clube   |   doar   |   idiomas
Nosso frágil planeta

Examinemos algumas declarações que refletem uma visão tida como absolutamente inquestionável.

"O mundo em que vivemos é belo, mas muito frágil".  Ou "A terceira pedra do sol, também conhecida como Planeta Terra, é um oásis bastante frágil".  Eis algumas frases divulgadas no Dia da Terra: "Lembre-se de que a Terra tem de ser salva diariamente".  "Lembre-se da importância de cuidar do nosso planeta.  É o único lar que temos."

Tais declarações, sempre acompanhadas de previsões apocalípticas, são rotineiramente feitas tanto por ambientalistas extremistas quanto pelos não-extremistas.  Pior ainda é o fato de que esta doutrinação sobre a "terra frágil" é infundida em nossa juventude desde o jardim de infância até a universidade.  Sendo assim, examinemos o quão frágil a terra realmente é.

Em 1883 houve a erupção do vulcão Krakatoa, localizado onde hoje é a Indonésia.  Tal erupção teve a força de 200 megatons de TNT.  Isso é o equivalente a 13.300 bombas atômicas de 15 quilotons cada uma (15 quilotons é aproximadamente a capacidade explosiva da bomba que devastou Hiroshima em 1945). 

Antes desta erupção, houve a erupção do vulcão Tambora, em 1815, também localizado onde hoje é a Indonésia.  Esta ainda detém o recorde de ser a maior erupção vulcânica da história.  Ela cuspiu tantos detritos na atmosfera, que a luz solar foi bloqueada.  Consequentemente, o ano de 1816 passou a ser conhecido como o "Ano em Que não Houve Verão" ou "O Verão que Nunca Ocorreu".  As consequências foram plantações completamente destruídas, perdas totais de safras agrícolas e a dizimação de animais em grande parte do Hemisfério Norte, o que gerou a pior fome do século XIX.

Já a erupção do Krakatoa no ano 535 d.C. foi tão violenta, que bloqueou quase que toda a luz e todo o calor oriundos do sol por 18 meses.  Há quem diga que foi esse evento que deu origem à Idade das Trevas.

Geofísicos estimam que apenas três erupções vulcânicas — Indonésia (1883), Alasca (1912) e Islândia (1947) — jogaram na atmosfera mais dióxido de carbono e dióxido de enxofre do que todas as atividades humanas o fizerem ao longo de toda a nossa história.

E como o nosso frágil planeta lidou com dilúvios?  A China provavelmente é a capital mundial das inundações colossais.  A inundação de 1887 do Rio Amarelo matou entre 900.000 e 2 milhões de pessoas.  Já as inundações de 1931 foram ainda piores, causando um morticínio estimado entre 1 e 4 milhões.  Mas a China não detém o monopólio das enchentes.

Entre 1219 e 1530, a Holanda vivenciou enchentes que mataram aproximadamente 250.000 pessoas.

E o que dizer dos terremotos que assolam o nosso frágil planeta?  Houve o terremoto de Valdivia, no Chile, em 1960.  Foi o mais violento terremoto já registrado na história, chegando 9,5 graus na escala Richter, uma força equivalente a 1.000 bombas atômicas explodindo simultaneamente.  Já o terremoto ocorrido em 1556 na província de Shaanxi, na China, foi o mais mortífero da história: matou 830.000 pessoas e devastou uma área de 1.300 quilômetros quadrados.

Mais recentemente, houve o terremoto de dezembro de 2004 no Oceano Índico, que alcançou uma magnitude 9,1 graus na escala Richter e gerou o devastador tsunami de 26 de dezembro, que atingiu majoritariamente a Indonésia, o Sri Lanka, a Índia, a Tailândia e as Maldivas e matou mais de 230 mil pessoas.  E não nos esqueçamos do terremoto de 9 graus na escala Richter que devastou o leste do Japão em março de 2011 e matou mais de 28 mil pessoas.

Nosso frágil planeta também já teve de enfrentar terrores vindos do espaço.  Dois bilhões de atrás, um asteróide atingiu a terra e criou a cratera de Vredefort, na África do Sul.  Ela possui 300 km de diâmetro, o que faz dela a maior cratera de impacto do mundo.  Em Ontário, Canadá, há a Bacia de Sudbury, a segunda maior cratera de impacto da terra, resultante da queda de um meteoro ocorrida há 1,8 bilhão de anos.  Ela possui um diâmetro de 130 km.  Já a cratera de Chesapeake Bay, no estado americano da Virginia, é um pouco menor, tendo um diâmetro de 85 km.  E finalmente há a famosa, porém miúda, Cratera de Barringer, no Arizona, cujo diâmetro não chega nem a 2 km.

Citei aqui apenas uma ínfima fração de todos os eventos cataclísmicos que já atingiram a terra — e ignorei várias outras categorias, como tornados, furacões, queda de raios, incêndios, nevascas, avalanches, deslizamentos de terra, movimento de continentes, raios solares, manchas solares, tempestades magnéticas, inversão magnética dos pólos, erosão, raios cósmicos e eras glaciais.  Não obstante todos estes eventos cataclísmicos, nosso frágil planeta sobreviveu. 

Logo, minha pergunta é: dentre todos estes poderes da natureza, qual pode ser igualado pelo homem?  Por exemplo, conseguiria a humanidade reproduzir os efeitos poluidores da erupção do vulcão Tambora, ocorrida em 1815?  Ou, quem sabe, reproduzir o impacto do asteróide que aniquilou os dinossauros?  É o cúmulo da arrogância acreditar que a humanidade pode gerar alterações paramétricas significativas na terra ou que ela possa igualar as forças destrutivas da natureza.

Ocasionalmente, ambientalistas se entusiasmam além da conta e acabam inadvertidamente revelando suas verdadeiras intenções.  O famoso biólogo eco-socialista Barry Commoner disse que "O capitalismo é o inimigo número um do planeta".  Já Leo Marx, professor do MIT, disse que "Em termos ecológicos, a necessidade de termos um governo mundial dispensa debates".

