Is the Amazon ours?
In order for us to answer this question it is necessary to define three points: who would "we" be, what the Amazon is and what the meaning of owning something is. To establish the "we", let us begin by determining what we understand by the Amazon. The Amazon rainforest is the second largest biome in the world, which extends along the area of nine different countries. But to confine the "we" to Brazilians only, let us delimit the "Amazon" to the portion of the forest within Brazil's borders. Having said that, can we say that each one of the persons being born within the Brazilian state owns (or is a shareholder of) a gigantic area of this forest? Let us now tackle the third point; how do we become the owners of something? There are three ways of acquiring proprietorship over something: (1) to buy it, (2) to receive it as a gift or (3) to appropriate a previously unowned resource (homestead). In order for one to appropriate something unowned it is necessary to establish an objective bond with the resource in question, or, in the words of John Locke:

Every man has a property in his own person. This nobody has a right to, but himself. The labour of his body, and the work of his hands, we may say, are properly his. Whatsoever then he removes out of the state that nature hath provided, and left it in, he hath mixed his labour with, and joined to it something that is his own, and thereby makes it his property. It being by him removed from the common state nature hath placed it in, it hath by this labour something annexed to it, that excludes the common right of other men: for this labour being the unquestionable property of the labourer, no man but he can have a right to what that is once joined to. . . .[1]

Thus, what objective bond have a waiter from Chui, a fisherman from Santos, a politician from Brasilia, or even a Manaus dweller established with all of the Amazon rainforest on Brazilian soil? None. Furthermore, not only has no single Brazilian citizen but also no other person on the planet "mixed his labour" with the majority of such resources, since, in reality, a large part of the forest has never been touched by human beings. The forest is a vast and empty demographic area, a green desert.

Privatization

So the Amazon belongs to the Brazilian State? In fact, the Brazilian government possesses the territory where the Amazon rainforest is located at; but does it have a legitimate ownership over this area? The difference between possession and ownership can be illustrated by the example of a person who stole a watch and walked away unpunished. The thief does posses the watch, but the property remains of the victim, who has the right of reclaiming it if the thief is caught. The possession of the territory under the Brazilian government domain started to be delineated even before the "discovery" of Brazil, in 1494, two years subsequent to the discovery of America by Columbus, through the Treaty of Tordesillas, which stipulated that lands that, by any chance, were located at the unexplored region of the planet where Brazil was, belonged to the kingdom of Portugal. Logically, such stipulation did not take into consideration which portions of this land were already occupied at that period of time — before 1500, there were urban complexes in the Amazon housing up to 50 thousand inhabitants — and, even if it dealt with an empty continent, no person — not even a king — can claim legitimate ownership over a resource he has not even yet found. This is also known as the "Columbus Complex":

Some theorists have maintained — in what we might call the "Columbus complex" — that the first discoverer of a new, unowned island or continent can rightfully own the entire area by simply asserting his claim. (In that case, Columbus, if in fact he had actually landed on the American continent — and if there had been no Indians living there — could have rightfully asserted his private "ownership" of the entire continent.) In natural fact, however, since Columbus would only have been able actually to use, to "mix his labor with," a small part of the continent, the rest then properly continues to be unowned until the next homesteaders arrive and carve out their rightful property in parts of the continent.[2].

The current Brazilian borders were defined through a series of similar treaties, signed between governments. It is then clear that the Brazilian government is not the legitimate owner of the forest area it declares to be under its domain. Therefore, when one speaks about the "Amazon privatization", one is defending an as illegitimate arrangement as aforementioned, since no one can sell that which has never been owned — and is not occupied by any person. The privatization scenario, where the current state possession moves to private hands can appear attractive to libertarians, but it would enable the government to sell private individuals vast unoccupied areas — fatally to relatives or allies of politicians — who would not, and could never, come to establish an objective bond with the land.[3]  During the American colonization, there was an analogous situation to the Amazon privatization. The kingdom of England declared itself the owner of the North American territory and the settlers

had to buy the land at prices far higher than the zero price that would have obtained without the engrossment by the government and its pet grantees. Of course, the settlers still had to spend money immigrating, clearing the land, etc., but at least no arbitrary cost would have been imposed on top of these expenses.[4]

Consequently, neither the government nor private individuals can sell unoccupied lands. All the state could do in this question is get out of the way and recognize the property rights of the people who occupy the areas, which are, today, under the possession of the state.

