica ou argumentação. O seu caso é grave.



Deixe que eu me preocupe com isso. quero saber o seguinte: se um meliante invadir a minha casa, o que você sugere que eu faça?

Os contra armamento nunca respondem essa pergunta e sempre a evitam. Eu vou responder de acordo com a instrução que a policia passa para a população:

1. Se der tempo, ligue para a policia, se você der sorte, eles podem passar por ali antes do bandido conseguir entrar na sua casa.

2. Faça tudo que o bandido manda. Se ele quer seus bens, dê. Se ele quer estuprar você, deixe. NÃO RESISTA DE FORMA ALGUMA.

3. No dia seguinte, faça um boletim de ocorrência e reze para que seu caso seja um dos 8% que são resolvidos no Brasil.

Agora eu tenho algumas perguntas também:

1. Se bandidos querem bens, por que não assaltam o congresso nacional? Ali está reunido várias pessoas milionárias. Enriqueceriam facil! Será que é por que ali tem seguranças armados que não hesitariam em atirar?

2. Por que não assaltam juizes e deputados quando estão fora do congresso? Será que é por que os mesmos dispõem de seguranças armados?

3. Por que não atacam carros fortes que transportam valores toda vez que os mesmos saem da garagem? Será que é por que os guardas estão bem armados?

Quem prega o desarmamento da população não entende que o bandido, seja o de colarinho branco ou o comum, é um ser de mentalidade oportunista. Independente do historico de pobreza (ou não), ele não irá atacar lugares fortemente armados porque o risco/beneficio é muito alto, e eles são inteiramente capazes de fazer esse julgamento (caso não o fossem, os lugares que citei seriam atacados diariamente).

Sabe onde eles atacam? Onde o risco/beneficio é baixo. E adivinha quem apresenta isso? Sim, uma população desarmada e instruida a não reagir de forma alguma.
Esron, expandi o comentário acima em um artigo bem mais detalhado sobre o assunto. Ei-lo:

Como funciona o mercado de cartões de crédito e por que seus juros são os maiores de todos


Após a leitura do artigo acima, convido-o a ler esta notícia, que mostra que a recente medida adotada pelo Banco Central não afetou nada, exatamente como previa o artigo acima (ou seja, o final, nada mudará, e sua anuidade tende a continuar gratuita):

blogs.correiobraziliense.com.br/vicente/juro-do-parcelamento-do-cartao-de-credito-e-recorde-e-chega-1635-ao-ano/
Além de tudo o que já foi respondido acima, é extremamente importante ressaltar que essa tese de "fazer dumping para quebrar indústrias para logo em seguida elevar preços e dominar o mercado" é completamente irreal.

Não apenas isso nunca aconteceu na prática, como também a própria teoria explica que isso seria completamente insustentável, para não dizer irracional do ponto de vista empreendedorial.

Apenas imagine: você é o gerente de uma grande empresa e quer destruir a empresa concorrente reduzindo seus preços para um valor menor do que os custos de produção. Ao fazer isso, você começa a operar no vermelho. Ao operar no vermelho, por definição, você está destruindo o capital da sua empresa; você está, na melhor das hipóteses, queimando reservas que poderiam ser utilizadas para investimentos futuros.

Pois bem. Após vários meses no vermelho, você finalmente consegue quebrar o concorrente. Qual a situação agora? Você de fato está sozinho no mercado, porém bastante descapitalizado, sem capacidade de fazer novos investimentos. A sua intenção é voltar a subir os preços para tentar recuperar os lucros de antes. Só que, ao subir os preços, você estará automaticamente convidando novos concorrentes para o mercado, que poderão vender a preços menores.

Pior ainda: estes novos concorrentes poderão perfeitamente estar mais bem capitalizados, de modo que é você quem agora estará correndo o risco de ser expulso do mercado. Seus concorrentes poderão vender a preços mais baixos e sem ter prejuízos, ao passo que você terá necessariamente de vender a preços altos apenas para recuperar seus lucros.

Ou seja, ao expulsar um concorrente do mercado, você debilitou sua empresa a tal ponto, que você inevitavelmente se tornou a próxima vítima da mesma prática que você aplicou sobre os outros.

E é exatamente por isso que tal prática não é observada no mundo real. Ela é totalmente ignara. Um empreendedor que incorrer em tal prática estará destruindo o capital de sua empresa, correndo o risco de quebrá-la completamente. Um sujeito com esta "sabedoria" não duraria um dia no livre mercado.

Se isso não vale para uma empresa dentro de um país, imagine então para uma empresa concorrendo em escala global (como é o caso do seu exemplo)?
Se enviar produtos importados baratos destrói a indústria de um país, então conclui-se que fazer o extremo -- mandar importados DE GRAÇA pra um país -- o destrói ainda mais rapidamente.

Mas o que tem de destrutivo em ganhar presentes? Se nos mandarem televisões, carros e geladeiras de graça, perderemos, sim, os empregos nessas áreas. No entanto, os trabalhadores dessas áreas poderão ir pra outras atividades produtivas e genuinamente demandadas pelos consumidores.

Em vez de termos essas pessoas produzindo televisões, carros e geladeiras, já teremos tudo isso e mão-de-obra sobrando pra produzirmos outras coisas. Em resumo, o país ficaria mais rico, às custas dos contribuintes de outros países que estão subsidiando importados gratuitos pra nós.

Outra coisa: se restringir e taxar a importação de produtos baratos é bom pra indústria nacional, bloquear as bordas do país contra todas as importações criaria uma economia fortíssima no país bloqueado.

