Is the Amazon ours?

In order for us to answer this question it is necessary to define three points: who would "we" be, what the Amazon is and what the meaning of owning something is. To establish the "we", let us begin by determining what we understand by the Amazon. The Amazon rainforest is the second largest biome in the world, which extends along the area of nine different countries. But to confine the "we" to Brazilians only, let us delimit the "Amazon" to the portion of the forest within Brazil's borders. Having said that, can we say that each one of the persons being born within the Brazilian state owns (or is a shareholder of) a gigantic area of this forest? Let us now tackle the third point; how do we become the owners of something? There are three ways of acquiring proprietorship over something: (1) to buy it, (2) to receive it as a gift or (3) to appropriate a previously unowned resource (homestead). In order for one to appropriate something unowned it is necessary to establish an objective bond with the resource in question, or, in the words of John Locke:

Every man has a property in his own person. This nobody has a right to, but himself. The labour of his body, and the work of his hands, we may say, are properly his. Whatsoever then he removes out of the state that nature hath provided, and left it in, he hath mixed his labour with, and joined to it something that is his own, and thereby makes it his property. It being by him removed from the common state nature hath placed it in, it hath by this labour something annexed to it, that excludes the common right of other men: for this labour being the unquestionable property of the labourer, no man but he can have a right to what that is once joined to. . . .[1]

Thus, what objective bond have a waiter from Chui, a fisherman from Santos, a politician from Brasilia, or even a Manaus dweller established with all of the Amazon rainforest on Brazilian soil? None. Furthermore, not only has no single Brazilian citizen but also no other person on the planet "mixed his labour" with the majority of such resources, since, in reality, a large part of the forest has never been touched by human beings. The forest is a vast and empty demographic area, a green desert.

Privatization

So the Amazon belongs to the Brazilian State? In fact, the Brazilian government possesses the territory where the Amazon rainforest is located at; but does it have a legitimate ownership over this area? The difference between possession and ownership can be illustrated by the example of a person who stole a watch and walked away unpunished. The thief does posses the watch, but the property remains of the victim, who has the right of reclaiming it if the thief is caught. The possession of the territory under the Brazilian government domain started to be delineated even before the "discovery" of Brazil, in 1494, two years subsequent to the discovery of America by Columbus, through the Treaty of Tordesillas, which stipulated that lands that, by any chance, were located at the unexplored region of the planet where Brazil was, belonged to the kingdom of Portugal. Logically, such stipulation did not take into consideration which portions of this land were already occupied at that period of time — before 1500, there were urban complexes in the Amazon housing up to 50 thousand inhabitants — and, even if it dealt with an empty continent, no person — not even a king — can claim legitimate ownership over a resource he has not even yet found. This is also known as the "Columbus Complex":

Some theorists have maintained — in what we might call the "Columbus complex" — that the first discoverer of a new, unowned island or continent can rightfully own the entire area by simply asserting his claim. (In that case, Columbus, if in fact he had actually landed on the American continent — and if there had been no Indians living there — could have rightfully asserted his private "ownership" of the entire continent.) In natural fact, however, since Columbus would only have been able actually to use, to "mix his labor with," a small part of the continent, the rest then properly continues to be unowned until the next homesteaders arrive and carve out their rightful property in parts of the continent.[2].

The current Brazilian borders were defined through a series of similar treaties, signed between governments. It is then clear that the Brazilian government is not the legitimate owner of the forest area it declares to be under its domain. Therefore, when one speaks about the "Amazon privatization", one is defending an as illegitimate arrangement as aforementioned, since no one can sell that which has never been owned — and is not occupied by any person. The privatization scenario, where the current state possession moves to private hands can appear attractive to libertarians, but it would enable the government to sell private individuals vast unoccupied areas — fatally to relatives or allies of politicians — who would not, and could never, come to establish an objective bond with the land.[3]  During the American colonization, there was an analogous situation to the Amazon privatization. The kingdom of England declared itself the owner of the North American territory and the settlers

had to buy the land at prices far higher than the zero price that would have obtained without the engrossment by the government and its pet grantees. Of course, the settlers still had to spend money immigrating, clearing the land, etc., but at least no arbitrary cost would have been imposed on top of these expenses.[4]

Consequently, neither the government nor private individuals can sell unoccupied lands. All the state could do in this question is get out of the way and recognize the property rights of the people who occupy the areas, which are, today, under the possession of the state.