Com o colapso da URSS, o comunismo perdeu sua até então considerável respeitabilidade.  Atualmente, ele adquiriu uma nova embalagem e se apresenta sob as formas de ambientalismo e progressismo.


2 votos

autor

Walter Williams
é professor honorário de economia da George Mason University e autor de sete livros.  Suas colunas semanais são publicadas em mais de 140 jornais americanos.


  • Adriano  17/01/2014 13:38
    Não há duvidas que a humanidade não tem o mesmo potencial de impacto global que a natureza. Porém, este artigo não trata de duas questões de suma importância em decorrência destes impactos. 1) Graus de organização. 2) Hierarquia funcional... e estas duas questões estão intimamente relacionadas.

    A primeira diz repeito a escala dos eventos/episódios. A poder de intervenção do homem aumenta conforme diminuímos a escala. Acontece que o homem não vive na estratosfera. Observe, é na troposfera que a coisa ta feia. Correto, o homem não consegue alterar todo o planeta, mas no lugar onde ele vive toda a vida ele altera sim e altera de forma a diminuir sua qualidade de vida.

    A segunda diz respeito ao modo como se dá os processos e a dinâmica. Vejam, a natureza tem um poder de auto-regulação enorme. Já as atividades antrópicas não funcionam desta maneira, um exemplo disso, é a insanidade que é viver em grandes cidades nos dias de hoje.

    Logicamente, não temos poder de acabar com o planeta, nós teremos nosso fim aqui e ele continuará, porém, que temos a capacidade de "piorar" nossa experiência por aqui, ah, isso temos.
  • Karl  17/01/2014 13:53
    O Adriano enrolou, enrolou e acabou não dizendo absolutamente nada de relevante. Bem típico.
  • Tiago RC  17/01/2014 15:37
    A natureza tem um poder de auto-regulação incrível, mas atividades antrópicas não funcionam da mesma maneira? Como assim, o ser humano não é natural? Não somos um animal como todos os outros, parte da natureza? Se a zebra teve que se adaptar ao leão, por que outros animais não têm que se adaptar ao homo sapiens?

    Maldita mania de ver o ser humano como um invasor alienígena que veio destruir o bioma terrestre. Nós somos parte integrante do bioma terrestre, e, como qualquer entidade num sistema de ordem espontânea, nossas ações obviamente afetam esse sistema, assim como as ações de todos os outros integrantes de outras espécies.
  • Pupilo  17/01/2014 16:51
    "a insanidade que é viver em grandes cidades nos dias de hoje. ". Qual insanidade? O que tem a cidade grande? Bons restaurantes? Boas opções de lazer? Bons trabalhos? Qual a parte insana? Existem consequências de se viver na cidade grande, porém existem MUITO mais benefícios...
  • Adriano  18/01/2014 13:29
    Não vou discutir se é melhor ou não, cada um tem sua opinião. Já morei em cidade grande, agora resido em uma pequena cidade. Prefiro aqui. Tem boas oportunidade para empreender e viver com mais tranqüilidade.
  • Silvio  17/01/2014 20:28
    Você provavelmente nunca assistiu a Acient Aliens/Alienígenas do Passado.

    Perdão, não podia deixar passar a piada.
  • Silvio  24/02/2014 17:26
    "o homem não consegue alterar todo o planeta, mas no lugar onde ele vive toda a vida ele altera sim e altera de forma a diminuir sua qualidade de vida!"

    Dado que é evidentemente melhor morar numa grande cidade do que morar no meio da selva amazônica, já se vê que seu argumento não procede.
  • José Ricardo das Chagas Monteiro  17/01/2014 13:47
    Saudações, fantástico todos os terríveis abalos que nosso frágil planeta vem sofrendo ao longo da história, excelente artigo. Os vermelhinhos travestidos com uma cor mais aceitável, agora são verdinhos, bonzinhos de dar dó, conversa macia, e sempre procurando o consenso.
  • José Roberto  17/01/2014 14:30
    Resumindo: Fique longe da Indonésia.
  • André Staffa N.  17/01/2014 15:11
    Mais um ótimo texto!

    A patifaria intelectual dessa gente deixa qualquer um fulo da vida! Eles selecionam à dedo os tópicos da pauta ambientalista, para apenas incluir na chantagem emocional aqueles que interessam à agenda progressista estatizante.

    Tópicos como "atmosfera é regulada pelos oceanos e águas internacionais" não interessam, e jamais rivalizarão como o mote "salvem as florestas equatoriais".

    A natureza histérico-emotiva dessa gente é um prato cheio para os grandes interesses corporativistas e mercantilistas - os amigos do rei e queridinhos dos governos centralizadores. Quantas vezes não percebi eles sendo os idiotas úteis que brigam e lutam - algumas vezes colocando as próprias vidas nisso - para salvar o pé de alface, enquanto carvalho é gostosamente descascado, moído e triturado pelos próprios patrocinadores dos verdinhos.

    Coisa linda de se ver!
  • Rafael  17/01/2014 15:14
    Bem, temos as bombas de hidrogênio (fusão nuclear) como a Tsar Bomb, maior bomba já detonada, de 58 megatons. É um valor bem próximo ao do vulcão krakatoa, de 200 megatons, citado no artigo.

    Caso tivesse havido uma guerra direta entre EUA e URSS, poderíamos sim ter nos igualado aos desastres naturais citados no artigo.

    O planeta, claro, acabaria se recuperando em alguns milhões de anos. Mas boa parte da vida seria dizimada.

    Vírus criados em laboratório também seriam outra forma de extinção em massa.
  • Erick V.  17/01/2014 16:48
    E para nenhum dos dois problemas a intervenção estatal é uma solução válida.
  • Anarcofóbico  17/01/2014 17:24
    Claro que é! O estado é estritamente necessário para coibir o uso indevido de invenções das quais ele foi o diretamente responsável!
  • Silvio  17/01/2014 20:34
    Tem toda a razão. Mais Estado é sempre a solução para os problemas criados pelo Estado. Não sei como essa seita adoradora de Rothbard não consegue entender algo tão óbvio.
  • Luciano  17/01/2014 17:39
    Pelo contrário, os dois casos (a Tsar e os vírus) foram ou são mais prováveis de serem criados por estados.