E não pára por aí: se bloquear um país é bom pra economia interna, então bloquear os estados também. Imagine quantos empregos de paulistas os gaúchos estão tirando quando criam gado. Proibir a importação de gado e garantir empregos pra indústria interna de gado São Paulo seria uma boa idéia.

E isso continua pra cidades, pra ruas, até que se decida produzir tudo em sua casa e não trocar com ninguém.

Basta você parar de fazer compras no supermercado e estará bem ocupado o dia inteiro plantando, colhendo, costurando suas roupas, etc.

Todos terão pleno emprego, mas a produtividade será extremamente baixa dado o custo de oportunidade de produzir tudo por si mesmo, e será uma pobreza generalizada.

Um tomate que você compra com alguns segundos do seu trabalho demoraria meses pra nascer na sua terra.

Se nos casos extremos, com importados de graça, a sociedade fica mais rica e produtiva, e com importados proibidos, a sociedade fica mais pobre e improdutiva, são pra esses os caminhos que as políticas protecionistas apontam.

Não existe um ponto de equilíbrio ou um "protecionismo racional". Todo protecionismo beneficia produtores do setor protegido às custas de todo o resto.

Pode até ser que sem protecionismo nossas montadoras falissem; mas se elas não conseguem competir, é isso o que tem que acontecer.

Se custa 50.000 pra fazer um carro no Brasil que custa apenas 25.000 pra fazer o mesmo carro lá fora, ao comprar o carro de 25.000 a nossa economia tem um carro e 25.000 sobrando pra serem usados em outros setores. Ao comprar um carro de 50.000, a economia tem apenas um carro e deixa de ter 25.000 pra gastar ou investir em outros setores.

Imagine num caso extremo gastar uma fortuna com tecnologia e energia pra produzir bananas no Alasca. Se essas bananas forem produzidas num país tropical, podemos ter as mesmas bananas que teríamos do Alasca, mas sem usar todo aquele recurso: homens, máquinas e energia que poderiam ser mais bem alocados em outro lugar ao invés da produção de bananas.

A questão não são empregos, nem indústria nacional: a questão é produção. Empregos que não criam valor são inúteis, e há indústrias que não necessitam existir. O Brasil não "precisa" de uma indústria de carros assim como o Alasca não "precisa" de uma indústria de bananas, a menos que encontrem uma forma eficiente de produzir seus produtos. Não há por que preservar tais empregos.
Todas essas situações de "stress" que você citou podem perfeitamente acabar também em facadas, canivetadas, garrafadas na cabeça, pedradas, ou socos na cara (é bastante comum uma pessoa morrer em decorrência de um simples soco na cara; ver aqui e, principalmente, aqui).

Portanto, você criou uma falsa equivalência.

"Campanhas desse tipo me faz [sic] refletir que a nossa atenção e forças para cobrar do estado aparatos essenciais para que possamos viver bem, estão focalizados em assuntos que já deveriam estar superados!"

Ininteligível.

"Sobre os bandidos, opa! Se eles estão mandando no meu estado, tenho uma parcela de culpa aí!"

Você pode ter. Eu não tenho nenhuma. Por favor, me diga qual a minha culpa em haver "bandidos mandando no seu estado"?

"Não será somente com armas que inibiremos a propagação de criminosos"

Deixe que eu me preocupe com isso. quero saber o seguinte: se um meliante invadir a minha casa, o que você sugere que eu faça?

"afinal um dos motivos de se propagarem é o fato das armas estarem acessíveis!"

Errado. Um dos motivos de se propagarem é o fato de armas estarem acessíveis para eles no mercado negro e nenhuma arma estar acessível para o cidadão comum no mercado legal.

Bandidos proliferam quando sabem que suas potenciais vítimas estão completamente desarmadas pelo estado.

Beira o cômico você ignorar isso.

"Sobre quem fomenta esse tipo de campanha, cuidado! Aquele(a) deputado(a) ou senador(a) pode ter uma "amizade" muito próxima com alguém ligado a indústria que fabrica tais armas!"

Pois então cite nomes e prove que eles estão ligados a este site. Caso contrário, tenha a hombridade de se retratar.

"Ou até mesmo o cidadão de bem que compartilhou algo dessa campanha não tá nem ai para o bandido, simplesmente acha bonita armas ou quer de alguma forma usá-la!"

Que campanha?!

"E como a democracia é a chave para o entendimento! Respeito quem tem opinião contrária!"

Estamos vendo...

"Então lembram da corrupção? Ela leva desde a falta da merenda na nossa escola até a essa situação! Entregar uma arma pra tu quando estiver "grande", não vai garantir que terá um bandido a menos no mundo! É o processo educacional e o cuidado do estado que podem garantir a paz e o teu bem estar, as armas o caos! Pode parecer falácia, mas para um CIDADÃO DE BEM, faz sentido!"

Acho que sua erva venceu e você não percebeu. Sugiro trocar seu fornecedor.
Mais um que chegou rugindo, levou uma resposta (completa e educada), e agora saiu miando, praticamente de quatro.

Não só não retrucou nada que lhe foi respondido, como ainda chegou ao cúmulo de inventar uma resposta que nunca foi dada. Em nenhum momento o artigo ou algum comentarista falaram que "imprimir dinheiro não é prática legal em um mundo civilizado". Tal frase simplesmente não está escrito em lugar nenhum do artigo e nem desta seção de comentários.

Isso mostra bem o nível do desespero e da ética do cidadão. Mas, também, keynesianismo e falta de ética sempre andaram lado a lado.


