clube   |   doar   |   idiomas
Por que a Uber incomoda tanta gente
Porque o monopólio e a reserva de mercado acomodam. Fazem com que a mediocridade prospere

Não adianta, é sempre igual: no momento em que o aplicativo Uber começa a operar em alguma cidade, a polêmica é instaurada.

Os taxistas que querem proibir por se sentirem pessoalmente lesados — o que ocorre de fato — logo elevam o tom e as exigências perante as autoridades para que estes algo façam. Que se proíba. Que se coíba. Que se regulamente. Que se faça algo para impedir essa "concorrência desleal, predatória e ilícita". Normalmente são esses o pleito e a justificativa de quem é contra a tecnologia.

Reconheço o quão prejudicial pode ser — para os já estabelecidos — quando novos entrantes chegam ao mercado e passam a disputar o mesmo cliente. Não há dúvidas de que a concorrência sacode o mercado e afeta os ofertantes que já estão nele há mais tempo. Mas será que isso deve fundamentar uma eventual proibição? Seria esse o caminho a seguir?

Não tratarei aqui da questão técnica legal e nem se os parceiros da Uber têm de arcar com todas as exigências das municipalidades, isentando-os de inúmeros custos. Há diversos pareceres jurídicos e análises comparativas para quem desejar se ater a esse tema (ver aqui, aqui e aqui).

O ponto aqui é outro. A reflexão aqui é mais profunda e transcende um simples aplicativo de smartphone.

Todos somos, em princípio, a favor da livre concorrência. Quem não quer ter ao seu dispor diversas opções de pães, bebidas, vestimentas, restaurantes, carros, telefones, enfim, de qualquer produto ou serviço ofertado no mercado? Quem seria contra isso? O problema surge quando a concorrência bate à nossa porta, "roubando-nos" potenciais clientes. Aí tudo muda de figura. A partir desse momento, a concorrência passa a ser negativa, nociva e contrária ao "bem público".

Se tanto apreciamos a abundância de bens e serviços à disposição para nosso consumo, por que lutamos ferozmente contra a abundância dos bens e serviços produzidos no setor em que somos ofertantes? Não seria um paradoxo?

Se todos os produtores adotarem a mesma postura nos seus respectivos mercados, reduziremos artificialmente a oferta de bens e serviços na economia. No lugar de abundância, teremos escassez. O "direito de escolher" será inócuo, pois não haverá alternativas. Será como as opções de refeições em um voo: sim ou não.

A Uber incomoda porque qualquer concorrência incomoda. Quem compete no mercado pelo mesmo cliente tem de se empenhar para proporcionar o melhor serviço, o melhor atendimento, enfim, a melhor experiência ao cliente. Restringir artificialmente, por decreto estatal, a oferta de algum serviço no mercado jamais fará dele um produto de qualidade. O temor da concorrência impele os ofertantes a buscarem a excelência. A concorrência repele a mediocridade.

Não são a regulamentação e as obrigações legais que elevarão a qualidade de um serviço. A municipalidade pode coagir os taxistas a atuar dentro de diversos parâmetros impostos desde cima, mas o que melhorará o serviço de fato é o medo de "perder" o cliente, ou, dito de outra forma, a necessidade de "ganhá-lo" todos os dias.

Isso foi precisamente o que aconteceu na cidade de Nova York, notória pelos táxis sujos com motoristas antipáticos. "Não foram os reguladores da cidade que ordenaram que o serviço de táxi melhorasse, foram os meros cidadãos de Nova York que preteriram os táxis em favor de uma alternativa melhor."

Curiosamente, o resultado não-premeditado da atitude dos nova-iorquinos é que o próprio serviço de táxi melhorou consideravelmente desde que Uber e similares passaram a operar na cidade. O mesmo fenômeno está acontecendo nas cidades brasileiras.

Contudo, o desconforto não acomete apenas os produtores do mercado de transporte individual. A Uber causa embaraço também nos entes públicos.

Porque o interessante sobre a questão dos aplicativos de carona paga é que, em última instância, é imputado ao estado o ônus de justificar não apenas por que a Uber tem de ser proibida, como também por que um serviço como o de táxi precisa ter licença controlada pelo município.

Por que a oferta desse simples serviço de transporte individual deve ser regulada pelo município e não pode ser regulada pelo próprio mercado, com livre entrada de empresas e livre escolha dos consumidores? Por quê? De onde vem a sabedoria dos reguladores capaz de determinar com exatidão de quantos táxis uma cidade precisa? E como definem esses senhores a tarifa a ser cobrada dos usuários?

Se, em algum momento da história, o controle e a regulação estatal para o serviço de transporte individual foram necessários, a tecnologia está nos mostrando que hoje esse já não é mais o caso.

Ao estado, ter que se justificar é sempre um grande incômodo. E acaba sendo vexatório quando fica claro para a sociedade a aparente ausência de qualquer justificativa cabível.

Sejamos honestos: a concorrência nos amedronta. É verdade. Mas ela também beneficia a nós próprios. De que forma? Fazendo com que nos superemos produzindo com mais rapidez e eficiência ou nos forçando a buscar novos meios de encantar o cliente. Testando a nossa capacidade de criar e inovar e conceber soluções antes inimagináveis. Ensinando-nos a sermos corteses e simpáticos, inclusive naqueles dias em que acordamos com o pé esquerdo.

Por outro lado, o monopólio ou a reserva de mercado nos acomodam. Fazem com que a mediocridade floresça. Já a concorrência tem o efeito oposto. Ela nos desafia, nos instiga, nos impulsiona a extrair o melhor de nós mesmos e favorecer o próprio convívio em sociedade.

Que os parceiros da Uber sejam livres para operar nas cidades brasileiras. E que sejam abolidas as regulações e licenças exigidas dos taxistas — defendo e desejo liberdade para eles também. Não sou apaixonado pela Uber. Defendo-o pelo que hoje representa: a liberdade, a livre concorrência. Mas amanhã será outra empresa, noutro setor, com outra tecnologia, e a polêmica será a mesma — e serei obrigado a republicar este texto apenas alterando os nomes dos protagonistas.

O grande problema da liberdade é que ela vale para ambos os lados. Se queremos ser livres para escolher, devemos exigir e defender a mesma liberdade para produzir, para ofertar aos nossos semelhantes novas soluções, por mais que estas venham a abocanhar uma fatia da nossa clientela e, consequentemente, de parte dos nossos rendimentos. Se, como taxista, não quero abrir mão de usar o WhatsApp para fazer chamadas, não posso exigir que seja censurado um aplicativo como a Uber.

A Uber incomoda tanta gente porque assim é a liberdade. A liberdade incomoda. Defender a liberdade é fácil. Praticá-la, no entanto, requer esforço, empenho e retidão moral. Praticar a liberdade significa defender a liberdade dos outros mesmo quando ela pode não nos beneficiar diretamente. Hoje são os taxistas os que devem atentar a essa lição. Mas ela é válida para todos. Todos, sem exceção. Inclusive você que está lendo este artigo. Porque, se, em algum momento, no futuro, a tecnologia vier a ser usada para revolucionar o seu mercado, você deverá ser o primeiro a defendê-la e a adotá-la. E essa tarefa não será nada fácil.

____________________________

Leia também:

Os aplicativos digitais permitem que proletários virem capitalistas - e isso confunde a esquerda

Uber, livros e os duzentos anos de conspiração contra o público consumidor

Uma solução de mercado para a briga entre taxistas e Uber

A batalha pela liberdade econômica – todos os louvores às empresas Uber e Lyft

A surpreendente moda do "LUBERalismo" - um motivo para nos animarmos

A pacífica revolução da Uber está alcançando um êxito que décadas de ativismo não conseguiram

13 votos

autor

Fernando Ulrich
é mestre em Economia da Escola Austríaca, com experiência mundial na indústria de elevadores e nos mercados financeiro e imobiliário brasileiros. É conselheiro do Instituto Mises Brasil, estudioso de teoria monetária, entusiasta de moedas digitais, e mantém um blog no portal InfoMoney chamado "Moeda na era digital". Também é autor do livro "Bitcoin - a moeda na era digital".

 

  • Capital imoral  02/12/2015 13:36
    Dando continuidade e a minha série de textos para acordar os libertários. Só que nesta história, o caso é verídico, com algumas pequenas modificações. Agora com a presença do Uber.

    Amarildo, 83 anos.
    5 Horas da manhã, Amarildo já está de pé, prepara o seu café ralo e come o pão duro da semana anterior, ele veste o seu casaco, e vai para a calçada que está a frente do luxuoso supermercado Pão de açúcar. O que faz Amarildo? Ele é o homem que carrega as sacolas, que pede para o taxi parar em plena avenida, e assim ele ganha um trocado aqui, um ali,é assim que Amarildo sobrevive.

    O dinheiro no Fim do mês mal da para pagar o aluguel do Barraco onde ele vive, a comida que foi comprada com pouco mais de 50 reais, deve durar o mês inteiro.

    Um dia Amarildo estava levando as sacolas de um Jovem playboy Libertário, seu nome? Heliu.
    Heliu ficou intrigado, em ver um senhor de idade e pobre, sob aquelas condições, era frio, próximo ao natal, Todos os jovens bonitos e bem alimentados, estavam no Starbucks próximo ao Pão de açúcar, neste dia em especial o Starbucks estavam com um linda decoração de natal, talvez custou milhares de reais para faze-lo, foi um choque estético: o belo do capitalismo, junto com feiura da pobreza e velhice.

    Heliu, ficou revoltado, e afirmou: " Seu velho, você teve uma vida inteira para juntar dinheiro e aprender algo, que atenda as demandas das pessoas, mas você escolheu este caminho sujo e triste da pobreza e ignorância, você merece sofrer por não atender as demandas das pessoas."

    Heliu entrou no Uber e foi embora.

    Seu Amarildo Continuou lá, pensando sobre isso, "Atender as demandas das pessoas". No dia seguinte, seu Amarildo vestiu sua melhor roupa, e resolveu tentar uma vaga de emprego para atendente, no supermercado pão de açúcar, no processo seletivo, mais de 20 jovens lindos, inteligentes e fortes, contra ele, velho, sujo, burro e feio.

    Infelizmente seu Amarildo não foi aceito, em desespero ele resolveu, tentar conversar com a jovem bonita, do processo seletivo: -Minha senhora, eu realmente necessito deste emprego, eu gostaria realmente de Atender as demandas das pessoas.

    Mal sabe Amarildo, que sua mera existência, não atende a demanda de ninguém, nesta sociedade superficial e materialista.

    A senhora educada responde: Lamentamos seu Amarildo, mas você já é velho o bastante para este tipo de serviço, que requer, esforço físico e beleza estética, afinal nossa empresa não quer estar associada ao feio, ao sujo, ao burro e fraco.

    Amarildo volta a calçada do pão de açúcar, para ganhar seus trocados, que mal da para ele sobreviver, o lado bom, é que agora, ele está novamente "atendendo as demandas das pessoas". Mas claro no seu devido lugar.
    ---
    Reflexões sobre Amarildo

    A mera existência de Amarildo, é um ato revolucionário, pois ele é a pedra no sapato dos libertários, que pensa que o mundo gira em torno de buscar ser melhor e responsável sempre, ele é o ser humano que voluntariamente ou por razões da vida, Não é inteligente e nem forte, nem bonito. Como diria Heliu: Você merece sofrer por não atender as demandas das pessoas.
  • Edujatahy  02/12/2015 13:49
    Eu sempre me pergunto porque o Capital Imoral não vendeu o computador que ele está usando para postar aqui no website e com o dinheiro ajudar o "Amarildo".
    A claro, entendi. Tem que ser com o dinheiro dos outros, claro. Não o dele...
  • Capital Inicial  02/12/2015 14:01
    O tempo que V. Sa. está gastando escrevendo historinhas sobre o quanto os outros não se importam com os pobres seria melhor gasto se fosse dirigido a ações com o fito de ajudar os milhares de pobres que estão aí fora.

    Mas não né, arregaçar as mangas dá trabalho e ainda custa dinheiro. Preferível ficar na punheta espiritual mesmo. Oh, olhem para mim, vejam a ajuda que dou aos pobres escrevendo textos na internet. Isso com certeza serve pra encher a barriga de todos os Amarildos do mundo.
  • Capital imoral  02/12/2015 15:05
    Caro capital inicial, Eu sou a voz da consciência social que você tenta ignorar a todo custo. Pois bem, você não pode ignorar, mesmo que eu não falasse a realidade, ela se apresentaria diante da sua vida, assim como se apresentou para Heliu.