Preservation

The motto "The Amazon is ours" seems to have always been around, but in distinct ways. During the 60s and the 70s, the military in power had an idea which contained many of the aforementioned elements. With the notion that an unoccupied land is an ownerless land, and adopting the slogan "Occupy not to hand in", they took measures to stimulate the settling in the Amazon region, among them opening roads and granting tax exemptions — that is, the government declared that whoever moved to the middle of the forest, far away from large consuming centers and exporting channels, and founded enterprises, would be stolen to a lesser extent than would be in other localities in Brazil. Manaus, which was decadent and ever more disoccoupied since the end of the rubber golden period, became once again a focus of migration, thanks to the Manaus Free Zone, where today 1.8 million people inhabit. The roads built by the government provided access to previously inhospitable areas. This arrangement facilitated the extraction and appropriation of the natural resources in that region. Curiously, it is exactly what the same state currently fights against.[5]

Formerly, the jungle was considered what it really is: an enemy to be tamed; that nature in its brute state is only valuable after man occupies it and works the land, transforming or extracting resources from it, what then becomes wealth, used to improve people's standard of living. But, today, an ecological wrath seems to have taken over the whole world, and the people — obviously in their comforting homes in urban areas — have a fixed idea in their minds that that which has not yet been touched by man, in such a condition must remain. The reason behind it? We'd better not even ask.

A very popular belief in the past, and still held sacred, is that the Amazon must be preserved because it is the "world's lung" — implying the forest is responsible for the oxygen production in the atmosphere, or be it, responsible for life on earth. Anyone who recalls the science lectures in school knows that plants carry out the photosynthesis process during the day (exchanging CO2 for O2) and breathe 24 hours a day (exchanging O2 for CO2), or be it, forests do not produce O2; what is great, since an increase in the concentration of O2 in the atmosphere could mean the end of life on earth. It is a fact, that for over a million years, the concentration of atmospheric gases has remained stable, with 76.5% nitrogen, 20.5% oxygen and 1% other gases, besides 2% water steam.

However, nowadays it seems the predominant ghost is global warming — the Amazon forest would prevent the earth temperature from rising, because it would reduce the concentration of CO2 in the atmosphere. But we are provided with no explanation, since as we have just reminded the reader, plants, too, produce CO2. There is also no explanation as to how a gas which comprises only 0.03% of the atmosphere can drastically increase the earth's temperature.[6]  A while ago, scholars maintained that in case the Amazon disappeared, the world would face a new Ice Age[7]. Furthermore, if forests exert such an influence on the earth's temperature,why didn't it experience a dramatic variation (upward or downward) in the last 8,000 years, a period in which there was a more than 75 percent reduction in primary forests' areas, and the total area covered by forest diminished 40%? It is hard to believe the remaining 60 percent has this vital importance resting in it, as if life on the planet depended on the forestland left.  Notwithstanding, there are studies about an anthropogenic origin of the Amazon Forest, and recent deforestations enabled the discovery of geoglyphs which date back to the XIII century, indicating that, few centuries ago, that very region could have been a grassland similar to the tropical savanna.

4.jpg
Bear Grylls, protagonist of the series Man vs. Wild, also from the Discovery Channel, struggles to survive in the middle of the Amazon

Another quixotic argument which usually emerges is that the Amazon fauna and flora posses properties yet unknown to man, and, therefore, must be preserved — "the cure of cancer can lie in the Amazon!".  To begin with, this could be an argument in favor of the maximal forest's resource exploitation, and not for its "immaculate maintenance". He who holds such a belief can head right now to the middle of the forestland and collect "these riches". In order for us to prove such an argument does exist, let us provide an example. The recent television series by the Discovery Channel, entitled Battle for the Amazon, justified this view by citing that a "possible cure to the Chagas disease had been found in the poison of the Bothrops Jararaca". There is only one problem with this argument, this reptile can be found from the North of Mexico to Argentine!  Even if it were an exclusive Amazon reptile, we would have a reason to capture and research every specie in the region at a place like the Butantan Institute (preferably not linked to the government), and not to leave an area of oceanic dimensions untouched.

