O precipício fiscal americano
por , quinta-feira, 12 de julho de 2012

versão para impressão


fiscal_cliff.jpgA mídia americana está atualmente fixada com uma característica aparentemente nova da economia dos EUA: um "precipício fiscal" no qual os EUA irão cair em janeiro de 2013.  Ela vê um perigo surgindo da simultânea implementação dos US$2 trilhões em cortes automáticos de gastos (os quais ocorrerão ao longo de 10 anos) — acordados na votação da elevação do teto da dívida do ano passado — e a expiração dos cortes de impostos feitos durante o primeiro governo Bush.  Os economistas que a maioria dos jornalistas entrevista alertam que o impacto conjunto de redução nos gastos do governo e aumento dos impostos irá desacelerar a "recuperação" e talvez jogar a economia americana de volta para a recessão.  Embora de fato haja muito com o que se preocupar na economia americana, este precipício em particular não deve figurar no topo da lista.

Grande parte do medo advém da falsa premissa de que gastos governamentais geram crescimento econômico.  As pessoas tendem a esquecer que o governo só pode adquirir dinheiro por meio da tributação, do endividamento ou da simples impressão da moeda.  Absolutamente nada que o governo gasta vem de graça, de modo a não prejudicar ninguém e beneficiar a todos.  O dinheiro que é tributado ou tomado via empréstimo é retirado do setor privado, onde ele poderia ter sido utilizado mais produtivamente.  Já o dinheiro que é criado do nada pelo Banco Central serve apenas para criar inflação de preços e ciclos econômicos.  Sendo assim, os cortes automáticos de gastos, caso eles realmente sejam implementados (o que é duvidoso), tendem a estimular o crescimento econômico, e não a impedi-lo.  Mesmo vários economistas mais liberais tendem a aceitar o boato de que gastos governamentais podem ajudar a economia em geral.  Cortes de gastos afetam apenas aqueles setores que cresceram acostumados a estes subsídios e que irão corretamente encolher quando a mordomia for cortada.

O único motivo de existir este mecanismo de corte automático de gastos é o fato de o Congresso americano não ter tido a capacidade de identificar e implantar cortes específicos.  Mas tenha a certeza de que o Congresso irá inventar outra saída de emergência tão logo se descubra novamente emparedado.  Acabar com os cortes de gastos antes de eles sequer serem implementados tornará risível qualquer plano subsequente de redução do déficit.  Mas políticos sempre irão preferir a frustração da inação à fúria de seus eleitores, os quais podem ser afetados em decorrência de decisões reais.  De qualquer forma, apenas uma fatia extremamente pequena dos cortes está agendada para 2013.  E se o Congresso americano se mostrar incapaz até mesmo de cumprir sua promessa de corte ínfimo de gastos para apenas um ano, como é que ainda existirá gente capaz de acreditar que o Congresso cortará gastos durante dez anos?

Já o impacto do fim dos cortes de impostos da era Bush é bem mais difícil de estimar.  Os efeitos adversos de um aumento de impostos poderiam ser contrabalançados pelos benefícios da redução dos empréstimos tomados pelo governo (desde que os impostos de fato resultassem em um aumento da receita).  Porém, considerando-se os incentivos negativos criados por um aumento das alíquotas do imposto de renda, particularmente no que concerne ao seu impacto na poupança e no investimento, um aumento de impostos pode na realidade resultar em menos receita, desta forma ampliando o déficit orçamentário.

A realidade é que a economia americana passará por caminhos extremamente tortuosos e perigosos independentemente de qual seja a decisão do Congresso.  O verdadeiro "precipício fiscal" está nos encargos da dívida que os EUA terão enfrentar quando os juros subirem.  E, infelizmente, ninguém está falando sobre isso.

A atual dívida pública dos EUA é de aproximadamente US$16 trilhões (e este valor diz respeito apenas à fatia do orçamento que possui receita específica.  Quando se considera todo o passivo para o qual não há receita específica, como os programas assistencialistas Medicare e Medicaid, o passivo pode chegar a estratosféricos US$144 trilhões já em 2015).  Os EUA ainda estão conseguindo pagar o serviço desta espantosa dívida simplesmente porque as taxas de juros sobre os títulos da dívida do governo estão em níveis historicamente baixos (hoje abaixo dos 2%).  Tal nível de juros faz com que o atual serviço da dívida seja de "apenas" US$300 bilhões por ano, um valor relativamente controlável.

