A etapa final do socialismo: a desintegração da Venezuela

Comentário do IMB

"O socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros", disse Margaret Thatcher.  Na Venezuela, além do dinheiro, acabou também a paciência da população. 

Cansada da escassez de produtos — falta de tudo: desde papel higiênico e jornais a produtos básicos de alimentação —, da inflação de preços galopante, da corrupção e da violência endêmica (a maior da América do Sul), dezenas de milhares de pessoas estão nas ruas protestando desde quarta-feira da semana passada.

O governo reprime as manifestações com violência.  Três pessoas foram assassinadas pelo governo e mais de 60 estão feridas.  A polícia está invadindo casas a esmo à procura do líder da oposição, que está foragido porque está jurado.

Há vários vídeos no YouTube descrevendo a situação e mostrando imagens do protesto.  Este, em espanhol e em inglês, resume o que está acontecendo na Venezuela.  Este mostra imagens dos confrontos e contém cenas fortes.  Aqui um manifestante é espancado pelas forças do governo.  E este mostra o exato momento em que um manifestante é assassinado.

Duas páginas foram criadas no Facebook para narrar e mostrar, em tempo real, tudo o que está acontecendo na Venezuela: SOS Venezuela e Somos más del 46% - Venezuela.  Ambas estão postando fotos das manifestações.

Segundo o jornal espanhol El País, jornais e redes de televisão venezuelanos estão limitando a veiculação de notícias sobre as manifestações, a mando do governo.

Praticamente nenhum canal de televisão está transmitindo imagens dos protestos.  Jornais impressos, que dependem da autorização do governo para a compra de papel, também têm dado pouco destaque às manifestações. Até o momento, três jornalistas que cobriam os protestos estão presos.

O jornal espanhol também denunciou ainda a suspensão, por parte de Maduro, dos serviços de metrô e ônibus que fazem o transporte entre Caracas e os municípios próximos, Sucre, Chacao e Baruta, governados pela oposição — e palco do início dos protestos.

O artigo a seguir é um compêndio de nossos artigos sobre a Venezuela, organizado de maneira cronológica.  Ele permite entender como as políticas econômicas do governo levaram a situação a este ponto.

*********************************

181-xx6M4.AuSt.55.jpegA turbulência econômica que fustiga a Venezuela tem recebido crescente atenção da mídia internacional ao longo dos últimos meses. 

À medida que piora a situação econômica do país, seu governo vai se tornando cada vez mais autoritário.  No momento, ele está fazendo de tudo para solapar as bases do já extremamente deteriorado tecido social do país.

Em setembro de 2013, a contínua escassez de papel higiênico (que ocorreu após a escassez de alimentos e de apagões no setor elétrico) levou o governo a ocupar uma fábrica de papel higiênico, com o uso maciço de força militar, com o intuito de garantir uma "distribuição justa" dos estoques disponíveis.  Parece cômico, mas é imensamente trágico.

No início de novembro, após o presidente Nicolás Maduro acusar os fabricantes de manipulação de preços, ele ordenou que o exército ocupasse as lojas e confiscasse todos os bens com o intuito de vendê-los a "um preço justo".  Ato contínuo, Maduro mandou prender os comerciantes e ainda enviou o alerta de que "este é apenas o início de tudo o que farei para proteger o povo venezuelano". 

Logo após esse confisco, multidões se aglomeraram, ao longo de todo o país, em frente às portas de várias lojas de eletrodomésticos com o intuito de saqueá-las, o que chegou a ocorrer em vários casos.  

Maduro asseverou que o governo iria, dali em diante, supervisionar todas as redes varejistas do país para se assegurar de que os preços fossem significativamente reduzidos.  Também ordenou que todos os estoques das lojas deveriam ser liquidados.  Em um discurso televisionado, ele mandou a mensagem: "Não deixem que nada permaneça nas prateleiras".

Também no início de novembro, imediatamente após ter criado o Ministério da Suprema Felicidade Social — em mais uma tentativa de garantir a "felicidade para todas as pessoas" —, Maduro anunciou que iria antecipar o natal para o mês de novembro.  O intuito era "trazer felicidade para o povo e combater a amargura".  Ato contínuo, o presidente começou a distribuir benesses natalinas, já pensando nas eleições municipais de dezembro. 

Mas este populismo não era apenas uma questão de estratégia política.  A taxa de inflação de preços na Venezuela, como será demonstrado mais abaixo, já está nos três dígitos.  Em um cenário assim, os salários precisam ser distribuídos de forma rápida, antes que os preços subam ainda mais; daí a "antecipação" dos bônus natalinos.  Esse tipo de política não tem absolutamente nada de novo na história econômica do mundo: o atual episódio hiperinflacionário da Venezuela está se desenrolando de uma maneira muito semelhante ao da Alemanha da década de 1920.

A história da economia venezuelana e de sua decadente moeda, o bolívar, pode ser resumida na seguinte frase: "De mal a pior".  Com efeito, a situação já extremamente deteriorada da Venezuela conseguiu dar uma guinada para pior.

A espiral decadente da economia venezuelana começou de fato quando Hugo Chávez decidiu impor seu "socialismo moreno" ao país, uma excentricidade que, à época, chegou a ser relativamente bem recebida por vários setores da grande mídia.  Durante anos, a Venezuela manteve um volumoso programa de gastos sociais combinado com controles de preços e salários e com um mercado de trabalho extremamente rígido, além de manter, como política externa, uma agressiva estratégia de ajuda internacional voltada majoritariamente para Cuba.  Todo este insano castelo de cartas conseguiu se manter solvente por um bom tempo unicamente por causa das receitas do petróleo.

Mas à medida que os custos deste populismo foram crescendo, o país teve de recorrer com cada vez mais frequência aos cofres da estatal petrolífera PDVSA e à impressora do dinheiro do Banco Central da Venezuela.  Isso resultou em um declínio contínuo do valor do bolívar — um declínio que se acelerou ainda mais após começarem a surgir notícias sobre o crítico estado de saúde de Hugo Chávez.

A morte de Chávez, no dia 5 de março de 2013, gerou um abalo sísmico em toda a economia venezuelana.  De maneira nada surpreendente, desde que seu sucessor Maduro assumiu o controle do país, o castelo de cartas venezuelano começou a desmoronar.  A taxa de câmbio do bolívar no mercado paralelo ilustra bem essa história.  Desde a morte de Chávez até novembro de 2013, o bolívar já perdeu 64,5% de seu valor em relação ao dólar no mercado paralelo, como mostra o gráfico abaixo.

venezuela_chart_1.png

Gráfico 1: taxa de câmbio bolívar/dólar no mercado paralelo (linha azul) versus taxa de câmbio oficial declarada pelo governo (linha vermelha)

Essa acentuada desvalorização do bolívar, por sua vez, gerou uma extremamente alta inflação de preços na Venezuela.  Para economias altamente estatizadas, a desvalorização de uma moeda no mercado paralelo é o mensurador que melhor estima o real valor dessa moeda.  Com este mensurador, é possível inferir que a inflação de preços "reprimida" na Venezuela está atualmente nos três dígitos, alcançando o estonteante valor anual de 297%, como mostra o gráfico abaixo.

venezuela_chart_22.png

Gráfico 2: inflação de preços oficial (linha vermelha) versus inflação de preços implícita (linha azul) acumuladas em 12 meses.

O governo reagiu exatamente como todos os governos populistas reagem aos aumentos de preços causados por suas próprias políticas: impondo controle de preços cada vez mais rígidos.  Obviamente, como Ludwig von Mises já havia explicado há várias décadas, estas políticas não apenas fracassaram completamente, como geraram um grande desabastecimento nos supermercados e uma constrangedora escassez de vários produtos essenciais, como papel higiênico. 

De fato, como mostra o gráfico abaixo, do próprio Banco Central da Venezuela, aproximadamente 22,4% de todos os bens existentes no mercado simplesmente não mais estão disponíveis nas lojas e nos supermercados da Venezuela.  Esse índice parece um remix daquela clássica música de Paul McCartney: "Back in the USSR".

globe-jan2014-3.jpg

Gráfico 3: Índice de escassez de bens nas lojas e supermercados

Apesar dos congelamentos de preços e da escassez, nada foi feito para atacar a causa básica das aflições inflacionárias da Venezuela, que é o descontrole da oferta monetária.

Este gráfico mostra a evolução da quantidade de dinheiro na economia venezuelana (agregado M3) de acordo com as estatísticas do próprio Banco Central venezuelano.  Em sete anos, a quantidade de dinheiro na economia aumentou 93 vezes, ou incríveis 9.200%.

venezuela-money-supply-m3.png

Gráfico 4: evolução da quantidade de dinheiro na economia venezuelana

O governo Maduro reagiu a tudo isso recorrendo exatamente às mesmas táticas empregadas por outros regimes totalitários e com moedas destroçadas.  Do Zimbábue de Robert Mugabe à Coréia do Norte atual, o manual é simples: negar e enganar.

A verdadeira taxa de inflação de preços demonstrada no gráfico 2, de 297%, é cinco vezes maior do que a taxa oficial de inflação de preços, de 54%, que é divulgada pelo governo venezuelano e repetida pela imprensa internacional.

Com efeito, vejo no Financial Times este valor de "54%" e me pergunto: "Como eles acreditam nisso"?  Mas a resposta é cristalina: os censores venezuelanos são muito eficazes.  Talvez não tanto quanto os censores chineses, mas ainda assim eficazes.  Os jornalistas lotados em Caracas com os quais converso frequentemente me dizem que as agências de notícias já fazem voluntariamente todo o trabalho de auto-censura em prol do governo, pois querem evitar que seus jornalistas em Caracas sejam expulsos do país.

O problema é que, ao menos na Venezuela, tais políticas não são novidade nenhuma.  Há anos o governo controla os preços de vários bens.  Por exemplo, o preço do galão da gasolina prêmio está congelado em US$0,058, o que faz com que um galão de gasolina seja mais barato que um galão de água potável em Caracas.

Além da escassez, controles de preços podem levar a consequências políticas não imaginadas.  Uma vez que os controles de preços são implementados, é muito difícil revogá-los sem que isso gere inquietação popular — veja os distúrbios que ocorreram em 1989 na Venezuela, quando o presidente Carlos Perez tentou abolir o congelamento de preços.

Embora o congelamento mantenha os preços dos bens em níveis ostensivamente baixos no mercado oficial, eles inevitavelmente geram prateleiras vazias, privando vários consumidores de ter acesso a bens essenciais.  Controle de preços em conjunto com uma regulação da margem de lucro não pode gerar outra coisa senão o desabastecimento.  Como resultado, a escassez de produtos bateu recordes na Venezuela

Recentemente, em uma reação estouvada às aflições econômicas do país, Maduro exigiu — e conseguiu — que o Congresso lhe concedesse poderes emergenciais e ditatoriais sobre toda a economia.  Sua primeira medida foi estipular um limite nos lucros das empresas.  Essa, no entanto, é apenas uma tática para gerar distração, pois a própria inflação de preços corrói os lucros e dilui a taxa de retorno dos investimentos. 

Maduro também lançou um feroz ataque à indústria automotiva, assinando um decreto para regular a produção e os preços de automóveis "da porta da fábrica até os pontos de revenda".  Como consequência, o governo começou a controlar os preços dos carros e a ameaçar de prisão todos aqueles que ousarem vender automóveis aos seus preços de mercado.  Será interessante ver quem Maduro irá culpar quando esta medida resultar em escassez de novos carros.

O governo venezuelano alega que a alta inflação de preços e o desabastecimento generalizado de produtos básicos são resultado tanto de uma "guerra econômica" feita pelos EUA quanto de maquinações maquiavélicas da "classe burguesa parasítica" da Venezuela.  Por isso, Maduro começou a mobilizar suas tropas contra estes "inimigos" e passou a encarcerar todos os comerciantes que pudessem ser enquadrados no crime de "usura" e "extorsão".

Veja no vídeo abaixo o desespero de um comerciante ao ser preso pelo governo pelo simples fato de não ter reduzido seus preços como ordenava o governo:

Essa escolha entre preço "justo" e encarceramento é agora a norma para os empreendedores da Venezuela.  Herbert Garcia, chefe do Alto Comissariado para a Defesa Popular da Economia, disse bem claramente: "Temos de garantir que todas as pessoas tenham uma TV de plasma e uma geladeira de última geração".

O único problema é que o governo não foi capaz de fazer com que sua rede estatal de energia elétrica fornecesse eletricidade o suficiente para alimentar os produtos eletroeletrônicos espoliados, e os constantes e volumosos apagões não estão deixando os espoliadores usufruírem os produtos de seus saques.

image.jpgComprovando sua ignorância econômica, Maduro disse que o Banco Central venezuelano tem de estar mais atento às maquinações dos empresários do país e divagou: "Se estamos baixando os preços dos produtos em quase 100%, isso deveria impactar a taxa de inflação, não?"  É claro que não.  Enquanto o Banco Central continuar criando dinheiro para financiar o governo (ver o gráfico 4), a inflação de preços continuará subindo.  E ao ativamente estimular os saques aos comerciantes, o governo está deliberadamente desestabilizando a sociedade venezuelana, muito provavelmente com o intuito de ter a justificativa para adotar medidas ainda mais radicais.

Em abril de 2013, quando Nicolás Maduro oficialmente assumiu a presidência após uma vitória bastante questionável nas urnas, várias pessoas especularam que ele seria mais conciliador e moderado que seu antecessor Chávez.  Ledo engano.  Já está claro agora que, sob Maduro, o chavismo foi elevado ao paroxismo e que o pior ainda está por vir na Venezuela.