    Com relação as ações, as pessoas com consciência social no governo já fazem um excelente serviço diariamente, as tão criticadas "Bolsas": Família, alimento, educação. È Doado graças a essas pessoas.
  • Andre  03/12/2015 17:30
    De onde vem o dinheiro dessas "bolsas"?
  • Capital imoral  03/12/2015 18:43
    hora essa, vem do Governo.
    Mas antes que você diga, que foi o setor privado que criou a riqueza. Me permita avisar, que a produção e empresas privadas só existe, porque nós, com consciência social deixamos que exista e produza em paz.

    Para nós, você é uma mera ferramenta de produção, para nós Amarildo é o tudo.
    Deixamos que você produza, não porque compactuamos com o capitalismo, mas porque sabemos que para chegar a igualdade total,não será do dia para noite, mas sim um processo de consciência social. O socialismo ele vai se aperfeiçoando conforme o tempo passa, irá chegar um momento, em que não vamos mais precisar de vocês.

    O Liberdade que te dou de presente, não é por você, é por Amarildo. Você já agradeceu ao governo hoje pelo presente? Os libertários já agradeceram a nós do PSOL hoje?

    Aguardando os Agradecimentos...
  • capital investidor  05/04/2017 21:38
    Quem disse que os libertários se espelham em HELIU? Heliu eh um sujeito mesquinho, mal educado, grosseirão, mediocre. Em nada tem a ver com os ideais defendidos aqui.
  • Mais Mises...  08/04/2017 01:09
    É um perfil que tira sarro, caro Capital Inicial. rsrsrs Dou muita risada quando leio o texto dele e de outros 'socialistas' por aqui.
  • Bruno  02/12/2015 14:57
    Amarildo não está pedindo ajuda.
    Amarildo não está exigindo que os outros o ajudem.
    Amarildo é o cara. Apesar da idade sabe da necessidade que ele tem com o seu sustento.
    Amarildo trabalha!
    Infelizmente, a vida de Amarildo não é como qualquer um de nós gostaríamos que fosse.
    Tenho certeza que todos que postam aqui se entristecem com a vida de Amarildo.
    Os liberais e libertários não querem que Amarildo continue pobre, com dificuldades financeiras.
    Liberais e Libertário querem que Amarildo possa ter um trabalho digno, num lugar que seja próspero.
    E o lugar próspero depende muito mais de outros Amarildos montarem seus mercados, suas pequenas empresas prestadoras de serviço... Para que Amarildo não depende de mim nem de ninguém (nem do governo) para colocar a comida sobre sua própria mesa.
    De fato, não se pode culpar a dificuldade de Amarildo por conta do sucesso do playbou (ou do pai do playboy ou então do avô do plaboy).
    Também não se pode atribuir o sucesso do playboy ao fracasso de Amarildo.

    Mas de uma coisa eu sei:
    Enquanto houver impedimento para que os empreendedores produzam e cresçam (como o governo tem o favor de fazer), muitos Amarildos sequer terão condições de ajudar o playboy com as compras e com o Táxi.

    Mas e hoje, como fica Amarildo?

    Hoje temos várias pessoas de bom coração que podem ajudar Amarildo.
    Apesar de homem trabalhador, o mercado de trabalho é tão sufocado pelas incontáveis ações estatais (tributos, excesso de direitos trabalhistas, obrigações acessóri,as burocracia, etc.).. o mercado de trabalho é tão sufocado que quem empreende precisa pensar mil vezes quem vai contratar... Na verdade, o empreendedor precisa pensar um milhão de vezes SE vai contratar mais alguém.

    Enquanto alguns estão no governo, subtraindo 40% de tudo e de todos que produzem no país...
    Outros defendem com unhas e dentes o "dever" de quem tem mais entregarem aleatoriamente aos saqueadores (do governo) o fruto de seu trabalho e sucesso, sob a justificativa torpe de que Amarildo é pobre por culpa do rico.

    Enquanto uns escrevem e defendem o ódio entre ricos e pobres, direita e de esquerda... Amarildo passa dificuldade sem saber que num mundo mais próspero a prosperidade lhe seria favorável, a ele e a seus filhos... E a qualquer outra pessoa que também queira lhe ajudar.

    Enquanto alguns defendem que os outros devem ajudar Amarildo...
    Outras pessoas vão lá e ajudam Amarildo (seja dando dinheiro ou doando um cesta básica)...
    Mas PARE AÍ!!! Amarildo não quer nada de graça... Amarildo quer trabalhar...
    E quem será que pode ajudar Amarildo?

    Amarildo, na verdade, vai poder trabalhar até que alguém do governo, sentado atrás de uma mesa, que recebe remuneração advinda da semi-escravidão que tira 50% do trabalho do povo brasileiro... até que alguém do governo diga que ele não pode trabalhar... De um jeito ou de outro... Nós sabemos...
    Para cada empresário que fecha as portas por não conseguir pagar as contas do governo (tributos, burocracias e dádivas)... São os Amarildos que estão desempregados...
    Para cada aumento de remuneração de deputados ou auxílio moradia de R$5000,00 de magistrados... São os Amarildos que pagam o pato... Empresário precisa pagar mais para bancar esse escárnio com a economia e com a população.

    Amarildo é empreendedor e não pediu nada ninguém.. Nem ao governo.
    Quem quiser que o ajude, de seu próprio bolso.

    Quer ajudar os pobres e desvanecidos meu amigo?
    Dê emprego a eles!
    Como criar empregos???
    Deixe o empreendedor empreender... Deixa essa função para quem sabe e quem quer!

    Na pior das hipóteses você poderá criar um UBER ou APPLE ou PÃO-DE-AÇUCAR e ficar milionário, bilionário...
    E então, dê todo seu dinheiro aos pobres, ajude-os com empregos, ensino-os a pescar...
    Faça com o seu dinheiro e não me venha pedir para sustentar pessoas que são caridosas com o dinheiro dos outros.

    O pior que o governo fez foi retirar da população o dever moral (DEVER MORAL) da caridade... Até isso eles nos tiraram.
    Se pagamos tanto, afinal, o governo precisa fazer alguma coisa.
    No final das contas, a culpa é sempre do outro.

    #liberdade
  • Edujatahy  02/12/2015 19:49
    Bruno. Seu texto foi a resposta perfeita. Parabéns.
    Apesar de desconfiar que o Capital Imoral seja de fato fake, é sempre bom ver uma paciente e definitiva resposta à ladainha socialista.
    Pelo bem dos vários Amarildos do Brasil... Menos Marx, mais Mises.
  • Bruno  02/12/2015 20:50
    (Desculpe os erros de digitação.. Escrevi e não revisei)

    Pelo bem dos vários Amarildos do Brasil... Menos Marx, mais Mises
  • FBRIGO  05/04/2017 19:44
    Muito bom.
  • anônimo  02/12/2015 15:03
    > Amarildo não "construiu nada" até seus 83 anos?

    > Amarildo não se "aposentou"?

    > Amarildo não possui filhos para ajudá-lo? Nem parentes?

    > Amarildo acha que a empresa é obrigada a contratá-lo, mesmo sabendo que sua produtividade não sera a mesma de um de 20 anos?

    Atender às demandas das pessoas vai desde criação de um site de busca (Google), passando pela implantação de uma técnica de manejo agrícola, venda de roupa em loja, a um engraxate na rodoviária a até... carregador de malas/bolsas/sacolas. Todas são funções essenciais no cotidiano.

    Perguntando ao "advogado" do Amarildo: ele é culpado ou inocente pela situação? Qual será a resposta do advogado, hein?!?

    "Amarildo volta a calçada do pão de açúcar, para ganhar seus trocados, que mal da para ele sobreviver, o lado bom, é que agora, ele está novamente "atendendo as demandas das pessoas". Mas claro no seu devido lugar."

    Sim, cada um no seu lugar. Se o Amarildo tivesse uma CNH, e trabalhado para tal, poderia ser o taxista/motorista do Uber, ou quem sabe o dono da placa. Também, se tivesse produzido ainda mais e deixado o chororô de lado, talvez seria até o passageiro do táxi/Uber. Mas ele esta onde pode, não onde o autor do texto acima quer.

    Pelo menos o Amarildo não esta roubando de ninguém. Mas, no relativismo moral atual, isso também seria "um meio para ajudar uma causa ou pessoa".
  • FL  02/12/2015 15:17
    Vendo os comentários desse Jênio, só consigo pensar numa coisa: o Típico Filósofo era bem melhor
  • Carlos  02/12/2015 15:43
    Ainda tenho duvidas se esse Capital Imoral é na verdade um libertário fazendo troça com a ideologia comunista ou se ele realmente acredita nisso.

    Responde pra gente. É só graça ou você realmente leva a sério o que digita?
  • eduardo  03/12/2015 13:00
    Existem outras soluções para o problema de amarildo sem que se necessite a formação de um Estado, de uma mafia que rouba a toda uma população.
  • Andre  03/12/2015 17:28
    Tem tanta burrice, incoerência e hipocrisia juntas que deu preguiça de responder... até por ter certeza que uma pessoa com esse grau de acefalia não tem mais salvação.

    Só me permita uma dica: continua usufruindo alegremente do muitos bens e serviços que existem em decorrência desse capitalismo que vc condena e alcance a expectativa média que quadruplicou nos últimos séculos em decorrência desse imperfeito, mas menos injusto modelo econômico.
  • Gerson  18/01/2016 13:17
    No final das contas, as pessoas esquecem que a necessidade urgente de recorrer a meios mais baratos de transporte à qualquer custo, vem da quebradeira que o governo PT trouxe para o brasil. Só em 2015 foram mais 2,5 milhões de Amarildos.
    Amarildos, agradeçam à Dilma e a Lula a falta de posições de trabalho, que esses são os principais culpados por tanto desemprego no país.
    Aposto, que se tivessem utilizado a máquina econômica da forma correta, que estava funcionando à todo vapor na época do FHC, todos teriam opções de sobra para gastar seu suor e receber uns trocados.
    Mas, ainda tem pessoas com deficiência intelectual que defendem regimes políticos e econômicos que nunca funcionaram em lugar algum e que só trazem uma vida pior para os Amarildos.
  • Arnaldo  05/04/2017 14:38
    "Heliu, ficou revoltado, e afirmou: " Seu velho, você teve uma vida inteira para juntar dinheiro e aprender algo, que atenda as demandas das pessoas, mas você escolheu este caminho sujo e triste da pobreza e ignorância, você merece sofrer por não atender as demandas das pessoas.""