Preservation

The motto "The Amazon is ours" seems to have always been around, but in distinct ways. During the 60s and the 70s, the military in power had an idea which contained many of the aforementioned elements. With the notion that an unoccupied land is an ownerless land, and adopting the slogan "Occupy not to hand in", they took measures to stimulate the settling in the Amazon region, among them opening roads and granting tax exemptions — that is, the government declared that whoever moved to the middle of the forest, far away from large consuming centers and exporting channels, and founded enterprises, would be stolen to a lesser extent than would be in other localities in Brazil. Manaus, which was decadent and ever more disoccoupied since the end of the rubber golden period, became once again a focus of migration, thanks to the Manaus Free Zone, where today 1.8 million people inhabit. The roads built by the government provided access to previously inhospitable areas. This arrangement facilitated the extraction and appropriation of the natural resources in that region. Curiously, it is exactly what the same state currently fights against.[5]

Formerly, the jungle was considered what it really is: an enemy to be tamed; that nature in its brute state is only valuable after man occupies it and works the land, transforming or extracting resources from it, what then becomes wealth, used to improve people's standard of living. But, today, an ecological wrath seems to have taken over the whole world, and the people — obviously in their comforting homes in urban areas — have a fixed idea in their minds that that which has not yet been touched by man, in such a condition must remain. The reason behind it? We'd better not even ask.

A very popular belief in the past, and still held sacred, is that the Amazon must be preserved because it is the "world's lung" — implying the forest is responsible for the oxygen production in the atmosphere, or be it, responsible for life on earth. Anyone who recalls the science lectures in school knows that plants carry out the photosynthesis process during the day (exchanging CO2 for O2) and breathe 24 hours a day (exchanging O2 for CO2), or be it, forests do not produce O2; what is great, since an increase in the concentration of O2 in the atmosphere could mean the end of life on earth. It is a fact, that for over a million years, the concentration of atmospheric gases has remained stable, with 76.5% nitrogen, 20.5% oxygen and 1% other gases, besides 2% water steam.

However, nowadays it seems the predominant ghost is global warming — the Amazon forest would prevent the earth temperature from rising, because it would reduce the concentration of CO2 in the atmosphere. But we are provided with no explanation, since as we have just reminded the reader, plants, too, produce CO2. There is also no explanation as to how a gas which comprises only 0.03% of the atmosphere can drastically increase the earth's temperature.[6]  A while ago, scholars maintained that in case the Amazon disappeared, the world would face a new Ice Age[7]. Furthermore, if forests exert such an influence on the earth's temperature,why didn't it experience a dramatic variation (upward or downward) in the last 8,000 years, a period in which there was a more than 75 percent reduction in primary forests' areas, and the total area covered by forest diminished 40%? It is hard to believe the remaining 60 percent has this vital importance resting in it, as if life on the planet depended on the forestland left.  Notwithstanding, there are studies about an anthropogenic origin of the Amazon Forest, and recent deforestations enabled the discovery of geoglyphs which date back to the XIII century, indicating that, few centuries ago, that very region could have been a grassland similar to the tropical savanna.

4.jpg
Bear Grylls, protagonist of the series Man vs. Wild, also from the Discovery Channel, struggles to survive in the middle of the Amazon

Another quixotic argument which usually emerges is that the Amazon fauna and flora posses properties yet unknown to man, and, therefore, must be preserved — "the cure of cancer can lie in the Amazon!".  To begin with, this could be an argument in favor of the maximal forest's resource exploitation, and not for its "immaculate maintenance". He who holds such a belief can head right now to the middle of the forestland and collect "these riches". In order for us to prove such an argument does exist, let us provide an example. The recent television series by the Discovery Channel, entitled Battle for the Amazon, justified this view by citing that a "possible cure to the Chagas disease had been found in the poison of the Bothrops Jararaca". There is only one problem with this argument, this reptile can be found from the North of Mexico to Argentine!  Even if it were an exclusive Amazon reptile, we would have a reason to capture and research every specie in the region at a place like the Butantan Institute (preferably not linked to the government), and not to leave an area of oceanic dimensions untouched.