P.S.: não resisti e terei de comentar esta:

"os grandes empresários começam fazendo empréstimos e assim aumentam seu patrimônio. Jorge Paulo Lemann convive com um passivo enorme e é o homem mais rico do brasil."

Com a pequena, ínfima, insignificante diferença que JPL é criador de riqueza e de valor. As pessoas voluntariamente compram os bens e serviços produzidos por JPL, e é isso o que o deixou rico. Quem cria riqueza continuamente, como faz JPL, pode se endividar muito e ainda assim se manter plenamente solvente.

Toda essa dívida será paga com capital próprio. JPL não terá de assaltar ninguém, roubar ninguém, confiscar dinheiro de ninguém para pagar suas dívidas. (E, em caso de insolvência, quem se estrepa são seus credores, e não a população inteira, que não terá de arcar com nada disso).

E o governo? Ele cria riqueza? Ele trabalha com capital próprio? Ele utiliza dinheiro próprio para pagar suas dívidas?

O fato de você dizer que o governo opera igualzinho a JPL mostra bem o seu nível de conhecimento econômico.

É cada coitado que é destroçado por aqui...
O que falo para os meus alunos sobre isso,

Primeiro, uma pergunta:

Será que todas aquelas pessoas que ainda não tenham nenhum crime registrado pela polícia, são cidadãos de bem?

Como eu posso garantir que, o estado dando o direito a posse de armas a todos(as) conseguirá evitar que,

O "brigão baladeiro" na hora da raiva cometa uma tragédia na saída da balada!

Na briga de trânsito o cidadão estressado não dispare contra o outro!

O colega de turma que, nunca imaginei que ele tivesse esquizofrenia iria disparar contra toda a turma com a arma do pai ou da mãe!

A mulher que, já sofria com as agressões do Marido, agora vive ainda mais a pressão psicológica por ter uma arma na sua cabeceira!

As crianças que sabem onde os pais guardam suas armas, e depois um tem que falar, foi uma brincadeira!

O vizinho que se estressou com som alto durante a madrugada!

Enfim são inúmeras as situações!

Sobre o uso da arma, "modestamente" posso afirmar: mesmo aquela pessoa que nunca frequentou a escola até aquela que teve o mais alto nível de educação acadêmica está suscetível ao stress, e nessa hora, para muitos, será o motivo de cometer um crime passional (o primeiro)!

Campanhas desse tipo me faz refletir que a nossa atenção e forças para cobrar do estado aparatos essenciais para que possamos viver bem, estão focalizados em assuntos que já deveriam estar superados!

Sobre os bandidos, opa! Se eles estão mandando no meu estado, tenho uma parcela de culpa aí! Não será somente com armas que inibiremos a propagação de criminosos, afinal um dos motivos de se propagarem é o fato das armas estarem acessíveis!

Sobre quem fomenta esse tipo de campanha, cuidado! Aquele(a) deputado(a) ou senador(a) pode ter uma "amizade" muito próxima com alguém ligado a indústria que fabrica tais armas! Ou até mesmo o cidadão de bem que compartilhou algo dessa campanha não tá nem ai para o bandido, simplesmente acha bonita armas ou quer de alguma forma usá-la!

E como a democracia é a chave para o entendimento! Respeito quem tem opinião contrária!

E se eu estiver numa turma com crianças ou adolescentes:
Sempre tem aquele que exclama,

- Mas só os bandidos tem o direito de possuir armas, o cidadão de bem, não!

- Então lembram da corrupção? Ela leva desde a falta da merenda na nossa escola até a essa situação! Entregar uma arma pra tu quando estiver "grande", não vai garantir que terá um bandido a menos no mundo! É o processo educacional e o cuidado do estado que podem garantir a paz e o teu bem estar, as armas o caos! Pode parecer falácia, mas para um CIDADÃO DE BEM, faz sentido!


ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Edemir Bozeski  28/12/2015 13:56
    O regime comunista da Romênia propagou que o que era mostrado na série "Dallas", tratava-se da decadência de valores do Ocidente. Porém, houve o efeito contrário, pois os romenos queriam ter o mesmo estilo de vida da série, ou seja, as casas, os carrões, etc.
  • Felipe Macedo   28/12/2015 13:56
    Eu adoro os romenos. Eles sempre executam seus ditadores.
  • Jonathan Rocha  28/12/2015 13:58
    Que delícia de vídeo.
  • Sociólogo da USP  28/12/2015 14:17
    Acho engraçado os neoliberais regozijarem do fato de que pode-se comprar comida à vontade em economias capitalistas. Mas é óbvio! O processo de aquisição de alimentos é desigual. Explico:

    Enquanto um burguês prepara um banquete com uma variedade exuberante de alimentos, outras 20 crianças são devastadas pela inanição tendo que comer água com farinha(sim, água com farinha, não é farinha com água) debaixo da ponte. Nesse caso, é óbvio e notório que não é necessário nenhum racionamento, pois para que uns desfrutem da gula, outros são obrigados a passar fome.

    Já em um sistema de racionamento de comida, TODOS tem sua fatia assegurada. Assim, ao passo que não existe exuberância, não existe fome também. É importante ressaltar que este processo não só é mais justo como é mais lógico também(afinal, por que comer mais que o necessário?)

