versão para impressão


 


4 comentários
Camarada Friedman 05/06/2012 12:35:24

Pow... Esse evento vai ser gravado ? Queria muito assistir...

Pelo menos o Molyneux!

Responder
André Luiz S. C. Ramos 05/06/2012 13:04:42

Coletivo Desentorpecendo a Razão...\r
Lembro de já ter lido isso (coletivodar.org/2011/06/a-maconha-as-marchas-e-a-crise-do-capitalismo-texto-de-henrique-carneiro/) e isso (coletivodar.org/2011/07/henrique-carneiro-%E2%80%98e-o-capitalismo-que-vicia-e-proibe-as-drogas%E2%80%99/) no site deles.\r
O subtítulo do segundo texto é esse: "Para o professor universitário Henrique Carneiro, só a legalização com estatização da produção e venda pode impedir o uso abusivo de drogas no capitalismo".\r
Que beleza, hein!?

Responder
Gustavo Boscolo Nogueira da Gama 05/06/2012 19:08:37

Crise do capitalismo

Só se capitalismo for sinônimo de keynesianismo.

Responder
Fabio MS 27/06/2012 06:26:20

André,
esse é o problema de boa parte do pessoal que participa das "marchas da maconha".
Um grande pedaço dessa turma (ouso, a maioria) não tá nem aí pra liberdade individual. O papo de liberalização das drogas é pura conversa mole. O foco deles é outro.
Exemplo:
"Apesar do Coletivo DAR ter se formado a priori a partir da negativa do proibicionismo, ele se coloca também na negativa do sistema no qual estamos inseridos, incontestavelmente desumano, injusto, inaceitável. Dentro do antiproibicionismo não nos abstemos de ideais de transformação social. Defendemos uma perspectiva antiproibicionista sim, mas também libertária, anticapitalista, antiautoritária, antimercadológica. Que pense poder, repressão, saúde, teoria, organização, Estado, classes, gênero. Ainda que nosso foco de atuação seja na luta pela legalização de todas as drogas, nos vemos dentro de um âmbito mais amplo de luta por outra sociedade, ao lado do movimento feminista, LGBTT, da luta antimanicomial, ambiental, por mobilidade, livre expressão e manifestação do pensamento e de tantos outros que estão resistindo e buscando um mundo melhor." coletivodar.org/quem-somos.

Pera lá, deixa eu entender: então quer dizer que eles defendem uma perspectiva "libertária, anticapitalista, antiautoritária e antimercadológica"!? Como assim!?
Ora, hoje os caras defendem a liberalização das drogas, amanhã a proibição do comércio de armas de fogo, no outro dia é a preservação da natureza (estilo Rio+20), e assim por diante.
Coerentes eles, não?
Na minha humilde opinião, essa turma quer é fazer revolução cultural. A liberdade individual só lhes é cara quando convém aos interesse ideológicos deles próprios.

Responder

Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
  Nome
  Email   (também utilizado para o Avatar, crie o seu em www.gravatar.com)
  Website
Digite o código:

Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.







Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2015
  Conferência de Escola Austríaca 2014
        por Diversos - 23/10/2014
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software