Quem realmente inventou a internet?
por , segunda-feira, 6 de agosto de 2012

versão para impressão


D6F22267090610B0419855BBFAC2515F_1.jpgUm momento significativo da atual corrida presidencial norte-americana ocorreu recentemente quando Barack Obama disse: "Se você tem um empreendimento, não foi você quem o construiu.  Foi outra pessoa quem o possibilitou."  Ele justificou este seu ato de elevar burocratas acima de empreendedores referindo-se também a pontes e estradas, dizendo que todas existem unicamente graças ao estado.  E, no final, arrematou: "A internet não foi inventada do nada.  A pesquisa governamental criou a internet, de modo que, só então, todas as empresas puderam ganhar dinheiro com ela."

O governo ter criado a internet é uma daquelas lendas urbanas que perduram até hoje.  O mito é que o Pentágono criou a internet com o intuito de poder manter operantes suas linhas de comunicação mesmo sob ataque nuclear.  A verdade, no entanto, é bem mais interessante, e mostra como as inovações ocorrem no mercado — e mostra também o quão difícil é criar empresas tecnológicas bem sucedidas mesmo quando o governo sai da frente.

Para muitos tecnólogos, a ideia da internet remonta a Vannevar Bush, conselheiro da presidência dos EUA para assuntos tecnológicos durante a Segunda Guerra Mundial.  Foi ele quem supervisionou o desenvolvimento do radar e do Projeto Manhattan.  Em 1946, em um artigo escrito para a revista The Atlantic chamado "As We May Think", Bush definiu um ambicioso objetivo tecnológico para aquele vindouro período de paz: construir o que ele chamou de "memex", por meio do qual "formas totalmente novas de enciclopédias surgirão, trazendo com elas uma malha de trilhas associativas prontas para ser adicionadas ao memex e então ampliadas."

Isso excitou imaginações e, na década de 1960, tecnólogos já estavam tentando fazer com que redes de comunicações fisicamente separadas fossem conectadas em uma só rede global — a "world-wide web" [rede de alcance mundial].  O governo americano estava envolvido no projeto, modestamente, por meio da ARPA (Advanced Research Projects Agency — Agência de Projetos de Pesquisa Avançados, agência do Departamento de Defesa americano).  A ARPA criou a ARPANET, que tinha o objetivo de interligar as bases militares e os departamentos de pesquisa do governo americano

Mas o objetivo do governo americano não era o de manter suas comunicações durante um ataque nuclear, e tampouco a ARPA criou a internet.  O próprio Robert Taylor, que comandou o programa ARPA na década de 1960, enviou um email para os colegas tecnólogos em 2004 esclarecendo a questão: "A criação da ARPANET não foi motivada por considerações sobre a guerra. A ARPANET não era uma internet.  A internet é uma conexão entre duas ou mais redes de computadores."

Se o governo não inventou a internet, então quem a inventou?  Vinton Cerf foi o sujeito que desenvolveu os protocolos TCP/IP, que são espinha dorsal (ou, no contexto adequado, a rede de transporte) da internet.  E Tim Berners-Lee merece os créditos pelos hyperlinks.

Mas o crédito completo vai para a empresa na qual Robert Taylor trabalhou após ter saído da ARPA: a Xerox.  Foi nos laboratórios da Xerox PARC, no Vale do Silício, na década de 1970, que a Ethernet foi desenvolvida para conectar diferentes redes de computadores.  Os pesquisadores de lá, além de terem desenvolvido o primeiro computador pessoal (o Xerox Alto), também desenvolveram a interface gráfica do usuário, a mesma que ainda conduz a utilização dos computadores atuais.

De acordo com um livro sobre a Xerox PARC, "Dealers of Lightning", de Michael Hiltzik, os pesquisadores perceberam que não poderiam ficar eternamente esperando o dia em que o governo finalmente decidiria conectar as diferentes redes.  Logo, eles resolveram fazer tudo por conta própria.  "Nós temos um problema mais imediato do que eles", disse Robert Metcalfe ao seu colega John Shoch em 1973.  "Nós temos mais redes do que eles."  Mais tarde, o Sr. Shoch contaria que os funcionários da ARPA "estavam trabalhando com financiamento do governo e com contratos com universidades.  Eles tinham de lidar com burocratas que estavam supervisionando o contrato... e com todo aquele comportamento lento e lúgubre típico dessa gente."

Mas então, tendo criado a internet, por que a Xerox não se tornou a maior empresa do mundo?  A resposta explica a discrepância que há entre uma visão empreendedorial pautada pelo estado e como as inovações realmente ocorrem.

Os executivos da matriz da Xerox na cidade de Rochester, estado de Nova York, estavam concentrados em vender copiadoras.  Do ponto de vista deles, a Ethernet era importante apenas para que pessoas em um escritório pudessem conectar seus computadores para compartilhar uma copiadora.  Foi então que, em 1979, Steve Jobs negociou um acordo pelo qual o departamento de capital de risco da Xerox investiu US$1 milhão na Apple, com o requisito de que Jobs fosse completamente informado sobre todas as inovações da Xerox PARC. "Eles não faziam a menor ideia do que possuíam", Jobs diria mais tarde, após lançar seus extremamente lucrativos computadores Apple, nos quais ele utilizou os conceitos desenvolvidos pela Xerox.

O ramo de copiadoras da Xerox se manteve lucrativo por décadas, mas a empresa, no final, vivenciou anos de prejuízos gerados pela revolução digital.  Os administradores da Xerox podem se consolar com o fato de que é raro uma empresa conseguir fazer a transição de uma era tecnológica para outra.

Quanto ao papel do governo no processo, a internet foi completamente privatizada em 1995, quando uma fatia da rede que ainda estava sob o controle pela National Science Foundation (Fundação Nacional da Ciência) foi abolida — imediatamente quando a internet comercial começou a crescer.  O blogueiro Brian Carnell escreveu em 1999: "A internet, de fato, reafirma aquela crítica básica feita pelos defensores do livre mercado ao governo.  Por 30 anos, o governo deteve um protocolo imensamente poderoso de transferência de informações, o TCP/IP, mas ele ficou mofando sem ser utilizado. . . .  Em menos de uma década, empresas privadas assumiram o controle deste protocolo e criaram umas das mais importantes revoluções tecnológicas do milênio."