0 votos

SOBRE O AUTOR

Steve Hanke
é professor de Economia Aplicada e co-diretor do Institute for Applied Economics, Global Health, and the Study of Business Enterprise da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, EUA.  O Professor Hanke também é membro sênior do Cato Institute em Washington, D.C.; professor eminente da Universitas Pelita Harapan em Jacarta, Indonésia; conselheiro sênior do Instituto Internacional de Pesquisa Monetária da Universidade da China, em Pequim; conselheiro especial do Center for Financial Stability, de Nova York; membro do Comitê Consultivo Internacional do Banco Central do Kuwait; membro do Conselho Consultivo Financeiro dos Emirados Árabes Unidos; e articulista da Revista Globe Asia.



A meu ver, essa "desregulamentação" estatal sobre a terceirização não passa de uma intervenção, de feição "liberal", que não implicará nos efeitos desejados e previstos.

Basicamente, pelo que eu entendi, a intenção do governo é gerar mais empregos que de fato paguem salários realmente vinculados à riqueza produzida pelo empregado. Com isso, busca se mover a economia, através de poupanças, maior capital do empregador para investimento e consumo real dos empregados. Desse modo, o Estado pode arrecadar mais, pois, na análise de Smith que é complementanda pelo autor do artigo, a especialização (terceirização) gera riqueza e prosperidade. Fugindo, portanto, do ideal keynesiano de que quanto maior o consumo de quem produz maior o progresso, negligenciando a possível artificialidade dessa troca.

Minha objeção consiste em afirmar que a regulamentação do modo que foi feita não é benéfica para o Estado, logo, como tudo no Brasil, querendo ou não, está ligado à esse ente, não torna se benéfica ao indivíduo.

Primeiro, pelo fato de que, as empresas que contratam outras empresas terceirizadas podem ter um elo empregatício direito com os empregados dessa última. Nessa perspectiva, caso uma terceirizada, receba os repasses do contratante, porém não esteja pagando os benéfícios/ salários dos seus empregados em dia, sob alegações diversas, iniciará se um processo judicial entre a empresa contratada e o contrante para solucionar esse caso, haja vista que é do interesse do terceirizado receber o que lhe é devido. Consequentemente, o tempo depreendido, os custos humanos e financeiros são extremamente onerosos para a empresa contratante, de modo que, sua produtividade e poder de concorrencia no mercado é reduzida. Ou seja, a continuidade do desrespeito aos contratos firmados e a morosidade da Justiça, práticas comuns no país, muitas vezes, anulam a ação estatal que visa gerar mais empregos e melhorar a produtividade das empresas. O que afeta principalmente os empreeendedores com um capital menor e que operam em mercados menos regulados. Logo, busca se intervir para corrigir um problema, sendo que o corolário dessa nova intervenção é exaurido por uma ação feita anteriormente

Outro ponto pouco abordado por vocês é que as terceirizações beneficiam também os empresários oriundos de reservas de mercado. Logo, uma ação estatal que, a posteriori privilegia os amigos dos políticos, não pode implicar nas consequências previstas a priori. Isso porque, a possibilidade contratação de terceirizados a partir de salários menores do que de fato seriam em um contexto natural/equilibrado torna se muito mais viável para os corporativistias, pelo simples fato de que seus acordos com agências e orgãos públicos influenciam também nas decisões judiciárias que envolvem a sua empresa e a empresa terceirizada. Desse modo, o megaempresário contrata a empresa terceirizada e estabelece um acordo onde há um repasse menor da grande empresa para a terceirizada e, na sequência, apenas uma parte muito pequena, não correspondente ao valor gerado, desse repasse para a empresa terceirizada é convertida em salários para os terceirizados, onde a empresa terceirizada acaba lucrando mais, ao ter menos gastos. Portanto, um terceirizado que trabalha para uma empresas monopolística (no sentido austríaco) possui maiores chances de ser ludibriado e não lhe resta muitas opções de mudança de nicho, haja vista que infelizmente inúmeros setores do mercado brasileiro sofrem regulação e intervenção constante do governo.

No mais, ótimo artigo.
Gustavo, os Dinamarqueses podem usufruir desse tipo de assistencialismo, justamente porque o mercado deles é produtivo.

O mercado deles é produtivo como consequência da LIBERDADE DO MESMO, como o próprio artigo aponta.

Lá não existe salario mínimo, o imposto sobre o consumo é baixo, assim como o imposto sob pessoa jurídica.
No máximo, o imposto de renda é alto, mas eles tem uma moeda forte e estável, um lugar livre pra se empreender e contratar alguém(não existe nem salário minimo lá!).

Defender o modelo Dinamarques na situação Brasileira demonstra toda a ignorância básica em economia, nosso mercado fechado produz pouco pra aguentar um estado desse tamanho. Ainda sim, o estado da Dinamarca é menor que o Brasileiro, nunca ouvi falar sobre lá ter quase 40 ministérios, nunca ouvi falar lá sobre a existência de Agencias Reguladoras em todos os setores do Mercado, nunca ouvi falar lá sobre a existência de centenas de estatais!

E mais, a crise Sueca dos anos 80 justamente explica isso, o Welfare explodindo nessa época acabou ''sufocando'' o mercado, deixando-os em uma crise enorme de déficits astronomicos.
Qual foi a solução?

Austeridade e Livre-Mercado, na década de 90 a suécia voltou a crescer fortemente, uma reforma radical de corte de gastos e liberdade de mercado, no fim das década de 80 e começo da 90, permitiu que a Suécia saísse da crise causada pelo Welfare.

Mas por fim, você acha justo tirar o dinheiro das pessoas a força pra sustentar tudo isso para os que não querem trabalhar?

Antes de qualquer boa consequência, analise a ética e a moral.
É como querer defender o homicídio, dizendo que isso amenizara a escassez na terra no futuro. Não interessa, homicídio de inocentes é errado, é irrelevante as boas ou ruins consequências que o crime pode trazer.

E mais, Noruega já esta retirando dinheiro do seu fundo, mais uma vez veremos mais uma crise em alguns escandinavos, o peso do estado não dura muito, por mais produtivo que um mercado seja. É economicamente impossível, a empiria da ciência economica prova isso!

O texto apenas demonstra que o sistema capitalista, ainda mais a forma liberal, é totalmente ineficiente.

Senão vejamos,

1: hoje já não é proibido nenhuma empresa ter seus laboratórios e certificados de qualidade internos ou externos, inclusive no Brasil existe a certificação "Certified Humane Brasil é o representante na América do Sul da Humane Farm Animal Care (HFAC), a principal organização internacional sem fins lucrativos de certificação voltada para a melhoria da vida das criações animais na produção de alimentos, do nascimento até o abate"; (não necessita liberalismo para isso), inclusive a Korin agropecuária é certificada por essa empresa, entre tantas outras.

2: Não é proibido nenhuma instituição avaliar a qualidade dos produtos e denunciar caso seja de péssima abaixo do esperado; (não necessita liberalismo para isso também)

3: No liberalismo estas mesmas instituições que avaliariam a qualidade ou emitiriam certificados poderiam ser construídas justamente para os objetivos do bloco gigante de algum ramo, como por exemplo carne, tendo esse poder eles também teriam o poder de patrocinar jornais e revistas para desmentir qualquer empresa de certificados privados concorrente e pronto, num mundo globalizado quem não aparece não é visto. O lucro dos grandes blocos estaria garantido... num capitalismo sem regulação estatal quem iria impedir isso? Da mesma forma que a "Certificadora" do grande grupo poderia difamar as carnes de um grupo concorrente.

claro, se não existissem grupos, talvez até funcionaria, porém pq não criar grupos para ter maior vulto de recursos para maior propaganda e maior lucro? Justamente. Apenas prova objetivo maior - lucro - é o motor para irregularidades, seja de agente público ou privado.

aguardando respostas...

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Vitor sousa  17/02/2014 14:18
    Tem umas fotos muito interessantes mostrando os TUPAMAROS (tipo uns black blocs do governo venezuelano) portando fuzis e armas diversas.

    O que mostra que a política de desarmamento lá foi parcial de acordo com os interesses do governo.

    E mais uma vez, podem chorar a vontade: Olavo estava certo.
  • anônimo  17/02/2014 14:47
    E antes do Olavo, Hayek estava certo. E antes dele, Mises estava certo. E antes destes todos, Eugen Richter estava certo. Ayn Rand estava certa muito antes de Olavo. Só para citar alguns.

    Pode chorar a vontade agora.

  • Luciano  17/02/2014 23:14
    Nao e preciso subir nas tamanquinhas, o Olavo cita esse pessoal todo que voce disse, e com propriedade.
    E ninguem precisa chorar, a nao ser pelo destino dos venezuelanos.
  • anônimo  18/02/2014 01:27
    Se é pra fazer culto à personalidade de alguém, que seja feito certo. Os que citei não tiveram um século e meio de observação prática das consequências do socialismo. Aliás, quando Eugen Richer publicou sua obra, 'Pictures of a Socialistic Future', sequer havia acontecido a revolução russa.

    Aliás, cultuar uma personalidade é algo que a esquerda adora fazer, não é? Pessoalmente, prefiro ficar com as idéias.
  • anônimo  18/02/2014 12:08
    É óbvio que ele está falando que o Olavo estava certo SOBRE A VENEZUELA.
  • anônimo  18/02/2014 13:19
    E pra pirraçar e incluir um comunista também: Bakunin estava certo!
  • gubber bittencourt  07/03/2014 13:02
    Comumente eu cai na armadilha de achar que a esquerda é burra, mas sempre vem alguém que me mostra que a população em geral é burra.
  • Ciro  18/02/2014 01:40
    Para o Olavo até a Margareth Tatcher era comunista.
  • Andre  18/02/2014 14:25
    "Para o Olavo até a Margareth Tatcher era comunista."

    De onde você tirou isso? Me manda o link.
    À menos que seja mentira... aí você pode fingir que não viu essa mensagem para
    não passar vergonha por ser um mentiroso.

    Segue um artigo do Olavo de Carvalho em que ele cita:
    "Por que o socialismo não funciona"
    www.olavodecarvalho.org/convidados/cerqueira.htm

    Destaco o trecho do artigo que contradiz o que você disse:

    """"""""""""""""
    Na Inglaterra, um outro professor austríaco, ex-aluno e colaborador de von Mises em Viena, Friedrich Hayek, que receberia o prêmio Nobel de Economia de 1974, publicou em 1944 seu livro 'O caminho da servidão', confirmando a previsão de Mises de que o socialismo, mesmo moderado, acabaria levando a sociedade que o adotasse à tirania e ao fracasso econômico e social. O que se confirmou após quase trinta anos de governo socialista do Partido Trabalhista inglês, que estatizou a economia, produzindo inflação, alto desemprego e sucateamento da indústria britânica, até que o governo liberal do Partido Conservador, com Margaret Thatcher no poder, restaurasse a economia e o emprego.
    """"""""""""""""
  • anônimo  18/02/2014 18:48
    Vários destes estavam certos, mas não a respeito dos organismos que levaram a esta situação. O Olavo, sim, estava certo. Desde o início alertava sobre o Foro de São Paulo e suas intenções. Não é possível que ainda restem dúvidas.
  • anônimo  18/02/2014 19:05
    "Vários destes estavam certos, mas não a respeito dos organismos que levaram a esta situação."

    Você está afirmando que eles estavam errados sobre os organismos que levaram a esta situação. Pergunto, como eles podiam estar errados sobre algo que viria a tomar forma décadas mais tarde?

    Os teóricos estavam certos na teoria que criaram. Olavo simplesmente pegou esta teoria e a aplicou. Como analista, Olavo é ótimo. Como teórico, prefiro os originais.
  • anônimo  18/02/2014 19:26
    'Você está afirmando que eles estavam errados sobre os organismos que levaram a esta situação. '
    Não, ele está falando que eles não foram específicos sobre quem eram esses organismos, como o Olavo foi específico ao denunciar o foro de são paulo.
  • anônimo  18/02/2014 20:30
    É, realmente, falha grave de Mises, Hayek, Ayn Rand, etc, de não acusarem a KGB e o Foro de São Paulo de conspirar para tomar o poder na América Latina. Vou já trocar o IMB pelo MSM sem olhar para trás.
  • anônimo  18/02/2014 23:08
    Falha grave? Poupe-se do ridículo de vir com essa falácia da redução ao absurdo porque ninguém disse isso, a única falha está no seu cérebro binário não conseguir entender que o sujeito que faz o quadro geral (Mises e cia) e o sujeito que se ocupa de esclarecer pedaços específicos dentro desse quadro (nesse caso, o Olavo) não são inimigos nem excludentes.
  • anônimo  19/02/2014 02:16
    Anônimo 23:08:10, o anônimo 19:26:31 desmereceu os escritores antigos pelo fato de não terem sido específicos sobre os organismos de atuação dos comunistas. Eu apontei, ironicamente, que nem tinham como, pois (obviamente) viveram numa época que o comunismo era novidade, não um fracasso comprovado.

    Se minha ironia foi ácida demais para seu gosto, vai chupar limão para ficar menos sensível.