    concordo 100% com a afirmação.
  • anônimo  05/04/2017 17:22
    Continuando a estória...
    Amarildo estava no pior momento de sua vida. Seu ganha pão, mesmo que pouco, lhe foi tirado. Ele pensa eu várias coisas ruins que poderia fazer para se vingar. Pensa em tirar a sua própria vida, pois sua existência, agora, ainda mais, é despresível.
    Ele anda sem rumo pelas ruas com Sol escaldante sobre sua fronte, pois está próximo ao natal e é um dos verões mais quentes. Nada parece fazer sentido. Ele finalmente chega a sua casa himilde no morro ali perto, não menos quente, como é em todas as casas feitas de tijolos e telhas de amianto. Ele abre a geladeira usada que ganhou e não encontra nada que pudesse preencher aquele vazio que ele sentia. Apenas uma garrafa de água gelada, que veio em boa hora.
    Amarildo olha ao seu redor e fica ali parado. Cai a tarde a anoitece. Amarildo ainda imóvel tentava pensar, mas seus pensamentos se misturavam com o desespero.
    Amanhece e ele percebe que havia dormido ali mesmo, sentado numa poltrona velha. Sente fome. Novamente olha na geladeira e vê apenas aquela garrafa de água gelada.
    Em sua mente ele pensava "será que vou ter que mendigar agora depois de velho? Ou será que vou ter que roubar para comer?" Mas não foi isto o que a sua velha mãe havia lhe ensinado quando era criança pequena no sertão da Paraíba. Ele não tinha talentos como os de um pedreiro ou de um marcineiro. Lhe veio a mente que o que fizera a vida toda era o seu melhor talento, o de servir as pessoas. Então ele vestiu sua melhor roupa e foi, ainda de barriga vazia, para a frente daquele supermercado e ali na calçada continuou oferecendo seus serviços de carregar sacolas e chamar taxis. Conseguiu alguns trocados, mas logo veio o gerente do supermercado dizer-lhe que não poderia ficar ali. Pelo menos já tinha o suficiente para um almoço. Mas Amarildo estava decidido a conseguir mais. Assim, ele pegou aqueles trocados comeu uma quentinha de 6 reais e procurou outro supermercado onde pudesse oferecer seus serviços.
    Ele encontrou um outro supermercado não muito longe dali e ficou oferecendo seus serviços. Amarildo era gentiu e simpático, apesar de ser feio. Logo uma das pessoas que ele ajudou, uma senhora solitária, perguntou-lhe se ele poderia fazer serviços simples em sua casa, como troca de lâmpadas e empurar móveis. Ele de imediato respondeu que estava ao seu inteiro dispor. Ganhou 50 reais por estes serviços em apenas 2 horas de trabalho.
    Ele então percebeu que se conseguisse mais trabalhos como este poderia ganhar bastante. E enquanto andava pela rua indo para casa via que sempre tinha alguém entregando panfletos com ofertas de lojas, cursos e outros serviços. Então ele teve a idéia de a cada pessoa que ajudasse na calçada entregar um cartão com a oferta do seus serviços. Mas ele não sabia escrever e então teve a idéia de pedir para uma vizinha que tinha a letra bonita para escrever os cartões. Ele passou em uma papelaria e comprou cartões e uma caneta preta. Pediu a vizinha, que aceitou depois dele oferecer alguns dos seus serviços em troca.
    No dia seguinte a cada pessoa que ajudava ele entregava o cartão. Algumas aceitavam, outras não. Até que uma das pessoas perguntou-lhe: Mas não tem seu telefone aqui? Como vou entrar em contato. E ele respondeu que não tinha telefone, nem um celular velho. Mas esta pessoa o sugeriu que comprasse um, mesmo que um modelo bem barato e que até algumas lojas davam um celular bem simples gratuitamente para quem comprasse um chip. Ele então foi a uma loja e conseguiu adquirir um chip e um cartão. Pediu novamente a vizinha que alterasse seus cartões colocando o telefone.
    No outro dia, ele entregou vários cartões e novamente para aquela pessoa que havia sugerido a ele a compra do celular. Não demorou muito ele recebeu uma ligação pedindo para limpar um ralo entupido. Ele limpou e ganhou seus lucros. Um serviço aqui e outro ali. E Amarildo já tinha ganhado em um mês mais do que podia sonhar. Ele tinha mil e quinhentos reais. Então ele pensou, se com alguns cartões conseguiu tantos serviços, imagina se ele entregasse cartões em outros locais? Então ele novamente pediu a vizinha que o orientou a ir a uma gráfica. Ele assim o fez e mandou imprimir 200 cartões.
    Amarildo, hoje, tem uma empresa de maridos de aluguel com um faturamento de 150.000,00 por mês.
    Quem poderia acreditar?
  • Alexandre Jr Mendes  07/04/2017 17:17
    Muita discussão e nenhuma conclusão.

    Acho que sim os taxistas deveriam protestar pra poderem dirigir e prestarem seu serviço em paz longe da regulamentação do governo. Ao invés de pedirem regulamentação pra UBER, poderiam aproveitar o momento e fazerem um motim contra o governo e suas taxações absurdas.

    Isso sim seria coerente, as vítimas do corporativismos somos todos nós, o livre mercado reduz os preços, estimula a melhoria da qualidade, aumenta a acessibilidade dos menos favorecidos a terem o opção de pegarem um carro pra ir pra casa fora ou fazer qualquer deslocamento pela cidade.



    Se tiver algum taxista aqui me responda: "Você têm filhos adolescentes que frequentam festas nos finais de semana a noite, também precisam se locomover pela cidade, você vai visitar um parente ou amigo, e precisam se deslocarem do aeroporto até o destino final ou voltarem pra casa a noite após algum evento, quem aí pegaria um TÁXI e quem iria pegar UBER???"
    LEMBRANDO QUE NA MÉDIA O UBER É 50% DO VALOR, NA MÉDIA, POIS EU JÁ PAGUEI MENOS DE 1/3 QUE O TÁXI ME COBRARIA!


    O inimigo é o estado, é uma absurdo uma licença para um taxista custar as cifras milionárias que as prefeituras cobram hoje. Isso sim é um atentado contra o cidadão comum, que se tiver sorte poderá ser contratado por um mega-empresário que investe em Táxi, sendo muitas vezes uma forma de lavar dinheiro.


    Todos deveriam estar unidos contra o inimigo certo a máfia do governo e os empresários corporativistas. Que apenas fodem com a população em prol de vantagem próprias.


    Táxi e Uber pra todos e que o governa se foda pra lá, não devemos fazer aliança com o verdadeiro explorador do povo, haja vista que o governo nos suga no mínimo 50% dos ganhos do cidadão comum.


  • Economista Libertário  02/12/2015 13:40
    Fantástico. Simples, direto, claro.

    Parabéns!
  • Boris Aled  02/12/2015 13:57
    Se eu abro um carrinho para vender hambúrgueres, tenho a consciência que vou competir desde o carrinho da outra esquina até o Mc Donalds do shopping.

    Taxi, além de não ter concorrência, conta com o apoio do Estado.

    Exemplo disso é que até mesmo São Paulo, que deveria ser um exemplo de livre concorrência, já sancionou Lei proibindo o aplicativo.
  • Renato La Porta Pimazzoni  02/12/2015 13:58
    Táxi no mundo todo é uma porcaria. Preços absurdos, serviço ruim. Motoristas prepotentes e ignorantes, acreditam que estão fazendo um favor. Isto porque detém exclusividade e monopólio. As excessos são poucas e não invalidam a regra. Legisladores e servidores corruptos e inuteis operando o sistema
  • Thiago Teixeira  02/12/2015 22:36
    Um sistema errado é errado aqui e é errado em qualquwr lugar do mundo!
  • Jammerson Santana   02/12/2015 13:59
    Nessa questão do Uber sinto falta mais é de um protesto maiúsculo por parte dos próprios utilizadores do serviço tal como fazem os taxistas. Alías, o nosso país precisa mto de um levante liberal para que as pessoas acordem. Ficar só na teoria, em artigos, na net não vejo como muito eficaz.
  • Andre Cavalcante  02/12/2015 14:41
    E aí Jammerson, tudo bem?

    Com essa ideia e a essa altura cê já deve ter chamado todos os seus amigos do face, do instagram, do linkedin, etc. etc. etc. e já tá organizando a passeata "vamos parar o Brasil em nome da liberdade..."

    Abraços

    André Cavalcante

    PS.: Me poe aí no face quando já tiver tudo organizado. Serei o primeiro a ir pra rua, ok?
  • Pobre Paulista  02/12/2015 17:48
    Acontece que os potenciais frequentadores destes protesto estão ocupados trabalhando, então talvez esse tipo de protesto jamais exista.
  • uai  05/04/2017 17:09
    Acho esse argumento muito interessante:

    Governo: os protestos são a voz do povo.

    Só que o povo trabalha, não tem tempo de ir para protesto sem perder o dinheiro daquele dia.
  • billy  05/04/2017 16:40
    Protesto nada, o certo seria criar um grupo de extermínio desses parasitas vagabundos.
  • Taxidermista  02/12/2015 14:50
    Vale lembrar até onde chega a fúria anti-liberdade (fúria pela preservação do monopólio estatal):

    "'O Uber achou que Porto Alegre era terra de ninguém; não é', diz Fortunati [prefeito de POA]."

    zh.clicrbs.com.br/rs/porto-alegre/noticia/2015/11/o-uber-achou-que-porto-alegre-era-terra-de-ninguem-nao-e-diz-fortunati-4916074.html


    "Taxistas que agrediram motorista do Uber responderão por tentativa de homicídio."

    www.radioguaiba.com.br/noticia/taxistas-que-agrediram-motorista-do-uber-responderao-por-tentativa-de-homicidio/


    "Porto Alegre é a quinta cidade do país a registrar agressões a motoristas do Uber."

    zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/11/porto-alegre-e-a-quinta-cidade-do-pais-a-registrar-agressoes-a-motoristas-do-uber-4917734.html

  • Matias  02/12/2015 17:01
    A terra de ninguém teve seis ônibus queimados hoje...
  • Alexandre Jr Mendes  07/04/2017 17:44
    Avelino Mendes Neto ·
    "Os donos da UBER seu prefeito já estão ricos, pouco importa atuarem na sua cidade ou não. O reais beneficiários do APP são os milhares de motoristas que acharam uma oportunidade de renda seja majoritária ou complementar, dizer não a UBER, é proibir a dona de casa que podia se deslocar com qualidade e rapidez e aos milhares de usuários que tiveram acesso aos serviços de carro alugado pela primeira vez na vida. Proibir serviços como esses é um crime com a população e um insulto a nossa liberdade de escolha. Ao contrário do Sr. um cidadão comum não tem a sua disposição motorista e carro oficial a qualquer hora do dia.
    A desigualdade nesse País é fomentada por homens como o Sr. que com uma única canetada retirou a oportunidade de uma fonte de renda honesta pra milhares de motoristas e acesso a um produto que antes os menos favorecidos não podiam contratar. Essa é uma atitude mesquinha e uma forma de discriminação dos mais pobres, uns sendo proibido de trabalharem e outros de terem acesso um serviço que voltará a ser privilégio dos mais afortunados.
    Num país onde o desemprego oficial está na casa de 13 milhões, homens como o senhor deveriam se envergonhar do que fazem, um desserviço a sociedade, seja por Ignorância ou defendendo interesses próprios cedendo a um pequeno grupo de interessados em detrimento da massa que continua a ser excluída por cidadãos com pensamentos provicianos como o senhor e elitistas transvestidos de interesse social."
  • Tiago  02/12/2015 17:21
    Pior que é assim mesmo... Disse tudo, liberdade a nosso favor é ótimo, contra nós, pode ser correto, mas é difícil de assimilar. Vale tudo, menos violência... Respeito acima de tudo para qualquer discussão ou ponto de vista. Mas vamos ter que aceitar o uber e tornarmos uma boa concorrência... Fazer os usuários ter dificuldade em decidir. (Meu táxi vai ser melhor que o uber).
  • www.ubercodigopromocional.com  02/12/2015 17:33
    www.ubercodigopromocional.com/

    Ganhe R$20 grátis num viagem Uber tal como já fizeram milhares de pessoas com código exclusivo UBERGRATISVIAGEM no Brasil (Belo Horizonte, Brasilia, Porto Alegre, Rio de Janeiro, e São Paulo).
  • Igor  02/12/2015 18:12
    Olá, pessoal. Tenho uma dúvida: concorco que hoje em dia, com a tecnologia que temos, uma empresa como o Uber pode oferecer serviços seguros e de qualidade para nós.

    Mas será que a municipalidade regulando o serviço de táxi não seria necessário, ao menos num momento anterior, para garantir certa segurança aos usuários?

    Tipo, como garantir que o cara não é um maluco de carro amarelo que está sequestrando pessoas?

    Eu sei que parece neurose, mas estou supondo uma situação em tese: imaginando que estamos numa sociedade libertária, mas no século XIX, sem aplicativos e sem internet, como essa segurança seria garantida?

    Abraços!

    Adoro os textos do site, estou me libertando das viagens tipo as do Capital imoral aí! E juro que eu acho que esse cara é um admin do site que comenta aqui só pra dar uma aquecida nas postagens! kkkkkk

  • Westphal  02/12/2015 18:34
    Mas quem disse que não haveria regulamentação?

    Toda a regulamentação é automaticamente feita pelos envolvidos, pois são eles os maiores interessados.

    Por exemplo, a Uber faz um controle de qualidade de seus motoristas. É do próprio interesse dela fazer isso. Se ela contratar um ladrão ou um estuprador, sua reputação irá para a latrina e seus lucros irão despencar. O que ela ganharia com isso?

    Já com a regulação atual, inteiramente monopolizada pela prefeitura, ninguém é responsabilizado por nada. Se um motorista de táxi assaltar um passageiro, algum burocrata será punido?

    Passageiro é assaltado por homem que dirigia táxi na Capital

    Taxista preso no DF após estupro diz que 'queria um carinho', afirma polícia

    Taxista é preso por suspeita de estuprar passageira no RJ

    O prefeito das respectivas cidades será punido por causa dos ocorridos acima?
  • Igor  02/12/2015 18:43
    Não, isso eu sei. A empresa controla quem sai com a marca dela.

    Mas a minha dúvida surgiu noutro sentido: quem vai definir quem é táxi e quem não é? Tipo, eu sei que um carro pintado de amarelo e azul, sem alguns itens identificadores (por exemplo os da prefeitura), não é confiável, logo eu nem entro.

    Entendeu?