Caso mantenha sua atual trajetória, a dívida pública dos EUA provavelmente chegará a US$20 trilhões em alguns anos.  Se, quando isto ocorrer, as taxas de juros voltarem a apresentar algum semblante de normalidade — por exemplo, uma taxa de 5%, que sempre foi seu valor histórico —, somente o pagamento de juros desta dívida será de US$1 trilhão por ano.  Esta quantia representa quase 40% do total de receitas do governo federal em 2012!

Além de tornar o serviço da dívida totalmente ingovernável, taxas de juros maiores irão deprimir a atividade econômica, consequentemente reduzindo as receitas tributárias do governo.  Ao mesmo tempo, juros maiores levam a maiores gastos do governo, justamente por causa do serviço da dívida.  Isto elevaria ainda mais os déficits do governo, gerando ainda mais pressão de alta nas taxas de juros.

Hipotecas mais caras e desemprego ascendente irão renovar a pressão baixista sobre os preços dos imóveis, talvez levando a mais uma grande onda de execução de hipotecas e arresto de imóveis.  Meu palpite é que apenas as perdas nas hipotecas seguradas pelo governo podem acrescentar várias centenas de bilhões de dólares aos déficits orçamentários anuais. 

Quando todos estes fatores são levados em conta, é possível enxergar déficits orçamentários anuais se aproximando rapidamente dos US$3 trilhões (atualmente o déficit é de US$1 trilhão).  Tudo isso deve estar nas estimativas caso as taxas de juros voltam ao seu patamar historicamente normal de 5%.

Se toda esta volumosa perspectiva de endividamento finalmente começar a preocupar os credores dos EUA, taxas de juros de 5% podem rapidamente subir para 10%.  A este novo valor, o custo anual dos juros sobre a dívida pública pode ser igual a toda a receita do governo.  Se isto ocorrer, o governo americano ou terá de cortar gastos generalizadamente (inclusive cortar benefícios politicamente sensíveis), elevar impostos significativamente sobre os pobres e a classe média (bem como sobre os ricos) e dar o calote em sua dívida, ou irá imprimir dinheiro e com isso subjugar toda a população ao prolongado impacto da alta inflação.  Isso, sim, é um precipício fiscal.

Ao continuar se endividando desvairadamente agora que os juros estão baixos, o governo americano está levando toda a sua economia para este precipício, ao mesmo tempo em que mantém os olhos firmemente fixados no espelho retrovisor (assim como o novo governo francês parece estar fazendo).  Por anos, alertei que uma crise financeira seria desencadeada pelo estouro da bolha imobiliária.  Meus alertas foram rotineiramente ignorados e ridicularizados, pois a mídia se apegava à suposição quase universal de que preços de imóveis jamais caem.  Meus alertas sobre o real precipício fiscal também estão sendo ignorados por causa de uma similarmente falsa premissa de que as taxas de juros jamais podem voltem subir.  No entanto, se a história pode nos servir de guia, deveríamos olhar o atual período de taxas de juros extremamente baixas como sendo a exceção, e não a regra.


Peter Schiff 

é o presidente da Euro Pacific Capital e autor dos livros The Little Book of Bull Moves in Bear Markets, Crash Proof: How to Profit from the Coming Economic Collapse e How an Economy Grows and Why It Crashes.  Ficou famoso por ter previsto com grande acurácia o atual cataclisma econômico.  Veja o vídeo.  Veja também sua palestra definitiva sobre a crise americana -- com legendas em português.




33 comentários
Nairon 12/07/2012 08:27:14

E a caixa "econômica" federal fazendo comerciais vultosos de alegria com atores alienados sobre taxas baixas ordenadas pelo governo.

Responder
PESCADOR 12/07/2012 10:26:37

Caramba! Se o Schiff estiver certo mais uma vez, o futuro dos EUA será totalmente caótico.

Responder
Lucio 12/07/2012 11:02:31

Esse tipo de artigo é o meu preferido.