    Ps. Obrigado por esclarescer o óbvio. Realmente, ninguém tinha notado que o MSM dá o peixe e o IMB ensina a pescar. Só que, diferente do comentarista inicial, eu prefiro dar crédito a quem tem a sacada inicial. Olavo tem seus méritos, é um ótimo analista e excelente professor de filosofia. Mas os méritos de Mises, Hayek, Ayn Rand e os outros, são muito maiores. Estes sim, conseguiram prever o futuro do socialismo com exatidão. Olavo já pegou tudo escancarado, é muito fácil prever o futuro de um socialista tendo o século XX como professor.
  • anônimo  19/02/2014 09:31
    Chupar limão é? Que comentário ridículo, você parece um aborrescente querendo se afirmar.
    Se você se incomoda de alguém esclarescer o óbvio, é culpa sua ao dar a entender que nem o óbvio conhece.
    E se for pra entrar no mérito da questão, nem as linhas gerais Mises Hayek e Ayn Rand souberam fazer direito, os dois primeiros não conseguiram ver como um estado mínimo sempre vira um estado inchado, Hayek defendia um trambolho equivalente ao bolsa esmola e a Ayn Rand achava que haveria uma migração em massa de empresários pra fora de um estado corrupto, e não viu que alguns desses poderiam entrar nesse mesmo estado, além de achar que o anarco capitalismo não teria nenhuma solução pro problema do 'se A rouba de B e os dois tem justiças diferentes'
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1541
  • anônimo  19/02/2014 13:02
    Depois eu é que não entendo. Não se preocupe, fique com o MSM e o Olavo. Nada contra eles ( melhor explicar tudo nos mínimos detalhes né? ), eles têm seu público. Como citei acima, eles dão o peixe pronto. Sempre tem quem ainda não consegue pensar e analisar sozinho...
  • anônimo  23/02/2014 09:30
    Exatamente, sempre tem quem não consegue pensar sozinho, como você. Mas além de não conseguir pensar você não consegue ler e encarar os erros dos seus ídolos Ayn Rand e cia.

    Tudo que o Olavo faz é ler o que os comunistas decidem, que vai ser implementado décadas depois. Quando ele fala que o próximo passo é legalizar a pedofilia, não é exagero coisa nenhuma, mas hoje em dia quem falar a verdade sobre certas coisas no mínimo vai preso
    ohomossexualismo.blogspot.com.br/2014/02/homossexual-walter-lee-hampton-avisa.html
  • anônimo  23/02/2014 16:24
    anônimo 23/02/2014 09:30:04, se eu discordo em um ponto específico de alguém ou faço uma crítica pontual, eu sou automaticamente um crítico ferrenho e completo opositor de todas as idéias daquela pessoa? Ora, cresça! Tenha senso de proporção!
  • Jodiel  21/02/2014 15:48
    É impressionante como voces invertem tudo em favor dos capitalistas. Venezuela segue um modelo capitalista. Ali nao há socialismo algum. Existe um governo que se põe ao lado dos marginalizados e miseraveis que historicamente nunca teve poder na Venezuela. O problema ali é exatamente o capitalismo. Isto é, os meios de produção, propriedade, midia, etc. concentrado neles os torna poderosos para defender seus interesses. Como sempre fazem, fazem refém quem não contemplar seus interesses. Deixam faltar produtos, formam carteis, boicotam, caluniam (como já foi desmascarada varias fotos na internet imputando ao governo crimes que ocorrem em outros países), etc. A ideia é desestabilizar para derrubar. Em 2002 a farsa deu errado e o povo colocou a burguesia para correr, agora até pode dar certo pois Maduro nao tem a mesma habilidade que Chavez. Enfim, se querem seu modelo capitalista retrogrado façamos como EUA, Europa...Vamos escravizar e roubar recursos sem precedentes de outros lugares e constituir a economia global em nosso favor. Esta parte da História (da violencia, interesse, manipulação, etc) voces passam por cima, só teorizam em numeros e dentro da propria lógica de valorização do capital em detrimento do resto. Uma economia de fato livre é aquela em que os produtores sao livres. Isto é, que nao se admita relações de exploração alguma, que se produza de forma associada (como já é) e que a riqueza gerada tambem seja partilhada. Nem Estado dirigindo e nem tiranias privadas capitalistas! Esta é a meta do século XXI!
  • Ariel  21/02/2014 22:26
    O Típico Filósofo está silenciosamente criando um exército de seguidores. Pena que os pupilos não tenham a mesma qualidade e nem a mesma verve do mestre. Veja este tal Jodiel, por exemplo. Embora esforçado, ainda é totalmente amador na arte do humor. Mas, com muito treino e prática, ele ainda pode chegar lá.
  • Andre  21/02/2014 23:03
    Normalmente eu diria: "Vai pra Cuba então!".
    Mas agora que o governo da Venezuela já aprendeu com o Fidel à matar o povo, eu digo:

    Vai pra Venezuela então!!!

  • Rodrigo D.  21/02/2014 23:46
    Esse é bem fraquinho mesmo. Acho que ele deveria beber mais da sabedoria do nosso filósofo. Assim ele aprende a escrever, usando os argumentos corretos de um esquerdista.

    Só um adendo, ele ainda acha que riqueza existe "per si", não é produzida. Como é primitivo.
  • anônimo  22/02/2014 18:53
    Jodiel, o que você está esperando pra ir morar na Venezuela então? Vá viver sua vida e me deixe ser explorado pelo capitalismo em paz, caracas!

    (obs: eu sei que não vai rolar, esquerdista nenhum quer botar pra funcionar o sistema dele, o que eles querem é ser parasitas de quem produz riqueza real)
  • Daniel  18/04/2014 01:24
    Meu chapinha Tupamaros são uruguaios! Mojica era tupamaro, algo como Robin Wood! Roubava dos ricos para dar aos pobres!
  • Guilherme  18/04/2014 01:56
    Prezado chapinha Daniel, informe-se melhor.

    Movimiento Tupamaro de Venezuela

    Por que passar vergonha pública nas vésperas de um feriado?
  • Andre  17/02/2014 14:23
    Socialismo na prática é assim: o governo mata a população.
    Começa matando só alguns, mas termina em milhares, ou milhões,
    dependendo do tamanho da população.
  • Rene  17/02/2014 14:32
    Também ouvi comentários de que a violência na Venezuela contra os manifestantes está muito maior do que o que está sendo divulgado aqui no Brasil. O próprio fato do governo da Venezuela controlar a mídia de lá impede que estas notícias cheguem aqui. Por aqui, a mídia também não está tão interessada em divulgar os podres do Socialismo em nosso país.

    Se alguém tiver notícias sobre as manifestações vindas de fontes primárias, seria muito produtivo.
  • Guilherme  17/02/2014 14:46
    Prezado Rene, se você tiver Facebook:

    https://www.facebook.com/sosVenezuela2014?fref=ts
  • anônimo  20/02/2014 02:24
    https://www.youtube.com/watch?v=CrvDvpyEI4M#t=112874

    Basta acompanhar aqui.
  • Marcos  17/02/2014 14:44
    Regime utiliza gás verde contra manifestantes

  • Frederico Sperb  17/02/2014 14:51
    Não entra em minha cabeça o fato de, em pleno século 21, ainda ser comum em países onde a população ativa (economicamente) se rebela ser concedido poderes extremos e sem fim a déspotas que não aceitam abrir mão de seus mandatos.

    O mundo fica quieto frente a atrocidades, demora demais para começar a fazer pressão, sempre com a desculpa que não podem se meter em assuntos internos dos países. Balela.

    Num mundo que se pretende justo, muito ainda deveria ser modificado para se conter, em tempo, estes que se entendem donos das verdades em seus países. No caso da Venezuela, se levarmos em conta a capacidade petroleira daquele país... E se o próprio presidente é "maduro", então que caia.
  • Lucas Silva  10/04/2014 02:48
    "Não entra em minha cabeça o fato de, em pleno século 21, ainda ser comum em países onde a população ativa (economicamente) se rebela ser concedido poderes extremos e sem fim a déspotas que não aceitam abrir mão de seus mandatos."

    Estatuto do desarmamento é que causa isso, não há como se rebelar com as mãos vazias contra déspotas que usam as forças armadas como guarda particular!
  • Allan  17/02/2014 15:04
    Petição do EPL:

    Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e órgãos da imprensa brasileira: Repúdio à repressão do governo venezuelano aos protestos no país

    https://avaaz.org/po/petition/Presidente_do_Brasil_Dilma_Rousseff_e_orgaos_da_imprensa_brasileira_Repudio_a_repressao_do_governo_venezuelano_aos_prote

    (Copiem e colem o link acima na barra de endereços)
  • Vive la liberte!  17/02/2014 16:32
    Mmm tenho certas restrições sobre avaaz. Não sei dizer bem o que é, mas algo não me cheira bem entre suas causas coletivistas, ativismo, cadastramento com nome e CPF e sei lá mais o quê. Ouvi dizer que o George Soros está por trás do site, não pode ser coisa boa.
  • Andre Luiz  18/02/2014 01:38
    site esquerdista!Controlado por um petista, Pedro Abramovay, ligado ao vigarista do Marcio Thomaz Bastos! Saia desse site globalista!
  • Sergio  18/02/2014 13:05
    Também não gosto dessa ideia de usar Avaaz.
    O diretor dessa porcaria é o Pedro Abramovay, ex-secretário do Lula e da Dilma.
    veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/pedro-abramovay-o-chefao-do-site-avaaz-e-um-mimo-da-esquerda-avisa-o-brasil-e-nosso/
  • Diones Reis  17/02/2014 15:35
    Mais uma prova de que controle de preços e mercadorias é fadado ao fracasso, pois isto só incentiva o livre comércio a ficar o mais longe possível do governo.

    "g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2013/12/brasileiros-atravessam-fronteira-para-comprar-presentes-de-natal.html"
  • Hudson  17/02/2014 15:52
    Há informações de que de hora em hora o governo Vuvuzuelano solta uma chamada na TV com o nosso conhecidíssimo amigo Lularápio declarando apoio ao governo Maduro...
  • Marcondes  17/02/2014 16:38
    Sim. É esse vídeo que passam:

  • Me  17/02/2014 16:05
    Pergunta que não quer calar: para onde um pobre assalariado com pequena poupança pode correr? Até Estados Unidos com os problemas atuais sendo denunciados me parece melhor.
  • Vitor Sousa  17/02/2014 16:30
    Estou pensando em Canadá, principalmente se a Dilma se reeleger.
  • Douglas  17/02/2014 18:28
    Então arruma suas malas amigo porque ela vai sim se reeleger e tomara que isso aconteça, não que eu eu vá votar nesta senhora terrorista, longe disso. Eu quero mesmo é que ela ganhe para os problemas todos estourarem na mão do pt, assim eles não saem como mocinhos na história e fica mais fácil conversar com as pessoas que moram na cidade do meu pai no Ceará, a saber Varzea Alegre. Lá eles acham que a situação melhorou no Brasil graças ao Lula, é muito revoltante tudo isso. Cegueira total! Abraços!
  • cris correa  17/02/2014 18:54
    corra para a nova zelandia
  • Artur  17/02/2014 19:03
    Canadá, N. Zelândia, Austrália... depende do que você pretende fazer da vida.
  • anônimo  08/04/2014 11:28
    Nenhum desses é garantia de nada.Um país liberal de hoje pode ser o comunista de amanhã, e vice versa.Vide EUA, Chile, etc.

    A única coisa que com certeza nunca vai ter estado inchado (ou estado nenhum, dependendo do ponto de vista)é o seasteading do Patri Friedman. Isso se sair do papel.
  • anônimo  17/02/2014 19:04
    Espere a queda de Maduro "el burro", e considere a ida à Venezuela. Ou mesmo a Argentina, após a queda da Cristina, "a louca". Países devastados pelo socialismo são cheios de oportunidades para empreendedores quando os socialistas vão embora. Afinal, alguém precisa reerguer o país, e os povos destes lugares normalmente estão sem capital algum.
  • Rafael Ribeiro  17/02/2014 21:03
    Se o povo vai estar sem capital, quem irá consumir os produtos de quem vai empreender??
  • anônimo  17/02/2014 21:41
    Não é preciso capital para consumir produtos ou serviços. Para isso se utiliza a renda. A renda é resultado do trabalho. O capital é utilizado para comprar máquinas/organizar negócios. Na situação que citei, você tem uma abundância de mão de obra disponível, mas não tem os recursos para organizá-la em sistemas produtivos.
  • Pedro  17/02/2014 23:03
    Pergunte para os empreendedores chineses quem vai consumir seus produtos...
  • Ângelo M. Palmeira  17/02/2014 16:31
    "Ministério da Suprema Felicidade Social"

    Sinceramente, senti um frio na espinha quando li isso. É orwelliano de mais pra ser verdade. E o pior de tudo é que é de fato verdade.

    Quando vi o nome desse ministério, me veio automaticamente o Ministério do Amor, de 1984, onde os presos políticos eram submetidos a sessões intermináveis de tortura.

    Infelizmente, Orwell estava certo.
  • Vitor Sousa  17/02/2014 16:53
    Você viu o video em que na "Comissão da Verdade" um coral cantava o hino da internacional socialista (aconteceu semana passada isso)?

    E o nosso ministério da Igualdade Racial?

    E um outro da Desigualdade Social?

    Não precisamos ir tão longe para vivermos 1984.

    E sinceramente, se a Dilma se reeleger, acho que vai piorar.
  • Ricardo  17/02/2014 17:15
    'Internacional Socialista' em ato da Comissão da Verdade do Rio

    Antigo hino das esquerdas, a "Internacional" voltou a ser cantada em ato da Comissão Estadual da Verdade do Rio, nesta terça-feira (11).

    www1.folha.uol.com.br/poder/2014/02/1410866-coral-canta-internacional-socialista-em-ato-da-comissao-da-verdade-do-rio.shtml
  • Willian  17/02/2014 16:34
    Será que isso acontecera na Argentina amanha e no Brasil depois de amanha?