    E outra, por mais vilipendiadas que sejam por essa visão individualista do capital, as filas nada mais são do que um espaço onde pessoas de diferentes culturas, religiões, classes sociais, etc se reúnem para discutir política, filosofia e por aí vai. Eu diria que as filas nada mais são do que uma Ágora moderna e popular. No entanto, parece que a burguesia tem uma aversão tão grande à pobres que acaba incitando esse comportamento anti-social de demonizar as filas. Parece que eles preferem ficar trancados nas suas coberturas com vista para o mar com seus iPhones no tal do WhatsApp...
  • Henrique Zucatelli  28/12/2015 16:33
    Você aí, o cara que faz trolagem socialista é quase um profissional, porém peca no ponto que ironiza sua própria visão em vários momentos (os socialistas genuínos são mais digamos... positivos em suas afirmações).



  • Udson  28/12/2015 16:33
    Bem, aho que você pe fake, mas... Vamos lá!

    1) As ditas crianças que passam fome não estão em tal situação por causa dos " burgueses" , mas sim por que seus pais provavelmente as privaram de terem um mínimo de alimentação/moradia/vestuário descentes. POdemos conjecturar que os pais de fato não possuam recursos para tal e não são culpados.Contudo, veja bem, observe que a maioria nem podem ter filhos ( por causa de sua cituação precária)e ainda os têm!Estranho não? Será que eles são sádicos? Será que utilizam os " menores" para ganho de dinheiro?

    2)Os " burgueses" geram valor e estão consumindo o que são seus de direito. Eu trabalho como assalariado, tenho filho e dou o melhor que posso para ele e minha família. Não sou rico, mas consumo o que gero de valor ( obs: eu sou pobre , por assim dizer) =)

    3) Você é chato pra cacete!!!!!!
  • anônimo  28/12/2015 18:05
    Caramba, você escreveu tudo isso apenas para zoar kkkkkkkkk
  • damazio  28/12/2015 23:44
    tá de sacanagem, cara? Ou vive mesmo na idade das cavernas?
  • Wilson Mota da Silva  29/12/2015 00:03
    Esse "sociólogo da USP é louco" ou está quase, Achar bom ficar em fila? Pagar impostos (= ter seu salário subtraído à força pelo governo) para sustentar político e suas muitas mordomias, e ainda aceitar que o comunismo e suas filas são uma maravilha...
    Assim, se existem crianças famintas deve-se ao fato de seus pais não terem emprego, fácil de resolver, o governo (prefeituras, estados e gov federal) devolve 75% (deixa de cobrar) dos impostos tomados das pessoas e todos poderão construir e reformar suas casas, frequentar restaurantes,comprar mais no comércio gerando empregos para muito mais gente. Fácil fácil
  • Diego Sousa  30/12/2015 05:59
    bait
  • Korn  29/12/2015 09:34
    Esse imbecil da USP ou é louco ou está só trollando. Oh, palhaço, vsf!!! Vai vomitar suas asneiras em outro canto. Aqui ninguém está afim de ler essas escrotices.
  • Homem Racional  29/12/2015 15:02
    O queridão socialista! Deixa eu ver se acertei, vc deve estar escrevendo isso em um país capitalista democrático e comendo Big Mac.
  • Josue  11/04/2016 23:27
    Nos EUA não existem pobres (mendigos não são necessariamente pobres, mas muitas vezes até de classe alta só que, por alguma razão psíquica, resolveram morar nas ruas), o que é muito diferente da patética Cuba que, provavelmente, você defende! Então deixa sua ignorância doentia de lado e veja os FATOS: spotniks.com/mentiram-e-muito-para-voce-sobre-a-pobreza-nos-estados-unidos/
  • Altos e baixos  18/05/2016 18:24
    Mais uma da série:

    Aumento da esperança pelo artigo, queda da esperança pelos comentários estúpidos em posts obviamente sarcásticos.

    Qual é pessoal...transformar fila por comida em Agora moderna? Vocês realmente não se ligaram que é piada?
  • Renato  23/12/2016 18:05
    Morar na Venezuela e curtir as longas filas ninguém quer neah?! Morar em Cuba e receber a ração mensal do escravocrata Castro também não.
  • João de Alexandria  23/12/2016 18:59
    O dito "sociólogo da USP" está praticando a fina arte da ironia...
  • Bernardo Rohrbacher  24/12/2016 10:54
    O problema não é existir uma fila, você pode criar uma fila que não leva para lugar nenhum, sair dela e entrar de novo para se socializar, o problema é a fila ser quilométrica e suas opções serem entrar nela ou passar fome.
  • Mateus  26/12/2016 12:50
    "as filas nada mais são do que um espaço onde pessoas de diferentes culturas, religiões, classes sociais, etc se reúnem para discutir política, filosofia e por aí vai"

    Isso é sério? Isso é serio MESMO? Não é possível que esse cara esteja falando sério, tem que ser fake. Não é possível que uma pessoa fique quatro anos cursando sociologia pra sair de lá um completo imbecil. E depois o cara ainda tenta dizer que a "burguesia" é que não gosta de fila, como se pobres, como se QUALQUER UM gostasse de ter que ficar horas em uma fila esperando os alimentos que quase não se pode encontrar devido a crise de escassez causada pelo governo. E vai além, dizendo que não havia fome, quando todas as evidencias apontam que sim. E o discurso de que para uma pessoa "ter uma boa refeição" outras tantas precisam passar fome é uma mentira ABSURDA diante o fato que a fome mundial só tem caído nas ultimas décadas e nunca esteva tão baixa em toda a história da humanidade - agradeça ao capitalismo por isso.
  • WDA  26/12/2016 15:39
    Eu gosto de fato de ele ironizar seus próprios comentários, eles ficam mais divertidos assim.
  • Fábio  30/12/2016 13:11
    Adorei a visão romântica das filas. Poderíamos fazer uma pesquisa nos dois países. Aqui, com "nossos" pobres (essa gente sempre fala do pobre teórico e conceitual, eles mesmo nunca têm problemas) e oferecer a eles a possibilidade de migrar para um país onde todos são iguais, na pobreza.