Seria muito bom poder ler mais artigos como esse, mas usando o Brasil como objeto de análise.

Amplexos.

Responder
Leandro 12/07/2012 11:11:14

Prezado Lúcio, o último e atualizado artigo sobre a economia brasileira é este:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=1347

Abraço!

Responder
Filipe Nava 12/07/2012 11:20:14

Uma questão importante (que acho que deveria ser abordado em outro artigo) seria calcular os efeitos no resto do mundo. O que será da UE, da China, do Japão, do Brasil, etc. com uma situação de aumento de déficit insustentável pelos EUA, dentre tantas outras consequências?

Ainda que feita uma análise superficial do mundo daqui alguns anos, o que se poderia prever?

Responder
Johnny Jonathan 12/07/2012 13:24:48

Peter Schiff sempre diz que nos (o resto do mundo) estaremos muito bem sem os EUA pra nos atrasar, que eles são maus pagadores e tal. Só não sei se esse é o caso agora.

Eu vi um vídeo no youtube em que ele diz que a maior beneficiado vai ser os chineses, que tem uma poupança alta e vão aumentar consumo tendo uma avanço absolutamente incrível na qualidade de vida deles.
Os EUA consomem quase 50% da gasolina do mundo, sem eles no meio, essa gasolina iria pra nós.

Mas eu vi isso por alto, não sei qual seria a real situação.

Tem um carinha lá, o Gerald Celente, que é até mais radical: diz que os States serão o primeiro país do mundo a se subdesenvolver.

Será? É ver pra crê.

Responder
Leandro 12/07/2012 13:48:22

O argumento do Schiff diz respeito principalmente à China. Segundo ele, as exportações para os EUA são uma perda para os chineses, pois estes estariam em melhor situação se estivessem consumindo eles próprios sua produção. Sua intenção é dizer que tal política do governo chinês de estimular as exportações não faz sentido quando se leva em conta que o país está apenas acumulando títulos americanos e, principalmente, quando se leva em conta o enorme potencial de seu próprio mercado interno.

Os chineses trabalham muito e praticamente não usufruem os frutos desse esforço, pois seus produtos são exportados em troca de títulos da dívida americana -- algo que, convenhamos, não é muito inteligente. É como se os chineses fossem escravos de seu governo, cuja política de estímulo às exportações não lhes permite se beneficiar dos frutos de seu esforço.

Ou seja, vou enfatizar - com o risco de soar repetitivo - qual é o ponto de Schiff: Os chineses trabalham, produzem, mas não ficam com sua abundância de produtos, que é o que genuinamente aumenta o bem-estar. Os produtos são criados e são dados aos americanos em troca de títulos da dívida dos EUA que jamais serão quitados.

Responder
ANDRE LUIS 13/07/2012 18:57:50

Olá Leandro

Não podemos nos esquecer que o regime de governo da China hoje se assemelha a uma DITADURA FASCISTA, com um Estado forte e meia dúzia de empresários dando o suporte financeiro ao regime. Lembro-me de ter levantado a questão do trabalho escravo na China há uns meses atrás. Lá eu argumentava que o conluio entre o Estado e os mega-empresários estaria usando a população como arma de guerra para subjugar uma nação rival. O Partido Chinês e seus amigos empresários não querem o desenvolvimento da população chinesa, por isso a mantêm em rédeas curtas por meio de um regime tirânico, mas sim a HEGEMONIA MUNDIAL.
A situação econômica americana está a beira de um colapso, e um calote tem até data prevista aproximadamente. O que vc acha que aconteceria num caso destes? Uma guerra seria absolutamente desnecessária, pois já estaria ganha legitimamente pelo credor, e creio mesmo que nem haverá necessidade de se chegar a tanto. A entrega do poderio militar e dos recursos naturais seria voluntária. Seria o fim da sua e da minha liberdade, tão estimada e cantada em prosa e verso neste site.
Leandro, vc acha que a falta de uma palavra para descrever tal situação, já que escravidão não estaria tecnicamente correta, poderia eximir a responsabilidade de se analisar a aplicação do livre mercado em benefício claro de uma estratégia de guerra?
Mais simples: Poderia o livre mercado funcionar como coveiro da liberdade?