And it is with these kinds of justifications that the government works hard to reduce everyone's standard of living, with IBAMA forbidding the deforestation in an area granted to the government by the "Columbus Complex", with the Federal Police attacking and kidnapping human beings for having extracted the so-called "illegal wood", or arresting miserable men for capturing animals in the forestland — what has been termed "wild animals trafficking" — or several other aggressions that occur under the urbanoid's acquiescence — people who would not last a single day if left to their own devices in the middle of the tropical forestland. Lew Rockwell makes a succinct analysis of this environmentalist wrath: "It's as if the socialists discovered that their plan creates poverty, so they decided to change their name to environmentalists and make poverty their goal.". Along the same line of reasoning, Jeffrey Tucker observes that:

Are you seeing the pattern here? Government planning was never a good means to do anything, but at least there was a time when it set out to bring progress to humanity. It was the wrong means to achieve the right goal. Today, government planning is working as a maliciously effective means to achieve the wrong goal: I mean by this that if there is anything that government is actually good at doing, it is destroying things.

The famous philosophical question that says "If a tree falls in the forest and no one is around, does it make a sound?" could be adapted to our matter of discussion as "If a tree remains in the forest and no one is around, is it really there?

Conclusion

No, the Amazon isn't ours. Whoever catches it, gets to keep it. And he'd better enjoy it well, transforming unused resources in goods demanded by people, varying from ecological parks to sandal ornaments.


_______________________________________________

 Notes

[1] John Locke, Two Treatises of Government (Portuguese edition), V. pp. 409-10, (Martins Fontes, 1998)

[2] Murray N. Rothbard, The Ethics of Liberty, chap. 8, Ludwig von Mises Institute.

[3] This occurred with Fernando de Noronha, who received in the captaincies system a few islands that today take its name, but never really settled there. Even though, the possession of the island passed onto the subsequent generations of the de Noronha's. After being occupied by Frenchmen and Dutchmen, the Portuguese retook the island in 1737, transforming it in a prison-island which worked up to 1942. Today, the Brazilian state controls the whole archipelago, allows a few people to operate hotels and shops there, controls the number of people permitted to visit the island and charges each and every visitor R$ 40 per day for just being there.

[4] Murray N. Rothbard, Conceived in Liberty, Vol. I, p. 150

[5] According to the environmentalist entity WWF, roads have been great promoters of deforestation, and, in the Amazon, 75% of deforestation occurred in large stretches along the asphalted roads.

[6] Wikipedia informs us that the contribution to the greenhouse effect by a gas is affected by both the characteristics of the gas and its abundance. For example, on a molecule-for-molecule basis methane is about 72 times stronger greenhouse gas than carbon dioxide over a 20 year time frame but it is present in much smaller concentrations so that its total contribution is smaller. When these gases are ranked by their contribution to the greenhouse effect, the most important is water vapor, H2O, with 36 — 72 % contribution. The carbon dioxide came only in second with 9 — 26 % contribution.

[7] The environmentalist and Brazilian Secretary of the Environment from 1990 to 1992, José A. Lutzenberger, used to say:

Today there are fantastic instruments which allow us to see the globe in its entirety. If we go to INPE (National Institute for Spatial Research), in São José dos Campos, or even NASA, we can see on the computer screens the image of the Planet as a whole, with the Amazon in the center, and all the movement of this mass of clouds.

 [.]