    Ou seja, nonsense.
  • Carlos Prado  18/01/2014 01:31
    Realmente que empresa se daria ao luxo de tamanho gasto e a troco de que? O estado que faz guerra e isto só beneficia quem está dentro do estado.
  • anônimo  17/01/2014 18:00
    Arma cara, econômica e politicamente. Nenhum dos dois países teria se dado ao trabalho, e aos custos, de empreender uma produção massiva de dispositivos como este. Uma única bom teria no máximo destruído uma grande cidade, e o uso delas teria sido ainda mais danoso para aquele que a lançou que ao país vitimado. Esta bomba ai, aliás, só existe como amostra de poderio bélico.
  • Gredson  17/01/2014 17:46
    Isso é o equivalente a 13.300 bombas atômicas de 15 quilotons cada uma (15 quilotons é aproximadamente a capacidade explosiva da bomba que devastou Hiroshima em 1945).
    --------------------------------------
    Então quer dizer que aquele papo de que a terra não aguentaria uma terceira guerra mundial (provavelmente com bombas nucleares) é bobagem?
  • Lineker  17/01/2014 18:27
    A capacidade nuclear da Russia e EUA juntos é bem superior ao equivalente de 13.300 bombas de Hiroshima. Tirando que as bombas atômicas contaminam o solo (por milhares de anos) e o ar. Creio que uma erupção vulcânica não tenha tal capacidade.
  • Lineker  17/01/2014 18:19
    O problema é que o ser humano não está dando tempo pra Terra se recuperar. As erupções, terremotos e etc são desastres com hora pra terminar. Mas e a ação do homem ? Quando vamos parar de poluir os rios, lençóis freáticos, mares, mangues e etc ? Quando vamos parar de derrubar árvores para satisfazer a nossa bancada ruralista ?

    E o homem interfere DIRETAMENTE em uma das "ferramentas" que a Terra usa pra se auto-recuperar: as florestas.
  • Doutrinador  17/01/2014 20:16
    "O problema é que o ser humano não está dando tempo pra Terra se recuperar."

    Especifique citando exemplos práticos e descrevendo suas consequências comprovadas.

    "As erupções, terremotos e etc são desastres com hora pra terminar."

    E com estragos muito superiores a qualquer ação humana.

    "Mas e a ação do homem ? Quando vamos parar de poluir os rios, lençóis freáticos, mares, mangues e etc ?"

    Quando eles se tornarem propriedade privada. Ou, no mínimo, quando o estado -- que é o dono da natureza -- parar de proteger suas empresas favoritas, dando a elas passe livre para poluir (supondo-se que tal tipo de poluição de fato esteja ocorrendo diariamente a taxas alarmantes, algo nunca comprovado).

    "Quando vamos parar de derrubar árvores para satisfazer a nossa bancada ruralista ?"

    Oi? Você se refere a áreas que são transformadas em pastos para a criação de gado que posteriormente será abatido e utilizado como alimentação pela humanidade? Você prefere árvores a alimentos para a humanidade? Apenas um elitista que mora com todos os luxos e confortos propiciados pelo capitalismo pode ventilar algo tão absurdo e anti-humano assim.

    "E o homem interfere DIRETAMENTE em uma das "ferramentas" que a Terra usa pra se auto-recuperar: as florestas."

    Como as florestas recuperam áreas devastadas por terremotos, enchentes, maremotos, e erupções vulcânicas e quedas de asteróides?
  • Lineker  17/01/2014 23:00
    "Especifique citando exemplos práticos e descrevendo suas consequências comprovadas."

    Existe apenas 7% do que restou da Mata Atlântica, que no ano de 1500 dominava 1,3 milhões de km². E a cratera de Vredefort possui 70 mil e poucos km². E uma de suas consequências comprovadas é o efeito estufa.

    "(supondo-se que tal tipo de poluição de fato esteja ocorrendo diariamente a taxas alarmantes, algo nunca comprovado)."

    Procure saber apenas sobre um rio(o que me veio primeiro a cabeça): o Níger.

    "Oi? Você se refere a áreas que são transformadas em pastos para a criação de gado que posteriormente será abatido e utilizado como alimentação pela humanidade? Você prefere árvores a alimentos para a humanidade? Apenas um elitista que mora com todos os luxos e confortos propiciados pelo capitalismo pode ventilar algo tão absurdo e anti-humano assim."

    Se a preocupação dos ruralistas realmente fosse alimentar a população, seria mais honesto se propusessem investimentos na nossa infraestrutura, como ferrovias, rodovias, portos e etc. O Brasil perde milhões de toneladas de grãos com transporte. Fonte: www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi0108200417.htm

    "Como as florestas recuperam áreas devastadas por terremotos, enchentes, maremotos, e erupções vulcânicas e quedas de asteróides?"

    Veja este mapa das placas tectônicas e me diga se as florestas são fortemente prejudicadas com terremotos: www.infoescola.com/geografia/placas-tectonicas/

    E sobre as enchentes, até hoje só vi ela matar pessoas, levar geladeiras, carros e cachorros. Varrer floresta nunca vi. Favor postar algo aí.

    Maremotos e erupções vulcânicas são os fatores naturais que, na minha opinião, causam maior estrago. Mas tem menor ocorrência que os demais. E aposto que a maior erupção vulcânica já registrada não varreu nem 1/4 dos 93% devastados da mata Atlântica.

    Sobre as quedas de asteróides eu comparei no início.


  • Doutrinador  18/01/2014 00:09
    "Existe apenas 7% do que restou da Mata Atlântica, que no ano de 1500 dominava 1,3 milhões de km². E a cratera de Vredefort possui 70 mil e poucos km². E uma de suas consequências comprovadas é o efeito estufa."