And it is with these kinds of justifications that the government works hard to reduce everyone's standard of living, with IBAMA forbidding the deforestation in an area granted to the government by the "Columbus Complex", with the Federal Police attacking and kidnapping human beings for having extracted the so-called "illegal wood", or arresting miserable men for capturing animals in the forestland — what has been termed "wild animals trafficking" — or several other aggressions that occur under the urbanoid's acquiescence — people who would not last a single day if left to their own devices in the middle of the tropical forestland. Lew Rockwell makes a succinct analysis of this environmentalist wrath: "It's as if the socialists discovered that their plan creates poverty, so they decided to change their name to environmentalists and make poverty their goal.". Along the same line of reasoning, Jeffrey Tucker observes that:

Are you seeing the pattern here? Government planning was never a good means to do anything, but at least there was a time when it set out to bring progress to humanity. It was the wrong means to achieve the right goal. Today, government planning is working as a maliciously effective means to achieve the wrong goal: I mean by this that if there is anything that government is actually good at doing, it is destroying things.

The famous philosophical question that says "If a tree falls in the forest and no one is around, does it make a sound?" could be adapted to our matter of discussion as "If a tree remains in the forest and no one is around, is it really there?

Conclusion

No, the Amazon isn't ours. Whoever catches it, gets to keep it. And he'd better enjoy it well, transforming unused resources in goods demanded by people, varying from ecological parks to sandal ornaments.


_______________________________________________

 Notes

[1] John Locke, Two Treatises of Government (Portuguese edition), V. pp. 409-10, (Martins Fontes, 1998)

[2] Murray N. Rothbard, The Ethics of Liberty, chap. 8, Ludwig von Mises Institute.

[3] This occurred with Fernando de Noronha, who received in the captaincies system a few islands that today take its name, but never really settled there. Even though, the possession of the island passed onto the subsequent generations of the de Noronha's. After being occupied by Frenchmen and Dutchmen, the Portuguese retook the island in 1737, transforming it in a prison-island which worked up to 1942. Today, the Brazilian state controls the whole archipelago, allows a few people to operate hotels and shops there, controls the number of people permitted to visit the island and charges each and every visitor R$ 40 per day for just being there.

[4] Murray N. Rothbard, Conceived in Liberty, Vol. I, p. 150

[5] According to the environmentalist entity WWF, roads have been great promoters of deforestation, and, in the Amazon, 75% of deforestation occurred in large stretches along the asphalted roads.

[6] Wikipedia informs us that the contribution to the greenhouse effect by a gas is affected by both the characteristics of the gas and its abundance. For example, on a molecule-for-molecule basis methane is about 72 times stronger greenhouse gas than carbon dioxide over a 20 year time frame but it is present in much smaller concentrations so that its total contribution is smaller. When these gases are ranked by their contribution to the greenhouse effect, the most important is water vapor, H2O, with 36 — 72 % contribution. The carbon dioxide came only in second with 9 — 26 % contribution.

[7] The environmentalist and Brazilian Secretary of the Environment from 1990 to 1992, José A. Lutzenberger, used to say:

Today there are fantastic instruments which allow us to see the globe in its entirety. If we go to INPE (National Institute for Spatial Research), in São José dos Campos, or even NASA, we can see on the computer screens the image of the Planet as a whole, with the Amazon in the center, and all the movement of this mass of clouds.

 [.]

If we look at these satellite images again, showing the air currents which leave the Amazon heading South and North, we realize that, if they disappear, we will face a new Ice Age in Europe and maybe here in the extreme South. Therefore, it is futile to say, as our governors and mainly our military wish, that which we do to the Amazon is nobody's business but ours. Quite the contrary, it is everybody's business indeed. It is the Planet's business, a vital organ of the living being called Gaia, namely the Earth. We can no longer keep destroying the Amazon. It must be stopped. We need to rethink our concepts. Also because, under a purely economical standpoint, that is plunder.


