Os triângulos hayekianos e a estrutura do capital
por , terça-feira, 6 de janeiro de 2009

versão para impressão


hayek.jpgA apresentação a seguir mostra o poder do PowerPoint para transmitir de forma clara o que ocorre com a estrutura da economia durante um ciclo econômico.

Consistentes com a teoria elaborada por Mises e Hayek sobre os ciclos econômicos, as análises gráficas da apresentação demonstram a inevitabilidade da recessão que se segue a uma expansão artificial da economia - além de mostrar por que uma expansão baseada na poupança não provocaria essa subseqüente recessão.

Na visão hayekiana, ao contrário da keynesiana, há um reconhecimento explícito do elemento 'tempo' na atividade econômica, o que leva a um ajuste entre meios e fins da produção e do consumo. Quando a taxa de juros é determinada livremente pelo mercado, a produção se mantém em linha com a disposição que as pessoas têm de poupar, o que permite um crescimento econômico sustentável. Por outro lado, uma interferência na taxa de juros de mercado - derrubando-a artificialmente para uma taxa menor e que estimule algum crescimento econômico - irá levar a economia para um caminho insustentável de crescimento. Essa insustentabilidade se manifesta nas fases de expansão (boom) e recessão (bust) do ciclo econômico.


        Apresentação de PowerPoint: 

        http://www.mises.org.br/files/audio/RogerGarrison.ppt


Observação: a apresentação, que inclui alguns efeitos sonoros (ligue suas caixas de som), foi planejada para rodar nas versões 2003 e 2007 do PowerPoint. Versões mais antigas irão executar insatisfatoriamente as animações, corrompendo a apresentação.

 

Roger W. Garrison é professor de economia da Universidade de Auburn, Alabama e um scholar adjunto do Mises Institute. É autor do livro Time and Money: The Macroeconomics of Capital Structure (Routledge, 2001).

Tradução de Leandro Augusto Gomes Roque



17 comentários
Euler Santos 09/09/2009 10:15:37

Achei muito útil e de fácil interpretação a apresentação de powerpoint e as explicações a respeito dos ciclos econômicos baseados nas teorias hayekiana e keynesiana. Pra mim, que,como leigo busco informações para entender os motivos que levaram o mundo à crise economica mundial americana "exportada" para o mundo inteiro, já dei o primeiro passo para entender. Até o final dos outros artigos a respeito, que certamente irei acompanhar, tudo vai ficar ainda mais claro.

Responder
Andre Poffo 28/10/2011 00:47:20

Sensacional, muito útil mesmo.

Responder
Samuel 12/02/2012 19:54:45

Caro Roger,

Gostaria de entender o primeiro gráfico FPP (Fronteira de Possibilidade de Produção). Ao meu entender, pelo fato de um agente optar entre "Poupar" e/ou "Consumir", o mesmo está se deparando em uma situação de duas variáveis de primeiro grau, matematicamente falando. Nenhuma das variáveis é elevada ao quadrado, ou seja, nenhuma dela é multiplicada por ela mesma. Portanto, é errado utilizar um Semi-círculo para expressar a FPP, o ideal seria uma Reta. Exemplo:

Um sujeito possui $ 10,00. Se ele depositar $ 8,00 no banco e gastar $ 2,00 de chicletes, balas, picolés etc... poderá gerar um ponto X no gráfico. Mas se ele depositar $ 5,00 no banco e gastar $ 5,00 num lanche, poderá gerar outro ponto Y no gráfico. Mas se ele gastar tudo, vai gerar um ponto Z. Todos os pontos unidos traçarão uma Reta, e é essa reta que representa com mais precisão a FPP.

Esse foi o meu entendimento. Gostaria de saber se eu entendi realmente o conceito de FPP. Se eu estiver errado, talvez a apresentação foi simples demais e omitiu certas variáveis. Seu eu estiver certo, fica a dica para a alteração na apresentação, para não correr o risco de um keynesiano venha a encher o saco.

Responder
Leandro 13/02/2012 01:14:23

Prezado Samuel, a fronteira de possibilidade de produção não é uma invenção da Escola Austríaca, mas sim um conceito amplamente utilizado pela economia mainstream. Tudo que o autor Roger Garrison fez foi se aproveitar deste conceito e explicar a teoria da escola austríaca baseando-se nele.

Especificamente sobre a equação, sim, trata-se de uma equação de primeiro grau com três variáveis. Sim, a representação gráfica deve ser uma reta. Porém, a teoria mainstream faz uma "forçação de barra" e transforma a reta em uma seção de círculo, cuja curva representa todas as possibilidades de produção que podem ser atingidas com o incremento de recursos e tecnologias existentes.

Quando a economia opera dentro da curva, ela está operando com capacidade ociosa (fatores de produção sub-utilizados). Quando a economia está fora da curva, há uma situação impossível, na qual se está utilizando mais recursos do que os disponíveis. Para se atingir ponto, seria necessário haver um incremento nos fatores de produção, o que representaria um desenvolvimento da sociedade.

Concordo, é bem forçado transformar uma reta em uma seção de círculo. Mas não reclame com o Roger Garrison, que apenas tentou adaptar a teoria austríaca ao linguajar do mainstream; reclame com os proponentes da teoria mainstream.

Abraços!