    Será que o povo vai ter que sofrer tanto para começar a ver que a politica libertaria é realmente a correta, assim como prova Honk Kong?

    Quanto tempo tem que passar para acreditarem que Adam Smitch, Hayeak, Mises estão certos?

    Será que em circunstancias como essas a ignorância é realmente uma benção?

    Quanto mais penso que sei percebo que menos sei.
  • Típico Filósofo  17/02/2014 16:58
    Em seu ímpeto reacionário, o arqui-burguês Steve Hanke apressa-se ao narrar a situação do povo venezuelano e a conspiração da CIA contra a felicidade advinda dos programas sociais de Maduro. Como sempre defensor do povo, sacrifico-me ao ousar refutar as críticas maliciosas do sr. Hanke, quem ostentou neste artigo o absurdo de afirmar que é o povo que sofre com a escassez gerada pelos controles de preço ao invés do grande capital e das oligarquias internacionais.

    - Explicando a infame questão do papel higiênico: O ato de 'defecar' é essencial para a manutenção da conjunta capitalista sob uma perspectiva marxista-polilógica, pois aliena o trabalhador da condição de exploração na qual vive ao expô-lo a um trono produzido industrialmente (visando a burguesia prendê-lo às condições de produção, como explicado genialmente por Horckeimer ao questionar as intenções reacionárias por trás do sofá e da televisão) de onde ele é torturado pelos alimentos que consumiu, incapaz de refletir e lutar pela justiça social.

    Como explicado por Trotsky e Marx, o fim da luta de classes com a ascensão do proletariado inevitavelmente ilimita a capacidade física e intelectual do proletário, fazendo-o não mais protestar pelas futilidades antes impostas pela sociedade burguesa como o 'papel higiênico', retomando a sociedade ao belo passado bucólico quando não era necessário sentir-se oprimido por seus desejos orgânicos e bastava jogá-los pela janela. A Venezuela enfrenta um processo de mudança necessário e em breve, o proletariado esquecerá do hábito imposto pela burguesia neoliberal a seu povo.

    - O "gás verde": Sendo a Venezuela uma produtora de petróleo, é mister que Maduro está preocupado em limpar sua imagem perante a vanguarda revolucionária fabiana ambientalista, utilizando de gás verde para apaziguar as multidões pagas pela CIA para oporem-se ao regime, criado de uma belíssima forma simbólica, uma 'paz verde' (Greenpeace).

    - Os "saques" aos supermercados: Trata-se de pura restituição de mais-valia não consolidada. Quando as elites contratam trabalhadores para aumentarem seu lucro, o sr. Hanke maliciosamente se omite, porém quando estes vão às suas lojas, quebram as vidraças e trazem os bens produzidos para casa ao ponto de que não mais haverá contratações (ou seja, fim da exploração do povo venezuelano), o senhor Hanke chama de "saque". Trata-se de apenas um exemplo da luta de classes em ação, impedindo o autor burguês de enxergar a libertação do povo.

    - A "inflação galopante" venezuelana: O senhor Maduro está mais do que correto - se os índices de preço estão fixos, é simplesmente impossível que esteja ocorrendo uma inflação (aumento de preços). Na verdade, o que está a ocorrer na Venezuela é uma deflação, pois a burguesia unida à CIA deseja entesourar sua riqueza, abdicando no curto prazo de sua própria alimentação, energia e sustento para que o proletariado não triunfe na Venezuela; daí o aumento de mais de 90 vezes na quantidade de dinheiro em circulação no país, trata-se de uma imprescindível ação do estado para manter de pé a demanda agregada perante uma armadilha de liquidez da burguesia e uma conspiração do capital internacional.

    - A mídia neoliberal burguesa é censurada: Diferentemente da maliciosa escolha de palavras do senhor Hanke, a tomada dos meios de comunicação e a prisão ou expulsão de agentes reacionários para fins revolucionários foi um processo completamente democrático e portanto, justo e ético. Como demonstrado genialmente pela capa da edição da Carta Capital em que os novos movimentos reacionários brasileiros são criticados, o suicídio daquela enfermeira inglesa deprimida severamente após um trote de uma rádio australiana é mais do que justificativa para uma submissão da mídia ao bem comum.

    - Há "apagões" na Venezuela: Se prestar atenção na foto exposta neste artigo, trata-se de um empresário donos dos meios de produção afirmando que não há energia no país. Trata-se de mais um exemplo do paradoxo da luta de classes em ação - apenas os reacionários sentem os apagões enquanto os trabalhadores estão nas ruas a festejar as conquistas sociais do país por ordem do Ministério da Suprema Felicidade Social, eventualmente entrando em conflito com os agentes da CIA a enfrentar a revolução.

    -------------------------------------------------------------------------------------

    O senhor Hanke verdadeiramente extrapolou em suas "acusações" contra o Bolivarianismo neste artigo, chegando, data venia, ao ridículo. Recomendo que ele venha à USP como estudante e tome um curso de ciências sociais para que aprenda como de fato funciona o mundo.
  • Malthus  17/02/2014 17:18
    O Típico Filósofo cada vez mais sensacional. Sou um fã despudorado.
  • PESCADOR  17/02/2014 18:52
    Esse Típico Filósofo escreve de maneira muito parecida com o hilário Olavo Pascucci.
  • Trevor Reznik  17/02/2014 19:39
    Caramba, Típico Filósofo, a cada dia você se superar, ahahaha.

    Adoro seu humor sarcástico. Acho que você não deveria se limitar à seção de comentários deste instituto e criar um blog só para postar suas ironias diversas sobre os acontecimentos políticos e econômicos do mundo. Eu garanto que adicionaria nos favoritos (Sem contar a possibilidade de ver esquerdas achando que você fala sério).

    Abraço.
  • Bruno  18/02/2014 16:41
    Vai ver que ele é o editor do "Vanguarda Popular" e a gente não sabe!
  • Gustavo  17/02/2014 21:10
    O pior é que se mandar pro Carta Capital eles publicam.
  • Dam Herzog  18/02/2014 01:31
    Ora o marxismo está ficando mais velho que a dor. Onde existe socialismo só existe força bruta, expurgos, matanças, dor e a vida não vale quase nada. Olhe Cuba, Coreia do Norte, é só fome e morte aos que tentam a fuga. O Brasil apoia as ditaduras mais sanguinarias do mundo, e ainda querem trazer este modelo para o Brasil. Olhem como os nossos governantes gostam de tirar fotos com esses assassinos que uma dia o mundo deverá julgar. Porque voce não emigra para esse paraizo cubano?
  • Celso  18/02/2014 20:11
    Eu não me arriscaria a dizer que é ironia. Como bem disse o Gustavo, se mandarem para o Carta Capital, eles publicam.
  • Cesinha  17/02/2014 17:04
    Mais um país despedaçado graças a onda vermelha, Argentina será a próxima, depois Chile e Brasil agarradinhos para ir pro buraco também.
  • Emerson Luis, um Psicologo  17/02/2014 19:51

    Ler este artigo após ter lido os de Hong Kong é um choque térmico.

    "Eu (Venezuela) sou você (Argentina) amanhã e você (Brasil) depois de amanhã".

    * * *
  • Ismar Gavilán  17/02/2014 20:22
    Caros amigos do Mises, muito bom o artigo, bem lúcido, deveria ser mais divulgado, inclusive, coisa que o farei o máximo possível. Gostaria de dividir com vcs aqui um link de um texto, publicado no Repórter Alagoas, intitulado "A Farsa do Neoliberalismo", feito por um Doutor em Direito (deve entender tudo de economia também, pelo jeito). Falácias e mais falácias. Quem tiver paciência, leia, e quem tem mais conhecimento que eu, detonem o argumento dele, por favor. Está aqui o link reporteralagoas.com.br/novo/?p=74184#comment-100705
  • Roberto  17/02/2014 21:57
    Aos poucos, após muita pressão, a grande mídia teve de começar a noticiar:

    'Há mais de 90 manifestantes feridos a bala', diz a estudante Gaby Arellano
  • Robson  18/02/2014 01:18
    Algumas orações que resumem a tendência da nossa sociedade sul-americana atual, lamentavelmente:

    "A Liberdade Ameaçada";
    "A Sociedade Indignada";
    "A Sociedade Assustada";
    "A Dignidade Enclausurada";
    "A Vergonha Espalhada";
    "A Desordem Escrachada";
    "A Humanidade Retorcida";
    "O Povo Amedrontado";
    "A Fantasia Embrutecida";
    "A Igualdade Fundida";
    "O Estado Desavergonhado";
    "A Multidão Enlouquecida";
    "A Sociedade Enfurecida".

    Com o risco de se tornar:

    "O Território Esquecido";
    "A Liberdade Extirpada";
    "A Fraternidade Chutada";
    "O Caos Instalado";
    "O Poder Totalizado";
    "A Paz Rasgada";
    "A Sociedade Perdida".
  • Andre Luiz  18/02/2014 02:04
    Para quem acha que estamos longe, vejam esta "incrivel" reportagem do G1: g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/02/procon-faz-operacao-para-combater-precos-abusivos-nas-praias-do-rio.html Já estamos tendo controle de preços em território nacional meus amigos! Infelizmente para nosso país só estou esperando o pior nesta década, pois estamos caindo no poço agora e demora para chegarmos ao fundo! Boa sorte a todos!
  • TC  19/02/2014 00:07
    Este tipo de reportagem está cada vez mais frequente aqui no Rio, Andre Luiz. Essa aí está até tranquila. Elas geralmente seguem o seguinte padrão:
    Título: preços abusivos em
    Início: o preço do subiu % em .
    Depoimentos...
    -de um consumidor: "está caro demais!"
    -de um acadêmico: "a Copa e as Olimpíadas associados a um mercado aquecido por excesso de crédito e otimismo geram uma alta nos preços"
    -de um burocrata: "o está trabalhando para evitar abusos"

    O que ninguém comenta é que não são as coisas que estão caras e sim nossa moeda que está barata e sem valor! A impressão clara é que esses índices de inflação divulgados pela FGV, USP, etc. amenizam muito a realidade.

  • Don Comerciante  18/02/2014 04:08
    Essa situação na Venezuela seria interessante para divulgarmos as idéias da escola austríaca e do capitalismo de verdade, alguém aí tem um bom espanhol e se habilita a divulgar pelo menos vídeos em espanhol n Youtube sobre liberalização da indústria e o bom e velho laissez-faire?
    Eu vou agora mesmo discutir com uns venezuelanos por aí(estudantes se possível). Tratar um pouco sobre minarquia e desregulamentação(acho o anarcocapitalismo muito salgado pra uma sociedade mergulhada no keyenesianismo e marxismo).
  • anonimo  18/02/2014 13:14
    Bom dia.

    Já existe o Mises hispano:

    www.miseshispano.org/

    Tem artigos, blog, vídeos, acho que deve ser o que vc procura....

    Obrigado.
  • J. Tavares  18/02/2014 04:46
    Embora essa seja a vontade do PT/PSTU/PCO e da Sininho, não creio que chegaremos a essa nível de desestruturação.

    O Brasil é um país complexo. Muito complexo.
    Existem travas que a meu ver impediriam o vagão de sair dos trilhos.

    O PMDB é uma delas, são oportunistas, velhos vampiros gordos de sugar sangue do estado brasileiro. Infelizmente são representação ipsi literis do povo. Mas não tem nada de socialistas e uma desestruturação socialista atrapalhariam seus planos.

    O próprio povo em seu estado bruto, embora esteja votado no PT não o faz por ideologia, o faz por interesse, puro e simples. Uma bolsa-esmola, um cargo etc... Lula nunca foi endeusado pelos brasileiros, se lixaram quando o mesmo teve câncer e seu filme propaganda foi um fiasco. O povo no máximo o considera o menos pior. Nada de "chavismo". O brasileiro é naturalmente desconfiado de salvadores da pátria, culto a personalidade nunca deu muito certo por aqui, tanto que nos comícios recentes lula-lá pagou 20$ para cada um que compareceu.

    As FFAA. Silenciosas, mas presentes. Sempre causando aquela ponta de dúvida nos nossos bolivarianos. "E se eles resolverem agir?" Essa pergunta é um freio de burro nos nossos comunas.

    A economia brasileira de fato já foi pro vinagre. E não vai ter mantega que resolva. Vamos crescer >2% se não entrarmos em recessão. Inflação vai ficar na casa dos 10%(números reais), e logo o IBGE vai ter desmascarado seu índice de "pleno emprego".