If we look at these satellite images again, showing the air currents which leave the Amazon heading South and North, we realize that, if they disappear, we will face a new Ice Age in Europe and maybe here in the extreme South. Therefore, it is futile to say, as our governors and mainly our military wish, that which we do to the Amazon is nobody's business but ours. Quite the contrary, it is everybody's business indeed. It is the Planet's business, a vital organ of the living being called Gaia, namely the Earth. We can no longer keep destroying the Amazon. It must be stopped. We need to rethink our concepts. Also because, under a purely economical standpoint, that is plunder.


Translated by Fernando Ulrich

0 votos

SOBRE O AUTOR



Ué, se a Vale era essa barbada toda, então por que esse cara não está rico? As ações foram vendidas livremente na bolsa, o que significa que ele poderia comprá-las livremente. No mínimo, poderia formar uma sociedade com vários amigos, comprar as ações, e então ficar rico com sua valorização.

Por que não fez isso?

Dizer que a empresa se valorizou após a privatização e daí afirmar que ela foi vendida a preço de banana é impostura intelectual. Quem afirma isso não sabe como funciona mercado e nem conhece a diferença entre gerência estatal e privada. E tem também de explicar por que não enriqueceu, já que sabia perfeitamente que a empresa estava subvalorizada.

Aliás, o grupo liderado pelo Votorantim perdeu o leilão de privatização da Vale. Antônio Ermírio de Moraes perdeu a oportunidade do século de ficar podre de rico. Se era tão óbvio que a mineradora estava desvalorizada, por que cargas d'água o então homem mais rico do país não ofereceu mais pelas bananas?

Detalhes:

1) O governo detinha apenas 42% do capital votante. Ou seja, o que foi a leilão não foi a empresa inteira, mas apenas 42% do capital votante. A empresa inteira estava avaliada em aproximadamente US$ 8 bilhões, sendo que a fatia vendida valia US$3,34 bilhões.

2) O leilão se deu na bolsa de valores, a preço de mercado. Qualquer um poderia ter participado. Logo, o Armando está correto. Quem hoje esperneia que a venda foi barata tem a obrigação de explicar por que não participou da venda. Se a empresa estava "a preço de banana", então o sujeito tinha a certeza de que a empresa iria se valorizar enormemente no futuro. Por que não montaram um consórcio e compraram ações? Era dinheiro certo. Não fizeram isso por quê? Odeiam dinheiro?

3) À época, ninguém imaginava que haveria um súbito e intenso boom no preço global das commodities, o que elevou o preço do minério de ferro para a estratosfera e impulsionou fortemente o valor da Vale.

Portanto, quem diz que a Vale foi vendida a "preço de banana" revela, com toda a sinceridade, profunda ignorância econômica.
Economista da UNICAMP(com letras garrafais, por favor),

Se a Petrobrás, a IMBEL, Eletrobrás(Furnas), Copel... são empresas eficientes, por que o governo usa o protecionismo para coibir concorrentes(até mesmo internacionais)? E mais, por que subsidiam essas empresas se elas são tão eficientes?

Em uma economia liberal, nunca vamos saber se aquela empresa é realmente de fato eficiente como você afirma. Para sabermos se ela realmente é eficaz deveríamos defender o mercado livre. Você está se baseando apenas em lucros que a empresa teve ao longo dos anos, mas lucros as custas do povo que paga impostos, porque o BNDES injetou dinheiro ao longo da era petista, e lucro em cima do entrave de novos concorrentes que o nosso governo pratica ao longo desses anos.

"Dê uma passeada pelos nossos corredores e veja se tu não vais te arrepiar. Conceição Tavares, Belluzzo, Aloísio Mercadante, Márcio Pochmann, duvido achar uma outra faculdade que ostente colossos tão imponentes no mundo acadêmico. Isso sem falar dos nossos ''filhos adotados'' como o Bresser, Celso Furtado, João Sayad, entre outros. Ah, aqui foi a casa do Plano Real, só para lembrar."

Sem comentários. Parece uma piada.

"Paliativo é ficar brincando de elevar as taxas de juros ou de sobrevalorizar o câmbio."