    Daí, neste outro país, podemos mostrar aos pobres "deles" como é a vida no nosso país, e avisar que aqui, além de termos pobreza, ainda temos desigualdade. Ou seja, nem todo mundo é pobre. Perguntaremos se eles preferem ficar lá ou mudar para cá.

    Que tal? Nada de suposições, teorias ou hipóteses: só fatos, duros, tão frios quanto concretos, como frio concreto.

    Podemos começar com Cuba e Haiti, Coréia do Norte e Coréia do Sul, Venezuela e Bolívia. Daí podemos testar outros pares: Brasil e Austrália, África do Sul e Gana, Etiópia e Índia, Japão e China. Assim, bem misturado mesmo, só para poder analisar diversas variáveis. Ou podemos fazer tudo igual: um país miserável (mas com qualquer sistema) e um rico (com qualquer sistema.) E depois o contrário: um país ricos, e liberal, comparado a outro rico, mas coletivista.

    Para ficar mais interessante, podemos levantar hipóteses sobre os resultados, e depois verificar se elas se sustentam ou não. Quem sabe isso não nos ensinaria algo?

    Vamos deixar de lado todos os experimentos do tipo já conduzidos, como as duas Alemanhas e as duas Coréias, e como Cuba vs. EUA.

    Tomara que esse seja mesmo um ano novo, com coisas novas, e não mais um novo ano, cheio de coisas velhas. ;-)
  • Henrique Zucatelli  28/12/2015 14:49
    Pra falar a verdade eu gosto mesmo é das mulheres romenas, lindas demais rs.

    Mas que é regozijante ver um vídeo como este, onde um facínora sem escrúpulos vira picadinho, ainda mais após o almoço... há poucos prazeres maiores para um liberal, mesmo um moderado como eu. Não vejo a hora de repetirem a façanha em Caracas.
  • Típico Universitário  28/12/2015 14:53
    Em breve a ração da Romênia vai parecer luxo no Brasil. Não estou ameaçando ninguém.

    Só avisando.

    É o que ganharão por tentar trair o Partido.

    Olhando a equipe econômica alguém aí tem dúvidas disso?
  • Visionário  28/12/2015 20:38
    Como salvar o Brasil:

    *Dane-se o arrocho fiscal. Arrocho fiscal = Guerra declarada à democracia.
    O governo nunca deu a mínima para essa porcaria. Vamos somente oficializar. Se o dólar for para 8 reais fica ainda melhor para o país que está sofrendo com sobrevalorização do câmbio há mais de um ano. Razão de toda esta crise. Se banco privado não quiser comprar título do tesouro você faz atividade compromissada. Ignore o choro dos entesouradores. Não estamos mais em 1994.

    *Retorno de indústrias nacionais refletindo estatais competentes como a Petrobrás (sugiro chamar o pessoal que ainda não foi preso pela PF fascista e liberado pelo STF). Precisamos de pelo menos uma para o minério de ferro, outra para a bauxita, uma para o manganês, uma fantasma de nióbio para financiar paralelamente os movimentos sociais e um novo banco estatal que compre derivativos podres e que seja garantido pelo tesouro. Ressuscitar a companhia siderúrgica nacional é um bônus mas não é necessário.

    *Com os bancos estatais limpos de seus ativos podres retorne ao estado de expansão creditícia pré-recessão. Acabou o desemprego e a miséria: o Brasil vira uma terra de leite e mel com dinheiro de sobra para todos com dedos para apertar uma senha de cartão.

    Inflação é invenção do FMI.
    Precisamos de uma economia do povo e não de consumidores. Menos consumidor, mais planalto.
  • Alma Sombria  28/12/2015 15:00
    os romenos ensinaram ao mundo como fazer uma revolução popular(de verdade)
  • Dom Pedro XVI  28/12/2015 16:15
    Vendo o vídeo, impossível não lembrar da covardia que vemos em nosso cotidiano... Assim que são presos, os malfeitores lembram aos justiceiros: "temos direitos, somos seres humanos!", ou "Isso é um abuso!" ou ainda "eu sou dimenor!"... Tudo inútil, quanto mais tempo de humilhação, maior a raiva no castigo. Sinto que aqui no Brasil a casca do ovo da serpente também está se rompendo... Se alguém acha que nossos militares foram truculentos, nem imaginam o que pode surgir desse arranjo que dá direitos sem obrigações,que garante a impunidade de certas "minorias", não importa o que façam... Eu sou contra a pena de morte em qualquer hipótese, pois nenhum ser humano deveria poder matar outro. Presos numa cela escura, humilhados, desmascarados e desprovidos de todo poder e riqueza, eles prestariam um melhor exemplo às futuras gerações com sua desgraça do que fuzilados. Ser contra a pena de morte não é ser contra punições duras.
  • Gabriel Lima   28/12/2015 16:37
    Pobre Marx, foi deturpado mais uma vez. Que ideologia mais confusa essa, hein? Deturpada em mais de 10 países... Mas acho que essa vez vai funcionar...
  • Rafael De Sade  28/12/2015 16:39
    Enquanto o povo vivia a margem da miséria, Ceaucesco cultivava pêras em seu quintal.
  • Vinicius Pinheiro  28/12/2015 16:40
    Fim adequado a qualquer comunista, tendo em vista que eles também adoram um paredão.
  • Artilheiro de metralhadora  28/12/2015 18:16
    Olá!