Translated by Fernando Ulrich

0 votos

SOBRE O AUTOR



"Não podemos ignorar o fato de que muitos governos protegem e subsidiam o produto nacional para torná-lo artificialmente competitivo."

Correto. "Artificialmente competitivo". Isso significa que algo só consegue ter um mínimo de competência caso chupe dinheiro de impostos de toda a população, a qual não ganha nada com isso, mas é obrigada a encher os bolsos de empresários mercantilistas, incompetentes e avessos à concorrência.

"Vejam o caso da Bombardier no Canada, que disputa mercado com a Embraer, que fez queixas formais à OMC."

E, ainda assim, a Embraer tem mais aviões que a Bombardier no mercado americano.

"A China subsidiou setores que ganharam mercado através da derrocada em outros países."

Quais mercados que foram dominados pelos chineses e que fizeram muita falta para outros países? Colocando de outra forma: esses mercados que os chineses dominaram por acaso são mercados tecnológicos, complexos e que geram riqueza e prosperidade, ou são mercado primitivos, tecnologicamente defasados e que não exigem nenhuma grande especialidade?

Até onde sei, chineses produzem pano, sapato e bugigangas de baixíssimo valor agregado. Isso leva alguém à pujança? Um país que deixou de fazer isso por causa dos chineses agora está irremediavelmente condenado ao atraso?

Por acaso cortar, entortar e rebitar ferro — tarefas que um xing-ling é capaz de executar a custos irrisórios — são coisas economicamente prementes para o país ou será que o governo quer que isso seja feito apenas para exibir estatísticas de produção industrial?

"Basta lembrar o que aconteceu com o setor textil e calçadista no Brasil."

Exatamente o que acabei de dizer acima. Em vez de nos preocuparmos com nanotecnologia, microprocessadores e outras atividades que realmente produzem riqueza, ainda estamos preocupados com pano e sapato, coisas completamente primitivas, que podem perfeitamente ser produzidas nos rincões mais atrasados do mundo.

Estude um pouco sobre divisão global do trabalho.

Comece por aqui:

Não há argumentos econômicos contra o livre comércio - o protecionismo é a defesa de privilégios

"Livre mercado é uma utopia irrealizável."

O que é realmente irrealizável é a inteligência econômica do brasileiro médio.
O artigo do André Lara já foi comentado pelo Leandro em duas ocasiões:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2578#ac189563

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2585#ac189561

Beira o inacreditável como é que um economista tão conceituado falou tamanha bobagem a respeito da política monetária americana. O André Lara simplesmente ignora como realmente se deu a política monetária americana. Foi impressionante.
Economistas do Banco Central do Brasil estão batendo palmas para este artigo publicado no Valor:
www.valor.com.br/cultura/4872458/andre-cochrane-e-teoria-fiscal-dos-precos

Gostaria de uma análise por parte do pessoal do Mises.

-----------------------------------------------------------------------

VALOR ECONÔMICO -SP | EU E FIM DE SEMANA

BANCO CENTRAL | ECONOMIA, FINANÇAS E CONTAB.

André, Cochrane e a teoria fiscal dos preços (Artigo)

André Lara Resende publicou no Valor alguns artigos instigantes que estão gerando muita perplexidade e controvérsia. Para o grande público foi surpreendente e perturbador ler que "a hipótese neofisheriana, que vê no juro alto a causa da alta inflação no longo prazo (...) tem sólidas credenciais analíticas". Isto até encorajou o colunista Ancelmo Gois a brincar que o Banco Central vai ter que devolver os juros elevados que foram praticados no Brasil por tanto tempo.

Claro que não se trata disso! Apesar de o artigo se apresentar como uma crítica ao "conservadorismo intelectual", sua conclusão final é absolutamente conservadora: o trabalho de controle da inflação depende, em última instância, da confiança na sustentabilidade fiscal de longo prazo; sem isto, a política monetária estará sempre lutando uma batalha perdida.