Nós nunca brincamos de elevar as taxas de juros, pelo contrário, acreditamos que os juros é redigido pelo mercado, e não em uma canetada como os economistas da UNICAMP(letras garrafais, por favor) defendem.
Sobrevaloriza o câmbio? De novo. Parece uma piada.
Pesquisa sobre Currency Board e depois conversamos.

"No setor agrícola para amenizar a inflação de alimentos, no setor energético(que é o principal culpado por essa inflação tão alta), isso sim são medidas concretas."

Inflação de alimentos é aumento de preço localizado, como foi o caso do feijão e do tomate. A melhor medida para combater a carestia gerada essencialmente pelo governo, é reduzir os impostos e LIBERAR O MERCADO PARA A ENTRADA DE CONCORRENTES. Com a burocracia estatal que é formada para obter uma reserva de mercado, garante que os empresários que estão sob proteção do governo, possa praticar qualquer preço sem qualquer tipo de concorrência que faria com que ele perdesse fatia do mercado por uma outra empresa que com medidas eficientes pudesse reduzir o preço dos alimentos.
Por mais que abaixasse o imposto, ele poderia praticar qualquer tipo de preço sem ser incomodado. E essa redução do imposto, esse mesmo empresário teria lucros maiores que poderia ter sob a reserva de mercado.

Setor energético culpado pela inflação? É isso que estão ensinando na UNICAMP(com letras garrafais, por favor)?

Bem que o Roberto Campos avisou: "O Brasil acaba com os economistas da Unicamp, ou eles acabam com o Brasil.
Bastaram cinco anos de assessoria direta de economistas da Unicamp à Presidente Dilma Rousseff, para a previsão de Roberto Campos se tornar realidade: expansão monetária, corporocracia, expansão das obras públicas, expansão dos cargos e salários públicos, intervenção estatal em toda a economia, corrupção e protecionismo comercial.
Provavelmente nenhuma economista fez tão mal ao Brasil quanto Maria da Conceição Tavares, mas além dela podemos destacar, em tempos recentes, o mais nocivo professor do país: Luiz Gonzaga Belluzzo.
Belluzzo nunca acerta qualquer previsão econômica, e é obcecado por gastos públicos. Como principal conselheiro econômico de Dilma Rousseff, convenceu-a a enterrar a bem sucedida matriz econômica "meta de inflação/câmbio flutuante/responsabilidade fiscal" por uma matriz heterodoxa "juros baixos, câmbio desvalorizado e aumento de gastos públicos". Foi, sem dúvida, um responsável direto pelo caos econômico que vivemos.
Agora, repetindo o que Lula falou há dois meses, Belluzzo tem a desfaçatez de dizer que a crise econômica é culpa de um suposto ajuste fiscal que Joaquim Levy estaria fazendo. Segundo Belluzzo, precisamos gastar mais ainda para sair da crise."
https://www.institutoliberal.org.br/blog/previsao-de-roberto-campos-e-o-ajuste-que-nunca-aconteceu/

"Quer dizer que a empresa desde 1953 é referência nacional, mas por causa de um governo ruim ela vira ''um grande cabide de empregos''? Aliás, esse tipo de problema acontece na esfera privada também."

Cabide de emprego na esfera privada? Você desconhece qualquer atividade empresarial para falar tal bobagem, nunca um empresário faria da sua empresa um cabide de emprego, ele opera com sistema de lucro e prejuízo, ele não pode se dar ao luxo de encher a empresa de empregados ineficientes.
Palavras de um empresário.

"Não, apenas defendo que as nossas empresas não fiquem vulneráveis à imperialistas que jogam sujo contra nós. "

Eles jogam tão sujo, que em países no ranking de abertura comercial, a população paga pelo melhores produtos pelo menor preço. Parece que a UNICAMP(com letras garrafais, por favor), está doutrinando os seus alunos a ter sentimentos nacionalistas que acaba prejudicando justamente quem eles querem proteger: a população.

Obrigado por vir até aqui e comprovar que Roberto Campos sempre esteve certo tanto da UNICAMP(com letras garrafais, por favor) quanto na petrossauro.