    Toda vez que o Instituto Mises brasil discorre acerca do assunto 'comunismo', acabo por lembrar-me de meus bisavôs e avôs em que muitas vezes eles por necessidade tiveram de comer lavagem de porco para não morrerem de fome, tudo isso causado por uma ideologia nefasta: o comunismo. Eles eram iugoslavos.


    Tudo de bom a todos!
  • Andre  28/12/2015 18:30
    Isso ainda pode se repetir na Venezuela.
    Já em Cuba não há como o povo fazer isso.
  • Henrique Zucatelli  28/12/2015 21:26
    Tem certeza?

    Se a URSS caiu, por que não em Cuba?
  • Andre  28/12/2015 21:56
    "Se a URSS caiu, por que não em Cuba?".

    Certamente vai cair, mas acho pouco provável que seja dessa forma.
    E dificilmente será em breve.
  • Lel  28/12/2015 23:14
    A URSS já estava planejando se desfazer antes de Gorbachev assumir o poder.
    Por isso não massacrou a dissidência na década de 90 igual fez na Hungria em 1956 e na Checoslováquia em 1968.

    Leia o livro do dissidente e ex-agente secreto soviético Anatoliy Golitsyn chamado New Lies for Old de 1984.

    Em Cuba, o governo irá simplesmente fazer a mesma coisa que os comunistas faziam com a dissidência quando obtinham o poder estatal completo.
  • Rod  29/12/2015 14:34
    Eu não li esse livro, mas no Wikipédia diz:

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Previsões_de_colapso_da_União_Soviética#Anatoliy_Golitsyn

    Em 1984, Anatoliy Golitsyn, um importante desertor da KGB, publicou o livro New Lies For Old, onde ele previu o colapso orquestrado do bloco comunista.

    Ele alertou que esse colapso foi parte de uma estratégia de engodo de longo prazo do Ocidente destinada a acalmar por uma falsa sensação de segurança, abolindo todas as políticas de contenção anticomunistas, e com o tempo, finalmente estropiar economicamente e diplomaticamente com o fim do isolamento imposto pelos Estados Unidos.

    Entre outras coisas, Golitsyn declarou:

    "A" liberalização "[na União Soviética] seria feita através de espetaculares e impressionantes pronunciamentos formais sobre uma redução do papel do Partido Comunista. Seu monopólio seria aparentemente reduzido"
    "Se a liberalização for estendida para a Alemanha Oriental, a demolição do Muro de Berlim poderia até ser contemplada."
    "O Parlamento Europeu pode tornar-se um parlamento pan-europeu socialista com a representação da União Soviética e Europa Oriental. "Europa do Atlântico aos Urais" viria a ser um tom neutro, invés de uma Europa socialista."

    Opiniões colaboracionistas podem ser encontradas no arquivo de documentos sigilosos, recolhidos por Vladimir Bukovsky, também um desertor.

    Bastante interessante. Vou procurar ler esse livro online.
  • Vinicius  29/12/2015 00:02
    Pq a URSS cair, tinha motivos óbvios para a continuidade do comunismo no mundo, o antiamericanismo e anticapitalismo são maiores hoje que há 30 anos atrás.
    Assim como a China instaurar reformas capitalistas pra anestesiar sua populações e os bobos ocidentais.
    Cuba é um anão em tudo, pouco relevante.
  • Anonimo.  29/12/2015 10:44
    Antiamericanismo é uma coisa, anticapitalismo é outra.Misturar os dois é desonestidade intelectual, já que há muito tempo os EUA não são mais a terra da liberdade coisa nenhuma.
  • Rod  29/12/2015 14:28
    Ele não misturou nada. Apenas disse que ambos aumentaram desde a queda da URSS.
  • Paraninfo  29/12/2015 09:41
    Por pouco eles não criaram a URSC( União das Repúblicas Socialistas Cubanas).

    Se não fosse a criação de diversos governos militares na AL, teríamos outra guerra mundial para desfazer a URSC.

    Cuba foi um grande centro de treinamento de guerrilha.

    Com essa nova era de Gramsci e Saul Alinsky, as universidades públicas, sindicatos e ONGs viraram os centros de treinamento socialistas.

    Agora virou apenas uma briga de polícia contra ladrão.
  • Artilheiro de metralhadora   28/12/2015 23:37
    Tem certeza?

    Se a URSS caiu, por que não em Cuba? ² :P

  • Artilheiro de metralhadora ( pergunta off-topic)  28/12/2015 23:53
    Isso não seria o equivalente a pisar no acelerador e no freio da economia saudita ao mesmo tempo?!

    noticias.r7.com/internacional/arabia-saudita-corta-gastos-e-reve-subsidios-em-meio-a-deficit-orcamentario-28122015

    Desde já agradeço as respostas!

    Tudo de bom!
  • Rennan Alves  30/12/2015 02:36
    Resta saber o que seria esse "rever subsídios para água, eletricidade e produtos de petróleo ao longo dos cinco próximos anos".

    Pelo que sei, a Arábia Saudita tem, com o perdão da palavra, tesão por controle de preços.
  • Amigo do planeta  28/12/2015 21:37
    Temos que poupar recursos e salvar a Terra. Nova Iorque teve um dos natais mais quentes da história, por exemplo. É o aquecimento global provocado pela gana do capitalismo. Façamos nossa parte: fiquemos um dia sem internet para poupar energia (mas vou ficar ligado só para verificar de minuto em minuto se esta minha mensagem está tendo repercussão e conscientizando mentes).
  • Marcelo SImoes Nunes  29/12/2015 00:13
    Por que não se mata? O mundo certamente ia ficar menos poluído.
  • capitão planeta  29/12/2015 03:46
    olha, acho que você deve estar insinuando que há falta de assunto, e ainda ironizando com o tempo de quem frequenta este site..