    Esse será o fim da era petista no brasil, se em 2014, 2018 ou em qualquer interregno destes não sei dizer.
    Não será o vim do viés marxista na política /educação/globo etc, nem do populismo demagógico travestido de "justiça social", mas do PT.
    E esse é e sempre será o problema.
  • Jose Roberto  18/02/2014 11:39
    Sempre falo pra esse pessoal desesperado que o Brasil não vai chegar ao nível de Venezuela e Argentina. Por pior que seja esse país, marxismo aqui não tem chance alguma.
  • anônimo  18/02/2014 12:44
    Jose Roberto, recomendo que veja o filme "A Onda".
  • Deilton  18/02/2014 13:50
    PP e PMDB encolhem a cada eleição, enquanto que partidos mais a esquerda crescem, veja o PSB. O que ainda me faz ter um pouco de esperança é o visível crescimento do movimento conservador e dos libertários.
    Semana passa a Carta Capital publicou um artigo criticando Silvio Santos por manter Rachel Sheherazade no ar. Mais de 90% dos comentários foram contra a CC e criticando o esquerdofacismo de alguns setores da sociedade.
    Essa semana o BOL fez uma enquete perguntando quem apóia Jair Bolsonaro para presidente da Comissão de Direitos Humanos, mais 60% dos 85.000 que responderam era a favor. Eu não simpatizo com o bolsonaro, mas entre ele e os esquerdofacistas, ele é menos pior.
    O PT deve ser reeleito este ano. Aécio Neves só é conhecido em Minas e tem maioria do Sudeste e Sul por causa do DEM e PSDB que são fortes nessas regiões. Mas perde feio no norte, nordeste e centro oeste.
    O meu medo é o crescimento do PSB. Não agora pra 2014, mas para 2018. Mesmo que o PT definhe, o que parece ser uma tendência, o crescimento do PSB seria trocar seis por meia dúzia, mesma ideologia, mesmos simpatizantes, métodos e políticas.
    No cenário atual, o melhor, na minha opinião, seria o Ronaldo Caiado do DEM, mas também sem muita chance, já que é menos conhecido que o Aécio.
    O mais importante este ano é o PT sair enfraquecido nas eleições parlamentares, o que acho díficil, já que o programa mais médicos garantirá uma expressiva votação no partido fora dos grandes centros.
    Fora isso, fiquei feliz ao ler no site: www.iconevideo.com.br/visualizar.php?m_id=164195, que o IMB é o site de economia mais acessado no país. Este é um dado importante, quem conhece as idéias liberais, dificilmente voltará a defender as idéias socialistas. A tendência é este grupo crescer.
  • Jeferson  18/02/2014 14:55
    Sinceramente, eu não sei o que faço nessas eleições. Porque se ganhar alguém da oposição, este há de arcar com o fardo de todas as loucuras que o PT fez e está fazendo, e vai levar a culpa. Especialmente se ele não tiver escolha a não ser fazer reformas necessárias na política econômica/social. Aí o povo volta a clamar pela volta do "menos pior", e o PT se fortalece de novo, colhendo os frutos da reforma feita pelo cara.

    Penso seriamente em votar no PT e em defendê-lo pra todo mundo que conheço, mas me sinto absurdamente mal com isso... estou perdido.
  • Eduardo Bellani  18/02/2014 18:34
    As FFAA. Silenciosas, mas presentes.

    Da ultima vez que eu pesquisei, o comando pensante das FA é composto basicamente por
    positivistas, seguidores do doidão do Comte. Alguma coisa mudou?
  • Rhyan  18/02/2014 11:03
    Nossa, como uma inflação quase bate 150% e depois cai para abaixo de 0%? Como se mede essa inflação da linha azul?
  • Salles  18/02/2014 13:20
    Trata-se da inflação implícita baseada na variação da moeda no mercado negro. É apenas um mensurador.
  • Rhyan  18/02/2014 15:01
    Hum, obrigado!
  • Arthur Gomes  18/02/2014 11:25
    No livro Psychology of Socialism de Gustave Le Bon, há um excepcional aviso contra a experimentação socialista. "Não devemos nos iludir", escreveu Le Bon, "como alguns fizeram, a ponto de permitir que o socialismo mostre sua finalidade para que se prove sua fraqueza, pois o socialismo imediatamente dará origem ao cesarismo e prontamente se suprimirá todas as instituições democráticas". Isso foi publicado por Le Bon em 1898 e desde então tem sido invariavelmente profético quando se vê a Revolução Bolchevique na Rússia dezenove anos depois e a Revolução Nacional Socialista na Alemanha em 1933-34. Quando os princípios socialistas tomaram o controle na Rússia e na Alemanha, o cesarismo em Lênin, Stálin e Hitler logo apareceu. A liberdade de expressão logo foi espezinhada juntamente com os direitos de propriedade. Quando Le Bon escreveu Psychology of Socialism, a palavra "totalitarismo" não havia sido inventada. Uma palavra bem mais antiga designava a mesma coisa: era o "cesarismo".
    fonte:www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/13556-livre-mercado-moralidade-e-cesarismo.html

    Os avisos já existiam há tempos.
    Gustave Le Bon, os papas da Igreja católica, Von Mises e outros.
    Na história o socialismo criou uma pilha de cadáveres que chega a mais de 100 milhões, mas infelizmente continua sendo negligenciado, então é de se pensar qual será o próximo país, a Argentina, o Brasil, a Bolívia?
  • pedro  18/02/2014 13:52
    Interessante, vocês criticam a esquerda, dizendo que as ações delas são horríveis para a sociedade,ficam afirmando que controle de preços não deve ocorrer e que o Estado deve ser o Estado mínimo, o que é estranho, porque o Sec. XX provou que tudo isso é mentira. Quase todas as ditaduras na América do Sul ocorreram sobre o viés de impedir o comunismo, sendo que milhares de mortes, censuras, proibição de liberdades ocorreram sobre ditaduras direitistas, ou seja, conservadoras e extremamente capitalistas.

    Com relação ao Estado mínimo, Crise de 1929 manda lembranças, assim como as dezenas de crises que ocorreram por causa do neo-liberalismo. Economistas do mundo inteiro sabem que o Estado deve intervir no mercado para o mesmo se manter. Só um exemplo, se o governo não tivesse baixado o IPI (que é uma intervenção do Estado na economia), várias multinacionais teriam saído do país, milhares de pessoas teriam perdido seus empregos e o país teria entrado em uma crise que levaria alguns anos para se recuperar.

    Então, pessoas da extrema direita, que só leem veja e nunca analisaram a história do mundo, principalmente do sec. XX, parem de vomitar inverdades e comecem a discutir de verdade, porque o mundo não e mais socialista ou capitalista (Estado de bem-estar social).

  • Leandro  18/02/2014 14:51
    "Interessante, vocês criticam a esquerda, dizendo que as ações delas são horríveis para a sociedade,ficam afirmando que controle de preços não deve ocorrer e que o Estado deve ser o Estado mínimo, o que é estranho, porque o Sec. XX provou que tudo isso é mentira."

    Não entendi.

    O século XX provou que controle de preços é algo bom? Substancie sua afirmação com exemplos. Eu tenho um ótimo exemplo do Brasil.

    O século XX provou que o estado mínimo é ruim? Curioso, pois a única experiência de estado mínimo no século XX foi a de Hong Kong, e o resultado empírico foi justamente o oposto do que você diz. (Ver aqui e aqui).

    O século XX provou que as consequências do socialismo e do comunismo foram lindas e maravilhosas? De novo, substancie sua afirmação com exemplos.

    "Quase todas as ditaduras na América do Sul ocorreram sobre o viés de impedir o comunismo, sendo que milhares de mortes, censuras, proibição de liberdades ocorreram sobre ditaduras direitistas, ou seja, conservadoras e extremamente capitalistas."

    As ditaduras latino-americanas foram "extremamente capitalistas"?! Nem mesmo o PT diz isso, dado que seus líderes são fãs confessos de Geisel.

    Aliás, os governos militares do Brasil foram muito mais estatizantes do que os social-democratas que vieram em seguida. Os generais foram os mais criadores de estatais da história deste país. As políticas econômicas da segunda metade de década de 1970 no Brasil, quando o país se fechou às importações e 70% da economia estava estatizada (do jeito que você defende), geraram estagnação da década de 1980, a qual o governo tentou contornar imprimindo dinheiro e gerando hiperinflação.

    Além de terem sido os maiores criadores de estatais da história brasileira, os generais, dentre outras genialidades, criaram um depósito compulsório para pessoas que viajassem ao exterior. Se você quisesse ir para os EUA ou para a Europa, teria de pagar ao governo uma determinada quantia em dólares (restituível no prazo de dois anos, sem juros e correção monetária). A intenção era evitar a fuga de reservas internacionais. Ou seja, na prática, você era praticamente proibido de sair do país.

    O único ditador relativamente pró-capitalismo foi Pinochet, e ainda assim com muitas restrições.

    Gostaria que você elencasse aqui as iniciativas pró-livre mercado implementadas pelos governos militares da Argentina, do Peru, da Bolívia e do Paraguai. Você certamente deve ter uma lista imensa.

    Você é obviamente um novato neste site. Com o tempo irá aprender que o debate aqui é de mais alto nível. Recitar chavões, lugares-comuns e atribuir rótulos fará apenas com que você seja ridicularizado. Você de substanciar suas afirmações com teorias ou com fatos.


    "Com relação ao Estado mínimo, Crise de 1929 manda lembranças,"

    Você se refere à Grande Depressão, aquela que, por causa das seguidas intervenções do governo, durou quase 20 anos? Aquela que, quanto mais o governo intervinha, mais se prolongava? Aquela que foi gerada por uma expansão do crédito orquestrada pelo Fed? Aquela que só terminou após a Segunda Guerra Mundial quando o governo decidiu cortar seus gastos em incríveis 66%? Conte-nos mais sobre ela.

    Permita-me falar também sobre uma recessão tão profunda quanto a Grande Depressão, mas uma em que o governo não fez absolutamente nada. Resultado: ela durou menos do que 2 anos.

    "assim como as dezenas de crises que ocorreram por causa do neo-liberalismo."

    Neoliberalismo significa estado provedor de benesses, gerenciador de redes de assistencialismo e interventor em todas as questões macroeconômicos. É óbvio que tal arranjo gera crises. Só não entendi por que é que nós, genuínos liberais e contrários às intervenções do neoliberalismo, somos os responsáveis por isso.

    "Economistas do mundo inteiro sabem que o Estado deve intervir no mercado para o mesmo se manter."

    Sim, os mesmos economistas que, aliás, estão nos comandos dos governos e que não faziam a mais mínima ideia da iminência da crise de 2008.

    Estranho que agora você recorra a estes causadores de crise como prova suprema da superioridade de uma ideia.

    "Só um exemplo, se o governo não tivesse baixado o IPI (que é uma intervenção do Estado na economia), várias multinacionais teriam saído do país, milhares de pessoas teriam perdido seus empregos e o país teria entrado em uma crise que levaria alguns anos para se recuperar."

    Raciocínio completamente equivocado. Governo reduzir impostos não é uma intervenção. A criação do imposto é que foi uma intervenção. O governo reduzir imposto significa apenas que ele está diminuindo uma intervenção que nem sequer deveria ter ocorrido. Pense um pouco antes de falar.

    "Então, pessoas da extrema direita, que só leem veja e nunca analisaram a história do mundo, principalmente do sec. XX, parem de vomitar inverdades e comecem a discutir de verdade, porque o mundo não e mais socialista ou capitalista (Estado de bem-estar social)."

    Saudades da época em que nossos críticos ao menos tinham a decência de nos rotular corretamente. Até mesmo a Carta Capital e a Caros Amigos nos rotulam de maneira um pouquinho (só um pouquinho) mais acurada do que "extrema direita".

    De resto, a definição de ironia é ver o mesmo indivíduo que disse que o século XX mostrou que comunismo e controle de preços funcionam agora dizendo que somos nós é que nunca analisamos a história do século XX.

    Por fim, fica aqui um desafio extremamente simples: quais são as "inverdades vomitadas" no presente artigo? Você não rebateu absolutamente nenhum ponto sobre ele.

    Na falta de argumentos, você se limitou a fazer exatamente o mesmo que todos aqueles que vêm aqui acabam fazendo: espernear, gemer, xingar e fazer beicinho.
  • Douglas  18/02/2014 15:35
    São essas respostas que fazem com que meus conhecimentos da escola se solidifiquem. Resposta riquíssima em artigos onde refutam cada uma das falácias do menininho da quinta série que quis fazer como os esquerdistas que se passam por bons samaritanos. Muito obrigado Leandro! E espero que o Pedro tenha com essa resposta lido os artigos pelo Leandro colocados afim de subir o patamar. Abraços cordiais!
  • Bal  18/02/2014 16:35
    Parabéns pela resposta Leandro!

    Sou novo aqui e aproveitei seu link para abrir artigos que nem sabia que o site tinha.

    Acredito que o Pedro ainda não saiba a diferença entre liberais e direita. Deve ser novo, acreditar que o site serve para atacar a esquerda, ainda não percebeu que serve para atacar qualquer tipo de Estado.
  • pedro  19/02/2014 17:57
    Um exemplo sobre intervenção estatal na economia, Dinamarca pós crise de 1929. Me responda qual é o Estado que tem uma das menores taxas de mortalidade e violência do mundo, sim, é a Dinamarca, assim como todos os países nórdicos que, veja só, utilizam conceitos "socialistas", conhecidos como Estado de Bem-estar social (que é um misto de socialismo e capitalismo) que nada mais é do que uma intervenção extrema do Estado na sociedade, bancando educação pública, saúde, internet e outras coisas.

    Quer saber um exemplo muito bom de que a falta de controle de preços e gestão da economia pelo Estado é prejudicial? EUA, a maior economia do planeta. Sabe a crise de 2008 (assim como várias crises da década de 1980 até hoje), foi um resultado do Estado ter parado de intervir na economia, controle de preços e de mercado.

    Para a sua informação, após a crise de 1929, foram criadas várias restrições nas bolsas e no mercado americanos com o objetivo de impedir uma crise de grandes proporções, porém, a partir da década de 1970, várias dessas restrições começaram a serem "levantadas", resultando em uma menor intervenção do Estado na economia e em um aumento exagerado de crises, somado, é claro, com a política do neo-liberalismo. Só para informação, ocorreram mais de 300 crises econômicas desde o início do neo-liberalismo e da tentativa de alguns Estados de voltar ao "Estado-mínimo".