    PS.: não to defendendo que deva ser assim, só surgiu essa dúvida em tese.
  • Um observador  02/12/2015 20:44
    Igor,


    (...) imaginando que estamos numa sociedade libertária, mas no século XIX, sem aplicativos e sem internet, como essa segurança seria garantida?

    Essa é fácil. As empresas de táxi provavelmente teriam carros bem caracterizados e com um logotipo bem grande da empresa. Assim os clientes poderiam facilmente identificá-los, sabendo que ali é um táxi confiável.

  • Bruno  02/12/2015 20:54
    Meu caro,
    não há problema em identificar e registrar os taxistas... Nunca houve.
    O problema surgiu quando os taxistas descobriram que podiam limitar a quantidade de placas em benefício próprio, ou seja, utilizaram do governo para reservar o mercado.
    SE qualquer pessoa pudesse ser um taxista, assim como qualquer um pode abrir um restaurante... Seria diferente.


    Não é problema identifica-los, isso é até valido.
    Usar da regulamentação para criar limitação é o verdadeiro problema.
    O UBER escancarou o problema da limitação!
  • Economista Libertario  02/12/2015 22:04
    Amigo Igor.

    Quem garante que o carro amarelo e azul que você pega no RJ-capital é um taxista? Quem garante que o carro branco que você pega em SP-capital é um taxista? Você vê um papel colado no vidro e acha que é suficientemente seguro? Se fosse assim não existiriam identidades falsas, taxis piratas, etc.

    Vamos brincar de imaginar. Vamos dizer que não existam mais licenças para táxi. Surgiriam cooperativas que iriam estampar marcas nos carros e fariam controle de qualidade. Existiria o Uber, que te avisa a placa do carro no aplicativo. Existiria a 99Táxi e o Easytáxi e outros apps, também avisando as placas dos táxis que estão indo te buscar, com controle de notas, fotos do motorista, etc.

    Vão existir falhas? Sim. Uber está em aproximadamente 60 países. Tem milhares de motoristas. E eventualmente algum deles vai se envolver em alguma enrascada, vai bater o carro com um passageiro, vai assaltar o passageiro ou tentar estupro. Mas é de interesse de cada grupo desses (uber, cooperativas, apps de táxi, etc) manter sua reputação. Você pegaria um táxi de um app que tem fama de mandar motoristas-assaltantes?
  • Igor  03/12/2015 01:01
    Verdade. A ausência de fiscalização estatal não significa ausência de fiscalização em si.
  • Marcos  06/04/2017 20:21
    quem vai definir quem é táxi e quem não é?

    O próprio taxista e o consumidor.
    Num cenário de mercado livre e de ampla concorrência, o taxista que deixasse de identificar o seu veículo estaria fadado ao fracasso. Afinal, que consumidor iria chamar um carro aleatório sem identificação alguma para uma corrida de táxi? Além do perigo, o consumidor nem ao menos saberia que aquilo era um táxi.

  • Vinicius  02/12/2015 18:39
    O governo não consegue nem manter as pessoas vivas, o que em tese é a atribuição mais básica do estado, são 500 homicídios por dia. Qual a chance de ele fazer um serviço razoável regulando cada cidadão que se dispõe a fazer um $$$ como motorista eventual ou integral?
  • Bruno  02/12/2015 21:25
    Regular = cadastro básico com identificação do veículo e condutores (quantos quiser)... Qual a dificuldade?
  • janaina macedo calvo  02/12/2015 18:14
    Em qualquer país civilizado as pessoas dão prioridade aos transportes coletivos para proteger o meio ambiente, mas as condições precárias nos levam a recorrer a outras alternativas de mobilidade. Até que ponto isso afeta nossa qualidade de vida? Não percam novo post no blog Café&Finanças
    cafeefinancas.blogspot.com
  • Office Boy  03/12/2015 13:39
    Em qualquer país civilizado as pessoas dão prioridade aos transportes coletivos para proteger o meio ambiente

    Moça, tirando meia dúzia de hippies, ninguém neste mundo de Deus usa transporte coletivo para "proteger o meio ambiente". Pessoas usam o transporte coletivo porque ele freqüentemente é mais barato e mais cômodo, afinal, após chegar no seu destino, você não precisa se preocupar onde vai deixar seu veículo estacionado.

    E, por mais hippie que você seja seja, se você tivesse que pegar trem e/ou metrô e/ou ônibus todo santo dia, após algumas semanas você estaria querendo que o meio ambiente fosse para a puta que pariu. Só diz o contrário aquele pessoalzinho que pega ônibus ou metrô muito raramente, somente quando a mamãe não pode dar carona.

    mas as condições precárias nos levam a recorrer a outras alternativas de mobilidade

    Transporte de massas não é feito para ser confortável, transporte coletivo é feito para transportar a maior quantidade possível de pessoas ao menor custo possível. O conforto é um requisito secundário e, dada as prioridades inerentes a esse tipo de transporte, muito difícil de ser atendido, mesmo nos países "civilizados".
  • Arnaldo  05/04/2017 15:06
    hahahah isso ai.
  • Pobre Paulista  02/12/2015 21:18
    Ja já o uber aceita as regulamentações do estado, muda de lado para evitar a entrada de novos concorrentes, e estaremos escrevendo artigos contra o uber.
  • Paranaense  02/12/2015 21:45
    Se ela fizer isso, aí será justa e devidamente criticada.

    No entanto, em todos os países em que ela atua, em nenhum ainda recorreu a isso. Tampouco emitiu qualquer sinal de intenção.
  • Carlos  03/12/2015 21:54
    AH, mas nessa terra de corporações de ofício e "capitalismo de compadrio" já já eles mudam o tom.

    O Estado desvirtua até o mais santo dos homens - ou empresas, no caso.
  • Bruno  02/12/2015 22:16
    "Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada".(RAND, 1957).

    Pense o que quiser, mas pelo menos pense!
  • Amarílio Adolfo da Silva de Souza  03/12/2015 00:18
    A desregulamentação completa do mundo deve ser o nosso objetivo diário: Livre Mercado Mundial já!
  • Alexandre  03/12/2015 10:23
    Ótimo texto! É ridículo as exigências que aqui em Porto Alegre se pede aos taxistas, revisão 2x ao ano para carro até 5 anos, revisão 4x ao ano para carros entre 5 e 10 anos, tem também a troca completa dos pneus a cada seis meses e a impossibilidade de venda legal da licença. Todas essas exigências servem só para inibir a entrada de novos taxistas e forçar o preço da corrida para cima. Se os governantes pensassem mesmo nos mais pobres acabariam essas regulações que encarecem o serviço.
  • Irmão do Eremildo  04/12/2015 00:45
    Alexandre:
    Pode ser ridículo sim, mas mais ridículo é a maquiagem feita na maioria dos veículos apenas para fazer a revisão, depois de feita é desfeita e o veículo volta para os pneus desgastados, as vezes até rodas com aros de tamanhos diferentes, o que interfere no valor da corrida.
    Não fossem os donos dos táxis tão ávidos por lucro, teríamos uma frota com veículos de qualidade e qualificados, no entanto, a maioria da frota atual é composta de veículos básicos.
  • Luiz  03/12/2015 16:01
    Capital Imoral, não sabe o que capitalismo, e confunde com corporativismo, reserva de mercado e outras coisas
    Capital Imoral, Não é um completo ignorante, mas é arrogante por dizer sem ao menos questionar-se de tantas besteiras ditas
    Capital Imoral, perde seu tempo indo contra o próprio capital
  • anônimo  05/12/2015 00:54
    E se bandidos se utilizarem do Uber para assaltar, sequestrar e/ou estuprar passageiros? Você não sabe quem está dirigindo, se é um motorista ou um bandido.
  • Felipe  07/12/2015 10:27
    E se bandidos se utilizarem de taxis para assaltar, sequestrar e/ou estuprar passageiros? Você não sabe quem está dirigindo, se é um motorista ou um bandido.
  • Emerson Luis  05/12/2015 10:27

    Às vezes, eu só percebo o quanto um tênis está desgastado quando compro um novo par e o coloco ao lado do antigo e o contraste é evidente. Da mesma forma, às vezes só percebemos o quanto uma atividade é controlada e degenerada pelo Estado quando surge no mercado uma alternativa de melhor qualidade e melhor preço.

    * * *
  • Pobre Paulista  28/10/2016 16:19
    Notícia fresquinha do mundo encantado das conquistas sociais:

    g1.globo.com/tecnologia/noticia/2016/10/justica-do-reino-unido-decide-que-motoristas-sao-empregados-do-uber.html
  • anônimo  05/04/2017 18:27
    Pior são os comentários dos sindicalistas.
  • anônimo  05/04/2017 19:43
    Coitados dos motoristas, agora vão ter que pagar FGST, INSS, provisão de férias, 1/3, 13°.
  • Craque Neto  06/04/2017 19:48
    Baita de um negócio pra eles.
  • Andre  05/04/2017 14:36
    Quais as chances do senado brasileiro abrandarem as novas regras para uber e similares ou do mordomo de filme de terror vetar o projeto?
  • Ramos  05/04/2017 14:52
    Sinceramente? Acho que a última esperança está em um veto presidencial. Senadores, assim como deputados, são facilmente compráveis pelos sindicatos dos taxistas. Já um presidente em busca de aprovação popular é diferente. Proibir a Uber agrada a poucas pessoas. Já permitir a Uber agrada a muito mais.

    Em termos de popularidade, vetar essa proibição da Uber seria ótimo para Temer.
  • Lel  05/04/2017 15:32
    Verdade, Ramos.
  • Fernando  05/04/2017 15:34
    Mas não em termos políticos. Ele quer manter fiel a base aliada. Então esqueçam.
  • Andre  05/04/2017 16:03
    Concordo Fernando, o mordomo do terror tem "reformas" difíceis pra passar por este mesmo congresso até julho, a morte do Uber será apenas dano colateral.
  • Lel  05/04/2017 16:52
    Se fosse depender da força dos sindicatos, o Temer jamais teria assumido e nem ficado no cargo.

    Popularidade conta bastante.
  • Capital Imoral  05/04/2017 14:48
    -Cafezinho com Capital Imoral, postagem 1 "teste".
    Cafezinho com Capital Imoral é uma coluna publicada toda quarta-feira pelo filósofo e escritor Capital Imoral. No artigo desta semana, irei comentar sobre uma peça publicitária da empresa Amazon.

    Amazon e os porcos
    O mundo está muito estranho caro leitor, alguns intelectuais perceberam tais mudanças e já nos alertam através do termo "Pós-verdade". Acredite, está palavra anda bastante famosa nas redes sociais, conversas de bar, no meio intelectual; este é o termo que virou celebridade no meio dos limpinhos da Livraria Cultura e dos que acessam o site Spotniks.
    O que nos diz este termo? o "pós" nos diz sobre algo que é posterior; a verdade nos diz sobre algo que está em conformidade com os fatos e realidade. Portanto, o termo nos revela sobre algo que é posterior a realidade.

    Entro nesta questão, devido a falsidade estética em que vivemos, como se fosse uma grande bolha criada pelo capitalismo. Tivemos uma grande prova dessa falsidade, através das consequências de uma peça publicitária da Amazon. Um grande homem, que tem consciência social, por escolha do destino tornou-se diretor de criação da Amazon. Este grande homem chamado Jairo Anderson, que assim como eu, acessa todos os dias o site Catraca-Livre. Ele ajudou a produzir uma peça publicitária fantástica! Foi um dos poucos homens a lutar contra o politicamente correto neste país. Mas não durou muito tempo, logo a elite paulista entediada e limpinha, fez questão de aderir ao politicamente correto do prefeito João dória.

    Que mundo é este onde não se pode criticar a morte da beleza? A cidade ficou cinza! a cidade ficou feia! a cidade ficou elitista sem a arte produzida pelas minorias. Quero uma cidade colorida sim! menos no meu condomínio. Agora não se pode mais espalhar arte pela cidade, que os neoliberais defensores ferrenhos da propriedade ficam de mimimi. Sou grato sim à Jairo Anderson por ousar lutar contra este politicamente correto da elite paulistana.

    Entretanto, eu não posso deixar uma questão ser ignorada. Não posso deixar de lado meu desprezo pelo capitalismo e suas empresas. As pessoas imaginam uma empresa da seguinte forma: "oie, eu sou a empresinha, sua amiguinha". Desculpe, mas à empresa Amazon não é minha amiguinha! isto é apenas uma mentira publicitária que faz as pessoas ter um fetichismo por objetos e marcas. Não foi a empresa "ameguinha" Amazon que fez doações do fundo do coração. Foi, isso sim, o conjunto de pessoas com uma necessidade de ganhar um sujo dinheiro, para depois fazer sexo e ter conforto. sim, esta é nossa natureza. Humanos sujos! Imundos!