É importante entender a história da internet porque ela é, com muita frequência, citada enganosamente como exemplo e como justificativa para se ter um governo grande.  É importante também reconhecer que construir grandes empresas de tecnologia é algo que requer, além de inovações, a habilidade para saber levar estas inovações ao mercado.  Como nos mostrou o contraste entre a Xerox e a Apple, são poucos os empreendedores que obtêm sucesso nesse desafio.  Aquele que conseguem merecem o crédito por fazer isso acontecer — e não o governo.


Gordon Crovitz é executivo e conselheiro de mídia e da indústria de informação.  Foi editor do The Wall Street Journal e vice-presidente executivo da Dow Jones.  Formou-se na Universidade de Chicago e é bacharel em direito pelas universidades de Oxford e Yale.




30 comentários
Tiago RC 06/08/2012 01:26:33

Gostei de ler esse artigo. De fato, socialistas adoram dizer que a internet é criação total do estado, quando eu a vejo como um dos melhores exemplos da organização espontânea do livre mercado.

Só uma nota: não confundam Ethernet com Internet. O que define internet é o IP - Internet Protocol. O Ethernet, via de regra, nem precisaria existir para existir internet. Tampouco é ele que "conecta diferentes redes de computadores", como diz o artigo. É o IP que faz isso. O Ethernet conecta computadores de maneira direta, numa rede local (LAN).
Não estou com isso querendo dizer que sem o financiamento estatal a internet não teria sido criada, pelo contrário. A própria necessidade da Xerox seria suficiente para criar algo equivalente ao IP se esse não estivesse lá, disponível e "abandonado" pelos seus criadores estatais. Óbvio que, já existindo o protocolo, eles seriam idiotas de reinventar a roda.

Responder
Tiago Moraes 06/08/2012 14:12:53

E onde o artigo diz isso? Ele apenas coloca o caso da Ethernet desenvolvida pela Xerox como a verdadeira responsável pela origem da internet e não que a Ethernet e a Internet são a mesma coisa. E é claro que é necessário existir redes internas para haver a internet, afinal, a internet é em suma a conexão entre várias redes internas, sem redes internas a Web irá se conectar a o que? Ao além??

Responder
Andre Cavalcante 06/08/2012 14:44:31

Sr. Tiago Moraes.

Historicamente também não bate. A Xerox (pesquisador Robert Metcalf) inventou a Ethernet nos fins de 1970. O IP só veio a vida em 1981. Contudo, o padrão Ethernet como o conhecemos hoje e que se popularizou nas LANs só foi desenvolvido na década de 90, quando já existia Internet, com TCP/IP e tudo mais. As LANs somente se popularizaram com a popularização do PC de escritório (e a abertura do padrão Ethernet). Antes disso já havia teleprocessamento usando-se outros tipos de redes.

Mais uma vez: Internet não teve UM criador, mas foi o resultado do desenvolvimento de vários indivíduos e empresas, com várias finalidades, por um período considerável de tempo. De fato a Internet ainda está se desenvolvendo. Internet é uma criação quase anárquica, no bom sentido (favor ver o meu comentário mais abaixo).

Abraços.

Responder
Breno Almeida 06/08/2012 16:52:43

A xerox tinha o seu protocolo antes de ser desenvolvido o tcp/ip en.wikipedia.org/wiki/PARC_Universal_Packet e segundo a historia foi esse protocolo que insipirou a versão final do tcp/ip que é usado até hoje.

Responder
Pedro Ivo 06/08/2012 04:51:49

"Se você tem um empreendimento, não foi você quem o construiu. Foi outra pessoa quem o possibilitou."

Leandro, qual a refutação desta asneira de uma perspectiva de individualismo metodológico? Como revogar esta mentira?

Responder
Leandro 06/08/2012 07:14:11

Pedro Ivo, quem toma as decisões de investimento e incorre no risco do prejuízo? Quem é que tem de estimar com acurácia as condições futuras do mercado, bem como a demanda dos consumidores? Quem é que se estrepa caso erre estes prognósticos?

Obama -- e torçamos para que ele esteja desfrutando seus últimos meses na Casa Branca --, após ter detonado a economia americana e perdido completamente o senso do ridículo, resolveu também inverter a realidade na qual vive. Dado que seu governo decide hoje quem sobrevive e quem é eliminado -- vide o caso da GM --, o indigitado, no melhor estilo Lula, passou a imaginar que o mundo só pode funcionar assim, com ele no comando e impondo decisões.

O mal que este sujeito vem fazendo ao mundo levará décadas para ser extirpado.

Abraços.

Responder
Camarada Friedman 06/08/2012 09:19:29

Obama nunca trabalhou em uma empresa privada, nunca abriu um negócio(mesmo sendo um rico neto de banqueiros), sempre foi um funça. A melhor coisa que ele fez na vida dele foi trabalhar em um esquema nacional-socialista para minorias étnicas - community organizer.

Ele NUNCA teve uma responsabilidade na vida, nunca cuidou de uma pessoa doente, nunca correu atrás de nada. Se pelo menos tivesse o saco de cuidar da herança, que nada... o cara recorreu a dinheirinho de grupelhos radicais.

Esse cara nasceu em um berço de ouro com tudo na mão, teve a oportunidade que milhões de americanos nunca vão ter. Ele nunca criou riqueza para a sociedade, sempre foi um parasita.
Esse cara nem precisou estudar pra "estudar" o que ele estudou, é só dar uma olhada na carreira dele... qualquer babaca faz aqueles cursos.

Quem manja inglês, que ouça o glorioso Thomas Sowell, nasceu pobre - ex marxista. Preto e literalmente o inverso de Obama:

www.youtube.com/watch?v=yt_q4FA9kUQ

Responder
João 06/08/2012 07:24:05

Parece o Lula falando huasusahahasuasuh

Responder
Eduardo 06/08/2012 09:03:14

"Se você tem um empreendimento, não foi você quem o construiu. Foi outra pessoa quem o possibilitou."