    Agora vamos tratar de algo chamado Igualdade social. Países que seguiram a cartilha da extrema-direita, ao invés de serem mais centrais e utilizarem tanto idéias da política esquerda e direita, tendem a ter um grande abismo social. Agora países que utilizaram conceitos e ideias das duas vertentes existentes até metade do sec. XX estão muito bem atualmente, tendo uma sociedade muito igualitária economicamente, e novamente chamo a atenção dos países nórdicos.


    Portanto, o que escrevi não foi que o comunismo/socialismo é melhor, assim como que o capitalismo clássico também não é, na verdade nenhum deles é um modelo sustentável de governo. O misto deles é perfeito, se corretamente aplicado, o que não ocorre no nosso país. Saiba que deveria existir um imposto sobre grandes fortunas para que o Estado de Bem-estar social fosse melhor aplicado no país, além de uma reestruturação no sistema de tributos com o objetivo de mais segurança.


    Só saiba que economistas do mundo inteiro já avisavam sobre a crise de 2008 no ano de 2005-2006. Inclusive o nobel de economia, Robert Shiller, já havia avisado sobre a possibilidade da crise.
  • Leandro  19/02/2014 20:49
    Vamos nos divertir mais um pouco à custa deste nobre cidadão que gentilmente se faz de saco de pancadas...

    "Um exemplo sobre intervenção estatal na economia, Dinamarca pós crise de 1929."

    Qual foi a intervenção estatal feita pela Dinamarca pós-crise de 1929? Sei da adoção da social-democracia ocorrida no final da década de 1960, quando sua população -- por não ter participado de nenhuma guerra e por já ter um grande capital acumulado -- já era uma das mais ricas do mundo. Mas desconheço esta intervenção a que você se refere. Por favor, coloque aqui links sobre isso.

    "Me responda qual é o Estado que tem uma das menores taxas de mortalidade e violência do mundo,"

    Suíça, Cingapura, Hong Kong, Nova Zelândia, Austrália, Canadá, Luxemburgo, Alemanha, Áustria, Japão etc. Você escolhe. Violência endêmica é hoje um problema quase que exclusivamente latino-americano, justamente o continente com o maior número de políticas assistencialistas e populistas. Isso deve dar um nó na sua cabeça...

    "sim, é a Dinamarca, assim como todos os países nórdicos"

    Estes também sempre foram seguros, muito embora, ao menos na Suécia, a criminalidade esteja crescente e sendo cometida justamente por beneficiários do assistencialismo estatal.

    "que, veja só, utilizam conceitos "socialistas", conhecidos como Estado de Bem-estar social (que é um misto de socialismo e capitalismo) que nada mais é do que uma intervenção extrema do Estado na sociedade, bancando educação pública, saúde, internet e outras coisas."

    É mesmo? Analisemos então essa "intervenção extrema do estado" dinamarquês.

    Com exceção do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica, todos os outros impostos possuem alíquotas mais baixas que as brasileiras. A Dinamarca é 5º país do mundo no ranking de facilidade de se empreender. Lá você demora no máximo 6 dias para abrir um negócio (contra mais de 130 no Brasil); as tarifas de importação estão na casa de 1,3%, na média (7,9% no Brasil); o imposto de renda de pessoa jurídica é de 25% (34% no Brasil); o investimento estrangeiro é liberado (no Brasil, é cheio de restrições); os direitos de propriedade são absolutos (no Brasil, grupos terroristas invadem fazendas e a justiça os convida para um cafezinho); e, horror dos horrores, o mercado de trabalho é extremamente desregulamentado.

    Não apenas é possível contratar sem burocracias, como também é possível demitir sem qualquer justificativa e sem qualquer custo. E tudo com o apoio dos sindicatos, pois eles sabem que tal política reduz o desemprego. Estrovengas como a CLT (inventada por Mussolini e rapidamente copiada por Getulio Vargas) nunca seriam levadas a sério por ali.

    Diga-nos mais sobre como nós brasileiros devemos imitar essa "intervenção extrema do estado". Esse tipo de "intervenção extrema" eu apoio resolutamente.

    "Quer saber um exemplo muito bom de que a falta de controle de preços e gestão da economia pelo Estado é prejudicial? EUA, a maior economia do planeta. Sabe a crise de 2008 (assim como várias crises da década de 1980 até hoje), foi um resultado do Estado ter parado de intervir na economia, controle de preços e de mercado."

    Que você é um grande piadista, todo mundo aqui já percebeu. Mas você não pode exagerar na obviedade e nem na repetitividade, senão você aliena sua audiência.

    Para começar, o que faz o Federal Reserve senão regular e especificar o preço mais importante da economia, que é a taxa de juros? Como você se esquiva do fato de que foi a redução forçada dos juros feita pela Fed -- em decorrência do 11 de setembro -- o que deu início a toda a bolha imobiliária?

    Como você se esquiva do fato de que as pára-estatais Fannie e Freddie existiam justamente para intervir no mercado hipotecário? Como você ignora a existência do decreto CRA, que obrigava os bancos a emprestar para pessoas sem nenhum histórico de crédito?

    E não pára por aí.

    Além do Federal Reserve, que regula as taxas de juros, e do Tesouro e todo o seu conjunto de poderes regulatórios, há também a Controladoria da Moeda, que licencia, regula e supervisiona todos os bancos dentro dos EUA; a Securities and Exchange Commission (SEC, cuja função é idêntica à nossa CVM); a Federal Deposit Insurance Corporation, uma agência federal que tem como objetivo garantir os depósitos feitos em bancos comerciais; a Federal Home Loan Bank Board, agência federal que supervisiona todos os empréstimos hipotecários do país.

    Ou seja, o governo tem múltiplos estágios de regulamentação em relação a hipotecas, a instituições financeiras e a todo o mercado de ações.

    Por favor, conte-nos mais sobre como não havia "controle de preços e gestão da economia" americana. Conte-nos mais sobre a crise ter sido resultado de o estado "ter parado de intervir na economia". Sou todo ouvidos.

    "Para a sua informação, após a crise de 1929, foram criadas várias restrições nas bolsas e no mercado americanos com o objetivo de impedir uma crise de grandes proporções, porém, a partir da década de 1970, várias dessas restrições começaram a serem "levantadas", resultando em uma menor intervenção do Estado na economia e em um aumento exagerado de crises, somado, é claro, com a política do neo-liberalismo. Só para informação, ocorreram mais de 300 crises econômicas desde o início do neo-liberalismo e da tentativa de alguns Estados de voltar ao "Estado-mínimo"."

    Apenas repetiu ipsis litteris tudo o que você próprio já havia escrito na postagem anterior, ignorando completamente a minha resposta, principalmente no que tange a "neoliberalismo" -- um sistema que, quando você finalmente descobrir o que realmente significa, irá ficar apavorado: você vai descobrir que "neoliberalismo" representa exatamente este modelo econômico que você defende.

    Estou dialogando com uma porta de bar do Velho Oeste: você empurra, ela volta gemendo.


    "Agora vamos tratar de algo chamado Igualdade social. Países que seguiram a cartilha da extrema-direita,"

    Primeiro defina "extrema-direita". Depois, cite os "países que seguiram a cartilha da extrema-direita". E aí substancie sua afirmação.

    "ao invés de serem mais centrais e utilizarem tanto idéias da política esquerda e direita, tendem a ter um grande abismo social."

    Dado que não sei o que é "extrema direita" e muito menos conheço países que seguiram sua cartilha, suas palavras são tão claras quanto um discurso da Dilma.

    "Agora países que utilizaram conceitos e ideias das duas vertentes existentes até metade do sec. XX estão muito bem atualmente, tendo uma sociedade muito igualitária economicamente, e novamente chamo a atenção dos países nórdicos."

    Conheço dois países que aplicaram "conceitos e ideias das duas vertentes existentes até metade do sec. XX": a Itália de Mussolini e a Alemanha de Hitler. Posso apenas dizer que aplaudo a sua postura politicamente incorreta de citá-los como exemplo.

    "Portanto, o que escrevi não foi que o comunismo/socialismo é melhor, assim como que o capitalismo clássico também não é, na verdade nenhum deles é um modelo sustentável de governo. O misto deles é perfeito, se corretamente aplicado,"

    Os dois cavalheiros citados acima fizeram um "misto perfeito" de comunismo/socialismo com capitalismo. Eu só não iria ao extremo de dizer que foi tudo "corretamente aplicado". Mas acredito que até mesmo você tenha restrições a alguns métodos mais heterodoxos que ambos porventura tenham empregado.

    "o que não ocorre no nosso país."

    Ufa!

    "Saiba que deveria existir um imposto sobre grandes fortunas para que o Estado de Bem-estar social fosse melhor aplicado no país, além de uma reestruturação no sistema de tributos com o objetivo de mais segurança."

    Claro. Todos nós sabemos que basta todo mundo dar mais dinheiro para Dilma, Sarney, Renan Calheiros, Collor, Mantega, Mercadante et caterva e essa turma fará com que todos nós fiquemos ricos. Eles são tão divinos que conseguirão a façanha de fazer algo que nem Jesus Cristo se arriscou a fazer: quanto mais dinheiro você der para eles, mais rico e próspero você será.

    Como sei que você é um cara coerente, tenho a plena certeza de que você já doou boa parte das suas economias para Mantega e Arno Augustin, certo? Não me deixe descobrir que você é apenas um ativista de sofá, que não faz aquilo que prega. Ficaria decepcionado.

    (Para quem se interessar: O imposto sobre as grandes fortunas e os baixos salários no Brasil)

    "Só saiba que economistas do mundo inteiro já avisavam sobre a crise de 2008 no ano de 2005-2006. Inclusive o nobel de economia, Robert Shiller, já havia avisado sobre a possibilidade da crise."

    Economistas do mundo inteiro?! Com tanta abundância assim, será fácil você citar aqui pelo menos uns 20 nomes. E faça a gentileza de fornecer evidências empíricas desta sua afirmação, mostrando que eles de fato previram tudo (você nunca fornece links de nada).

    Já eu conheço um economista que foi várias vezes à televisão fazer alertas, que deu a cara a tapa e sofreu deboches, mas que, no final, se comprovou incrivelmente certo.

    É divertido "debater" com você.
  • Rhyan  21/02/2014 01:25
    hahahaha isso só só pra dar saudades da participação do Leandro no facebook, melhor ainda, no orkut. Na comunidade 'Economia Brasileira'. huahuauahauh bons tempos!
  • pedro  21/02/2014 15:03
    Eu não sei se consigo te passar de onde veem as datas que eu citei, já que eu estudei sobre este assunto a cerca de 10-15 anos na faculdade, então algumas devem estar erradas.
    Com relação aos economistas que avisaram sobre a crise de 2008, alguns são os mesmo que avisam sobre a bolha imobiliária no Brasil. Eu vou tentar elucidar esses pontos depois que encontrar minhas revistas e livros (encontrar as coisas depois de uma mudança não é nada fácil).
    Acho que tenho que voltar a estudar um pouco mais também, mas foi bom ler sua resposta. Discordo de alguns pontos, mas talvez seja por estar um pouco "atrasado" em termos de estudo.
  • anonimo  18/02/2014 17:12
    Boa tarde.

    Minarquistas e libertários não são de esquerda ou direita, então o começo do seu 1° e 3° parágrafos já estão errados.

    Não há em qq século uma prova de que controle de preços é algo bom, aliás a história mostra que controle de preços piora a situação do lugar que faz isso.

    Os EUA não eram um país minarquista em 1929, então não faz sentido sua frase. Neoliberalismo? Não tem nada com minarquismo, libertarianismo ou liberalismo clássico.

    Já pensou como seria se não houvesse IPI?

    Como já disse antes sou minarquista (então não sou de direita ou esquerda), nem lembro a última vez que li veja. Leio muito, tb sobre história (por isso sei que controle de preços é ruim, se quiser um exemplo recente há a Venezuela, falta até papel higiênico por lá).

    Confesso que na última linha não entendi "capitalista (Estado de bem estar social). Esse chamado "estado de bem estar social" nada mais é do que socialismo e eventualmente corporativismo (fascismo) o que novamente nada tem com o que está nesse site.

    Obrigado.
  • J. Tavares  19/02/2014 06:06
    Discordo meu caro.
    É óbvio que aqueles que admiram Mises e a escola austríaca são de DIREITA.

    Faz-se necessário e urgente nesses tempos escuros, que as coisas sejam chamadas pelos nomes que tem.

    A hidra escarlate tem muitas cabeças, infiltradas em praticamente qualquer difusor de conhecimento, informação e entretenimento: Cinema, universidades, literatura, jornais, gibis e etc.
    Todos exalam odor marxista transvestido em justiça social, cuidadosamente sequestram as virtudes com suas mistificações/desinformações e fazem o mais honesto cristão temer o rotulo DIREITA.

    Dizer que não se é nem de direita nem de esquerda é masturbação intelectual, adubada pela ignorância da vã e inútil tentativa de racionalizar com comunistas(esquerda).

    Dos piores inimigos que a humanidade pariu, nada jamais vai se comparar ao comunismo.
    A desumanização, a destruição da individualidade, a dominação pelo medo e a servidão eterna do homem pelo homem.
    Esse é o objetivo deles, nunca se esqueça quem são e o que realmente desejam.