    "Os homens são porcos que se alimentam de ouro - Napoleão Bonaparte". - copiado via kindle.

    Voltemos ao termo "Pós-verdade", como os homens vão encontrar a dura realidade humana, Se eles ficam neste fetichismo bobo? A verdade caro leitor, é que eles não vão encontrar, todos nós somos reféns da estética e ideologia neoliberal. Já ficou comprovado que o neoliberalismo não tem base com a realidade, o que resta é criar um mundo de fantasia.

    Capital Imoral é filósofo, escritor e já refutou Mises.
  • Arnaldo  06/04/2017 14:46
    mais uma vez provando que tem que ser retardado pra acreditar no socialismo.
  • uai  06/04/2017 16:55
    todos nós somos reféns da estética e ideologia neoliberal.

    Rapaz, não é que você tem razão? Você abriu meus olhos! Aguardo ansiosamente o dia que você se libertará de ser um refém da ideologia neoliberal ao vender todos os seus bens, doar todo o dinheiro que tem para os pobres e ir viver como um verdadeiro ser humano, livre, em alguma floresta qualquer, já que tudo produzido hoje é resultado do capitalismo nefasto, não é mesmo?

    E ai? Quando vai começar? Hoje mesmo?
  • anônimo  05/04/2017 16:20
    atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/1851300-instalador-de-rede-de-protecao-que-viraliza-na-web-assina-acordo-com-mpt-premium


    ANALISEM COMIGO O LINK ACIMA,

    EMPREENDEDOR DE REDES DE PROTEÇÃO FICA IMPEDIDO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DE TESTAR SUA INSTALAÇÃO SE PROJETANDO CONTRA A REDE.

    REDE QUE É CONFECCIONADA PELA PESSOA QUE TESTA , E ESTE ASSEGURA TOTAL SEGURANÇA ,


    O QUE VAI ACONTECER DAQUI PRA FRENTE????

    ME AJUDEM A RACIOCINAR TAL INFORMAÇÃO DENTRO DO PARÂMETRO LIBERAL,

    TENHO DEGUSTADO E APRECIADO PRAZEROSAMENTE CADA ARTIGO E OS RESPECTIVOS COMENTÁRIOS EDIFICANTES,


    PEDROVSKY

  • Z%C3%83%C2%A9  05/04/2017 16:55
    Estado socialista-policialesco
  • caixa baixa  05/04/2017 18:20
    Primeiramente, você poderia escrever em caixa baixa.
  • Arnaldo  05/04/2017 18:41
    Se você produzir cerveja será proibido de bebe-la em público.
    Se você produzir remédio de quimioterapia será proibido de utilizá-lo em público.
    Se você produzir ... será proibido de ... em público.
  • Janjão  05/04/2017 16:40
    "Reconheço o quão prejudicial pode ser quando novos entrantes chegam ao mercado e passam a disputar o mesmo cliente"

    Essa premissa inicial do artigo poderia ter sido melhor especificada.

    Humilde sugestão:

    "Reconheço o quão prejudicial pode ser aos já estabelecidos no mercado quando novos entrantes chegam nesse mercado e passam a disputar o mesmo cliente; todavia, o ingresso de novos entrantes gera benefícios para os consumidores e para a grande maioria da população em geral, como será exposto no presente artigo".

  • WDA  07/04/2017 14:04
    Boa sugestão!
  • Estudante ANCAP  05/04/2017 17:30
    E o direito do animais no ANCAP?

    Eu compro uma vaca, cachorro ou o que for, tortuo ele na minha casa. Quem vai me punir?

    O animal é MINHA PROPRIEDADE e esta dentro DA MINHA PROPRIEDADE, ninguém poderia fazer nada..


    E se o imposto gerasse outras imoralidades como um sistema de justiça falho, em que essa ideia anti-coerção deixasse criminiosos ilesos? E nem vei falar que ninguém ia querer trocar comigo, porque nem todo mundo fica sabendo do crime muito menos o real culpado, e mesmo que souber, o lucro esta acima disso!

    Se for lucrativo trocar comigo, dane-se o resto, é isso que importa..

    Como isso fica?
  • Arnaldo  05/04/2017 18:11
    Sério que diabos aconteceu com esse cara??


    Maia defende que Senado mude projeto do Uber ou que Temer vete texto
  • anônimo  05/04/2017 18:47
    Metacapitalistas tentando reativar a economia brasileira, Uber já virou termômetro pra recepção e convívio com inovação, o Brasil não está em condições de passar mais um atestado anti mercado.
  • Markus  05/04/2017 19:17
    Não sei.
  • Jorge Dal Jovem  05/04/2017 18:58
    Qualquer ser, minimamente dentro de suas capacidades cognitivas, quer o melhor para todos.
    Por favor, não tente colocar o taxista como um ser desprezivel que rejeita a modernidade. Sendo um deles, acredite, estou com minhas funções cognitivas em perfeito estado de funcionamento. Portanto vejamos:
    O Estado, socialista, comunista, progressista há anos tem interferido diretamente na economia, criando looby de grandes empresas com capitais nacionais e estrangeiras, fazendo delas seu porto seguro para propinas bilionarias para sustentar este mesmo governo corrupto. Todas as outras empresas, que não se alinham ou não interessa ao governo, sofrem com altos impostos e "sobrevivem" neste mundo maravilhoso que hora voce defende (incluindo aí os taxistas).
    O Uber é um conglomerado de empresas internacionais que viu um nicho poderoso, baseado nos amigos do "rei"e caso ela consiga seus objetivos, evidente que a classe de taxistas estará com seus dias contados. Livre concorrencia uma ova. O Uber veio para desbancar qualquer concorrente e dai, fazer parte dos amiguinhos do "rei", podendo assim, sem constrangimentos, fazer parte do clube dos Odebrecht da vida, conseguindo poder para bancar os corruptos de plantão.
    Eu e voce lutamos, neste momento, para varrer da história esta corja de vagabundos que se apoderaram do poder e não querem sair. Mas a dura realidade que eles ainda lá estão e foram eles que criaram toda esta sorte de coisas.
    Defender livre concorrencia num pais em que quem manda é quem tem o dinheiro e que no final o maior beneficiado será o mesmo, é brincar de país livre de governo.
    De uma vez por todas, entenda... nós taxistas não queremos o fim do Uber. Nós taxistas queremos concorrencia honesta. Nós taxistas não implantamos tarifas... quem o faz é a prefeitura, porque é o que tem pra hoje. Nós taxistas (de São Paulo) em recente pesquisa, fomos avaliados positivamente por 80 por cento dos usuarios. Não somos sujos nem antipáticos, pelo contrario, a nova geração de taxistas, que são muitos, ja têem a visão clara a respeito de nosso comportamento diante da nossa profissão.
    Continue lutando, como eu e milhares, para termos um governo sério, onde o direito seja igual para todos... Todos!!!
    Não tente demonizar taxista, porque assim como muitos, somos todos vitimas do status quo, com exceção é claro, dos amigos do "rei.

  • Passageiro  05/04/2017 19:35
    Ah, entendi você critica apenas aqueles e lobbies e guildas dos quais você não participa, né? Já os lobbies e guildas dos quais você participa -- como o cartel dos taxis -- são perfeitamente válido.

    Vou usar a sua mesma retórica: entenda, você faz parte de um cartel completamente protegido pelo estado; você atua em uma reserva de mercado blindada pelo estado contra qualquer tipo de concorrência; você atua em mercado que sempre proibiu a entrada de concorrência.

    Até o surgimento da Uber.

    Aí vocês, perante esta concorrência, deram chilique e foram correndo -- feito criancinhas mimadas --, para o colo dos políticos, ajoelhando-se perante eles (praticamente cometendo um ato de felação) e implorando para eles aniquilarem a concorrência e garantirem sua reserva de mercado de volta. Você são uns covardões.

    Apenas gostaria muito que agora fossem os (desempregados) motoristas da Uber que saíssem quebrando taxis a porretadas.
  • Jorge Dal Jovem  06/04/2017 12:38
    Sr, Passageiro, não saber interpretar um texto é até valido, num país de semi-analfabetos. Porém no seu caso, além de não o fazê-lo e por falta de argumentos, metade da sua replica foi para nos ofender. Resposta digna de quem tem problemas cognitivos.
    Vou tentar ser mais didatico ; A cartelização da economia existe, porque existe o Estado que assim o fez. Se eu faço parte dele, acredite, não é por livre e expontanea vontade, porque nós taxistas sofremos, tanto quanto outros profissionais que têem que conviver com muitas cartelizações espalhadas pelo Brasil.
    Quando da entrada do Uber no Brasil, nós taxistas, já operavamos perfeitamente com os aplicativos 99 e Easy, portanto não somos contra qualquer tecnologia que venha para somar.
    Sr. Passageiro, entendo o quanto voce foi contaminado por esta midia canalha, que quando é de seu interesse, denigri quem quer que seja para atingir seus objetivos mais excusos. Afirmo a voce que 90 por cento dos profissionais de táxi, são sim, pessoas honradas e que não necessitam praticar atos de felação, como voce sugere.
    Não somos "crianças mimadas" nem "sentamos no colo" de politicos para conseguir o que queremos. Somos adultos o suficiente para discernir o certo do errado.
    Apesar de voce não concordar, o Uber é concorrencia predatoria, pois em alguns paises de primeiro mundo, já proibiram sua atuação justamente por este motivo.
    No mundo inteiro, onde o Uber se instalou, houve varios protestos, mais violentos que aqui no Brasil. A grande maioria dos taxistas brasileiros são contra a violencia que foi proferida por aqui. No entanto, não vi em nenhum momento, alguem vir à publico incitar a violencia, como voce fez aqui no seu comentario, desta vez incitando os desempregados do Uber a descer a porretada nos taxis (palavras suas). Lamentavel sua posição a respeito, mas compreensivel. Afinal, voce usou este espaço, não para argumentos, mas exclusivamente para vomitar sua ira.
    Entendo seu fascinio pelo Uber, afinal, pagar 10 ao inves de 15 por uma corrida é sensacional. Quantas pessoas não vão à 25 de Março comprar "Rolex" por 30 reais ? É esta a cultura do povo brasileiro, em que o importante é levar vantagem em tudo, como dizia Gerson em uma propaganda de cigarros anos atrás.
    No entanto, ninguem se pergunta porque certas coisas são tão baratas. Eu te digo, porque na sua ignorancia isso nem lhe ocorre... O Uber no Brasil e em varias partes do mundo trabalham no vermelho gastando milhões de dolares em marketing com uma intenção unica... a de monopolizar o mercado, levando todos os concorrentes a falencia e a partir dai impor seus preços, afinal quem tem o monopolio tem este poder.
    Continue usando o Uber e quando ele virar monopólio por aqui, provavelmente será voce que cometerá um ato de felação, porém sem ter a quem recorrer, sobrando a felação entre os seus.

  • Antônio Alves  06/04/2017 13:51
    Grande taxista! Chama os outros de "semi-analfabetos" (apenas porque lhe contestaram) e, em seguida, escreve as seguintes pérolas:

    1) "expontanea" (com x)

    2) "têem"

    3) "a mídia [...] denigri"

    4) "objetivos mais excusos"

    5) "A grande maioria [...] são"

    6) "O Uber [...] trabalham no vermelho"

    Após essa auto-humilhação própria (pleonasmo intencional), permita-me colocá-lo em seu devido lugar:

    "A cartelização da economia existe, porque existe o Estado que assim o fez. Se eu faço parte dele, acredite, não é por livre e expontanea vontade"

    Ué, já que você participa de um cartel contrariadamente, então qual o problema de surgir uma concorrência que visa justamente a quebrar esse cartel? Você deveria aplaudir.

    Se o que você está falando é sincero de sua parte, então você, por definição, não pode ficar zangado com a Uber. Ela está afetando um cartel do qual você participa contrariadamente.

    "porque nós taxistas sofremos, tanto quanto outros profissionais que têem que conviver com muitas cartelizações espalhadas pelo Brasil."

    Que ótima notícia para você, então. O cartel está sendo derrubado. Você, caso esteja sendo sincero em seus sentimentos, deveria se regozijar com este fenômeno.

    "Quando da entrada do Uber no Brasil, nós taxistas, já operavamos perfeitamente com os aplicativos 99 e Easy, portanto não somos contra qualquer tecnologia que venha para somar."