Por um lado, hoje nossas criações são altamente dependentes de outras pessoas.
No contexto que essa frase foi dita, de que isso foi graças ao governo, é uma enorme forçãção de barra. Vi imagens dizendo que o governo educou o empreendedor, garantiu que ele tivesse ruas e que elas não estivessem repletas de bandidos, deu energia, etc...

Primeiro que assume que nada disso poderia ser feito sem o governo, e depois que não faz sentido atribuir esse tipo de crédito.
Um empreendedor precisa se alimentar, e deve isso a agricultores, caminhoneiros, supermercados, cozinheiros.
Um empreendedor precisa de roupas, e deve isso a costureiros, navegadores, vendedores.
Um empreendedor precisa ser educado, e deve isso a professores, livros, e até aos pedreiros que construíram as instalações.
Um empreendedor precisa de casa, e por aí vai.

Dar crédito ao governo ou ao mercado, e pedir algo em troca, é um chute bem longo... o quanto esse sujeito deve ao governo e aos agentes do mercado?
Sem contar que com propriedade privada e trocas, uma pessoa legitimamente ganha propriedade sobre a propriedade alheia ao trocar pelos frutos de seu trabalho, e é assim que ele "paga o que deve".

Creio que a refutação a essa idéia esteja no fato de que mesmo com várias pessoas tendo acesso a bens e serviços semelhantes, nem todas elas viram empreendedoras de sucesso.
Você dá X,Y, e Z (do mercado ou do governo) pra um grupo de pessoas, e apenas uma pequena parte delas é empreendedora e realmente constrói algo.

Então acho razoável dizer que essas pessoas realmente têm todo seu mérito e construíram todo o seu empreendimento, já que outras pessoas que receberam recursos semelhantes não o fizeram.

Responder
Andre Cavalcante 06/08/2012 06:11:47

Olá a todos, só umas observações:

Ethernet é um padrão para camada física e de ligação entre computadores. Não pode interligar duas redes, mas é utilizada para interligar vários computadores em uma única rede interna. Não serve para interligação entre redes distintas e muito menos em áreas amplas.

A coisa boa que a Xerox efetivamente fez para as redes foi deixar o seu protocolo Ethernet (nome comercial do seu protocolo para Local Area Networks - LANs - Redes de Área Local) aberto e permitir que o IEEE o padronizasse sob número 802.3, o que permitiu que diversos fabricantes pudessem criar equipamentos capazes de suportar tal protocolo. De fato, isso fez com que a mágica do livre mercado se desenvolvesse e, em pouco mais de 10 anos, os diversos protocolos para LAN (em especial Token Ring) fossem sendo esquecidos em prol do "melhor" (melhor custo/benefício, no caso, não melhor tecnicamente) e hoje praticamente domina todas as LANs. Aliás isso forçou a abertura de praticamente todos os outros padrões para LAN e mostra, mais uma vez, que as leis de patente, na verdade, estimulam a ignorância e não o desenvolvimento tecnológico!

O que fez a internet um sucesso é o protocolo IP que por sinal significa Internet Protocol (protocolo de interligação de redes). É ele um padrão de camada de rede que permite a interligação de várias redes distintas, através de um endereçamento e efetivamente de superredes, as chamdas WANs (Wide Area Network - Rede de Área Ampla).

Os protocolos TCP e UDP, por outro lado, são protocolos da camada de transporte, os quais direcionam, dentro do computador, qual programa recebe qual pacote que vem da rede, o que permite que um mesmo computador possa fazer várias coisas na rede, como ver um vídeo, mandar um e-mail, ou receber um arquivo.

HTTP, é um protocolo da camada de aplicação (para páginas na Web e hyperlinks), assim como FTP (arquivos) e EMAIL (mensagens). Este último foi uma invenção dos cientistas do CERN para poderem se comunicar mais facilmente. Só para não dizer que não falei das flores, o conjunto de protocolos que formam a infraestrutura de SOA (Web Services) foi originalmente proposto pela Microsoft, baseado em um padrão aberto, XML, e, por incrível que parece, o deixou igualmente aberto, o que permite o atual desenvolvimento do comércio eletrônico na net.

O "backbone" da Internet, nos EUA, foi baseado no backbone da ARPANET, isto é fato (no Brasil, "pra variar", era o backbone da Embratel, ainda na época do monopólio, que interligava as universidades e órgãos do governo, chamado de RNP - Rede Nacional de Pacotes). Contudo, foi justamente a saída do governo americano e a liberação para a iniciativa privada do uso deste backbone que permitiu o desenvolvimento daquela rede no que seria futuramente a internet por lá (Por aqui também, somente com as privatizações e a quebra do monopólio da Embratel, foi possível o desenvolvimento da Internet tupiniquim).

Tudo isso, então, foi feito por diferentes pessoas, em diferentes lugares do mundo, em épocas bem diferentes e por motivos bem distintos (ninguém teve a intenção de criar a internet como ela é hoje). Essa coisa de cada um puxar a brasa para sua sardinha, como o governo britânico fez na abertura das Olimpíadas de Londres 2012, é antiga, mas completamente fora dos fatos.

Então, a Internet não tem efetivamente um criador. Poderíamos dizer que é uma invenção conjunta, nascida e desenvolvida pela inteligência e empreendedorismo de vários, porque cada qual contribuiu de um jeito ou de outro. Inclusive governos ajudaram (ou atrapalharam menos, por exemplo, deixando a internet nascente não sujeita às leis de patente) na empreitada.

Na minha visão, sem a saída do governo americano do campo da internet (na sua base de financiamento e desenvolvimento) seria muito improvável termos essa superrede tão dinâmica que temos hoje.

Para mim a Internet é uma espécie de sistema telefônico global, com custos cada vez mais baixos, mais serviços e cada vez melhores, principalmente graças a dinâmica empreendedora que existe intrinsecamente nela.

E, para a alegria dos anarcocapitalistas, a Internet é uma prova viva que as sociedades humanas podem ser criadas e desenvolvidas sem absolutamente nenhum "controle central", sem contudo significar a ausência de regras. Em seu uso por todas as pessoas de bem deste planeta, vemos o nascimento de uma supranação, baseada na liberdade individual e na ação do homem sobre aquela sociedade, termo este tomado aqui como agrupamento humano, sem nenhuma outra conotação mais ideológica. Resta-nos a esperança de que isso saia do virtual e seja colocado em prática no mundo "real".