Abraço Economista da UNICAMP(com letras garrafais, por favor)
Olá amigos, sou um estudante do ensino fundamental e eu tenho interesse em economia, tenho um irmão mais velho que acompanha o site e sempre me disse que esse era o melhor site para aprender sobre meu interesse. Portanto, gostaria de aprender mais sobre as questões abaixo:
Obs: Gostaria de respostas curtas para maximizar meu aprendizado de forma que eu não acumule muito conteúdo de primeira. Eu tenho um conhecimento prático e limitado sobre a economia, justamente pelos ensinamentos do meu irmão.
Vamos começar.

Questão 1) O que é inflação de demanda?

Questão 2) O que é demanda agregada?

Questão 3) Inflação é sempre decorrente de expansão de crédito?

Questão 4) O que é base monetária?

Questão 5) O que define a taxa de juros em um livre mercado?

Questão 6) Como é definido a taxa de juros atualmente no Brasil?

Questão 7) Aumento na taxa de juros é pelo "risco país"?

Questão 8) Como é determinado o câmbio?

Questão 9) Qual o melhor sistema de câmbio?

Questão 10) Li recentemente em um site que temos 19 montadoras no Brasil, não seria livre mercado(pelo menos no setor automotivo)? (Sei que temos monopólio de fabricante de peças)
Cade acusa Fiat, Ford e VW de monopólio em fabricação de peças

Questão 11) Temos candidatos a presidente que tem como um slogan sob a sua campanha "Abaixar os juros" por um decreto? Isso seria uma decisão ruim ou boa? Não há uma contradição pela questão 7? Dilma dizia que abaixaria os juros e acabou não ocorrendo, pelo contrário, ela aumentou? Por que seria diferente com esse candidato?

Questão 12) Por que abolir o CVM? Qualquer empresa poderia entrar na bolsa sem burocracia estatal, de modo que impulsionaremos nossa economia com as empresas estrangeiras que abririam capital na nossa bolsa? Seria uma medida que o micro-empresário poderia rivalizar com os mega-empresários?

Questão 13) Por que abolir a infraero?

Questão 14) Por que abolir ANVISA?

Questão 15) Qual o potencial do Brasil?

Questão 16) Nióbio ajudaria no nosso desenvolvimento?

Questão 17) Exportação x Importação? Qual o melhor? Por que balança comercial é importante para economistas?
Importação é produtos do estrangeiro que vieram ao Brasil para serem vendidos, mas até onde sei até chegar a loja esses produtos ainda não foram vendidos? Por que os ataques histéricos com essa balança se nem ao menos sabem se o produto foi vendido(até mesmo pelo preço pela taxa de importação)?

Questão 18) Na China existe o trabalho escravo? Encontrei essa matéria de chineses apanhando por mau desempenho no trabalho

Questão 19) Por que a China vai explodir economicamente? Todos dizem que vai ser a maior economia do mundo até 2050, vocês acreditam?

Questão 20) Pelo que obtive do meu irmão, a Índia está fazendo algumas reformas liberais, apesar de tímidas estão ajudando a economia a crescer? Índia não poderia passar a China com essas reformas?

Questão 21) Acumulação de capital x consumismo(explique seus conceitos e qual o mais importante em uma economia)?

Questão 22) O que gera recessão?

Questão 23) O que torna um país rico?

Questão 24) Existe algum limite de crescimento que um país possa se ter? Exemplo do Japão que é do território do MS(Mato Grosso do Sul) pudesse dobrar a sua economia?

Questão 25) Por que a Irlanda cresceu 26% em um ano? Milagre econômico ou livre mercado?

Questão 26) Por que os países de livre mercado são taxados de paraísos fiscais? Hong Kong, Cingapura, Panamá, Ilhas Cayman, Suíça, Luxemburgo e outros? Austrália e Nova Zelândia entrariam nesse conceito?

Questão 27) Por que o Brasil cresceu apenas 4% na média na década passada?

Questão 28) O renminbi poderá passar o dólar como a moeda de troca internacional?