Responder
Antonio Galdiano 12/09/2012 12:55:26

Boa tarde,\r
\r
Sou aluno de economia de uma tradicional escola mainstream no interior paulista e não cheguei a ver os slides ainda, mas com relação ao arredondamento da FPP não acredito que haja nada de errado com essa ilustração matemática. Não se trata de especificar exatamente qual o formato da curva como algo do tipo x²+y²=R² / x,y>0\r
É, na verdade, um reconhecimento de que em uma economia em que dentre 2 bens (usados para simplificação), caso todo o esforço produtivo estivesse direcionado para a produção de um único bem e houvesse o interesse de se produzir o outro bem, as unidades produtivas iniciais direcionadas ao novo bem são relativamente mais produtivas a este novo bem que ao bem que era fabricado anteriormente. Isso indica que os profissionais contratados tenderão a ser os que possuem melhor relação (produtividade na produção do novo produto)/(produtividade na produção do velho produto). É uma evidente simplificação da realidade para indicar que o custo de oportunidade da produção de um bem que a sociedade já sabe produzir mas que por algum motivo não produz é menor que o custo de oportunidade de um nível de produção mais alto.\r
Soa muito blá blá blá, mas faz sentido econômico. Imagine que a sociedade produza bandeiras (bem 1) e todos os demais bens (esquematizado como bem 2). A medida que se aproxima da copa de 2014, é natural entendermos que a produção de bandeiras do Brasil aumente em decorrência do aumento da demanda. Segundo o formato geométrico da FPP, a economia tenderá a contratar aqueles que produzam melhor bandeiras que os demais bens, de forma que a produção de bandeiras crescerá mais que o decréscimo da produção dos demais bens. Obs1: O limiar da FPP indica que todos os fatores produtivos estão sendo usados. Obs2: Reforço que ainda não vi os slides mostrados. Ou seja, existe sim sentido econômico nisso, mas isso não quer dizer que a ilustração capture exatamente a realidade, entendeu? Se você tiver a boa vontade de entender a matemática como linguagem, e não como determinismo/positivismo, também pode ser desenvolvida nessa forma. Os "triângulos" hayekianos são uma demonstração disso.

Responder
Leandro 12/09/2012 13:03:46

Então você certamente irá gostar do PowerPoint, que utiliza abundantemente as fronteiras de possibilidade de produção.

Responder
Antônio Galdiano 12/09/2012 19:20:51

Excelente trabalho este. Realmente ilustrativo. E ninguém pode reclamar: dá pra desenhar? Mais explícito que isso só o livro mesmo. Mas quem ficar com as ilustrações já está bem servido.

Responder
Antônio Galdiano 14/09/2012 09:44:23

Sobre o que escrevi acima sobre o formato arrendondado da curva FPP (acredito não ter sido suficientemente claro), nada mais é que uma interpretação da teoria da vantagem comparativa de David Ricardo. Espero ter sido mais claro agora para quem já conhece o conceito.\r
E fica a sugestão para quem não conhece a teoria realmente buscar aprendê-la. Essa foi a teoria que melhor capta o espírito de solidariedade de toda economia. Particularmente, fico até emocionado só de relembrar. Até mesmo o homem com menor capacidade produtiva absoluta em todo o universo poderá ter uma contribuição para humanidade simplesmente ao viver sua vida com decência. Resumindo, esse é um conhecimento que nenhum homem de bem deveria viver sem conhecer.

Responder
Julio dos Santos 31/07/2012 09:49:08

Sensacional! Aprendi mais ensinamentos úteis neste PowerPoint do que uma pós-graduação keynesiana! Grato IMB!

Responder
Neto 12/09/2012 03:30:30

Não sei se o problema é aqui, mas o quarto slide parece ter um defeito

Responder
Leandro 12/09/2012 12:16:37

Prezado Neto, como se trata de uma apresentação de PowerPoint, você tem de ativar o método da "apresentação de slides" (é só pressionar F5). Tudo funcionará perfeitamente.

O quarto slide aparenta estar "embaçado" quando visualizado fora da apresentação porque ele é um slide de transição. Assista em modo de apresentação (aperte o F5) e você verá tudo fluir perfeitamente.

Abraços!

Responder
Vicente 10/12/2012 12:49:06

Finalmente vou conseguir entender Prices and Production

Valeu Roger Garrison e Mises.org

Responder
Juno 14/01/2013 13:51:45

Não estou conseguindo baixar a apresentação. Quando tento, aparece o erro "The resource you are looking for has been removed, had its name changed, or is temporarily unavailable".

Responder
Rafael Muscari 29/01/2013 21:05:23

Ta quebrado o link do power point.. por favor se possivel arrumar, aguardo contato.
Estou no "avise-me por email sobre novos comentarios enviados neste artigo"

Responder
Leandro 30/01/2013 03:57:50

Corrigido. Obrigado pelo alerta.

Responder
Rafael Muscari 30/01/2013 20:21:46

eu que agradeço!

Responder
Emerson Luis, um Psicologo 25/12/2013 09:59:41


Explicação e slide espetaculares!

* * *

Responder

Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
  Nome
  Email   (também utilizado para o Avatar, crie o seu em www.gravatar.com)
  Website
Digite o código:

Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.







Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2015
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
  III Conferência de Escola Austríaca
        por Equipe IMB - 25/06/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software