Abraços.

Responder
Rubens Dourado 06/08/2012 06:45:51

Até onde sei...Microsoft,Apple e Facebook começaram em uma garagem e sem ajudada nenhuma de burocratas do governo...

alias, quem mantém o governo mesmo??rsrs

Responder
Eduardo 06/08/2012 09:05:28

Vale lembrar que Microsoft e Apple começaram em uma garagem num mercado aonde já existia a gigante IBM!

Pra quem acha que enormes empresas tomam conta do mercado e não permitem o pequeno empresário prosperar, e que o governo tem que intervir...

Responder
Luis Almeida 06/08/2012 06:52:57

Prezados Tiago e Andre, quando o texto diz que a rede de cabos Ethernet foi desenvolvida para conectar diferentes redes de computadores, o termo em inglês é "link different computer networks", que é exatamente o mesmo sentido físico do qual vocês estão falando. Portanto, não creio proceder a afirmação suas de que houve erro neste trecho.

De resto, sobre a rede de infraestrutura criado pelo governo americano, é válido especular, mas não sem levar em conta a realidade da época: dado que era apenas o governo quem mexia com a interligação entre computadores, é um tanto óbvio que seria ele quem iria majoritariamente criar a infraestrutura para tal -- da mesma maneira que, dado que é o governo quem exclusivamente mexe com máquinas de guerra, é ele quem manda fabricar porta-aviões e outras bases, e não o mercado.

Abraços!

Responder
Andre Cavalcante 06/08/2012 07:07:30

Olá Luiz Almeida.

Se o termo em inglês é "link different computer networks", e se o sentido é físico, então está pior ainda, porque o link entre diferentes redes de computadores, na Internet, se faz, em geral usando ATM e não Ethernet, quando não usa o sistema de telecomunicações nacional, incluindo fibras (caso do Brasil). Note mais uma vez que Ethernet é para LAN e não WAN.

No mais o meu ponto não é esse, mas é o de "puxar a brasa para sua sardinha" que a gente vê muito por aí. É tão complicado ver que a Internet não tem criador, que é uma criação conjunta, ou por outra, anárquica?

Abraços.

Responder
Luis Almeida 06/08/2012 07:21:19

Prezado Andre, foi você quem disse que "Ethernet é um padrão para camada física e de ligação entre computadores. Não pode interligar duas redes, mas é utilizada para interligar vários computadores em uma única rede interna."

E eu, ora, apenas confirmei que foi exatamente isto o que foi dito. Aliás, é só ler o trecho do artigo que fala de Ethernet sendo utilizada para compartilhar uma copiadora, exatamente como você diz na sua frase acima.

Responder
Tiago RC 06/08/2012 07:43:01

O trecho continua errado, mesmo em inglês. Ethernet não liga diferentes redes de computadores (link different computer networks). É IP que faz isso.

Eu tinha feito um segundo comentário, acho que fiz alguma bobagem e ele não foi submetido direito. Encontrei essa crítica ao artigo acima: techland.time.com/2012/07/25/how-government-did-and-didnt-invent-the-internet/

O que é interessante, mesmo nessa crítica áspera, é o que o próprio autor da crítica admite: "I'm even prepared to believe that if the Internet hadn't been invented at DARPA, the private sector would have stepped in and done the job."
Isso reforça a citação feita no artigo "Por 30 anos, o governo deteve um protocolo imensamente poderoso de transferência de informações, o TCP/IP, mas ele ficou mofando sem ser utilizado. . . ."

Enfim, de fato foi o governo que financiou a invenção dos protocolos de base da internet. Só que não fez nada de útil com eles. Quem fez foi a iniciativa privada, quando houve demanda. E tenho certeza que, se os tais protocolos já não estivessem lá disponíveis para serem utilizados, eles teriam sido inventados quando necessário.

Responder
Ivan Eugênio da Cunha 06/08/2012 07:46:36

Vale lembrar que Tim Berners-Lee criou a Web no CERN com o objetivo de facilitar o compartilhamento de informações entre os pesquisadores. Inovações também ocorrem em empreendimentos científicos (nesse caso, de ciência básica) cujo objetivo final não é o lucro.

Responder
Gabriel Moraes 06/08/2012 08:56:58

Leandro, é possível saber (aproximado) quanto seria a renda de um trabalhador caso não houvesse governo?

Descobrir ser esse um argumento muito forte pra pescar algumas pessoas (é pelo bolso que se pesca gente).

Uso o exemplo de 1.000,00 R$ registrado e chuto umas 3 vezes mais, sem impostos e as ineficiências do mercado geradas pelo governo.

Responder
Henrique 06/08/2012 09:13:23

Não se esqueça de que sem governo o poder de compra não seria continuamente minado com a inflação.

Responder
Leandro 06/08/2012 09:23:28

Não creio ser possível criar uma fórmula exata, mas é possível ter aproximações. Atualmente, algumas empresas arcam, com encargos sociais e trabalhistas, 100% do salário de um funcionário, o que significa que, para cada R$1.000 de salário pago, a empresa gasta outros mil com encargos. E dado que o salário já vem descontado por impostos e contribuições, é possível dizer que, de cada R$ 2.000 gasto pela empresa, o trabalhador vai receber uns R$800. Ou seja, só neste processo, o trabalhador já poderia ganhar mais do dobro do que efetivamente ganha.

Adicionalmente, é necessário levar em conta todas as regulamentações impostas ao mercado e toda a riqueza que elas impediram de ter sido geradas. Essa acumulação de capital que poderia ter ocorrido, mas foi impedida pelo governo, se reflete na baixa produtividade das pessoas, o que é outro impeditivo para haver maiores salários.

Portanto, no geral, e utilizando uma aproximação bem conservadora, não acho que seja exagero imaginar um aumento salarial de 2,5 a 3 vezes. E se levarmos em conta que a inflação de preços seria menor em um ambiente mais produtivo, o ganho real poderia ser de mais de 3 vezes.