Questão 29) Existe zona de livre comércio em Xangai?

Questão 30) Por que a China tem esse "poderoso" PIB? Como ela conseguiu o tal "milagre"?

Questão 31) Por que o estado mínimo não é necessário?

Questão 32) Forças Armadas estatal x Forças Armadas privada(Qual o melhor e por que)?

Questão 33) Por que a Africa é pobre?

Questão 34) Somália é anarcocapitalista?

Questão 35) Milton Friedman é importante nas matérias econômicas(o que podemos aprender com ele?)?

Questão 36) Mises foi o mais importante economista do século 20?

Questão 37) Keynes x Mises e Keynes x Milton Friedman(maiores diferenças entre eles)?

Questão 38) Keynes é comunista, socialista ou capitalista interventor?

Questão 39) O que causou a Grande Depressão?

Questão 40) Explique o conceito de ciclos econômicos?

Questão 41) Qual a contribuição da Escola Austríaca(EA) nas ciências econômicas?

Questão 42) Qual a posição da EA na colonização de planetas? Ouvi dizer que podemos praticar atividades econômicas nesses planetas com agricultura e mineração(depois da terraformação)?

Questão 43) Meio ambiente x livre mercado(Qual o papel do livre mercado na conservação do meio ambiente)?

Questão 44) Amazônia poderia se internacionalizada por não protegemos nosso patrimônio? Não é agressão internacional para com o nosso país? Estão atrás da preservação ou das riquezas que nós temos no território?

Questão 45) Zona franca de Manaus funciona(qual o papel dela na economia brasileira)?

Questão 46) Empregos se tornam obsoletos enquanto outros surgem, qual a visão dos leitores e dos autores sobre a mineração espacial, internet das coisas e viagem espacial?

Questão 47) Pobreza diminuindo com a expansão do capitalismo, até quando a pobreza absoluta poderá ser erradicada?

Questão 48) De acordo com a revista Veja, se toda a água do planeta fosse representada por 200 litros, 195 litros seria de água salgada. 5 litros seria de água doce, mas a maior parte da água doce está nas geleiras ou em depósitos subterrâneos de difícil acesso, a humanidade tem a sua disposição para consumo apenas o equivalente a 20 mililitros de água. Qual o papel da iniciativa privada nessa questão abordada? Existe o processo de dessalinização em alguns países, mas em mãos do estado. Pelo que eu pude estudar tem inventores que poderiam mudar radicalmente a forma dessa dessalinização tornando a água abundante. Por que o estado não deixa os empresários disponibilizarem essa água para a população?

Questão 49) Os que defendem o controle populacional tem como uma das formas de culparem o capitalismo por tal descontrole. Ma em um país capitalista essa questão é exatamente ao contrário. Por que esses mesmo defensores não defendem o capitalismo, já que se provou um "controle" populacional?

Questão 50) Culpam o capitalismo pela fome do mundo, mas em países capitalistas uma das doenças que mais matam é a obesidade. Não é uma contradição? São hipócritas ou aparentemente sem limites de burrice para denegrir o sistema capitalista?

Questão 51) Já leram o Livro Negro do Capitalismo? É realmente culpa do capitalismo ou ações governamentais que são os verdadeiros culpados? Se é culpa do capitalismo, como um dono de um restaurante em Ohio possa ser culpado pelas mortes no Iraque?

Abraços e em breve farei mais algumas perguntas.
"Concordo que a desigualdade econômica possa ser benéfica socialmente. Porém ainda há pessoas que nem 0,50 centavos tem para sobreviver"

Então a sua preocupação é com a pobreza absoluta e não com a pobreza relativa.

"e mesmo com as políticas assistencialistas do governo não os permitem colocar em condições de consumidores para que possam consumir os serviços ofertados e muitas vezes trabalha não da forma que gosta e sim porque precisa sobreviver."

Essa frase contradiz a primeira. Primeiro você disse que a pessoa não tem nem 1 centavo (0,50 centavo é menos que 1 centavo), e agora diz que ela trabalha naquilo que não gosta.