    Ah, que lindo! Tais aplicativos são formados exclusivamente pelo próprio cartel de taxi. Apenas taxistas podem utilizar esses aplicativos, os quais não representam nenhuma quebra de cartel e nenhum aumento da concorrência.

    Por favor, não subestime a minha inteligência.

    "Não somos "crianças mimadas" nem "sentamos no colo" de politicos para conseguir o que queremos. Somos adultos o suficiente para discernir o certo do errado."

    A prática sugere o contrário desta sua efusão de honradez. Correram para o colo de um deputado petista, pedir cafuné. Se algum dia de minha vida eu tiver de me rebaixar a isso -- ir pedir proteção a um deputadinho petista --, terei vergonha de até mesmo sair da cama.

    "Apesar de voce não concordar, o Uber é concorrencia predatoria, pois em alguns paises de primeiro mundo, já proibiram sua atuação justamente por este motivo".

    Caiu a máscara. E comprovou tudo o que o artigo disse. Qualquer concorrente que nos sobrepuje e forneça serviços melhores a preços menores é imediatamente chamado de "concorrência predatória".

    Essa é a teoria dos chorões e dos incompetentes.

    Aliás, ainda que fosse "concorrência predatória", qual o problema? Em uma economia de mercado quem manda é o consumidor. Qual o seu direito de proibir a mim, um consumidor, de utilizar um serviço que não agride e nem violenta ninguém? Qual o seu direito de me obrigar a utilizar apenas os seus serviços?

    "No mundo inteiro, onde o Uber se instalou, houve varios protestos, mais violentos que aqui no Brasil."

    Caguei. O que isso prova? O que eu tenho a ver com o fato de taxistas franceses vagabundos ficarem putos porque a reserva de mercado deles também foi abalada?

    Você realmente quer ter a mediocridade como parâmetro de comportamento?

    "Entendo seu fascinio pelo Uber, afinal, pagar 10 ao inves de 15 por uma corrida é sensacional."

    Ufa! Agora, sim, você finalmente começou a entender o básico sobre uma economia de mercado. Consumidores querem serviços de qualidade a preços baixos. Uber entrega isso; vocês taxistas não.

    "É esta a cultura do povo brasileiro, em que o importante é levar vantagem em tudo, como dizia Gerson em uma propaganda de cigarros anos atrás."

    O choro do derrotado. Agora, pelo visto, querer serviços de qualidade a preços baixos é sinônimo de "levar vantagem em tudo".

    Por essa sua lógica, então, operadoras de telefonia celular deveriam elevar continuamente seus preços e abolir todos os planos mais baratos. Afinal, querer pagar barato é sinônimo de "querer levar vantagem em tudo".

    Pergunta: há dois restaurante a quilo, um ao lado do outro. Um cobra R$ 15 o quilo e tem uma comida excelente e de qualidade. O outro cobra R$ 30 o quilo e tem uma comida de merda. Você comeria no segundo, né? Afinal, comer no primeiro significa um intolerável ato de "levar vantagem em tudo".

    "O Uber no Brasil e em varias partes do mundo trabalham no vermelho gastando milhões de dolares em marketing com uma intenção unica..."

    Ué, então você não tem que se preocupar com nada. Se a sua concorrência trabalha no vermelho, então ela não irá durar. Sem contar que ela é burra; quem opera voluntariamente no vermelho está pagando para trabalhar. Pior: está se descapitalizando. Empresa descapitalizada não apenas não dura muito, como ainda atiça ainda mais a concorrência: basta entrar no mercado e essa empresa que opera no vermelho rapidamente irá quebrar.

    Eis aí a dica a vocês taxistas, portanto: melhorem seus serviços, reduzam os preços e quebrem a Uber. Será mamão com açúcar.

    "a de monopolizar o mercado, levando todos os concorrentes a falencia e a partir dai impor seus preços, afinal quem tem o monopolio tem este poder."

    Seria a primeira vez na história do mundo que uma empresa quebrada e operando em regime concorrencial "monopoliza" o mercado. Aliás, nunca houve nenhum exemplo na história do mundo de empresa que operou no vermelho por anos e, em seguida, virou "monopolista" em um mercado concorrencial.

    Pensa um pouco antes de repetir groselha.

    Ah, outra coisa: deixe que eu me preocupe com isso de "a Uber virar monopolista e aumentar os preços". Caso isso aconteça, dou-lhe minha palavra: voltarei aqui e reconhecerei toda a sua sabedoria. Aliás, vou até lhe doar dinheiro. Compromisso. Pode me cobrar.

    "Continue usando o Uber e quando ele virar monopólio por aqui"

    Anseio pela chegada deste 31 de fevereiro.

    "provavelmente será voce que cometerá um ato de felação, porém sem ter a quem recorrer, sobrando a felação entre os seus."

    Ui! Quanta salacidade! Só espero que isso não tenha sido uma oferta. Se for, será a preço de taxi ou a preço de Uber?
  • Jorge Dal Jovem  06/04/2017 18:53
    Caro Antonio Alves, parabéns pela sua ortodoxia linguistica em que me corrige de meus erros. Nos meus 60 anos de idade, trabalhando desde os meus 12 anos, ininterruptos, com acesso escasso a cultura correta, por estar num país que está se lixando prá isto e que volta e meia muda a ortografia e no afã de expressar meus pensamentos e ainda, saber que até os grandes formadores de opinião, de vez em quando escorregam no bom portugues, acho que não me sai tão mal. Importante também se faz entender e interpretar o que se diz, coisa que parece que voce não é muito bom.
    Felação, no nosso dicionário quer dizer "gozo sexual provocado pela sucção ou coito bucal.
    Quando me referi ao analfabetismo estava somente dando o troco civilizado ao missivista chamado "Passsageiro", que me ofendeu e não me contestou, como voce pretende.
    Parabéns também pelo seu altruismo em se meter em assunto que não lhe foi direcionado. Mas é válido.
    Vamos lá:
    1- Eu não faço parte de cartel porque quando entrei na profissão segui todos os passos que a lei determina, quer voce goste da lei ou não. Não, eu jamais vou aplaudir qualquer tipo de cartelização. Quando mudar as leis sobre táxi, estarei pronto para me adaptar a isso.
    2- Conservadores, liberais e até pessoas que se dizem de direita, debruçam-se neste momento a entender sobre o movimento globalista, em que grandes fortunas pressionam o mundo para monopolizar tudo que lhes é possivel.
    Google e Microsoft, os maiores detentores do Uber, fazem parte desses globalistas e utilizam-se do Uber como ferramenta para atingir seus objetivos. Portanto, sua teoria de que nunca viu uma empresa trabalhar no vermelho e conseguir o monopólio é furada. São gigantes que estão sim, se lixando se vão perder muito dinheiro, por um tempo. Por que mesmo se não der certo eles partem para outros ataques com seu poder financeiro, mesmo porque, o Uber para esses caras é dinheiro de pinga. Ignorancia sua subestimar o poder deles.
    3-Você é tão desinformado que não percebeu o movimento dos esquerdistas. 2018 está aí e os oportunistas estão aparecendo. Ninguem pediu colo nem pediu cafuné para esquerdista. Foram eles que tomaram para si esta briga, porque querem se passar de moçinhos, mesmo porque, nossa briga era local e contra um prefeito esquerdista. Para iluminar um pouco sua sapiência, saiba que para nós, taxistas, a proibição dos aplicativos é um péssimo negócio porque a demanda do setor não pode ser atendida só com táxis.
    4-Voce decididamente tem dificuldades de entender o que é concorrencia predatória em detrimento de concorrencia honesta.
    Vou tentar te explicar, baseado no exemplo que voce deu sobre optar por um restaurante que cobra $ 15 o quilo e outro que cobra $ 30:
    Imagine um terceiro restaurante que se instala no meio dos dois primeiros e cobra $ 5 pelo mesmo quilo e tendo muito mais poder financeiro, até que os dois primeiros abram falencia. Claro que a sua resposta é que isso seria ótimo, pois na sua visão, conforme voce mesmo escreveu, a concorrencia predatória seria ótimo, por que o que vale é a economia de mercado.
    Imagino voce, se fosse taxista... baseado em sua teoria, voce cobraria corrida até para a sua genitora.
    5- Vá se informar melhor sobre os aplicativos 99 e Easy, dos quais nos utilizamos. Os dois , não só utilizam os táxis, como também carros particulares, o que não caracteriza cartel. Isso é má fé sua.
    6- Que venha Uber, 99, Easy taxi e quem mais quiser. Só queremos concorrencia honesta, onde todos possam e devam concorrer respeitando normas. O resto é patifaria.
    7-Por ultimo e não menos importante, quem aventou a possibilidade de uma felação, foi o missivista "Passageiro", mas já que voce, se intrometeu com seu mais sincero altruismo, perguntando se o preço da felação seria baseado no taxi ou no Uber, quero lhe propor um preço acessivel, acredite. Só não vou topar se voce tiver algum abcesso na boca.
    Um abraço, professor.
  • Markus  06/04/2017 18:08
    "Não somos "crianças mimadas" nem "sentamos no colo" de politicos para conseguir o que queremos"

    Como não? Foram pagar pau para deputadinho petista como crianças choronas pedindo mamadeira.

    E todo esse seu comentário não passa de chorinho de criança borrada nas calças: "ui, ui, ui, a Uber quer dominar o mercado, ui, ui, ui, como é malvada".

    Vai tomar vergonha na cara, cidadão.

  • Pedro_N  07/04/2017 14:24
    Eu também acredito que o o taxista deva ser uma pessoa correta e honesta. Então vai aqui meu conselho: Táxis e Uber não precisam ser inimigos, pois o verdadeiro inimigo está sendo o Estado. Então, porque não concentrar esforços exclusivamente contra o real inimigo? Esteja aberto a pensar sobre isso, caro taxista.
  • uai  05/04/2017 20:11
    Boa tarde, amigo taxista. Primeiro, parabenizo-o se você caso adote uma postura profissional perante ao passageiro.

    Agora entenda que, ainda assim, você opera num setor protegido pelo governo. Não protegido no sentido de receber benesses, mas protegido porque os altos níveis de taxas e burocrácias estatais impedem a entrada de modelos diferenciados de negócios no setor, o que por si só, já é uma grande vantagem.

    Pior ainda é o Estado tendo a ideia que a movimentação dos corpos individuais das pessoas é um bem público ou coisa que o valha, chama isso de transporte público e acredita que tem o direito de controlar a forma que ocorre. Não seria melhor que o Estado deixasse a concorrência livre? Com certeza você, que segundo sua palavra (e não tenho motivos para duvidar), é exemplar, poderia oferecer serviços mais baratos e melhores para os usuários, e estes, reconhecendo sua presteza, o recompensaria chamando-o novamente para futuras corridas, apesar da concorrência. Além de perder menos o seu tempo e dinheiro pagando taxas e outras burocrácias.

    Mas enfim, não o culpo por fazer o necessário para sobreviver nesse paíseco. Somos obrigados a nos virar como possivel, entretanto, entenda que a sua posição é protegida pelo Estado.


  • Markus  05/04/2017 20:41
    "Nós taxistas queremos concorrencia honesta"

    Mentira, pq vcs atuam num mercado sem concorrência em virtude do estado. Vocês não querem é concorrência.

    Onde está a desonestidade do Uber? Favor especificar isso de forma concreta.


    "clube dos Odebrecht da vida, conseguindo poder para bancar os corruptos de plantão"

    É muita cara de pau vc vir aqui falar isso. Você faz parte de uma guilda protegida pelo estado, cidadão.
  • Arnaldo  06/04/2017 15:05
    é bom você se profissionalizar em outra coisa pois sua profissão já já vai sumir.
  • Rodrigo  06/04/2017 16:31
    Teria vergonha de me humilhar a tanto. Sabe o que eu faria. Mostraria para esses moleques do Uber quem é competente e quem sabe atender um cliente com precisão, confiança e bom preço.

    Mas isso é atitude de homem. Menino sai correndo pro colo de qualquer deputado que abane os braços, chorando e pedindo colo.
  • Basílio  06/04/2017 18:41
    Taxistas e funcionários de montadoras no Brasil estão realmente muito acostumados.

    Por isso esse setor é extremamente atrasado aqui.
  • João  07/04/2017 12:02
    Concorrência no c* dos outros é refresco. Ninguém quer concorrência no seu nicho.
  • WDA  07/04/2017 13:53
    Taxista, você parece um homem correto e honesto. E muito do que você falou é verdade. Ocorre, porém, que é a prefeitura que cria as muitas burocracias a que você está submetido e que prejudicam sua vida - como você mesmo reconhece.