Abraços!

Responder
Andre Cavalcante 06/08/2012 09:41:34

Não sou o Leandro, mas acho que posso te responder.

Para a classe média, os impostos são da ordem de 40% (38% em folha). Para empresários é até um pouco mais.

Para um salário de R$1.000,00, líquidos, significa um bruto de R$ 1.666,00. (R$1.666-40%=R$1.000,00).

Mas tenha em mente que, sem os impostos, os produtos e serviços também não os terão embutidos, de sorte que os produtos deverão ser mais baratos.

Se for aplicado mais 40% linearmente (que na verdade não é) teríamos, em tese, para um salário de R$1.000,00, o poder de compra de um salário de R$2.750,00 (R$2750-40%=1650-40%=R$990,00).

Isso no mínimo, porque sem impostos, significa sem estado, o que nos leva a concluir que a concorrência seria ainda maior, portanto preços menores, e, principalmente, não haveria inflação, o que significa que a moeda nunca perderia o seu poder de compra e não haveria essa transferência de renda dos pobres para os ricos, como explicado por Mises. Sem falar que, com a moeda forte, o incentivo à poupança e, consequentemente, ao investimento privado seria maior, o que significa maior crescimento econômico, que permite um nível melhor de vida para todos.

Infelizmente, esse cenário é, por hora, apenas de sonho.

Abraços

Responder
Marcos Campos 06/08/2012 11:41:33

Posso estar enganado, mas gostaria de ver se seu exemplo bate com a realidade do Sul Koreano, visto que até onde sei é um país com caracteristicas de classe média alta, aliais nunca vi aqui um artigo sobre este país.

Abraços

Responder
Leandro 06/08/2012 12:00:08

Não entendi muito bem de onde surgiu a Coreia do Sul na sua pergunta e nem qual o motivo. Porém, dado que muita gente gosta de falar que a Coreia do Sul é um exemplo de desenvolvimento com protecionismo -- um paradoxo -- vale uma rápida pincelada.

Em primeiro lugar, os coreanos já começaram fazendo o certo: nem pensaram em adotar democracia. Se tivessem feito isso, provavelmente estariam como nós. Adicionalmente, não é verdade dizer que a "Coréia do Sul era pobre e aí foram adotadas políticas intervencionistas e aí ela enriqueceu". Mesmo porque isso é econômica e logicamente impossível. O que o general Park fez foi adotar uma política extremamente favorável ao investimento estrangeiro (óbvio, pois a Coréia não tinha capital), principalmente de japoneses (com quem ele reatou relações diplomáticas) e americanos. Não fossem esses investimentos estrangeiros, o país continuaria estagnado.

Os japoneses investiram pesadamente em infraestrutura, em indústrias de transformação e em tecnologia, o que fez com que a economia coreana se tornasse uma economia altamente intensiva em capital e voltada para a exportação. Esse fator, aliado à alta educação, disciplina e alta disposição para trabalhar (características inerentemente asiáticas), permitiu a rápida prosperidade da Coréia.

Era economicamente impossível a Coréia enriquecer por meio de intervencionismo simplesmente porque não havia capital nenhum no país. Intervencionismo é algo possível apenas em países ricos, que já têm capital acumulado e que, por isso, podem se dar ao luxo de consumi-lo em políticas populistas. Já países pobres não têm essa moleza (por isso o intervencionismo explícito em países como Bolívia e Venezuela apenas pioram as coisas).

A Coréia do Sul no início da década de 1960 era mais pobre que a Coréia do Norte. E mesmo assim os japoneses investiram lá. E deu no que deu.

Abraço!

Responder
Pedro 06/08/2012 10:16:05

Acho que o foco do artigo deveria ser outro, pois realmente não há como negar que foi a ARPANET do Departamento de Defesa americano a precursora da Internet e de seus protocolos que a torna possivel.

O foco deveria ser em quem tornou isso disponivel para o publico, como o progresso da internet foi evidente justamente após a iniciativa privada entrar com tudo e também em como a internet é a prova de que um planejamento centralizado não é necessário para nada. Afinal, pelo menos até hoje, nada tão descentralizado e "caótico" como a internet, onde qualquer um pode faz inumeras coisas sem dar satisfação para ninguém (por enquanto) e mesmo assim, vemos o surgimento de uma ordem nesse caos aparente.

Além disso, se o objetivo principal era o de refutar aquela merda que o Obama disse, não precisava ir muito longe. Bastava perguntar a ele de onde vieram os recursos que o governo dispunha para investir na ARPANET (e nas estradas e pontes que ele tanto se orgulha). Afinal, não sei se o Sr. Presidente sabe, mas tudo que o governo possui é graças a impostos, ou seja, a riqueza espoliada da iniciativa privada. Não fosse a livre iniciativa para criar riqueza, não haveria o que tributar, logo não haveria projeto estatal para nada.

Responder
Francisco 06/08/2012 15:33:43

Daqui a pouco Obama vai falar que foi o governo que possibilitou a invenção e utilização da roda...

Responder
Breno 06/08/2012 16:22:15

O artigo é muito bom. E de forma genérica nos faz pensar em toda e quaisquer inovações que surgem dia-após-dia, sejam tecnológicas ou de outra natureza. Alguns países converte o trabalho de suas instituições em proveito próprio e assim prosperam e geram felicidade para os seu cidadãos.
A distribuição de renda ocorre de forma clara no reconhecimento do mérito de cada trabalho. Em alguns lugares isso simplesmente não ocorre. Por que? As inovações não tem seu valor? Quando Thomas Edison inventou o telégrafo deu um passo adiante para o mundo que construímos hoje de dentro de nossas casas, lares e trabalho. Ninguém pensaria isso naquele tempo. De qualquer forma, indo para o que interessa, Thomas Edson recebeu uma remuneração por isso, o telégrafo foi vendido a dois empresários e teve sua aplicação direta no mundo dos negócios da bolsa de Chicago e Nova York. A internet hoje é o telégrafo de amanhá. No entanto, fico imaginando se Thomas ou Jobs não recebessem a remuneração ou reconhecimento por aqueles que compraram suas idéias. Muito dos inventos e facilidades que temos hoje, não existiriam - eles não teriam o que comer!.
Isso mostra que a remuneração desses trabalhadores, do seu intelecto e capital humano investido ao longo de suas vidas e formação foram remunerados. Isso me leva a pensar que economias podem ser ditas eficientes não só porque distrubem melhor a renda, mas porque remuneram adequadamente seus fatores de produção, seja qual for sua forma de emprego.