    Pra começar, esta tabela do IBGE, IBAMA, INCRA, FUNAI e CNA (mostrada no fim deste artigo) mostra que são 98,5 milhões de hectares de matas e florestas. Isso dá 985 mil quilômetros quadrados.

    Uma redução de 1,3 milhão km2 para 985 mil km2 em mais de 500 anos? Isso é alarmante?!

    Outra coisa. No ano de 1500 não havia civilização no Brasil. Hoje são 200 milhões de habitantes. Era impossível manter toda esta mata intocada em um país cuja população saiu de quase zero para 200 milhões de pessoas. Sério, você vive no mundo da fantasia.

    "Procure saber apenas sobre um rio(o que me veio primeiro a cabeça): o Níger."

    Estou falando de Brasil, e não da África. Um rio que nasce entre Guiné e Serra Leoa, passa por Mali, Saara, Níger, Benim e deságua na Nigéria certamente estará poluído. Pudera. Todos estes são países que ainda não experimentaram uma civilização.

    "Se a preocupação dos ruralistas realmente fosse alimentar a população, seria mais honesto se propusessem investimentos na nossa infraestrutura, como ferrovias, rodovias, portos e etc. O Brasil perde milhões de toneladas de grãos com transporte. Fonte: www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi0108200417.htm"

    Era só o que faltava. Agora ruralista tem também de cuidar da infraestrutura do país. Aliás, ao que me consta, os ruralistas clamam sim por uma boa malha rodoviária, pois é por meio dela que eles desovam seus estoques.

    "Veja este mapa das placas tectônicas e me diga se as florestas são fortemente prejudicadas com terremotos: www.infoescola.com/geografia/placas-tectonicas/ E sobre as enchentes, até hoje só vi ela matar pessoas, levar geladeiras, carros e cachorros. Varrer floresta nunca vi. Favor postar algo aí."

    Não entendi nada. Você havia dito que as florestas são uma das "ferramentas" que a Terra usa pra se auto-recuperar. Aí eu perguntei como, afinal, as florestas recuperam áreas devastadas por terremotos, enchentes, maremotos, erupções vulcânicas e quedas de asteróides.
  • Bruno D  17/01/2014 22:14
    Totalmente sem sentido isso,

    se fosse assim já estávamos sem florestas há muito, desde moleque ouço que na Amazônia por anos desmatavam um incontável número de campos de futebol em área de floresta...

    A própria floresta da tijuca que faz parte da Mata Atlântica no rio de janeiro foi REFLORESTADA pois os mananciais de água que abasteciam a cidade estavam se exaurindo, ou seja a ação do homem retomou o que era antes? Não muito vejamos:

    Se você deixar uma cidade sem nenhum tipo de manutenção parte do flora e fauna original volta a ocupar a cidade, ou seja, quem tem que se preservar somos NOZES meu amigo!

    O meio ambiente é uma falácia que foi inventada, o que existe é algo que está em constante mudança e adaptação não existe um meio ambiente estanque imutável como um quadro em uma parede! Essa é uma visão romântica da coisa. Nos estamos aqui enquanto Deus quiser e temos que nos esforçarmos para vivermos da melhor maneira possível.
    Isso inclui preservarmos rios que nos abastecem com agua por exemplo, já vi um artigo aqui a respeito dos mananciais de NY que são cuidados por pessoas e empresas que recebem para manterem as superfícies e margens limpas, mas aí-aí-aí de você deixar a cargo de um governo planificador, vide o lago dos montes Urais na URSS...

    Toda essa conversa de que o meio ambiente está em desequilíbrio e precisa de cuidado é algo realmente fantasioso, como uma criança que fantasia um personagem num animal, como Chesterton dizia até os postes de gás ficam amigos das crianças.


    O problema todo é que o ecototalitarismo virou uma religião e com muitos adeptos e todos com muito dinheiro. É um charlatanismo barato de fundo romântico e gnóstico.

    Tem um blgue muito interessante, Verde a Nova COr do Comunismo, vale a pena dar uma lida.

    Abçs.


  • Guilherme  19/01/2014 08:55
    Parece-me que o seu nível intelectual não é compatível com este site.
  • Gustavo  20/01/2014 00:22
    Riachuelo, Buenos Aires, Argentina (e nao a marca chic de roupas).
    Os niveis de poluicao deste rio sao muito altos.
    www.lanacion.com.ar/1635635-la-cuenca-matanza-riachuelo-entre-los-10-lugares-mas-contaminados-del-mundo
    Outra, referente a pilhas (em espanhol):
    Algunas enfermedades que se producen por la contaminación por pilas alcalinas
    El mercurio es un posible cancerígeno y es bioacumulable. Una alta exposición puede dañar el cerebro, los riñones y al feto, y muy probablemente provocar retraso mental, afectación en el andar o el habla, falta de coordinación, ceguera y convulsiones. El mercurio que se emite en los basureros contamina el agua y la tierra, con lo que puede llegar a la comida pues se acumula en los tejidos de peces.
    El plomo puede dañar el sistema nervioso, los riñones y el sistema reproductivo. Como no se degrada, cuando se libera al aire puede ser transportado largas distancias antes de sedimentar. Se adhiere a partículas en el suelo y puede pasar a aguas subterráneas.
    El litio es un neurotóxico y es tóxico para el riñón. La intoxicación por litio produce fallas respiratorias, depresión del miocardio, edema pulmonar y estupor profundo. Daña al sistema nervioso, hasta provocar estado de coma e incluso la muerte. El litio puede lixiviarse fácilmente y llegar a los mantos acuíferos.
    El cadmio es una sustancia cancerígena que si se respira en altas concentraciones produce graves lesiones en los pulmones; ingerirlo provoca daños a los riñones. En dosis altas puede producir la muerte. Ingerir alimentos o tomar agua con cadmio irrita el estómago e induce vómitos y diarrea. El cadmio entra al aire y al agua desde vertederos o por derrames de desechos domésticos, y puede viajar largas distancias.
    El níquel tiene efectos sobre la piel. Respirar altas cantidades produce bronquitis crónica, y cáncer del pulmón y de los senos nasales. Se libera a la atmósfera por la incineración de basura. En el aire, se adhiere a partículas de polvo que se depositan en el suelo.