Responder
Johnny Jonathan 15/07/2012 01:19:44

China é uma ditadura fascista.

O Brasil é uma ditadura da "maioria" fascista.

A unica diferença é que lá eles são muito mais autoritários legalmente, e menos economicamente. Aqui como quase tudo é meio-termo tendendo ao autoritarismo.

Responder
Arion Dias 13/07/2012 21:02:17

"É como se os chineses fossem escravos de seu governo"
Como assim? Se existe governo, existe escravo. É um axioma.

Responder
BrasilRJ 13/07/2012 00:18:14

O primeiro país não teria sido a Argentina?

Responder
Igor 13/07/2012 22:06:03

Esse Gerald Celente é um sensacionalista, ao nível daqueles teóricos do apocalipse do Youtube. As previsões dele não são fundamentadas em nada. Em novembro de 2008 ele disse que em 2012 a crise já teria sérias implicações na política, na economia e na sociedade, tendo o povo americano deixado de ser consumista para se tornar faminto.

Responder
Igor 13/07/2012 22:10:01

www.lawrei.eu/MRA_Alliance/?p=2956

Responder
Lucio 12/07/2012 11:34:28

Olá Leandro,

Não perco um artigo seu, inclusive já tinha lido este que você indicou.

Apenas me manifestei para informar sobre demanda por esse tipo de artigo. E à propósito, o gráfico do artigo sobre em que parte do ciclo econômico está o brasil encontra-se desatualizado. =)

Abraço!

Responder
mauricio barbosa 12/07/2012 11:35:59

Se o schiff estiver correto estaremos no pior dos mundos o desafio é saber quanto tempo essa depressão mundial irá durar, infelizmente estamos caminhando para isso, que DEUS NOS PROTEJA.

Responder
Eduardo 12/07/2012 12:30:10

Olá Leandro. Parabéns por publicar esse artigo!

Qual/quais seriam o gatilho para isso acontecer? Ânimo dos investidores dos títulos americanos? A velocidade o aumento do déficit dos governos? Qual seria o que teria maiores probabilidades de importância para a crise começar a rolar de vez?

Responder
Leandro 12/07/2012 12:54:45

Eduardo, todas estas opções, bem como a tardia percepção da China de que todos os seus trilhões de dólares acumulados em títulos americanos nunca serão quitados, o que fará com que ela pare de continuar financiando o déficit dos americanos. Aí é que a coisa vai desandar, pois será o momento de os EUA finalmente colocarem a casa em ordem. Sangue, suor, lágrimas e desespero.

Responder
Julio dos Santos 13/07/2012 09:44:40

Sensacional! Incrível como o Schiff consegue chegar a conclusões lógicas e de forma tão simples. Enquanto os keyninhos ficam elaborando teorias super elaboradas com índices tão teóricos que nem eles mesmos sabem o que significa, Schiff chega e simplesmente explica.\r
Leandro, um sinal de que este gatilho será disparado pode ser o momento que a China parar de recomprar títulos dos EUA quando estes começarem a vencer, correto? Se sim, um bom motivo para eles fazerem isso seria, por qualquer que seja o motivo, um processo de consumo de suas reservas internacionais?

Responder
Rhyan 12/07/2012 13:07:18

Meu irmão diz que os EUA vai voltar bombando... vou recomendar esse artigo pra ele.

Lembro que uma das apostas do Schiff foi a hiperinflação no curto prazo (?). Perdeu a aposta por causa da crise do euro. Acho que essa aposta da dívida ele não tem como perder.

Responder
Tiago Moraes 16/07/2012 05:19:45

Peter Schiff não fez essa abordagem, Paul Krugman distorceu o argumento dele. O que o Schiff disse é que todos esses dólares criados pelo Federal Reserve, e que foram injetados no sistema financeiro americano, irão provocar uma elevada inflação na economia americana quando essa massa monetária entrar em circulação. Porém, isso ainda não ocorreu, porque o sistema financeiro americano não está aplicando essa massa de liquidez governamental, ou seja, estão com reservas em excesso.