Responder
Cândido Leonel T. Rezende 07/08/2012 04:18:43

O interessante é que futuramente com o advento dos satélites domésticos teremos uma rede totalmente descentralizada, caso o governo tente controlar uma ou outra rede, sempre haverá uma "confiavél".

www.open-mesh.org/projects/open-mesh/wiki/BATMANConcept

www.open-mesh.org/projects/open-mesh/wiki/Routing_scenarios

Responder
Thyago 07/08/2012 12:46:21

Esse Obama é muito cara de pau...

E parabéns ao IMB por desmistificar mais essa!

Responder
Dam Herzog 11/08/2012 19:22:57

O que falta dizer de tudo isto é que todo o dinheiro que o governo tem, não foi produzido pelo governo, mas é produto de impostos. O governo não faz nada sem que antes tirar dinheiro em forma de impostos dos cidadãos. O Presidente obama e sua mulher só entende de marxismo. Nada entende de mercadoria de mercado é um verdadeiro picareta na presidencia. Leiam o que ele disse sobre o mercado:An Audacious Promise: The Moral Case for Capitalism: se puderem leiam:

James R. Otteson
DOWNLOAD PDF
PODCAST
James Otteson and Howard Husock, vice president for policy research at the Manhattan Institute, discuss the moral case for capitalism.



"The market will take care of everything," they tell us…. But here's the problem: it doesn't work. It has never worked. It didn't work when it was tried in the decade before the Great Depression. It's not what led to the incredible postwar booms of the '50s and '60s. And it didn't work when we tried it during the last decade. I mean, understand, it's not as if we haven't tried this theory.

—President Barack Obama, Osawatomie, Kansas, December 6, 2011

Milton Friedman once said that every time capitalism has been tried, it has succeeded; whereas every time socialism has been tried, it has failed. Yet President Obama has oddly claimed that we've tried free-market capitalism, and it "has never worked." This is rather remarkable. Since 1800, the world's population has increased sixfold; yet despite this enormous increase, real income per person has increased approximately 16-fold. That is a truly amazing achievement. In America, the increase is even more dramatic: in 1800, the total population in America was 5.3 million, life expectancy was 39, and the real gross domestic product per capita was $1,343 (in 2010 dollars); in 2011, our population was 308 million, our life expectancy was 78, and our GDP per capita was $48,800. Thus even while the population increased 58-fold, our life expectancy doubled, and our GDP per capita increased almost 36-fold. Such growth is unprecedented in the history of humankind. Considering that worldwide per-capita real income for the previous 99.9 percent of human existence averaged consistently around $1 per day, that is extraordinary.

What explains it? It would seem that it is due principally to the complex of institutions usually included under the term "capitalism," since the main thing that changed between 200 years ago and the previous 100,000 years of human history was the introduction and embrace of so-called capitalist institutions—particularly, private property and markets. One central promise of capitalism has been that it will lead to increasing material prosperity. It seems fair to say that this promise, at least, has been fulfilled beyond anyone's wildest imagination. Yet people remain suspicious of capitalism—and more than just suspicious: as the Occupy Wall Street movement is only the latest to have shown, we seem ready to indict capitalism for many of our social problems. Why?

A widespread consensus is that capitalism might be necessary to deliver the goods but fails to meet moral muster. By contrast, socialism, while perhaps not practical, is morally superior—if only we could live up to its ideals. Two main charges are typically marshaled against capitalism: it generates inequality by allowing some to become wealthier than others; and it threatens social solidarity by allowing individuals some priority over their communities. Other objections include: it encourages selfishness or greed; it "atomizes" individuals or "alienates" (Marx's term) people from one another; it exploits natural resources or despoils nature; it impoverishes third-world countries; and it dehumanizes people because the continual search for profit reduces everything, including human beings, to odious dollar-and-cent calculations.

The list of charges against capitalism is long. But some of the charges are not as strong as might be supposed. Take community. Capitalism gives us incentives to trade and associate with people outside our local community, even complete strangers, not on the basis of our love or care for them but out of our own—and their—self-interest. So capitalism enables people to escape the strictures of their local communities. But is that bad? Capitalism creates opportunities for people to trade, exchange, partner, associate, collaborate, cooperate, and share with—as well as learn from—people not only from next door but from around the world—even people who speak different languages, wear different clothing, eat different foods, and worship different gods. The social characteristics that in other times and under different institutions would lead to conflict—even violent, bloody conflict—become, under capitalism, irrelevant—and thus no longer cause for discord. Capitalism encourages people to see those outside their communities not as threats but as opportunities. It gives us an incentive to look beyond our narrow parochialisms and form associations that would otherwise not be possible.

Capitalism therefore does not lead to no community but rather to differently configured ones. Consider this remarkable passage from Adam Smith's 1776 The Wealth of Nations:

The woollen coat, for example, which covers the day labourer, as coarse and rough as it may appear, is the produce of the joint labour of a great multitude of workmen. The shepherd, the sorter of the wool, the wool-comber or carder, the dyer, the scribbler, the spinner, the weaver, the fuller, the dresser, with many others, must all join their different arts in order to complete even this homely production. How many merchants and carriers, besides, must have been employed in transporting the materials from some of those workmen to others who often live in a very distant part of the country! How much commerce and navigation in particular, how many ship-builders, sailors, sail-makers, rope-makers, must have been employed in order to bring together the different drugs made use of by the dyer, which often come from the remotest corners of the world! What a variety of labour too is necessary in order to produce the tools of the meanest of those workmen!... [I]f we examine, I say, all these things, and consider what a variety of labour is employed about each of them, we shall be sensible that without the assistance and cooperation of many thousands, the very meanest person in a civilized country could not be provided, even according to, what we very falsely imagine, the easy and simple manner in which he is commonly accommodated.
This is a celebration for Smith. It represents not the total independence demanded by the eighteenth-century French philosopher Jean-Jacques Rousseau, who envisioned a kind of solitary orangutan-like existence as the ideal for humans; but neither is it the atomism that some critics of capitalism claim. It contemplates a set of social institutions that allows us to transcend the confines of our small-group instincts by engaging in far-flung cooperation. If we were instead to restrict cooperation only to those exchanges that could be based on personal caring and bonds, the loss of gains from forsaken trade would sharply reduce our standard of living—causing us to regress steadily to the status quo ante of human existence—namely, $1 per day. By contrast, markets allow us to "serve" one another even when we do not love one another—even when we do not know of one another's existence. That implies an extensive, deep, and pervasive interdependence—which is a real, if different kind of, community.