  • Renato Souza  23/01/2014 16:22
    Até onde entendi, o artigo não defende que não se preserve a natureza. Ele apenas mostra que há irracionalidade e mentira em muito do que se faz passar por conservacionismo.

    Alguns citaram que a terra (no sentido dos ecossistemas que estão na terra) é frágil em relação ao potencial das bombas atômicas. Isto é fato, realmente a liberação de todas as bombas nucleares causaria sérios problemas de poluição nuclear por muitas décadas e até mais. Mas não é esse o assunto do artigo. Este artigo está dentro de um contexto, dentro de uma discussão que acontece atualmente, que não é sobre poluição atômica, mas sobre o suposto AGA (AQUECIMENTO GLOBAL ANTROPOGÊNICO). Saber ler é entender o contexto, e não só juntar letras e palavras.

    Finalmente uma correção ao autor. Causou-me muita estranheza a afirmação de que o terremoto de Valdívia teria liberado a energia equivalente a apenas 1.000 bombas atômicas. Apenas um terremoto fraquíssimo liberaria tão pouca energia. Fui pesquisar e encontrei uma estimativa de que tal terremoto liberou energia equivalente a 1.000.000 de bombas iguais à de Hiroshima. Como eu havia imaginado, um erro de três ordens de grandeza.
  • Roberto Alencar  17/01/2014 21:03
    Muito boa a matéria! De fato, o alarmismo do movimento ambientalista é de uma presunção atroz. De todo o modo, penso que algumas medidas que perpassam a agenda ambiental, e que afetam mais diretamente o cotidiano das pessoas, como a redução de emissão de gases poluentes por veículos (não devido ao suposto aquecimento global, mas sim pela irritação que causam nas vias aéreas), o controle sobre o lançamento de dejetos em rios e lagos (pois além de transmitirem doenças aumentam os custos para o tratamento da água) entre outras, são válidas, pois melhoram a qualidade de vida das pessoas.
  • anônimo  17/01/2014 21:36
    Na questão apresentada no final do seu comentário Roberto, a solução é deixar o mercado agir livremente. Confiar em agências governamentais para realizar esta "proteção" não tem dado muito certo nos últimos 100 anos, não é mesmo?
  • Henrique  17/01/2014 22:20
    Leandro, há algum sinal de que a China está deixando de lado seu mercantilismo e está parando de favorecer seu setor exportador?

    Obrigado.
  • Luiz Carlos Braum  17/01/2014 23:06
    Sempre desconfiei desses papos de aumento de "x" graus na temperatura média em 2100 se a emissão de gás carbônico não diminuir em "y"% e por aí vai.
    Será que tais ambientalistas e cientistas tem essa bolsa de cristal tão exata que permite prever fatos ambientais para daqui 80, 90 anos?
    Agora uma coisa é fato: o LIXO faz mal pra todo mundo. Nisso eu concordo plenamente. O ser humano precisa aprender a viver em sociedade, descartar adequadamente seus resíduos (quem sabe até transformar em energia ou outra coisa que sirva para algo!). Sujar as ruas, os rios, as praias, qualquer lugar que seja, não é legal. Se alguém quiser dar exemplos de locais desenvolvidos onde esse problema já foi resolvido ou está em vias de se resolver, seria interessante.
    O capitalismo livre pode plenamente colaborar com a limpeza e organização das cidades.
  • Dw  19/01/2014 02:38
    Prezado, é como alguém já disse: Não conseguem nem prever se vai chover ou fazer sol amanhã com exatidão. quem dera prever o que vai ser daqui a 100 anos. É no mínimo muita presunção.
  • Beny Tomonaga  17/01/2014 23:28
    Troquem salvem a terra para, SALVEM A AGUA. Quantos reservatorios hídricos sofrem atualmente com contaminação de xorume e agrotoxico ? Quanto de lixo é realmente produzido em decorrencia da queima e do Processamento de Combustível Fóssil. Todos os computadores usados pra ler ou produzir o que lemos um dia vai para o LIXO.
  • Adriano  18/01/2014 01:55
    Karl
    Sinto muito se não consegui ser objetivo o suficiente para vc. Aliás, típico do quê? Vc acha que somente os pé sujo que enrolam? Bem, independente disso, não sou um deles!
    ..................
    Tiago RC
    Procure o significa de antrópico por favor....
    Sistema de ordem espontânea? Kkkkkkkk (que dó!)
    (vide Teoria Geral dos Sistemas: Ludwing Von Bertallanfy).
    ...................
    Pupilo
    Não vou discutir se é melhor ou não, cada um tem sua opinião. Já morei em metrópole, agora resido em uma pequena cidade. Prefiro aqui. Tem muito mais oportunidade para empreender e viver com mais tranqüilidade.
    .....................
    Karl, finalizando em sua homenagem
    "Pesque um peixe e você pode vendê-lo a um homem. Ensine um homem a pescar e você arruinará uma maravilhosa oportunidade de negócios (Karl Marx)".
  • Limão  18/01/2014 12:08
    Nesse mesmo assunto, nesse link abaixo temos 44 previsões de aquecimento da terra vs. os valores reais registrados

    www.oilgasmonitor.com/wp-content/uploads/2013/08/Goreham-CSCA_Graph.png

  • Lineker  18/01/2014 12:23
    "Uma redução de 1,3 milhão km2 para 985 mil km2 em mais de 500 anos? Isso é alarmante?!"

    É difícil pra você entender que daqui a 1000 anos mais tantos mil km² serão devastados e que vai chegar uma hora que não terá mais nada ? Eu não to aqui discutindo um fenômeno pra nós dois e nossos filhos presenciarmos. Então se a área devastada continua sendo maior que a recuperada, FATALMENTE uma hora vai ser alarmante. Isso é a lógica.