    Melhorando a sua brincadeira, ou então você realmente está preocupado com este assunto ( vai saber.. ), faço minha parte então: neste dia não usarei a internet sob hipótese alguma ( usando energia elétrica ou 4G ) assim deixarei de pedir filé ou alcatra pelo meu aplicativo "iBife", porque se todos fizerem o mesmo com certeza o gado diminuirá e isso implicará em menor consumo de água/rações, e também menos flatulências !

    Tomara que dê certo.. senão, vou continuar mantendo meu carro na garagem e andando de bike, pra salvar o planeta do aquecimento global causado pelos automóveis malvados..

    Você tem razão, é melhor eu ficar sem internet mesmo, com isso vou parar de me informar com essas histórias de vaca, e lhe poupar mais banda útil para o seu conhecimento..
  • Paraninfo  28/12/2015 21:46
    O vídeo é maravilhoso !

    As nossas vidas não pertencem aos comunistas.

  • Thiago Teixeira  28/12/2015 23:35
    Guardando as de idas proporcoes, lembremo de duas coisas que dá pra comparar no Brasil:
    1) Quando a carne ficou cara, Lulla recomendou substituir por ovo.
    2) No face houve a campanha por "Um Natal sem Dilma". Não deu nesse. Vejamos no próximo.

    Ah, e é interessante notar como os supermercados são um ponto dramático nos países comunistas, mesmo nos países no caminho da servidão. Esse fenômeno merece atenção especial dos analistas economicos e políticos; merece um índice especial. Acho que já tem, ne?
  • Artilheiro de metralhadora  28/12/2015 23:59
    Bem isso mesmo Thiago Teixeira. Quero ver só como irão atuar os supermercados em 2016,rsrs....desabastecimento?! Não duvido nem um pouco disso ocorrer. Como você bem disse:

    "Ah, e é interessante notar como os supermercados são um ponto dramático nos países comunistas, mesmo nos países no caminho da servidão."

    Brasil é 'perfeitamente' um dos países no caminho da servidão.

    Tudo de bom!
  • Nelio  29/12/2015 10:55
    O que acham?

    painel.blogfolha.uol.com.br/2015/12/29/pt-pressiona-dilma-a-adotar-pacote-com-aumento-do-credito-e-plano-de-defesa-do-emprego/?cmpid=newsfolha
  • Colorado  29/12/2015 11:16
    Se as coisas foram tão ruins assim, o que dizer sobre a saudade pelo antigo regime que nutre o povo romeno?

    A Romênia votaria em massa em Ceuasesco e tem saudades como nunca da época comunista

    A nostalgia do comunismo na Romênia
  • Leandro  29/12/2015 12:23
    É natural que jovens sintam nostalgia de algo que não viveram (é disso que fala a matéria). Aliás, desde quando o "desejo de jovens" denota algum padrão de racionalidade? Desde quando os devaneios de adolescentes refletem os reais desejos de toda a população do país? No Brasil de hoje, por exemplo, há vários jovens desejando a volta da ditadura.

    Dito isso, há sim algumas considerações.

    Ao contrário da República Tcheca, da Polônia e da Estônia, a Romênia talvez tenha sido o país que mais fez lambança em sua transição.

    Pra começar, já nas eleições de 1990, o povo elegeu um partido formado inteiramente por membros do antigo partido comunista (pesquise sobre o comunista Ion Iliescu, que mandou no país de 1989 a 2004).

    A moeda não foi trocada e vivenciou inflação de dois dígitos (acima de 50%, com picos de 300%) até o ano de 2001. Para você ter uma ideia, foi só em 2008 que a inflação ficou abaixo de 10% pela primeira vez.

    As instituições do país não funcionam, a corrupção é premente, o judiciário está sob direta influência política, o atual presidente já sobreviveu a múltiplas tentativas de impeachment, o mercado de trabalho é um dos mais regulados da EU, e o ambiente empreendedorial é burocratizado (todas essas informações constam nos relatos anuais da Heritage Foundation).

    Para completar, a mão-de-obra é pouco instruída (os melhores cérebros já saíram do país) e a acumulação de capital do país (depenada durante décadas de comunismo) é uma das menores da Europa.

    Ainda assim, e milagrosamente, o país sobrevive.

    Desnecessário dizer, por óbvio, que não há um livre mercado genuíno no país, mas sim um "capitalismo de quadrilha", sob o qual estado e empresários se unem para tolher a concorrência, regulamentar seus respectivos setores e colher os espólios. Todas as (poucas) privatizações do país ocorreram com privilégios e favorecimentos.
  • Andre  29/12/2015 12:45
    "Se as coisas foram tão ruins assim, o que dizer sobre a saudade pelo antigo regime que nutre o povo romeno?".

    Pesquisa tendenciosa, pois não perguntaram isso aos que passaram fome durante o comunismo.
    E nem aos que foram fuzilados, já que mortos não falam mesmo.

    De qualquer forma essas pessoas que dizem preferir o comunismo são livres para irem morar na Coréia do Norte.
  • Rod  29/12/2015 14:42
    Esse argumento é tão válido quanto dizer que a ditadura militar foi boa por existir várias pessoas que querem de volta a ditadura militar.