A crítica de André ao conservadorismo parece resultar mais de um flerte com a doutrina neofisheriana, que se caracteriza por conclusões heterodoxas sobre a relação entre taxa de juros e inflação e por uma controversa teoria fiscal dos preços. Eduardo Loyo lembra que essas ideias têm apenas sobrevivido de forma marginal no corpo da ciência econômica, com seus resultados em total contraversão à opinião da maioria e ao senso comum.

Os neofisherianos dão muita importância à conclusão óbvia de que um regime monetário baseado em uma taxa de juros nominal fixa não produz uma âncora para a inflação. É possível ancorar a inflação quando se mantém o estoque total de moeda fixo, ou evoluindo a uma velocidade constante, como proposto por Milton Friedman. É possível também ancorar a inflação com uma taxa de câmbio fixa, como ocorria tradicionalmente nos regimes de padrão ouro. Não é possível, porém, ancorar a inflação apenas mantendo fixa a taxa nominal de juros.

Para demonstrar isso, considere a velha equação de Fisher, que na realidade é uma identidade que define a taxa real de juros:

Taxa nominal de juros = (taxa real de juros) mais (taxa de inflação)

Sabemos que a inflação aumenta quando a taxa real de juros cai. Imagine então que a taxa nominal de juros é fixa e ocorre um choque exógeno que aumenta a taxa de inflação. Pela identidade de Fisher, isso reduz a taxa real de juros, já que a taxa nominal permanece fixa. Como consequência, a taxa de inflação aumenta ainda mais, o que por sua vez produz uma redução adicional da taxa real de juros, e assim por diante. Ou seja, um regime monetário baseado numa taxa nominal de juros fixa não consegue ancorar a inflação. Qualquer choque exógeno produz uma trajetória explosiva, que tanto pode ser inflacionária como deflacionária.

É claro, porém, que nenhum banco central vai operar com uma taxa nominal de juros fixa, ainda que esta seja sua variável preferencial de controle. No mundo real, a ancoragem monetária é feita através de uma meta de inflação, com a autoridade monetária aumentando a taxa de juros quando a inflação fica acima da meta e reduzindo quando a inflação fica abaixo da meta, até que ocorra a convergência da inflação para a meta. Como consequência a ancora monetária não é uma taxa de juros nominal fixa, mas sim a própria meta de inflação. Nesse regime monetário, a taxa de inflação tende a ser igual à meta de inflação, que é a ancora efetiva. Quando isso ocorrer, a taxa nominal de juros terá seu valor determinado pela identidade de Fisher. Ou seja, no longo prazo a taxa nominal de juros não determina a taxa de inflação; ela é determinada pela meta de inflação!

O longo recente artigo de John Cochrane, citado por André, parece ser uma tentativa de relançar o neofisherianismo em bases técnicas mais respeitáveis. Cochrane sonha em ser uma espécie de Einstein da ciência econômica, afirmando que a experiência recente das economias avançadas com taxas de juros próximas de zero e taxas de inflação persistentemente abaixo das metas constitui-se numa espécie de experimento natural semelhante ao famoso resultado de Michelson-Morley, que foi o ponto de partida para a teoria da relatividade. Acontece que a teoria keynesiana moderna, que é utilizada por todos os bancos centrais, não encontra maior dificuldade para explicar os fatos.

Cochrane utiliza uma versão simplificada da teoria para demonstrar que, quando a taxa de juros de curto prazo é reduzida até zero, só existem duas possibilidades: ou a taxa de inflação volta a subir em direção à meta ou ocorre um processo ilimitado de deflação. Como nada disso teria ocorrido na experiência americana depois que a taxa de juros foi reduzida a praticamente zero ao fim de 2008, a conclusão é de que precisamos uma reformulação fundamental da teoria, e Cochrane sugere a alternativa da teoria fiscal dos preços.