A pessoa trabalha e não tem nem 1 centavo? Caramba....

Qualquer catador de papel e malabarista de semáforo consegue tranquilamente uns 10 reais por dia.

"Levando em conta que as máquinas tomaram boa parte do trabalho humano"

Desde o século XVIII isso acontece. E novas e mais agradáveis formas de trabalho foram descobertas. E é isso o que continuará acontecendo.

Ou você tem a arrogância da achar que não há mais empregos a serem descobertos e que tudo o que poderia ser inventado já o foi?

"um meio de adaptação seria o "trabalho intelectual""

Não necessariamente. Há hoje vários trabalhos que não podem ser substituídos por máquinas e nem dependem de "trabalho intelectual". Esportes, por exemplo. Professor de ioga. Chef de cozinha. Operador de máquina.

"No entanto contamos com um governo que não oferece ensino público gratuito e outras estratégias para que possam lançar os menos favorecidos ao mercado de trabalho."

Ué, não sei de onde você está teclando, mas, aqui no Brasil, o que não falta é ensino público "gratuito". Do maternal à pós-graduação. E toda a grade curricular é controlada pelo governo. É uma bosta? É. Assim como tudo que o governo faz.

E as pessoas ainda querem mais governo?

"Como então poderia ser resolvida essa questão, preservando a desigualdade econômica mas que possam colocar todos em condições de consumo?"

Explicado no próprio artigo. Quanto maior a oferta de bens e serviços, menores serão os preços deles. Isso está acontecendo desde a década de 1970 nos países ricos. Os preços das coisas só caem. No Brasil isso também poderia acontecer,
mas o nosso governo não deixa.

Se a sua preocupação é com a pobreza absoluta, então você tem de defender medidas que aumentem a quantidade de bens e serviços oferecidos, de modo que os preços deles caiam a ponto de permitir que qualquer um tenha acesso a eles.
"será que o verdadeiro motivo de se combater a acumulação de riqueza (tirando a mera inveja) não seria pelo fato de conhecermos a velha cobiça e ganância que degenera o homem com excesso de poder?"

Deixe-me ver se entendi. Você está dizendo que para combater "a velha cobiça e ganância" temos de dar poderes a políticos e burocratas (que são os seres mais gananciosos e cobiçosos do planeta), os quais irão tomar o dinheiro dos outros e redistribuir este dinheiro entre si? É isso mesmo?

Faz muito sentido.

"O Estado Democrático não mínimo, para fazer frente ao poderio econômico, não seria o mal mínimo preventivo desta desconfiança da "singularidade" da acumulação dos recursos financeiro-econômicos?"

A empiria lhe refuta.

Quem cria cartéis, oligopólios, monopólios e reservas de mercado, garantindo grandes concentrações financeiras, é e sempre foi exatamente o estado, seja por meio de regulamentações que impõem barreiras à entrada da concorrência no mercado (via agências reguladoras), seja por meio de subsídios a empresas favoritas, seja por meio do protecionismo via obstrução de importações, seja por meio de altos tributos que impedem que novas empresas surjam e cresçam.

Apenas olhe ao seu redor. Todos os cartéis, oligopólios e monopólios da atualidade se dão em setores altamente regulados pelo governo (setor bancário, aéreo, telefônico, elétrico, televisivo, TV a cabo, internet, postos de gasolina etc.).

Artigos para você sair desse auto-engano:

Brasil versus Romênia - até quando nosso mercado de internet continuará fechado pelo governo?

A diferença entre iniciativa privada e livre iniciativa - ou: você é pró-mercado ou pró-empresa?

Grandes empresas odeiam o livre mercado

Romaria de grandes empresários a Brasília - capitalismo de estado explicitado

E você ainda diz que é o estado quem vai impedir a concentração do mercado, aquela concentração que ele próprio cria e protege?

Por outro lado, não há e nem nunca houve monopólios no livre mercado. Empiria pura. Pode conferir aqui:

Monopólio e livre mercado - uma antítese

O mito do monopólio natural

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS



Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.