    Neste contexto, a coisa mais legítima a fazer é lutar contra essa burocracia e suas imposições injustas. É inegável que com o Uber os possíveis clientes estão em melhor situação, como também aqueles que trabalham para o Uber. Os primeiros têm mais opções e podem escolher o serviço mais a contento; os segundos estão ganhando um dinheiro que do contrário não ganhariam.

    O Uber é legal. Tecnicamente não há nada de ilegal nesse modelo de negócio. Mas estão querendo criar leis para embarreirá-lo. Isso é imoral e prejudicará o conjunto da sociedade.

    Infelizmente, há taxistas que são contra o Uber "in limine", por pura falta de informação. E com certeza você sabe disso.

    Espero que você possa conseguir mais clientes a despeito da concorrência. Abraço.



  • Capitalista Keynes  05/04/2017 19:20
    Eu já usei o Uber e o serviço foi melhor e mais barato....por que sempre ferram a gente, quando alguém inventa uma coisa boa ?
  • uai  05/04/2017 19:51
    Politico brasileiro não gosta do seu próprio povo, só do próprio bolso.

    Verificando o historico que costumam se comportar, ainda tinham duvidas?
  • 4lex5andro  06/04/2017 20:21
    Pois então, será que o cartel governos/taxis vai querer acabar com o ubra do mesmo jeito que fez com o uber?

    www.valor.com.br/politica/4929070/o-uber-o-ubra-e-busca-de-outro-modelo
  • Luiz  05/04/2017 19:59
    O Uber é o maior exemplo que os monopolistas recorrem á políticos, quando querem
    eliminar a concorrência...
    Quando fiquei sabendo que começariam as atividades no Brasil, não me entusiasmei muito
    devido a burocracia Brasileira. O Uber deveria se mandar do Brasil, isso sim
    aqui a sujeira é mt profunda...
  • Ronaldo da Silva Alves  06/04/2017 13:58
    Prezado Leandro,

    Bom dia !

    Parabéns pelos artigos. Tenho uma dúvida. No artigo de 31/03/017 sexta feira passada, você explicou que o excesso de oferta monetária que é causa da inflação. Excelente texto. Vamos para a prática. Como resolver este problema ? Quais as ferramentas econômicas iniciais são indicadas ? Teremos "efeitos colaterais" quando estas medidas forem implementadas ? Faço estas perguntas porque alguns críticos da EAE falam que suas idéias são impraticáveis.
  • Intruso  06/04/2017 15:22
    Fica a seu critério.

    Aqui uma solução bem moderada (e não totalmente definitiva):

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1966

    E aqui uma solução mais radical e definitiva:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1553


    P.S.: por que não fazer seu comentário na própria seção de comentários do referido artigo? Seria bem mais fácil. Tá aqui:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2663
  • Celso Silva  06/04/2017 16:03
    Os taxistas que pretendem manter um monopólio de seu meio de transporte por acaso seguem isso que defendem na hora em que fazem suas compras? Será que eles adquirem seus alimentos em supermercados com preços mais elevados ou pesquisam para saber onde levarão mais vantagens nos preços? Adquirem medicamentos em farmácias onde eles possam sair com preços mais em conta ou ingressam naquelas com itens de custos mais elevados? Preferem faculdades gratuitas para seus filhos ou optam por pagar as particulares?
    São em momentos como esses que se derruba qualquer falastrão esquerdista-monopolista!!!
  • Paulo  06/04/2017 22:56
    Supermercados recolhem impostos.
    Farmácia recolhem impostos.
    Faculdades pagam salários.
    Estes reconhecem vínculos empregatícios.
    Não remetem divisas para fora do país.

    Uber só em ISS, sonega 5% na intermediação.
    App Vá de Táxi, emite Nota Fiscal Paulistana de serviços.
    Se os segmentos existentes cumprem a legislação Brasileira, porquê o Uber pode sonegar?
  • Jalaska  07/04/2017 00:13
    "Uber só em ISS,[sic] sonega 5% na intermediação"

    Fonte, por favor. Se for verdade, fiquei ainda mais fã. Quanto menos dinheiro uma empresa produtiva entrega para políticos e para a máfia estatal, mais geração de empregos, mais renda para trabalhadores, e menos vida mansa para parasitas.

    "App Vá de Táxi,[sic] emite Nota Fiscal Paulistana de serviços"

    Péssimo. Mais dinheiro sendo retirado do setor produtivo e sendo entregue a políticos, burocratas e parasitas. Toda a economia perde.

    Você gosta de dar dinheiro para políticos?

    "Se os segmentos existentes cumprem a legislação Brasileira, porquê [sic] o Uber pode sonegar?"

    Infelizmente a Uber não sonega. Ou seja, infelizmente ela também dá dinheiro para políticos. Se ela conseguisse não dar dinheiro para a máfia estatal eu seria ainda mais fã.
  • WDA  07/04/2017 13:16
    Pela sua lógica, se todos esses setores empregassem trabalho escravo porque a legislação assim impõe, também o Ubber deveria ser forçado a usar trabalho escravo!

    Você quer ver mais dinheiro sendo retirado da mão do trabalhador que prestou o serviço (e também do empresário - que também é um trabalhador, tendo trabalhado bastante para criar e manter um modelo de negócio pelo qual outros trabalhadores pudessem prestar um serviço mais a contento de quem escolhe usá-lo) e dá-lo na mão de um burocrata que você não sabe quem é, mas que você sabe que não prestou nenhum serviço demandado por quem quer que seja para se apropriar dessa some de dinheiro.

    Esse burocrata tomará decisões por milhões de pessoas que ele não conhece. E, incapaz de fazer isso melhor do que as próprias pessoas (ou você acha que um burocrata que nem te conhece sabe melhor do que você próprio aquilo de que você precisa? Pois, é mas é ele que vai decidir por você o que fazer com um dinheiro que deveria ser seu!), ele ainda assim será pago para tomar essas decisões, que não podem contemplar adequadamente as necessidades da população!

    Ah, sim! E ele será pago com o dinheiro dessas mesmas pessoas - que poderiam ficar com seu próprio dinheiro e tomar sobre este suas próprias decisões. Mas elas NÃO tem escolha!

    Esse negócio de "divisas para o país" é uma balela que quer dizer apenas: alguém vai se apropriar forçadamente do seu dinheiro e vai decidir o que fazer com ele, em seu lugar.

    O taxistas deveriam lutar para que sejam reduzidos os tributos e taxas que eles são obrigados a pagar e o excesso de burocracia a que eles são submetidos, e não para submeter os outros ao mesmo flagelo. E nem decidir que serviço os demais cidadãos devem usar.
  • Mais Mises...  08/04/2017 02:10
    Meu caro... você caiu aqui de para-quedas, não é? Sonegar para nós aqui é apenas ficar com o que é seu. Deixe de ser vaca de presépio do estado!
  • Paulo  08/04/2017 19:21
    Caro Mises.
    Então circule com seu carro de preferência em Rodovias Federal sem pagamento do IPVA, quando for abordado, justifique que você ficou com aquilo que é seu. Não pague IPTU. Faça o eu digo, não faça o que eu faço.
  • Guilherme  08/04/2017 19:47
    Infelizmente, se ele fizer isso e a máfia estatal o capturar, ele vai preso. E se ele resistir à prisão, pode ser assassinado pela máfia. No Brasil, nada é realmente seu; tudo pertence ao estado. Porém, mediante o pagamento de um arrego, a máfia estatal permite que você continue em posse daquele bem que você comprou com o suor do próprio rosto.

    E você defende a (i)moralidade deste arranjo.
  • Alan D M Santos  06/04/2017 18:17
    Existe algum partido ou possível candidato a cargo eletivo em 2018 que possa ser considerado libertário? Ou que ao menos defenda algumas políticas a favor da liberdade?
  • anônimo  06/04/2017 19:37
    Também gostaria de saber.
  • Pobre Paulista  06/04/2017 22:51
    Acho complicado ser Libertário e político ao mesmo tempo. É tipo ser ateu e cardeal ao mesmo tempo.
  • SRV  07/04/2017 14:03
    Alan D M Santos,

    Avalie com cautela (vou repetir, COM CAUTELA. Com muita cautela mesmo) o partido NOVO. Não são libertários, aparentemente defendem a "gestão eficiente da máquina pública" e essas lorotas, mas parece que existem alguns projetos para redução estatal.

    Por que digo para ter cautela? Porque como todo partido político, não há garantia de honestidade, integridade, não há garantias de que seguirão a plataforma que dizem defender e nem que essa seja a melhor alternativa para combater o gigantismo estatal. Pode ser uma cilada, pode ser que muitos corruptos migrem para este partido para fugir das manchas em outros partidos, etc etc etc. Então, já sendo muito repetitivo, CAUTELA.

    Havia também um projeto para criar o "Partido Libertário", sob a alcunha de "LIBER". Não sei o status atual.
  • Carlos Lima  08/04/2017 19:08
    eu já avaliei bem de perto o tal do partido NOVO. não são sérios. fingem que são. o projeto deles é pra 30 anos. não sabem sequer definir o que é estado mínimo, mas defendem o estado mínimo. não têm nenhum plano pra reduzir o estado - como se isso fosse possível - mas dizem que vão reduzir o estado. ou seja, é mais um grupo de espertos que vai se locupletar usando as mesmas regras que fingem combater. considero uma total perda de tempo procurar soluções dentro da política. política é coisa pra gente desonesta, logo, quem é honesto costuma ficar bem longe dela.
  • uai  06/04/2017 19:42
    Meu deus, ao visitar uns sites por ai, vi que a argumentação atual dos contrários ao UBER é que o UBER vai virar um monopólio e quebrar os taxistas. Santa ignorância. A ideia agora é assustar a população:

    "Tá vendo esse aplicativo ai? Ele quer quebrar nós taxistas e virar monopólio, depois voltar para cobrar horrores de vocês porque vocês deixam. Confie na nossa categoria de taxista, que obviamente não é um cartel ao invés do cartel do UBER."


    Infelizmente esse argumento mostra a pífia inteligência do cara. Se o UBER virar um monopólio e o estado o protege, o máximo que teremos será um novo sindicato dos taxistas e voltamos a estaca zero, e tal hipotese está longe de acontecer pois o Estado brasileiro já mostrou sua atitude contrária ao UBER.

    Em um livre mercado com facilidade de entrada, se o UBER fizesse isso, iria rapidamente ser substituido por um novo concorrente.
  • Paulo  06/04/2017 21:06
    No livre mercado, pode praticar Dumping?
    É permitido transportar CRIANÇAS sem cadeirinhas?
    Não deveria contratar seguro APP e danos materiais de empresas reconhecida pela SUSEP?
    É razoável, impôr metas, precificação, punição, carga horária e não reconhecer vínculo empregatício ou é escravidão?
    Regras não é para ter conter abusos?
    Regulamentação não é um conjunto de Regras?
  • Maksoud  07/04/2017 00:51
    "No livre mercado, pode praticar Dumping?"

    O que é dumping? Vender a um preço menor do que o concorrente? É claro que pode. Quem é beneficiado pelo "dumping" (seja lá o que você entende) é o consumidor.

    Dumping equivale a receber presentes praticamente gratuitos. Por que isso seria ruim?

    O dumping só prejudica aquele que o pratica; ele sempre beneficia aquele a quem se destina.

    "É permitido transportar CRIANÇAS sem cadeirinhas?"

    Isso não tem absolutamente nada a ver com livre mercado, mas sim com responsabilidade individual.

    "Não deveria contratar seguro APP e danos materiais de empresas reconhecida pela SUSEP?"

    Sugere-se que sim. Mas não se impõe nem se obriga.

    "É razoável, impôr metas, precificação, punição, carga horária e não reconhecer vínculo empregatício ou é escravidão?"

    Impor metas? Sim. E só trabalha quem quiser. Quem não quiser trabalhar e nem alcançar metas é perfeitamente livre para isso.

    Precificação? Não entendi. Você quer as coisas sem preço?

    Punição? Defina punição. Corporal é claro que não. Qualquer outra prevista e livremente acordada em contrato? Claro que sim.

    Carga horária? Prevista e livremente acordada em contrato.

    Não reconhecer vínculo empregatício? Isso é quebra de contrato. E quem quebra contrato é fraudador, o maior inimigo do livre mercado.

    Escravidão? Escravidão é ser obrigado a trabalhar naquilo que não quer, sem remuneração e sem a liberdade de se demitir. Aliás, a escravidão sempre foi uma política estatal.