Responder
Pipe 16/07/2012 06:40:58

Na verdade, Peter Schiff argumenta que a hiperinflação monetária está a pleno vapor. Como na economia mainstream o dinheiro é neutro, e não há grande diferença entre dar rios de dinheiro para gente bem conectada no governo e depositar exatamente a mesma quantidade de dinheiro para todas as pessoas no país, para Krugman, não faz sentido falar em consequências desastrosas da inflação monetária. Afinal, a inflação serve para aumentar a demanda agregada, já que a economia para Krugman é só o equivalente àquela bolha assassina do filme "A Bolha": basta alimentá-la para que ela saia por aí rolando contente.

Responder
andre 12/07/2012 14:27:50

Enquanto o dólar for moeda mundial, não há problema para os gringos. Basta imprimir e distribuir para os outros países, e por sinal é o que está havendo no Brasil. E caso os grandes países credores decidam abandonar o dólar, melhor ainda, uma guerra é o melhor cenário para o governo do tio sam.

Responder
Antônio 12/07/2012 15:49:15

Sempre achei muito tola a avaliação de que são os EUA que estão perdendo ao comprar produtos baratos da China. O comércio não é um jogo de soma zero, e tanto o comprador como o vendedor ganha com ele. Inicialmente, a China até pode ter tido vantagens ao acumular altos saldos comerciais com os EUA, pois precisava acumular reservas para decolar. Atualmente, de fato, financia os EUA, haja vista que vende produtos de qualidade muito baratos, incluindo bens de capital.\r
\r
Outro fato relacionado ao endividamento excessivo dos Eua não foi mencionado: quando os juros subirem, os títulos do governo vão se desvalorizar, o que fará com que os americanos com títulos do seu governo fiquem mais pobres, provocando uma espiral descendente na economia.

Responder
Pedro 12/07/2012 21:24:40

Europa quebrada, EUA quebrando (com potencial de ser um caso muito pior que o europeu) e a China desacelerando com uma bolha imobiliária gigantesca em formação.

O futuro é promissor...

No caso dos EUA eu só consigo ver 3 cenários possiveis:

1- O governo vai tentar elevar drasticamente os impostos para compensar o déficit, o que será desastroso e poderá não resultar em nada no final, já que um aumento nos impostos (graças a curva de Laffer) nem sempre resulta em um aumento na arrecadação. Historicamente (excluindo século 19) a tributação americana teve seus altos e baixos e a arrecadação no final foi sempre em torno de 18-20% do PIB. Se isso acontecer a segunda hipotése se torna mais provavel.

2- O FED vai começar a imprimir dinheiro que nem louco para comprar os titulos americanos e financiar sua divida, criando uma inflação galopante, o que será mais desastroso ainda.

3- O calote que por incrivel que pareça, me parece a saida mais "adequada", pois um calote generalizado irá fazer com que a confiança no governo americano por parte dos credores se anule, o governo não tenha mais como se financiar e seja então, obrigado a viver dentro de seus limites. Como viver dentro de seus limites não é algo que o governo deseja, a opção impostos e inflação, infelizmente, parecem ser as mais provaveis.

A saida ideal mesmo, que seria fazer o que o Ron Paul propõe, cortar pelo menos 1 trilhão em gastos imediatamente está fora de questão, duvido mesmo que isso venha a ser posto em pratica.

Responder
Eduardo 13/07/2012 12:10:20

Muito boa a sua análise Pedro!

Responder
Pedro Valadares 16/07/2012 13:23:12

Leandro, na sua opinião E.U.A sofrerão o que o Brasil passou nos anos 80,crise da dívida externa e hiper inflação?

Com a possível desvalorização do dólar, o eixo mudará e os E.U.A voltarão a ser um pólo exportador, atraindo de volta os empregos nas indústrias?

Responder
Eduardo 16/07/2012 14:09:52

Até os EUA voltar a ser polo exportador, se um dia voltar, ainda tem muito chão e lágrimas à rolar, penso eu.

Responder
Thyago 13/07/2012 06:47:37

Esse tipo de artigo é o meu preferido (2).