What about inequality? Capitalism does allow—and perhaps even requires—inequality. Because people's talents, skills, values, desires, and preferences vary and because of sheer luck, some people will be able to generate more wealth in a free-enterprise system than others will; inequality will result. But it is not clear that we should worry about that.

Consider first that the voluntary exchanges that take place in the free-enterprise system are positive-sum, not zero-sum—meaning not that one person benefits only at another's expense but rather that all parties to the transaction benefit. If you and I agree that I will complete a task for you for $100, that means that I value the $100 more than the labor and other forsaken opportunities that it costs me, and you value the completed task more than the $100 that it costs you. That we voluntarily strike this deal means that we both benefit, each according to his respective schedule of values. What capitalism proposes is to expand the frontiers of possibility for such mutually beneficial transactions so that more and more people can work together in more and more ways. This increasing cooperation means increasing benefit in new, unpredictable, and yes, unequal but nevertheless substantial, ways.

Even if we do not all get rich at the same rate, we all still get richer. To see the importance of this point, ask yourself: If you could solve only one social ill—either inequality or poverty—which would it be? Or suppose that the only way to address poverty would be to allow inequality: Would you allow it? This seems a no-brainer: poverty is a far larger factor in human misery than is inequality. If we could have steadily fewer people suffering from grinding poverty, is that not something to wish for, even if it comes with inequality? This appears to be the position in which we find ourselves. The only way we have discovered to raise people out of poverty is the institutions of capitalism, and those institutions allow inequality. Keeping people in poverty seems too high a price to pay in the service of equality. One is tempted to say that only a person who has never experienced poverty could think differently.

Consider that allowing these inequalities actually reflects a respect for individual dignity. In a famous passage in The Wealth of Nations, Smith writes: "It is not from the benevolence of the butcher, the brewer, or the baker, that we expect our dinner, but from their regard to their own interest. We address ourselves, not to their humanity but to their self-love, and never talk to them of our own necessities but of their own advantages." Some read that and hear selfishness. But Smith saw in the dynamics of such exchanges not selfishness but respect. Perhaps that sounds counterintuitive, but consider the assumptions in such negotiations. Each person is saying to the other: "I understand that your life is yours to lead, and rather than trying to trump your schedule of values with mine, I will respect and recognize your schedule. Thus I do not second-guess or question you; instead, I propose that we meet each other as peers and cooperate." That is a surprisingly profound way to respect others. Consider, by contrast, the assumptions when we want to prevent others from mutually voluntary cooperation: "We do not believe that you are competent to lead your own life, so we shall do it for you." That may be a proper way to treat children or the mentally infirm, but it is a demeaning and disgraceful way to treat adults—and unacceptable for a free people.

Smith wrote: "Little else is requisite to carry a state to the highest degree of opulence from the lowest barbarism but peace, easy taxes, and a tolerable administration of justice: all the rest being brought about by the natural course of things. All governments which thwart this natural course, which force things into another channel, or which endeavour to arrest the progress of society at a particular point, are unnatural, and to support themselves are obliged to be oppressive and tyrannical."

There is a profound naturalness to, as Smith called it, the "obvious and simple system of natural liberty" that he contemplated. Once we get a "tolerable administration of justice" and are protected from international and domestic aggression, and once a scant few public services (roads, canals, elementary education) are put into place, stand back: the "invisible hand"—motivated by people's desire to better their own condition and guided by the freedom to exploit their local knowledge as well as the responsibility of facing the consequences of their decisions—will generate prosperity, leading, according to Smith, to "general plenty" and "universal opulence." That was an audacious promise, and the fact that it seems to have been fulfilled in those places in the world that have enjoyed Smithian institutions over the last two centuries is a remarkable vindication of Smith's model—not to mention a tremendous benefit for those fortunate enough to live in those places.

Capitalism's success at its stated goals has been so enormous and unprecedented that we might easily think that that is all that can be said on its behalf. Rescuing hundreds of millions of people from grinding poverty is, however, nothing to sneeze at—and nothing to take for granted. The rest of human history has shown us just how nasty, poor, and brutish the default for human life is; even the twentieth century—that age of democratic enlightenment—has vividly demonstrated how quickly civilization can turn to barbarism. Peace, the rule of law, and steadily rising standards of living are the exception, not the rule, and the institutions that uphold them are fragile and require constant maintenance and nurturing.

But capitalism is part of a larger set of social institutions that has another justification for itself than increasing material prosperity, as important as that is. And that is its presumption of the dignity and preciousness of each individual and the respect that that demands. Capitalism assumes that each of us is a free moral agent, capable of leading his own life, of holding his head up, not begging leave or permission before he acts, not subject to correction from his superiors: a citizen, not a subject. Capitalism does not suppose that we are infallible; on the contrary, it is because no one is infallible that capitalism denies any of us absolute authority over others' lives. It assumes only that as free moral agents, each of us has authority over himself and that each of us is sovereign over his own life.

Capitalism, moreover, does not suppose that we are atoms, isolated from and unconnected to others. As Adam Smith wrote: "In civilized society [man] stands at all times in need of the cooperation and assistance of great multitudes"; and "man has almost constant occasion for the help of his brethren." Yet Smith also wrote that man's "whole life is scarce sufficient to gain the friendship of a few persons." We cannot depend, therefore, on personal bonds of love, care, or friendship and still expect to live above subsistence levels.