    "Regras não é para ter conter abusos?"

    Claro que sim.

    "Regulamentação não é um conjunto de Regras?"

    Claro que sim. O problema é que já ficou comprovado que, quando elas são impingidas por um monopólio estatal, o qual não sofre punição por erros, ela sempre falha. Por isso, toda e qualquer regulação estatal sempre será cooptada pelos regulados. Sempre. Regulação estatal é a maneira mais garantida de que o regulado será privilegiado.

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2651
  • Paulo  07/04/2017 12:59
    Obrigado, você me esclareceu o que é Uber.

    Pratico o menor preço, transporto crianças sem cadeirinha, não ofereço seguro para os passageiros, tenho que cumprir metas de carga horária para não ser desligado, determina o preço do meu serviço, se não sou seu empregado, sou seu escravo, não admite regras para assegurar o usuário.
  • Edson  07/04/2017 13:52
    "Pratico o menor preço"

    Um crime! Onde já se viu isso, cobrar barato? Tem de ser proibido!

    Políticos, por favor, nos socorram! Vi um preço baixo!

    "transporto crianças sem cadeirinha"

    Ué, e táxis de rua têm cadeirinha?! Gozado, eu nunca vi nenhum com cadeirinha.

    "não ofereço seguro para os passageiros"

    Eu dispenso completamente. E, se você se sente desconfortável com isso, a solução é simples: não use o serviço!

    Ah, mas isso não bastaria, né? Não basta apenas não usar; tem de proibir!

    Eis a mentalidade típica do progressismo: aquilo que eu aprovo deve ser subsidiado; aquilo que eu desaprovo deve ser proibido.

    Quando, meu Deus, quando viraremos uma nação de adultos?

    "tenho que cumprir metas de carga horária para não ser desligado"

    Na Uber?! Você está desinformado. Motorista da Uber trabalha quando quer. Taí a exata definição de algo que é o contrário de escravidão.

    "determina o preço do meu serviço"

    Meu caro desinformado, em todo e qualquer setor da economia em que haja livre concorrência, quem determina preço é o consumidor. E não o empreendedor.

    Motorista de Uber tem a mesma liberdade de preços que qualquer outro empreendedor tem dentro de um mercado de livre concorrência: nenhuma.

    Não importa se o cara dirige para a Uber ou se tem uma padaria ou um restaurante self-service popular: no final, quem define os preços que ele pode cobrar são os consumidores e a concorrência.

    "se não sou seu empregado, sou seu escravo, não admite regras para assegurar o usuário."

    Completamente ininteligível. Como, aliás, toda a sua participação chorosa aqui.

    É cada coitado...
  • Markus  07/04/2017 14:07
    "Obrigado, você me esclareceu o que é Uber"

    E vc fez, e faz, questão de esclarecer que é um ignorante econômico, que não tem vergonha de sair dizendo asneiras como uma criança chorona.
  • uai  07/04/2017 16:28
    Pratico o menor preço

    Você deve ser daqueles que se vê o mesmo produto em duas lojas vizinhas, compraria o mais caro, certo?

    transporto crianças sem cadeirinha

    A responsabilidade sobre a segurança da criança é dos pais. Questione porque o santo pai aceita transportar seu filho sob essas condições (JÁ QUE ELE NÃO É COAGIDO A FAZER ISSO), e alias, eu também nunca vi taxi convencional que usa cadeirinha. Parabéns para os que usam, mas eu mesmo nunca vi.

    Não ofereço seguro aos meus passageiros
    Dispenso. Não quero pagar seguros nem ser obrigado a pagar.

    tenho que cumprir metas de carga horária para não ser desligado
    Que lugar não precisa? Em todos os estabelecimentos, todos trabalham quantas horas quiser, é assim? Mesmo no UBER, o cidadão faz sua rotina.
    E outra! Vamos a um conceito bem básico: ninguém é coagido a trabalhar no UBER, NINGUÉM! Trabalha lá quem quer trabalhar.

    determina o preço do meu serviço
    Sim, e dai? O cidadão está conseguindo clientes utilizando a plataforma e o nome do UBER. Se está insatisfeito com isso, basta procurar outro emprego ou mudar de aplicativo, ah o cidadão não consegue? emprego está dificil? Será que tem algo a ver com o estado que afundou a economia numa crise? O mesmo estado que cobra regulamentações e taxas absurdas, impedindo a livre iniciativa das pessoas para que estas abram suas empresas e prosperem? o mesmo estado que fez tudo isso e os taxistas querem que proiba o UBER para manter sua reserva de mercado intacta?

    Sabe de uma coisa, deveriamos proibir mesmo. Já que emprego está dificil, o camarada que antes trabalhava fica desempregado agora e todo mundo paga taxi mais caro, do jeitinho que você defende, né? Ótimo arranjo.

    É cada coitado que despenca aqui...
  • Paulo  08/04/2017 02:42
    Caro uai:
    Eu sou daqueles que opina com conhecimento de causa. Não acompanho a maioria. Entro na situação.
    Já fui taxista, parceiro Uber, perueiro, ônibus pirata, caminhoneiro, administrador de App, etc.
    Transporte de vidas como profissão é coisa muito séria. Tem que ter formação para tal. Diversas formações são exigidas de acordo com a prestação a ser oferecida.
    Vi aqui opinião de taxistas e usuários.Posso falar pelos 3. Taxista, Parceiro e Administrador. O tema muito extenso. Vou resumir: Você nunca viu um táxi com cadeirinha, porque ele está autorizado por lei. Em contra partida tem que ter curso de Direção Defensiva e seguro de empresas reconhecida pela SUSEP.
    Um app de intermediação pode ter uma ótima faixa de lucratividade, com apenas 8.5%. O que o Uber retira do seu parceiro é um abuso.
    Porque o táxi não tem cadeirinha mas é obrigado ter extintor de incêndio?
    Porque a Van escolar, que tem como alvo as crianças não tem cadeirinha?
    Porque os veículos de passeio tem cinto de segurança nos bancos traseiros?
    Porque no transporte de autoridades tem que ter curso de direção OFENSIVA?
    Saiba que o condutor é responsável pela integridade física de seus passageiros, independente do acento que ocupa e de terceiros.
    Gosto de viver experiências. É a vida é a melhor escola.
    Abs
  • Mais Mises...  08/04/2017 02:49
    Então, pedi Uber e não tinha cadeirinha. Minha esposa, claro, não levou meu filho. Daí ela ligou pra uma central de taxi e pediu um taxi com cadeirinha. Nem um mísero táxi também tinha. E aí, sr. preocupado?
  • Paulo  08/04/2017 19:13
    Caro Mises.
    Os Táxis tem autorização Federal para fazer transporte de crianças sem cadeirinha, tal como o escolar.
    Em contra partida o mesmo é OBRIGADO, a oferecer seguro e ter curso de CAPACITAÇÃO.
    Este é um dos ítens que compõe a tarifa.
    Pode viajar tranquilo!
  • Eduardo   08/04/2017 19:42
    Ah, entendi. Taxista é tão especial, tão protegido e tão privilegiado, que eles recebem até mesmo isenção de lei! Todos os seres humanos normais são obrigados a transportar crianças em cadeirinha. Já taxista não. Eles são tão superdotados de habilidades (ou seria de privilégios?) que uma criança se torna repentinamente segura sob os auspícios deles!

    Aliás, e se o carro da Uber estiver sendo dirigido por um taxista? Como se resolve esse paradoxo? Mais ainda: dado que os carros da Uber são muito mais modernos e seguros que os táxis convencionais, qual a lógica para a isenção dos taxistas senão um privilegismo?
  • Paulo  09/04/2017 03:49
    Só não entende quem não quer. Esta dispensa é a mesma do transporte escolar, que tem sua demanda de 100% crianças e também dispensada de cadeirriha. Oferece seguro reconhecido pela Susep e cursos de especialização.
    Simples assim!
  • uai  07/04/2017 11:19
    Meu caro, pelas suas perguntas, dá para ver que você não sabe bem o que é livre mercado.

    Livre mercado é uma situação que as pessoas poderiam comercializar seus serviços e bens sem o estado ficar impondo regulações nem interferindo em cima. No livre mercado defendido por libertários e liberais, o maior pilar é o respeito a propriedade privada (isso inclui o seu corpo, pois ele é propriedade sua).

    As negociações entre as pessoas são feitos em COMUM acordo (eu e você estamos de acordo com o que estamos negociando, não podemos coagir um ao outro), qualquer desrepeito ao acordo é quebra de contrato e pode nulificar o acordo. Quem oferta acordos ruins ou vende serviços ruins é logo eliminado pelo mercado por causa da concorrência (o que não acontece num setor protegido pelo Estado, pois a entrada de concorrentes é dificultada, permitindo que os consumidores tenham que usar os serviços daquela empresa por falta de opção).

    Veja que ausência de estado nada tem a ver com anarquismo, escravidão, falta de responsabilidade pessoal ou falta de regras. As regras, por exemplo, ainda existirão, mas virão de outras fontes. Por exemplo: você iria a um restaurante visivelmente sujo? Claro que não. Não há necessidade de burocratas bem pagos para dizer que restaurantes sujos são péssimos. Os próprios consumidores parariam de ir para aquele restaurante e ele logo quebraria. Se houvessem pessoas que gostam de comer na sujeira, problema o deles, ninguém está coagindo você a comer lá. Outras pessoas perceberiam essa demanda por um local mais limpo e abririam seus restaurantes com melhor condição de higiene para você ir comer lá.

    Sugiro fazer um tour pelo site e ler mais alguns artigos e comentários para entender melhor.
  • Getúlio   06/04/2017 21:26
    E a Maria do Rosário, hein? Votou pelo fim do Uber, mas não sai de dentro de um. E o pior: a desgraça ainda pede reembolso com dinheiro público.

    oantagonista.com/posts/va-de-taxi-maria-do-rosario

    Cara, tem que ser muito fdp pra defender político.
  • LUIZ F MORAN  07/04/2017 14:24
    Onde existe burocracia existe governo.
    Onde existe governo existe ineficiência.
    Onde existe ineficiência existe alto custo.
    Onde existe alto custo existe impostos e taxas.
    Onde existe impostos e taxas existe coerção e atraso.
    Onde existe coerção e atraso existe gigantismo de Estado.
    Onde existe gigantismo de Estado existe pobreza.
    Onde existe pobreza existe injustiça.
    Onde existe injustiça existe falência das instituições.
    Onde existe falência das instituições existe democratismo e crime.
  • Max Rockatansky  07/04/2017 17:43
    Correto até chegar nessas três últimas:

    "Onde existe pobreza existe injustiça.
    Onde existe injustiça existe falência das instituições.
    Onde existe falência das instituições existe democratismo e crime
    "


    "Pobreza" é um estado de coisas; e "(in)justiça" só tem sentido quando atribuída a ato(s) de pessoas determinadas (correlacionando-se, portanto, ao conceito de responsabilidade).
    Logo, não faz sentido correlacionar "pobreza" com "injustiça", inclusive pq aí vc dá a entender estar assumindo o conceito de "justiça social", que é um nonsense.

    Há injustiça quando há iniciação de agressão/coerção.

    E a "falência das instituições" não decorre de uma suposta "injustiça" (erroneamente associada por vc a "pobreza"); "burocracia", "governo" e "gigantismo do estado" já implicam "falência das instituições", "democratismo" e "crime".

    Logo, a inserção da correlação "pobreza-injustiça" está errada (ou, quando menos, é desnecessária).

  • LUIZ F MORAN  07/04/2017 18:51
    Obrigado por comentar, porém quando digo que a pobreza está relacionada a injustiça estou me referindo ao sistema judiciário que está TOTALMENTE a serviço dos mais endinheirados. Dá mesma forma, e portanto, me refiro a isto como um dos ingredientes da falência das instituições.
    Não uso e nunca usarei a falácia "justiça social" tão adorada pelos parasitas de esquerda, e também nada tenho contra quem ganha bastante dinheiro como fruto de seu esforço.
  • Reserva de mercado  07/04/2017 16:30
    Tô vendo muito taxista reclamando aqui nessa noticia. Parece os funças reclamando daquela noticia que falava do funcionalismo público.

    As pessoas são liberais até mexerem na reserva de mercado delas.

  • Marina   30/06/2017 01:38
    Quer se tornar um Motorista da UBER? Faça seu cadastro nessse link: https://www.uber.com/a/join?invite_code=1kt3wz9xz
  • Guri  22/07/2017 06:03
    Eu já sou.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.