    A simples ideia de liberalismo jamais germinará em solo comunista, sem valores conservadores como propriedade privada, individualismo e lucro, qual o sentido do livre mercado?

    Essa guerra vem sendo travada há mais de 100 anos. Milhões já pereceram.
    Eles desistiram, por hora, do genocídio como solução, utilizam de engenharia social há 50 anos e os resultados são esses que estamos vendo, eles dominaram corações e mentes.

    Ativistas, ONGs, black-blocs, occupy movement, parte da igreja, anonnymous e uma infinidade de movimentos e instituições espalhadas pelo mundo são o resultado da nefasta equação arquitetada pelos engenheiros sociais comunistas.
    Você já viu algum desses movimentos e instituições defender o lucro? A propriedade privada? O livre mercado? Claro que não.
    Todos defendem diferentes tonalidades do velho marxismo.

    Por essas e outras que digo com muito orgulho: -Sou liberal de DIREITA!





  • anonimo  19/02/2014 13:02
    Bom dia.

    Como disse antes sou minarquista (admiro Mises e escola austríaca), mas usando como base o diagrama de Nolan, posso dizer que não sou de direita ou esquerda. Creio que este artigo, em seu item 4 poderá explicar de maneira mais completa do que eu em um simples comentário:

    www.mises.org.br/ArticlePrint.aspx?id=1664

    Obrigado.
  • Rennan Alves  19/02/2014 16:22
    Prezado anônimo, não creio que o diagrama de nolan seja um fonte valiosa para indicar o termo "direita x esquerda" à alguém.

    O próprio item 4 dá a entender o porque "O esquerdista geralmente é um defensor da liberdade individual, rejeitando a intromissão excessiva do estado quanto aos costumes...".

    Ora, como podemos constatar quase que diariamente neste site, um esquerdista nunca defenderia a liberdade individual. Aliás, este não defende liberdade nenhuma, apenas se "traveste" de defensor para agregar seguidores.

    O correto, ao meu ver, seria retirar os libertários/anarco-capitalistas deste espectro político, uma vez que estes não apoiam qualquer forma de governo, e incluir os minarquistas, uma vez que estes defendem um governo mínimo.

    Resumindo: quanto mais Estado, mais se está à "esquerda", quanto menos Estado, mais se está à "direita".
  • Marcos  19/02/2014 20:56
    Rennan, acho que preceder direita/esquerda com extrema é redundância maior do que dizer que essa dicotomia binária é burra: - Essa dicotomia binária é burra!

    Na sociedade moderna parece que os lados vêm acompanhados de extremismos contraditórios, e obviamente dos dois: o que tem de libertário reduzindo libertarismo apenas ao campo econômico, sob a proteção de Deus, mas sem a moral positiva, não é mole… *rs
  • Rennan Alves  20/02/2014 01:33
    Hahahaha verdade Marcos. Esta dicotomia já sofre (e gera) tantas deturpações que fica difícil (para não dizer impossível) rotular quem é quem.

    Já vi pessoas rotularem a URSS de direita, sendo que estas mesmas pessoas se rotulavam de esquerda, e pior, comunistas! Ou seja, para eles a URSS, que era comunista, era de direita por que não concordavam com o arranjo dela (sim, esse era o argumento).

    Já vi pessoas rotularem libertários de esquerda, Mises de esquerdista, Hitler de "extremo-direitista", diabos até Jesus é dito como o "esquerdista" que a humanidade já teve.

    No meu entendimento, se é para ter uma dicotomia "esquerda x direita" (o que pra mim, como dizia minha avó, tanto faz como tanto fez) que sejam dados nomes aos bois: a esquerda fica com os socialistas (defensores do Estado máximo), já que é assim que eles se atribuem, e a direita fica com o "resto" que apoia algum estado mínimo, que é como eles nos atribuem. Os que não apoiam nenhum Estado ficam de fora.

    Quer ver um esquerdista espernear? Lembre-o de que o Fascismo e o Nazismo entram no lado "esquerdo da força" por defenderem o Estado inchado que eles defendem, você verá as mais diversas voltas argumentativas para tentar "jogá-los para a direita" quando poderiam simplesmente desistir desta dicotomia.
  • Renato Souza  20/02/2014 01:51
    Anônimo

    Nunca entendi essa conversa de esquerdista defensor de liberdades individuais. Isso no mesmo século em que inúmeros governos de esquerda massacraram talvez 170.000.0000 de pessoas (nem a liberdade de ficar vivos eles tinham) e escravizaram nações inteiras.

    Um dia, ao estudar a loucura do século XX, historiadores se espantarão não só com o morticínio e escravidão socialistas, mas também com o fato de haverem pessoas associando esquerda a liberdade. Falar de esquerdista defensor das líberdades é como dizer líquido seco, sujeira limpa, pequeno gigante, norte do polo sul.
  • João  02/03/2014 04:48
    Interessante, porque eu nunca entendi essa da direita ser defensora de liberdades também, já que existiram algumas dezenas de ditaduras no século passado com a justificativa de se impedir o avanço do pensamento comunista, inúmeras pessoas morreram e desapareceram e dezenas de países que estavam em pleno desenvolvimento social pararam, em alguns casos, por décadas.
    Fora as dezenas de guerras pela liberdade que foram promovidas com base na democracia e no direito do livre comércio, e até mesmo para impedir novamente o avanço comunista (nestas horas, ambos os "lados" financiando a guerra), tendo o Vietnã sido um excelente exemplo.
  • Renato Souza  03/03/2014 17:05
    Direita pode ser defensora de liberdades ou não. Direita é oposição ao coletivismo, o que é necessário (mas não suficiente) para ser defensor da liberdade. Esquerda sempre ataca as liberdades (ou não as ataca diretamente, mas apoia que as ataque).

    O miniarquismo é defensor da liberdade, e certamente é de direita. Quando um direitista defende a liberdade, freqüentemente o faz por convicção. Todo esquerdista, quando defende a liberdade, só o faz se considerar que isso poderá ser vantagem política para o seu grupo. Se considerar que for vantagem a destruição da liberdade, implantará até a escravidão de todo o povo, sem o menor constrangimento. É claro que há também os tolos e incoerentes da esquerda, que realmente se julgam defensores da liberdade, mas só julgam assim por não terem atinado que as propostas que defendem só podem produzir o totalitarismo.
  • Rennan Alves  04/03/2014 00:57
    Prezado João, por favor cite estas várias ditaduras em pró da liberdade e "democracia", fiquei curioso.
  • estudante  18/02/2014 15:18
    engana-se quem acretida que o brasil nao pode virar uma venezuela ou uma cuba.
    como bastiat escreveu em sua famosa frase "existe o que voce ve e o que voce nao ve", no brasil se vive um espectro de medidas pro-comunismo nao materias ,as quais tendem a conduzir a populaçao (demagogia).
    No momento em que se torna um fato a perseguiçao dentro das universidades brasileiras, a liberais,conservadores intitucionais(democratas),conservadores morais(cristaos) e ate mesmo a social-democratas a situaçao se torna sim muito seria.Quando a pluraridade do pensamento humano e suprimida ,a funçao da universidade, a casa de livre pensanmento e modificada e passa ensinar so o materialismo dialetico como correto somado a um ensino basico precario, a liberdade individual mais basica e essencial,a liberdade de expressao e de escolha e atcada direta e indiretamente.

    obs.faço unicamp e todos os cursos ligados a humanas sao radicalmente marxistas, entao nao me espanta um tipico filosofo brasileiro crer que existe curso de ciencias socias na usp ouem qualquer universidade nacional e que levar uma sociedade de volta a idade media e o caminho inevitavel da humanidade.(o ciencias sem froteiras e restrido a ciencias exatas por que sera?)
  • Leleco  18/02/2014 21:18
    Uma coisa me intriga. Será que a polícia e exercito da Venezuela está bem aparelhada, ouseja, os integrantes de linha de frente e seus familiares possuem os itens que faltam a população? Pois não consigo ver um soldado passando fome defendendo o próprio governo que o faz ficar nesta situação deplorável.
    Isso é fundamental saber para que se u dia isso vier acontecer aqui no país, sbermos quais atitudes tomar para com os soldados.
  • Magno  18/02/2014 21:56
    Todo regime ditatorial sempre teve como prioridade dar uma boa vida às suas forças armadas. São elas que dão sustentação e garantem a intocabilidade do regime. Imagine se a polícia e o exército se rebelassem contra o governo? Dado que são a polícia e o exército que detêm as armas, uma rebelião deles faria político sair correndo para todos os lados.

    Exatamente para evitar isso, esses regimes os tratam a pão de ló.
  • anônimo  19/02/2014 15:42
    Já saiu a trilha sonora deste carnaval:

    Cair De Maduro
    https://soundcloud.com/luiz_trevisani/cair-de-maduro

    Esse Luiz Trevisani tá com tudo, uma composição nova atrás da outra!
  • Rennan Alves  20/02/2014 03:34
    Hahahaha muito bom!

    Esta música veio a calhar depois desta pérola.



    Eu quase desisti deste país.
  • Guilherme  20/02/2014 04:32
    É isso aí que as universidades públicas produzem em massa. E tudo com o dinheiro dos desdentados.

    Sério, quem defende a continuidade deste arranjo só pode ser um sociopata.
  • Rafael Isaacs  19/02/2014 17:28
    O atual momento em que vivemos do capitalismo é sua evolução natural. Com toda suas corrupções, apoio do Estado, etc. O capital nada mais fez que comprar seus Estados, bem como a grande mídia. Era inevitável. Achar que em um utópico livre mercado, essas coisas nao aconteceriam da mesma forma, que os empresários seriam honestos.. é inocencia. Nunca houve na historia comunismo perfeito, nem capitalismo perfeito.
  • Renato Souza  20/02/2014 15:58
    Errado

    Não há "evolução natural" da corrupção. Se fosse assim, em todo lugar a corrupção tenderia a aumentar igualmente. E nas sociedades mais desenvolvidas, a corrupção seria sempre maior que nas menos desenvolvidas.

    Corrupção é como sujeira, é um mal inevitável mais perfeitamente controlável. É a visão de mundo das pessoas que torna a corrupção mais prevalecente ou menos prevalecente.

    Mas uma coisa é certa. Num país em que toda a economia seja propriedade do estado, a pobreza será muito maior que num país onde o governo não manda na economia.
  • Andre  20/02/2014 18:48
    É mesmo?
    Então porque nos países mais capitalistas tem menos corrupção?

    Societies with greater economic freedom have lower corruption:
    acorn.nationalinterest.in/2011/04/11/societies-with-greater-economic-freedom-have-lower-corruption/
  • André  19/02/2014 18:26
    Pessoal, caso o regime de Maduro se suporta, aos trancos e barrancos (não é impossível, veja Cuba...) e a ideia da consolidação da área de atuação do socialismo na América Latina não morrer, vocÊs acham que os países da Aliança do Pacífico possam ser um anteparo razoável ou sofrerão as consequências também?

    A "esquerda" ainda é muito forte nesses países (veja Bachelet). Ou será que o provável sucesso econômico prevalecerá?
  • anônimo  19/02/2014 19:53
    Será que eu consigo comprar um play 4 na Venezuela por 2 caixas de papel higiênico?

    O Brasil está seguindo o mesmo rumo...
  • Rene  20/02/2014 11:13
    Comprar talvez até compre, mas não vai ter energia elétrica para jogar na Venezuela.
  • Joh  21/02/2014 14:34
    Olá!

    Há alguns dias venho tentando argumentar contra os defensores do chavismo. Eles, todavia, se defendem do que está acontecendo na Venezuela com o discurso de que o governo chavista melhorou vários setores da sociedade venezuelana.

    Farei um pequeno resumo dos principais argumentos apresentados, e gostaria muito de uma resposta vinda de vocês.

    1 - Chávez é amado na Venezuela, venceu 15 das últimas 16 eleições (referendadas por Jimmy Carter);

    2 - Aumentou a participação das pessoas no ensino universitário, construiu 22 universidades, e alfabetizou 95% da população;

    3 - Construiu quase 8.000 centros médicos e o número de médicos aumentou de 20 para 100 para cada 1000 habitantes;

    4 - A desnutrição infantil caiu 40%;

    5 - Ajudou a América Latina com 8,8 bilhões de dólares, contra 3 bilhões dos EUA;

    6 - O salário mínimo passou de 16 dólares para 330 dólares.

    7 - A imprensa na Venezuela é livre, visto que as duas maiores empresas de comunicação são oposicionistas;

    8 - A Venezuela apresenta o melhor índice Gini da América Latina.

    Esses são os argumentos principais que consegui coletar. O que vocês acham? Eu tenho alguns argumentos contra o que foi apresentado, mas por conta do espaço, deixo que vocês respondam-me primeiro, pra só depois entrar na conversa.

    Creio que a melhor maneira de combater esse mal é desmoralizando racionalmente o discurso defensivo.
  • Guilherme  21/02/2014 14:47
    O "argumento" contra a falta de papel higiênico, a criminalidade recorde, a escassez generalizada e a queda no padrão de vida é papagaiar números divulgados pelo próprio governo Venezuelano? E você está passando aperto com essa gente?

    Meu, olha, por exemplo este "argumento" do salário mínimo. Olha como a quantidade de dinheiro na Venezuela cresceu. É claro que o salário mínimo iria aumentar (mas não os empregos).

    Quanto ao Gini ser baixo, é bem possível. Todo mundo ficou igualmente na merda (e sem papel higiênico).

    Quanto ao chavismo ser "amado" na Venezuela, os últimos acontecimentos comprovam isso, né?