Acontece que os números de inflação para os EUA estão longe de justificar o radicalismo de Cochrane. Em 2016 a taxa de inflação já convergiu, sim, para a meta do Fed de 2% ano. A taxa de núcleo do índice da Personal Consumption Expenditure, o PCE-core que costuma ser priorizado pelo Fed em suas decisões, também está subindo e chegou a 1,7% em 2016, ou seja, bem próximo da meta. Não é correto, portanto, dizer que a política monetária americana com taxa de juros próxima de zero não atingiu seu objetivo de colocar a inflação na meta.

Pode-se argumentar que parece ter demorado muito para conseguir isso? Na realidade não houve tanta demora. Entre 2011 e 2013, a inflação média do IPC americano ficou em 2,1%, com oscilação entre 1,5 e 3%, já perfeitamente compatível com a meta de 2%. No mesmo período, a média para o PCE-core ficou em 1,5%, com oscilação entre 0,9 e 1,7%, um pouco abaixo do IPC, mas nada muito dramático. Deve-se notar que nesses anos havia uma taxa de desemprego na faixa de 7 a 9%, o mercado imobiliário continuava em crise e as famílias provavelmente ainda estavam reduzindo suas despesas pessoais para ajustar seus endividamentos. Logo existiam forças importantes operando no sentido de impedir a elevação da taxa de inflação.

O quadro realmente mudou em 2014 e 2015, quando a inflação caiu abaixo de 1%. Essa desaceleração ocorreu junto a gradual eliminação do relaxamento quantitativo (QE), portanto em princípio com um aperto na política monetária, mas esta não nos parece ser a melhor explicação. O fator determinante foi uma brusca queda nos preços internacionais de commodities, com a cotação do petróleo Brent, por exemplo, caindo cerca de 70% entre meados de 2014 e fim de 2015. Os economistas da tradição de Chicago acreditam tanto em flexibilidade de preços que costumam não levar em consideração choques exógenos desse tipo. Se olharmos, porém, para as variações fortemente negativas do IPC Energia em 2014 e 2015 (menos 10,6% e menos 12,6%), fica claro que este foi um determinante importante da desaceleração inflacionária no período. Em 2016 alguns preços internacionais de commodities voltaram a subir (como 40% para o petróleo e 20% para os metais), o que certamente contribuiu para a elevação da taxa de inflação.

Ou seja, desde 2009 a política monetária americana foi efetivamente expansionista, ainda que diversos fatores tenham contribuído para um retorno relativamente gradual em direção à meta. Fica claro que estamos longe de um resultado paradoxal, tipo Michelson-Morley, que justifique alguma revolução teórica. Talvez o único conhecimento novo relevante que resultou da experiência americana com relaxamento quantitativo (QE) é que uma redução significativa das taxas longas de juros, que foi sua principal consequência, tem pouco impacto sobre o nível de atividade. Isto sugere que Keynes estava errado quando discordava de Hawtrey sobre a maior relevância das taxas curtas de juros para a política monetária.

Faltou comentar a tese de Cochrane sobre a possibilidade de deflação ilimitada quando a política monetária atinge a restrição do piso zero, o que talvez seja relevante para a economia japonesa. Pode acontecer que um banco central operando uma meta de inflação seja levado a reduzir a taxa nominal de juros até zero sem que consiga levar o nível de atividade a uma posição suficiente para reverter uma tendência generalizada à deflação dos preços. Isto ocorreria devido a uma configuração muito desfavorável da relação entre investimento e poupança. Uma economia com muita poupança e pouco investimento, que talvez seja o caso do Japão atual, pode produzir uma situação de desequilíbrio de longa duração com inflação cadente ou negativa.

Devido ao piso zero, a economia não consegue sair da posição deflacionária apenas através da política monetária e vai depender para isso de um estímulo fiscal. O fato de que uma situação desse tipo, como parece acontecer de forma crônica no Japão (particularmente quando olhamos o índice de preços empresarial), produz apenas uma deflação de intensidade limitada e indica apenas que a relação entre inflação e nível de atividade (representada pela curva de Phillips) não é linear e pode ter inclinação muito próxima de zero na região de taxas de inflação negativas. Isso é compatível com a velha noção keynesiana de que é difícil produzir deflações na prática.