    "Outra coisa. No ano de 1500 não havia civilização no Brasil. Hoje são 200 milhões de habitantes. Era impossível manter toda esta mata intocada em um país cuja população saiu de quase zero para 200 milhões de pessoas. Sério, você vive no mundo da fantasia."

    O que eu disse no início foi: o homem não está dando tempo pra Terra se recuperar. Não interessa se passou 500 ou mil anos. Nossas atividades são lentas e constantes, em relação as causas naturais.

    "Estou falando de Brasil, e não da África. Um rio que nasce entre Guiné e Serra Leoa, passa por Mali, Saara, Níger, Benim e deságua na Nigéria certamente estará poluído. Pudera. Todos estes são países que ainda não experimentaram uma civilização. "

    Eu tô falando da Terra e não só do Brasil. E ele está poluído não por causa dos resíduos domésticos e sim pelas atividades ilegais da extração do petróleo.

    "Era só o que faltava. Agora ruralista tem também de cuidar da infraestrutura do país. Aliás, ao que me consta, os ruralistas clamam sim por uma boa malha rodoviária, pois é por meio dela que eles desovam seus estoques."

    Como assim... quer dizer que ruralista não pode cuidar da infraestrutura do país !?!?!? Eles estão lá pra olhar e cuidar de todas as áreas. Morei em Uberaba-MG até final de 2012, ano de eleições municipais. E o relator do novo código florestal é o Paulo Piau, prefeito eleito nas últimas eleições. Num programa de rádio que teve eu liguei e perguntei ao deputado/candidato quais os projetos relacionados a infraestrutura que ele elaborou. Como resposta obtive um "pergunte sobre os planos e projetos pra nossa cidade". Por favor, qual deputado ruralista propôs ou está lutando por melhorias nos meios de escoamento de produção ?
    Mas como o sistema é falho e nós dois concordamos com isso, não vamos entrar em detalhes sobre a relevância da Câmara.

    "Não entendi nada. Você havia dito que as florestas são uma das "ferramentas" que a Terra usa pra se auto-recuperar. Aí eu perguntei como, afinal, as florestas recuperam áreas devastadas por terremotos, enchentes, maremotos, erupções vulcânicas e quedas de asteróides."

    Como ? Pássaros e outros animais que comem frutas e cagam as sementes em outros lugares. O vento que leva as sementes (a grosso modo falando) pra outras áreas. Não sei como a floresta SOZINHA se recupera. Mas como não existe floresta sem fauna nada mais válido que colocar a ajuda dos animais.


    Pra finalizar: eu tenho plena consciência que grande parte dessa devastação foi/é para nosso sustento. Hoje as taxas de poluição e devastação podem não ser alarmantes, mas precisamos chegar a este nível pra que atitudes sejam tomadas ? Quando você diz "não é alarmante" dá a entender que pode continuar do jeito que tá que NUNCA vai chegar a nos assustar.

  • Doutrinador  18/01/2014 15:12
    "É difícil pra você entender que daqui a 1000 anos mais tantos mil km² serão devastados e que vai chegar uma hora que não terá mais nada ? Eu não to aqui discutindo um fenômeno pra nós dois e nossos filhos presenciarmos. Então se a área devastada continua sendo maior que a recuperada, FATALMENTE uma hora vai ser alarmante. Isso é a lógica."

    Lógica? Que projeção é essa?

    Se em mais de 500 anos, a área destruída foi de menos de 25% -- e isso no período em que a população brasileira foi de zero a 200 milhões --, por que você afirma que nos próximos 1.000 anos -- em que a população está mais estabilizada e as matas já são protegidas -- a devastação acabará com os outros 75%?

    Não há lógica nenhuma no que você disse. Há apenas alarmismo e emoção.

    "O que eu disse no início foi: o homem não está dando tempo pra Terra se recuperar. Não interessa se passou 500 ou mil anos. Nossas atividades são lentas e constantes, em relação as causas naturais."

    Não está dando tempo para a terra se recuperar? Em que sentido? O que o homem está fazendo que a terra não está conseguindo se recuperar? Derrubada de árvores e emissão de CO2 até os dinossauros já faziam. É isso?

    "Eu tô falando da Terra e não só do Brasil. E ele está poluído não por causa dos resíduos domésticos e sim pelas atividades ilegais da extração do petróleo."

    Ah, entendi. Agora você chegou aonde queria chegar: malhar a indústria petrolífera, o Judas favorito de todos. Só uma pergunta: como seria o mundo sem petróleo? Você acha que estaria vivo?

    "Como assim... quer dizer que ruralista não pode cuidar da infraestrutura do país !?!?!?"

    Ué, eu seria o primeiro a apoiar uma medida que privatizasse a infraestrutura do país para os produtores rurais. No entanto, até onde sei, infraestrutura é um monopólio estatal.

    "Eles estão lá pra olhar e cuidar de todas as áreas. Morei em Uberaba-MG até final de 2012, ano de eleições municipais. E o relator do novo código florestal é o Paulo Piau, prefeito eleito nas últimas eleições. Num programa de rádio que teve eu liguei e perguntei ao deputado/candidato quais os projetos relacionados a infraestrutura que ele elaborou. Como resposta obtive um "pergunte sobre os planos e projetos pra nossa cidade". Por favor, qual deputado ruralista propôs ou está lutando por melhorias nos meios de escoamento de produção ?"

    Quer xingar algum político? Conte inteiramente comigo. Só não sei exatamente onde isso entra na discussão.

    "Mas como o sistema é falho e nós dois concordamos com isso, não vamos entrar em detalhes sobre a relevância da Câmara."

    Exato.

    "Como ? Pássaros e outros animais que comem frutas e cagam as sementes em outros lugares. O vento que leva as sementes (a grosso modo falando) pra outras áreas. Não sei como a floresta SOZINHA se recupera. Mas como não existe floresta sem fauna nada mais válido que colocar a ajuda dos animais."