    É muita tosqueira...
  • Jesse  21/02/2014 15:44
    Isso cheira àquela velha tática de se passar por simpatizante do site mas so apresentar argumentos socialistas.
  • Ronaldo  21/02/2014 16:12
    É perda de tempo argumentar com eles. Olhe você mesmo o que está acontecendo na Venezuela. É sustentável uma crise de abastecimento e uma alta inflação?
  • Hay  21/02/2014 16:28
    Olha, uma coisa que eu aprendi é que discutir com essas pessoas seguindo a lógica não tem resultados efetivos. O objetivo delas não é discutir algo racional, e sim defender o chavismo. Se elas fossem minimamente bem-intencionadas ou inteligentes, já teriam largado o chavismo. Mas enfim, lá vai:

    1 - Chávez é amado na Venezuela, venceu 15 das últimas 16 eleições (referendadas por Jimmy Carter);

    - Até agora, praticamente todas as manifestações pró-governo foram claramente feitas por funcionários públicos e militantes. Tudo muito bem organizado, com homogeneidade nas bandeiras e até nas roupas utilizadas.
    - As eleições venezuelanas foram fraudadas até o osso. Houve vídeos gravados mostrando agentes "auxiliando" pessoas durante a votação, indo com elas até as urnas. Não preciso dizer que isso é suspeito, né?
    - Usar Jimmy Carter para mostrar "olha, um cara dos EUA referendou" é só para enganar incautos. É só ver a maravilha que esse cara fez no Irã.

    2 - Aumentou a participação das pessoas no ensino universitário, construiu 22 universidades, e alfabetizou 95% da população;


    - E isso teve resultados maravilhosos na economia venezuelana, que passou a depender de... petróleo
    - A estratégia de jogar dinheiro em universidades e na "cultura" já é velha e conhecida. Isso cria uma geração de "formadores de opinião" que só sabem elogiar o governo, já que dependem do dinheiro dele.

    3 - Construiu quase 8.000 centros médicos e o número de médicos aumentou de 20 para 100 para cada 1000 habitantes;

    4 - A desnutrição infantil caiu 40%;


    - Beleza, e mesmo que isso tudo seja verdade, como isso vai se sustentar, se a economia do país está em frangalhos?

    5 - Ajudou a América Latina com 8,8 bilhões de dólares, contra 3 bilhões dos EUA;

    Se alguém usa isso como argumento, é um idiota completo. Ajudou quem, cara pálida? Até agora, esse petróleo só está sustentando uma distribuição populista de dinheiro e recursos sem nenhum critério.

    6 - O salário mínimo passou de 16 dólares para 330 dólares.

    - Poxa, que legal. Quem consegue um emprego fica feliz da vida. Pena que, na prática, a taxa de desemprego na Venezuela seja assustadora.
    - Só mesmo um cabeça de melão acha que aumentar o salário mínimo é sinal de alguma coisa. Que o cara mostre a evolução no salário médio do venezuelano, então.

    7 - A imprensa na Venezuela é livre, visto que as duas maiores empresas de comunicação são oposicionistas;

    - Isso porque o governo venezuelano ainda não conseguiu acabar com elas.
    - Esse argumento já mostra como pensa um progressista. Ele acha que, para a imprensa ser livre, é só alguém poder falar mal do governo.

    8 - A Venezuela apresenta o melhor índice Gini da América Latina.

    Se o cara me mostrasse que o país está também ficando mais rico, isso teria algum sentido. Porém, o ìndice Gini ter melhorado na Venezuela só quer dizer que todo mundo está ficando mais pobre. No mundo ideal do progressista, todo mundo é miserável e o Gini é perfeito.
  • anonimo  21/02/2014 17:28
    1- Hitler tb, ganhou com esmagadora maioria.

    2- O Brasil tb.

    3- Médicos cubanos?

    4- Procurando na internet há um prêmio da FAO, vários sites tipo vermelho.org afirmando isso, mas outras fontes apontam 60% de crianças desnutridas, mesmo nas fontes oficiais elas estão defasadas (2009) e não apresentam esse número. Então qual é a fonte?

    5- Qual a fonte? Sei que em 2012 a China deu 8 bi para a Venezuela.

    6- Respondido pelo Guilherme.

    7-Quem depende de papel para imprimir não consegue. Quais são os canais? vi que o dono de um dos canais pediu asilo aos EUA e vendeu para um "amigo" do governo. A CNN tb foi proibida. Então quais são os canais?

    8-Por esse índice GINI a Venezuela está atrás de Uganda, Vietnã, Timor Leste... E dando uma olhada só por cima da AL, está atrás da Argentina, Santa Lúcia, Nicarágua... E nem vi todos.

    Por cima acho que é isso.

    Obrigado.
  • Andre  21/02/2014 17:31
    Mesmo que você use argumentos PERFEITOS você não irá convencer um esquerdista.
    Esquerdistas não estão interessados no bem geral, estão apenas interessados em alcançar o poder ou ajudar seus "machos alfa" à alcançarem o poder.
    Esquerdistas não debatem, nem raciocinam, eles respondem com cacoetes pré decorados, eles lançam fraudes intelectuais e usam técnicas erísticas de argumentação o tempo todo, para vencerem o debate SEM TEREM RAZÃO.

    Portanto não argumente com esquerdistas, pelo menos não sem uma platéia!
    Se você estiver argumentando com uma platéia assistindo, seja pelo facebook, por um sistema de fórum, comentário em um site ou similares aí você pode fazer alguma coisa.
    Aí você pode desmascarar todas as fraudes do esquerdistas para que pessoas normais percebam tudo de ruim do esquerdismo.

    Segue um link de um site com muitas explicações sobre as fraudes esquerdistas:
    lucianoayan.com/category/rotinas-esquerdistas/

    E para convencer as pessoas neutras que tem preguiça de ler pode-se usar memes rápidos e diretos, como os da página do facebook: "Meu professor de história mentiu para mim".

    OBS: Para todas regras existem exceções. Portanto é claro que é possível que você convença um esquerdista ou outro, à cada 100 ou 1000 tentativas. Mas isso é tão raro que é muito mais proveitoso você convencer as pessoas neutras da platéia através do desmascaramento do que perder energia tentando convencer o esquerdista em si. E talvez, depois de ser desmascarado e humilhado tantas vezes ele resolva estudar para não passar tanta vergonha, então, naturalmente, ele deixará de ser um esquerdista, à menos que ele seja do tipo psicopata (pois todo esquerdista é um psicopata ou um ignorante. Ou ambos.), aí não tem jeito, mas se ele for só um idiota ignorante e burro, aí sim existe uma pequena esperança de cura.
  • Luciano  21/02/2014 19:07
    www.cartacapital.com.br/blogs/outras-palavras/economia-o-notavel-exemplo-da-bolivia-6693.html

    Acho fundamental o Instituto e seus articulistas também comentarem e debaterem o artigo ai de cima da Carta Capital, que foi aparentemente escrita para vir a socorro da política na Venezuela.Uma vergonha.
  • Roberto  21/02/2014 22:38
    Rapaz... Achei que fosse ironia o título, mas vi que é sério!

    Nêgo dizer que a Bolívia atual é símbolo de sucesso e que devemos imitá-la para ficar igual mostra a que ponto chegou o desespero ideológico da Carta Capital. Se o lema antes era: "Vamos imitar a Venezuela!", o lema agora é: "Sejemos igual à Bolívia!".

    Essa gente não vai sossegar enquanto o país não for totalmente para o vinagre. Uma gente verdadeiramente asquerosa!
  • Occam's Razor  22/02/2014 01:36
    Você quer dizer discutir aqui ou no site da carta capital? Por que eu não consegui durar 2 dias lá e já fui banido rs.

    Bastou eu mencionar (sem postar o link, já que é proibido) que a escola austríaca de economia tinha demonstrado a impossibilidade do cálculo econômico no socialismo e já se apressaram em me expulsar rs.

    Engraçado é que eles dizem que não existe moderação ideológica. São uns piadistas mesmo
  • Afanásio  24/02/2014 14:29
    Eis aí o tipo de governo que nossa esquerda pútrida adora. Além de miséria econômica e escassez total, agora também a censura total:

    www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/02/1416821-governo-venezuelano-bloqueia-acesso-a-redes-sociais.shtml
  • Vive la liberte!  25/02/2014 17:21
    É sempre assim, o governo faz uma tremenda cagada e em seguida está faltando papel higiênico.
  • Antonio Henrique  01/03/2014 04:12
    Temos que nos preocupar é com os nossos políticos.

    Em relação à Venezuela, quanto pior para eles, melhor para nós.
    Teremos mais oportunidades de vender papel higiênico.
    (enquanto tivermos indústrias)
  • Aprendiz do Típico Filósofo  10/03/2014 03:09
    Eis uma realidade que mostra a inquestionável e irrefutável superioridade do socialismo perante o capitalismo:

    O capitalismo em 100 anos popularizou o vaso sanitário em todo o mundo.

    O socialismo em 10 anos acabou com o papel higiênico na Venezuela
  • Magno  08/04/2014 00:40
    Enquanto isso, na medicina socializada da Venezuela....

    Saúde entra em colapso na Venezuela

    Falta de insumos e de pessoal para operar equipamentos na área de cardiologia causou a morte de 235 pessoas nos últimos 6 meses

    A ausência de insumos e de pessoal para operar equipamentos na área de cardiologia dos hospitais públicos da Venezuela já causou a morte de 235 pessoas nos últimos seis meses, segundo a organização Médicos pela Saúde. A escassez levou hospitais de referência a declararem-se tecnicamente fechados.

    Mesmo diante das pressões de médicos e de pacientes, o governo de Nicolás Maduro mantém a aposta de seu antecessor, Hugo Chávez, no sistema de assistência popular Bairro Adentro. Coordenado pela Embaixada de Cuba em Caracas, seu orçamento nunca foi divulgado.

    Nos últimos meses, a Médicos pela Saúde organizou passeatas para exigir material de trabalho nos hospitais públicos, que atendem a cerca de 80% da demanda civil. Em vários deles, funcionários pediam aos pacientes para trazer materiais básicos, agulhas de injeção e gaze. Em outros, as salas de cirurgias foram fechadas.

    O Ministério da Saúde, em 2012, informou terem reduzido 25 mil leitos em hospitais públicos, em comparação com os disponíveis no fim dos anos 90, como consta em pesquisa dos economistas Silvia Salvato e Eduardo Añez.

    Parte da crise tem sido atribuída ao controle de câmbio no país, que dificulta a importação de bens. A situação foi agravada pela decisão de cerca de 700 fornecedores de suspender as entregas, segundo o jornal El Nacional, de Caracas. O governo teria dívidas com essas empresas de 764 milhões de bolívares (US$ 13,9 milhões, no câmbio oficial, e US$ 121 milhões, no paralelo) nos últimos cinco anos.

    www.estadao.com.br/noticias/impresso,saude-entra-em-colapso-na-venezuela,1149900,0.htm
  • Rennan Alves  08/04/2014 23:31
    Será que a Venezuela importará tudo de seus compadres cubanos tal qual o Brasil?

    Afinal, segundo eles a medicina cubana é a "melhor do mundo".
  • eduardo  10/04/2014 11:49
    Se em futuro próximo milhões na venezuela morrerem de fome,não vai ser de admirar e nem uma novidade para esse regime comunista,deus salve nossas almas.
  • Max  29/08/2014 02:33
    Proezas inacreditáveis do socialismo: um país que boia sobre o petróleo terá agora de importar petróleo.

    www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/08/1506999-venezuela-estuda-importar-petroleo-pela-1-vez-na-historia-diz-agencia.shtml
  • Rodrigo Amado  29/08/2014 13:22
    Quando alguém joga uma pedra pro alto e logo em seguida vê a pedra cair não se pode dizer:

    "Inacreditável, a pedra caiu!".

    O que se deve dizer é:

    "Normal, a pedra caiu, como sempre.".

    Analogamente, quando se instala o socialismo em algum país não se pode dizer:

    "Inacreditável, tudo que era abundante está se tornando escasso!".

    O que se deve dizer é:

    "Normal, o socialismo fez até mesmo a coisa mais abundante escassear, como sempre.".

    Claro que a maioria das pessoas não sabe disso, se soubesse elas não elegeriam ninguém que se dissesse favorável ao socialismo. Seria como votar em alguém que dissesse favorável à tornar toda a população pobre e miserável e à viver o inferno na terra.
  • Wilson  23/09/2014 18:14
    O que acontece na Venezuela é exatamente o mesmo plano do Lula no Brasil, acho que Lula colou de Chávez.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
  • Andre  16/10/2014 12:23
    Ótimas notícias! Pelo menos para alguns.

    www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/10/1532639-preco-do-petroleo-desaba-e-zera-defasagem-da-gasolina-no-brasil.shtml
  • Leandro  16/10/2014 15:07
    Isso tem outras implicações ainda maiores.

    Quase um ano após a publicação deste artigo, o preço do barril de petróleo despencou nada menos que 19,20%. E o do tipo Brent despencou incríveis 21,6%.

    A viabilidade do pré-sal está cada vez mais no terreno da ficção.
  • carlos manuel velosa teixeira  17/04/2015 17:20
    As ditaduras comunistas disfarçadas de Socialismo têm destruído a Venezuela desde há muitos anos… A rotura está iminente o caos e miséria à vista desde longo tempo. É necessários acabar co isto para que a Venezuela não chegue ao abismo / desintegração…
    A Nobre População Venezuelana me merece respeito, dignidade e ajuda mundial!


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.