    Conheço pessoalmente um casal alemão que vivem sob Hitler e o adoram. E além disso, a maioria dos alemães da época gostavam de Hitler, Hitler era super popular na Alemanha. Da mesma forma Stálin era na Rússia.

    Não é porque existem pessoas que gostam de um regime e querem ele de volta que tal regime não era um lixo completo.
  • Rod  29/12/2015 15:04
    *viveu* sob Hitler

    Arrumado.
  • Brunod  30/12/2015 11:24
    No Blog do Luis Nasif?
  • Roberto Leonel  30/12/2015 18:54
    A fonte que o Colorado colocou é um Blog comunista mentiroso sem credibilidade nenhuma. Da uma olhada lá. Patético.
  • Adriano Uriel  29/12/2015 12:25
    Mauro Iasi Presidente, Luciana Genro vice.
    Stedile ministro da guerra
    Wagner da Cut para o meio ambiente
    Boulos ministro da fazenda
    Tico Santa Cruz para a cultura
    Leonardo Boff para a Educação
    :3 Quem apoia aí camaradas? ahuahuehuehuehuehhuehehuehue
  • João Girardi  29/12/2015 20:10
    Deturparam Marx.
  • Paraninfo  29/12/2015 22:52
  • Paraninfo  30/12/2015 02:08
    Os artigos abaixo foram retirados do programinha socialista do PCdoB.

    Eles falam em forjar um novo homem. Isso só pode ser coisa de maconheiro.

    33. A FASE da transição preliminar do capitalismo ao socialismo realizará gradativamente as transformações indispensáveis. Nesta primeira fase não haverá confiscação geral, socialização total, expropriação generalizada. As medidas radicais, ligadas às exigências iniciais da construção socialista, terão cunho parcial. Em qualquer circunstância, será respeitada a propriedade pessoal conseguida com esforço próprio, honesto.


    44. SERÃO nacionalizados os bancos, tendo em vista o controle do sistema financeiro, bem como os portos e os meios de transporte essenciais.

    88. ESTIMULAR-SE-Á a formação de quadros capacitados teoricamente, capazes de generalizar a experiência do movimento revolucionário e da luta de classes, estribados na teoria do progresso ininterrupto da sociedade.

    89. FAR-SE-Á intensa difusão da teoria socialista firmada no materialismo dialético, a fim de enraizar a cultura avançada entre as massas e consolidar o sistema do socialismo científico. A luta constante contra a ideologia burguesa, individualista e mesquinha, é fundamental para forjar culturalmente o novo homem e tornar definitivamente vitoriosos os ideais do proletariado revolucionário.
  • Emerson Luis  02/01/2016 22:10

    É uma pena que tenha ocorrido assim.

    * * *
  • almeida  12/01/2016 18:59
    Deve ser difícil ser um socialista. Eles são obrigados a rejeitar ou "distorcer" toda uma historia de fracasso e ainda tem que lutar contra a realidade dos países que hoje ainda são socialistas e vivem num caos. Não sei como eles conseguem. Acho que a falta de visão ou a burrice deve ajudar.
  • anônimo  22/05/2016 22:21
    Ótimo artigo.
  • caio  20/08/2016 20:44
    A população romena estava ficando cada vez mais alienada e medíocre com o isolacionismo socialista. O contrabandista, nesse caso, foi de importância decisiva para a população adquirir um bem mais valioso que o ouro, a informação.
  • Fernando  28/09/2016 06:37
    Verdade Caio, o contrabandista e a tradutora. Me peguei pensando aqui, quando alguém vai conseguir contrabandear informações para os "escravos" da Coreia do Norte?
    Deus tenha piedade dessas pessoas!
  • Ricardo  23/12/2016 14:13
    Video Perfeito. Lixo tem que ser tratado como Lixo.
  • Pobre Paulista  23/12/2016 15:55
    Virou peneira.
  • Didi  23/12/2016 19:51
    Não é mera coincidência!?
    Cores da bandeira romena: azul, amarela e vermelha
    Cores da bandeira venezuelana: amarela, azul, vermelha
    Presidente da Romênia: Nicolae
    Presidente da Venezuela: Nicolás

    Regime como ele realmente foi na Romênia e como é na Venezuela : uma época de pobreza, medo, e ausência de liberdade.

    Filas enormes e...

    www.maduradas.com/colas-descomunales-por-segundo-dia-consecutivo-las-tiendas-epk-amanecen-abarrotadas-de-gente-fotos/

    ...na iminência de derramamento de sangue

    www.maduradas.com/ah-ok-chavista-a-maduro-si-es-necesario-tomar-las-armas-lo-haremos-para-defender-la-revolucion/
  • anônimo  24/12/2016 10:21
    Esse vídeo é apenas uma expropriação da vida de um socialista.
  • a  24/12/2016 10:58
    Lula e Dilma são os devidos.
  • Carla  29/12/2016 10:18
    Me lembro bem desse episódio na Romênia. Foi transmitido ao vivo e em rêde, e eu o assisti aqui em Paris. Bastante chocante, mas não muito diferente da queda da monarquia no 14 de julho francês (Pena que na época não haviam recursos midiáticos além do boca-a-boca).
    O que me chamou atenção, é que a festa de ano novo deles, após a execução de Nicolai e Elena, também televisada para a Europa, foi embalada pelo ritmo de uma lambada brasileira "Chorando se foi, quem um dia só me fez chorar...".
    Nossos ditadores (de direita e esquerda) ainda não experimentaram a força da revolta de um povo... "Brasileiro é muito bonzinho", como dizia Kate Lyra.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.