    Não entendi nada. De novo: você havia dito que as florestas são uma das "ferramentas" que a Terra usa pra se auto-recuperar. Aí eu perguntei como as florestas recuperam áreas devastadas por terremotos, enchentes, maremotos, erupções vulcânicas e quedas de asteróides. E você agora me responde que não existe floresta sem fauna. Gênio.

    "Pra finalizar: eu tenho plena consciência que grande parte dessa devastação foi/é para nosso sustento. Hoje as taxas de poluição e devastação podem não ser alarmantes, mas precisamos chegar a este nível pra que atitudes sejam tomadas ? Quando você diz "não é alarmante" dá a entender que pode continuar do jeito que tá que NUNCA vai chegar a nos assustar."

    Exato. Pode continuar do jeito que está, pois, neste ritmo, não há absolutamente nada de alarmante. Gostei de você ao menos ter concordado explicitamente com isso.
  • Emerson Luis, um Psicologo  18/01/2014 12:44

    As ações humanas não ameaçam o planeta em si, mas sim a civilização moderna ou a própria existência humana.

    Se o ser humano deixasse de existir hoje, o planeta continuaria girando tranquilamente em torno do Sol por bilhões de anos, a Natureza retomaria todos os espaços e dentro de poucos séculos ou milênios haveria pouca ou nenhuma evidência de que a Humanidade já existiu. Arqueólogos alienígenas teriam que cavar muito.

    A maior ameaça à civilização moderna é o neomarxismo em todas as suas formas (incluindo ambientalismo fanático, feminazismo e keynesiasnismo). A Humanidade corre o risco de retroceder séculos ou mesmo milênios.

    * * *
  • Lineker  18/01/2014 16:05
    "Lógica? Que projeção é essa? "

    A lógica consiste em desmatar mais que recuperar. Se essa taxa é constante, uma hora vai chegar no nível que você considera alarmante. Isso não é lógica ?

    "Se em mais de 500 anos, a área destruída foi de menos de 25% -- e isso no período em que a população brasileira foi de zero a 200 milhões --, por que você afirma que nos próximos 1.000 anos -- em que a população está mais estabilizada e as matas já são protegidas -- a devastação acabará com os outros 75%?"

    Como eu disse: uma hora FATALMENTE será alarmante. E não importa se nossa população vai se estabilizar daqui 50 anos, com nossas políticas econômicas de desvalorização do real, pra fazer graça com os exportadores, mais terras serão cultivadas pra exportação.

    "Não está dando tempo para a terra se recuperar? Em que sentido? O que o homem está fazendo que a terra não está conseguindo se recuperar? Derrubada de árvores e emissão de CO2 até os dinossauros já faziam. É isso?"

    Sim, faziam. Mas era o mesmo tanto ou mais do que é emitido hoje? Essa é uma relação que nunca vi e gostaria de saber a respeito.

    "Ah, entendi. Agora você chegou aonde queria chegar: malhar a indústria petrolífera, o Judas favorito de todos. Só uma pergunta: como seria o mundo sem petróleo? Você acha que estaria vivo?"

    Não, cara. Não to aqui condenando o petróleo. Condeno é a forma irregular de sua extração. Entenda isso.

    "Não entendi nada. De novo: você havia dito que as florestas são uma das "ferramentas" que a Terra usa pra se auto-recuperar. Aí eu perguntei como as florestas recuperam áreas devastadas por terremotos, enchentes, maremotos, erupções vulcânicas e quedas de asteróides. E você agora me responde que não existe floresta sem fauna. Gênio."

    Eu te disse como se recuperam. E disse no final que contavam com o auxílio da fauna. É errado ? Parece que seu pensamento é "se fode aí floresta, mas não vale contar com ajuda dos animais. quero ver se reerguer sozinha". Gênio 2.

    "Exato. Pode continuar do jeito que está, pois, neste ritmo, não há absolutamente nada de alarmante. Gostei de você ao menos ter concordado explicitamente com isso."

    Pra afirmar isso você precisa provar que a taxa de desmatamento é maior que a de recuperação. Porque se você apenas derruba e não planta, chega um momento que não tem o que derrubar mais. É a lógica.

  • Ricardo Chaves  18/01/2014 18:37
    Prezado Lineker, se a sua preocupação é exclusivamente em relação à derrubada de árvores e à "taxa de reflorestamento", pode ficar tranquilo: se você passar um trator em toda a Amazônia, daqui a dez anos tudo estará novamente como é hoje. E nada acontecerá com o clima, pois quem regula o clima são os oceanos.

    Veja esse vídeo sobre um especial de dez anos da morte dos Mamonas Assassinas. O lugar que na época foi totalmente devastado pelo avião e pelo incêndio, e se tornou uma clareira de terra, hoje está totalmente tomado por uma floresta densa e impenetrável. Compare a imagem do local aos 0:20 com o local atual aos 1:45 (dica: ninguém teve de ir lá plantar árvore nenhuma).



    Se a sua preocupação é com mato e árvore, fique tranquilo: mato é uma desgraça. Se nada for feito, o mato cresce e acaba com a civilização. Nós todos morreremos. As árvores ficarão. E aquelas que forem derrubadas em nada afetarão nossa vida. E se elas forem derrubadas para a criação de gado, ótimo: mais carne para alimentar a população, algo muito mais importante do que troncos de madeira inertes.
  • anônimo  19/01/2014 02:46
    'se você passar um trator em toda a Amazônia, daqui a dez anos tudo estará novamente como é hoje.'
    Não vai não, primeiro que óbvio, essa área vai ter sido ocupada por construções, pasto pra gado, etc, depois que mesmo que a vegetação volte, não vai ter como a fauna voltar.
  • Jonas  25/01/2014 18:47
    Olá
    Sou Biólogo e Libertário.