Responder
ricardson 09/11/2012 13:37:24

Prezado Leandro,



Recentemente tive uma conversa com um amigo economista sobre a atual crise econômica americana. De imediato, ele reconheceu que houve apenas uma falha do Federal Reserve, mas a "culpa" foi totalmente atribuída ao sistema financeiro americano. Segundo ele, o Federal Reserve somente tem o poder sobre a taxa de juros de curto prazo, e essa crise se deu por causa da diminuição da taxa de juros de longo prazo, a qual é determinada pelo próprio mercado.

Poderia me esclarecer melhor essa questão?

certo de sua valiosa consideração, no aguardo,

ricardson.

Responder
Leandro 09/11/2012 15:37:28

A que taxa de juros de longo prazo que ele se refere? A dos títulos de longo prazo da dívida americana? Os de 10 anos? Os de 30 anos? Esses não tiveram influência nenhuma sobre a bolha imobiliária.

Ele se refere às hipotecas de 30 anos? Ora, essas são consequências diretas da política monetária do Fed.

Sim, o Fed controla diretamente apenas os juros de curto prazo, mas estes juros afetam todos os outros juros da economia. Se o Fed injeta dinheiro nas reservas bancárias -- permitindo que os bancos possam agora expandir o crédito em um valor múltiplo dessas reservas --, tanto os juros de curto prazo quanto os juros de todos os empréstimos de prazo mais longo tendem a cair.

E foi isso que aconteceu. De 2001 a 2006, o Fed, em conjunto com o sistema bancário de reservas fracionárias, injetou 2 trilhões de dólares na economia, os quais foram majoritariamente para o setor imobiliário, inflando a bolha. Quando tal expansão foi freada, os juros das hipotecas subiram, a demanda por imóveis caiu, os preços dos imóveis caíram, pessoas que não mais conseguiam pagar suas hipotecas começaram a dar o calote, os bancos que haviam emprestado para essas pessoas ficaram sem dinheiro e viram o valor de seus ativos despencar, isso levou a uma contração do crédito, e todo o sistema bancário se tornou insolvente. Os bancos ficaram insolventes tanto pelo fato de seus empréstimos terem sido caloteados quanto pelo fato de os imóveis que arrestaram dos clientes inadimplentes terem caído de valor.

Vale acrescentar que esta farra de empréstimos só pôde ocorrer neste nível porque, além de toda a expansão monetária do Fed, os bancos foram obrigados por uma lei federal (chamada de Community Reinvestment Act) a emprestar para pessoas sem nenhum histórico de crédito e também porque havia duas proto-estatais (Fannie Mae e Freddie Mac) que juravam garantir todos os empréstimos feitos pelos bancos para pessoas que queriam comprar imóveis.

Em um cenário desses, era impossível não acontecer lambança.


Artigos sugeridos:

A bolha imobiliária em 4 etapas

As raízes da crise imobiliária

Responder
Rodrigo 09/11/2012 15:24:58

E Jim Rogers e Marc Faber estão falando do horror financeiro que pode vir mais à frente. E a reeleição de Obama não satisfez nem a um nem a outro.

Responder
carraro 09/11/2012 17:22:27

O que poderá fazer com que as taxas de juros que os EUA pagam em seus títulos de dívida aumentem?

Li em outros artigos que o FED se meteu em um beco sem saída, uma vez que adquiriu muitos ativos (títulos americanos, títulos hipotecários podres, etc) contrabalanceando em seu passivo as atuais reservas em excesso dos bancos. Quando os bancos se sentirem seguros e começarem a liberar esse dinheiro na economia, para segurar a inflação, o FED terá que vender esses ativos podres, ou mesmo títulos americanos, aumentando a oferta e consequentemente os juros, desencadeando assim esse precipício fiscal que o Schiff alerta. É isso mesmo? Há alguma outra saída para o atual arranjo?

Abs.

Responder
Leandro 12/11/2012 01:29:22

Correto. Uma outra saída seria alterar a taxa do compulsório, inclusive para depósitos de poupança e a prazo -- os quais não possuem compulsório nos EUA. Mas isso, além de também afetar os juros, terá muita resistência do setor bancário.

Responder

Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
  Nome
  Email   (também utilizado para o Avatar, crie o seu em www.gravatar.com)
  Website
Digite o código:

Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.







Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2015
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
  III Conferência de Escola Austríaca
        por Equipe IMB - 25/06/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software