Resta ainda entender o que pretende a teoria fiscal dos preços. A melhor explicação foi apresentada por Harald Uhlig no seminário sobre o assunto realizado em abril no Becker Friedman Institute da Universidade de Chicago. Uhlig, curiosamente, comenta que, entre outras possibilidades, a teoria fiscal dos preços talvez possa ser vista como "um conjunto de previsões que ocasionalmente funcionam em circunstâncias exóticas", e adiciona entre parênteses (Brazil?).

Sua explicação é muito simples. Se usarmos B para indicar o valor nominal da dívida pública e P para indicar o índice de preços de bens e serviços, então B/P indica o valor real da dívida. Os agentes privados que detêm esses títulos públicos esperam que eles possam ser pagos através da geração de superávits primários no futuro. Então para que se sintam confortáveis é necessário que o valor presente desses superávits futuros, que podemos indicar por VPS, seja igual ao valor real da dívida, ou seja, B/P = VPS. Isto pode ser visto como uma espécie de condição de arbitragem e podemos perguntar o que acontece se o governo aumenta sua dívida sem aumentar também o valor presente dos superávits futuros. Neste caso, B/P fica maior que VPS e, num mundo de preços plenamente flexíveis e expectativas racionais, o desequilíbrio será corrigido por um aumento no nível de preços. Ou seja, P aumenta de modo a que novamente B/P = VPS. Podemos concluir então que a taxa de inflação, que é a taxa de variação percentual de P, vai ser determinada pela diferença entre as taxas de variação percentual da dívida B e do valor presente dos superávits futuros VPS. Essa é a teoria fiscal dos preços, que se pretende uma explicação radicalmente nova para a inflação, sem qualquer menção a conceitos tradicionais como curva de Phillips, taxa de desemprego, investimento e poupança ou taxa de juros.

A teoria tem um defeito óbvio: não fica claro qual é o mecanismo de mercado que produz o movimento do índice de preços quando B/P difere de VPS. Não há dúvida de que se todos os carregadores da dívida pública chegarem à conclusão de que o valor presente dos superávits futuros não representa lastro adequado para esses títulos, isto é, B/P maior que VPS, então cada um deles vai tentar reduzir sua posição. Mas como isso afeta o índice de preços de bens e serviços?

Parece mais razoável supor que o impacto será no mercado secundário de títulos da dívida pública, o que sugere que está faltando algo na equação básica da teoria. O que está faltando é a relação entre o valor nominal ao qual a dívida foi emitida pelo governo, que estamos indicando por B, e seu valor no mercado secundário, que podemos indicar por zB, sendo z um fator de desconto. Se escrevemos a teoria fiscal dos preços como zB/P = VPS, então parece mais razoável supor que um desequilíbrio entre zB/P e VPS vai ser ajustado não por movimentos no índice de preços, mas por movimentos no fator de desconto para a dívida pública, indicado por z. Como esse fator está inversamente relacionado à taxa de juros de longo prazo, a conclusão é de que a teoria fiscal de preços não é uma nova teoria para a inflação, mas apenas uma teoria fiscal da taxa longa de juros.

Veja, porém, que realmente existe um caso exótico em que a teoria fiscal dos preços pode funcionar! É o caso em que a totalidade da dívida pública consiste de papéis ligados à taxa de juros overnight, como acontece com as LFTs no Brasil (que, aliás, foram inventadas pelo próprio André!). Neste caso, o fator de desconto para a dívida pública será sempre igual a um, por definição, e voltamos à formulação B/P = VPS, que viabiliza a teoria. Naturalmente, isso não significa que esteja garantida sua relevância prática no mundo real, fora dos modelos de preços totalmente flexíveis e expectativas racionais. Significa apenas que Uhlig tinha razão ao especular que a teoria fiscal dos preços poderia em tese funcionar em circunstâncias exóticas, como no Brasil das LFTs.

Francisco Lafaiete Lopes é PhD por Harvard, sócio da consultoria Macrométrica e ex-presidente do Banco Central (BC)

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS



Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.