    A minha insatisfação quanto ao desmatamento é que a bancada ruralista (que possui muita ajuda estatal) promove o discurso de alimentar o país e vão acabando com a biodiversidade. Isto torna-se ilegítimo, visto que mais de 60% da produção de alimentos no Brasil é desperdiçada...

    www.bancodealimentos.org.br/o-desperdicio-de-alimentos-no-brasil/


    Quem realmente alimenta o país hoje são os médios e pequenos agricultores (que, por muitas vezes não tem ajuda estatal em nada..).

    E só respondendo ao amigo Ricardo Chaves, realmente se a Amazônia for totalmente dizimada, não ocorrerá nada ao clima mundial. Entretanto o solo amazônico é paupérrimo, diferente do Cerrado e da Mata Atlântica. A Amazônia é "auto-sustentável", ela recicla tudo que ela mesma produz e se fosse destruída, teríamos um deserto. Ela é incapaz de se regenerar como outras fitofisionomias.
  • anônimo  26/01/2014 18:03
    Se é verdade essa história de que a amazônia não seria capaz de se regenerar, então como a floresta pôde surgir em primeiro lugar? Se o solo é tão pobre que nenhuma planta sobreviveria sem o aporte nutricional de outros seres vivos que ali morrem e se decompõe, então como as primeiras plantas puderam crescer?

    Se a floresta pôde surgir onde está, ela também seria capaz de se regenerar, nem que levasse algumas décadas, mas se regeneraria, oras. Só a quantidade de água que flui naquela região já é suficiente para sustentar muitos seres vivos...
  • Jonas  30/01/2014 02:56
    Caro amigo anônimo,

    Vc tem estas indagações porque está pensando somente no "aqui e agora". Vc está se esquecendo de uma coisa simples porém muito importante, a Evolução.

    Pense em todas as espécies que estão hoje no planeta. Tudo passou por transformações, ou seja, por inúmeros processos evolutivos, com especiações (basicamente surgimento de novas espécies), extinções, isolamentos...etc.

    Isso eu só estou falando das transformações dos viventes..

    Para o surgimento da floresta amazônica, ocorreram muitos processos, transformações também da geologia, clima...etc.

    A Amazônia como conhecemos hoje, iniciou sua formação por volta de 6 milhões de anos, antes disso era sim um deserto (lembre-se da pangeia - continentes unidos - o norte da América do Sul estava conectado ao norte da África, e o que temos neste pedaço da África hoje? voilà: o deserto do Saara).

    Diversos fatores mudaram as características da região, como invasões e regressões do mar (24-12 milhões de anos), flutuações climáticas mais amenas nos trópicos em relação às zonas temperadas, o soerguimento dos Andes (hà cerca de 12 milhoes de anos) foi primordial para o surgimento desta floresta tropical.....e muitas outras....

    Assim, a formação da Amazônia como conhecemos hoje só foi possível graças a eventos e transformações que provavelmente não ocorrerão mais. Por isso, ela não consiguiria se regenerar caso fosse devastada.......

    Abraços
  • Carlos  30/03/2014 00:33
    Como o acaso é perfeito! Ele gerou tantas coisas que nunca poderiam ser ditas geradas pelo acaso, mas foram. Dependendo de um conjunto minucioso de estados os quais se forem diferentes o universo seria um verdadeiro caos, desordenado. Mas aconteceu uma vez de os estados se justaporem ao deus acaso para gerarem a ordem, e isto nunca mais acontecerá!
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  29/03/2014 19:07
    O mundo precisa de proteção. Mas, não será um governo, seja lá de qual partido, que poderá oferecer isso. Somente pessoas racionais e livres pensando em como fazer a coisa certa, respeitando sempre o Criador.
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  21/03/2015 15:34
    Racionalidade entendida como busca de melhorias, que só podem ocorrer se houver um Mercado Livre dos governos.
  • Teoria   31/03/2016 21:47
    O homem é o ser supremo incapaz de detonar a terra, apenas a ele mesmo =), Unica coisa que aprendi sobre ambientalismo funcional foi que, Meu empreendimento não pode prejudicar o empreendimento do outro, Ex: Tenho uma refinaria de petróleo e muito caro tratar os dejetos, ai penso foda-se!! jogo no rio e pronto !! fico mais rico e a natureza que cuide de tratar dele, sim a natureza vai tratar, mas quantos vão morrer até lá ?? acredito do capitalismo, mas obter riqueza a qualquer custo não ?? igual uns fala foda-se a terra eu quero ter dinheiro, assassinos de aluguel também !! cidade grande e melhor para morar, então porque MUITOS ricos compra chácaras para passar o fim de semana. Muitos fala vamos acabar com amazônia fazer dela uma grande fazenda de soja ou de gado. essa pessoas já foram em uma floresta ?? a pergunta é precisa destruir o jardim apenas por status, aumentar a mansão que já tem 25 quartos e mora apenas 4 pessoas nela e a vez que fico mais lotada foi com 20 pessoas, sim o jardim e dele mas isto não faz dele apenas um imbecil ?? essas coisa que faz muitas pessoas não gostar do capitalismo pois boa parte tem comportamento "..." (a gastei 50 mil em uma festa, legal gastei 300 reais na mesma festa e curti pra caralho) Vários sítios que os donos desmato as nascente, para "aumentar" a propriedade, hoje fica orando para chover para ter água na lagoa. contratei um gestor ambienta para minha empresa; -pra que kkkkkkkkkkkkkkk vai cuidar de plantinhas; -cara ele fez um balanço calculo o reuso, tecnologia mais ecológicas, meu custo operacional diminui 15% e com ele em 6 meses pago custo do equipamento. mas o que mais atrapalho, foi o sistema estatal brasileiro, de proibir outros combustíveis biogás que poderia ser produzido que meu rejeito.
  • Rafael  26/01/2017 19:10
    A solução para os problemas que está levantando se chama propriedade privada. Você faz o que quiser com o que é seu e se afetar o de outra pessoa terá de lidar com as conseqüências.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.