What the free-enterprise system—Smith's "obvious and simple system of natural liberty"—proposes, then, is the adoption of those political and economic institutions that manage to combine not one but two great moral imperatives: allowing people the opportunity to rise from the impoverished existence that seems to be humanity's miserable, if equal, status quo; and respecting people as the irreplaceable and precious individuals that they are. That is a sublime conjunction of material prosperity and moral agency, the likes of which no other system of political economy has ever contemplated, let alone achieved.

Capitalism is not perfect. But no system created by human beings is, or ever will be, perfect. The most we can hope for is continuing gradual improvement. To this end, we must honestly examine the prospects of the available systems of political economy. The benefits of the free-enterprise society are enormous and unprecedented; they have meant the difference between life and death for hundreds of millions of people and have afforded a dignity to populations that are otherwise forgotten. We should wish to extend these benefits rather than to curtail them.

It would be all too easy for us, among the wealthiest people who have ever lived, in one of the richest places on earth, to disdain the institutions that have enabled us to escape the strictures of poverty and disrespect that have plagued humanity for the vast majority of its existence. Our crime today, however, would lie not in our inequalities but rather in our refusal to uphold the institutions that give humanity the only hope it has ever known of rising out of its natural state of destitution. The great and precious blessings of freedom and prosperity that we Americans have enjoyed, and that some, but not enough, others around the world have also experienced, deserve nothing less.

James R. Otteson is joint professor of philosophy and economics, and chair of the Philosophy Department, at Yeshiva University in New York. dam Herzog

Responder
WILLHAME 28/05/2014 23:30:42

Começo

A ARPANET funcionava através de um sistema conhecido como chaveamento de pacotes, que é um sistema de transmissão de dados em rede de computadores no qual as informações são divididas em pequenos pacotes, que por sua vez contém trecho dos dados, o endereço do destinatário e informações que permitiam a remontagem da mensagem original. O ataque inimigo nunca aconteceu, mas o que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos não sabia era que dava início ao maior fenômeno midiático do século 20', único meio de comunicação que em apenas 4 anos conseguiria atingir cerca de 50 milhões de pessoas.

Em 29 de Outubro de 1969 ocorreu a transmissão do que pode ser considerado o primeiro E-mail da história.1 O texto desse primeiro e-mail seria "LOGIN", conforme desejava o Professor Leonard Kleinrock da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), mas o computador no Stanford Research Institute, que recebia a mensagem, parou de funcionar após receber a letra "O".

Já na década de 1970, a tensão entre URSS e EUA diminui. As duas potências entram definitivamente naquilo em que a história se encarregou de chamar de Coexistência Pacífica. Não havendo mais a iminência de um ataque imediato, o governo dos EUA permitiu que pesquisadores que desenvolvessem, nas suas respectivas universidades, estudos na área de defesa pudessem também entrar na ARPANET. Com isso, a ARPANET começou a ter dificuldades em administrar todo este sistema, devido ao grande e crescente número de localidades universitárias contidas nela.

Dividiu-se então este sistema em dois grupos, a MILNET, que possuía as localidades militares e a nova ARPANET, que possuía as localidades não militares. O desenvolvimento da rede, nesse ambiente mais livre, pôde então acontecer. Não só os pesquisadores como também os alunos e os amigos dos alunos, tiveram acesso aos estudos já empreendidos e somaram esforços para aperfeiçoá-los. Houve uma época nos Estados Unidos em que sequer se cogitava a possibilidade de comprar computadores prontos, já que a diversão estava em montá-los.

A mesma lógica se deu com a Internet. Jovens da contracultura, ideologicamente engajados em uma utopia de difusão da informação, contribuíram decisivamente para a formação da Internet como hoje é conhecida. A tal ponto que o sociólogo espanhol e estudioso da rede Manuel Castells afirmou no livro A Galáxia da Internet (2003) que A Internet é, acima de tudo, uma criação cultural.

Um sistema técnico denominado Protocolo de Internet (Internet Protocol) permitia que o tráfego de informações fosse encaminhado de uma rede para outra. Todas as redes conectadas pelo endereço IP na Internet comunicam-se para que todas possam trocar mensagens. Através da National Science Foundation, o governo norte-americano investiu na criação de backbones (que significa espinha dorsal, em português), que são poderosos computadores conectados por linhas que tem a capacidade de dar vazão a grandes fluxos de dados, como canais de fibra óptica, elos de satélite e elos de transmissão por rádio. Além desses backbones, existem os criados por empresas particulares. A elas são conectadas redes menores, de forma mais ou menos anárquica. É basicamente isto que consiste a Internet, que não tem um dono específico.

O cientista Tim Berners-Lee, do CERN, criou a World Wide Web em 1992.

A empresa norte-americana Netscape criou o protocolo HTTPS (HyperText Transfer Protocol Secure), possibilitando o envio de dados criptografados para transações comercias pela internet.

Por fim, vale destacar que já em 1992, o então senador Al Gore, já falava na Superhighway of Information. Essa "super-estrada da informação" tinha como unidade básica de funcionamento a troca, compartilhamento e fluxo contínuo de informações pelos quatro cantos do mundo através de uma rede mundial, a Internet. O que se pode notar é que o interesse mundial aliado ao interesse comercial, que evidentemente observava o potencial financeiro e rentável daquela "novidade", proporcionou o boom (explosão) e a popularização da Internet na década de 1990. Até 2003, cerca de mais de 600 milhões de pessoas estavam conectadas à rede. Segundo a Internet World Estatistics, em junho de 2007 este número se aproxima de 1 bilhão e 234 milhões de usuários.

diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=417591

Responder

Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
  Nome
  Email   (também utilizado para o Avatar, crie o seu em www.gravatar.com)
  Website
Digite o código:

Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.







Blog  rss Assine o RSS de Blog da Mises.org.br
  Comedimento e sobriedade
        por Helio Beltrão - 10/06/2014
  Comunicado
        por Equipe IMB - 10/06/2014
  O que fazer com a Petrobras?
        por Leandro Roque - 07/04/2014
  Mises ou Marx? O jogo
        por Fernando Chiocca - 03/04/2014

Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2015
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
  III Conferência de Escola Austríaca
        por Equipe IMB - 25/06/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software